Viciado em sexo, dependente de putaria: um relato

Autor Anônimo

por
em às | Relatos, Sexo


Quando um homem pensa pouco em sexo e não tem vontade de transar sempre, as mulheres reclamam.

E quando o cara tem uma libido mais do que exacerbada? Eu garanto, elas também podem reclamar.

Tarado, viciado, compulsivo, sem controle

Demorei muito para perceber o que realmente acontecia comigo. Meus pensamentos, vontades e atitudes eram diferentes de todos que conhecia. Nas conversas com amigos, fazia de tudo para que o papo fosse para o lado sexual. Não que eu fosse um entendedor do assunto, não mesmo. Mas eu me sentia mais seguro, mais tranquilo ao falar só disso.

É como se o mundo ao meu redor girasse com um eixo de putaria, movido por sexo.

É estranho pensar, sei bem. Mais estranho ainda é ver como as pessoas reagem. Não, eu não saio por aí dizendo que sou um tarado,viciado em sexo. No entanto, fica fácil perceber. Bastam alguns minutos de conversa. Se for com mulher, bastam alguns segundos.

"Oi querido, como foi a consulta? Você é mesmo viciado?"

Quando se tem isso em demasia, não há como fugir. Você se entrega. As conversas sempre com tom sexual, os olhares sempre direcionados às áreas mais eróticas das mulheres. Para a boca ou para o colo, tenho olhar de desejo. Isso ajuda muito na hora da conquista, mas não é bacana na hora de conversar com uma chefe gostosa.

“Canalha!”

Na hora em que fico com uma mulher o pensamento é somente no sexo. Todos os impulsos, desejos e pensamentos levam à putaria. Sem me preocupar com o lugar, sem me importar com quem está em volta. Apenas quero saciar a minha vontade. Não há controle. É mais forte que tudo.

Por isso é tão difícil pensar em um relacionamento sério. Talvez eu nem deixe chegar a esse estágio. Visando sempre o sexo, não posso exigir muito da mulher depois. É como se eu já tivesse atingido minha meta com aquela mulher e estivesse pronto para sair em buscar de uma nova conquista.

O vício por sexo, no meu caso, não se restringe a sexo com a mesma pessoa. Tenho de me satisfazer com mulheres diferentes, em locais diferentes. Gosto de ser um tarado por completo. Não gostava, mas já que sou assim é melhor aproveitar e usufruir de tudo que posso conseguir. Não é por acaso que as mulheres me chamam de canalha e vagabundo.

Aceito as críticas, mas não quero mudar. Já tentei e não consegui.

Vício + Internet = motel ou pornografia

É melhor continuar assim, mesmo com a repudia de alguns amigos e parentes próximos. Alguns, inclusive, evitam falar de mulher perto de mim, já que sabem que vou levar o assunto para o sexo – o lado mais sujo do sexo. Sempre comentando de gozadas na cara, sexo anal, putaria das boas. Acho que eles não gostam por não terem curtido muita coisa que eu curti. Recalque, talvez.

Digo sem vergonha que curto a vida. Não da maneira mais idealizada, nem muito menos a forma que minha mãe imaginou pra mim quando nasci. Busco maneiras e meios estranhos de conseguir saciar o meu desejo sexual.

É comum entrar em salas de bate-papo e buscar mulheres fáceis, que querem apenas sexo casual. A sorte, talvez, é que eu ainda tenha um pouco de seleção. Não saio transando com qualquer uma. Apenas porque nunca deixei o desespero bater.

Nos chats, vou direto ao assunto. Começo uma conversa e com poucos minutos já mostro para o que entrei. Se a mulher não curte o mesmo que eu, parto pra outra, afinal, o tempo é mais que precioso. A busca é meio cansativa, preciso ficar atento a todas que entram pra poder filtrar a que realmente pode me interessar e curtir um sexo casual.

Ao conseguir, adiciono as mulheres no meu MSN falso. Não faria a burrice de me mostrar realmente. Um nome falso, uma foto da barriga ou até mesmo de pênis e lá estou em mais uma conversa marcando o local da transa. Como entro na parte da noite, costumo marcar sempre em motéis e com as mulheres me buscando em casa. Um pouco de segurança não faz mal.

Esse mesmo MSN é o que eu uso para manter sexo virtual. Infelizmente não é todo dia que consigo sexo e ficar sem prazer algum não está nas minhas hipóteses. Dessa forma, uso de toda persuasão para conseguir strips, showzinhos e conversas por telefone só para me saciar. Às vezes deixo as mulheres me verem. Questão de ego, sabe como é.

"Tá bom o ângulo da cam?"

Gosto de saber que elas me acham sexy, com um corpo bonito e com um pau bacana. Talvez seja um dos pontos alto da conversa: ela me elogiar, inflar meu ego.

Se não há mulheres disponíveis, parto para o que eu chamo de “apaga incêndio”: pornografia na internet. A facilidade que temos hoje para encontrar todo o tipo de material é gigante, beira o absurdo. Vários sites possuem vídeos gratuitos, vários com fotos, ensaios e tudo mais. É um verdadeiro harém para quem não consegue ficar sem sexo por um dia.

Os filmes eu costumo até baixar e deixar no PC, primeiro para poder usar com as mulheres. Gosto de vê-las tendo prazer olhando e imaginando tudo aquilo acontecendo com elas e depois, vai que eu fico sem internet por qualquer motivo? Como saciaria a minha vontade? Sim, eu penso em tudo.

Tenho certeza que muitos devem achar que isso é a vida que pediram a Deus. Sexo sempre, sem preocupação. Mas não é bem isso que acontece.

Sexo como fuga

O sexo passou a ser uma resolução de problemas. Se estou mal, transo para esquecer. Se tenho muita coisa acontecendo de ruim, transo pra não focar no que tenho de fazer. Excesso a excesso, vou transformando o sexo em uma fuga da realidade.

Com o passar do tempo fui vendo que a frequência de sexo que eu conseguia já não era mais suficiente. Precisava de um pouco mais para ter a mesma satisfação de antes. E agora, parceiro, isso só tem aumentado. É como se agora fosse preciso duas mulheres para que eu tenha o prazer de uma transa. E, claro, nem sempre dá pra conseguir tal cenário.

Logo após o sexo tenho uma grande culpa, um imenso remorso por tudo que fiz para obter aquela transa. Trauma pós-sexo que me consome por algumas horas, no momento que ainda estou extasiado. Depois tudo volta ao normal.

O que eu considero mais grave é o que eu já perdi para conseguir prazer sexual. Lembro que há dois anos eu inventava algumas desculpas no trabalho para poder ter encontros. Isso quando o encontro não era no meu local de trabalho, após o expediente, com toda aquela preocupação de alguém chegar e ver. Preocupação excitante, claro.


Link YouTube | Mulheres viciadas em sexo. Trecho do documentário “Sex the new Milenium Drug”.

Dependentes de amor e sexo anônimos

Mas o pior é saber que a sociedade como um todo repudia e demonstra nojo por pessoas assim, sexualmente viciadas. O que muitos não sabem é que 2% a 3% da população mundial sofre de algum tipo de comportamento compulsivo em relação ao sexo, sendo que 90% desse grupo é masculino. No Brasil, onde não existem clínicas como as dos Estados Unidos, o Projeto Sexualidade (ProSex) do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo é dos poucos a tratar de transtornos da sexualidade, entre eles a compulsão sexual – diagnóstico de pouco mais de 1% dos pacientes.

“O período crítico do tratamento dura em média um ano, com atendimento por psiquiatra, acompanhamento psicoterápico e reeducação sexual“, explica a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do projeto.

Para buscar tratamento no Brasil é preciso recorrer para apoios em grupo, já que não há clínicas especializadas como no exterior. Por aqui existe a Sex Addicts Anonymous (Viciados em Sexo Anônimos) com seus 12 passos para a cura. Os passos são os mesmos para tratar os viciados em álcool. Além dos 12 passos, o DASA (Dependentes de amor e sexo anônimos), grupo de auxílio existente no Brasil, também busca passar suas 12 tradições e 12 diretrizes para que o viciado possa ter a melhor forma de tratamento.

Um dos passos que considero mais difíceis de fazer é:

“Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados.” [veja todos aqui]

Apesar de tudo que causei, não quero reparar nada. Quero reparar os meus erros comigo. Já é complicado demais assumir pra mim mesmo o problema, não quero ter mais o peso de assumir pra pessoas que convivo com tal compulsão.

Ao ler os 12 passos verá que eles tratam muito da fé em Deus, o que afasta muitos de procurar ajuda. As pessoas com melhores condições partem para o exterior em busca de clínicas de luxo para se livrar do mal.


Link YouTube | Vídeo hilário do HowCast ensinando como saber se você é uma viciada sexual.

Tarados famosos

Foi em uma clínica assim que Tiger Woods foi internado, após assumir publicamente que era viciado em sexo. Além de perder parte dos patrocinadores com toda a sua polêmica, enfrentou a ira de seus fãs, tristes com a notícia de que o cara gostava de sexo mais do que a média. Até entendo, o cara é negro (já imaginam que ele tem um pau acima da média) e ainda gosta muito de sexo? Deus deu doses extras de vida para o cara.

Outro astro que “sofre” do mesmo mal é Michael Douglas, que na década de 90 se internou em uma clínica para se tratar da compulsão e colocou no vício a culpa das constantes traições à ex-mulher.

Engana-se quem pensa que só os homens são viciados em sexo e assumem isso. Amy Winehouse é mais uma que entra na lista. Aqui no Brasil, temos o exemplo de Adriane Galisteu:

“Sou de uma família de viciados. Meu pai era alcoólatra, meu irmão drogado, minha mãe viciada em bingo e eu em sexo.”

Um dos caras que me fazem levar essa vida adiante pelo papel que faz na série Californication é David Duchovny. Ele interpreta Hank Moody, um cara que sempre está com várias mulheres, um verdadeiro fodidão. Duchovny, na vida real, passou dois meses em uma clínica de reabilitação para viciados. Em uma entrevista em 2008, David chegou a contar que a mulher tinha até desmaiado após uma trepada:

“Estávamos muito ligados e a sauna me animou. Eu me recuperei rápido, já Tea…”

"Eu posso pelo menos acabar de tomar o meu café?"

Minha situação atual

Por aventuras assim que eu continuo levando essa vida. Entretanto, não sou esse tipo de cara babaca que você talvez esteja visualizando durante a leitura. Por um bom tempo eu busquei tratamento. Quando mais novo tive acompanhamento psicológico por meses. No ano passado, após pensar em contratar umas putas para saciar minha vontade, voltei a procurar a psicóloga. Não admitia a ideia de ter que pagar por sexo. Ainda não admito.

Porém o tratamento não é nada fácil nem rápido como imaginei. Também não vejo problemas de ter qualquer ligação com a religião, tenho uma fé bem forte em Deus. Talvez falte fé em mim mesmo, em querer mudar a situação em que me encontro.

A grande verdade é que eu não tenho realmente ideia do que fazer. Não é ruim continuar como está, não é doloroso demais. Quando realmente for, quando começar a perder dinheiro, perder parentes próximos e amigos, pensarei mais a respeito. Dizem que é só nas grandes perdas que reavaliamos a vida.

Enquanto isso, sigo o meu caminho, com conversas de MSN, strips na web, sexo casual e uma boa dose de loucura.

E ainda cultivo três paixões. Sim, não sou apaixonado por apenas uma mulher, isso já devia ser óbvio. Gosto de três igualmente. Sem tirar nem por. Assim consigo ter uma boa dose de sexo sempre. É claro que nenhuma sabe da existência da outra: não sou um Mr. Catra, não tenho a pica das galáxias. E assim vou vivendo.

Autor Anônimo

Identificação coletiva e anônima, usada por autores ou leitores PapodeHomem que querem escrever artigos ou contar suas histórias sem abrir mão do sigilo.


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • http://twitter.com/rafzan rafael zanetti

    wow. e eu achando q era tarado

    • Pablo Fernandes

      Hahahaha. Rafa e seus ótimos comentários.

    • Anja

      Será que é o Rafael Zanetti que estou pensando???
      rsrsrsrsrs

      • http://twitter.com/rafzan rafael zanetti

        será?

  • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

    Num certo sentido, acho que todos nós somos viciados em sexo, mas poucos conseguem sustentar o hábito, poucos conseguem fácil a droga.

    Num outro sentido, acho que não, que realmente há uma compulsão, uma fixação, uma energia de hábito negativa. É a diferença entre quem toma café e quem não consegue fazer nada se não tomar café.

    Li seu relato com uma certa tristeza em alguns trechos, principalmente pela presença da carência e pela perda de tempo em MSN e coisas do tipo. Mas não vejo um problema aí, vejo uma habilidade monstruosa que pode ser bem usada para a felicidade geral da nação.

    Boa sorte pra você nesse caminho. Espero um outro relato sobre sua vida mais pra frente. ;-)

    Todos temos fixações e vícios. Só muda o grau, o conteúdo, o contexto, o diagnóstico, os sintomas e a aceitação social. Estamos no mesmo barco.

    Abraço.

    • Pablo Fernandes

      Gitti,

      concordo em partes com você.

      Creio que todo mundo realmente seja viciado em sexo. Todo mundo tenha esse lado bem aflorado.

      Vejo que há algo a ser olhado com calma. Se há essa percepção por parte da pessoa, é preciso ter um olhar diferenciado. Pode ser que realmente tenha algo em cima disso, que há mais coisas que não sabemos e que jamais saberemos.

      Gostei do relato porque mostra o como isso pode ser comum e pode acontecer com qualquer um. Tirou algumas imagens que eu tinha na cabeça sobre o assunto.

      E faça das suas, as minhas palavras: “Boa sorte pra você nesse caminho. Espero um outro relato sobre sua vida mais pra frente. ;-)”

  • http://www.hynd.com.br/ Jorge Maluf

    Dizem que para se recuperar de algum problema é preciso admitir que você o tem. É inegável que depois de ler esse texto você sabe EXATAMENTE quem você é e sabe o que quer. Está 100% ciente. Basta ler e reler a parte “Minha Situação Atual”.

    Como o Gitti disse. Todos nós temos vícios e fixações, alguns mais aceitos e outros menos. Mais complicados e menos complicados.

    No geral, é um grande problema isso que você tem porque parece que depois do sexo você sente aquela ressaca maldita e depois que passa você quer mais. Creio que o tempo perdido e a ressaca de horas e horas seja a pior parte de tudo. A necessidade de se liberar os problemas no sexo faz ele ser uma necessidade, como relatado por você mesmo. Igual um alcoólatra com a bebida. Basta você tentar começar a remediar tudo isso que a habilidade que você adquiriu para conseguir o sexo vai só te ajudar quando tudo for por puro prazer.

    Você manja bastante de tudo. É um belo texto.

    Abraços! ^^

    • Pablo Fernandes

      Jorge,

      Fiquei com a ideia de que esse tempo pós sexo, que ele relata, é como aquela agunia que sente depois de ter feito muitas merdas.

      O que é triste, porque vemos que nesse caso ele enxerga o sexo como uma coisa ruim, como uma ação ruim.

      • Geraldo

        Pablo,

        eu tenho a mesma sensação qndo transo com uma qlqr q achei num barzinho, numa festa…
        Depois do fim, dá vontade de chutar a vadia e mandá-la ficar longe.

        Mas isso não quer dizer q eu veja o sexo como uma coisa ruim, pois qndo transo com uma namorada o q sinto pós-sexo é totalmente diferente.

        TALVEZ aconteça o mesmo com Anônimo, falta uma história entre o casal.

      • http://www.facebook.com/people/Flavia-Soares/1766269574 Flavia Soares

        Uma coisa estranha nos homens. Porque esse asco da mulher, ela ser vadia porque transou e você não por ter transado com ela?
        Todos temos necessidades, na nossa espécie seria diferente, a femea seria dispar do macho?

      • Rafael

        Não, não o sexo. Ele enxerga o modo como ele consegue e o porquê ruins. Não consegue escapar disso e sofre após o ato.

        Gostar muito de sexo é diferente de ser viciado em sexo. Parece que não tá muito claro isso em alguns comentários… Não se coloquem na posição dele como se ele gostasse muito de sexo!
        Há uma grande diferença entre vício/compulsão e paixão/gostar.

        Abraço!

    • http://twitter.com/lucasscharf Aleatório

      Cara, com o perdão do trocadilho, é uma situação foda. É bem triste ler um relato de dependência. Lendo o texto, eu me lembrei de vários relatos de drogados e alcoólatras.

      A sua situação é a mesma que a dos outros viciados, o princípio, a fuga de realidade, o vício, a necessidade de aumentar as doses, a diferença é que os outros vícios destroem o corpo mais rapidamente, eu não tenho certeza como que um corpo pode reagir diante de tanto sexo.

      No mais, desejo sorte na luta contra o vício.

  • http://www.facebook.com/DiogoRasik Diogo Monteiro Frota Santos

    cara, li esse seu post e fiquei triste no começo… mas quando vc soube identificar que isso é uma funga eu relaxei um pouco… não sei onde você mora, mas ser for no Rio ou em Porto Alegre conheço algo que pode te ajudar e muito com isso…

    se quiser saber mais entre nesse site: http://www.namaste.com.br

  • Prococe

    Ao fazermos sexo estamos buscando satisfação, prazer, orgasmo.
    Não sei se é o caso do autor mas meu caso é que meu prazer fica em um estágio mínimo. E não dá pra gozar assim. Parece que eu desenvolvi uma espécie de ejaculação pro-coce (será que existe essa palavra?).
    Já peguei mulheres maravilhosas que realizaram e realizam todas minha fantasias mas de que adianta bombar, bombar e bombar até a danada pedir pra parar quando vc se sente como se nem tivesse começado.
    Poucas me fizeram gozar e as que conseguiram não conseguem mais, pois fico mais exigente a cada encontro e acabo ficando na mão, literalmente.
    Qual a diversão de fazer sexo e não gozar?
    Tenho inveja de quem tem ejaculação precoce.

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      É interessante isso porque a gente acha que o prazer vem de fora. Vem da situação, da mulher, do corpo do outro, da fantasia, de duas mulheres, disso, daquilo. Mas o prazer vem de dentro. Podemos ter MUITO prazer fazendo papai e mamãe com uma feinha e pouco prazer comendo a mais gostosa das mulheres.

      Se investíssemos em aprofundar nossa experiência cotidiana, nossa percepção, nossa respiração, metade do tempo que investimos buscando novas coisas, teríamos muito mais prazer no sexo, com certeza.

      • Prococe

        Com certeza. Já tive orgasmos, porém minhas melhores noites de prazer eu não tinha gozado e nem foi preciso… E nessas noites eu estava bem entorpecido de cerveja.
        Agora bebo varias brejas pra ver se alcanço esse prazer novamente.
        O álcool deve ter desinibido algo que estava me impedindo.
        A cerveja virou, pra mim, um elixir do sexo.

    • Rafael

      Você poderia procurar um andrologista (Existe? A maioria dos médicos especialista em homens é urologista, então…), urologista, psicólogo ou sexólogo. Se desenvolveu, pode ser uma patologia… Mas se não for e continuar incomodo, por que não tentar mudar? A ajuda seria valiosa.

  • Link-bh

    “O segredo do sucesso é a moderação ter um dia sim e ter um dia não. Se você nunca se contradiz. Não abre mão do que te faz feliz …” Matansa

  • http://www.facebook.com/people/Eder-Anacleto/100000920394091 Eder Anacleto

    “O segredo do sucesso é a moderação ter um dia sim e ter um dia não. Se você nunca se contradiz. Não abre mão do que te faz feliz …” Matansa

  • Leone

    nuh!
    E eu achando q eu era viciado…
    tive uma namorada uma vez, modestia parte gostozassa e eu não conseguia ficar sem comer ela pelo menos todo dia! De boa mesmo..
    Chegamos até a brigar por conta disso, porque ela achava q eu estava demais, que não precisava ser assim, bla, bla, bla…
    Teve uma vez que até terminamos por conta disso: ela queria sexo numa frequencia muito menor do que aquela que eu achava necessária!
    Gostei pra caramba do texto. E até o ponto que esse desejo exagerado não prejudique ninguém, eu não o considero um problema!

    Abraxx

  • Dr Health

    Que relato… PQP!!

  • Mario de Souza

    por coincidência, saiu agora pouco no site do globoesporte:
    http://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/noticia/2010/10/livro-revela-orgia-com-33-aeromocas-de-campeao-da-formula-1-em-1976.html

    33 aeromoças configura um viciado?

    • Pablo Fernandes

      Mario,

      To fazendo um shot sobre isso. hahaha

      Valeu.

  • http://twitter.com/simonebomfimbh Simone Bomfim

    Nossa, essa história é triste. Ele parece não se importar muito com o fato de não poder se relacionar com ninguém, mas dá a entender que o sexo pra ele é um problema! O que é muito bom, pra ele é um tormento!

  • http://twitter.com/gabrielvinicius Gabriel Alves

    Nossa que relato.

    Só fico impressionado de nessas do autor do texto procurar sexos casuais em salas de bate papo ele não ter se deparado com uma psicopata ou uma “quase – mulher”, coisas que infelizmente acontecem com quem fica procurando sexo casual na internet.

    Quanto ao vício, todo homem gosta de sexo só que tudo em excesso ás vezes pode fazer com quem o homem perca ótimas oportunidades de engatar um bom relacionacionamento ou perca amizades por sempre estar nessa de procurar putaria.

    Parabéns papo de homem por cada vez se superar nos artigos!

    Abraços

  • Marcio

    Caraca! A sensação de perda de tempo, desperdício de vida gasto em coisas como MSN são avassaladores, a sensação de falta de auto-controle quando se joga coisas importantes para o alto….e a impotência frente a própria limitação por mais que se tente fazer diferente é ainda mais frustrante.

    É um ciclo, as coisas estão ruins, você entra em frenesi para fazer sexo e faz sexo, aí, sente-se como se estivesse num buraco, chegado ao fundo do poço. É então que você se reergue e acredita que as coisas serão diferentes, você se esforça, ora, mas logo cai e volta novamente ao fundo do poço.

    Não é simples, você se relaciona com os outros como se fosse feito somente de sexo, não se enxerga como gente e não permite que os outros te enxerguem também.
    Todavia, desejo-lhe perseverança para se olhar como alguém que é muito mais do que sexo. Insista na terapia!

  • Fernando Portela

    sexo é bom, mas a vida tem outros prazeres tb… Ser um viciado total em sexo, torna-o desprovido de outros prazeres e talvez até de laços afetivos mais concretos.

  • Jair

    Só para enriquecer os depoimentos…
    Tive um chefe que era viciado em sexo. Saía no meio das reuniões para se masturbar, comia qualquer uma, e sempre perdia qualquer tipo de “quebra-de-braço” dentro da empresa, pois os colegas colocavam umas gostosas em volta dele, e o homem se descontrolava. Topava qualquer coisa pra acabar a reunião de uma vez.
    Ele nunca transava menos de quatro vezez por dia. Comia gente de manhã cedo, ao meio-dia, na hora do café…
    Ganhou fama positiva entre as mulheres, e negativa na empresa. Nunca subiu de posto, estando no mesmo setor a quase dez anos, apesar de ser extremamente competente. Ele sempre é consultado acerca das estratégias da empresa, mas nunca promovido.
    Vários subordinados “passaram” dele na hierarquia da firma, e ele sempre lá, procurando um buraco pra se enfiar.
    Abraços.

    • Anônimo

      Esse teu ex-chefe é, realmente, um viciado. Se ele ainda trabalha lá, é um milagre ele não ter perdido o emprego.

      Isso é o que se pode chamar de um verdadeiro desperdício de energia.

  • Leonardo

    Imagina quanto espaço o autor do texto abriu pra muitas mulheres sentirem prazer. Ele pode continuar com essa mesma energia , mas usa-la também em outras coisas, com certeza ele pode beneficiar muitas pessoas, além do sexo.

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Claro! É só ele liberar a fixação e pronto. Pode seguir comendo várias, numa boa. O problema é a compulsão, o sofrimento, a rigidez, o condicionamento, a falta de liberdade, não a putaria.

      • http://www.facebook.com/raffael.silvado Raffael Silvado

        O pior sobre a compulsão é que o direcionamento dela muda, já usei sexo como alivio para ansiedade, stress e até mesmo para conseguir dormir.
        E a culpa logo em seguida é que é o pior, quando a culpa começou a me incomodar foi quando eu percebi que estava viciado.

  • FIDEGA

    Antes sexo do que crack.

  • http://janainapupo.blogspot.com/ Jana Pupo

    Hoje em dia, viciar em sexo pode ser considerado algo “normal”. Muitas mulheres não ficam mais escondendo nem reprimindo o desejo, saem a caça e escolhem suas presas. Tudo está facilitado demais.
    E acho que se é pra ter um vício, que seja por sexo.
    Sexo faz bem para o animo, para a pele, para o corpo, cura até enxaqueca, oras!
    Com camisinha, que mal tem?
    Abraço.
    Janaína Pupo.

    • osmane/Vitoria/ES

      Plenamente de acordo, Jana….

  • Ricardo Coelho

    O Dakshina Tantra Yoga considera a compulsão para o sexo não como um excesso de energia sexual, o que poderia parecer a princípio, mas exatamente o contrário: essa compulsão é geralmente causada por uma hipo-energização do swadhysthana chakra, relacionado à reprodução e sexualidade. Falando de forma grosseira, a pessoa precisa fazer sexo pra ‘roubar’ a energia do parceiro, pois tem um bloqueio energético neste chakra. Procurar um bom professor de yoga pode ajudar bastante.

  • Anônimo

    Tudo tem sua dose certa, nada demais é bom. Detesto vícios, eles te prendem, você passa a depender deles pra viver, afeta seu modo de vida de todas as maneiras possíveis. E o mecanismo é o mesmo das drogas, hormônios, neurotransmissores, prazer. O texto me fez refletir sobre os ditos “tarados”, é bom ver o outro lado da moeda, de perto ninguém é absolutamente amável e nem detestável.

    Espero que você supere ou pelo menos tenha uma qualidade de vida melhor no futuro.

  • Francisco

    Como o Gitti falou, o problema é a compulsão, a rigidez.

    Esse “diagnóstico” de vício em sexo, na maioria dos casos é bem estúpido, um daqueles chapeuzinhos de “burro” que os maridos aceitam vestir para manterem suas esposas depois de serem pegos no flagra no meio de um caso, e por isso lá fora tem tantas clínicas e tal.
    O vício não está em transar loucamente, com x, y, ou z mulheres, homens, o que for do gosto de cada um, mas se revela bem furtivamente, quando o autor conta da culpa e sofrimento que sente depois de cada transa. Sexo não tem que ser ruim, fonte de sofrimento.

    Como o autor bem acertou, usa o sexo para fugir das coisas, dos problemas, dos compromissos, da intimidade.
    Como o autor diz que não sabe o que fazer, está pensando em participar em um grupo de 12 passos que vai enche-lo de ainda mais culpa e raiva contra sí mesmo, penso que talvez devesse iniciar a terapia novamente, e ver o que tanto teme em estabelecer uma intimidade. Mesmo estando apaixonado por três mulheres, mente para todas, portanto, não se entrega para nenhuma, e cada transa é uma fuga que aprofunda o buraco. Está tentando fugir cavando um buraco até o outro lado do planeta.

  • http://www.desfoque.wordpress.com Lucas

    Engraçado que o texto fica no limiar entre “sintam inveja de mim” e “sintam pena de mim”. Não digo que é essa a intenção do autor – nem acho que seja – mas parece que há um misto de orgulho e tristeza nisso aí. E, sendo um sentimento complexo assim, deve ser terrível de se lidar.

    E eu definitivamente não concordo com o vício (nem teria como concordar) e nem com o “gostar MUITO de sexo”. Sexo é ótimo, é uma das melhores coisas da vida, mas há espaço pra tudo.

    E eu falo isso com algum conhecimento de causa. Em períodos entre namoros, eu tive uma fase terrível nesse sentido. A abstinência de sexo constante (que, vamo lá, é um dos maiores benefícios do namoro) e a enorme dificuldade pra arranjar sexo casual (sem carro, morando com os pais e suas chances são 90% menores) me fizeram cair nessa de chats, msn falso, webcam e tudo isso – todos os dias, mais de 3h por dia. Sempre fazendo o inferno pra arranjar algo pra gozar e depois pensando “cadê a minha dignidade? Quanto tempo eu perdi nisso?”. E sim, nessas eu arranjei alguns casos reais, (rua, terreno baldio, casa de desconhecidos…) dos quais me arrependo de praticamente todos. Nessa mesma época, eu desenvolvi um monte de problemas sexuais, como impotência, ejaculação precoce, insegurança. Ficou tudo muito doentio e eu acho que eu tava a beira da depressão.

    E, parece bem piegas, mas a cura pra tudo isso foi um namoro, que eu arranjei num tiro de sorte do caralho. Um namoro sadio, entrega emocional e química sexual. Muito dessas fases ou compulsões sexuais são inevitavelmente ligadas à carência emocional, eu acho.

  • Bruno Tamanaka

    Um punheteiro com líbido em excesso. Como o cara viado em sexo coloca “Enquanto isso, sigo o meu caminho, com conversas de MSN, strips na web, sexo casual e uma boa dose de loucura.”? CONVERSAS DE MSN e STRIPS NA WEB em primeiro lugar?

    Bem, eu não falaria pra você desistir dessa vida, pois pelo que você disse aqui não há motivos. Eu não gosto de julgar as pessoas pelos seus maus hábitos, não vou julga-lo por comer todo mundo, exceto se você comer minha mãe. Fique longe da minha mãe!

    Você não falou o nível das mulheres que você come, mas se o nível for baixo… eu aconselho você a parar!

  • Markiin

    Sexo.. sexo.. sexo. Algo completamente viciante, não há uma pessoa que se torne sexualmente ativa, não pense e não deseje sexo. É a Droga que move o mundo, mas nem sempre de fácil acesso(já que me recuso até hj a pagar para ter). COmo o Gitti diz é dificil ter acesso a droga, e muito não sustentam o vicio ou se auto afirmam viciados., mas o mundo esta cada vez mais erótico, cada vez mais joga na sua cara. Faça Sexo.

    A Tv emite quase sexo 24 horas, comercias de cervejas, oud e qualquer outra coisa, tem sempre algo para estimular seu libido. Um dia Desses passando pelo o centro do Rio de Janeiro, vejo um panfleto de Xerox , em uma parade e a Foto de uma Morena escutural, com um Decote enorme escrito Xerox e logo abaixo o nome do lugar e o endereço.
    Agora até para xerox as pessoas apelam para Sexualidade. Mas a vida é assim o erotismo está cada vez maior no mundo e de muito facil acesso, não é a toa que as pessoas não procuram mais pornografia, a pornografia que as encontram.

  • Relato 2

    Sou leitor assíduo do PDH, e, como a pessoa que redigiu o relato acima, viciado em sexo.
    As únicas diferenças entre nós são as seguintes:
    1. Sou ateu e;
    2. Descobri o meu vício aos 17/18 anos, quando já havia transado com mais de 150 mulheres diferentes.

    Desde então, junto ao meu pai, que sempre me educou com sabedoria e sempre esteve presente na minha criação, buscamos acompanhamento psiquiátrico.

    Hoje, aos 24 anos, tomo uma série de remédios para controlar a libído e a hiperatividade (dentre eles, o ziban, que também é utilizado por fumantes), mas, diariamente, transo por duas a três vezes (ejaculações) com a minha companheira fixa, que está comigo por quase 5 anos. Todas as vezes que sinto vontade de traí-la (diariamente) penso no mal que já causei com o meu antigo e descontrolado comportamento.

    Digo isso pois, assim como quem escreveu o texto, não relaxava enquanto não conseguia parceiras para satisfazer meus inúmeros desejos.

    Descobri junto à minha psiquiatra que uma das razões para ter o impulso sexual obsessivo se deu, em parte, em razão da perda da minha virgindade, que ocorreu aos 9 anos com duas primas minhas de 13 e 14/15 anos, respectivamente. Isso foi um trauma que havia apagado, mas que se revelou novamente durante minha adolescência.

    Por último, apenas esclareço que a impulsão tem cura, mas depende obviamente do momento em que você descobre que a possui, pois, quanto mais jovem, mais fácil de lidar com a libido e controlá-la.

    Hoje pratico Yoga (ashtanga, por três vezes na semana), natação (três vezes na semana) e musculação (seis vezes na semana). Isso tudo sem contar que possuo pós-graduação e trabalho das 8 às 17hs.

    O que eu quero dizer é que o transtorno do impulso sexual junto à hiperatividade não afetaram a minha vida, graças principalmente ao meu acompanhamento psiquiátrico, aos meus pais e aos meus familiares. Essa mudança, depende principalmente de você.

    Saudações,

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Valeu pelo relato, meu caro.

      Muito bom saber de sua história. Mas a sua mulher não reclama de tanto sexo? E como você lida com a questão “tempo”? Você transa toda manhã e toda noite, é isso? São trepadas mais rápidas ou mais longas? Pergunto de curioso mesmo, não precisa responder.

      • Relato 2

        Gustavo,
        vou ser bem sincero contigo, caso esteja em dúvida quanto ao meu relato.
        Trabalhamos no mesmo bairro, no Centro de uma grande cidade.
        Moramos a 20 minutos do meu trabalho e a 15 min do dela, na Zona Sul da nossa cidade.

        Transamos no almoço – às vezes em motéis ou em casa -, ou de manhã, sempre à noite (até ela gozar e ela não reclama, mesmo em período de menstruação). Acredito que, principalmente em razão da minha parceira saber do meu ‘problema’ e do seu trabalho ser massivamente estressante (por ela ser chefe de onde trabalha/ possuí 3 anos a mais que eu). Desde que eu passei a me tratar com a psiquiatra (que também é neurologista e psicóloga, logo, neuropsiquiatra), aprendi muito mais sobre relacionamentos e a forma de lidar com os problemas diários, sem prejudicar o relacionamento.

        Durmo diariamente por volta das 24hs e acordo às 5:50 para malhar. Isso porque a hiperatividade me satisfaz com o sono em torno de 4/5/6 horas diárias (no máximo…). pratico yoga e nado à noite, em dias alternados, também nas adjacências do meu Bairro.

        O melhor de poder utilizar o PDH para esse tipo de conversa é a manutenção da minha discrição, embora esteja disponibilizando uma série de informações sobre a minha rotina pessoal diária.

        Em nenhum momento eu disse que o impulso sexual é bom, nem que é fácil de lidar com ele. Eu apenas afirmei que vc pode ter uma vida tranquila com o “problema”, desde que busque ajuda profissional, como eu fiz quando mais novo.

        No mais, quanto às ‘trepadas’, por vezes tomamos banho juntos, por outra fazemos outras atividades de casal que nos une e favorece ao momento do sexo. Não temos filhos e possuímos hábitos saudáveis.

        A última vez que fiquei mais de 5 dias sem sexo foi quando, aos 21 anos, operei (apendicite).

        Por último, quero dizer que, com a leitura do meu relato é possível perceber que me tornei uma pessoa fria, comedida e utilizo sim o sexo como uma fuga, mas infelizmente isso é um dos defeitos do tratamento, que não é 100% eficaz. Ele apenas reduz a sua ‘vira-latisse’ causada pela libido, se é que vc me entende. rss.

      • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

        Valeu por compartilhar, cara. Gostei do jeito que você lida com o lance. Vocês são mais felizes do que muitos casais mais “normais”, pelo que posso observar.

        Agora, tenho certeza que tem algumas mulheres ligeiramente excitadas lendo esses relatos pois passa a imagem de virilidade, desejo, potência e diversão, coisa rara em alguns homens hoje em dia.

        Tem um aspecto “adolescente” nisso também, mas o lance da virilidade acho que supera.

        Vamos lá, mulheres, admitam: alguma ficou um pouco animada com esses relatos? :-)

        Abraço.

      • Dine

        “Agora, tenho certeza que tem algumas mulheres ligeiramente excitadas lendo esses relatos pois passa a imagem de virilidade, desejo, potência e diversão, coisa rara em alguns homens hoje em dia.” Eu admito, fikei animadíssima. Você é uma máquina!

  • http://twitter.com/MCF_SA MCF S/A

    Relato FODA!

    Tem um livro que trata disso, mais ou menos. É “A Cura de Schopenhauer”. É meio meloso, mas tem uma mensagem legal.

  • http://twitter.com/simonebomfimbh Simone Bomfim

    Gitti, muito engraçado! Achava que só eu era curiosa assim! rsrs

    Brincadeiras à parte, algumas pessoas aí em cima estão confundindo muita libido e gostar muito de sexo com compulsão, como o caso do autor e do Relato 2. E até mesmo os tarados, como disse uma moça, acho que a Luiza, ainda não são como os viciados, na minha opinião! O simples fato de um garoto de 17/18 ter se relacionado com 150 mulheres já demonstra essa diferença. Assim como o colega de trabalho de alguém lá em cima que interrompia as reuniões pra se masturbar.

    Não pode ser normal a pessoa PRECISAR transar 3 ou 4 vezes TODOS os dias! É óbvio que isso já aconteceu com a maioria… principalmente quem namora e só encontra nos fins de semana. Mas todos os dias não!

    Acho que a história do Relato 2 é um alento pra quem é realmente viciado! Hoje ele consegue conviver com o problema sem prejudicar as outras áreas de sua vida e as pessoas com quem se relaciona.

    Seguindo a linha indiscreta do Gitti, como era seu “relacionamento” com sua psiquiatra? Olha, eu acho que se fosse eu, ficaria com medo de ficar com você sozinha na sala… rsrs. Mais uma indiscreta, os viciados têm algum pré-requisito ou basta ser mulher e respirar? Essa não foi só minha, um rapaz lá em cima também perguntou =0

    • Relato 2

      Simone,
      Este papo é viciante… não tanto quanto o sexo, mas é. :)
      Visito a minha psiquiatra até hoje, pois o meu acompanhamento é mensal, mas às vezes a encontro fora de hora para pegar nova receita dos meus medicamentos, que são meticulosamente controlados.

      Ela foi esclarecedora desde o início (cabe citar que ela não foi a primeira profissional que procurei, foi recomendada por um dos outros psiquiatras e trata exclusivamente de pacientes com transtornos e impulsos em uma clínica psiquiatrica – não sei ao certo a classificação ou terminologia), pois me citou um caso de uma paciente sua que coçava a face durante todo o dia e, obviamente, possuia uma série de cicatrizes faciais e fizera uma série de plásticas reconstrutoras.

      Vi que realmente eu possuo um grande problema, mas ela, como especialista, iria me ajudar a saná-lo, e conseguiria seguir a minha vida, sem maiores percalços.

      Acho que é mais ou menos por aí que tem acontecido. Vou almoçar, e não será ‘executivo’ hoje.

  • http://twitter.com/simonebomfimbh Simone Bomfim

  • Fsayegh

    Olá amigos.
    Vou falar um pouco sobre mim e baseado nisso no que acredito, tenho 40 anos e sou casado, já morei sózinho por um bom tempo, naquela época meu irmão mais velho dizia, “vc tem que benzer esse lugar” rss imagine!Nao rolava drogas nem bacanal, mas era uma mulher diferente a cada 2 ou 3 dias, tinha um conhecido que também morava sózinho que era 10x pior que eu, sem exagero, o cara sentava para tomar uma breja e ficava gingando o quadril como cachorro que te pega na perna, sabem, assim, no ar sózinho, virou tic.
    E o que eu quero dizer com isso, que tudo, tudo na vida que vc da espaço a coisa vai ficando mais forte, eu fazia muito sexo e como tinha saúde a libido ficava lá em cima, comida para o gordo, veja o cara já comeu, almoçou, vc chega do lado dele e diz, “nossa, essa torta de limão tá show!Quer?” o que ele diz? “claro que quero!” o cara já comeu, drogas, é a mesma coisa, vc começa com pouco e depois, leitura, vc começa a ler um pouco e depois, quer ler e ler, vídeo game, enfim, tudo depende do espaço que você dá independente de estar no controle ou não, digo isso, por que quando percebemos isso, vemos que não estamos no controle, que como o gordo, as forças externas ainda são maiores, olha amigos, essa é a minha opnião, não acho que por esse site ser ligado apenas a papos masculinos, não significa que tenhamos que ser totalmente brutalizados, como dizia Buda, o caminho do meio te dá o controle de sua vida

  • Luana_sbezerra

    É importante as pessoas relatarem suas vivências, mesmo que no anonimato. Com toda certeza é uma forma de desabafar, e por algum momento aliviar toda essa tensão.
    Sinceramente, eu não achei nada atraente e muito menos fiquei excitada com os relatos, ao contrário me fez ver o quanto é´penoso levar uma vida dessa maneira, em que todos os dias tudo se resume ao ato de praticar sexo.
    E o pior é que em todas essas práticas aculmuladas ao logo de sua vida foram apenas para alimentar seu vício e não para lhe proporcionar prazer. E o mais triste, após o ato o sentimento de culpa!!???
    Imagino que para as pessoas que tiveram relações com viciados em sexo também não se sintam satisfeita após o ato, pois devem perceber a ausência de envolvimento do parceiro.
    Enfim é muito complicado.
    Anônimo, pelo seu texto dá pra notar que não lhe faltam informações sobre o assunto, então desejo-lhe toda sorte nessa batalha.

  • Autor Anonimo

    Respondendo a todos que generosamente comentaram por aqui:

    A minha vida não é baseada apenas em momentos ruins, que isso fique claro. Talvez, essa é uma das razões para que, tempos atrás, eu não tenha surtado de vez.

    Após escrever o texto parei por alguns minutos pra poder tentar ver a minha vida de fora, ver como que outras pessoas enxergariam tudo isso que acontece comigo. Senti nojo. Fiquei completamente enojado por algumas ações e orgulhoso por outras.

    Não posso ser o mais puritano nesse momento. Não é o meu papel. Eu realmente sinto orgulho de muitas conquistas que tive. Muitas mulheres bonitas, inteligentes, simpáticas e extremamente boas de cama.

    Mas, o vazio que ficou no ar na hora que pensei em um futuro foi o que mais me incomodou. A incerteza de não ter o que buscar. Falando de relacionamentos, que fique bem claro. As outras áreas da minha vida andam bem, obrigado.

    Porém, se realmente quero um relacionamento, eu preciso mudar. E foi com essa decisão na cabeça que fui me deitar bem tarde, após ficar conversando com alguns amigos e refletindo sobre tudo o que foi dito.

    Liguei hoje cedo pra psicologa, ela ficou feliz em me ouvir, em saber que vou voltar pra terapia. Pelo menos ela eu não penso em comer, posso conversar a vontade.

    Falei com ela tudo que rolou, contei até do texto que escrevi. A felicidade era total. O primeiro passo eu já dei e dia após dia darei os outros.

    Agradeço a todos que comentaram, que buscaram ajudar de alguma forma, mesmo sem me conhecer. O que é bem estranho. Só ouvindo pessoas totalmente de fora que eu fui acordar um pouco.

    Não vou parar de gostar de sexo, mas vou controlar muito essa vontade, esse desejo que é bem grande dentro de mim. Me propus a tentar fazer sexo com apenas uma mulher, com sentimento. Sem orgias, sem mulheres desconhecidas, sem menage. Quer dizer, menage ainda pode, desde que com a mulher que eu goste.

    E é isso.

    • Luana_sbezerra

      Nossa como essa vida é muito louca mesmo…
      Fiquei muitíssimo feliz por sua conquista, ao ler sua reposta à todos dei um sorrisão daqueles. Sei lá, mudou até o humor do meu dia…atráves de seu relato acho que todos PDH se sentiram fazendo meio que parte de sua vivência, e claro que sua decisão de buscar ajuda nos deixa contentes também.
      Mesmo sem nos conhecer como você disse, é satisfatório saber que de alguma maneira contribuimos para o primeiro passo de sua melhora…
      Boa sorte SEMPRE!!!

    • Relato 2

      Anônimo, bom dia.
      De que cidade tu falas? Se for da mesma que eu, lhe passo o telefone da clinica aonde faço acompanhamento. Nessa clínica trabalham mais de 10 psiquiatras, cada um atuante em determinada área/especialidade.

      É uma clínica renomada, conhecida internacionalmente e os profissionais lecionam em diversas universidades do Br. Enfim… Eles aceitam alguns planos de saúde, o que não é o meu caso, pois meu acompanhamento é psiquiatrico e psicológico.

      Para mim, o tratamento foi eficaz. p/ vc também pode ser. Abrs.,

      • janaina

        Eu moro no Rio de Janeiro e caso essa clinica seja la favor me inofrmar. Obrigado

  • http://twitter.com/simonebomfimbh Simone Bomfim

    Engraçado como a gente se solidariza com as pessoas, né! Por favor, não entenda como dó. Não te conheço mas fiquei satisfeita ao ler: “Falei com ela tudo que rolou, contei até do texto que escrevi. A felicidade era total. O primeiro passo eu já dei e dia após dia darei os outros”! Muito legal!

    Assim como a Luana, nossa, isso não me excita nem um pouco. Muito pelo contrário, ia fugir dele… rsrs. Talvez pq me relaciono com uma pessoa há muitos anos e não adepta do sexo casual, acho que jamais ficaria com um cara que olha pra mim como um cachorro olha pro frango de padaria!

    Parabéns Autor Anônimo e força nessa empreitada!

  • Jao

    Mulheres viciadas em sexo: me liguem, caso o tratamento não estiver dando certo Ok? Bjos

  • Marq

    Isso é problema de gente BONITA. Homem FEIO não tem esse tipo de problema. Se quer se livrar de sua compulsão, arrume uma forma de ficar feio (engorde, emagreça, raspe a cabeça, etc).

    • Relato 2

      Marq,
      Na realidade dizem que quem possui transtorno ou compulsão sexual são pessoas por natureza narcisistas.
      Embora no meu caso eu não me considere narcisista, sou um tanto metódico no que diz respeito a aparência. Isto porque desde cedo me espelhei nos meus pais (meu pai é advogado e a minha mãe possui um estabelecimento comercial). Eles sempre cuidaram da aparência, principalmente meu pai. Além disso, onde trabalho é um requisito estar sempre com a aparência “limpa”.
      Outra questão é que, em razão da minha hiperatividade (herdei da minha mãe e descobri na infância), por toda a minha vida pratiquei atividades físicas visando me cansar, dormir melhor e me concentrar melhor.
      Contudo, gosto da consequência dos exercícios à minha aparência.
      Concordo em parte contigo, pois, se eu fosse diferente (ou mais feio ou mais bonito), utilizaria meus pontos fortes para conquistar. Por diversas vezes vemos homens feios com mulheres bonitas, mas não o contrário.
      Ao meu ver (e pelo meu histórico), quando você possui a compulsão sexual, a sedução é uma conquista (vitória), mas apenas isso. Você não curte a conquista, pois quer sempre mais. Era um jogo, e não um prazer. Tanto é que quando era mais novo procurava muitas vezes garotas (hoje mulheres) virgens, pois mais velhas ou as que não eram virgens, à época eram um tanto mais fáceis. Sei que magoei algumas namoradas, mas naquele momento da minha vida eu não demonstrava nenhum tipo de sentimento ou dó pelo que fazia.
      Hoje – sem sombra de dúvidas – graças ao meu tratamento e acompanhamento psiquiátrico mensal, consegui equilibrar a minha vida. Por isso que me interessei em colaborar neste tópico, por ser possível mudar um quadro complicado como esse e melhorar a sua qualidade de vida.

  • Emerson1337

    Que foda, muito foda! *-*

    Visite também:
    http://velhosedentario.blogspot.com/

  • Nannda

    paskpskpakspaks , gostei do comentario do Marq ^^

  • Felipe

    Muitas vezes me sinto na mesma situação!
    Foi bom ler isto e saber que não sou o unico!

  • Rapha

    Essa loira do video dos viciados em sexo,pegava fácil,ia ter guerra na cama!

  • Lolo_ce

    Autor anônimo, muito boa sorte. Mesmo! A sua ida à psicóloga me fez sorrir.

    Relato 2, você diz que transa 3 vezes por dia. Todas elas são com aquela interação bacana que o sexo proporciona? Porque, pelo que você falou, me pareceu que é uma coisa mecânica, sabe? E, com relação à quantidade, será que você não estabilizou seu tratamento em um ponto que ainda não é o “ideal”? (quanta pretensão minha em falar o que seria ideal para você, hein? mas creio que você vá entender minhas palavras.)
    Desculpa mesmo pela pergunta, é porque me soou estranha a sua rotina, uma vez que você se trata já a bastante tempo. Mas saiba que não duvido que esse meu estranhamento seja apenas resultado de uma ignorância minha na temática, hein? Abraço!

    • Leonardosw

      Olá, Lolo.
      Boa noite.
      Não sei dizer ao certo se o meu tratamento é o ideal, afinal, eu me sento do lado oposto ao divã. O que eu sei é que a minha psiquiatra foi a que mais me bem aconselhou e conduziu até o momento, pois desde o início me deixou confiante em busca de uma melhora. Quanto a questão das 3 transas diárias, isso não é o importante. Pois além de transar diariamente, eu também me masturbo. A minha rotina se deu (estabilizou) principalmente por eu ter encontrado uma pessoa que quisesse viver isso comigo. Ela era minha amiga antes de nos relacionarmos, e, quando me conheceu não entendia meus critérios para buscar transas (com as diferentes parceiras). Porém, aconteceu que em um momento flertei com ela e passamos a transar. Desde então estamos juntos e eu nunca cogitei a hipótese de afastá-la da minha vida/perdê-la, até porque ela foi a primeira namorada que aceitou na boa meus dois problemas (transtorno/compulsão sexual e a hiperatividade). E olha que ela já passou noites em claro em razão das minhas repentinas insônias (oriúndas da hiperatividade).
      Não creio que o caráter dubitável da sua pergunta se dê em razão de um estranhamento em razão de possível ignorância temática. Acredito que muitos que me lêem devem duvidar do meu relato. Afinal, é muita coincidência uma segunda pessoa com um histórico semelhante (vida regada à sexo) ao do autor do texto surgir e comentar sobre o assunto.
      Todavia, eu apenas comento para esclarecer alguns pontos da “doença” e, para quem queira, não terei problemas em indicar a clínica onde me consulto, embora não vá citar o nome da minha médica, pois ela não tem nada a ver com o meu relato ou com o texto do autor anônimo, tampouco acredito que a mesma gostaria de ser citada na presente página. A consulta é cara e a agenda do local é movimentada, daí meu atendimento ser mensal e previamente agendado.
      Mais uma vez, boa noite e um bom final de semana.

  • P.

    Autor anônimo,

    Faltou uma informação fundamental. Qual sua faixa etária? 20-25, 25-30, 30-35, 35-40 ou mais de 40? Cada fase de uma pessoa tem características e o tratamento é diferente em cada uma. Há qnto tempo vc se considera portador do vício? Nunca teve um relacionamento sério? Nunca amou de verdade?

    No seu caso, pra mim, o mais triste é constatar que vc não se importa com as pessoas. Já deve ter magoado mta gente e não faz questão de reparar nada perante eles. E também fala de ego. O teu maior problema é o egoismo e narcisismo, isso é pior e maior que teu vício em sexo. Se vc nao resolver essa “raiz”, pode perder o vício apenas temporariamente, no futuro volta tudo.

    Fiquei feliz por vc, pq disse que vai mudar e fazer tratamento. Mas com que motivação? Para “ter oq buscar” no futuro, num relacionamento. Lembre-se q vc vai buscar alguém bacana pra namorar, mas com o tempo o namoro cai na rotina e não tem nenhuma busca. Eai?? Vai magoar a mulher e voltar a ser o “canalha” de antes?? Veja bem qual é a sua motivação.

    Acho q a motivação certa é pensar “sou uma pessoa que tem uma doença. Uma pessoa q ja fez mal a outras, a si mesmo e quer se curar e se tornar uma pessoa melhor definitivamente”. Se não for assim, algo pra mudar de verdade, isso vai dar é merda no futuro. E fodendo com a vida de outra pessoa, além da sua.

    Outra coisa, vc diz que tem uma fé bem forte em Deus. Geralmente, quem é cristão de verdade pensa 2X antes de fazer coisa que magoe os outros. Mas vc transa em tudo qnto é lugar e não está nem aí… Revê se essa tua fé é forte mesmo. E se for forte mesmo, pede uma grande ajuda pra ELE te ajudar, pra vc se tratar e ser feliz.

    • Paulo

      FALOU E DISSE!

  • Anonimo

    Será que esses viciados em sexo poderiam ajudar a gente que é virgem a conseguir transar?

  • http://obomcanalha.blogspot.com/ O Canalha

    Isso aqui pega fogo hein…

    • Romualdomadruga

      ola lucinda como vai

  • Anônimo

    Nós somos todos viciados eu acho, porém deve ser dificil ter um nível desses né….desejo toda sorte para essa anomimo, gostei do jeito que falou, uma barra dessas não é fácil mesmo…

  • Jhonatta Paixão

    Eu passo pelo mesmo problema. Desde pequeno sempre fui tarado. Antes mesmo de ter uma consciência doq era sexo eu já ficava agarrado com as menininhas do maternal, desde bem criança eu só conseguia dormir com um travesseiro entre as pernas, eu mamaca minha mamadeira agarrado na perna da minha madria.
    Lembro de quando era bem criança, estava aprendendo a ler ainda, fui passar as férias na casa de uma tia q mora em outro estado. Um dia estava sozinho com ela em casa e ela foi tomar banho e saiu do banheiro só de calcinha, quando a vi naquele estado tive uma vontade súbita de agarra-la, e foi exatamente o q fiz. Comecei abraçando-a e fui passando a mão aos poucos, quando ela viu eu já estava passando a mãe por todo seu corpo e ela nem ligou, desde então todos os dias fazia isso.
    Eu era uma crianças meio peste mas ainda sem nenhuma malícia, porem, com muitos impulsos sexuais q na época não entendia. Na minha infância (lá nos anos 90) não existia esse apelo sexual por todos os lados. As crianças eram simplesmente crianças com idéias e interesses puramente infantis. Mesmo nessa época já achava divertido roubar beijos das menininhas, dar selinhos nas garotas mais velhas, levantar saias, olhar pelas fechaduras das portas, passar a mão no bumbum das mulheres dentro da piscina e várias outras coisas desse tipo. Adorava (e continuo adorando) tudo q tivesse a ver com tocar garotas ou simplesmente ficar perto delas.

    Penso em sexo o tempo todo, quase tudo me lembra sexo, não consigo nem olhar mais pra amigas, namoradas, irmãs e mães de amigos sem reparar em todos os atributos físicos delas, sem imaginar em como elas ficariam em tosas as posições imagináveis. Fico facilmente excitado com qualquer tipo de atitude de uma mulher ,q considere atraente, em relação a mim.
    Minha vida desde os 12 anos, atualmente com 20, tem sido, quase q toda, voltada para a minha relação com as garotas (objetivando o sexo). Grande parte das minhas atitudes está diretamente ligada ao meu apetite sexual.

  • Jhonatta Paixão

    Eu passo pelo mesmo problema. Desde pequeno sempre fui tarado. Antes mesmo de ter uma consciência doq era sexo eu já ficava agarrado com as menininhas do maternal, desde bem criança eu só conseguia dormir com um travesseiro entre as pernas, eu mamaca minha mamadeira agarrado na perna da minha madria.
    Lembro de quando era bem criança, estava aprendendo a ler ainda, fui passar as férias na casa de uma tia q mora em outro estado. Um dia estava sozinho com ela em casa e ela foi tomar banho e saiu do banheiro só de calcinha, quando a vi naquele estado tive uma vontade súbita de agarra-la, e foi exatamente o q fiz. Comecei abraçando-a e fui passando a mão aos poucos, quando ela viu eu já estava passando a mãe por todo seu corpo e ela nem ligou, desde então todos os dias fazia isso.
    Eu era uma crianças meio peste mas ainda sem nenhuma malícia, porem, com muitos impulsos sexuais q na época não entendia. Na minha infância (lá nos anos 90) não existia esse apelo sexual por todos os lados. As crianças eram simplesmente crianças com idéias e interesses puramente infantis. Mesmo nessa época já achava divertido roubar beijos das menininhas, dar selinhos nas garotas mais velhas, levantar saias, olhar pelas fechaduras das portas, passar a mão no bumbum das mulheres dentro da piscina e várias outras coisas desse tipo. Adorava (e continuo adorando) tudo q tivesse a ver com tocar garotas ou simplesmente ficar perto delas.

    Penso em sexo o tempo todo, quase tudo me lembra sexo, não consigo nem olhar mais pra amigas, namoradas, irmãs e mães de amigos sem reparar em todos os atributos físicos delas, sem imaginar em como elas ficariam em tosas as posições imagináveis. Fico facilmente excitado com qualquer tipo de atitude de uma mulher ,q considere atraente, em relação a mim.
    Minha vida desde os 12 anos, atualmente com 20, tem sido, quase q toda, voltada para a minha relação com as garotas (objetivando o sexo). Grande parte das minhas atitudes está diretamente ligada ao meu apetite sexual.

  • Maicon Sr1986

    Minha situação é semelhante, porém não transo com todas as mulheres da terra. Sou noivo e só transo com minha noiva, mas o meu vício, minha doença é pornografia. Eu odeio muito tudo isso, como já dizia o Ronald McDonalds depois da demissão, mas não consigo ficar sem prazer. É uma droga desgraçada que mata uma vontade momentânea e que me enche de culpa depois. Dificil conviver com isso!

  • Eduardo23333

    Se sexo com mulheres não está mais te satisfazendo como antes daqui a pouco vc vai migrar pra sexo com animais, sexo com árvores, sexo com personagens bíblicos e por fim virar gay ou evangélico.

  • Marianafoz1

    meu marido e viciado em filme porno

  • Rita

    Amado, vc precisa é de Deus. Daqui uns dias não vai ter mulher ou mulheres para te satisfazer. Vc vai sempre partir para coisas piores. Precisa de uma cura interior muito grande. Deus está sempre de braços abertos para vc. Tudo passa nessa vida. Só Deus  não passa. Se algum dia acontecer alguma coisa ruim com vc, acredite, só quem não te deixará é JESUS.

  • http://www.amor-sexshop.com.br/ sex shop

    O mais importante e a prevençao… desse sexo todo

  • Carlos

    Muito bem, vou deixar minha contribuição; talvez eu consiga ajudar muita gente com este relato. Durante mais de 10 anos de minha vida (os quais considero “anos perdidos”), fui extremamente viciado em sexo, especialmente sexo pela internet. Perdi compromissos, trabalhos, destruí minha carreira, joguei no lixo momentos com a família, além de ter cometido vários outros erros decorrentes do próprio vício.
    O vício ocorria da seguinte forma: geralmente no final do dia, após o trabalho, o vício começava a se manifestar em meu cérebro. Era quase uma ordem inescapável, compulsiva, algo que estava completamente fora do meu controle; essa ordem era dada pelo vício. Era como se o meu cérebro precisasse sentir o prazer do sexo para continuar funcionando.
    Logo estava eu ali, depois do trabalho ou em casa, trancado em um quarto, ligando o computador para começar a navegar por vários sites procurando cenas de sexo cada vez mais excitantes. É exatamente dessa maneira que essa doença começa: no início parece tudo normal; você precisa apenas ver algumas fotos, vídeos, etc, e pronto (vc goza e acabou…). Porém, o vício vai crescendo, crescendo até que você simplesmente perde o controle.
    Varava, inclusive, madrugadas adentro me masturbando, vendo cenas de sexo, enfim, às vezes ia até de manhã cedo. Foi então que o vício começou a não mais se contentar com “sexo virtual” e, para a minha infelicidade, tornou-se real na forma de vários encontros sexuais com garotas de programa. Muito dinheiro, tempo, etc, foi gasto pagando essas mulheres. Também assediava colegas de trabalho, mulheres no papo on-line e, quando não conseguia, ficava preso na internet vendo vídeos em sites porno (masturbando-me durante horas e horas). Por incrível que pareça, sempre que eu gozava, exatamente como o amigo que escreveu este artigo, vinha uma espécie de “depressão”, uma profunda aversão pelo que eu tinha feito…

    Como podem ver, eu julgava que esse problema não tinha jeito. Essa compulsão era incontrolável e me dominava. Perdi minha mulher e detonei vários outros projetos por total inaptidão com o problema.
    MAS QUERO DEIXAR CLARO PARA TODOS QUE EXISTE, SIM, CURA! E É O QUE VOU EXPLICAR AGORA.
    A principal dificuldade do viciado em sexo é não levar a sério a doença. Ledo engano. Leve sim a sério ou poderá ser tarde demais. Fui a um psicólogo e este encaminhou-me para um psiquiatra. O meu tratamento consistiu em um remédio anti-depressivo chamado BUP (que é muito usado para frear compulsões, como o cigarro e, por isso mesmo, é muito utilizado para quem quer largar o vício em tabaco).
    Comecei com 1 comprimido pela manhã durante 1 semana (senti vários efeitos colaterais, inclusive insônia, mas continuei com o remédio). Depois, fui para 2 comprimidos por dia e, enfim, depois de 3 semanas, não sentia mais nenhum efeito colateral: simplesmente o meu organismos passou a absorver bem o remédio, exatamente no tempo previsto pelo meu médico. Foi quando tive uma grande surpresa: A COMPULSÃO POR SEXO, DEPOIS DE 1 MÊS, SIMPLESMENTE TINHA IDO EMBORA. Fiquei pasmo, quase sem saber o que fazer. Era como se o piloto automático comandado pelo vício durante anos tivesse sido desligado pondo o meu consciente volta no controle).
    No início fiquei preocupado em tomar o tal BUP. Me disseram (e isso é verdade) que um dos efeitos colaterais dele seria aumentar a libido, e eu pensava que isso poderia piorar o problema.
    OCORRE QUE A COMPULSÃO FOI EMBORA E ERA ELA, A COMPULSÃO, O PROBLEMA, E NÃO A LIBIDO.
    Minha libido realmente aumentou mas ainda assim estava dentro do padrão da normalidade. Também comecei a usar PAMELOR à noite por recomendação de meu médico.
    Enfim, sou grato a Deus por ter achado esse tratamento. Estou livre da compulsão há meses.
    Não estou recomendando a quem quer que seja que use esse tratamento. Procure o seu médico e avalie o que fazer e se esse poderá ser um bom caminho. Repito que esse foi um tratamento particular, feito para mim, com acompanhamento médico.

    COMO ESTOU HOJE: Hoje, para falar a verdade, sinto um enorme vazio: como teriam sido os últimos 10 anos sem o vício? Para falar a verdade, me sinto triste por isso (não é depressão nem tristeza exagerada). É uma tristeza, uma pena por mim mesmo. Como pude deixar isso acontecer por tanto tempo? É essa a minha revolta. Mas como não se pode chorar por leite derramado, tenho que seguir em frente.

    Boa sorte a todos.

  • Wanessa

    Senhor anonimo, eu sinto muito por você. Este mundo de ilusão em que vc vive chega a partir meu coração. Fui casada com um homem como vc. Alias, fui enganada por um homem com personalidade parecida com a sua. Mentir é o que vcs sabem fazer. Enganam a si mesmos dizendo que tudo está bem. Repetem varias e varias vezes que são pessoas normais. Mas infelizmente não são. Se enganam, dizem que são felizes mas não sabem amar. Tratam seus parceiros como objetos, sem sentimentos ou respeito. Caro senhor anonimo, talvez vc possa se recordar de uma boa foda aqui ou acolá, mas as pessoas que vc fez sofrer não terão bons momentos para se recordar, porque sexo não supera más lembranças, mentiras e ressentimentos. Não seja egoista, não pense só em vc!!! Alias esse é o pior defeito de qualquer dependente (sexo, droga, alcool, dentre outros). Entenda, vc não está no centro de tudo, vc é apenas mais um, e todos sofrem quando enganados por suas mentiras. Agora, eu te pergunto, que prazer vc terá em relembrar o seu passado? Os melhores momento da sua vida, quem esteve ao seu lado? Fulana, beutrana ou ciclana? Não existe nada melhor que aprender a compartilhar a vida com uma unica pessoa, pois tudo na vida passa, e ficar só será a unica opção que lhe restará se não procurar ajuda.

  • Qualquer um

    “Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significasse prejudicá-las ou a outrem”. Esse outrem pode ser ele mesmo; se achar que reparar os danos causados a outrem pode acabar por lhe tirar sua evolução no controle da compulsão isso já é justificativa suficiente para não fazê-lo; basta saber que a partir do momento que começou a tomar o controle de si mesmo para desenvolver uma sexualidade saudável o indivíduo já parou de fazer vítimas ou co-escravizar outros DASA também e isso já trás um grande conforto pra ele. E, em tempo, Deus tem a figura de poder superior às suas forças; se achar que esse ser superior é um seu Eu mais evoluído o Eu que você quer se tornar já tá valendo pra caramba; pense nisso e parabéns o autor do texto-depoimento pela coragem que simboliza que os primeiros dois passos já estão em andamento muito proveitoso; sua recuperação já começou e vai se concretizar mais cêdo ou mais tarde porque você vai aprender a querer parar de sofrer não só dessa compulsão mas de todas as outras a que o ser humano está desgraçadamente sujeito e sua vida passará a ser mais equilibrada e proveitosa; acredita nisso e parte pra esse treinamento seguindo sempre mantendo teu foco. Boa Sorte no campo de treinamento de batalha que é essa vida meu irmão.

  • Eduardo Henrique

    Antes de qualquer coisa,ser viciado em sexo e uma droga,chega hora que vc não consegue mais segurar a onda e “come” cada tipo de mulher,sem contar que acaba realmente pagando para as profissionais(que de profissionais não tem nada),e ruim prá valer!!!!

  • Anônimo L.

    Caro anônimo, Fiquei muito feliz em ter encontrado esse seu depoimento perdido aqui no ph. Já tem um tempo que eu venho achando que eu gosto e vivo o sexo com um pouco mais de intensidade que a maioria das pessoas com quem convivo. Nunca fui de me preocupar em seguir padrões, mas confesso que cheguei ao ponto de pensar que de fato havia algo de errado comigo e quem sabe eu não estivesse precisando de ajuda… Dai encontrei esse seu texto… Seu não! Nosso, se eu fosse escrever um texto sobre minha vida sexual não ia ser parecido, ia ser esse exatamente o que você escreveu, de levar toda conversa para putaria, msn e web stripper a já ter comido uma “chefa” atras da outra. No entanto a parte com a que eu mais me identifico com vc é viver tudo isso e estar muitissíssimo bem, obrigado. Valeu mesmo por ter escrito esse texto, me ajudou muito a exorcisar alguns pensamentos de culpa que eu venho tendo.

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5550 artigos
  • 662512 comentários
  • leitores online