Porque o último a ser contemplado em um consórcio não existe

Quem não tem casa própria tem a obrigação pessoal de ler esse texto.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo 130x50px

Algumas pessoas, quando vão comparar consórcios, financiamentos ou juntar o dinheiro necessário para comprar um imóvel, costumam cair naquela mesma lenga-lenga de sempre. Dizem que guardar o dinheiro é a forma mais barata, que o financiamento pode até ser muito mais caro, mas que tu adquires o imóvel imediatamente e por aí vai.

Tudo errado.

Alguns chegam a dizer que é melhor viver pagando aluguel do que comprar teu próprio apartamento. Vêm com um papo estranho de que o rendimento do dinheiro no banco é maior do que o valor do aluguel, logo, é melhor deixar rendendo. Tudo papo de frustrado que não sabe a maravilha que é ter um teto pra chamar de seu. E pior, a grande maioria dos defensores desta alternativa "maravilhosa", NÃO POSSUEM O DINHEIRO QUE DIZEM SER MELHOR DEIXAR RENDENDO.

Então, antes de começar a explicação de porque o último consorciado contemplado é um mito dos consórcios, vamos deixar uma coisa bem clara: Um imóvel, tua casa, teu apartamento, teu lar, o teto sobre a tua cabeça, geralmente é o maior patrimônio que uma pessoa consegue adquirir.

Mais que isso, é algo que gera um bem estar psicológico que não pode ser entendido por quem ainda não o possui, mas que é de tal poder, que as estatísticas provam que a absoluta maioria das pessoas que possuem um imóvel próprio também possuem alguma reserva financeira. Enquanto a absoluta maioria que mora de aluguel, estão com as mais variadas dívidas. Sim, sei que existem excessões, só não conheço nenhuma pessoalmente. :-)

Tendo isto claro, foco no objetivo e vamos em frente:

Comprar pelo menos um imóvel nos próximos anos

Como todos sabemos, a forma mais rápida e barata de comprar um imóvel é através dos consórcios. Mas sempre que vamos conversar sobre isso vem um espertinho qualquer e larga aquela famosa questão:

- E se eu for o último a ser sorteado? Não quero esperar mais de 12 anos para ter minha casa própria.

E então, compram o primeiro apartamento que visitaram, criam uma dívida de 20 anos em um financiamento qualquer e fazem a alegria do gerente do banco. No final, pagarão mais de três vezes o valor do imóvel. Maldito imediatismo. Mas mesmo esta alternativa é melhor do que a outra, bastante comum, de simplesmente dizer que quando conseguirem juntar um bom valor aí sim irão comprar um imóvel, à vista ou financiando uma parcela pequena para não pagar juros altos ou fazer um financiamento de muitos anos.

E no final, nada de juntar o dinheiro. Tudo por conta de um mito que botaram na própria cabeça.

Imediatismo e falta de realismo.

bebe-energumeno
Reação da maioria das pessoas diante do prospecto de aguardar mais de um ano para se alcançar qualquer coisa

O grande problema é o imediatismo. As pessoas que dizem que não querem esperar mais de 12 anos para ter o próprio imóvel não admitem que é possível adquirir este mesmo imóvel em um prazo entre dois e cinco anos. Querem agora, imediatamente, ou não querem mais. É semelhante ao cara que reclama da violência do Rio de Janeiro, mas mora no Leblon. Claro que a cidade é violenta, mas a reclamação é exagerada se analisarmos o tipo de violência a que está exposto o cidadão que mora neste bairro. Nada contra o Leblon, muito pelo contrário, é onde gostaria de morar se estivesse no Rio de Janeiro.

Pela forma como são formados os grupos de consórcio, é completamente impossível ser o último a ser contemplado. Aquele que esperará os 150 meses do plano até receber sua contemplação.

Exemplo prático.

Tomemos como exemplo um consórcio da Rodobens, que são os que possuo, onde invisto e os que indico aos meus clientes. Neste consórcio, temos um grupo de 600 pessoas que participam de um plano de 150 meses. Com 600 pessoas pagando 1/150 (mais taxa de administração) todos os meses, podemos entregar quatro contemplações por mês.

Me acompanharam até aqui? Se acabasse aqui o funcionamento dos consórcios, existiria um último contemplado. Mas não acaba aqui.

Como ocorrem as contemplações mensais.

Todos os meses são entregues quatro contemplações, da seguinte forma:

  • Uma contemplação por sorteio
  • Uma contemplação por lance livre
  • Uma contemplação por lance fixo de 30% das antecipações
  • Uma contemplação por lance fixo de 20% das antecipações

Então eu forneço uma pequena informação extra: o lance livre costuma ser de 70% do valor do crédito. E forneço uma segunda informação extra: nestes planos, a Rodobens GARANTE uma contemplação extra por lance livre nos primeiros 12 meses do consórcio.

Acham que esta garantia de uma contemplação extra nos primeiros 12 meses do plano são uma caridade da administradora de consórcio? Vai tirando o cavalinho da chuva, não existe almoço grátis.

O que acontece é muitos simples de entender para qualquer pessoa que sabe matemática básica, depois das informações que forneci acima. A cada mês temos aproximadamente 190% de um crédito extra a ser contemplado. Contem comigo: 70% do lance fixo, 70% do segundo lance fixo, 30% de um dos lances fixos e 20% do segundo lance fixo. 70+70+30+20=190.

Todos esses valores de lance vão compondo o saldo do grupo. São prestações que foram adiantadas pelos participantes que queriam contemplar mais cedo. Então com estes valores disponíveis, a administradora começa a entregar mais créditos todo mês do que os quatro previstos. Já notamos que nos primeiros meses dá para entregar quase duas contemplações extras. Mas vamos ser totalmente pessimistas e pensar que será entregue em média, três contemplações extras a cada dois meses.

Então, em 24 meses, teremos 36 contemplações extras. Em 48 meses, ou seja, nos primeiros quatro anos, teremos 72 contemplações extras. Com estas 72 contemplações extras garantimos que o último participante a ser contemplado receberá seu imóvel pelo menos 72/4 = 18 meses antes do final do plano.

Continuando com os cálculos, indo para seis anos, chegamos a 108 / 4 = 27 meses, ou seja, o último contemplado receberá seu imóvel mais de dois anos antes do final do plano.

Então vamos fazer outros cálculos. Vamos ver o que dá 5,5 contemplações mensais (as 4 normais mais a 1,5 que calculamos ser possível com sobra de dinheiro). Vamos multiplicar essas 5,5 contemplações por 75 meses, metade do período do consórcio. Temos 412,5.

Ou seja, na metade do plano, dos 600 participantes, 412 já terão recebido seu imóvel. Isso dá 68% dos participantes.

Então você tem 68% de chances de ser contemplado antes da metade do prazo final do consórcio. Contra apenas 32% de chance de ser contemplado no final. Lembrando que estou fazendo os cálculos usando 1,5 contemplação extra mensal e que já vimos que há consideravelmente mais saldo disponível do que isso.

Um estudo publicado pelo portal Administradores.com.br mostra que os números reais são de 72% de chances de estar no primeiro grupo. Mas vamos continuar com nossas espectativas pessimistas, para fazer os cálculos seguintes...

Há meses que temos até oito contemplações... Pessimismo tem hora... Este exemplo é de uma das cartas que possuo, contemplada, naturalmente.

Quantos são contemplados, ano a ano:

Ano 1 - 66 - 11%

Ano 2 - 132 - 22%

Ano 3 - 198 - 33%

Ano 4 - 264 - 44%

Ano 5 - 330 - 55%

Ano 6 - 396 - 66%

Ano 7 - 462 - 77%

Ano 8 - 528 - 88%

Ano 9 - 594 - 99%

Ano 10, primeiro mês - 600 - 100%

Ano 11

Ano 12

Ano 13 (150 meses são 12 anos e meio)

Ou seja, o último a ser contemplado, o mega azarado, o Pato Donald dos consórcios, receberá seu imóvel três anos e meio antes do prazo final. Na pior das hipóteses, já que usamos números pessimistas para nossa média de contemplações mensais.

Mas sabe o que mais?

Ser o último não é tão ruim assim

O último recebe o crédito totalmente corrigido. O valor que foi pago a cada ano, no final do ano é corrigido junto com as prestações seguintes. Quem recebe antes pode ter muitas possibilidades de lucros extras, mas quem recebe no final, que agora vimos que não é tão no final assim, recebe o valor que pagou, corrigido.

Então vamos deixar de lero-lero, vamos assumir nossa responsabilidade conosco mesmo e começar de uma vez nosso plano pessoal para aquisição da casa própria. Se o que estava faltando era a autoconfiança para dar o primeiro passo, pode saltar que estou aqui para ajudar.

Perguntas, como sempre, serão respondidas nos comentários. Perguntas mais específicas ou quem não quer abrir seus números pessoais em público, podem ser enviadas para fabricio@megacombo.com.br.

Quem quiser começar já, basta ir até o site da Megacombo e entrar em contato. Mais informações e outros artigos sobre as possibilidades dos consórcios podem ser encontradas no Moeda Corrente.

Obrigado aos que chegaram até aqui.

Semana que vem vou ensinar uma forma de ganhar de três a 100 vezes mais que a renda fixa de uma forma totalmente segura, dentro da lei e sem mágicas. Aguardem.

Fabricio Stefani Peruzzo é empresário e investidor de sucesso. Tem por hobby ajudar as pessoas a descobrir o caminho da independência financeira e construção de patrimônio.


publicado em 01 de Outubro de 2008, 08:00
32bf018aa82744e220879cafbd5e37ad?s=130

Fabricio Stefani Peruzzo

Fabricio Stefani Peruzzo é empresário e investidor. Financeiramente independente desde os 35 anos, ajuda as pessoas na trilha da independência financeira e construção de patrimônio. Saiba mais em http://www.peruzzo.org e http://www.investimentoemimovel.com.br

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: