Os homens ainda querem se casar?

Escrevedora Y

por
em às | Ladies Room, PdH Shots, Pesquisas, Relações


“E assim os leitores aprendem com a experiência de outros leitores, reciclada pelos especialistas, que é possível buscar ‘relacionamentos de bolso’ do tipo de que se ‘pode dispor quando necessário’ e depois tornar a guardar. (…)

No todo, o que aprendem é que o compromisso, e em particular o compromisso a longo prazo, é a maior armadilha a ser evitada no esforço por ‘relacionar-se’. (…)

E assim, se você deseja ‘relacionar-se’, mantenha distância; se quer usufruir do convívio, não assuma nem exija compromissos. Deixe todas as portas sempre abertas.”

Zygmunt Bauman – Amor Líquido

O Bauman me foi apresentado por conta de um fichamento qualquer, de uma matéria qualquer no curso de Ciências Sociais. A ideia era questionar a problemática da individualização nas relações pós-modernas.

"Sem você, minha vida não anda"

Quanto mais eu avançava no livro mais possessa eu ficava com o autor, com o tema. Não, não me recordo de estar de TPM, eu estava bem e sem nenhuma questão pessoal me incomodando. O assunto me irritava por parecer irreal, propositalmente sensacionalista.

Na aula, entreguei um fichamento meia boca e a turma iniciou uma discussão inflamada, densa, recheada de relatos pessoais bem detalhados sobre seus “relacionamentos de bolso”, como esse tipo de relacionamento era providencial, prazeroso, moderno. Eu fiz cara de nenhum amigo e apenas observei a discussão me sentindo uma pessoa bem atrasada.

Passei o começo daquela tarde irritada, distante, inquieta e o assunto maldito não saía da mente. Quanto mais eu pensava nessa tal “liquidez” mais carrancuda eu ficava. Aí a ficha caiu. O ponto não era se de fato “relacionamentos de bolso”, “relações líquidas baseadas no consumismo” estavam ou não acontecendo e sim, porque o assunto estava me incomodando. Avaliando o meu desconforto percebi que eu estava reproduzindo esse modelo de duas formas:

De maneira direta, eu estava desistindo muito fácil de novos amigos. Sempre que surgia algum conflito eu simplesmente abria mão e seguia pra uma outra amizade, como se o amigo fosse um celular superado por outro modelo com mais recursos. Eu estava tratando esses amigos como “amigos de bolso” prontos pra serem usados quando EU precisasse e depois guardados ou simplesmente esquecidos. Ou, como diria o Sr. Tyler Durden, amigos “porções únicas”.

De maneira indireta, os meus relacionamentos estavam sendo totalmente de bolso. Não porque eu estivesse “descartando” os caras na primeiro Discussão de Relacionamento, eu é que estava sendo descartada. Percebi que estava se tornando habitual ouvir frases como “você é boa demais pra mim”, “não é você, sou eu” ou “não estou pronto pra um relacionamento sério”. O engraçado é que nenhum deles perguntou o que eu queria, eles apenas terminavam e seguiam em frente.

Ah, e seguiram em frente sem “fechar a porta” comigo. Não perderam o contato, nem o interesse nas minhas atividades, ligavam quase diariamente, se convidavam descaradamente para os programas de final de semana ou pro tradicional cinema de segunda a tarde. E não era raro que o filme se prorrogasse num jantar e depois num convite para passar a noite.

Confesso que foi bem difícil de aceitar que meus relacionamentos estivessem seguindo esse modelo de “relacionamento de bolso”. Como surgiu essa brecha, resolvi explorá-los. Procurei os últimos três rolos e perguntei porque eles tinham me dado o pé na bunda.

"Você mora aqui, do lado esquerdo"

Nenhum deles adimitiu ter me dado o fora. Nenhum. O argumento dos três era o mesmo: eles precisavam aproveitar a solteirice, precisavam conhecer pessoas, não estavam prontos pra seguir um relacionamento sério, estavam em momentos diferentes dos meus.

Quando contei a respeito dos “relacionamentos de bolso” eles ficaram extremamente ofendidos. “Jamais”, nunca usariam uma pessoa, a colocariam na geladeira e, quando tivessem saudade, estivessem solitários numa sexta a noite a procurariam.

“Mas não é isso que você está fazendo comigo?”

Era uma vez uma porta…

Por conta de TCC, estágio, mudanças profissionais e uma infinidade de coisas que costumam acontecer todas ao mesmo tempo, o tema ficou congelado. Quando a vida retomou o equilíbrio habitual, vi que existia um universo infinito a ser explorado, e não apenas para entender a lógica desses relacionamentos de bolso, mas pra entender como minha geração encara sua sexualidade.

Durante a pesquisa ficou evidente que só a minha experiência não bastava para entender esse universo, então, criei alguns perfis fakes para participar de fóruns/comunidades feministas e masculinistas justamente pra coletar mais experiências e traçar uma ponte entre a teoria e o que de fato acontece.

Cá estou, porque cheguei num impasse: todas as entrevistas masculinas coletadas são de extremos, ou são de fulanos que encaram as mulheres apenas como objetos ou de homens que ainda esperam a princesa. Eu preciso de opiniões meio termo.

Acompanho o trabalho do PapodeHomem há mais ou menos um ano e meio. Fiz uma busca no portal por textos falando especificamente sobre casamento, só que encontrei apenas textos escritos por mulheres. Resolvi procurar o Guilherme pedindo ajuda perguntando se existia algum texto escrito por algum ogro falando sobre casamento. Não sei se existe, porque ele (como bom ogro que é) me mandou pescar!

Então, lá vai:

Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?

Gostaria saber a opinião dos leitores do PdH e preciso que sejam bem honestos, sinceros, detalhistas. É exatamente essa abertura que vai dar um resultado bom nos comentários abaixo.

Contraponto do editor

Antes de responderem a pergunta – para o bem ou para o mal – vale mostrar umas fotos que pipocaram por toda internet nas últimas semanas, com a reação espontânea de homens ao verem suas futuras esposas ao pé do altar, logo antes de seu casamento.

Muitos homens querem chegar lá, mas não sabem como?

Escrevedora Y

Detesta mulherzinhas. Costuma dizer que se tivesse nascido homem seria gay. Defende verdades, valores incovenientes apenas entre amigos. Acredita em fórmulas individuais: encontrou sua fórmula da felicidade e agora busca a fórmula do equilíbrio na vida a dois.


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

    É uma questão bem colocada. Mas aí eu pergunto para a autora: os caras que você se relaciona são sujeitos que realmente valem a pena?

    É óbvio que existem caras que queiram se casar. Aliás, nem mesmo os “ogros” que vocês citaram provavelmente queiram passar a vida inteira nessa tal “curtição”. Porém, novamente questiono: você tem interesse em se relacionar com caras que pensam em casamento ou mesmo em relações sérias? Será que eles não são os sujeitos que você simplesmente ignora por considerá-los “chatos, desinteressantes ou como é popularmente conhecidos, machos-beta?”

    É o mesmo que eu me relacionar com vagabundas e reclamar que todas as mulheres são vagabundas. A culpa está nas vagabundas ou nos critérios que eu escolho para as mulheres com quem eu quero me relacionar?

    Existem bons homens e existem boas mulheres. Para todos os gostos. A questão é que não adianta procurar um modelo de homem ou de mulher naqueles que simplesmente não se encaixam no perfil. Há uma infinidade de homens solteiros que querem se casar. Mas não conseguem por diversas questões. Uns tem dificuldade em se relacionar com mulheres (timidez) outros tem dificuldades de levar relacionamentos adiante (despreparo emocional, responsabilidades ou mesmo falta de direção) e tem aqueles que simplesmente não enxergam vantagens em manter um relacionamento duradouro por se sentirem felizes e realizados se envolvendo em relações curtas e passageiras.

    O que eu vejo é muita gente levar um relacionamento amoroso apenas no lado carnal e emocional da questão no sentido de prazer único. Homens e mulheres super-exigentes, que não aguentam uma opinião contrária, que não aguentam uma vida de responsabilidade e que não aguentam uma divisão de tarefas . Além do pior problema de tudo: MEDO.

    Medo de fracassar, medo de arriscar, medo de encarar uma experiência nova. Covardes mesmo. Falo que a sociedade em si anda muito covarde. Assim, todos se utilizam de critérios extremos e de não aceitar os defeitos do seu parceiro/parceira e de conviver com eles.

    Finalizando a sua questão, repito: valorize os bons e ignore os ruins. Você acha que deveria sentir um tesão imenso pelo seu melhor amigo “friendzonado”, mas não é assim que as coisas funcionam. No mundo real, as coisas não funcionam de maneira romântica. Muitas vezes, um relacionamento se dá por frios interesses mútuos que depois desenvolvem-se em um sentimento forte, como deseja. Se não der certo, tudo bem, foi uma tentativa que falhou. Mas que ao menos, ocorreu e que foi tentado.

    • http://www.facebook.com/cristiane.rodrigues.94214 Cristiane Rodrigues

      Classificar as pessoas entre boas e más, vagabundas e machos beta é simplificar demais o ser humano, A mesma mulher que foi uma vagabunda com você pode ser uma esposa exemplar e mãe cuidadosa na parceria com outro homem. O mesmo cara ogro que trata todas as mulheres mal, pode ser um gentil cordeirinho com a mulher amada.

      • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

        Na prática, nem sempre funciona assim. Você vive de acordo com as suas experiências. Se a pessoa te tratou mal e não se arrependeu, não pediu desculpas, não consertou a merda que fez ou nada que faça o prejudicado perdoar, não há porque a pessoa não acabar caindo nessa classificação.

        Pessoas erram, e querendo ou não, há também pessoas ruins nesse mundo. E se o sujeito ogro que trata todas as mulheres mal e não a sua mulher amada, continua sendo um otário pelo fato de ter prejudicado dezenas de outras mulheres.

        Ou seja, não há como fugir das tuas experiências juntamente a outras pessoas e ver sempre o lado bondoso delas. Isso é ingenuidade. Isso é querer justificar erros e merdas que outros fazem, muitas vezes com a intenção de prejudicar. Se a pessoa erra e busca se redimir do erro, é uma coisa. Prejudicar outras pessoas intencionalmente e não buscar se redimir ou amenizar a dor, é outra coisa bem diferente.

      • Mila

        Exatamente!

    • Katerine

      “Finalizando a sua questão, repito: valorize os bons e ignore os ruins.
      Você acha que deveria sentir um tesão imenso pelo seu melhor amigo
      ‘friendzonado’, mas não é assim que as coisas funcionam. No mundo real,
      as coisas não funcionam de maneira romântica. Muitas vezes, um
      relacionamento se dá por frios interesses mútuos que depois
      desenvolvem-se em um sentimento forte, como deseja.”

      Concordo em
      gênero, número e grau, André. Pode me chamar de fria e “vadia
      interesseira”, mas isso aconteceu comigo. Tive um amigo nos tempos de
      colégio que me amava muito — nos dávamos super bem, no esquema
      “melhores amigos”, mas, como não sentia tesão e atração por ele, sempre
      colocava-o na friendzone.
      Passados alguns anos, na faculdade,
      acabamos nos reencontrando e, para a minha surpresa, ele não havia me
      esquecido. Foi aí que algo me disse para não deixar essa chance escapar,
      pois eu não iria conseguir encontrar um outro cara tão compreensivo, paciente e fiel assim tão fácil.
      Resolvi
      dar uma chance, mesmo não sentindo atração por ele — eu sei, isso é
      coisa de oportunista, mas enfim… A gente se dava bem em simplesmente
      TUDO, talvez essa coisa do tesão fosse apenas uma questão de tempo e,
      realmente, foi! Hoje eu não só amo, como sinto uma puta paixão por ele! E
      ele continua apaixonado por mim, como sempre foi — sempre fala em casamento, em ter filhos, em envelhecer junto comigo, etc.

      Enfim, com essa história eu só quero ilustrar que, muitas vezes, as mulheres dão uma atenção demasiada ao macho-alfa-canalha-sem-potencial-para-relacionamento. Esses caras têm pegada, são atraentes e despertam o nosso tesão, é fato, mas geralmente não querem nada sério — mesmo assim, a mulherada continua insistindo, enquanto os machos-beta, carinhosos e cheios de caráter, ficam lá, jogados à deriva. Depois as mulheres reclamam que homem não quer nada sério, mas, sinceramente, estão procurando seriedade nos TIPOS errados de homem.

      • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

        Meus parabéns e desejo felicidades a vocês dois. Não é por nada, mas ao menos na minha realidade, você é um caso raro de ir contra a maré. Foi inteligente, valorizou o sujeito que sempre te quis, começou sem expectativa e hoje desenvolveu o amor, que é muito mais forte e interessante que paixonites adolescentes.

        Se mais pessoas fossem como vocês dois, o mundo seria um lugar mais feliz.

      • Carol

        Eu vivi e vivo uma situação igual a essa. Mas só consegui reconhecer que o meu macho-beta, carinhoso e cheio de caráter era o amor que eu tanto procurava quando passei a ver que os machos-alfa-canalha-sem-potencial-para-relacionamentos não serviam para mim. E o meu exemplo sempre falo para todas as mulheres que reclamam da falta de homens que querem compromisso.

      • http://marcoreis.net/ Marco A. S. Reis

        Um cara carinhoso é um macho-beta? Não entendi. Como definir cada um dos tipos?

      • Katerine

        Não estou querendo definir. Isso não é possível e muito menos correto. As pessoas não são ou X ou Y, ou preto ou branco; um macho-alfa pode, sim, ser um cara super carinhoso e atencioso — assim como um macho-beta pode ser um escroto. Só estou dizendo que, tirando por base a minha “vasta” experiência pessoal, na maioria das vezes encontrei mais machos-beta carinhosos do que o contrário.

        Nunca vi um macho-alfa querendo um relacionamento sério e, nas vezes em que foram carinhosos e atenciosos, é porque queriam dar umazinha — mas logo sumiam. Porém, repito, foi o que aconteceu COMIGO; eu tenho 21 anos, não tive muito tempo para fazer uma “traigem” adequada, portanto, pode ser que com outra mulher tenha sido diferente — aliás, ela poderia se manifestar nos comentários! :)

    • Escrevedora Y

      André, eu nunca gostei de “machos alfas”, eles não me atraem. Sem preconceito, eles simplesmente não me agradam. Na opinião das minhas amigas os meus namorados são muito, muito estranhos. Eu os vejo como especiais, porque estou mais interessada em inteligência e valores do qualquer outra coisa.

      Não posso dizer que, mesmo “especiais”, eles fazem parte das maças podres; os três caras que eu procurei na época estão casados hoje. E felizes, com relacionamentos tradicionais e tudo. De maneira simplista, eu posso dizer que não era pra ser.

      E você, pretende se casar?

      • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

        Bem, eu não entendi muito bem. De acordo com o texto, você foi “descartada” por caras que não queriam se casar ou ter algo sério contigo. Agora diz que eles estão casados? Sério, não entendi mesmo, parece que não se encaixa com a mesma história e exemplo do texto.

        Respondendo sua questão, sim, eu pretendo me casar. Da maneira que comentei: tendo pensamentos mútuos de bom interesse, valorizar as gurias que me dão bola e que desejam crescer comigo. Não me contento com pouco, me arrisco demais em situações difíceis (já relatei minha experiência pessoal aqui no PDH, há um texto meu falando sobre isso) e tenho planos bastante ambiciosos de crescimento e enriquecimento pessoal e financeiro.

        Se eu encontrar uma guria que se encaixe nessas características, procurarei conhecê-la. Mesmo não amando platonicamente, uma companhia agradável e que me gere boas conversas e um bom sexo, já está de ótimo tamanho.

      • Escrevedora Y

        André, primeiramente desculpe a demora na resposta. Estou num fim de mundo com internet muito instável e muito ruim. Civilização agora só na terça.

        Vamos lá, os foras aconteceram já há um certo tempo. Eles não queriam casar e eu também não queria casar. Eu não crio expectativas quando começo um relacionamento, deixo as coisas fluírem livremente, procuro conhecer o cara, ver se ele está disposto a exatamente o que vc disse: “crescer comigo”.

        Eu não tenho mais contato com nenhum deles. Sei que casaram até a última notícia que tive. Se eles mudaram de postura porque ficaram pensando nas minhas perguntas, se simplesmente mudaram por amadurecimento ou se eu não era o tipo de mulher que eles queriam pra esposa, infelizmente não saberei dizer.

        Ah, e obrigada pela sua opinião!

      • Rafael

        Escrevedora Y, você tem um olhar bastante sensível e parece uma pessoa interessantíssima (me dá vontade de pedir um chopp pra bater papo contigo, rs).

        Tenho uma grande amiga que vive um caso semelhante ao seu, sempre conversamos muito e sempre nos pareceu um azar, ou uma questão de mercado (poucos homens bons disponíveis na praça). Mas depois de muito lidar com a situação pensei: porque eu por exemplo nunca me interessei por essa amiga e estou com minha namorada, que nunca teve esse problema de falta de homens bacanas interessados?

        A inversão da perspectiva é sempre construtiva. Minha amiga é responsável pelo próprio problema! Eu não me relacionaria com ela. Pense que o problema é com você! Talvez nem seja, mas essa perspectiva faz você procurar mudanças enquanto pensar que o problema é dos homens ou do mercado te faz estagnar. E essa estagnação é justamente o objetivo obscuro das relações líquidas, é o que Bauman critica!

        Nesse comment acima por exemplo você descarta machos alfa. Mas existe um sem fim de “alfismos” em nuances tão sutis… Nos textos do Gitti por exemplo (acho que você busca o homem que ele tenta desenhar) ele exalta um “alfismo”, como uma afirmação nietzschianada vida. Nietzsche para chegar nessa questão da afirmação da vida recorreu aos pré-socráticos, à essência do homem grego da época – guerreiros brutos, machos alfa!

        As conclusões decorrentes desse raciocínio podem te ajudar, ou não. Espero que te faça pensar, nem que seja pra discordar de mim e do filósofo bigodudo.

      • Escrevedora Y

        Rafael, na época a primeira pergunta que eu fiz foi justamente se o problema era eu. E não era. Pouco depois do terceiro fora eu comecei um relacionamento tradicional que durou um tempão. :)

        Habitualmente sigo essa “regra” de observar se o problema não sou eu. Mesmo sabendo que o “problema” não sou eu esse exercício por si só já vale a pena.

        Sobre os machos alfas, eu me referia o esteriótipo construído nas comunidades masculinistas pra ilustrar que esse tipo de homem não me chama atenção. Na verdade, eu não tenho lá muito padrão de homem, apenas que costumam ser nada convencionais. :)

        Faltou a sua resposta, né? Falar do meu tipo de homem foge anos luz da proposta inicial. Não pense que jogando a batata quente no meu colo você irá escapar da pergunta… rs

        Conte-me tudo! E com muitos detalhes!
        Abraço!

    • http://www.facebook.com/yuriapolonio Yuri Apolônio

      Muitas das pessoas que vejo reclamar que homem ou mulher não prestam fazem exatamente isso que você citou, André: ignoram a existência das pessoas “decentes”. Eu mesmo tenho muitos amigos que, ao meu ver, são caras tranquilos, que procuram uma namorada para quem sabe casar e construir uma família um dia. Mas, citando você mais uma vez, são considerados chatos, tediosos, desinteressantes, etc. E nem são muito exigentes, não, antes que digam isso.

      Não acho que exista mocinho ou vilão na história, mas talvez por ser homem, percebo muito mais o desinteresse da parte feminina em relação a homens “sérios” do que o contrário. Noto que a grande maioria delas acaba se interessando sempre pelos mesmos caras, e esses são quase sempre aqueles já bem sucedidos, muitas vezes casados ou que preferem estar longe disso.

      • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

        A desculpa é sempre a mesma: as tais “fortes emoções”. Não ligo ou condeno alguém que queira isso, mas acredito que dificilmente as tais “fortes emoções” se encaixam com casamento, se é isso que realmente querem.

        Quando eu digo que gosto de umas gordinhas, eu realmente gosto de gordinhas. E tenho atitudes que justificam isso, não fico só na fala. Desculpas de “eu não mando no coração”, “eu só gosto de gente errada” são, na maioria das vezes, de gente pouco séria. Quem vai contra isso, caso da Katherine que escreveu aqui mesmo, demonstra o quão vantajoso foi valorizar aquele que gostava dela e estão felizes. Não digo para ser com todo mundo, ou de aceitar o primeiro que se apaixona, mas é saber dar valor a quem merece.

        No mínimo, garante uma boa companhia de uma pessoa de confiança.

      • Escrevedora Y

        André, as pessoas mudam. Nós mudamos. Hoje consideramos que fulana merece nossa confiança e, no dia seguinte, ela aparece dando em cima do namorado alheio. E o contrário é muito comum de acontecer, taxamos o cara de esquisito e, do nada, ele mostra que é um cara parceiro, confiável, pra lá de interessante. Complicado prever o humano. Eu considero qualquer relacionamento uma loteria.

      • Escrevedora Y

        Yuri, por minha experiência eu diria que os homens gostam mesmo das “mulheres problema”. Sabe aquelas que dão show no estacionamento, implicam por qualquer coisa, terminam usando qualquer desculpa? A maioria dos meus amigos estão ou já foram relacionados com mulheres desse tipo.

        Difícil considerar apenas o mundo a nossa volta como referência. Por isso que acabei parando por aqui.
        E você? Se considera parte desses homens sérios? Quer se casar? Não ia perder a oportunidade de perguntar. :)

  • Felipe

    “Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?”

    Não. E Não. No meu grupo de amigos, apenas nos últimos 4 anos, dos 5 amigos que se casaram, 3 já estão separados. A estatística não falha, vai dar m*** em algum momento. Eu não costumo contrariar estatísticas e sei que comigo não vai ser diferente, portanto prefiro evitar essa dor de cabeça futura.
    Acontece que a mulher hoje em dia vê o casamento como a realização do sonho pessoal de entrar na igreja linda e maravilhosa, ter sua noite de princesa como sempre sonhou e pronto. Depois disso a vida do cara vira um inferno, mas aí já é tarde. Ninguém mais tem saco pra isso não.
    No meu caso, particularmente, eu vivo o dilema de não querer casar mas querer ter filhos. Ainda não cheguei a uma solução eficaz pra esse problema, mas logo aparece.
    Espero ter ajudado.

    • maria

      E por que não considera ter um filho mas não casar? Os dois não precisam andar juntos.

      • budfake

        Isso ainda é surreal para a maioria de todos nós!!

      • Paola

        Pra maioria dos homens, mas não pra maioria das mulheres, que é com quem ficam os filhos depois de uma separação.

    • Escrevedora Y

      Felipe, a estatística não é uma ciência exata justamente porque permitir que seus resultados sejam concluídos de acordo com interpretação e não como prova, resultado real. Eu falo como profissional da área.

      De qualquer maneira, os índices de divórcio são muito altos, o que faz o seu comentário ser muito pertinente. Obrigada!

  • Hernandes

    … O que dizer… que texto! Infelizmente me encontro entre um dos extremos citados – digo infelizmente porque estou em um relacionamento, acredito que de bolso e estou mais perdido do que cego em tiroteio. Minha namorada gosta de dar suas saídas sozinhas, de tomar uma com as amigas enquanto o babaca aqui afastou-se de vários amigos por causa dela. Estou numa sinuca de bico porque não to com cabeça pra resolver esse cassete de problema. Acho que me reservei demais por causa dela. Ainda acredito no casamento, porque quero ter a porra da minha família… mais minhas idéias estão querendo mudar… até lá, vamos ver o que rola… abraços!

    • Fernando

      Hernandes,
      Acho que afastar-se de amigos nunca é bom e nem necessário (mesmo que tenha encontrado a pessoa certa).
      Com o tempo, até podemos mudar, evoluir, amadurecer em razão da experiência de um relacionamento, mas jamais mudar abrindo mão de nossas convicções para atender as expectativas de uma outra pessoa.

  • http://twitter.com/SRMazagao Saulo R Mazagão

    Bacana D+, essa questão do relacionamento entre duas pessoas que se apaixonam , sempre será uma grande incógnita.
    Recentemente fui deixado , sonhos , desejos e vontades com minha esposa, foram ficando para trás, ela foi clara, não queria mais viver comigo.
    Mas apareceu uma nova oportunidade de ser feliz, uma pessoa que tem me encantado dia após dia, e gostado verdadeiramente de mim, por eu ser apenas eu mesmo, o que antes passava batido, desvalorizado, hoje tem seu valor, e relativamente, essa pessoa tem sido especial para mim, a cada dia.

  • Osvaldo

    Eu pessoalmente sempre fui totalmente contra essa atitude de tratar a mulher como um lençol pra cama, que você enjoa e muda no dia seguinte.
    Por mais que minha cabeça masculina variasse entre “Mulherengo” e “Solitário” só foi preciso a pessoa certa pra me fazer sonhar com casamento.
    Sim, eu sonho em casar, principalmente pela ideia de família que isso traz, já namoro a bons 3 anos e a unica coisa que nos impede é a faculdade e a ausência de um “ninho”.
    Mas mesmo antes de namorar, um pouco antes de conhece-la, eu já me pegava meio emocionado de ver casais felizes formando uma família.

  • lully

    Sei que vc pediu a opinião de homens, mas como mulher tb quero me manifestar. Eu nunca quis me casar, sempre tratei meus namorados como um relacionamento gostoso, sério, mas que tinha prazo de validade. Tudo mudou quando conheci meu namorado atual. Ele mergulhou de cabeça bem antes de mim, disse que me amava logo depois da primeira vez que transamos e eu fiquei com medo. Mas tinha uma vozinha interior que me dizia pra não desistir nem me afastar. Resultado: agora estamos os dois nesse estado de paixão/amor de filme e já falamos sobre o assunto de morar juntos, ou casar, etc. Mudei minha visão sobre o casamento (não sobre a festa, essa eu continuo achando dispensável) porque alguém me fez ter vontade de ficar junto pra sempre.
    Talvez com os homens também seja assim. Eles não querem casar, até que encontram “a mulher certa”, da qual eles não querem se separar. Sei lá, é só uma teoria.
    Boa sorte na pesquisa :)
    Beijos!

    • http://www.facebook.com/people/Paulo-Azevedo/100001728339618 Paulo Azevedo

      Mulher certa???? Coitada da dita cuja… olha o peso nas costas dela…..rs

    • Milena

      Minha história é bem parecida com a sua, exceto sua opinião sobre a festa. A festa é demais! A primeira festa de casamento que eu fui foi de arromba e o melhor: todos os amigos dos casal estavam lá, todos os familiares, nenhum convidado faltou. É uma festa que reune pessoas que há tempo você não via, todo mundo vai e cumprimenta você. Eu gostaria de fazer uma festa onde fossem todos os meus amigos mesmo aqueles que não se dão.

  • http://www.facebook.com/filyppe Filyppe Saraiva

    “Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?”

    Os outros eu não sei, falo por mim e a resposta é Sim. Totalmente sim.
    Acredito no casamento porque acredito no meu poder de transformar problemas em soluções, no efeito multiplicador do amor que só a vida diária a dois pode oferecer. É fácil falar que o casamento não dá certo, quando na primeira discussão as pessoas já estão pedindo arreguinho. O casamento é a escolha mais saco roxo que um cidadão pode tomar.
    Pergunte a qualquer um dos casais que estão juntos a 20, 25, 40, 50 anos… Foi fácil assim? Não, não foi. Mas a nossa geração de moleques mimados prefere pedir arrego assim que surgem os problemas.
    Perdoar não é fácil, lidar com defeitos não é fácil, dividir grana, cama, comida, opiniões, não é e nunca será fácil. Casamento é um exercício de amor diário, e é por ainda acreditar no amor (e não na rotatividade sexual de uma cama de casal para o literalmente “forever alone”) que eu acredito no casamento.
    É muito fácil ter relações que duram dias, às vezes apenas horas. Mas nenhuma delas traz o poder, o conhecer, a incrível sensação de saber que, um dia, o sexo, a beleza e a virilidade extrema vão embora, o que fica é o alguém para conversar, a história de uma vida a dois para contar.
    Passei todo o dia de domingo num curso de noivos, ouvindo de gente casada a mais de 30 anos como foi lidar com traição, perdão, auto-análise, descoberta de bipolaridade e o caralho alado a quatro, não ouvi nenhuma história de gente que abriu mão. A história não é construída por quem desiste, acho que vale lembrar.
    Caso em 11 dias e me sinto o cara mais absurdamente feliz do mundo com a escolha que fiz!

    É isso.

    • Escrevedora Y

      Filyppe, pro Bauman o relacionamento líquido é justamente isso, o desistir muito fácil, o não querer passar pela dor de crescer, a dor de perdoar, a dor de construir. As pessoas querem o presente no natal sem terem feito a lição de casa.

      Ah, e parabéns pelo casório! Desejo que essa felicidade de agora esteja presente nos dias em que você estiver a ponto de jogar tudo pro alto, e que te dê forças pra seguir em frente.

      • http://www.facebook.com/filyppe Filyppe Saraiva

        Primeiro desculpa pela demora, e muuuuuuito obrigado!

    • Fillipe Carvalho Fádel

      Velho, disse tudo.
      Abraços e seja muito feliz em seu casamento.

      • http://www.facebook.com/filyppe Filyppe Saraiva

        Muitíssimo obrigado, de coração. Felicidades pra ti também.

    • Lola

      Filyppe, é verdade… E acho que tanto homens como mulheres da atual geração foram criados sem ouvir muitos “nãos”, a tal psicologia do “não frustrar”. São críticos, exigentes, mas não conseguem ouvir críticas ou ser exigidos. Aprenderam a receber sem dar. Os pais os aceitavam assim, sem argumentar demais… Por isso desistem tão fácil.
      Feliz casamento! =-D

      • http://www.facebook.com/filyppe Filyppe Saraiva

        Desculpa a demora para responder, nem sabia que haviam respostas a esse comentário. Muito obrigado pelos votos! E concordo plenamente com seu comentário… Um pouco de frustração faz bem, assim como uns cascudos às vezes, e um bullying também, pra variar! As pessoas tem muito medo de arranhar a superfície e acabam estragando o interior.

    • Eduarda

      Que lindo !!!! Me emocionei =)

      • http://www.facebook.com/filyppe Filyppe Saraiva

        :)

  • jãozin

    ah…esse tema é deliciosamente doloroso!

  • Tiago

    a minha teoria é de que se a mulher é sacana ou insegura com o cara, foi por causa de algum outro babaca que fez ela quebrar a cara. Mas isto não implica em dizer que o babaca seja 100% culpado. Talvez a mulher tivesse várias expectativas e ele não foi o suficiente para suprí-las. Creio que a noção de casamento é algo que não está bem definido. Eu desejo muito um dia casar. Mas sei que além de ser com a pessoa certa, o lado estrutural psicológico meu tem que estar apto para isto acontecer. Casar não significa apenas casar com a pessoa certa, mas ser a pessoa certa. E, casar com a pessoa certa, significa 90% da sua felicidade. Do contrário, 90% do seu infortúnio. E mais! Acredito que é possível casamento entre dois porra-loucas, que talvez só desejem putaria. Porque o que importa é a compreensão mútua e o afeto. Se a intenção for casar pra ter sexo, já era. Quando os dois ficarem velhos, o que vai restar é a conversa.
    Um abraço!

  • Pedro Nascimento

    Na boa? Sim! Queremos. Nem todos concordo. Mas existe uma boa parte de homens que ainda querem se casar, constituir uma família, dar uma “continuidade” a sua própria existência. Acho que o problema é a palavra “casar”.

    Quando me perguntam se quero, digo que sim. Mas também digo que será um processo dela onde serei mero coadjuvante. Repito: no processo de casar. Como será a festa, a decoração, etc. etc. etc. isso não me importa. O que me importa é o relacionamento de casado. O problema é que muitos homens ainda enxergam o casamento como algo preso, de ter que chegar em casa na hora do jantar, de ter que fazer só programas de casais e isso realmente assusta. Mas quantos machões que diziam jamais se casar você conhece que do dia para a noite subiu no altar? Volta e meia eu penso que tem muita coisa que homem faz da boca para fora para parecer mais homem (mas acabam se parecendo meros meninos). Casar é uma delas e volta e meia quem fala mal de casamento acaba parecendo um garotinho de abada indo para uma micareta qualquer.

    Em resumo (pelo o menos em minha vida) casar é relativo, mas constituir família (uma companheira e filhos) é bem obrigatório na vida de muitos.

    Às vezes o que está faltando para esses homens é mudar as mulheres com quem andam…

  • Anônimo da Silva

    Acho que posso contribuir com sua pesquisa.
    Eu me casei muito jovem, aos 22 anos, por conta da gravidez da minha namorada. Decidimos encarar o desafio e agora já estamos com 14 anos de um casamento feliz e com um casal de filhos dos quais me orgulho muito.
    Por conta da precocidade do casamento ambos perdemos uma parte importante da juventude, no que diz respeito a baladas e transas sem compromissos. Assumimos responsabilidades grandes cedo demais.
    Eu tive um momento de flertar com outras mulheres e cheguei a me envolver com uma colega de trabalho. Mas para minha surpresa, na hora do sexo eu não consegui. Simplesmente não pude trair minha mulher (foi quase a cena final de Passe Livre, pode acreditar).
    Recentemente, o mesmo aconteceu com minha esposa. Ela teve sua crise de adolescencia tardia e caiu no xaveco de um colega de trabalho 10 anos mais jovem. Da mesma forma, ela também não consumou o ato. Ela nunca soube do que aconteceu comigo, mas eu soube o que aconteceu com ela. Fui compreensivo no começo e depois o ciúme me dominou.
    O que quero te dizer de mais importante é que o fato de minha esposa ter se interessado por outro e ter me contado, me abriu a possibilidade de propor a ela um relacionamento aberto, pois ela poderia viver o que estava querendo e eu poderia “traí-la” sem dor de consciencia. Viveríamos a juventude perdida sem abrir mão um do outro. Cheguei a propor isso e até houve interesse da parte dela. Mas na hora H nenhum dos dois conseguiu por o plano em prática.
    Somos ambos pessoas que amam profunda e incondicionalmente. A poligamia, a infidelidade consentida, ou seja lá o nome que se dá aos relacionamentos abertos, simplesmente não é pra nós.
    Por isso, te digo com segurança. Há homens que preferem o casamento ou um relacionamento sólido e estável, mesmo quando podem ser infiéis. Eu sou prova disso.

    • Arthur Câmara

      Anônimo, sua história me comoveu.
      Tenho 20 anos, namoro uma menina a um ano e meio, mas que, desde sempre, foi minha amiga. Se quiserem, podem dizer que eu venci a friendzone.
      Eu pretendo me casar o mais breve possível. Muitos amigos meus me chamam de idiota, que vou perder minha juventude, mas, honestamente, eu prefiro passar esses anos “mais felizes” da minha vida com alguém do lado, que eu sei que sempre vai me apoiar, não importa se no mestrado ou seja lá aonde minha vida me levar.
      O fato de você já ter 14 anos de casado, tendo casado tão novo é mais uma prova que, de fato, não importa a idade, apesar de possíveis “problemas” que podem ocorrer com o casal, e que um casamento cedo pode sim dar certo.

      Enfim, somado a sua história, conheci várias pessoas que casaram cedo, e que hoje tem 30, 40 anos de casado.
      Acho que prefiro construir uma vida a dois e, de fato, se tornar “Um só” do que me casar com uma pessoa com uma vida própria, já formada.

      • Lu

        Arthur, você não acha que esse lance de “contruir uma vida a dois tornando-se um só” é meio.. hã, incompleto? Entendo sua vontade… mas quando você se relaciona com alguém que já carrega experiências, memórias, jornadas, etc, existe uma diversidade de assuntos e troca de conhecimentos muito maior. Isso, na minha opinião. Imagina só que sem graça você ter que “crescer” ao lado de alguém ao ponto de se tornarem um só e não saberem mais quem é quem. Eu gosto mesmo é de agregar… gosto mesmo é que me tragam algo novo, e quando você encontra essa pessoa, essa que te dá novas vontades, novos assuntos, acredito que tudo fica mais interessante. É preciso não perder a individualidade acima de tudo.

      • Arthur Câmara

        O fato de você construir uma vida a dois não quer dizer que não vão existir experiências individuais.
        A troca de experiências não deve ser algo que deve ser feito apenas com seu cônjuge, mas também com amigos, parentes… Note o ênfase no apenas. ;)
        Na minha opinião, duas pessoas com a vida já formada provavelmente possuem uma quantidade de diferenças muito grande, o que pode, em um futuro não muito distante, causar muitas brigas e até mesmo levar ao divórcio.Viver experiências juntos, compartilhar uma vida e momentos a dois pode ser extremamente gratificante e edificante.

      • Raquel

        Com licença… já que li até aqui, e seu relato me moveu, vamos lá…
        Eu sou casada com meu namorado da adolescência. Não desde então, na verdade nos desencontramos em dois momentos diferentes da vida, em que ele estava afim e eu em outra, ou eu estava afim e ele com medo de assumir… Enfim. Nos reencontramos 14 anos depois dessa lenga-lenga, e aí eu estava casada ( e não estava feliz), ele estava casado ( e não estava feliz). Somando-se tudo isso, conclusão óbvia: jogamos dois casamentos infelizes para o alto e resolvemos viver a nossa história. Nos casamos há seis anos. Somos quase que totalmente diferentes quanto a muitas coisas importantes, e temos discussões muito interessantes. Quem vê de fora poderia pensar, erroneamente, que nunca daríamos certo. Mas no meio disso tudo tem uma coisa que faz muita diferença: uma vontade INFINITA de fazer dar certo. Nos amamos muito. Aprendemos muito um com o outro. Ou apesar do outro. Dois bicudos não se beijam? Estou aqui pra dizer que, se quiserem, beijam sim. Sou totalmente contra essa coisa moderninha de “Amor Líquido”. Amor é construção diária, e não há que ter preguiça, não dá pra planejar ou escolher só passar por tudo isso com alguém “sem história” e fazer juntos uma história só. É possível ser muito feliz com alguém que já traz uma história, e querer fazer com essa pessoa uma outra história…

      • Escrevedora Y

        Vencer o friendzone não é pra qualquer um não!!! rs

      • http://www.facebook.com/drigota Rodrigo Fonseca

        Nossa, o que eu mais faço na vida é ultrapassar a friendzone! Só tenho rolo com amiga!!! E eu quero casar também!!!!!!!!!!!!!!!

      • Escrevedora Y

        Quem disse que um rolo com amiga não pode virar um casório? rs

      • http://www.facebook.com/people/Cristiano-B-Moura/1775936358 Cristiano B. Moura

        Eu tô gostando dos relatos mas agora vi o mito do se tornar “um só”. Casar-se pode ser bom, mas se tornarem “um só” será que não revela uma dependência excessiva em relação ao outro? Porque se você deixa de ser você mesmo para se tornar, junto com sua esposa, “um só”, se por um acaso o casamento termina, como voltar a ser você mesmo?
        Não sei, estou apenas problematizando essa questão, mesmo, não tenho respostas.

    • Rodolfo

      Depoimento muito inspirador, de verdade.

    • Escrevedora Y

      Anônimo da Silva, excelente. Excelente e comovente. E, acredite, contribui bastante. Primeiro porque você se casou jovem, sentiu o peso da juventude que se foi e buscou alternativas. Acabou retomando ao modelo anterior justamente por não encarar essa “liquidez” proposta pelos relacionamentos modernos da maneira como nos é vendido.
      Obrigada pelo teu relato.

    • http://www.facebook.com/arthur.s.mendonca Arthur Silva Mendonça

      engraçado como essa ideia de ”curtir a juventude” é recorrente
      Depois da juventude, se vier o casamento (ou não), não tem mais curtição?

      • Anonimo da Silva

        Quando me referi a curtir a juventude fui bem específico em dizer que se tratava de baladas e sexo sem compromisso. Estando casado e com filhos pequenos você não iria sair todo sábado com seus amigos e não estaria livre para um sexo casual com alguma garota que conheceu na balada. Depois de casado as curtições são outras. Talvez uma viagem, um passeio em família, um churrasco na casa dos amigos. O que tentei passar no meu relato é que com 22 anos eu já havia renunciado à fase de “passar o rodo na mulherada” com o perdão da expressão. Decidi me dedicar a somente uma mulher e aos filhos que ela me deu.

      • Regina

        Só comecei a ter sexo sem compromisso após meu divórcio, aos 40 anos e continuarei enquanto estiver viva!!!

  • http://www.facebook.com/oliver.producoes.5 Caio Oliver Prod

    Quero muito me casar! É o sonho da minha vida! As pessoas não encaram mais relacionamentos sérios porque a cultura moderna ensina que é difícil, ensina que tudo pode ser trocado facilmente. esqueceram que Deus mandou amar e amor é decisão! Simplesmente. Poucos querem na alegria e na tristeza, saúde ou doença! as pessoas não sabem mais o preço que foi pago por elas na cruz, por isso se entregam tão fácil!

    • Zanin

      Sou um exemplo vivo do que é mudar de água por vinho.

      No inicio de 2010 foi quando tive meu primeiro namoro, após milhares de friendzones, foi um relacionamento onde eu achava que amava, porém era apenas uma paixão, depois de todos os meus esforços pra nao ver um relacionamento ir por agua abaixo, vi que somente eu me esforçava, larguei os bets e levei o famoso pe na bunda.

      Ai virei um porra-loka, comecei a i pra balada direto, pega a mulherada e tudo mais, o homem romantico, atencioso, que queria casar tinha ido por agua abaixo, eu queria agora era aproveitar. Sai, conheci, fiquei e tudo mais. Mas me sentia vazio por dentro muitas vezes. Um belo dia um amigo meu das antigas me chamou pra ir num grupo de jovens da minha igreja, tava em débito com Deus a 6 anos, isso já era julho de 2011. Comecei a frequentar esse grupo e comecei a gostar, até que Deus me tocou de uma forma impressionante que preencheu aquele vazio que eu sentia, e uma paz interior surgiu dentro de mim, algo que nunca tinha sentido, mas que nunca pararia de sentir. Decidi voltar pra igreja e seguir a Deus independente do que me dissessem. E percebi que o grande homem carrancudo cheio de leis que achava que era Deus, é um cara muito brother, que é meu amigo e meu suporte nas minhas decisões. (o foco não era casamento? Já chego lá)

      Durante esse tempo consegui um trampo da hora, onde mesmo antes de estar formado estou numa condição financeira estabilizada, tenho 23 anos, não sou feio, tudo o que um solteiro nessas condições quer eh sair e pegar a mulherada, correto?
      Talvez! Acreditem ou não.

      Nesse grupo de jovens conheci a mulher da minha vida. Desde que decidi seguir a Biblia, seguir a Deus e seus ensinamentos, tomei a castidade como um de meus principios. No começo eu achava impossivel e ate criticava. Comecei a namorar baseado em Deus, sempre digo que namoro a três, EU, minha namorada e Deus. Um relacionamento que não é focado em sexo. Algo que não tem explicação, nosso amor aumenta a cada dia, nossa paixão cresce. Não vou ser hipocrita e dizer que nao sinto desejo, pq se nao nem namorando eu tava. Mas de alguem que ja viveu os dois lados, os meus relacionamentos sempre foram baseados em desejo e atração fisica, mesmo sem querer. Meu mundo mudou, e hoje, falo pra vocês, é possivel viver em castidade, e não é ruim, é dificil, mas você conhece um outro lado do namoro que foi esquecido, algo que realmente é amor.

      Se você perguntasse pra mim sobre casamento a 1,5 anos atráz, eu diria que é utopia. Depois de 1,2 anos de namoro o que eu quero é casar, ter meus filhos e viver com a minha linda e maravilhosa namorada. Ter nossa vida, nossa bagunça, nossas contas e dividir a vida ao lado dela. Pras pessoas que dizem que romanticidade é coisa de otario, nao existe mais, eu sou romantico de abrir a porta do carro pra minha namorada, de levar flores sem motivo algum, de fazer um jantar a luz de velas, etc… E acredito que as mulheres ainda gostem disso, pois foi assim que conquistei a minha.

      Hoje o amor, em sua realidade é banalizado. Então Zanin, você precisa ir pra igreja e se converter pra ter um namoro, um relacionamento bom. Não é necessário, mas vc veria outro nivel, do que realmente é amar. Conheço muitos casais que não frequentam igreja e tal, mas que são exemplos de casais perfeitos.

      O sexo é bom, mas precisa deixar de ser o centro dos relacionamentos.

      Podem criticar a vontade. =)

      • Escrevedora Y

        Que relato rico! Bastante incomum, mas muito rico!

  • Brenner

    Sempre quis me casar e sempre achei isso uma das experiências mais ousadas que um homem pode ter. As pessoas, sem outra para gerar conflitos, ficam escravas de si mesmas.
    Já conheceram pessoas que não conseguem abrir mão das coisas? Casar (eu ia curtir a festa também, ao contrário do que foi falado nos outros comentários hehe), ter filhos… são experiências que devemos passar.

    Já me relacionei sério (inclusive acabei de sair de um) mas nunca achei que aquela era “a” pessoa pra isso. E isso é MUITO pessoal.

    Isso vem também do contexto que você está inserido. Além de Engenheiro de Softw., eu sou músico e sempre toquei em casamentos. Em todos que vocês imaginarem: de pobre, rico, japonês, homem mulherengo, pirigueti. Minha emoção ao saber que duas pessoas, apesar de TUDO, quiseram viver juntas, é a mesma. O casamento dos meus pais foi uma droga e nem por isso eu acho que está tudo perdidio.

    Muito bom o tema e o texto!

    • Escrevedora Y

      Obrigada Brenner! E obrigada pelo teu comentário recheado de esperança!

  • http://www.facebook.com/people/Isa-Belli/1584206490 Isa Belli

    Já que é a opinião masculina que interessa, só me resta desejar boa sorte. Estou curiosa a respeito das respostas … e dessa quantidade enorme de Felipes! Rs. ;-)

  • http://www.facebook.com/people/Isa-Belli/1584206490 Isa Belli

    Puts, sua pesquisa já era. Tem gente blefando forte e descaradamente nos comentários. Perdi a vontade de acompanhar o resultado. Pena. O texto é bastante bom, e ficaria ainda melhor se não tivesse as fotografias finais.

    • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

      Não acho que seja blefe. Estas opiniões reflete as ideias do público-alvo que frequenta o Papo de Homem. Se este mesmo texto for postado em outros canais diferentes, as opiniões serão bem diferentes do que as que aparecem por aqui. Talvez muito mais prováveis de serem próximas aos que a autora colheu.

      • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

        Fala, André. Sobre nosso público-alvo, diria que é toda a espécie que se relaciona de algum modo com o universo masculino, leia-se, toda e qualquer pessoa, de qualquer sexo.

        abração

      • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

        Não é por nada Guilherme, mas não. Qualquer empresa, mesmo uma de conteúdo como a de vocês, possuem um perfil de clientela que acessa o site com mais frequência. Querer abranger demais é irreal e os comentários dos textos dos últimos 2 anos demonstram claramente isso. Talvez por estar internamente na empresa, você não tenha reparado. Mas quem está de fora, sabe que o Papo de Homem como conteúdo e como comunidade mudou muito mesmo desde que foi criado. É só reler textos e comentários de 2008 e depois os de 2012.

      • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

        Fala, André.

        Com certeza, mudamos pra caraleo – e a tendência é essa. Sinto o PdH muito como um organismo vivo.

        Inclusive passou por crises e dificuldades junto com as crises e dificuldades pessoais da própria equipe, em muitos momentos.

        Objetivamente, e pra turma do mkt, posso te dizer que nossa faixa principal de leitores está nos homens de 18-35, sagazes, ligados em web.

        De maneira ampla, conceitual – que é como direcionamos os autores – expandimos isso. A noção de público-alvo ganha outra leitura e passa a ser, de fato, todos que lidam com o universo masculino.

        Creio que ambas visões coexistem, sem se prejudicar.

        Que pensa?

      • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

        Sim, eu percebo isso de certa forma. Entretanto, é bom ressaltar que mesmo o conteúdo sendo direcionado aos homens de 18-35, o site tem adotado uma postura que chama a atenção principalmente de uma faixa específica de pessoas que querem mais reflexões pessoais ou textos que questionam principalmente o status quo social.

        Confesso que por isso, me afastei um pouco do site, visto que esse tipo de abordagem muitas vezes se torna cansativa. Tenho um apreço maior a textos mais ligados ao homem e nossos gostos e desgostos aos de filosofia de vida, algo que tinha mais antigamente e que agora se lê um ou outro por semana. Mas enfim, se é o que tem agradado mais a maioria e vocês preferem essa abordagem, vocês tem todo o direito de querer isso, mesmo que afaste alguns leitores, devem ganhar outros.

    • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

      Isa, mas uma pesquisa não busca justamente colher todo tipo de depoimento para então peneirar, cuidadosamente, e entender os blefes que permeiam as falas?

      Não vejo possibilidade em esperarmos zero blefes – pois isso parte da premissa que não vivemos em constante auto-engano.

      Seguindo daí, procure ler cada comentário com abertura, pra sacar os aprendizados e dificuldades que talvez nem mesmo os próprios homens tenham identificado ainda.

      beijo!

      • http://www.facebook.com/people/Isa-Belli/1584206490 Isa Belli

        Sim, Guilherme, concordo plenamente, jamais esperaria zero blefes.Só que acompanhei o texto desde o minuto em que saiu, assistindo a velocidade em que foram postados os primeiros comentários… cerca de 15, pelo menos. Todos tinham o perfil sem foto e com o nome de felipe, dando a entender que se tratava da mesma pessoa, as vezes falando como homem, outras como mulher. Assim que postei o comentário acima, vários nomes foram alterados, e apareceram umas fotinhas. Coincidência ou providência? Não sei, mas abalou seriamente meu interesse e a credibilidade. Sugere uma ação tendenciosa, saca?!
        Valeu pela resposta e pela dica! bj ;-)

  • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

    Se por “casar” eu possa entender como constituir família (por mais que venham filhos ou não), sim!
    Agora, se o casar for igreja-festinha de casamento e tals, tô fora! E muito fora!

    • http://www.facebook.com/rodiceia.rodrigues Rodicéia Rodrigues

      Curiosidade: pq? (já imagino a resposta, mas acho justo verdadeiramente ouvir a resposta).

      • Nélio Oliveira

        Porque uma festa de casamento é cara pra caralho, e há quase que infinitas maneiras de gastar melhor esse dinheiro.

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        também, mas não só!

      • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

        Quais os outros motivos?

        Desculpe, é que fiquei curiosa mesmo.

        :)

      • Escrevedora Y

        Também gostaria de saber os outros motivos.

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        eu acho a cerimônia chata pra caralho e a festa uma desculpa para ver o tio da noiva dançar Macarena com a gravata na cabeça após as 4 da manhã (situação similar à festas de formatura, que eu odeio tão ou mais que casamento). eu enxergo a cerimônia casamento como um “ei! será que agora o povo enxerga a devida importância para o nosso relacionamento?”!

      • Escrevedora Y

        “Macarena com a gravata na cabeça”, hahahaha
        Adorei!

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        toda vez que me chamam pra uma festa de formatura ou casamento, visualizo essa bizarrice antes de se quer aceitar o convite. e a não ser que eu seja MUITO amigo da pessoa, dispenso! uhahuauha

      • Escrevedora Y

        Não conta pra ninguém, mas eu também sou assim… rs

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        ganhou muitos pontos comigo! =P
        hahaha

      • Bruno Santos

        E sempre tem um fdp que reclama da festa

      • http://www.facebook.com/rodiceia.rodrigues Rodicéia Rodrigues

        Obrigada pela resposta ^^

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        porque desde pequeno eu acho cerimônias de casamento tão legais e significativas quanto uma tampa de pendrive! hehehe

      • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

        Será, mesmo?

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        juro! vou a casamentos quando não tenho mais nenhum outro tipo de escapatória! acho todo aquele lenga-lenga um saco, não fico nem uma vírgula emocionado e fico com cara de fim de velório dentro da igreja!

        minha mãe fala que eu acho casamentos e festas de casamento (ou melhor, qualquer situação em que eu tenha que me vestir feito um pinguim) um saco desde que eu era muito novinho mesmo!

    • Katerine

      Concordo. Sempre tive a impressão de que festa de casamento é mais feita para os outros do que para o próprio casal; é como se fosse uma “autoafirmação do relacionamento”, do tipo “se não dermos uma festa, é porque não estamos o suficientemente felizes! E temos que mostrar isso pra todo mundo, até para o Fulano que me enche o saco todo dia no escritório! Aliás, põe ele na lista de convidados também!”.
      Fora os gastos desnecessários. Numa festa de casamento legalzinha gasta-se, em média, uns R$30.000 — dinheiro que pode ser investido em MUITAS outras coisas (tipo uma lua-de-mel, um apartamento, um carro, um cachorro, etc.).
      Pessoalmente, curto ir em casamentos por causa da comida de graça — e, numa visão feminina e fútil, porque posso usar um vestido bacana e fazer um penteado legal — mas, sinceramente, quando chegar a minha hora, vou casar só no civil e pronto. É mais rápido e sem lenga-lengas desnecessários…

    • http://www.facebook.com/people/Hudson-Ferreira/100003189961312 Hudson Ferreira

      E outra o dinheiro que voce gasta em grandes festas de casamento, pode ser investido no casal

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        conheço gente que fez uma festa digna de fim de filme hollywoodiano. para morar de aluguel num quarto-sala depois! justifica?!

  • http://www.facebook.com/jackson.emanuel Jackson Emanuel

    Olá minha nobre articulista… muito bom seu texto e seus questionamentos… acho que posso tentar esboçar uma opinião…. ou algumas reflexões… Eu venho de uma criação tradicional, protestante, com princípios e valores muito fortes, sempre digo que fui criado pro casamento… Tenho 29 anos e estou namorando sério há 8 meses pra casar, mas apesar dessa criação meus namoros duraram no máximo 6 meses, antes do atual. Sempre q eu achava que não ia dar certo eu já terminava, mesmo tendo namorado com a intenção de ver se a moça seria uma boa esposa ou não… E entendi algumas coisas porque também gosto muito de pesquisar e ler sobre relacionamentos, aprender com as experiências dos outros… Enfim…
    O que eu te digo é que todos nós temos carências, e sempre vejo pessoas falando q querem alguém que supra suas carências… quando vc pensa assim, seu relacionamento já começou fracassado… digo isso pelo seguinte:
    Você projeta na pessoa expectativas que nem sempre ela vai atender, justamente por causa da individualidade e personalidade dela, ahe quando essa pessoa te frustra vc “inconscientemente” faz uma promissória de dívida… ahe quando vc arruma outro namorado, vc quer que ele supra a carência que o outro não supriu, mais as outras que surgirem… e isso provavelmente não vai ocorrer, ahe vc se frustra de novo e faz outra notinha… e assim vai… pra cada novo namorado vc entrega o bolo de notinhas e ele nunca vai conseguir pagar elas… vai só acumulando…
    O que precisamos entender é que carência não se supre, se cura…. A maior problemática dos relacionamentos que eu vejo é isso, um conflito de carências onde as pessoas querem cada qual só receber, entram no relacionamento pra serem felizes, e não pra fazer o outro feliz…. Eu vi uma música do Bublé que ele diz que ele vai dar muito mais do o que ele receber, só não conheceu ela ainda… enfim… acho que o sentimento deve ser esse…. Realmente essa superficialidade existe sim…. e a moça tem que ver também onde ela vai arrumar os caras… se vc arrumou seus namorados em festinhas, barzinhos, baladinhas, a probabilidade de ele querer algo sério com vc é quase ZERO… porque o perfil de homem E mulher que vai nesses lugares é quase sempre o mesmo, só querem um pocket sex e só…. A mulher tbém vai pra melhorar a autoestima né, pq ahe pode dizer pras amigas que deu o fora em vários kkkk… mas é isso… espero poder ter somado ahe… forte abraço!!!!

    • Ellen Galvão

      Concordo com a parte da carência, apesar de que há perfis e perfis. Tenho amigos que mesmo não admitindo, gostam mesmo é de mulheres que mostrem algum tipo de dependência para com eles. Mulheres, como classe, conquistaram direitos que lhe deram oportunidades e independência, mas acredito que alguns homens ainda gostam de algumas que precisem dele de alguma forma, ainda que emocional e isso pode ser igual com mulheres que precisam sentir que os homens precisam delas, carentes, dependentes, para confiar neles. Vai entender…

      “se vc arrumou seus namorados em festinhas, barzinhos, baladinhas, a probabilidade de ele querer algo sério com vc é quase ZERO… porque o perfil de homem E mulher que vai nesses lugares é quase sempre o mesmo, só querem um pocket sex e só…. ”

      A primeira vez que eu fiquei com meu atual namorado eu não sei quem estava mais bêbado. Estávamos num festival chamado St Patricks Day que acontece anualmente na Irlanda, mais especificamente em Dublin, onde ambos moravam na época. A cidade pára e fica toda em festa! Pubs, ruas, desfiles, praças, parques até o Mc Donald’s entra no esquema. Na época, eu estava fazendo um mochilão e dei uma parada de 1 mês e 1 semana nessa cidade para passar um tempo com uma amiga, conheci ele pq acabamos indo parar na mesma casa que funcionava como uma república – 14 pessoas, sempre indo e vindo – muitas festas e bebida e pessoas praticando inglês. Ele estava morando lá a uns 5 meses fazendo aulas de inglês e fazendo bicos para se manter. Se vc já teve alguma dessas experiências, vc deve ter percebido que ninguém quer nada com ninguém. Pois é, e cá estou eu completamente apaixonada por esse menino que eu conheci num mochilão e fiquei por acaso completamente bêbada num festival na Irlanda. Tenho 23 anos e ele 25. Tem 7 meses que estamos juntos e 4 meses como namorados oficiais.
      E contrariando as minhas teorias, eu penso em me casar com ele. Eu não sou homem, mas não queria casar até um tempo atrás. Não mesmo. Na verdade, esse sentimento é bem novo para mim, meu pais não deram NADA certo e acredito que o ambiente familiar influencia muito na opinião das pessoas sobre casamento, talvez vc possa levar esse tópico em consideração “Escrevedora Y”. E tb acho que a idade influencia, pelo menos no meu caso influenciou. E como eu disse, eu não sou homem, mas já parti uns corações por me comportar como alguém procurando “relacionamentos-de-bolso”, então não crucifiquemos só os pobres. Mulheres tb podem ser efêmeras e eu não me arrependo dessa fase da minha vida. Acredito que pessoas que pensam em casar antes de encontrar alguém por quem são apaixonadas não só pelas qualidades, mas principalmente pelos defeitos, quando marcam a data podem estar casando não com a pessoa mas com a ilusão do casamento. Sempre desconfio de quem sonha em casar sem nem ao menos estar namorando. Relacionamentos-de-bolso, namoros fakes de 3 meses, encontrar pessoas que não valem a pena podem nos ensinar muito sobre nós mesmos. E amor tb é uma escolha, é a escolha de que vai dar certo, é a escolha de ficar mesmo querendo ir, é a escolha de dizer sim aos defeitos, dele e seus, pq temos que nos aceitar antes da outra pessoa…
      Enfim, acho que já fugi do ponto. Fez algum sentido? Btw, desculpe se isso soou como uma crítica Jackson, não foi, só aproveitei o ponto que vc levantou. Fique a vontade para me criticar de qlq forma.

      • Escrevedora Y

        Ellen, não desconsidero nada disso. Mesmo vindo de um lar de casamento “falido”, muitas pessoas ainda querem ter suas experiências independente do sucesso da relação de seus pais. Outra coisa, não penso nem disse que as mulheres não vivem seus relacionamentos de bolso. Tanto homens como mulheres reproduzem esse modelo. Dei meu caso como exemplo pra explicar o que eram esses relacionamentos de bolso. No final das contas, estamos todos no mesmo barco… rs

        Aproveitando o comentário, teu relato é a prova de que a exceção da regra protestante existe. Muito sucesso com teu “guri de balada”!

    • Escrevedora Y

      Jackson, eu tenho um gosto bastante peculiar por homens, acho que já escrevi isso em algum comentário. Então, posso te assegurar que nenhum desses guris foram conhecidos em baladas, festinhas ou qualquer coisa que valha. Até porque, eu também venho de uma criação protestante (no meu caso, ortodoxa) e crescemos ouvindo que esse tipo de relacionamento dificilmente dá certo. Se certo daria ou não, eu nunca paguei pra ver.

      Voltando ao teu relato, fiquei curiosa em saber se você quer casar porque cresceu ouvindo que isso era o que você DEVERIA fazer ou se essa decisão é apenas SUA. Mesmo que seus relacionamentos anteriores não tenham durado muito, você sempre buscou o casamento em cada um deles?

      Abraço.

      • http://marcoreis.net/ Marco A. S. Reis

        Por que seu gosto seria peculiar? Até porque “normal” é difícil de se definir hoje em dia.

      • Escrevedora Y

        Ah Marco, não penso que o “normal” seja tão difícil assim de se definir, mesmo hoje em dia. :)

  • http://www.facebook.com/icaro.fernandes.777 Icaro Fernandes

    Cara anônima tenha em mente que só posso responder
    por mim e talvez por poucas pessoas que possuam os mesmos valores
    morais e ideológicos que os meus. Resposta a primeira pergunta: os
    homens querem se casar? R: Ninguém ‘quer’ se casar a priori,
    a instituição casamento é algo ‘moderno’ e sua construção social não
    está ausente de mudanças e alterações de acordo com o momento histórico e
    social. Mas acredito que muitos homens acabam chegando ao altar, hoje,
    não por uma escolha determinante, seja ela racional, puramente emocional
    ou moral (geralmente ligadas a tradições religiosas). Lembrando que o
    homem é ”ele e suas condições” as alternancias da dinâmica entre o ‘eu’
    e o que ‘eu posso’ ‘eu devo’ e o ‘eu quero’ ‘eu tenho’ são infinitas e
    levam a infinitas possibilidades como resultado. Novamente, eu só posso
    responder por mim, eu sou jovem (23 anos), mantenho um relacionamento
    monogâmico – extremamente harmonioso e satisfatório em todos os
    sentidos: emocionalmente, sexualmente e etc – por 3 anos, sendo minha
    namorada, minha amiga a pelo menos 6 anos. E nenhum de nós tem a
    intenção de casar, nem de ‘unir os trapos’. Da minha parte, não tenho
    intenção de casar, porque não acredito no casamento, nem
    em qualquer capacidade ‘divina’ – seja por parte de qualquer deus ou do
    Estado, no caso dos casamentos feitos por juízes – de manter laços e
    relacionamentos. Minha opinião pessoal sobre o casamento é que se trata
    de uma cerimônia formal com intuito de mostrar a comunidade a qual se
    esta inserido, um grau de comprometimento, se assume determinadas
    responsabilidades sobre si e sobre sua(seu) parceira(o), sob o testemunho
    de uma entidade divina e tendo toda a comunidade como testemunha do
    compromisso assumido. Poderíamos simplificar – sem prejuízo do
    argumento- os elementos que compõem a dinâmica do casamento (dentro da
    nossa sociedade brasileira, majoritariamente cristã) em compromisso
    assumido/divindade ‘protetora’/testemunhas responsaveis. Eu e minha
    namorada – dentro desse grau de relacionamento – temos compromissos
    assumidos de maneira tácita cada um sabe o que poderia fazer pra magoar
    ou trair a confiança do outro. Eu diria que 80% dos adultos, no sentido
    de maturidade, sabem quais são as convenções sociais e o que
    caracterizam a fidelidade, companherismo e etc – que compões os mesmo
    valores desejavéis pelas mulheres – a questão não é só conhecer esses
    valores, mas estar de acordo com eles. Como o casamento se trata de relacionar-mento,
    isso têm que estar de mútuo acordo e é nisso que implica o compromisso
    assumido: a observância das regras tácitas, ditadas pelos valores
    comuns. Logo se o zelo por esses valores depende única e exclusivamente
    das partes envolvidas, é desnecessário – na minha opinião – qualquer
    entidade divina como protetora do ‘laço’. Dentro da idéia que Bauman
    esboça do que vem a ser a Modernidade Líquida, podemos complementar com a
    Sociedade em Redes do Castells, no qual a característica principal é a
    dissolução da comunidade tradicional, sendo substituída pelas ‘redes’, a qual a característica principal é a ausencia de constancia, ou seja a interação entre os nós que compõem a rede – acho que sinapse seria uma palavra adequada – não possuí padrão definitivo. Logo aquela comunidade testemunha do matrimônio pode não exercer influência nenhuma sobre os casados ou até mesmo nem estar em contato real com os dois. O que me leva a acreditar que as únicas razões de se fazer um casamento seja a celebração – a festa – tanto em nível religioso quanto em nível social, sendo que este implica mais uma demonstração de status em vários níveis. Já estive dos dois lados da geladeira que você descreveu, com outras mulheres, embora não conhecesse Bauman naqueles tempos. E todas a vez que me ví colcando uma de vocês ‘na estante’ eu não fui o único responsavel – em alguns casos era perceptivel a assimetria emocional e o conflito de valores e ainda sim elas insistiam, e acho que a estante e a geladeira podem ser uteis pra se afastar inicialmente aquela menina legal, que você sabe que não vai dar certo e não quer magoá-la, o erro esta na insistencia de uma das partes em se manter (ou manter o outro) nessa posição. E acho que foi justamente ao conhecer a dinâmica que compõem os relacionamentos que me fez descrer no casamento como instituição e ser feliz dentro de um relacionamento, como eu sou hoje. Espero de alguma forma ter contribuído com sua pesquisa. x)

    • Carol

      Eu dúvido que a sua namorada depois de 3 anos de relacionamento não pensa em casamento, quando eu digo casamento, não quer dizer igreja e festa, mas sim viver junto, compartilhar o dia a dia, algo mais sério que o namoro…

  • testando

    teste

  • http://fabiochap.wordpress.com/ Fábio Chap

    É bom casar tendo alguém que saiba Fá, Sol, Lá, Si quando você só
    sabe Dó, Ré, Mi.

    Acho pura frase impacto quando neguinho (branquinho e indiozinho também) diz
    que relacionamentos não devem se basear em um ‘se completar’ no outro. Que
    devemos ser pessoas inteiras primeiro. Ahpáputa! Que ser humano é completo?
    Quem é feliz por inteiro? Não existe.

    A admiração é, pra mim, a base da paixão, do amor e das uniões coreanas (opa gangnam style).

    Eu quero – e muito – casar com a minha linda carioca surfixta-malandra-do-morro, mas a minha expectativa e a dela, é que juntos estaremos mais fortes e mais próximos para enfrentar os problemas que já temos. Sim, nós queremos nos casar porque temos problemas. A união e proximidade física do casamento nos faz pensar que poderemos resolver esses e assistirmos Telecine enquanto esperamos os próximos.

    Na minha opinião, as pessoas não estão mais casando por amor e sim por paixão. Me parece que não enfrentam grandes problemas durante o namoro – e talvez até por isso se iludam com um casamento perfeito – e arredam pé nas primeiras discussões sérias que um relacionamento sério acarreta.

    Acredito sim que casamentos e relacionamentos de longo prazo devem existir para
    unirmos forças para viver. O problema principal talvez esteja nas experiências
    que as pessoas têm adquirido antes de casar: ‘ah, já sei morar sozinho, já sei
    pagar as contas, já sei contornar as crises’ e ignora-se o fato que casamento é
    uma sociedade. Como geral tá casando perto dos 30 e já sendo bem resolvido, não tem a paciência pra mudança do estilo de vida que o casamento acarreta. Acha que é falta de personalidade deixar de sair determinados dias, deixar de ver os brothers-uhul naquela quinta-feira. Então, como nem ele, nem ela querem mudar o que eram antes do casamento – independentes – a porra toda afunda e a aliança é enfiada na bunda (não na própria).

    A expectativa do casamento, me parece, tem sido puramente romântica e sexual: ‘ah, vou
    ter alguém pra sorrir quando acordar e pra descer o samango no meio da noite.’

    Quando empresários procuram um sócio não é pra resolver problemas? Neguinho
    todo independente deveria pensar nisso.

    Outra coisa: casais de mente aberta não precisam recorrer à traição. Podem realizar fantasias juntos.

    • http://www.facebook.com/andre.kaminski.75 André Kaminski

      Completou inteiramente tudo o que eu queria dizer no meu post anterior. Concordo com tudo.

    • http://twitter.com/BrisaFeliz Fernanda Magalhães

      É isso, só isso, e tudo isso.

      Sem mais delongas.

    • Escrevedora Y

      Fábio, obrigada pelo relato.

      Só ficou uma dúvida, você diz que acredita que casados vocês estarão mais fortes para enfrentarem os problemas atuais, isso não seria um tipo de fuga? Hoje, com a relação de vocês não é possível resolver essas questões?

      Eu pergunto isso dentro do SEU julgamento, ok? Não sei quais são os problemas e, pelo teu relato você aparenta ser bastante consciente da sua situação, por isso surgiu a questão.

      • http://tiveumsonhoporno.wordpress.com/ Fábio Chap

        A minha questão não é nem problema X ou problema Y, Escrevedora. Apenas acho que sendo x ou y, com ela sou mais forte para enfrentá-los. E a minha crença particular é que essa é a melhor motivação para casar.

        Se trataria de fuga se eu apenas a enxergasse como uma mediadora de problemas, mas ela também é linda, gostosa, cabeça e com bom coração. E, mesmo assim, tudo isso não bastaria se eu não me sentisse mais forte ao lado dela.

      • Escrevedora Y

        Obrigada, Fábio!

    • Michel Macena

      gostei do texto, discordo da parte de se completar com outra pessoa, sou da teoria de que cada um é completo por si só, as pessoas são paralelas, e pessoalmente, para mim o casamento é uma instituição falida.

      • Thiago Correia

        Seja na dor ou na alegria, outra pessoa na sua vida caso não for completar, vai ao menos complementar.

        Seres humanos são naturalmente interdependentes, e não há quem deixe de aprender, consciente disso ou não, ao conviver com alguém – lidar e (tentar) superar diferenças.

        Inúmeros – não todos – casamentos fracassam, sem dúvida, o que em aspecto nenhum sustenta a ideia de que casamento é uma instituição falida.

      • Michel Macena

        Eu me refiro a esta ideia calcificada de casamento pela sociedade, muita gente casa “porque tem que casar “, é como uma rotina imposta, para mim é suficiente que se viva junto com alguém sem a necessidade de se casar.

      • Thiago Correia

        A rotina a dois não é imposta, pois é possível casar sem viver junto, como fazem atores e pessoas que necessitam de viagens constantes, embora o propósito do casamento seja não só o compromisso, mas a convivência. Em vez de uma imposição, quem passa a viver junto o faz porque enxerga a vida a dois como uma realização, não algo negativo. A rotina é algo cansativo, esteja sozinho ou acompanhado, há quem não sabe conviver com diferenças vivendo mais tranquilo em seu espaço sozinho e há quem se vê muito mais feliz vivendo em saudável parceria assim lidando melhor com os problemas do cotidiano.

        Quanto ao lance de viver junto e não casar… Para você pode bastar, ainda que para outros seja um ritual espetacular, essencial, a comemoração de uma união e uma séria confirmação do compromisso que ambos têm a cumprir, diferente de um namoro (especialmente a quem segue princípios cristãos). Não estou afirmando que morar com a namorada seja fracasso garantido, todavia para muitos o casamento é um passo além do namoro – casar é muito mais que morar junto. Pesquisas (eu sei, pesquisas devem ser tratadas com desconfiança sim) declaram que o índice de separação dos casais que moram juntos sem casar é ainda maior. Não seria devido ao fato de que é indiscutivelmente mais cômodo pedir arrego num namoro do que num casamento?

        O lance de usar aliança no dedo também varia de ótica. Há quem não veja sentido, que se trata apenas de uma tola tradição, mera vaidade… Enquanto existe quem defenda a aliança como importante símbolo do matrimônio, uma maneira respeitosa de sair pelo mundo declarando seu amor e sua fidelidade pela esposa, anunciando à legião de desesperadas que está casado. Nem todos, mas existem os que pensam assim, sim senhor, ainda que se veja bastante quem tire desleal proveito da aliança… Enfim, apenas não se deve depreciar o casamento e suas peculiaridades pelo fato de que diversos casais casados se desrespeitam e pedem arrego cedo.

      • Michel Macena

        Compreendi o que você quis dizer, mas pelo que notei independente de uma cerimônia, para você vale o estar junto com a pessoa que gosta, é isto ?
        Realmente existem os entusiastas do casamento, não é o meu caso. Um outro ponto que me incomoda muito, são os dispositivos legais que regem um casamento, sinceramente para mim legislação sobre uma relacionamento é algo desnecessário.

      • Thiago Correia

        Como você diz, é o seu caso – algo subjetivo.

        Agora vamos supor que você esteja com alguém há anos, dividindo o lar, o que você ganha no emprego, os seus planos e o seu bem mais precioso: o tempo.

        Num certo dia você descobre que essa criatura está traindo você, não só desprezando sua dedicação, cometendo a maior forma de desrespeito com sua pessoa, que poderia estar dedicando sua vida (tempo perdido não se recupera) com outra coisa, ou outro alguém… É um risco que todos correm, certo?

        Não conforta saber que quem entra num compromisso deve lidar com sérias consequências ao sacanear voluntariamente aquele que o ama? Diferente de um namorico, no casamento, se você trair o outro, vai ter de pagar por danos morais, uma indenização. Não conserta as coisas, sem dúvida, contudo está longe de atrapalhar, cara.

        “O que se procura com essa indenização não é apenas demonstrar que a infidelidade é um comportamento inadequado e que não deverá se repetir, mas, especialmente, que quando se faz uma escolha, deve-se honrá-la e respeitá-la, inclusive decidindo revogá-la ao julgá-la errônea.”

        Do mesmo jeito é a burocracia com o divórcio… É um jeito de punir o casal que já pediu arrego, dor de cabeça a ambos. Não quer correr o risco? Não case, oras. Casamento é para quem ama pra valer – tanto o(a) parceiro(a) quanto a convivência a dois, o prazer da mutualidade.

      • Michel Macena

        Compreendi, porém o final não achei coerente pois o evento amar muito alguém não depende de um casamento, e não me leve a mal se você escolheu alguém errado, o problema é seu (da pessoa em questão), e outra, a legislação a respeito dá muita brecha para aproveitadores, você só citou a parte bonita da história mas o outro lado da moeda é raramente comentado, se duas pessoas não tivessem dispositivos legais sobre suas coisas, seria por conta e risco de cada um, como já disse, escolha errada, problema seu.

      • Thiago Correia

        … enfim, ponto de vista de cada um, case ou não com sua parceira, você lida com consequências segundo sua escolha, de qualquer jeito.

        A resposta para a questão do texto é sim, ainda há muitos homens que querem casar, e não tratam o tema (o ato e a aliança) de forma tão simplista, como se mero ritual, veem como uma nova fase de maturidade do relacionamento, que exige mais cumplicidade que um namoro – decerto não se resumindo a um “namoro sob mesmo teto”.

      • Rogério H

        Concordo com o Michel nesta ultima parte, você enxergar o casamento como um dispositivo de segurança que subtende que se o casal se desentender ambos (ou só um deles) vai sofrer consequências legais, escancara o quão falido é a própria idéia de casamento tradicional. Não há sentido valorativo algum em se casar como forma de validação conjugal. Não é necessário e ainda perigoso se submeter à tradições de posse bidirecionais (isso pq estou falando de algo moderno, pq se for tradicional mesmo, aí é patriarcal) que são resquícios da moral religiosa sobre a permissão de se fazer sexo. Admita, o casamento tem sentido no âmbito da fantasia, não do real.

    • lil

      Meu testemunho:

      Casamento é uma delícia, é maravilhoso. Óbvio, o convívio com o outro tem sempre seus tropeços, mas dividir a vida com alguém bacana é bacana é demais.

      Estou no segundo casamento (em nenhum dos dois houve festança, somente junção de escovas mesmo); arruinei o primeiro pois me apaixonei loucamente por outra pessoa e larguei tudo – e foi com essa outra pessoa com quem me casei pela segunda vez.
      Minha porra louquice de abandonar repentinamente o primeiro casamento foi uma grande falha, um momento em que estava fora de mim devido à paixão. Contudo, não posso dizer que me arrependi – vivo, há muitos anos, uma relação feliz ao lado da paixão que arruinou meu primeiro lar, rs. Assim, não me arrependo, mas teria feito diferente, com mais sobriedade. – mas acredito que se tivesse conseguido esquecer a paixão e continuado com o casamento n. 1 tbm teria sido feliz; era uma relação ótima.-

      Enfim, acho que muita gente recusa (ou fode) o casamento porque não tem culhão, caráter, altruísmo e amor ao próximo suficientes. Tem gente que acha que o outro é descartável, enjoou, trocou.. ou que a grama do vizinho é sempre mais verde/ insatisfação permanente/ pouco respeito e consideração ao sentimento alheio etc etc..

      Pra dividir um teto (de maneira feliz pra ambos) é preciso baixar um pouco a bola do ego; aprender a dividir, a ter paciência, respeito, saber escutar, entender que ninguém é perfeito, principalmente você. Aprender a dar peso certo às coisas, não arrumar briga por coisa pequena, valorizar verdadeiramente a companhia do outro. Saber que É CLARO que nem sempre será tudo legal: haverá tédio, desentendimento, dúvidas. Mas, como diz minha mãe “põe na balança: se as qualidades superarem os defeitos, então está valendo”. Ou seja, ponderação, discernimento!

      Morar junto à alguém agradável, com quem você aprecia conversar, trepar, rir, chorar, cozinhar, dormir.. é maravilhoso! Recomendo.

      Agora, se você quer “carne nova” todo dia, alguém que sempre diga amém a tudo que você diz, se é impaciente com o próximo, mau humorado, mimado, se não tolera alguns momentos de tédio, se não é capaz de mudar, de melhorar.. o casamento não é pra você.

      Conheço muitos casais que estão juntos e INfelizes há anos, muitos anos, e três ou quatro juntos e felizes também há bastante tempo. Percebo que há alguns traços comuns entre os felizes:

      -bom humor (não falo de fazer piadas com os amigos no bar, mas de ter a capacidade de rir junto a seu parceiro – parece óbvio, mas tem gente que não enxerga a diferença -),
      -confiança (saber que o outro está lá pra o que der e vier, mesmo) e
      -respeito (às diferentes opiniões, aos momentos ruins do outro, etc).

      Uma última coisa: não banque o sem noção “sincero demais”. Já escutei amigo dizendo à esposa: “sim, sua amiga é mais gostosa que você”, ou “nossa, pegaria fácil aquela colega de trabalho”, ou “você está horrorosa, engordou demais”… e terminam assim: “estou sendo sincero, você perguntou, respondi.” Discernimento, discernimento!

      • http://www.facebook.com/gregorio.manoel.9 Gregório Manoel

        quanto a esse finalzinho do post, esse tipo de gente é estúpida, não sincera. Todo mundo que é estúpido dá a desculpa de que é “sincero’,

      • Natália

        Disse tudo! É isso e fim.

      • Lucas Natan

        Cara, tenho só 19 anos e desde sempre soube que casamento seria pra mim, e penso exatamente como vc.

        Quando pequeno, ouvi minha mãe falar sobre a falta de discernimento na Igreja e fiquei curioso, dei uma olhada no dicionário e até hoje carrego essa palavra comigo, acho importantíssimo, necessário ter discernimento, é ele que decide se, num momento chato, inoportuno, difícil, vc vai contornar a bosta ou sentar em cima dela.

        Ah, e sobre colocar na balança, tem até um pedacinho duma música que fiz recentemente que fala disso:

        “E a gente vai batendo a cabeça,
        não sabe mais o que fazer ou não,
        mas sempre alegrando essa festa,
        o que importa é que você tá no meu coração.

        E se um dia eu não souber o que fazer,
        e se um dia eu ver que tudo foi em vão?
        repare e calcule a alegria,
        se no final ficar positivo é porque tá bão.”

    • http://www.facebook.com/janainacosta.s Janaina Costa

      Cara! Você mandou muito bem!
      Clap!Clap! Clap!

  • Anônima II

    Eu PRECISO de uma continuação desse artigo. Estou com os mesmos questionamentos e que você e seria bom entender o motivo dos chutes, de eu ser “boa demais” – não pra um relacionamento, mas pra um contato de “oi, tudo bem? o que tem feito? vamos pegar um cineminha?”. Gostaria de entender, sinceramente… Ainda se eu maltratasse as pessoas, tivesse algum terrível defeito, mas não, tento sempre dar o melhor de mim.

  • http://www.facebook.com/icaro.fernandes.777 Icaro Fernandes

    Cara anônima tenha em mente que só posso responder
    por mim e talvez por poucas pessoas que possuam os mesmos valores
    morais e ideológicos que os meus. Resposta a primeira pergunta: os
    homens querem se casar? R: Ninguém ‘quer’ se casar a priori,
    a instituição casamento é algo ‘moderno’ e sua construção social não
    está ausente de mudanças e alterações de acordo com o momento histórico e
    social. Mas acredito que muitos homens acabam chegando ao altar, hoje,
    não por uma escolha determinante, seja ela racional, puramente emocional
    ou moral (geralmente ligadas a tradições religiosas). Lembrando que o
    homem é ”ele e suas condições” as alternancias da dinâmica entre o ‘eu’
    e o que ‘eu posso’ ‘eu devo’ e o ‘eu quero’ ‘eu tenho’ são infinitas e
    levam a infinitas possibilidades como resultado. Novamente, eu só posso
    responder por mim, eu sou jovem (23 anos), mantenho um relacionamento
    monogâmico – extremamente harmonioso e satisfatório em todos os
    sentidos: emocionalmente, sexualmente e etc – por 3 anos, sendo minha
    namorada, minha amiga a pelo menos 6 anos. E nenhum de nós tem a
    intenção de casar, nem de ‘unir os trapos’. Da minha parte, não tenho
    intenção de casar, porque não acredito no casamento, nem
    em qualquer capacidade ‘divina’ – seja por parte de qualquer deus ou do
    Estado, no caso dos casamentos feitos por juízes – de manter laços e
    relacionamentos. Minha opinião pessoal sobre o casamento é que se trata
    de uma cerimônia formal com intuito de mostrar a comunidade a qual se
    esta inserido, um grau de comprometimento, se assume determinadas
    responsabilidades sobre si e sobre sua(seu) parceira(o), sob o
    testemunho
    de uma entidade divina e tendo toda a comunidade como testemunha do
    compromisso assumido. Poderíamos simplificar – sem prejuízo do
    argumento- os elementos que compõem a dinâmica do casamento (dentro da
    nossa sociedade brasileira, majoritariamente cristã) em compromisso
    assumido/divindade ‘protetora’/testemunhas responsaveis. Eu e minha
    namorada – dentro desse grau de relacionamento – temos compromissos
    assumidos de maneira tácita cada um sabe o que poderia fazer pra magoar
    ou trair a confiança do outro. Eu diria que 80% dos adultos, no sentido
    de maturidade, sabem quais são as convenções sociais e o que
    caracterizam a fidelidade, companherismo e etc – que compões os mesmo
    valores desejavéis pelas mulheres – a questão não é só conhecer esses
    valores, mas estar de acordo com eles. Como o casamento se trata de
    relacionar-mento,
    isso têm que estar de mútuo acordo e é nisso que implica o compromisso
    assumido: a observância das regras tácitas, ditadas pelos valores
    comuns. Logo se o zelo por esses valores depende única e exclusivamente
    das partes envolvidas, é desnecessário – na minha opinião – qualquer
    entidade divina como protetora do ‘laço’. Dentro da idéia que Bauman
    esboça do que vem a ser a Modernidade Líquida, podemos complementar com a
    Sociedade em Redes do Castells, no qual a característica principal é a
    dissolução da comunidade tradicional, sendo substituída pelas ‘redes’, a
    qual a característica principal é a ausencia de constancia, ou seja a
    interação entre os nós que compõem a rede – acho que sinapse seria uma
    palavra adequada – não possuí padrão definitivo. Logo aquela comunidade
    testemunha do matrimônio pode não exercer influência nenhuma sobre os
    casados ou até mesmo nem estar em contato real com os dois. O que me
    leva a acreditar que as únicas razões de se fazer um casamento seja a
    celebração – a festa – tanto em nível religioso quanto em nível social,
    sendo que este implica mais uma demonstração de status em vários níveis.
    Já estive dos dois lados da geladeira que você descreveu, com outras
    mulheres, embora não conhecesse Bauman naqueles tempos. E todas a vez
    que me ví colcando uma de vocês ‘na estante’ eu não fui o único
    responsavel – em alguns casos era perceptivel a assimetria emocional e o
    conflito de valores e ainda sim elas insistiam, e acho que a estante e a
    geladeira podem ser uteis pra se afastar inicialmente aquela menina
    legal, que você sabe que não vai dar certo e não quer magoá-la, o erro
    esta na insistencia de uma das partes em se manter (ou manter o outro)
    nessa posição. E acho que foi justamente ao conhecer a dinâmica que
    compõem os relacionamentos que me fez descrer no casamento como
    instituição e ser feliz dentro de um relacionamento, como eu sou hoje.
    Espero de alguma forma ter contribuído com sua pesquisa. x)

  • http://www.facebook.com/victorperalberg Victor Albergaria

    Vou tentar ajudar. Tenho 17 anos e minha namorada 18. Há um ano nem passava pela minha cabeça casar. 15 de dezembro e lá estava eu, namorando firme com uma amiga de escola. O sonho dela é se casar. Muitas vezes é um incômodo isso para mim, nunca achei que casar seria meu ideal. Mas quero manter um relacionamento sério e de respeito com ela. Sempre que conversamos sobre isso, ah.. eu fico ainda mais cabrero. Mas sabe quando você para, pensa, e vê que é o que se deve fazer, querendo ou não? Ela é evangélica convicta, eu deísta. Não queremos casar em igreja, não queremos um pastor, padre, pai de santo, nem nada “entregando a gente pra deus”, como dizem. Uma bênção dos nossos pais está de bom tamanho.
    Enfim, o que acontece é que os relacionamentos de hoje são imediatistas. Não conheço um casal de hoje (ou muitos casais, para não ser injusto) que faça(m) um namoro de “longo prazo”, pensando em casar, filhos (não é meu caso nem de longe), envelhecer e morrer feliz do lado do outro. Ela é a primeira garota que amo de verdade. Ela também diz o mesmo de mim. Se der certo ao final de tudo, se o respeito, amor e dignidade ainda imperarem, pq não juntar as trouxinhas e trocar alianças no futuro? Sem intervenção de ninguém, de religião, de homens nem nada? Acho hoje que é uma ideia louvável. Juntar-se, casar-se, namorar sério mesmo. Pergunto à maioria dos rapazes da minha idade: pq acham isso tão ruim?

    Tá, posso ser muito novo, mas a cada dia que passa essa ideia fica mais convicta na minha mente. Ela me ama, eu a amo, nos vemos em um futuro promissor, ela psicóloga, eu jornalista. Um ajudando o outro em um momento difícil. Acho que é algo necessário do humano, ter alguém para dividir as emoções, as raivas, para brigar, gritar, e no final se acertar. Essa é minha opinião. Abraços!

  • http://www.facebook.com/people/Paulo-Azevedo/100001728339618 Paulo Azevedo

    Se vc entende casamento como uma vida a dois e parrecria para ter filhos. Ok Sim. Porém casamento é como qualquer outra coisa, tem início, meio e fim. Sem essas de até que a morte os separe. Até que não tenhamos mais como nos melhorar juntos. Felizes para sempre. OK. Felizes para sempre, juntos ou não!

  • Petrol

    Só tem “Champ” no mundo. Homens e mulheres só querem o melhor mas do jeito facil. Se relacionar no sentido amplo? aguentar problemas? Aguentar o tranco do dia a dia, qdo a relação se torna rotineira. O problema é outro não sou eu, eu quero “viver” ser “livre” nada me amarra, pra que aguentar e tentar resolver se é mais facil trocar. Qdo enjoar pega outro. Mundo de estepes. As pessoas só querem compartilhar a vida perfeita no facebook.
    To puto com tudo. Esse texto veio na hora certa. Nem homem e nem mullher quer casar. O Barato é se separar para resolver os problemas. O que diferencia o ser humano do animal, é a capacidade de controlar os instintos… Pelo visto estamos voltando as raizes.
    Tem uma musica do Lynyrd Skynyrd , que reflete melhor o que eu penso, eles são artistas, sabem se expressar melhor. “Simple Life”

    • Escrevedora Y

      Petrol, esse estar “puto com tudo” significa dizer que você é avesso a ideia de casamento ou alguma “azinha” te deixou puto e desesperançado?

  • http://www.facebook.com/cristiane.rodrigues.94214 Cristiane Rodrigues

    muito interessante seu texto.
    Eu sou mulher mas observo e converso muito com meus amigos homens (e tenho muitos) acho que a questão é muito simples.
    Quando eles estão solteiros, entram nesses relacionamentos “de bolso” como você chama para ocupar o tempo entre uma paixão (ou amor) e outra. As mulheres também fazem isso. Muitas vezes esses relacionamentos começam com empolgação e a gente pensa que vai rolar um sentimento maior, e quem sabe um compromisso. Mas esse sentimento não acontece e ao invés do cara se retirar da sua vida honrosamente, ele te “cozinha” continua te ligando, e marcando território. Mas não se engane, ele está apenas solitário e preenchendo seus espaços vazios com você.
    Você pode achar que esse cara é um canalha, mas não é, ele quer amar alguém, só não é você, daí a pouco ele encontra outra garota e pronto: Namora, casa, tem filhos etc… é tudo muito simples: ele não se apaixonou por você, se apaixonou por outra. Eu entrei em vários relacionamentos de bolso e há mais ou menos um ano decidi cortá-los, Começou essa lenga-lenga de ficar de “vez em quando” aparecer a cada 2 semanas, amigos que trepam etc. eu corto pela raiz não dou chance de ser muleta de ninguém para ajudar ao cara a caminha até a próxima paixão da vida dele.
    E também não faço ninguém de muleta, quando percebo que não vai rolar eu me afasto de verdade do cara, mesmo sentindo que ainda poderia trepar com ele muitas vezes.
    Resumindo, a gente controla nossa vida e entra nos relacionamentos que quer, culpar os homens por essas atitudes é muito fácil. Mas cabe a qualquer um ter a coragem de recusar um relacionamento que não está dentro das nossas expectativas. Só digo uma coisa, essa minha posição é radical e difícil, principalmente quando temos que nos afastar de alguém que gostamos porque percebemos que não somos retribuídos na mesma proporção (da última vez eu saí do país e passei 3 meses fora para sair do ciclo vicioso), nenhum dos meus amigos ou amigas faz o que eu faço, todos que praticam relações de bolso, o fazem sem pensar a respeito, dizem que estão se divertindo e conseguindo boas trepadas enquanto eu estou aqui sem “pegar ninguém”. E enquanto isso aguardam a paixão por alguém acontecer. É simples assim ;)

    • Escrevedora Y

      Cristiane, não sou eu não! Quem dá o nome de “relacionamentos de bolso” é o Bauman! rs

      Não penso que homens que vivem “relacionamentos de bolso” sejam necessariamente um canalha. Existem muitas explicações que levam um homem a esse tipo de comportamento e, apenas taxá-los de canalha é muito fácil. Afinal, muitas mulheres também o fazem, elas são vadias por fazerem isso? Ou estão desfrutando da liberdade sexual conquistada? Não penso que seja tão simples assim. Identificar porque as pessoas estão recorrendo a relacionamentos de bolso é mais difícil do que parece.

      Obrigada pelo seu comentário!

  • Joao Ricardo Souto Alvarez

    “Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?”
    Seguindo minha linha meio “ogro”.
    Sim, mas homens querem se casar com mulheres.
    Não é ser machista, mas se eu vou fazer algumas coisas a mulher vai ter de fazer outras.
    É simples e é direto, meus relacionamentos duraram bastante por conta disso, mas não sou casado.
    As duas vezes que pensei seriamente em casar não deu certo pq a mulher pira na h que vc fala em casamento.
    E olha que com a segunda eu cheguei a morar junto.
    Ai eu pulo fora, se vai ter uma celeuma por conta de 1 dia na nossas vidas é melhor não.
    Você leva anos construindo relacionamentos.
    É mais ou menos como fazer uma faculdade, vc investe muito pra pessoa, de repente, estar só preocupada com a festa de formatura.
    Não deu certo até hoje, mas estou namorando e quem sabe com essa isso não ocorre.

  • Matheus Francez

    Até Charlie Harper já quis casar!

    • Carlos

      Hahahahahah! Sensacional! rs

  • http://www.facebook.com/people/Pedro-Henrique-Schramm/100000999206775 Pedro Henrique Schramm

    Os relacionamentos modernos vem com uma característica típica dos objetos modernos: Obsolecência programada. Vem se dando às relações interpessoais tempo e modo para que acontecam.

  • Yuri

    Casar foi a melhor decisão que eu tomei na minha vida. Ter uma companheira ao seu lado, batalhando por um mesmo ideal, dividindo as dores e as alegrias, te apoiando e usando seu ombro para se apoiar, faz com que você se sinta útil nesse mundo. Te deixa em um lugar especial. Casei na igreja, com festa e lua de mel, tudo como a tradição manda. Gastei sim uma grana preta; mas ver todos os nossos amigos e família juntos, comemorando o nosso amor, festejando uma nova etapa, isso não tem dinheiro que pague! Falamos o sim na frente do padre, como muitos dizem ser ridículo, afinal, não precisamos provar nosso amor a ninguém ou nos comprometer com fidelidade para um padre, certo? Errado! Aquele foi um momento onde pudemos mostra a todos o quanto nos amamos, e o quanto queremos viver lado a lado. São simbologias, como a aliança no dedo, a tatuagem igual ou as mãos dadas ao caminhar, que transformam um sentimento intangível em algo palpável, possível de se admirar. Casar é confirmar perante as pessoas que são importantes em sua vida, o que somente nós dois já sabíamos desde o começo.

    • Escrevedora Y

      Yuri, obrigada por compartilhar sua experiência. Há quanto tempo está casado?

  • Douglas

    Se contribui a minha experiência de longos 21 anos lá vai… Acabo de sair de um relacionamento de quase dois anos. Acontece que pra mim é conveniente manter este contato, por quê? Ora, saía de uma festa frustrada e ela também, tínhamos um ao outro para conversar e passar a noite, aquela depressão do domingo a gente evitava passando juntos, durante a semana era cada um com seu espaço, suas ocupações. Sinceramente, ultimamente tenho visto que estamos nos dando muito melhor com esse relacionamento de bolso do que com o relacionamento sério. Casar? Não, cursando faculdade, sem dinheiro, dependente financeiramente dos pais, é muito cedo para pensar nisso. Quero muito me casar, encontrar a pessoa que me faça ficar com a mesma cara de abobado e choroso daqueles caras das fotos, mas ainda não sei se estou esperando a princesinha ou se já encontrei. Enquanto isso, mantenho os contatos e dou prioridade para mim, talvez esse seja o x da questão, estou buscando uma realização profissional, posteriormente buscarei a realização amorosa.

  • Romulo Viana

    Respondendo: sim, eu quero me casar um dia.

    O problema é encontrar a pessoa “certa” no momento “certo”. Ao menos para mim, sempre tenho a sensação de que mulheres maravilhosas passam pela minha vida, mas eu estou focado em outra coisa – normalmente a ascensão/estabilidade profissional – e simplesmente as deixo seguir.

    De algumas eu gostei muito, muito mesmo. Outras foram só diversão. Penso que não conseguirei me envolver com alguém nesse nível de compromisso e entrega sem que antes esteja satisfeito com outros aspectos da vida. E sempre se perde muito com essa postura.

    Ah, e eu não acredito que alguma pessoa seja capaz de mudar a atual situação, a não ser eu mesmo. Talvez daqui a alguns anos.

  • MRR

    Tenho 23 anos, sou Advogado, venho de uma educação conservadora, me considero conservador e sempre pensei em casar cedo com uma “predestinada” e por aí vai…

    Logo no começo, acreditava em casar virgem com minha primeira namorada, ela também… o relacionamento durou 4 meses e eu terminei porque queria passar o Final de Semana no Rodeio.A segunda namorada era minha melhor amiga, perdi a virgindade com ela… essa era certeza que seria minha futura esposa… larguei depois de 04 meses.Depois de quase dois anos, voltei com ela, ficamos namorando por 02 anos.. e na mesma semana em que ela me mostrou o terreno que o pai dela tinha comprado para construirmos e me pediu em casamento… larguei!Recentemente estava ficando com uma garota praticamente perfeita, simpática, minha família gostava dela e eu também… me perguntou sobre namoro… larguei!Entre elas tiveram algumas outras com histórias similares… cheguei a uma conclusão: Tenho boas intenções, mas tenho medo de me relacionar.E tudo isso ficou ainda mais difícil depois que mudei do interior para São Paulo e comecei a frequentar algumas das inúmeras opções de baladas que a cidade dispõe.
    Por fim… agora iniciei um novo relacionamento, ainda está no começo.. mas já falamos sobre casamento e eu não estou pensando em “pular pra trás”, acredito que DESSA VEZ VAI! Vai ver é por causa do estilo da menina também.. demorei mais de 1 ano pra conquistar esta…
    Tudo isso pra dizer… Os homens acreditam sim no casamento, mas nem por isso decidir se comprometer é algo fácil. Espero ter ajudado.

    • Ellen Galvão

      “Vai ver é por causa do estilo da menina também.. demorei mais de 1 ano pra conquistar esta…”

      hum… MRR terminar dps de casar é mais complicado e na hora do altar tb, pensa bem se essa vontade toda de casar não é só pq vc aprendeu que é isso que vc tem que fazer e isso te deixa ansioso a ponto de vc achar que quer e na hora H desistir. Sei lá. De qlq forma, espero que dê tudo certo! Felicidades :)

  • Bruno Crepaldi Degrandi

    Não sei oque é casamento, pois nunca casei, mas digo com
    toda certeza do mundo. Vou me casar um dia, pois eu acredito na união de duas
    pessoas pelo casamento.

  • Camila

    Acho que o dilema não seja ‘acreditar ou não no casamento’, mas sim ‘acreditar ou não em si próprio’. Eu casei, separei, casaria de novo, etc etc etc…pq EU acredito em mim e acredito também na minha “pessoa certa”, mas esta pessoa não acredita em si mesma e sua capacidade, portanto estou na estante/geladeira ou simplesmente fora da vida da minha pessoa certa!

  • João Sem Nome

    “fulanos que encaram as mulheres apenas como objetos ou de homens que ainda esperam a princesa. Eu preciso de opiniões meio termo.”
    Acredito estar nesse meio termo. Mas acho que minha opinião não vale, já que nunca tive um relacionamento (tenho 18). Hoje encaro as mulheres como seres humanos, apenas. O que eu procuro é alguém para me dar apoio e receber apoio de mim, em quem eu possa confiar. Acho que esse é o problema: achar alguém em quem confiar. Com a desonestidade e a falsidade que EXISTEM, é muito mais fácil ficar só nos “relacionamentos de bolso” do que arriscar… é como estar disponível para “trivialidades”, digamos assim, mas não confiar o suficiente para querer essa pessoa na sua vida.
    1 – Eu quero casar sim. Constituir família e etc.
    2 – Acredito no casamento.
    3 – Por causa dos meus pais, que já vão em 20 anos de casados…
    ps.: meu primeiro comentário no PDH em um ano que acompanho o site!

  • http://www.facebook.com/pv.romeiro P.v. Romeiro

    Bom, creio que posso deixar meu pitaco.

    Acabo de sair de um relacionamento de 5 anos. Não foi um quase casamento, mas foi uma experiência forte o suficiente pra eu entender uma parte dele.

    Sim, eu quero me casar. E sim acredito no casamento.

    Meu erro, em boa parte, foi esperar que ela tomasse algumas atitudes, e assim, eu acabei por ficar esperando, cozinhando o problema em banho-maria. Nisso, eu vi que estar junto não significa encaixe perfeito, mas tentar deixar perfeito o que der pra encaixar. E muito embora ainda esteja naquela fossa pós-término, não acho que fomos feitos pra rodar na mão de um monte de gente e um monte de gente rodar na nossa mão.

    Nunca fui pegador ou garanhão, aliás, mal sei passar cantadas ou mesmo tenho coragem pra sair pegando. Não chega a ser sociofobia, mas não gosto da idéia de usar e ser usado, não creio que fomos feitos para sermos apenas momentos descartáveis na vida dos outros.

    Hoje, com 27 anos, eu não me preocupo em achar minha princesinha encantada, até pq, ela não existe. Mas gosto de pensar que, apesar da trabalheira que vai dar, casar é mais que ter uma patroa: mas uma amiga, confidente, cúmplice e amante. Se as coisas entre o casal funcionam melhor que separados, e ambos sabem ser comedidos e ceder quando for preciso, eu creio que foi encontrado vidro no meio do gelo.

    Acho que fazemos pouco caso do casamento pois meio que nos jogam que isso é o fim do sexo, o fim da felicidade. Bom, eu discordo: acho que a intimidade e a constância podem fazer um casal ser cada vez mais unido, confiar cada vez mais no outro. Se sexo casual é meramente o prazer por prazer, o sexo com sua esposa há anos é uma briga pra ver quem dá mais prazer pra quem, e ainda mais: uma aceitação do outro em sua totalidade.

    Espero mesmo poder me casar, e me casar direito. E não errar dessa vez.

  • Thiago Di Rosato

    Aí, moça! vou ser bem sincero contigo! Eu acho o casamento uma puta de uma babaquice. Quem é que quer morar e passar o resto da vida com alguém? Isso é pura ilusão, medo da solidão ou do abandono. Dizia Groucho Marx “O casamento é uma bela instituição; porém, quem quer viver em uma instituição? ” Porra, eu vejo vários amigos meus, casados, com uma vida de “pau-mandado” do caralho; não podem tomar uma cerveja com os amigos, que as mulheres ficam ligando de 15 em 15 minutos. Porra! Que paranóia é essa? Cara, eu levo uma vida mundana, não tenho lugar certo pra viver: se tô farto de um lugar, meto o pé e não tenho que dar satisfação. Eu sei que muitos gostam de me ridicularizar e me rotular como o “solteirão” ou o cara que ninguém quis ficar junto. e sabe pq? Pq eu não tenho compromisso com isso e sou um sujeito livre e desimpedido. A minha liberdade causa fúria e inveja e muita gente. Não só a minha, mas de vários outros solteiros. Então…Foda-se! Tô com 31 e vou seguir celebrando a vida solteiro. :D

    • Escrevedora Y

      Muito obrigada moço!!! :)

    • Eduarda

      Não achei vc um solteirão, que sua vida e sua liberdade inveja mta gente… e bla bla bla…

      Achei pelo que vc escreveu imaturo. Ainda tem mto o que aprender na vida.

      • Thiago Di Rosato

        Tenho muito o que aprender com a vida pra falar de casamento? Faça-me o favor, moça! 90% das pessoas, casadas, que eu conheci, divorciaram-se. Qual é o grande negócio, então, dessa merda chamada casamento? E outra: eu te garanto que se tu fizer uma análises dos teus amigos, parentes e conhecidos que se casaram, o resultado não vai ser muito diferente. Muitas de vocês, mulheres, têm a vil mania de achar que o cara tem que se tornar o bibelô de vocês, de dizer a onde vai, de fazer pogramas chatos pra caralho…Tô fora!

  • cassemiro

    bem a maioria dos meus relacionamentos são “relacionamentos de bolso”, e no momento atual da minha vida eu não tenho a minima vontade de casar, quando for mais velho e maduro quem sabe… não gosto de pensar na responsabilidade que eu iria ter; gosto da liberdade

  • http://www.facebook.com/ManueldaSilvaJunior Manuel da Silva Jr.

    Não acredito numa princesa, não espero um casamento perfeito, não acho que tudo vai dar certo e não sou um cara romântico. Também não quero vir aqui e falar bonito, se você quer opiniões, terá a minha. Nua e crua, sem revisões.

    Sim, quero me casar.
    Sou estudante, não tenho perspectiva de me formar e de poder sustentar uma família tão cedo, então não pretendo me casar logo. Mas estou sempre buscando candidatas. Só que é estranho procurar candidatas para algo que eu não quero fazer!
    Pera aí, mas eu não quero me casar, então? Sei que eu sempre terei problemas, a estabilidade é algo complexo e talvez eu nunca chegue a conseguir! Sou humano, tenho problemas, dúvidas, angústias e medo.

    Talvez eu seja romântico, talvez eu esteja esperando conquistar alguém e viver uma história de amor. Talvez não, não sei.

  • Nélio Oliveira

    Bom, se “casar” é sinônimo de viver com outra pessoa, sim, pelo menos eu quero me casar. Na verdade, fiz isso pela segunda vez ONTEM, quando fui com minha companheira ao cartório fazer uma escritura pública de reconhecimento de união estável. Mas pra mim não mudou nada, porque já estamos juntos há sete anos e temos uma filhota de dois. Já pra ela, que tinha 18 anos quando começamos a namorar (eu tinha 30), sinto que a mudança foi substancial.

    Meu primeiro casamento, aos 24 anos, durou quase 4, sem filhos, felizmente. Esse foi na igreja e no civil.

  • Rafael

    No meu modo de pensar eu creio que os homens que chegam aos 26 anos solteiro e sem filhos como eu só querem um caso sério com uma mulher para dar um tempo nesse mundo de bedidas, balada e sexo sem compromisso… alias o corpo não aguenta a vida toda.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100001516544153 Rafael Ribeiro Rocha

    Claro que os homens ainda querem se casar! É um dos meus grandes sonhos. Faz poucos dias, foi o casamento de um grande amigo, que coisa incrível são os olhos brilhando de um casal apaixonado! (como pode ser visto nessas fotos postadas)

    Do alto dos meus 25 anos, nunca nem namorei, mas espero me casar por volta dos 30 anos. Acredito no casamento porque acredito no amor. Ninguém pode garantir que irá durar pra sempre, mas se eu não me vejo com aquela pessoa pra sempre, é porque não gosto tanto dela assim (e aí entra o tal relacionamento de bolso, que sim, usamos muito por conveniência, é o melhor remédio anti-carência). Quero me casar porque sei que será uma das noites mais felizes da minha vida. E esperando que proporcione outras inúmeras noites felizes por toda ela.

  • http://profiles.google.com/tiagocxavier Tiago Xavier

    E esse viés da pergunta? Isso me incomoda um pouco.

    “Os homens AINDA querem casar?” dá a ideia de que casamento tem alguma negatividade intrínseca ou que os “relacionamentos de bolso” são intrinsecamente superiores, sem que o texto tenha estabelecido isso claramente ou discutido esse ponto.

    Logo depois vem uma série de fotos de tom bem emotivo, relacionadas a casamento.

    Isso me parece estranho. Dá pra ser objetivo assim?

  • Rocco Anuê

    Já acreditei, fui sério, bacana, me dediquei e me fodi !!!

    Tentei de novo…ser bacana…e me fodi…

    Aí resolvi mudar…tratar com carinho e indiferença. Deu certo por um tempo !!! Por um tempo, porque ela foi me ganhando, ganhando, ganhando…e quando baixei a guarda….me fodi outra vez.

    Mulheres são contraditórias, pensam que querem algo, mas querem exatamente o opostos. Acham que querem um príncipe encantado, mas morrem de tesão é pelos cafajestes.

    Prazer, me tornei um !!! E, modéstia a parte, dos bons. Daqueles que faz as mulheres acreditar que dominá-lo é “o desafio”.

    Casar, me desculpe, jamais…..a não ser que “nega” valha muitooooooo a pena. Porque enterrar meu chifre em diazepam e terapia…é coisa do passado !!!

  • Pensador

    Meu ponto de vista sobre o assunto é bem simplista… O casamento é apenas um cerimônia religiosa, que no passado, era um meio de negociar poder e influência…
    Casar por amor( se é que os motivos atuais são esses ), surgiu a pouco tempo.

    O homem, ao começar um relacionamento, pensa em ter uma parceira, uma amiga… alguém para contar piadas, rir dos problemas, dividir as despesas, passear nas férias… e ter uma boa transa sempre a disposição.

    O grande problema é que as mulheres possuem essa visão lúdica sobre casamento ( como sendo um momento mágico para o casal )… A visão masculina mais comum é que casamento é apenas uma forma de gastar dinheiro… uma grana que poderia ser investida em uma casa, um carro, ou em uma viagem a dois para outro continente. ( posso contar nos dedos os amigos que conheço que “sonham” como o próprio casamento… bom, só me passa um cara pela cabeça nessa situação.)

    Os homens querem uma amiga/amante e a condição imposta por muitas mulheres é casamento… então alguns homens casam, mais para não perder a mulher que amam do que por realização própria.

    Resumindo tudo, penso que duas pessoas que se gostam não precisam ser casadas para curtir uma vida a dois duradoura.

    • http://www.facebook.com/gustavoducka Gustavo Augusto R. Abreu

      A diferença de visão de casamento entre homens e mulheres é gritante. Definitivamente para homens casamento é apenas uma união conjugal qualquer, não tem absolutamente nenhuma magia em torno disso.

      • Escrevedora Y

        Gustavo, não tem mesmo? Dá uma lida nos comentários! São surpreendentes.

    • Escrevedora Y

      Pensador, você apóia uma relacionamento monogâmico e duradouro fora do casamento?

  • Magal

    Sinceramente vejo hoje em dia o casamento como um ato de comodismo. É o ponto onde o homem aceita que não encontrará ninguém melhor do que aquela pessoa e, de forma egoísta, a mantem ao seu lado. Não trato as mulheres como objetos, não espero a princesa, mas vou vivendo, e como homem que aceita que a mudança é natural ao longo do tempo, não mais acredito no felizes para sempre.

  • nops

    a última coisa que vou querer na vida é casar, não tenho paciência pra relacionamentos, no começo é tudo as mil maravilhas, depois de um tempo a pessoa quer te mudar, acha que vai mandar em você, que vai controlar o que vc gasta ou deixa de gastar, quer saber com quem vc anda ou deixa de andar, que horas saiu, que horas voltou, quer saber o que faz ou deixa de fazer, e como se não bastasse, vai sugar meu dinheiro, se for pra bancar uma vadia que só vai me oferecer sexo em troca, prefiro pagar uma puta, pelo menos no dia seguinte não liga perturbando.

  • http://www.facebook.com/gustavoducka Gustavo Augusto R. Abreu

    Posso ter entendido errado, mas a autora coloca uma carga de negatividade muito grande em relacionamentos de bolso, ou relacionamentos “fast-food”. Sim, Homens querem se casar, mas também querem conhecer pessoas novas, ter experiências novas, emfim viver a vida.
    Concordo com varias pessoas acerca do casamento ser um ato de comodismo, casamento nada mais é que fincar raizes, ás vezes é um ato extremamente egoistico, por mais contraditório que seja.

    É reconfortante saber que sempre vai ter alguém do seu lado por resto de sua vida, é uma zona de segurança, você não precisa mais se preocupar com o grande universo dos relacionamentos humanos, se PERDE MUITA COISA quando se tem a decisão definitiva do casamento, perde-se novas amizades, novas experiências, e porque não, novos relacionamentos amorosos, a vida pode ser doce pra quem quer ter um novo ninho e uma caverna o mais rápido possível, mas é cinzento pra quem quer viver a vida e ter novas experiências.

  • Leitor

    “Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?”

    É uma boa pergunta. Eu tenho esse desejo de viver uma vida a dois e compartilhar todas as coisas. As vezes bate uma insegurança porque mulher é um ser bem complicado: não são práticas e diretas como homens. Quando a coisa toda está boa, é ótimo, sublime.. mas quando há problemas, são rodeios e joguinhos. É preciso entender que não há muita lógica na comunicação. Acredito que superando essa dificuldade o casamente pode ser viável.

  • http://www.facebook.com/victorcastro001 Victor Castro

    Eu não sei lhe responder de um modo geral, mas vou explicar
    o que penso do assunto, pois sou o meio termo.

    Eu tenho 22 anos, estou começando minha vida adulta e
    profissional. Já sai debaixo da asa dos meus pais, mas ainda voo perto deles,
    pois não tenho segurança do destino que devo tomar ainda.

    Penso em estudar fora, trabalhar fora, conhecer muitas
    pessoas, tocar bateria, trabalhar por conta própria, largar o emprego, ganhar
    no cassino, fazer teatro, ficar famoso, enfim, as alternativas explodem na
    minha cabeça e vários caminhos ainda não foram escolhidos.

    Casamento hj, pra mim, é assunto impensável. Se eu tomasse esta
    decisão, acho que viraria aqueles velhinhos tarados que não podem ver um
    rabinho de saia que ficam babando atrás e falando merda. Não terei aproveitado
    a juventude e me arrependerei disso futuramente, principalmente quando ponderar
    com o relacionamento “felizes para sempre”.

    Há um ditado que diz que quem pensa muito não casa. Eu
    acredito muito nisso, pois só penso em me envolver em um casamento futuramente
    se já estiver bem colocado profissionalmente, financeiramente e mentalmente.
    Acredito que se não atingir este estado, não vale a pena.

    Sou um cara que me cobro sempre a pensar livre de emoções,
    vendo a realidade para só depois ponderar com o que a emoção tem pra falar, não
    a deixando de lado. Mas esse é um privilégio para poucos. Grande parte das
    pessoas são ensinadas a sentir e agir. Estas pensam de acordo com o que sentem
    e sejam homens ou mulheres, tendem a casar de modo mais rápido (separar mais
    ainda).

    Casar pra mim só vale se vc já tiver aproveitado bem a vida,
    de modo que ao olhar para um relacionamento a dois por um longo período não lhe
    pareça com um peso ou etapa obrigatória, mas sim uma evolução dos velhos
    desafios de se conquistar uma mulher, agora, para sempre (ou enquanto dure).

    Antes que me chamem de metido (não que eu não seja, as vezes),
    me coloquei no meio termo pois consigo enxergar os dois lados. Os comentários
    extremos são os de quem acha que todo homem quer ou nunca irá querer casar.
    Estes pensam emotivamente, fica a dica.

    ;D

    • Escrevedora Y

      ;)

    • Escrevedora Y

      Victor, tabulando os comentários, surgiu uma dúvida com relação ao seu relato: por quê você quer se casar? Você disse que o quer, quando sua vida estiver estável, quando você já tiver aproveitado bem sua juventude, mas por quê se casar?

  • Lucio Daou

    Não posso falar pelos outros, apenas por mim. Pra mim não é questão de querer. Pra mim casamento é certificar o comodismo. Acho mais divertido, engrandecedor e maduro um relacionamento acima de tudo sincero e sem amarras.

    Pq eu não acredito, necessariamente, no casamento:
    Namoro, casamento, noivado, isso são coisas INVENTADAS pelos humanos, rótulos. Quem foi que disse que é preciso ficar com uma pessoa a vida toda? Acredito que a humanidade é inerentemente insegura e que criou ao longo dos anos várias formas de se sentir seguro, entre elas o casamento, que não passa de uma formalidade civil e/ou religiosa, bem como uma forma de se conseguir poder (e manipulá-lo), conseguir aceitação familiar e/ou social.

    Por isso que os gays/lésbicas querem tanto se casar, acredito eu: eles querem aceitação oficial da sociedade e dos benefícios que ela provê aos casados.

    Grande parte da infelicidade humana está no fato de que somos massacrados por formatos de felicidade irreais e dogmas falsos, e principalmente no ocidente, pelas falácias católicas.

    Sim, é possível amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo; Sim, é possível que alguém só consiga se sentir feliz tendo um relacionamento a três, ou com uma pessoa do mesmo sexo. Sim, é possível ser feliz a vida toda convivendo com uma mesma pessoa.

    Pra mim a instituição casamento está ultrapassada na nossa realidade do século XXI, por todas as seguranças sociais conquistadas até aqui e pela quebra de algumas destas falácias religiosas. Digo isso pq hoje temos a liberdade de fazer o que desejarmos.

    O que existe, de fato, é o sentimento por outra pessoa. E isso, pode mudar ou não. É preciso primeiro definir mais claramente o que você considera casamento. Algo pra sempre, ad eternum, maior que a felicidade individual de cada um? Eu não vejo sentindo nenhum nisso, primeiro pq já existiram bilhões e bilhões de humanos, nenhum igual ao outro, logo não posso crer que algo pré-formatado atenda a todos, principalmente envolvendo algo tão íntimo.

    As pessoas casam, ao meu ver, por segurança. Mas não existe segurança. Casar não vai garantir que um dos pares nunca mais se apaixone por outra pessoa. Casar não vai garantir que este par será feliz pra sempre. Casar não vai garantir que um dos pares não traia. A verdadeira fidelidade será conseguida através da sinceridade, da entrega, da confiança entre os pares, não através de um pedaço de papel assinado ou de um aro de metal precioso. E não é necessariamente a ausência de sexo com outras pessoas.

    O hype em cima da traição e do próprio casamento eu entendo que sejam reflexos da insegurança da humanidade, que é louca por TER, POSSUIR. Ninguém é dono de nada na verdade. Nem do próprio corpo, afinal nós morremos e pra onde quer quer nós vamos (ou não vamos), não levamos este corpo. Casamento muitas vezes é uma forma de auto-enganação de que há posse sobre outra pessoa. E sinto muito, casamento não vai garantir que a outra pessoa faça ou não faça algo.

    A humanidade está cheia de exemplos e e inúmeras histórias reais e fictícias estão aí pra provar que no fundo, casamento como o conhecemos não serve pra maioria. O que precisamos, como sociedade, é assimilar cada dia mais a diferença e a opinião alheia, e respeitá-la.

    • Escrevedora Y

      A única certeza que temos é a certeza da morte. :)
      Obrigada pelo relato, Lucio.

  • Mirian

    Não sei se é pq eu eu to passando exatamente por isso no momento q eu quero muitooo entender isso também, preciso entender o que é “estamos em momento diferente” mesmo que o cara q disse isso diz “vc é perfeita”. Não dá para entender os homens dpois dizem de nos mulheres, mas nos mulheres sabemos o que queremos ou se temos duvidas sabemos o porque da duvida. vcs nao! eu gostaria muito de acompanhar essa questão.

    • answerman

      Miriam, acho que quando se ama se sabe o que quer.. quando não se ama, tentamos achar explicações para se afastar ou não consumar o relacionamento que sem amor seria um saco… a pessoa pode até ser perfeita mesmo, e isto não ser uma mentira pra não magoar a parceira, mas com certeza não existe amor e mentes diferentes não se conectam..

    • http://www.facebook.com/gustavoducka Gustavo Augusto R. Abreu

      Não tem nada de misterioso nisso, provalvemente ele gosta de você, mas não que casar simplesmente isso, amor pra um homem não significa que ele deve necessariamente casar com a parceira.
      Casamento é algo muito limitador pra qualquer homem, envolve muitas variaveis, provavelmente ele é jovem e quer viver a vida ainda.

  • LorranW

    Depois de ouvir de tantos que se pudessem voltar no tempo anulariam o casamento, que casar é bom mas morrer queimado é melhor, que se casamento fosse bom não precisaria de testemunhas, etc e tal eu pensei “rapaz, quer saber…”

    E daí entrei nessa. Percebi o quanto precisava amadurecer. Tomar decisões, saber ouvir, saber esperar o momento certo (pra tudo), cultivar paciência, ter postura e saber impor limites, controlar despesas, viver o momento sem aquele de “se eu estivesse solteiro o que poderia estar fazendo”. Amadurecer.

    E é uma guerra travada todo dia. Que vem do peito pra fora.

    Amo a mulher que está comigo, amo esse desafio. E se pudesse, casaria de novo e de novo.

    • Escrevedora Y

      “E se pudesse, casaria de novo e de novo.” Inspirador e lindo o seu relato!

  • Anonimito

    Esta discussão é infinita!!
    Cada ser humano tem uma história que molda vontades, preconceitos, medos, habitos e uma particularidade unica, mas é obvio que todo mundo quer se apaixonar por alguem e amar esta pessoa o mais profundamente possível, pois é um sentimento que te aproxima da tua essencia, te tira da superficialidade do dia a dia e te traz felicidade abundante. O casamento em si, é só uma consequencia desta ligação. Vivemos numa sociedade padronizada no casamento, na religião e em várias outras coisas que são superficiais e não deviam nem existir mais..
    Porém, o que deve ser abordado é o que atualmente dificulta o casamento ou a união entre homem e mulher, e porque o crescente “relacionamento de bolso”, como por exemplo:
    - está cada vez mais fácil ficar sozinho e conseguir suprir teus desejos sexuais e afetivos, sem ter que dar satisfações a ninguem e poder cuidar da tua vida como bem entendes, vestir o que quer, ir onde quer, tomar um porre, etc. Porém esta facilidade pode trazer muitos parceiros sexuais/afetivos a sua vida, tornando cada vez mais difícil se interessar por uma única pessoa. Acho que o amor se cria por vários aspectos, e tem que ser alimentado constantemente.. não existe uma pessoa que nasceu pra outra.. as pessoas, por necessidade, instinto e “vontade racional”, acabam se aproximando, fortalecendo laços e conexões, se apaixonando e se casando;
    - antigamente os homens casavam pq precisavam de uma mulher pra cozinhar e cuidar da casa, hoje em dia a maioria das mulheres não sabem nem lavar uma loça. (desculpa mulheres mas é verdade). cada vez mais vejo mulheres incapazes, desajeitadas, mimadas e carentes… isto espanta os homens.
    - homens que foram muito mimados por suas mães ou criaram laços afetivos fortes com elas, as vezes ficam procurando-a em outras mulheres, e pensam que nenhuma mulher é boa o suficiente. Conquistam e depois se afastam. (sindrome do Don Juan);
    - as mulheres se tornaram mais independentes e, de certa forma, poderosas, tornando a relação de igual pra igual com o homem, o que racionalizou muito a relação.
    - Redes sociais, e toda esta facilidade de contato virtual está deixando as pessoas mais carentes, na minha opinião. Isto afeta a saude do relacionamento, pois ja indo um pouco contra o que diz nosso amigo Fabio Chap, que comentou aqui.. acredito que a relação é muito mais completa e prazerosa, quando cada um é completo na sua essência, sem carências, o que é dificil cada vez mais hoje em dia, mas não é impossível.

    Bom, acho que pela complexidade do assunto consegui resumir com breviedade algumas coisas que penso sobre relacionamento e casamento..

    Minha opinião é sim, os homens querem casar, ou melhor, se “juntar”, com certeza, e ser fiel a uma mulher que se encaixe a suas perspectivas, assim como eu quero. Porém a vida de solteiro pode ser emocionante e viciante, fazendo com que o homem se perca no meio de tanta mulher e tenha dificuldades em voltar para o padrão “namoro fiel”.
    Só para constar tenho 30 anos e ja tive 2 namoradas de 3 e 2 anos. este mes vai fazer 3 anos que estou solteiro. Neste meio tempo tive apenas 2 mulheres que mexeram realmente comigo, e diversas que serviram como “relacionamento de bolso”. Contudo, tirando os momentos em que desejei mulheres que não possuo, posso dizer que estou muito bem sozinho, aprendi bastante sobre meus medos, desejos e carências, assim como sobre a alma feminina, e gostaria de deixar uma dica: tente achar quem você realmente é, pois o tempo que gastar tentando ser outra pessoa, ou simular ser melhor do que você realmente é, para conquistar alguem que você queira “casar” será um tempo perdido em sua vida, que nunca mais recuperarás!

    Espero ter contribuido

    • Escrevedora Y

      Anonimito, mas você quer casar ou quer continuar com a vida de solteiro e todas as liberdades e possibilidades que ela permite.

  • http://www.facebook.com/lucas.coutobarbosamiranda Lucas Couto Barbosa Miranda

    Quer. Obviamente o homem deseja casar, mas não. O homem moderno não espera mais a princesa, mas espera a companheira. Isso pode ser meio termo quando a mulher não perde tempo quando ele vai jogar bola com os amigos. Ela vai fazer alguma coisa também, talvez, melhor do que jogar bola com os amigos. O homem moderno não deseja ser eternamente solteiro, mas também não espera uma donzela. Esse tempo já passou, a mulher que o homem moderno deseja, não faz do tipo mulherzinha, mas também não faz o tipo de machão. Hoje em dia, existe até amizade colorida. Aqueles que não assumem, mas gostam de ficar juntos. Não casam (existe o medo de ambos de não se entenderem), mas ficam junto, num casamento disfarçado por longos e longos anos. O homem moderno quer casar sim, a maioria tem medo (o chifre da juventude, ou até mesmo da adolescência ainda não foi engolido), a metade vê os pais em situações degradáveis e teme ter que passar por isso um dia e a minoria não acha uma mulher descente aos seus próprios olhos, o que para mim não passa de mentira, disfarce ou desculpa para continuar vivendo livremente sua vida de solteiro. O homem moderno é tão apaixonado quanto o homem antigo, mas a modernização o impede de declarar isso tão abertamente. Ainda digo que o homem moderno deseja casar, por que? Pra não morrer sozinho, ridículo, mas é.

  • http://www.facebook.com/people/Estela-PC/839281987 Estela PC

    Acredito que quando debulhamos um relacionamento, existe uma série de fragmentos que quando unidos, chamamos de amor , diversas coisas que nos unem à outra pessoa:
    Dependência econômica, conveniência, medo do novo, egoismo, deficiência de auto estima,carência latente, enfim. Quando identificamos todas as coisas e colocamos no pacote, percebemos que pode haver muito pouco pra se chamar de amor propriamente dito, na verdade é um turbilhao de sentimentos que confundem, que nos deixam vulneráveis e nos levam a alimentar a simbiose comum das relações.
    Muitos dizem que o que mantinha os casamentos intactos antigamente era o amor, que eram outros valores,mas eu digo que o que mantinha mesmo era a dependência financeira feminina, pois ouço relatos de diversas gerações de mulheres que torceram desesperadamente pra que seus parceiros batessem as botas rápido e as deixassem em paz, outras mulheres eram tão escravizadas e estavam tão presas no que era imposto socialmente, que tem mulher que cultua esse modelo de vida até hoje e nunca nem se questionou se aquilo é inerente dela, do instinto dela, ou se alguém colocou na cabeça dele que tem que ser assim.
    Não sei se sinto orgulho ou não, mas digo que tenho pânico de casamento. Concordo sim, que se enfiar em um é um desafio, um ato de coragem, e fazê-lo dar certo denota uma força e determinação imensa.
    Mas me pergunto pra quê? Pra provar o quê pra quem?
    Sei lá, convivo bem com a minha solidão, quando vislumbro o futuro casada com alguém , vislumbro também um monte de situações complicadas, indesejáveis e das quais não precisaria passar,nem eu nem ninguém, exclusivamente porque escolhi obedecer a uma convenção social.
    Cada qual tem seu motivo pra casar, cada qual se calça em uma argumentação plausível, todas são válidas, e pra eu que vejo a coisa toda do lado de fora, o motivo principal está no medo da solidão, falta de auto suficiencia e comportamento de rebanho: “CRESÇA, SE FORME, TENHA UM BOM EMPREGO, SE CASE, TENHA FILHOS LINDOS, CONSUMA. SEJA LIVRE, FAÇA O QUE EU TE MANDO FAZER!”

    Lógico que existe uma explicação romantica pra isso, mas o que é paixão senão estar confortavelmente sedado com uma idéia bem enfeitada de uma realidade nada bonita?

  • Leonardo

    Eu é que pergunto… mulheres vocês ainda querem casar? Acreditam no casamento? Por quê?

    • http://www.facebook.com/gustavoducka Gustavo Augusto R. Abreu

      Eu também gostaria de saber, parece que decádas de anos que as mulheres viviam presas nos relacionamentos com homens, quase sempre arranjado pelos país não surtiram tanto efeito assim no mundo atual.
      É estranho essa ansia de querer casar logo por parte das mulheres, basta aparece o primeiro homem na vida delas, que logo elas pensão “naquilo”.
      Nada contra, mas acho que querer casar é limitar a liberdade de ambos os sexos.

      • Priscila

        Olha, eu não pretendo me casar. Trabalho muito e não teria tempo nem paciência para me dedicar a um casamento. Pode ser que, talvez, daqui a uns 20 anos, eu mude de ideia. Mas pode ser que não mude, também. :)

  • http://www.facebook.com/marcospadirim Marcos Padirim

    Adoro esse tipo de coincidência: eu nunca tinha ouvida falar nesse Bauman. Aí hoje, em apenas um dia, eu conheço o cara por meio de um seminário na aula de Filosofia, e depois nesse texto kkkk

  • Home

    Acho que os homens ainda querem casar, mas não saem berrando isso por aí. Por isso as opiniões são muito radicais sobre esse assunto, pq parece que todos os homens querem ser solteiros para sempre.

    O que vejo com a maioria dos meus amigos é que eles querem aproveitar a diversidade de sexo que só a solteirice dá. Também sentem carência, querem chamego, querem namorada, querem aquele complemento feminino na vida deles, mas geralmente não estão pensando em ficar com a pessoa pra sempre. Às vezes começam sem compromisso de ficar nem de ir embora; mas isso não quer dizer que estejam “querendo ver no que vai dar”, testando, torcendo pra virar um casamento. Se uma cigana dissesse, “vc vai casar e ser feliz com Fulana”, eles provavelmente fariam de tudo pra namorar várias mulheres antes de falar com Fulana.

    Já eu, algumas vezes, comecei relacionamentos sabendo conscientemente que eram descartáveis, que era pra ficar junto, transar, fazer chamego, talvez se apaixonar, só por um tempo, depois partir pra outras experiências. Não digo o mesmo dos meus amigos; nenhum nunca me admitiu isso. Acho que não admitem pq percebem que é muito cínico, mas na verdade já viveram isso várias vezes.

    Minha primeira namorada foi bem tardia, perdi a virgindade com ela. Enquanto a cortejava não pensava que ia ser a mulher da minha vida, e na verdade queria que não fosse. Depois que começamos a namorar me apaixonei perdidamente e queria morrer do lado dela. Obviamente não durou muito tempo (um mês :/), mas fiquei, não direi deprimido, mas com certeza hipomaníaco por mais de um ano depois que acabou.

    Nesse meio tempo fiquei com algumas meninas. O que mais me empolgava era a possibilidade de sexo. Eu queria conseguir namorar alguma, mas mais pela garantia de sexo e pq eu percebia que precisava namorar de verdade para amadurecer. Eu tinha paixonites que eram atrações mais sexuais mesmo. Meu coração ainda era da minha primeira namorada.

    Pensando bem, é muito egoísmo namorar alguém nessa condição. Era impossível eu me apaixonar ou querer compromisso sério, e mesmo assim, tentava arranjar uma namorada.

    Fiquei amigo de uma menina inteligente, bonita, culta, simpática, que tinhas os gostos parecidos com os meus. Ela estava a fim de mim, demorou mas acabamos ficando. Pra mim, ela foi minha segunda namorada, mas nunca pedi ela em namoro. A gente ia e voltava. Eu meio que me apaixonei pela pessoa dela. Uma vez percebi que ela estava se apaixonando por mim, do jeito que eu era apaixonado pela minha ex-namorada. Pensei, “é inumano eu deixar ela se apaixonar assim, sendo q pra mim isto aqui tem prazo de validade”. Mas a gente ainda não tinha transado. Eu não tinha comido ninguem depois da minha ex-namorada. Me sentia um emasculado. Fui “gerenciando” a paixão dela, não deixava crescer muito (???). Daí comi. Uns dias depois terminei com ela dizendo q ela estava se apaixonando, mas eu não queria nada mais sério, e a gente não podia ficar junto.

    Eu continuei gostando dela, tendo ciúmes quando ela ficava com outros caras, etc. Mais tarde a gente voltou. Não deu certo pq ela não confiava em mim. Eu gosto de romantizar, pensar que eu e ela fomos duas pessoas parecidas que se encontraram, tiveram uma história gostosa e seguiram em frente. Eu sempre acho que, infelizmente, a gente não aproveitou tudo que tinha aproveitado.

    Eu não sei se quando comecei a me interessar pela minha esposa eu pensava que talvez me casasse com ela. Acho que não estava pensando nisso. Eu sei que com um mês de namoro, ela engravidou. A gente praticamente não se conhecia. Tive a hombridade de ser muito parceiro dela. Uma gravidez assim atrai muita maldade dos outros, principalmente de familiares. Foi mais difícil pra ela do que pra mim. A gente estava apaixonado, mas a apaixonado maluco mesmo, de não ir trabalhar pq ficou transando o dia inteiro. Mesmo assim, a gente brigava tanto que eu tenho certeza que se não fosse pela gravidez a gente teria se separado no primeiro ano de namoro, e provavelmente nunca teria voltado.

    Hoje eu sou religioso, muito avesso a toda essa história de relacionamentos modernos e líquidos. Mas lá trás, “perdido” na vida, eu já sonhava que um dia ia encontrar um mulher com quem eu me casaria fazendo a mesma cara dos rapazes das fotos. Eu nunca pensei que seria solteirão o resto da vida, fosse por opção ou fracasso.

    Meus amigos, aqueles putaneiros de quem falei lá em cima, quando se casam, fazem a cara dos rapazes das fotos. Meu veredicto: os homens querem casar, sim; não saem falando disso aos quatro ventos; não vêem isso como prioridade na vida nem dentro de um relacionamento.

    Acho que os homens que não querem casar não são bem os caras dos relacionamentos líquidos… são os comedores de multidões mesmo. Esses não querem abrir mão da “vida de solteiro” com que os outros homens sonham, não a rotina de dormir sozinho, mas a aventura, as bucetas etc. Os outros, que ou estão solitários, ou num relacionamento supericial, sonham em ser felizes ao lado de alguém.

  • Anonimo

    Não posso responder pelos outros, mas posso ajudar publicando o que penso.

    Primeiro, meu perfil. Tenho 31 anos. Sou advogado, com escritório próprio, e carreira começando a decolar. Cuido muito da minha aparência e do que visto. Leio Dosto, Tolstói, Gabriel Garcia Marquez e Saramago. Gosto de Freud, mas prefiro Jung. Assisto os irmãos Coen, sei muito sobre Tarantino e acho Kubrick o melhor. Tom, Chico, Toquinho e Vinicius estão no meu IPhone, junto com uma seleção de ótimas músicas eletrônicas, jazz e blues – mas não dispenso o sertanejo. Claro que tenho defeitos, mas, num cômputo geral, sou o perfil de homem que muitas garotas procuram.

    Namorei desde os 20, com intervalo de um ano, três garotas diferentes. Gostei de todas, mas só me doei por completo para a última namorada. Nesse último relacionamento, fiz o que pude para controlar meus impulsos – sem êxito, pois acabei saindo com outra garota durante um período ruim. Quando ela descobriu, terminamos. Voltamos depois de um mês, mas ela ainda não estava preparada para a volta. Acabamos novamente. Ainda gostaria de voltar, mas acredito ser bastante difícil.

    Direcionando meu perfil às perguntas, confesso que nunca tinha visto o casamento com bons olhos. Acreditava que não são papéis que ligam duas pessoas, mas o sentimento que as vincula. Pensava na união final como algo desnecessário, talvez devastador, em virtude da possibilidade de mudança na psicologia do casal. Para mim, se duas pessoas viviam bem juntas, isso deveria ser o principal – e o ‘casar’ apenas acessório.

    No entanto, talvez entorpecido pela tristeza do fim de um ótimo namoro, mudei meu ponto de vista. Hoje penso no casamento como sendo maior que os papéis assinados, mais que uma simples mudança no estado civil, e muito além das alianças douradas e do evento. O casamento é a forma mais simples e mais objetiva de um homem dizer para uma mulher que a ama tanto que escolhe deixar tudo por ela! Que abandona as festas e as viagens com amigos, que não liga para todo o sexo que poderia vir e todas as loucuras que poderiam ser feitas são nada perto dela! Mas para que isso aconteça, para que essa vontade apareça, apenas quando se tem alguém que valha a pena. Uma garota que desperte isso no homem.

    O casamento é a mais doída troca que um homem pode fazer: o mundo inteiro por uma só mulher. Assim, para querer casar, o homem tem que ter a certeza, em cada célula do seu corpo, de que nada e ninguém pode fazê-lo mais feliz que aquela menina. Que ela o basta, e que é somente o que precisa para estar em paz.

    Hoje eu vejo o casamento com outros olhos, e faria o que fosse possível para ter aquela garota novamente ao meu lado. Aquela que despertou em mim a vontade que nunca tive, que mudou minha visão das coisas.

    Acreditar ou não em casamento, querer ou não casar, são perguntas que só podem ser respondidas fidedignamente por homens que já encontraram a mulher pela qual valha a pena deixar todo o resto – não é uma questão cultural ou de época, portanto, é uma questão de sentimento.

    • Livia

      Vale mulher sentir isso também? Não digo que troquei o mundo por ele, mas que ganhei um super parceiro, ah isso eu ganhei! :)

      • Anonimo

        A ‘troca’, Lívia, é uma simbologia. Você não vai precisar entregar sua vida ao seu marido, mas e se fosse? Você o faria?

    • Escrevedora Y

      Difícil mesmo é apostar todas as fichas naquilo que você sente.

      • Anonimo

        Escrevedora, aí entramos na história do ‘infinito enquanto dure’, que eu acho sensacional! Mas para ganhar muito deve-se apostar muito – se for isso que realmente quer, acredito que valha a pena.

  • camila

    Ola,
    eu tenho que dizer, que nada disso que acontece com você é novo ou algo pessoal. è da cultura brasileira, dos homens nacionais, que têm em geral, desde há muito tempo, essa ausencia de compromisso e uma canalhice disfarçada em sinceridade.
    Minha sorte foi minha mãe me avisar disso quando eu era menina e então fiquei de olhos abertos: aqui no Brasil o que voce ganha é chute e fora. Nada como um bom rapaz nacional para te dar um chute e fazer voce ficar se sentindo um lixo.
    Quando enfim fui estudar na Italia, vi que isso era cultural. Enfim, me casei lá e morei em vários países que vi que os homens assumem compromisso com mulheres solteitas, divorciada com filhos, etc.
    O brasileiro é folgado e as moças da sua geração têm que jogar duro com eles, senão eles montam e chutam. E olha, um conselho, se quer casar, queira casar, não queira se apaixonar, ser feliz, essas bobagens da mídia, pq ser feliz é um conceito amplo.
    Boa sorte
    Beijo
    Ca

    • Marcio Maciel

      Oi concordo em parte mas se for assim as mulheres vao ter que ir para a china que ta sobrando homem,pois aqui do jeito que as coisas vao temta nta muler

      • carla carla03

        kkkk verdade….bem que o Governo poderia patrocinar umas viagens para a China, itália, EUA para as solteiras que sofrem nas mãos deste folgados…
        camila

    • Escrevedora Y

      Camila, se os “relacionamentos de bolso” são características tipicamente dos homens brasileiros o que dizer dos relatos de homens que tiveram seus corações partidos por mulheres? “Burros esse pobrezinhos”? Se fosse um fato social apenas brasileiro, a bola não teria sido levantada por um escritor polonês estudando o mesmo evento em diversas partes do mundo. Toda essa discussão é bastante delicada para se taxar apenas que os homens são canalhas e as mulheres as vítimas.

      Obrigada por participar.

      • Paola

        Escrevedora, não vai ter como você escapar dessas questões de gênero e identidade que a Camila fala. O fenômeno pode até ser global mas, justamente por ser um fenômeno cultural, ele deve estar sujeito a variantes locais.
        Talvez (por você mesma se definir como alguém que detesta mulherzinhas e, se tivesse nascido homem, seria gay) você esteja buscando autenticação para uma estimativa prévia e que tende a uma defesa involuntária do ponto de vista masculino.
        O trabalho com um grupo focal selecionado de forma mais criteriosa poderia ser mais proveitoso para a sua pesquisa.

  • Pedro Cascaes

    Não. Particularmente não. Ainda sou jovem, tenho recém 18 anos, mas já há algum tempo que eu decidi que não quero me casar em minha vida. O fato de o capitalismo ter transformado totalmente a vida das pessoas e inclusive do casamento, tem feito com que cada vez mais as pessoas fiquem alienadas numa sociedade programada. Como assim? Simples, de todos os casamentos feitos, mais da metade são desmanchados antes mesmo de completar 10 anos. As pessoas se casam e mudam radicalmente suas vidas, mesmo de forma indireta. É do trabalho para casa e de casa para o trabalho. Não há mais o gostinho de “aventura”. Quando se tem uma “PARCEIRA(o)” a tendência é de que as pessoas saiam mais, busquem por formas de lazer. Posso estar enganado, mas não quero pagar pra ver ehehehe e também acho que vai muito da cabeça das pessoas e de seus ideias… Quem disse que amor significa casamento? E não tem nada a ver com infidelidade, como eu mencionei, vai muito da cabeça das pessoas.

  • http://www.facebook.com/marcelo.delphi Marcelo R. R.

    Na verdade segundo “pesquisas” o “indice de casamentos” é bem alto, o que ocorre é que em entrevistas com solteiros a maioria vai dizer que tem dezenas de motivos para não casar. De mesmo modo, que alguem numa entrevista sobre emprego “ideal”, concerteza a maioria não iria querer certos tipos de empregos. Como casamento é algo que tem uma imagem associada com uma certa abnegação, a maioria dirá que não prefere casar.

    Uma coisa é pesquisar o que as pessoas pensam e falam, outra coisa é pesquisar sobre o que elas fazem.

    • Escrevedora Y

      Concordo que falar e fazer estão muito distantes. A ideia é justamente ver qual a expectativa masculina hoje com relação ao casamento.

      Você também vê essa imagem de “abnegação” no casamento? Se vê casado?

      • http://www.facebook.com/marcelo.delphi Marcelo R. R.

        Oi,

        Obrigado pela pergunta.

        É difícil me imaginar casado. A primeira coisa que me vem à mente é “por quê” e “para quê”? Além disso, tenho hábitos que seriam insuportáveis para algumas pessoas, odeio TV ligada até mais tarde e odeio TV no quarto, por exemplo, escuto música muito alta quando quero. Meu trabalho exige concentração extrema e é quase proibido falar comigo no trabalho sem “autorização”.

        Por isso vejo casamento como algo que traz certas abnegações, pois eu teria que abrir mão de certas “manias”, para abrigar mais alguém aqui onde moro (já moro só).

        E por final, nunca fui muito bem sucedido em relacionamentos em geral na juventude e me sinto agora na busca de compensação pelo “tempo perdido”. Por isso não faz sentido entrar num relacionamento monogâmico justamente agora que as coisas estão muito favoráveis a um tipo de vida não-monogâmica.

        Sempre fui muito independente desde cedo, sempre decidi tudo só, o que estudar, para onde sair, com o que trabalhar, por isso desenvolvi o hábito de raramente pedir por conselhos ou mesmo escutar alguém.

      • Escrevedora Y

        Entendi, Marcelo. Muito obrigada por responder a pergunta e por caprichar nos detalhes. Contribuiu bastante!
        Abraço!

  • Prisco

    Eu, particularmente, NÃO. Mais por medo mesmo do que por querer curtir a solteirice o resto da vida ou por outro motivo. Acredito que casamentos (salvo raras exceções) terminam mal. Conheço pelo menos uma dúzia de homens, de diferentes idades, que viram seus matrimônios (leiam ‘esposas’) lhe tirarem quase tudo, desde bens materiais até a dignidade. Acredito que a tendência seja só piorar. Cada vez mais, casar é um tiro no pé, infelizmente.

  • ZOIO DE LULA

    TEMA POLÊMICO SEM TROLAGEM? RESPOSTAS ENORMES E NENHUM ATAQUE PESSOAL? ISSO AQUI É O PDH? PÚBLICO ALVO? AH TÁ…
    KKKKKKKKKKKKK

  • http://www.facebook.com/sparky.mclovin Yuri Corrêa

    No meu caso, é o contrário. Sempre tive a pretensão de casar e ter filhos, e a minha namorada tem horror só de pensar nessa possibilidade. Desde o início do relacionamento fomos sinceros um com o outro e concordamos em namorar mesmo sabendo que, na pior das hipóteses, terminaríamos porque veríamos que já era tempo de cada um seguir seus objetivos em outros relacionamentos.

    Mesmo sabendo que nosso namoro tem prazo de validade, já estamos juntos há dois anos e meio, e acredito que, embora não exista nenhuma possibilidade de terminarmos juntos, pudemos aprender muito sobre nós mesmos e amadurecemos bastante durante essa jornada.

    Nenhum de nós se ilude com a idéia de que o outro mudará de opinião, respeitamos as convicções um do outro, e estamos bem assim. Até brincamos sobre como imaginamos nossos futuros relacionamentos. Não existe mentiras, nem falsas promessas sobre o nosso futuro.

    Mas, enfim, isso é apenas para dizer que nem sempre é o homem que evita a aliança no dedo.

  • http://www.facebook.com/people/Leonardo-Werlang/1298794174 Leonardo Werlang

    casar ou não casar é só o nome de um evento social comum… Acredito que não seja correto falar sobre isso só avaliando o objeto/ato/etc, sem considerar imparcialmente todos os outros fatores que possam estar presentes influenciando toda uma sorte de comportamentos/fenômenos sociais/etc.
    Como o próprio Bauman fala, isso tudo deriva de uma individualização das coisas, algo que pode ter pontos positivos explorados, mas em grande parte se resume a evitar comprometimento (que não necessariamente, como no caso do casamento, implica em compromisso), não dar mais a cara a tapa, não arriscar a própria pele… enfim, não estabelecer mais relações humanizadas, isso tudo por trás de um argumento imbecil como “solteirice” ou outros similares, não necessariamente em aparência, mas em motivação.
    De maneira nenhuma isso quer dizer algo como “todos casando com a mulher das suas vidas em 3, 2…!”, até porque a tematica de relacionamentos seria só um “sintoma” de uma coisa maior, mas em resumo seria algo como “tenham mais colhões!”

  • Marcio Maciel

    É…
    Complicado explicar sem ser canastrao,canalha ou sei la rmas oque,eu levo em conta muitas coisas eu sempre tive aversao e ainda tenho,a casamento sempre gostei de curtir,ate namorei com pessoas que gostei mas sempre tive pavor aos cornos,esse medo se investir em alguem seus planos, sonhos e saber qie é e sempre sera um investimento de risco penso que as garotas de hoje querem viver tudo que puderem ao maximo,digo ate mais que a maioria dos porra louca que conheçodai depois que se sentem desgastadas e acham que tao em baixa,ou seja teoricamente ninguem quer muitas vezes em uma tranza despreocupada tem um gravidez indesejada com um cara que nao quer vinculo nenhum com ela dai encontram a gente fazem de tudo pra conquistar mas nao porque gostam mas por uma chance de consertar os erros ter alguem que lhe de segurança que assuma uma resp(nsabilidade com ela.
    Por outro lado tem mulheres que passam a vida toda em busca de realização profissional e so querem relacionamentos casuais e nesse meio tempo atropelam os sentimentos de quem poderia lhe fazer feliz dai quando resolvem tomar as redias da vida amorosa nao encontram mais quem antes lhe quis fora que quando vc se casa a mulher sempre ta protegida pela lei como no seculo passado e sempre imdepente de estar certa ou nao nps arranca tudo na hora de uma separação ,elas sao capazes de mudar o mundo mas na hora de se separar viram seres frageis e incapazes de viver sem nos retirar o couro .
    E outra coisa,pensem bem todo dia nascem mais mulheres que homens,morrem mais homens que mulheres estamos nos tornando artigo de valor maior que antes sempre fomos fora o tanto de caras que saem do armario.
    Sei que u, dia vou ter que sossegar pois uma hora vou ficar a merce do meu coração ,mas nao vou namorar ,casar ou sei la oque com alguem so pra nao ficar sozinho.
    To gostando de ser caça e como um garoto mimado com a faca e o queijo na mao com um certo comando nas mao como nunca antes tivera, nao consigo aceitar a ideia ao menos agora de me juntar com alguem eu penso

  • Marcio Maciel

    E vamos combonar ne,as mulheres tao percebendo agora que entrar nessa de curtir a vida adoidado tem la suas cinsequencias nem vou falar de imagem porque isso e relativo mas ,a natureza e conivente com nos homens que nos mantem jovens por mais tempo dai a gente sempre pode ficar na posta ate um pouco alem do que uma certa idade aparentaria entao tem muitas coisas futeos ou realmente impotantes que influenciam a muitos de nos a nao se casar ,ao menos tao cedo tenho 31 anos mas nao quero me enquadrar em parametros de que ,eu com trinta ja deveria ter me casado com filhos e bla,bla,bla nao vou fugir de casamento mas longe de mi, buscar um relacionamento serio

  • Hélio César

    Acredito que os homens retardou esse momento. Temos mais prazeres, o nosso poder aquisitivo aumentou e o número de mulheres aumentaram em todo o mundo. As nossas opções tornaram-se diversas. Essa escolha elimina outras… O que pode está acontecendo é a redefinição de valores, mas isso não implica a falta de sentimento ou de compromisso, mas sim a diversidade de escolhas. ”Os homens estão deixando esse compromisso para depois.”

  • http://www.facebook.com/henscosta Henrique Costa

    Eu acho muito difícil generalizar. Os homens querem se casar? Talvez isso dependa da idade desse homem, talvez da sua maturidade, talvez da sua experiência, talvez dependa do seu meio… há uma série de fatores que podem mudar essa questão.

    Eu, por exemplo, tomei a decisão de não me casar com 17 anos. Senti que meus ideais eram muito diferentes, que meus objetivos não eram os mesmos das garotas que eu conhecia, que meu estilo de vida era um estilo difícil de ser levado a dois. Não gosto muito de crianças, então não tinha vontade de ser pai. E — como penso ser comum à idade — amava a liberdade: liberdade de decidir pra onde eu vou e quando, de decidir onde vou morar, de não ter medo de sair de um emprego, de não ter o compromisso de sustentar uma família.

    Continuei pensando assim até o fim do ano passado, ou seja, até os 22 anos .

    E, então, reencontrei um amigo meu que eu não via há anos e ele me apresentou, com aquele orgulho nos olhos, seu filho. E me deu uma vontade repentina de ser pai.
    E eu passei a reparar que os meus amigos estavam se casando, constituindo uma família… o que mexeu comigo.
    E, enquanto eu refletia sobre essa mudança súbita de interesse, eu pude observar alguns amigos meus com suas namoradas e o tipo de relacionamento que eles têm agora, com seus 20 e poucos anos. Não um relacionamento de curtição, mas de companheirismo.

    E, o que eu sinto hoje, é que todo indivíduo precisa de uma companhia para vida. É o que nos dá ânimo e motivo de viver. É o que preenche nossa existência de forma plena. Porque, se não encontramos o amor e o companheirismo no casamento, tentamos preencher esse vazio com paixões. Paixões por outras pessoas, ou por trabalhos, ou outros prazeres que a vida pode nos proporcionar.

    Meus sentimentos, agora, são outros. Eu não procuro desesperadamente por um amor ou uma princesa, tampouco penso em continuar só. Espero encontrar, ao longo da minha jornada, uma companheira que queira dividir comigo suas experiências, seus conhecimentos, suas dificuldades, suas alegrias… Procuro, um dia, me casar e fazer, também, a diferença na vida dessa pessoa.

    Termino com uma frase que me marcou imensamente:
    “Happiness only real when shared.” — Christopher McCandless

  • http://twitter.com/AndreTamura André Tamura

    Não li Amor Líquido mas gosto muito do Bauman.

    Moro junto com minha noiva desde fevereiro e semana passada levamos os documentos no cartório. A celebração civil (com juiz de paz) será dia 10 do próximo mês somente família querida estará presente.

    Acredito na União e na profundidade dos relacionamentos entre homem e mulher. É muito mais desafiador e gratificante participar em todos os níveis da vida de uma só pessoa do que participar um pouquinho de cada vida.

    Fui em uns 4 ou 5 casamentos nos últimos dois anos. Todos foram iguais. A noiva fica parecida com uma personagem que ela nunca foi e nunca será, o noivo é o cone. Quanto mais ruído (gastos$$) a festa, menos conseguimos enxergar os protagonistas, normalmente há um pequeno bafafá….

    E depois quando a festa acabar o que vai ser dessa vida…

    Não acreditava no casamento antes de conhece-la, e todos meus relacionamentos anteriores acabaram por essa falta de vontade de assumir essa responsabilidade, dai válvula de escape pode ser qualquer coisa – baladas, viagens, carreira, outras mulheres – Para o bem ou para o mal vamos sempre justificar o resultado depois que tomamos uma decisão ou depois que as cosias acontecem. Se dá merda, todos já sabiam; se dá certo é porque eram diferentes e amor verdadeiro blá blá. Os elementos que fazem um casamento dar certo também existem em casamentos que dão errado. Os motivos que levam alguém a ser solteiro são aqueles que quem casa não quer saber e cada um justifica como quer.

    É um grande desafio melhorar em mim as coisas que só ela que acorda e dorme comigo todos os dias pode enxergar e apontar. Quando brigamos um com outro estamos também enfrentando nossos medos, inseguranças e ansiedades.

  • Nassif

    Ouvi uma vez em uma aula de sociologia da qual participei que as pessoas acham muito mais fácil e cômodo não ter que se comprometer, pois o mesmo dá muito trabalho.
    Mas o caso é que no final do pensamento o mesmo sociólogo nos deixou o seguinte pensamento: “Não se comprometer com os outros, é o mesmo que não se comprometer com si mesmo”.
    Tenho 22 anos, e apesar da idade nunca fui um garoto muito volúvel como se vê hoje em dia… Pra ser realmente sincero, preciso dizer sim e lembrar a mim mesmo que já tive este tipo de escolha e relacionamento, não com uma, mas com várias mulheres, isoladamente ou não.
    A questão é que chega um ponto em que tudo “enjoa”, até a sua falta de comprometimento. Com alguns caras fica claro de notar que eles ” não se importam” em pensar em questões de relacionamento pois é muito mais fácil fingir que uma vida “de bolso” é mais prazerosa, mais fácil, descomplicada, etc. Mas cá entre nós, Se fizermos uma abordagem realmente comprometida sobre esse tema então de longe será fácil perceber que esse tipo de pensamento é só uma fantasia que deveria durar no máximo pela adolescência.
    Claro meus amigos, sou um um novo leitor deste portal, mas velho na opinião de que uma boa festa, boa cerveja e o que vem de melhor depois disso tudo, as mulheres são o combustível ideal para a nossa existência.
    Somo competitivos e é isso que nos impulsiona, seja na conquista, seja do dia a dia, na pelada, na corrida, na academia, na carreira, em fim… É a essência!
    Mas também vale lembrar que se existe essência, é justo acreditar que a mais pura essência de nossa existência são nossos pais, os costumes e por que não o Amor.
    E talvez eu tente falar por todos, mas perceba que sou sim um romântico incorrigível, não 8 ou 80 como a dona dessa matéria pediu, mas um “meio termo”, já vivi fases de um e de outro, de bolso ou não, uma hora é certo, a maturidade chega e com ela o amor.
    E quando o mesmo chega, é claro, é evidente, o amor é Rei.
    E a nós meros súditos só cabe sucumbir, e gozar da maior maravilha que existe nesse mundo, o amor.
    É válido lembrar que ainda não sou casado, pretendo sim, não por enquanto, mas me atrevo a dizer que penso mais no assunto do que a minha namorada.
    Espero que minha descritiva pessoal lhe sirva à análise.
    :)

  • http://www.facebook.com/people/Antonio-Fernandes/1349679302 Antonio Fernandes

    Fadas dos Contos
    Por Antonio Fernandes

    Ridículos eu julgava os homens,
    que roubavam corações de garotinhas,
    para gozo próprio, e satisfazer.
    Incrível ter me tornado um deles.

    Sobre os ridículos, direi
    com risos confirmo, eram tolos
    instintivos. E nada darei
    a falar, pois não há.

    Dos corações roubados. Probrezinhas!
    Princesas, Chapeuzinhos, Sereínhas!
    Devoradas cruelmente pelos lobos.
    (Não realmente lobos, mas cachorrinhos fantasiados de lobos.)

    Da satisfação, Rá!
    Não era realmente gozo,
    Só masturbaram-se nas pobrezinhas,
    E bem feito a elas, por sua tolice.

    Quem, pergunto-lhe, quem?
    É estúpido de passear em bosques de lobos?
    Pois quem o faz quer ser devorado,
    Se não quisesse, pois não passeasse ali.

    Quem, pergunto-lhe, quem?
    Há de tomar o frasco dado pela velhinha,
    que tão obviamente se apresentou bruxa?
    Só pode, vos digo, querer ser envenenada.

    E sobre eu, que direi?

    Bom, posso dizer que me fiz Príncipe,
    pois vi e percebi e conheci,
    o coração de todas as Chapeuzinhos
    e Brancas de neve e Ariéis e Adormecidas livres por ai.

    E me tornei lobo.
    Pois minha intenção nunca foi mais do que
    a intenção dos tolos, lobos,
    Os meus companheiros.

    Come-las todas.

    Não é possível ser só príncipe,
    visto que todas almejam perigo.

    Não é possível ser só lobo,
    visto que todas almejam a salvação.

    Eis que me torno o perigo,
    e sou também a salvação.
    Sou o remédio de minha própria doença.
    O ópio da sua dor.
    Uma armadilha e uma redenção.

    E elas vem sempre,
    caindo sempre,
    errando sempre,
    e por mim, suspirando, sempre.

    Pois ei eu, Cavaleiro de Corcel Branco.
    Da língua de mel, destemido.
    Galopando forte ao vento,
    A matar a mim mesmo, o Dragão.

    E eis que a Donzela me ama,
    por ser o Dragão, e po-la em perigo.
    e por ser o Príncipe, e salva-la,
    de que?
    mim mesmo.

    Pois não é que sou,
    e nada mais que sou,
    uma ilusão?

    Eis o segredo perfeito a todos,
    todos os cachorrinhos que almejam ser lobos,
    e todas as princesas que duvidam de seu conto de fadas.
    Essa é minha lição.

    Aos que ouviram, olhos abertos.
    E a todos os outros?
    Bom, posso dizer-te,
    com a voz do narrador, forte e onipotente,

    Que viveram felizes pra sempre.

    Passei um bom pedaço de vida pensando nisso. Passei um bom pedaço de vida discutindo isso, testando, avaliando, analisando, reconstruindo, reestruturando essas ideias sobre todas essas realidades.

    Numa reconstrução, vejo que o ateísmo, o pragmatismo, nos leva a um ponto direto e reto: Biologia.

    O casamento não é natural. É natural de modo sociológico, sim. Mas de maneira focada e concentrada. Especificamente a sociedade ocidental, especificamente nos últimos 2 mil anos, pós criação da igreja católica, contestações dos modos de vida das religiões away daqueles tempos, brigas por poder, coisas antigas, em fim. Por um acaso, a ideia cristã está contida na pureza, longevidade e eternidade, e o casamento é a personificação desse “sonho humano” de eternidade.

    Até que a morte os separe.

    Nunca funcionou. A maior prova disso é a prostituição. Não há época nem lugar onde a prostituição tenha sido TÃO evidente quanto nos momentos em que o casamento foi mais rigoroso e pragmático. O ser masculino não lida nada bem com a monogamia, de forma geral. Nós não lidamos. Há indivíduos especiais que se dão bem com isso, da mesma forma que existem crianças que conseguem sentar a bunda nas cadeiras, ignorar seu instinto natural de pular, brincar e experimentar o mundo, e conseguem aprender a somar, subtrair e ler.
    Existem crianças assim, assim como existem homens monogâmicos. Mas como você pode perceber, isso não é regra, é exceção. E uma filosofia de vida, que foi ensinada a uma boa parcela da população mundial por dois milênios, nada mais se tornou que uma grande hipocrisia.

    Os casamentos se tornaram convenções politico sociais pra tentar estabelecer paz e alguma espécie de ordem a longo prazo, o felizes pra sempre se tornou apenas uma regra geral, pra evitar conflitos, pais de noivas enfurecidos, maridos fujões, e todo tipo de coisa. Com a evidência loucura disso, a Igreja Católica trancou as opções, falou que divórcio era impensável, e uma vez unidos, pra sempre unidos.

    Se federam.

    Bom. O casamento não existe. Não da maneira como foi vendido. Não do modo como a indústria gira. Não há. Corta. Desfoque. Tira isso da cabeça. É um método de controle usado por uma religião que dominou um pedaço de mundo por um período de tempo e nunca foi lá muito acertado assim.

    • Helen

      Eu discordo. Acho que não há coisa mais natural que encontrar, em certa altura de sua vida, uma pessoa com quem se queira viver junto, por quem você sente algo realmente verdadeiro, e resolver casar. Acho que o “casamento” é uma convenção social que dá nome a uma situação natural. Claro que não é pra todo mundo; o que acho que ocorre muito na sociedade hoje é as pessoas se casarem por pressão, antes da hora ou com alguém que nem conhecem direito, daí obviamente não sai coisa boa e vemos um monte de gente que acaba se frustrando em suas escolhas e diz que o “casar” que é errado.

      • http://www.facebook.com/people/Antonio-Fernandes/1349679302 Antonio Fernandes

        Então, como explicar 2/3 da população do mundo não ligando pra essa bobagem, ou encarando de maneiras diversificadas que não a nossa?

  • Rodrigo Floripa

    Olha… a resposta é não!
    Acredito que casando, é como se um plug fosse acionado e a pessoa (tanto homem quanto mulher) passasse a achar que detém uma “propriedade” (sim.. a propriedade, no caso, é o conjuge!!).
    Tiro essa conclusão pelos meu amigos casados, amigos de amigos casados, e por ai vai. 99,9% deles tem apenas um conselho: “NÃO CASA CARAAA!”.
    Posso estar fora da razão, ser inexperiente (?), porém, na minha visão, o convívio diário, a divisão de escovas, o “gas” noturno involuntário, entre outros, quebram aquela poesia. O casal se torna muito mais amigos/irmãos do que amantes.
    Saida para isso? Sei lá.. estou na procura! Morar cada um na sua casa? Talvez (Já ouvi muito disso por ai!).
    Mas definitivamente, um costume de sei lá quantos anos imposto por uma instituição religiosa, que obriga as pessoas a compartilharem e conviverem juntos para o resto da vida, na minha singela opiniao, sem chances.

  • Zanin

    Sou um exemplo vivo do que é mudar de água por vinho.

    No inicio de 2010 foi quando tive meu primeiro namoro, após milhares de friendzones, foi um relacionamento onde eu achava que amava, porém era apenas uma paixão, depois de todos os meus esforços pra nao ver um relacionamento ir por agua abaixo, vi que somente eu me esforçava, larguei os bets e levei o famoso pe na bunda.

    Ai virei um porra-loka, comecei a i pra balada direto, pega a mulherada e tudo mais, o homem romantico, atencioso, que queria casar tinha ido por agua abaixo, eu queria agora era aproveitar. Sai, conheci, fiquei e tudo mais. Mas me sentia vazio por dentro muitas vezes. Um belo dia um amigo meu das antigas me chamou pra ir num grupo de jovens da minha igreja, tava em débito com Deus a 6 anos,

    Isso já era julho de 2011. Comecei a frequentar esse grupo e comecei a gostar, até que Deus me tocou de uma forma impressionante que preencheu aquele vazio que eu sentia, e uma paz interior surgiu dentro de mim, algo que nunca tinha sentido, mas que nunca pararia de sentir. Decidi voltar pra igreja e seguir a Deus independente do que me dissessem. E percebi que o grande homem carrancudo cheio de leis que achava que era Deus, é um cara muito brother, que é meu amigo e meu suporte nas minhas decisões. (o foco não era casamento? Já chego lá)
    Durante esse tempo consegui um trampo da hora, onde mesmo antes de estar formado estou numa condição financeira estabilizada, tenho 23 anos, não sou feio, tudo o que um solteiro nessas condições quer eh sair e pegar a mulherada, correto?
    Talvez! Acreditem ou não.
    Nesse grupo de jovens conheci a mulher da minha vida.

    Desde que decidi seguir a Biblia, seguir a Deus e seus ensinamentos, tomei a castidade como um de meus principios. No começo eu achava impossivel e ate criticava. Comecei a namorar baseado em Deus, sempre digo que namoro a três, EU, minha namorada e Deus. Um relacionamento que não é focado em sexo. Algo que não tem explicação, nosso amor aumenta a cada dia, nossa paixão cresce. Não vou ser hipocrita e dizer que nao sinto desejo, pq se nao nem namorando eu tava. Mas de alguem que ja viveu os dois lados, os meus relacionamentos sempre foram baseados em desejo e atração fisica, mesmo sem querer. Meu mundo mudou, e hoje, falo pra vocês, é possivel viver em castidade, e não é ruim, é dificil, mas você conhece um outro lado do namoro que foi esquecido, algo que realmente é amor.
    Se você perguntasse pra mim sobre casamento a 1,5 anos atráz, eu diria que é utopia. Depois de 1,2 anos de namoro o que eu quero é casar, ter meus filhos e viver com a minha linda e maravilhosa namorada. Ter nossa vida, nossa bagunça, nossas contas e dividir a vida ao lado dela.

    Para as pessoas que dizem que romanticidade é coisa de otario, nao existe mais, eu sou romantico de abrir a porta do carro pra minha namorada, de levar flores sem motivo algum, de fazer um jantar a luz de velas, etc… E acredito que as mulheres ainda gostem disso, pois foi assim que conquistei a minha.
    Hoje o amor, em sua realidade é banalizado. Então Zanin, você precisa ir pra igreja e se converter pra ter um namoro, um relacionamento bom. Não é necessário, mas vc veria outro nivel, do que realmente é amar. Conheço muitos casais que não frequentam igreja e tal, mas que são exemplos de casais perfeitos.

    O sexo é bom, mas precisa deixar de ser o centro dos relacionamentos.
    Podem criticar a vontade. =)

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=100001516544153 Rafael Ribeiro Rocha

      Um relacionamento a 3, algo tipo um menage divino?

  • Nick santos

    Oi, sou Nicolas, tenho dezoito anos e namora com uma garota desde os meus 15. Sei que sou jovem e que minha pouca idade e inexperiência não são ao meu favor, porém tudo o que eu mais quero é ficar ao lado dessa mulher. Bom, durante esses três asnos de namoro rompemos uma vez e passamos seis meses distantes um do outro. Nossa vida parou conhecemos novos lugares, novas pessoas, mas tudo parecia igual porque faltava a admiração e brilho no olhar da pessoa amada.
    Nesse tempo sem ela percebi a facilidade que existe em conseguir um relacionamento ou um trampo qualquer, só por prazer, mas é tudo vazio, sem sentido, sem graça, sem amor.
    Sou jovem, quero curtir a vida, mas quero curtir com ela aqui do meu lado, nos bons e maus momentos.
    Eu à amo, quero com ela passar todos os dias da minha vida, poder curtir cada sorriso e cada lágrima. Afinal é na alegria e na tristeza.

    Infelizmente, por muitas vezes as pessoas parecem fugir desse tipo de relacionamento, como se eles fossem prejudiciais a sua individualidade e autonomia, no entanto a beleza de um relacionamento está nos seus detalhes, coisas que não podem ser somente apreciadas por um momento, mas sim vividas.
    viver um sorriso, um beijo, uma lagrima, uma dor, uma dificuldade, uma vitória, uma conquista.
    duas pessoas que se tornam uma só…

  • http://www.facebook.com/renanonline8 Renan Santos Gomes

    Olá Escrevedora Y. Gostaria de contribuir com minha opinião. Eu como homem quero casar, na verdade vou fazer isso daqui 2 meses. Já refleti bastante sobre o motivo do casamento, no meu caso namoro a 6 anos e neste tempo tudo nunca enjooei da relação, descobri muitas coisas com minha noiva e sinto que compartilhando minha vida com alguém poderei crescer mais como humano do que vivendo esse amor liquido. Sou daqueles que valorizo muito as amizades, por isso tenho poucos amigos, acredito que as amizades devem ser profundas, as outras são apenas colegas que vem e vão. No amor acredito em profundidade, não dá para trocar confissões e uma vida com qualquer pessoa e nem dá para esperar a pessoa certa, essas coisas só são descobertas com o tempo. No meu caso minha noiva me inspira, me conforta e me motiva, e assim faço com ela também por isso tenho certeza que o casamento será apenas mais uma etapa e que a convivência não destruirá nossa relação.

  • http://www.facebook.com/people/Renata-De-Carvalho-Rodrigues/100001250110124 Renata De Carvalho Rodrigues

    Ei fiquei curiosa com o seguinte? Por que você quer saber só dos homens

    • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

      porque, via de regra, matrimônio é um dos grandes sonhos do universo feminino!

      • Priscila

        Oi, exceção chamando… :)

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        por isso o “via de regra”. Eu sei que não é de todas! ;)

      • Escrevedora Y

        Será? Quem “inventou” o casamento?

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        certamente o capeta, tempos depois de deus inventar o amor! haha

    • Escrevedora Y

      Renata, como mulher o acesso a essa resposta é infinitamente mais fácil. Com os homens foi o que coloquei acima, eu tenho opiniões muito extremas. Por isso procurei o PdH.

      Mas você quer casar? rs

      • http://www.facebook.com/people/Renata-De-Carvalho-Rodrigues/100001250110124 Renata De Carvalho Rodrigues

        sim, eu sou casada, praticamente a vida toda. Sempre quis casar, fui criada por uma família extremamente conservadora, para mim, as pessoas nasciam, cresciam e casavam, aí depois tinham filhinhos. Lembro de pensar, um dia, que nem todo mundo queria casar, que algumas pessoas escolhiam outras coisas da vida, que não estavam sozinhas porque “ainda” não tinham encontrado o par perfeito, e isso para mim foi uma descoberta, entende? Hoje, penso de forma bastante diferente, embora ainda esteja casada. Mas, se eu fosse fazer essa tua pergunta, incluiria nela homens E mulheres: por que as pessoas ainda querem se casar? Não tenho essa resposta :)

  • Hilder

    Sem a menor sombra de dúvidas, a resposta é sim, vejam bem as fotos postadas acima, é preciso comentar algo mais? no meu ponto de vista e de alguns amigos, solteiros e com o mesmo objetivo de se casar, a maior dificuldade está justamente na facilidade com que as pessoas se relacionam hoje, não estou aqui para jogar a culpa em nenhum dos lados, mas o tal “relacionamento de bolso” está sendo a fuga para todo e qualquer sofrimento, principalmente para as mulheres, e encontrar uma mulher que esteja disposta a abrir mão desses contatos que podem virar algo mais numa hora de dificuldade, é o que está atrasando este processo de casamento, o acesso as pessoas está muito fácil, é uma tormenta de redes sociais que nos colocam expostos para milhares de pessoas, e sofrer e evoluir hoje em dia é para poucos. Vou citar uma frase que toda vez que eu leio ou escuto eu fico pasmo com tamanha inocência de quem a diz. ” amiga acorda você não nasceu para sofrer” ,se até o filho de Deus veio a terra para sofrer e servir de exemplo, quem somos nós para viver uma vida sem sofrimento. Os efeitos colaterais desta escolha de não sofrer e ter sempre a mão um relacionamento para consolar, estão cada dia mais evidentes, o que eu vejo de homens e mulheres bem sucedidos na vida que já estão ficando velhos e cansados de tanta curtição e troca troca de parceiros, não da p/ contar, e todos e todas com quem eu converso sobre o assunto, usam baladas e festas como fuga para seus relacionamentos mal resolvidos, acredito que um dos caminhos para se conseguir se casar e ser duradouro, está na entrega, no respeito, no amor, e principalmente na confiança, pois dificuldades virão e estar confiando no seu companheiro para o que der e vier faz muita diferença na vida, para aqueles que acham que a vida toda vai ser de baladas, boa sorte vocês vão precisar. E para aqueles que seguiram firmes e fortes vencendo toda as dificuldades e compartilhando todas as alegrias com seus escolhidos, meus parabéns vocês podem bater no peito e dizer ” Minha querida esposa, esterei ao seu lado te amando, nos momentos bons e difíceis, juntos viveremos e seremos exemplos de vida para nossos filhos”.

    • Escrevedora Y

      Hilder, os dois lados são responsáveis sim. São responsáveis porque não se falam mais, não estão mais lutando pelo relacionamento, não estão mais dispostos a sofrer pra amadurecer. Falando de maneira generalizada, o outro tornou-se um mero objeto.

      Evoluímos na velocidade dos meios de comunicação, temos um universo infinito de informação e… não conversamos com o vizinho, não falamos pra colega de trabalho que ela tem um sorriso lindo, escondemos o que sentimos pra nos proteger. Precisamos de tanta proteção? Do que estamos nos protegendo? Difícil.

      Obrigada pelo seu relato. Estou adorando esse meio termo masculino recheado de esperança!

      • Hilder

        Querida, Escrevedora Y, obrigado pelos esclarecimentos, o meu depoimento foi de certa forma um desabafo, e a sua analise foi de uma clareza impressionante. Hoje procuro a simplicidade perdida, me identifico com amizades das mais simples, com relacionamentos mais simples, e com uma maneira de vida menos fria. Felicidades e até o próximo assunto pelêmico. rsrs.

      • Escrevedora Y

        “Complicado é ser simples, é simples ser complicado”. Acho que depois de um tempo, todos nos encontramos no desafio do simples. :)

        Até o próximo!

  • Freelancer

    Casamento no sentido de viver com uma mulher? Sim

    Casamento no sentido de Instituição fundada e sedimentada com patrimônio (em todos o ssentidos) compartilhados e supressão da individualidade? NUNCA!

    Não são papéis e documentos nem festas ridículas que me dirão que estou casado! Some isso ao fato de eu desprezar a visão de aperfeiçoamento do ser humano que sempre ilude fazendo acreditar que seremos todos mais perfeitos até o fim do dia. Em outras palavras odeio “momentos mágicos”.

    Por último viver com alguém não mudará o destino da minha própria jornada como ser humano. Minhas experiencias, o que eu vejo, o que aprendo em essência outras pessoas estão proximas, mas a vida continua sendo somente sua.

  • Shaun

    O casamento em si é uma instituição que requer muito esforço para não fracassar. Homens e mulheres são muito diferentes e esperam coisas diferentes da vida. Eu casei cedo (aos 23) e me separei com 35. Hoje tenho 40 e namoro uma moça que deseja casar.

    A amo loucamente (foi a primeira mulher que me envolvi a sério depois do fim do casamento – porque até então eu dormia com uma diferente todos os dias) mas não sei se casar será a solução de nossos problemas; na verdade acho que haverão outros problemas e esses novos problemas serão uma repetição do primeiro casamento.
    Veja, não é que o primeiro casamento foi ruim o bastante para me traumatizar, mas na verdade – na minha opinião baseada no que vejo acontecendo todos os dias com amigos – qualquer casamento está fadado a ser um grande problema.
    Aí, você pode se perguntar (e tenho certeza que haverão contestações do gênero aqui): “mas não é essa a questão? Duas pessoas se encontram e vão viver, não felizes para sempre, mas dispostas a se complementarem?
    Pode ser. O problema é que eu não vejo o porque de termos que passar por esses problemas. Casamento é uma complicação desnecessária se você olhar pelo ponto de vista racional da coisa.
    Você casa com uma princesa, ela casa com um príncipe, e logo vocês se transformam em duas pessoas acomodadas (acomodadas com o que já tem, acomodadas com o que não precisam mais querer ter, acomodadas com a comodidade);
    Vocês têm um filho, e logo você vira o segundo, terceiro na lista de prioridades dela.
    Os problemas de dinheiro começam a aparecer e tudo começa a se complicar (“Normal” poderiam dizer alguns), mas a verdade é que você não teria tais problemas se não tivesse se casado em primeiro lugar.

    No limite disso tudo, temos a tão famigerada sensibilidade feminina que por vezes nos castra, sim, castra. De uma forma totalmente insana, visto que o homem se sente inseguro para discutir, racionalizar, debater com outro ser que (sabemos claramente) é tão direcionada por hormônios, química corporal, etc. Isso significa que, geralmente, não se pode ter uma discussão racional com uma mulher e você acaba se sentindo perdido e escravo de toda a neurose freudiana etc, etc, etc.

    Apesar disso tudo tenho que dizer que: casar com uma “parceira” é bom demais, não tem coisa melhor, o problema é que elas não conseguem continuar suas parceiras por muito tempo. De amantes no começo, viram fãs logo depois, depois viram mães (sua e dos filhos) e depois te enxergam como um cara que não consegue entendê-las (e é claro que não conseguimos, somos de mundos diferentes, não importam o que digam).

    Então, no meu caso, eu posso te dizer que o casamento não me parece tão atrativo quando coloco razão x emoção emparedados num muro branco.

    • Escrevedora Y

      Shaun, seu relato é bastante racional. Você pensa que mesmo com a mulher atual as mesmas coisas repetirão? Ela não é uma mulher diferente e você também não é um outro homem? Emocionalmente falando, você se casaria com ela?

  • Liberdade

    Tenho 28 anos, já namorei algumas vezes, já passei 10 anos namorando a mesma mulher e foram ótimas relações.
    Não acredito em casamento. Não sei se um dia mudarei de opinião, mas no momento é isto que penso: convivência acaba com qualquer coisa.
    Você pode começar um relacionamento com todos os ótimos sentimentos de amor, paixão, admiração… Você pode começar um relacionamento achando que a outra pessoa é a que mais encaixa na sua vida, no seu modo de viver. O problema é que nenhum desses sentimentos durará para sempre, e no final, o que restará será o comodismo de conviver com uma pessoa que você já conhece todos os hábitos, com as quais possui alguma afinidade, e que será mais fácil viver até o fim dos tempos.
    Acredito que as pessoas nunca estão preparadas para lidar com a diferença, e quanto mais se convive com uma pessoa, mais defeitos e imperfeições você notará na outra pessoa. A partir disto vem a tolerância (não a aceitação) e consequentemente a infelicidade. Seus projetos, seus desejos, suas vontades, todas têm de se submeter a uma certa barganha, para alcançar algum senso comum, o que também gera mais infelicidade.
    Casamento é uma união complexa, que possui muitos fatores para dar errado. Acredito que devamos viver para maximizar o prazer e minimizar o sofrimento. Por que não namorar eternamente? Por que não compartilhar somente os momentos bons? (ou a maioria deles) Por que não deixar as coisas mais simples?

    • Paola

      “Por que não compartilhar somente os momentos bons?”
      Talvez porque quando vc gosta muito de alguém vc se importa com ela, com os problemas e dificuldades dela e quer ajudá-la, quer minimizar seu sofrimento e apoiá-la. Porque real admiração não morre por causa de um peido fedido ou de uma toalha molhada encima da cama.

      “Você pode começar um relacionamento achando que a outra pessoa é a que mais encaixa na sua vida, no seu modo de viver”.
      O problema tá nessa frase: a gente esquece de pensar de que forma se encaixa na vida do outro. Esquece que qualquer relacionamento — de qualquer natureza — exige dedicação. Esquece que a gente mesmo têm hábitos chatos e tem preguiça (ou será muito egocentrismo?) de mudar nossos hábitos por uma excelente convivência.

      Eu tenho essa preguiça. Mas quando valer o esforço pretendo deixar de ser egoísta e fazer valer tb.

    • Thiago Di Rosato

      É isso aí, cara! Boa! Ninguém precisa ir dormir e acordar com uma dona, todo santo dia, pra se sentir feliz. Isso faz parte de toda essa lorta burguesa-cristã que a cultura inútil tenta incutir em nossas metes desde que nascemos: cresça, case, pague os impostos e morra.

  • http://www.facebook.com/Rafael.Coelh Rafael Coelho

    Bora então opinar:

    Tenho 18 anos (bem novo) e já vivi um “bocadinho”. Embora não me encaixe no perfil macho-alfa-sem-caráter também não sou um macho-beta-todo-desinteressante como algumas pessoas postaram. Não acredito que os homens simplesmente se separem entre interessantes e sem caráter ou desinteressantes e bonzinhos.
    Vou dar como exemplo os meus pais: eles são a referência mais sólida que tenho sobre amor e fidelidade. Ambos se casaram bem novos (meu pai com 23, minha mãe com 22), com uma mão na frente e outra atrás, por “idealismo romântico” e também por quererem melhorar de vida pois a situação em família não era boa. Tem personalidades distintas: minha mãe tem um perfil muito emotivo enquanto meu pai é um cara “frio”, dizendo em linhas gerais. Quando se casaram não tinham nada, moraram de favor no começo na casa de um amigo, passaram por perrengues cabulosos mas com o passar do tempo a coisa foi melhorando. Hoje, depois de 25 anos de casados, com dois acidentes quase fatais (no primeiro minha mãe quase morreu, no segundo minha irmã) estão bem juntos sem histórico de traição ou qualquer coisa.
    Não que acredite que as pessoas devam se completar por ter personalidades distintas ou que tenham que ser “almas gêmeas”. Mas o que eu vejo que os une é muito mais a admiração que nutrem um pelo caráter do outro. Valores como honestidade, honradez, boa vontade, generosidade, entre outras tantas. Acho que as pessoas procuram hoje tanto pela face do príncipe encantado que se esquecem de olhar o que realmente importa, que é seu coração (own *-*).
    Eu acredito na instituição do casamento.Conseguir atravessar as adversidades JUNTOS é o grande desafio dessa vida a dois. Tem muito de doar de si e também de receber. Só que a maioria esquece da primeira parte e quer só a segunda.

    • Escrevedora Y

      Rafael, sinta-se um privilegiado por ter seus pais como referência, esse modelo tem se tornado cada vez mais raro. Obrigada por compartilhar essa história!

  • http://www.facebook.com/carlosdill Carlos ‘Dill’ Veloso

    Eu gostaria de me casar. Gosto da chamada “estrutura familiar padrão” (pai+mãe+filhos). Sonho em ser pai. Também conheci mulheres maravilhosas, que dão vontade de passar o restante da vida com elas, não só um instante.
    Sei bem de problemas que existem nesse tipo de relacionamento social, mas é tão legal vc ver seus pais ou alguns conhecidos serem tão felizes juntos em casal, apesar de todos os problemas do dia a dia.
    Me imagino como um “pai-de-família” daqui a alguns anos (ou décadas rs)

    • Escrevedora Y

      Carlos, obrigada pelo relato. ;)

  • Raul Rafael Aureliano Antunes

    Em nossos tempos tão “modernos”, acho que a pergunta correta seria:

    “As mulheres ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?”

    Mas, isto fica para outro site, outro texto, outra pesquisadora, outros…

    • Escrevedora Y

      Raul, essa questão com as mulheres é bastante complicada. E eu vou deixar pra outro texto sim, não vou inflamar os comentários. O que eu posso adiantar é a máxima de “as mulheres (a maioria) não sabe o que querem”.

      • Raul Rafael Aureliano Antunes

        Rsrsrs… Imaginei Escrevedora Y.

        Aguardarei ansiosamente este texto, até porque é um mistério milenar saber “o que as mulheres (a maioria) querem”.

        rs

      • Escrevedora Y

        Pois, é. Sou nova por essas bandas… melhor um passo de cada vez. :)

        Mas e você? Quer se casar? Não pense que você passará livre da pergunta! rs

      • Raul Rafael Aureliano Antunes

        E passos cuidadosos, porque passo maior que a perna também prejudica… rs.

        Pretendo. Mas, não quero colocar inúmeros pensamentos ou filosofias em cima disso. Um passo por vez (rsrsrs).

        Recentemente, fui em um casamento de um amigo de infância. E muitos (como até EU mesmo), diriam “que louco ao se casar com 22 anos”.
        Porém, pensei depois…
        Se a felicidade bateu a sua porta neste momento (idade), porque perguntá-la o ‘porquê” disto! Deixe-a entrar… Porquês de mais também atrapalham.

  • Anonimous

    Eu não quero. Ao menos por enquanto.
    Namoro há 7 anos. Amo minha namorada. Estou sentindo que o cerco está se apertando e isso me apavora.
    Não quero me casar por vários motivos: Não quero (agora) assumir a responsabilidade de ser o provedor de uma família. Não quero perder as comodidades de morar com os pais. E o maior motivo de todos: minha namorada é sempre muito dependente de mim. Quer fazer tudo junto sempre que possível. Não gosta de fazer nada sozinha. Imagino que isso me sufocaria e seria letal para um casamento.

    A grande maioria dos meus amigos pensam da mesma forma. Namoram até quando podem e se forem exigidos pulam fora.

  • http://www.facebook.com/pharolemos Thiago Silva

    Eu sou novo, tenho 23 anos. Só tive um relacionamento sério. Tive vários relacionamentos de bolso. Existem motivos diversos para um homem querer um relacionamento de bolso, eu simplesmente me importo mais com a carreira do que com a minha vida amorosa. Tenho um ótimo emprego, e trabalhei muito para conseguir isso, e vou conseguir mais.
    Mas e daí, pq relacionamentos de bolso? Simples você quer companhia, você gosta da pessoa, mas você quer espaço. Você quer sair com os amigos no seu pouco tempo livre, Eu faria uma analogia a despesas fixas, todo mundo sabe o que despesas fixas fazem com o nosso orçamento, agora pense no orçamento como se fosse o seu tempo…
    é por aí…

    • Escrevedora Y

      Thiago, você se vê a vida toda vivendo relacionamentos de bolso?

  • Tetê

    Eu sei que o
    objetivo do texto é analisar o porquê que os homens querem ou não casar, mas
    resolvi fazer um comentário com o intuito egoísta mesmo assim.

    Li amor
    líquido e foi uma voadora na minha jugular, fiquei descrente e perdida. Não
    tive com quem partilhar na época, então vou aproveitar a oportunidade.

    Depois de
    uma boa terapia e um período de sexo casual, percebi que me incomodou no livro
    foi eu ter percebido que sou a pessoa mais romanticamente líquida que conheço.

    O que
    percebi depois desses depoimentos foi que homens estão sim dispostos a casar, a
    diferença é que uns já encontraram a mulher que eles querem agarrar, e assim
    mudar o discurso, e os que não encontraram ainda.

    Para nós
    mulheres passar por alguns homens antes de ser agarrada por aquele quer de fato
    tentar ver qual é do “felizes para sempre” ou “feliz enquanto
    dure”, não é assim uma coisa horrorosa, até porque quando esse momento
    acontece é reciproco.

    O que me
    aterroriza é perceber pelos meus atos e não pelo meu discurso, que o meu medo
    de se relacionar faz com que eu acabe perpetuando o modelo líquido de amar, ser
    algoz e vítima ao mesmo tempo.

    Eu posso
    dizer que assumi a posição princesa: Fico trancada em uma torre esperando o
    homem que não existe me salvar, sei lá de que. O pior é que como sou bonita,
    tenho um corpo legal, papo romântica realista, surpreendentemente, aparece
    alguém querendo me tirar da torre e eu coloco o sujeito para correr. Afinal é
    muito melhor viver no mundo seguro das fantasias, das desculpas e dos discursos
    prontos e socialmente muito bem aceitos, do que experimentar o real e saber que
    não existem garantias daquilo dar certo.

    Já fui
    pedida em casamento, já vi um macho-alfa correndo atrás para ter um
    relacionamento sério, já senti o sabor de ver um homem viajar por duas vezes
    meio Brasil, e gastar dinheiro com isso, para me ver e já vi macho-beta chorar
    na minha frente por me amar e não ser correspondido. O que eu nunca vi foi eu
    largar a desculpa fake que homem nunca quer nada sério, que os homens legais já
    estão casado ou em um relacionamento sério, ou lamentar como estou sozinha.

    O pior é que
    com o tempo fui percebendo que as relações fugazes não suprem vazios e que relacionamento
    amoroso não é algo que dá para trocar a qualidade pela quantidade, então
    percebi que tenho que curar a minha liquidez, mas que seria bom encontrar
    alguém que sirva como uma motivação para eu encará-la de frente, a sim seria.

  • Tami

    Há muuito tempo espero essa discussão no PdH!!! As discussões são sempre valorizando a liberdade, colocando-a contra o amor e os relacionamentos, e quando não, são escritos por mulheres, como você disse. E isso sempre me deixou preocupadíssima com a perspectiva com a extinção do sentimento. Essas opiniões masculinas são realmente surpreendentes e me ajudaram muito num processo pessoal de voltar a acreditar nas pessoas, especialmente neles! rs

  • Entendedor Anônimo

    Pessoas se casam baseados em uma percepção distorcida de felicidade. Inventam mil teorias para se justificar, mas é só outro tiro no escuro, esperando acertar a felicidade.

  • Diego Luke Santana

    Escrevedora Y, eu fui criado pela geração feminista. Tenho 26 anos e minha mãe fez parte daquela geração que lutou por direitos iguais aos dos homens. Fui criado pra ser um marido (ela cortou qualquer ato cafajeste que eu pudesse ter logo aos 12 anos). Enquanto os meus amigos fogem de relacionamento sério, eu me vejo casado daqui a alguns anos. Isso pelo fato de que “casamento” é crescimento pessoal, afetivo e emocional. Parece que o homem (por uma questão cultural) não sabe administrar seus sentimentos. Só pode fazer isso ao lado de uma mulher que lhe seja companheira. Sim, os homens ainda querem casar. Mas falta eles aprenderem, primeiro, aprender que tipo de homem eles querem ser.

    • Escrevedora Y

      Diego, acredito que a maioria de nós fomos criados pela geração feminista. Quando minha avó (sim, a avó!) disse que minha mãe não poderia ser paraquedista, ela simplesmente não disse nada. Quando meu pai numa vez qualquer disse: “isso não é coisa de menina”, eu virei o bicho. São épocas diferentes, os caminhos já foram abertos pra maioria de nós.

      Gostei muito do seu comentário. “Aprender que tipo de homens eles querem ser”. Acredito que isso vale para todos nós, essa é uma busca que todos nós deveríamos ter.

      Curiosidade: por que você pensa que administrar sentimentos é uma questão cultural?

  • Priscila

    Vixe, eu devo ser um alienígena então… sou mulher e não pretendo me casar… respeito e admiro quem casa, só não quero isso para mim.

  • Anônima.

    Se alguns ainda querem se casar eu não sei, afinal, é tão fácil para o homem largar tudo o que tem apenas para se divertir uma, duas, oito noites com novas mulheres e depois querer voltar. Não pensam que isso magoa ainda mais a sua companheira (e como magoa).

    Resumidamente: Eu fui casada, nunca o prendi. Ele tinha o seu tempo, eu o meu e ponto. Mas o que mais me deixava magoada era o fato de não ter um amigo, companheiro ou até mesmo um amante na cama. Sempre eu que queria sexo, queria conversar, queria contar piadas, abraçar, assistir filmes juntos, futebol, jogar até mesmo um ps3 (mesmo sendo ruim no FIFA). Enfim, mas a resposta era sempre a mesma ou contornava e chegava na mesma conclusão: “Estou cansado”, “quero dormir”, “trabalhei muito”, “quero ficar quieto”, “não tenho nada, me deixa” e várias outras delongas. A pergunta é: POR QUE?

    Um belo dia ele PEDIU para que eu ficasse um final de semana na minha mãe para que pudesse pensar e escolher de vez o que queria para a vida dele (como se eu estivesse invadido a casa dele, o que foi completamente ao contrário), mesmo não querendo eu fui, achando que seria o melhor, já que não queria separar dele (temos uma filha linda de 1 anos e 1 mês).
    O tempo passou, eu disse que iria voltar para a nossa casa e ele sempre dando desculpas. O final dessa história? Faz sete meses que estou na minha mãe, levei tudo de vez para lá, coisas minha e da nossa filha. Acho que a única coisa de que não posso questionar é o fato de ele ser um ótimo pai.

    Hoje sou feliz, mas não foi isso que pedi para a minha vida, não achei que alguém algum dia iria fazer isso comigo.

    Espero, sinceramente, que os poucos homens que restam com coração continuem assim.

  • igor

    Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?

    Minha resposta:
    Sim, eu quero “casar”, mas muito cuidado com o que é casar. Casar, pra mim, é achar a mulher perfeita para mim e morar junto, fazer família e dividir as coisas boas e ruins da vida.

    Não quero igreja, vestido, cerimônia etc. Ao mesmo tempo, não faço disso o meu objetivo de vida. Namorei 6 anos seguidos e tenho apenas 25, estou “aproveitando a solteirice”, mas ao mesmo tempo, não me fecho para nada. Se aparecer “a minha mulher perfeita” e eu reparar que ela é a mulher perfeita pra mim, engato algo sério.

    Assumo: faço muito uso desse “relacionamento de bolso”, ligo quando quero, procuro quando estou sem nada pra fazer… São fases, todos passam por isso. Apenas não iludo ninguém.

  • Carlos Alexandre

    Pretendo me casar??

    Sim…Por quê??? Porque não quero ficar sozinho para o resto da vida, aproveitá-la e depois arrumar alguém para casar, morar juntos e ter meus filhos(as). Simples assim…
    Vocês devem estar pensando ‘ah, mas esse cara é mais um ogro’. Talvez, mas melhor encarar desse jeito do que decepcionar-se daqui a dez anos, porque minha mulher me largou ou me traiu.

    Sei lá o que eu penso é isso!!!

  • Kellen

    Acredito que o ser humano para ser feliz tem que estar em equilíbrio: espiritual, profissional e sentimental, ou seja ter uma religião, um bom emprego e um relacionamento. Mas até a pessoa conseguir balancear tudo vai passando por certas decepções… No meu caso, profissional e espiritual tudo se encaminha bem, mas sentimental ainda estou na parte das decepções… mas o texto e os comentários só fortalecem minha opinião de que existe a pessoa certa sim, só ainda estou buscando no “nível” errado, mas tudo é aprendizado. ;)

  • http://www.facebook.com/people/Andre-Deuner/1073807882 Andre Deuner

    Os caras estao chorando no pé do altar pq viram q a merda ta feita…

    • Escrevedora Y

      Maldade.

  • Pingback: Os homens ainda querem se casar? | Mugango

  • Igor Martins

    “Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?”
    Essa resposta é bem pessoal, isolada e polemica… Não… Eu não quero casar e não acredito mais no casamento no seculo em que vivemos, mas as vezes eu me pegava pensando, porque diabos eu não quero casar? Nossa a principio eu posso pensar que sou um fraco, mas não eu vejo meu varios amigos que casaram e se separaram, alguns que pulam de casamento em casamento e não vivem felizes eles não aguentam suas mulheres, e eu tenho um pensamento bem peculiar, eu gosto muito de mulher, nossa sou viciado em mulher é como se fosse uma droga, eu pego as vezes duas ou três em dias, desses ai, relacionamentos de bolso, quando to afim de transar ligo para uma e bumba meu boi, mesmo elas em relacionamentos sempre volatam porque elas dizem que gostam, mas depois do sexo, eu odeio ficar com mulher do meu lado, me fazendo perguntas idiotas ou entao lá olhando para minha cara, o sexo e super 10, mas depois paceriro, eu perco o tesão nelas para qualquer outra coisa, e fico pensando se eu casar e ter uma mulher 24hrs dentro de casa ou entao domindo ao meu lado eu vou ficar louco. Porque eu gosto de trabalhar e fazer minhas coisas sozinho ou com uns aigos, uma cerveja, um domino, paquerar e outras coisas, eu achava que era coisa de adolescente, mas vejo que não porque os anos ja passaram e eu continuo da mesma forma, meus amigos me perguntam e quando você ficar velho o que vai fazer sozinho? Parceiro eu vou ficar bebendo uma cerveja, jogando um video game, paquerando e chamando meus velhos amigos para um domino.. e que se exploda o mundo… Eu apenas não quero uma pessoas chata reclamando da vida ao inves de ir com as amigas fococar a novela das nove e tomar uma cerveja e viver feliz ao meu lado… ou que eu tenha que todos os dais me preocupar co que vou providenciar para o jantar, eu frito um ovo e vou ser feliz vendo um filme de ação qualquer jogando no sofá da sala… e quem sabe até quando estiver velho com a evolução dos relacionamentos, eu não tenha ainda alguns relacionamentos de bolso para alguns momentos a dois, mas casamento… hoje em dias na marioria dos casos não funcioan mais…

    • Igor Martins

      digitando na correria aqui do trabalho me desculpem alguns erros ortograficos.

  • http://www.facebook.com/diegohfontes Diego Fontes

    Incrível como as pessoas atiram em relacionamentos como se estivessem tentando a sorte. Envolver-se passou a ser uma questão de oportunidade e não de um acerto que se procura, que se arrisca por acreditar na sua prosperidade.

    Num dia, a pessoa te encanta, descobre palavras que talvez nunca havia imaginado que um dia fosse usá-las. E assim, cativa-te, faz com que você se esqueça de seu desfoque proposital sobre envolver-se, cobrindo-se de apenas um foco: ela.

    E no dia seguinte, ela pensa, ela busca, um carnaval sem precedentes. Cuja expectativa surpreende no objetivo que vai contra o dia anterior. Uma efemeridade de sorrisos (e, quem sabe, alegrias) como o gás de um refrigerante aberto.

    Não se pode culpar os homens. O homem é podre nas suas atitudes, fato. Mas é pleno em seus sentimentos quando os tem. E o homem, quando sente, é nu. Fica desfalcado sem a máscara do seu estereótipo.

    Controvérsias à parte, o homem é decente. Ele quer, ele vai atrás. E não joga simplesmente uma moedinha poço adentro esperando que seu desejo seja atendido prontamente. Ele mergulha no poço de cabeça e grita o desejo pelas próprias mãos. Muito antes da moeda pensar em bater na água.

  • renato

    E SE casamento for tática do sistema de impor parcialmente a ordem, juntamente com leis/hábitos tabus/mídia etc? O casamento entre índios, que do ponto de vista da sociedade não seria aceita.. interessante xD

  • efraim tanzi

    Bom.. eu sei que essa publicação é antiga, mas eu conheci o site essa semana e estou adorando.. kkkkk
    Tenho uma teoria com relação a isso..
    Acredito que os homens, tem uma natureza diferente da mulher.. Uma coisa quase que instintiva.. meio selvagem..
    Eu acredito que o homem foi feito para amar mais que uma mulher ao mesmo tempo.. e não é falta de amor.. ou carinho ou respeito.. e mto menos por vaidade.. Sem sacanagem.. ele pode amar de verdade mais que uma mulher..
    Só que, a sociedade, a “civilização”.. nos fez abrir mão destes instintos…
    Obrigando assim o homem se dedicar a uma mulher apenas.. e condicionou a mulher achar uma falta de honra.. o homem amar mais que uma.. Antes não era assim..
    E eu provo isso.. Os índios.. geralmente.. praticam poligamia.. e vivem e harmonia.. Em alguns países da áfrica.. é natural.. poligamia.. mesmo nas cidades.. assim como na Arábia.. entre outros países onde a “civilização” não chegou..
    E vou mais longe.. os primatas.. os leões.. o macho.. sempre.. tem mais que uma fêmea… e já as fêmea.. querem.. um.. apenas… apenas o melhor o mais forte..
    Hoje.. em dia e a mesma coisa.. a mulher.. só quer um… apenas.. o melhor pra ela…
    Não tem aquele ditado.. “o homem trai pra ficar numa relação.. a mulher trai.. quando já esta fora da relação.” Então.. é assim.. se o homem transar.. com duas mulheres.. ele vai sentir prazer com as duas. concertesa.. a mulher.. já.. não.. talves ela busque recursos… imagine.. outra coisa… Sempre vai ter um melhor.
    Mas isso é tema para outra discução..
    Voltando ao tema..
    Eu acho que hoje a socidade moderna.. esta dando vazão para o individuo ser o que ele é mesmo… os princípios tão cobrados antigamente.. hoje já não são tão importantes assim.. estamos mais liberais.. e isso esta levando a sermos o que somos na natureza.. ou seja.. o homem.. esta abrindo Mao do casamento..
    E utilizando mais.. os “relacionamentos de bolso “… mas não sei se isso é necessariamente.. algo ruim..kkkkk
    Espero que tenha contribuído de alguma forma.. e me corrigão.. se eu tiver errado.. gosto de discutir..
    kkkkkk

    • Priscila

      Efraim, eu não teria tanta certeza assim de que uma mulher não é capaz de amar mais de um homem ao mesmo tempo… eu já vi isso acontecer tantas, mas tantas vezes. Inclusive comigo, rs. ;-)

      • efraim tanzi

        kkkkk….
        ok..
        admito pode haver exceções, da mesma forma que existe pessoas.. que não se relaciona com ninguem.. São literalmente Assexuados;;..kkkkk
        é complicado.. pra mim.. afirmar.. isso “a mulher não é capaz de amar mais que um”.. pq o universo femino.. e ainda pra mim um mistério..kkkk.. embora seja isso que me facina.. Quem entende as mulhers…kkkkkkkkkk
        alem de ser uma caracteristica muito peculiar de pessoa para pessoa..
        mas.. eu afirmo pq de modo geral.. se tirarmos uma média.. amaioria quer só um…. a mulher e mais fragil.. embora muitas ~jamais admitiram elas.. querem ser protejidas.. elas são atraidas. pelos “canalhas”.. e pode ser alguns ao mesmo tempo.. mas.. no fim ela só quer um…
        kkk
        oque quero dizer.. e que vc tem que concordar comigo… é que.. as mulheres no geral.. o sexo é mais sentimental.. que pra um homem…
        uma mulher começa uma transa.. no momento que ela acorda.. com o cafune;;; com o beijo.. com as flores.. com a ligada.. no meio da tarde…
        enquanto homem.. quando.. a mina tira a roupa.
        kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
        pelo sexo da mulher ser mais sentimental.. evidencia.,. oq eu to querendo dizer..
        kkkkkk
        por isso que acho.. q o homem.. não ve a necessidade de casar.. e a mulher tem uma necessidade melhor… casamento.. é afetivo.. sentimental.. coisas que o homem não da mto valor..

    • Escrevedora Y

      Efraim, mas também existem sociedades poliândricas! Será que o humano não nasceu para a monogamia? Pra você, viver os relacionamentos de bolso é dizer não ao casamento? Você se sentiria confortável de ser requisitado pra sair apenas quando a guria quisesse?

  • Gustavo M

    tentei escrever no tópico levantado sobre os tais relacionamentos líquidos, mas a página deu erro.

    Segue a cópia do texto, a resposta faz referencia à resposta de outra pessoa. Não lembro o nome. Em resumo, ele dizia que a culpa para os relacionamentos líquidos estava na nossa geração de homens mimados, incapazes de superar a dor da convivência.

    Segue a resposta:

    Concordo em vários pontos dessa discussão, mas gostaria de acrescentar algo que considero importantíssimo.

    Essa dificuldade do “crescer aprendendo” , na minha opinião, não é algo particular da nossa “geração de mimados”. Não acredito nisso.

    A questão que se passa é outra. Trata-se de uma mudança na estrutura da sociedade, na forma como nos relacionamos, e principalmente: COMO A POSTURA FEMININA MUDOU.

    Os homens continuam iguais (ou se mudaram, mudaram pouco). Para entender meu argumento, voltemos um pouco na história.

    A grande maioria dos casamentos de nossos avós deve ter a mesma cara. Um avô machista e uma avó que engolia os defeitos do marido, mas sempre dando suporte tanto para ele como para a família.

    Posição cômoda a nossa, certo ? Para os homens de antigamente, não existia esse exercício de superar as falhas da parceira. Justamente porque a voz do homem era ordem. A mulher tinha a obrigação de mudar, mesmo que estivesse errada.

    Hoje, tudo mudou. Elas estão buscando as mesmas coisas que nós, homens. É aí que a porca torce o rabo. Temos dois lados com fortes propensões egoístas.

    Enquanto antes elas corriam para se casar a qualquer custo (para não serem mal faladas) e evitavam de qualquer maneira o término, os homens traiam (antes, durante, e depois do casamento).

    Já hoje elas tem voz. Elas reclamam, elas exigem, elas querem (e tem) os mesmo direitos. É esse impasse, essa dor, esse guerra egoísta que resulta no chamado “relacionamento líquido”.

    Posso estar sendo extremista, posso não estar considerando n outros fatores. Mas que esse argumento tem um peso nesse problema, isso tem.

    Resumo da história. Homens, já foi nosso tempo.

    • Escrevedora Y

      Gustavo, eu concordo que a mudança no comportamento, na identidade feminina tenha grande peso nas decisões masculinas atualmente. Esse ponto não pode ser desconsiderado e não é o único, como você mesmo citou. Ainda assim, pelo menos até agora, a maioria dos homens que comentaram ainda querem se casar. Alguns encaram a mudança no comportamento feminino como desafio e não um mero obstáculo.

      Será mesmo que o tempo dos homens já foi? Você acredita nisso?

  • http://twitter.com/hanemonokuro Rodrigo Will Martins

    Em 2003 conheci dois irmãos e o drama que sua família vem
    passando há alguns anos, a mãe deles tem leucemia, ano passado fui ao casamento
    de um desses irmãos e fiquei o fim de semana na casa dos pais deles. Então eu
    pude ver de perto, na figura dos pais, o que é assumir verdadeiramente um
    compromisso, e também pude enxergar que casamento está mais ligado ao quanto
    você é capaz de se sacrificar por alguém, do que um “viveram felizes para
    sempre”.

    As situações que podem vir acontecer depois do sim são infindáveis,
    por isso acredito que dentro da consciência de cada pessoa tem que haver uma
    escolha sincera.

  • MM

    Achei a pergunta meio boba. Porque a resposta é meio óbvia. É só olhar as estatísticas de casamentos no IBGE. O número de casamentos registrados em cartório só vem aumentando de ano para ano, junto com o aumento populacional. Casamentos em igreja também. Em Belo Horizonte, algumas igrejas já estão com todos os dias marcados até 2015. Não me parece que esses milhões de homens que casam todos os anos estejam sendo obrigados a isso.

    • Escrevedora Y

      MM, mas por que eles casam? Se as mesmas estatísticas do IBGE apresentam números altíssimos de divórcio? O que esses homens esperavam quando disseram o sim na frente do padre, da família, da esposa? Você mesmo, pretende se casar ou desistiu da ideia porque a probabilidade de divórcio é maior do que a de sucesso?

      • Mariana

        Mas o casamento bem como o divórcio de uma maneira ou de outra, é uma decisão mútua, uma escolha.

  • Escrevedora Y

    Pessoas, agradeço muito todos comentários e relatos. Até terça estarei num fim de mundo com internet absurdamente lenta e instável, está difícil ler e responder a todos os comentários. Me perdoem essa ausência e demora. Terça darei a atenção devida. Abraços!

  • Breno Tiki

    Sou casado há alguns anos e posso dizer com clareza que é obvio que tem keeper(o tal do bom partido) por aí, está acabando mas existem sim

    E cada vez o ambiente é mais hostil para esse tipo de homem

  • Genilson Zunino

    Muitos homens não sabem o que significa casamento, fato, quando eu casei não sabia, achava que casamento era dividir as contas, criar o filho, ter alguem para transar sempre (como eu era burro!), pensava que por si só isso bastava, que o resto quando aparecesse ia se resolvendo. Hoje já solteiro novamente posso refletir o quanto os dois erraram, exigiram muito do outro, mas, pouco ofereceram de volta.
    Casamento envolve um nível de cumplicidade tamanho, que chega a ser maior que aquele que temos com nosso melhor amigo, amigo mesmo, aquele que você daria a vida, sabendo que ele faria o mesmo, é a junção de desejos conjuntos pelas mesmas coisas, envolve muita empatia, bom senso e por que não uma dose enorme de amor.
    Respondendo a pergunta, SIM, eu quero casar e acredito no casamento, acredito que podemos ser pessoas melhores quando temos alguém do lado, e não apenas adquirir os famosos bens de consumo que viraram default quando se casa (casa, carro), e os filhos, cachorro, etc. que sinalizam um casamento perfeito, hoje eu quero algo mais, quero alguém que eu queira conquistar todos os dias, que eu ame todos os dias como se fosse o primeiro e o ultimo dia.

  • Luiz Dias

    Os homens ainda querem se casar? Acreditam no casamento? Por quê?
    Bem, eu tenho 20 anos ( 21 em 15 dias) e penso sim, em mim casar no futuro!
    principalmente porque acredito nesse lance de instituição familiar!!
    sempre dei muito valor à familia como um todo, e acreditor que iniciar uma deve ser uma emoçao diferente.
    Meus relacionamentos nem sempre duram muito tempo… e identifiquei aqui, algumas das cauas…uma das principais é a perca da LIBERDADE e INDEPENDENCIA
    que são para mim, duas coisas muito valiosas, e para abrir mão disso…. tenho que achar uma garota tao valiosa quanto.

    Considerando isso, posso dizer que accredito no casamento, desde que ambos os lados deem valor ao casamento, enfrentando tudo e todos.. e para isso , eu acho que tem que ter o “amor” ai no meio…

    no meu ultimo relacionamento sério (4 meses atrás)… acabei, por não ter esse sentimento claro por ela.
    e desde então, digo que vou continuar assim, acreditando no amor “concreto”…. mas sendo adepto do o amor “liquido” (usando portas e estantes)…até achar uma que desperte um sentimento SINCERO e que eu nao tenha que causar uma dor maior….depois de alguns meses

    • Escrevedora Y

      Luis, você pretende usar os tais “relacionamentos de bolso” até encontrar alguém para casar?

      • Luiz Dias

        Sim, até encontrar alguém que faça eu não precisar, ou não me importar mais com os “relacionamentos de bolso”

  • Fábio

    Olá “Escrevedora Y”, primeiramente,
    parabéns pela pesquisa, pela vontade de conhecer mais. Agora, antes de dar a
    minha opinião sobre o casamento, darei uma opinião sobre sua pesquisa. Em
    determinado momento você diz “Eu preciso de opiniões meio termo.”. Ora,
    se você está querendo condicionar um resultado final, fica difícil você
    descobrir a realidade como ela é, nua e crua, você irá descobrir somente a
    verdade que lhe convém.

    Sobre o meu perfil (relato), acho que não sou a
    pessoa ideal para contribuir com a sua pesquisa, ainda sou muito jovem (22
    anos), e apesar de ter vivenciado situações que idosos jamais sonhariam em
    vivenciar um dia, eu realmente não me sinto como alguém que possa contribuir
    para a sua pesquisa. Deixe-me viver mais, conhecer mais, e daqui alguns anos
    volto para estes comentários, rsrs.

    Só para não lhe deixar sem respostas, digo: Sim, acredito no casamento, e, pelo
    menos eu, quero um dia me casar e ser feliz à dois (ou à três, quatro,
    cinco…). O casamento, como já foi dito por outra pessoa, é uma sociedade,
    tanto que, para formalizá-lo perante a justiça, precisa-se de assinaturas ou
    uma profunda investigação social. Mas, vou além disto tudo, além das rubricas,
    além da noiva vestida de branco – o casamento em si, como uma convivência
    diária, uma batalha contínua pela harmonia entre os parceiros é uma das
    situações mais complexas que eu conheço – exige paciência, empatia (muita
    empatia!), paixão (alguns gostam de falar amor, achando que isto irá mudar
    algo), amizade, cumplicidade, confiança (não necessariamente fidelidade, mas
    confiança) e outros aspectos. A fórmula de um casamento bem sucedido é um dos
    mistérios da humanidade, pois, encontrar esta fórmula seria o mesmo que
    descobrir, afinal, como as pessoas se interagem, quais são as suas reais
    intenções, quando avançam e quando recuam.

    Enfim, acho que está fazendo a pergunta errada, não
    são apenas os homens que se casam ou desejam esta “sociedade”. Tirando os
    estereótipos impostos pela sociedade, a pergunta que melhor se encaixaria na
    sua pesquisa seria: As PESSOAS ainda querem se casar? Elas acreditam no
    casamento? Por quê?

    P.S. Seria interessante você incluir em sua bibliografia,
    livros e pesquisas que falam sobre o evolucionismo ou algo do gênero, para
    compreender melhor, por exemplo, o porquê das mulheres se sentirem mais
    atraídas pelo “macho-alfa” ou por algum homem com um bebezinho nos braços (ou o
    fato da maioria dos homens olharem mais para mulheres com mais curvas e assim
    por diante). Somos produtos de uma evolução histórica e biológica, seria muita
    ignorância e egoísmo analisarmos nossa sociedade atual (ou o homem atual, como
    tu questionas), analisando somente o hoje – precisamos olhar para o passado,
    tanto sociologicamente (sociológica?) quanto biologicamente falando – é pano
    pra manga!

    Boa sorte!

    • Escrevedora Y

      Fábio, qualquer relato que não esteja no extremo de “mulheres são objetos sexuais” ou “eu busco minha Cinderela” é relevante apenas por isso. Eu não posso concluir que os homens querem se casar apenas para terem alguém para lavarem suas cuecas porque 97% dos meus entrevistados anteriores disseram isso. Eles disseram isso porque o canal que eu busquei essas perguntas reunia homens que pensava dessa forma.

      Por mera observação o perfil do leitor do PdH é mais diversificado, tem alguns extremos, mas a maioria está nesse meio termo a que me refiro. Ao pedir por opiniões meio termo estou me abrindo com o leitor daquilo que eu preciso e não do que quero (até porque não existe o que EU quero). O que não impede em nada de homens que pensam num dos extremos de opinarem.

      E, acredite, eu sei bem o tamanho desse trabalho! Já são dois anos de pesquisa e eu ainda estou engatinhando. Quando começo com um autor, outros sete aparecem falando sobre o mesmo tema apresentando pontos de vista completamente diferentes. Evolucionismo, história da sexualidade humana, feminismo, e outros assuntos não são ignorados, fique tranquilo. rs

      Estou me concentrando nos homens aqui porque o acesso às opiniões femininas é muito mais fácil. Na maioria das vezes eu nem preciso pedir, isso já vem de mão beijada, numa conversa alheia de banheiro, por exemplo.

      E só porque você é jovem, não significa que sua opinião seja menos importante. Você contribuiu bastante para a pesquisa. Obrigada pelo relato, pelas dicas e pelos questionamentos!

      Abraço!

  • Marcos

    Fui casado por 10 anos, separei por causas de brigas e uma traição por parte dela.
    Já 5 anos que estou separado, comecei a aproveitar a vida de solteiro, no início estava só passando a régua pegando todas. Depois comecei a ter relacionamento de bolso, algumas sentia prazer de estar na presença delas, outras só por que não havia outra melhor opção ia ficar.
    Mas cansei desses relacionamentos de bolso, querendo ou não as mulheres começam a cobrar. Ai resolvi dar um tempo para mim mesmo. E nesse tempo percebi que sinto falta de ter uma pessoa ao meu lado. Vida de solteiro tem seu tempo, mas não é para sempre.

    • Jessica

      Depois de se dar o tempo, você sentia falta de uma pessoa especifica, ou de qualquer pessoa?

  • http://twitter.com/TabaCruzFilho Tabaquara Cruz Filho

    Olha, eu vou ser bem direto. Eu QUERO casar sim, só que eu tenho dois impedimentos antes de começar qualquer relação:
    1º: tenho que estar apaixonado/”enlouquecido” pela guria com quem quero começar algo sério. Sem sentimentos verdadeiros em jogo, não me passa nem pela cabeça tentar algo;
    2º: da mesma forma, preciso acreditar que o relacionamento tem “futuro”. Não começo um relacionamento pra ver ele afundar em dois ou três meses. Tenho que estar com alguém com quem eu me veja construindo algo e, sem isso, considero uma furada e perda de tempo me dedicar em um namoro.
    São só duas exigências que faço, mas só isso torna mais difícil do que ficar escolhendo o nível escolar, de renda ou beleza da guria com quem fico ou deixo de ficar.
    Acho a melhor coisa do mundo namorar e até casar (e já fui noivo, recentemente), por isso mesmo acredito que vale muito a pena, mas pra dispender tempo e dedicação como eu acredito que se deva fazer em um relacionamento, a gente tem que pesar bem com quem anda. Por essas razões, principalmente, seguidas de outras como estudos, trabalho e busca da minha própria independência como pessoa, eu tô mais naquele esquema de “vamos curtir um final de semana juntos e depois a gente vê”, o que geralmente acaba em… nada.
    É a vida, é complicado, mas entendo que estamos numa época do mundo onde a gente tem tanta opção que escolher uma só é tão difícil que as vezes parece ser ridículo amarrar o burro no primeiro cantinho com sombra que aparece.

  • http://marcoreis.net/ Marco A. S. Reis

    Eu quero e pretendo. Nesse momento, acabo de terminar um noivado. Se existe um homem “para casar”, sou eu. Bom, agora tenho que usar uma expressão no passado, já que perdi minha companheira. Queria tanto, amava tanto, que acabei perdendo. Fiz coisas que nunca imaginei que seria capaz de fazer. Claro que agora aprendi. Mas o preço foi alto. Perdi a mulher da minha vida.

    No meu caso há alguns detalhes. Tenho dois filhos de outros relacionamentos (tudo isso com 33 anos). Ainda assim, acho que tenho lá meus encantos, afinal, elas queriam se casar comigo. Agora que estou sozinho, vou descobrir o quanto isso pesa na escolha das mulheres.
    Será que existe uma quantidade de vezes que a felicidade bate em nossa porta? Porque acabo de perder a pessoa mais importante, então conta menos um, não é?
    Realmente queria alguém do meu lado. Para passar os dias, para passar a vida. Juntos, éramos fortes e a gente se completava. Ela gostava de sertanejo, eu de rock, juntos a gente ia nos dois. Aprendi a gostar de UFC, ela vinha correr comigo. Fazíamos tudo para agradar o outro.
    Agora fica o vazio. Mas em algum momento terei que preencher com outro alguém. Será que é o caso de entrar no jogo de sedução? Parece que não sou mais capaz de amar, porque gastei todo o coração com ela.
    Acredito sim no casamento. Espero que tenha outra chance, com outra pessoa tão linda e especial como a J.

    • Escrevedora Y

      Marco, há sete anos passei pela situação de terminar um noivado e sei como é dilacerante a sensação de que não haverá outra oportunidade de ser feliz como se era. Só que existe. Não se ama uma única vez na vida, nem se é feliz num relacionamento apenas uma única vez. A felicidade irá bater na porta de acordo com a disponibilidade que deixamos aberta. Os primeiros meses são os mais difíceis. Na época, eu parei para avaliar meus erros, meus acertos, o que eu poderia melhorar, o que eu deveria manter. Talvez ponderar sobre isso te ajude a crescer e superar. Força aí, moço!

  • Mateus

    Eu nunca me casaria. Não sei se é algo que surgiu na minha geração, sempre fui muito apegado as mudanças do meu tempo, não sou do tipo tradicional. Casamento deixou de fazer sentido pra mim quendo coloquei no papel as despesas que tinha com minha namorada e pesquisei mais a fundo o quanto os homens casados gastavam. Achei horrivel, é dinheiro pra caramba. Eu quero realizar sonhos materiais, é isso que a minha geração tanto sonha, fomos ensinados e buscar conquistas, triunfos em formas de carros caros, belas casas, um ape num condominio de luxo, etc. O casamento é um empecilho para realização de tais sonhos. Talvez muitos me critiquem por ser egoísta, materialista e insensível. Mas o mundo é justamente isso. Vejo muitos divorcios de casais que viveram contos de fadas e entraram em ruína financeira. Sendo cético em relação ao assunto, conclui que casamento não é vantajoso pode onde quer se olhe pra ele. Pra tudo o que dizem sobre o casamento, há sempre alternativas. Você pode ter um filho sem ser casado, por exemplo. Pague a pensão e curta as crianças.

    • Priscila

      Pague a pensão, curta as crianças… e deixe as aporrinhações do dia-a-dia das crianças com a mãe?
      É por isso que não quero ter filhos.

  • http://www.facebook.com/people/Hudson-Ferreira/100003189961312 Hudson Ferreira

    Bom eu acredito que vale a pena sim se casar, mas ambos os parceiros, devem estar conscientes que determinadas horas, vao ocorrer desentendimentos, discussões, brigas podem ser evitadas. Eu por exemplo, nunca namorei, só ficava, tinha minhas paixonites, mas nunca amei ninguem, nao sentia por nenhuma, achei estupidez, e ainda por cima eu achava FRACO(a) a pessoa que chorava ou ficava triste com um fim de relacionamento…
    Mas agora eu sei como é se sentir assim …
    Comecei a namorar esse ano e estou muito apaixonada por ela, ela me motiva a mudar, ela é uma das minhas maiores motivações, dedico a voce Débora Paula da Silva <3, QUE SE DANE quem acha que estou sendo meloso …
    Eu quero casar com voce minha pretinha :D.

    Felicidades a todos voces leitores/as do Papo de Homen, e voce que está solteiro/a tambem espero que realmente encontre alguem que voce possa amar ;D, boa sorte e felicidade a todos.

  • Luciene

    Muito bom……

  • Siclano

    Ótimo post, e muitas respostas ótimas. Vou tentar contribuir com uma questão aparentemente boba.

    Por que precisamos casar? Viver um relacionamento sólido (em oposição ao
    líquido de Bauman) é casar como nas fotos do post? Só existe solidez no casamento formal?

    Parece um questionamento banal, mas notem que as ideias de “relacionamento sólido” e “casamento” aparecem entrelaçadas em todo o post e nos comentários. A Escrevedora e os Comentadores talvez nem tenham se dado conta, mas misturam os conceitos a todo o tempo.

    Há um grande equívoco nessa associação. Sei que uma cerimônia pública tem função subjetiva importante, marca a mudança, tenta ser o ato que coroa uma refundação interna. Mas esse é o único desdobramento possível de um relacionamento profundo? Acho que não.

    Meu relacionamento é cada vez mais sólido. Quero ter filhos e tudo mais. Mas não quero casar, não é para mim. Eu recomendo a todos que vivam um relacionamento real, afirmativo, sólido. Mas case apenas quem quiser, sem culpa.

  • http://www.facebook.com/RavocRodrigues Fabricio Ravoc

    Bem um
    casamento tem sido o meu sonho de vida, o desejo do meu coração. Embora
    tenham muitos que não acreditam mais no matrimonio eu sempre
    acreditei, eu vejo vários casais que demonstram se amar, de uma
    maneira que e muito bonita, num toque, no olhar, na forma de falar, em todo o
    jeito de agir, um deles falou para mim “estamos casados a 9 anos mas e
    como se tivéssemos começado a namorar ontem”

    Vendo estes casais eu vejo que
    e possível ter um casamento feliz e quero ainda mais me casar.

    Embora tenham muitos digam o contrario.

    Tem uma outra coisa, quando se casam os dois devem
    entender que passaram a ser “um” o que antigamente eram “minhas
    coisas” passam a ser “nossas coisas”, nessa nova vida eles devem
    correr juntos pelo mesmo caminho para que ambos cresçam juntos,

    Mas as hoje pessoas estão egoístas demais
    preocupados mais consigo mesmas do que com o próximo como pessoas
    assim vão querer dividir uma vida
    se são “individualistas” não conseguem aceitar
    que ninguém e perfeito, e precisam aprender a aceitar as falhas um do
    outro para poderem ficar juntos por toda
    a vida.

    Um padre perguntou a um casam de amigos meus
    “porque querem se casar?”

    Ele disse “eu a amo quero passar minha vida
    com ela”

    Ela disse “quero ser feliz”

    O padre disse “o pensamento de ambos
    tem de ser este, querer se casar para fazer o outro feliz”

    Hoje eles estão em processo de separação.

    Em uma palestra sobre relacionamento a palestrante
    disse “devemos procurar nos relacionar com pessoas que tem uma linha
    de raciocínio semelhante a nossa, pois se não for dessa
    forma não durara pra sempre”

  • http://www.facebook.com/RavocRodrigues Fabricio Ravoc

    Bem um
    casamento tem sido o meu sonho de vida, o desejo do meu coração. Embora
    tenham muitos que não acreditam mais no matrimonio eu sempre
    acreditei, eu vejo vários casais que demonstram se amar, de uma
    maneira que e muito bonita, num toque, no olhar, na forma de falar, em todo o
    jeito de agir, um deles falou para mim “estamos casados a 9 anos mas e
    como se tivéssemos começado a namorar ontem”

    Vendo estes casais eu vejo que
    e possível ter um casamento feliz e quero ainda mais me casar.

    Embora tenham muitos digam o contrario.

    Tem uma outra coisa, quando se casam os dois devem
    entender que passaram a ser “um” o que antigamente eram “minhas
    coisas” passam a ser “nossas coisas”, nessa nova vida eles devem
    correr juntos pelo mesmo caminho para que ambos cresçam juntos,

    Mas as hoje pessoas estão egoístas demais
    preocupados mais consigo mesmas do que com o próximo como pessoas
    assim vão querer dividir uma vida
    se são “individualistas” não conseguem aceitar
    que ninguém e perfeito, e precisam aprender a aceitar as falhas um do
    outro para poderem ficar juntos por toda
    a vida.

    Um padre perguntou a um casam de amigos meus
    “porque querem se casar?”

    Ele disse “eu a amo quero passar minha vida
    com ela”

    Ela disse “quero ser feliz”

    O padre disse “o pensamento de ambos
    tem de ser este, querer se casar para fazer o outro feliz”

    Hoje eles estão em processo de separação.

    Em uma palestra sobre relacionamento a palestrante
    disse “devemos procurar nos relacionar com pessoas que tem uma linha
    de raciocínio semelhante a nossa, pois se não for dessa
    forma não durara pra sempre”

  • http://www.facebook.com/daniel.araujo.96 Daniel Araújo

    Eu quero casar.
    Nao agora. Nao penso nisso no momento.
    Mas acho que um homem só completa seu estagio de desenvolvimento após casar-se e ter uma família. Minha família toda tem poucas historias de casamentos curtos, somos tradicionais. E acredito no casamento religioso como sendo a única parte do negocio que vale. O civil é só um papel.
    Tenho uma visão que acredito realista do mundo, e das mulheres. Mulheres querem um cara firme, de personalidade forte que as segure nas múltiplas inseguranças. Por isso creio que casar tenha que ser na hora em que o cara se considere pronto.
    Nao sou fácil e tenho muitos relacionamentos desses de bolso. O feminismo, na verdade, é péssimo para as mulheres. Eu penso, hoje em dia, em casar-me lá pelos 35. Uma idade boa para homens, mas péssima para mulheres. O relógio biológico é cruel. Então, o feminismo me deu a oportunidade de me divertir muito antes de um compromisso serio, dado we tenho boa aparência e, modéstia a parte, me viro bem com mulheres.
    Todos os homens casados que se separam se casam de novo se puderem. Casamento é bom pro homem. Tem seu preço, masum dia eu nao serei mais jovem e galinhar velho é bizarro. Por isso quero minha hora de sossegar e envelhecer ao lado de uma, e uma única, mulher.

  • http://www.facebook.com/laismourie Lais Mouriê

    Inconformadamente na mesma posição que você, Escrevdora Y. Acredito que eles existam, mas acredito também que os encontros, por estarem superficiais ao extremo, impossibilita a imersão no outro, necessária para despertar essa comunhão. Há, de ambas as partes, homens e mulheres, uma generalização que exclui o encontro que resulte em construir o amor.

  • http://www.facebook.com/gregorio.manoel.9 Gregório Manoel

    Eu tenho 25 anos, sou solteiro. Não estou pensando em casamento ainda, mas não estou (nem de longe) avesso à possibilidade. Não entendo do assunto, mas o que eu penso é que uma esposa é uma amiga que a gente leva pra cama. Alguém que será o seu apoio nas horas difíceis assim como vc será o dela. Alguém que vai cuidar de vc assim como vc dela. Gosto de ver os casais antigos, como um cuida do outro. Bem, é isso aí.

  • Jéssica

    Sou mulher, e um dia desejo me casar. Namorei, me relacionei e creci perto de uma pessoa por 10 anos. Pensei que com ela iria até o fim, mas terminou. Vejo hoje que o relacionamento dava sinais de cansaço a alguns anos já. Diferenças demais, esforço de menos. Hoje, sou solteira e estou em paz e calma. Tenho alguns “relacionamentos de bolso”, mas não penso neles de maneira séria pois nenhum deles me surpreende, me faz desejar mais, me proporciona o que eu gostaria como um parceiro. Não existe a parceiria, a vontade de viver a vida junto e pegar algo e criar com carinho. Vim a acreditar que as pessoas não tem mais pressa. Elas ficam no “vamos ver o que vai dar disso”. Homens, o que faz vocês pararem de pensar “no vou curtir o que vier” e começarem a considerar o “acho que vale a pena me dedicar a uma pessoa”? Isso acontece em algum momento com algum relacionamento de bolso?

  • renato

    O casamento é apenas um contrato. Um ritual. O que vale é amar e ser amado. Sou casado porque conquistei antes o amor, tanto o meu pra ela, quanto do dela “pra eu”.

  • risvaldo

    eu quero casar

  • Alex Almeida

    Do meu ponto de vista o casamento é apenas uma cerimônia religiosa onde você mostra pra sociedade (leia-se colegas, amigos e familiares com uma visão tradicional – ortodoxa) que está disposto a viver, a constituir uma família com aquela pessoa que está com você. Não é algo que você prova a si mesmo, mas uma prova que você dá para os outros.

    Concordo em número, gênero e grau com o comentário de um dos leitores: “O casamento é a mais doída troca que um homem pode fazer: o mundo inteiro por uma só mulher. Assim, para querer casar, o homem tem qu e ter a certeza, em cada célula do seu corpo, de que nada e ninguém pode fazê-lo mais feliz que aquela menina. Que ela o basta, e que é somente o que precisa para estar em paz.”

    Tenho 24 anos e sai recentemente de um relacionamento (namoro com 4 anos de duração), acho que é comum o casal criar expectativas quanto ao casamento, principalmente em relacionamentos duradouros, como no meu caso. E para minha ex um pedido de casamento seria exatamente isso, seria mostrar para ela que eu estou disposto a passar uma vida inteira com ela num compromisso sério e fiel, e que mais do que nunca faria de tudo para fazê-la a pessoa mais feliz do mundo.

    Acho que essa é a essência da vida, o objetivo final, construir uma família e viver o “até que a morte os separe” com alguém. Pode não ser hoje, agora, mas um dia vai acontecer com todos, basta encontrar a pessoa certa para isso.

  • Rogério

    Definitivamente para mim, casamento é uma questão de personalidade, ou seja, se você não é a favor, ou não se importa, não se deixe levar pela “cobrança da sociedade”. Quem disse que temos que nos casar ?
    Quem disse que temos que ter filhos ?
    Será que temos que fazer o que todos fazem ?
    Sou um solteirão convicto (42 anos) e feliz tendo várias mulheres, e isto é tudo o que importa ! Da minha vida cuido eu, porque afinal de contas sou eu que pago pelas consequências dos meus atos…

  • Jander Costa

    Olá, me chamou muita atenção o título do texto, daí pra gostar do conteúdo foi um passo. Acho muito conveniente o tema e posso contribuir com sua pesquisa, porque já fui casado, me divorciei, iniciei um namoro (que durou 02 anos) e agora estou solteiro, e adorando essa nova fase.
    Creio que nós homens também temos o sonho de uma vida a dois, e lutamos para encontrar nossa cara metade. Como sou heterosexual, minha cara metade durante 20 anos foi a mãe de meus três filhos.
    Hoje, em razão desse longo compromisso e de outro nem tão longo assim – mas ainda assim um compromisso – digo que me cansei de algumas coisas que existem em uma união cotidiana, ingredientes que a fazem implodir com o passar do tempo.
    Não me vejo mais “casado” nesse momento. No futuro, a médio ou longo prazo (5 ou 10 anos) até poderia ser, desde que a outra parte também tivesse uma maturidade que proporcionasse a ambos uma paz, uma calma, uma saudade que faria mudar meus atuais conceitos.
    10 anos depois que meu pai faleceu, minha mãe começou um outro relacionamento que já duram 17 anos. E vejo neles a tranquilidade dos dias iniciais. E o que mais me chama atenção, nesse caso, é o intervalo que ambos se dão. As vezes passam dias, semanas para se reencontrarem, mas a cumplicidade é quase cotidiana, através de simples, breves, mas ternos telefonemas.
    Vejo então que esse “tempo” que foi encontrado por eles, é o combustível para manter essa relação por esses anos todos, sem DR’s, sem agressões, sem tolhir vontades, sem ciúmes, etc. Coisas que normalmente é o desintegrador de amores e paixões.
    Penso que as relações de bolso seriam uma proposta aceitável, desde que consentidas pelas partes, e mais que isso, fizesse de cada momento, um momento ímpar, apesar de serem muitos.
    Não sei se todos os homens. Seria muita pretensão minha, mas falo por mim. Continuo acreditando no casamento, porque fui muito feliz nas duas vezes em que me relacionei seriamente com mulheres.
    Tive a melhor das heranças que foram o nascimento, criação e convivência com meus filhos, e nisso tudo, aprendi bastante. Mas aprendi sobretudo com essas relações. Aprendi, por exemplo, que ninguém muda ninguém, e que é preciso termos muita semelhança com a cara metade, porque essa história de “complementariedade”, ou seja, que os opostos se atraem é balela, conversa fiada!

    Grande abraço, espero ter contribuído!

  • http://www.facebook.com/people/Antonia-Ferreira/100000018631182 Antonia Ferreira

    Era uma vez uma porta… kkkkkk adorei.

  • http://www.facebook.com/Taylaan Matheus Taylan

    O fato é que cada um tem uma experiência diferente, o que vale pra um pode não valer pro outro. Cada caso é UM caso e só se tem conhecimento após vivenciar.

  • Juju

    Oi, sei que a pesquisa se refere aos homens, mas gostaria de falar o que eu penso. A palavra casamento já carrega um fardo histórico pesadíssimo. Como já foi falado o casamento surgiu como uma forma de negócio, juntar famílias, dividir despesas, era escolhido pelos pais ou responsáveis, essa história de casar por amor é muito recente. Eu não gostaria de viver um relacionamento que carregasse este nome.

    Por outro lado acredito que na vida aconteçam encontros. Dos mais diversos tipos. Uns duram uma noite, outros um ano, 5 anos ou talvez 30. A duração destes encontros vai depender de diversos fatores de ambos os lados. Acho que, dependendo do momento, as pessoas vão morar juntas ou não, optam por ter filhos ou não, enfim, os relacionamentos podem “dar certo” por um tempo (que pode ser bem longo), da forma que ele for definido.

    Acho perigosa a ideia de que as pessoas tem que encontrar uma “alma gêmea” para serem felizes. Gera expectativa, frustração e torna a relação pesada. Até a experessão “dar certo” que usei a cima é perigosa, por que classifica os encontros que se dissiparam como se tivessem “dado errado”.

    Tenho 31 anos e tive três encontros mais significativos em termo de tempo. Um que durou 4 anos, e resultou em um filho, outro que durou 6 anos e outro 1. Foram histórias muito importantes e, de verdade, amo bastante cada um deles, inclusive o primeiro que foi uma relação muito conflituosa. Não classifico nenhum como o mais importante, Assim como não acredito que encontrarei alguém que amarei mais, apenas diferente. Cada encontro é tão diverso…

    Esta é a minha contribuição para a discussão,

    Abraço

  • Pingback: Meditamos, testamos QI, melhoramos a performance e a Disney não comprou o PdH: Outubro foi foda | PapodeHomem

  • http://www.facebook.com/eduardo.henrique.798 Eduardo Henrique

    Escrevedora Y, sou novo no site papodehomem e encontrei seu artigo e achei bem bacana. Meses atrás escrevi uma crônica sobre casamento, gostaria de enviar pra ti, tem algum endereço de email? Abraços.

  • Felipe Meneghetti

    É engraçado em como nos identificamos quando lemos
    depoimentos sobre acontecimentos da vida de alguém. Até achei semelhança na
    maneira em que falou sobre as amizades de bolso, acabei percebendo isso da pior
    maneira.
    Mas enfim, sobre relacionamentos, citou sobre sua pesquisa e tal, que foram
    relatos de extremos, que “todas as entrevistas masculinas coletadas são de extremos,
    ou são de fulanos que encaram as mulheres apenas como objetos ou de homens que
    ainda esperam a princesa”. “EU” acredito que se não for assim, como vai ser ??
    É que é um pouco difícil pensar em meio termo, porque quando se começa a “pegar”
    por diversão, pra alimentar o ego, seja la o que for, o prazer fala mais alta,
    colocando em cheque a questão: “se eu for firmar um relacionamento, perco todas
    as oportunidades de diversão pelo mundão a fora”, isso falando do “pegador ético”,
    porque c quiser pensar em um cara que te faça mil promessas e continue fazendo
    o arrastão, isso também esta cheio por aí !!
    E o outro lado da moeda, a espera da “metade da laranja”, pô, tem como não pensar/desejar
    alguém que não seja especial quando se pensa em algo serio, pra levar pro resto
    da vida !?!?
    Tudo bem que tem o fator “ninguém é perfeito” mas cada um acaba vendo da forma
    que sua consciência permite. E não tem aquele que aproveita até o “caroço” e
    encontra alguém que faça a calma aparecer?? E aquele que por uma decepção vira
    chave de cadeia ??
    Acho que geral pensa da mesma forma, nos moldes amizade de bolso, mas no modo relacionamento,
    aquele tipo “pouco se lixando”, se der certo deu se não deu vamo pa próxima,
    esperando que o outro faça, sem quere fazer primeiro, querer ter do outro, sem
    se fazer por inteiro na relação.
    Acho que é por isso que ensinamentos sobre ser feliz por você mesmo esta mais
    que correto, pois quando se exercita isso, quem é que não vai ficar bem do seu
    lado?? E um casamento não será isso?? Um querer do outro o melhor que possa ser
    ??

  • Pettsouza

    Bela questão. Sonho em me casar, apesar de ter sim alguns relacionamentos de bolso. E com certeza vou chorar mais que todos esses caras da foto. Porém não acho uma escolha simples de se fazer. Prefiro manter meus relacionamentos de bolsos até o dia que eu encontre alguém que eu não queira largar nunca mais. E que essa pessoa também não queira me largar, obviamente. A manutenção desse “grude” é responsabilidade dos dois.

  • Pingback: Bom dia, Antonella Roccuzzo (vulgo “A namorada de Lionel Messi”) | PapodeHomem

  • Vida Boa…

    Olha, sei lá, talvez ninguém leia isso, mas eu gostaria de compartilhar assim mesmo. Não sou homem, sou mulher. Já vou num relacionamento faz quase dois anos. Não um relacionamento qualquer, mas o primeiro relacionamento tanto meu quanto do meu namorado. E olha que nós dois já passamos dos 20, e ele já está quase nos 30.

    Antes sequer de ele me pedir em namoro ele me disse que gostaria de ficar comigo para sempre. Não vou negar que isso me assustou um pouco, mas descobri que isso é sincero, e a ideia que ele tem realmente é se casar comigo (e se pudesse faria isso amanhã). Eu também quero muito me casar, sonho em ser mãe, em ter minha casa, meu marido para cuidar. Estamos no penúltimo ano de faculdade, e se tudo der certo até o fim do curso, o caminho mais natural é que nos casemos mesmo, é o que queremos, e estamos nos planejando para isso.

    Antes de sermos namorados, somos bons amigos, creio que isso ajude bastante. Acho que nem eu nem ele jamais tivemos alguém com quem compartilhássemos tantas coisas, coisas que eu não contaria nem a minha melhor amiga, ou a minha irmã, ou a meus pais. O sexo é bom. Nenhum de nós tínhamos tido nenhuma experiência anterior (éramos dois punheteiros profissionais), e até hoje estamos indo com calma, ainda não fizemos “de tudo”. É bom guardar, saborear aos poucos, como um bom vinho. Mas sexo também não é tudo. Às vezes ficamos um dia inteiro, sozinhos em casa, apenas vendo tv, jogando video game ou vendo porcaria no youtube, sem nem sequer atingir a primeira base.

    Fazemos uma boa faculdade de direito, e temos a perspectiva de termos bons empregos, com salários altos, não sendo impossível (mas até bastante provável) que em dez anos tenhamos uma renda de 40 mil reais mensais (em valores de hoje), sem no entanto termos de trabalhar demasiadamente. Assim sendo, o dinheiro, que parece ser o maior estraga-casamentos do mundo, não deverá ser um problema. Também ajuda o fato de sermos dois confessos pão-duros, e portanto nossos gastos dificilmente serão proporcionais a nossos rendimentos, mas sim muito menores, abrindo espaço para, quem sabe, uma aposentadoria precoce para assim podermos aproveitar bastante o fim da vida juntos.

    Nenhum de nós nunca foi de “curtir a vida” à maneira moderna, ou seja, baladas, bebidas, ficadas de uma noite… Aliás, ele muito menos do que eu. Assim sendo, não temos motivos para sentirmos saudades de nossa vida de solteiros.

    Temos gostos em coincidência, gostamos de conversar sobre as mesmas coisas. Às vezes as pessoas nos olham assustadas por conta do assunto de nossas conversas. É divertido. Não que não haja diferenças. Discordamos veementemente quando o assunto é política, futebol ou religião. Ah, justamente as coisas que causam mais brigas. Mas o fato de conversarmos sobre essas coisas também, sem brigarmos, me deixa confiante para o futuro. Ah, sim, por falar nisso, nunca brigamos, por nada. Claro que às vezes rola um atrito, um pequeno desentendimento, mas um sempre tenta compreender o outro, falar o que pensa com racionalidade e a gente se acerta muito rapidamente. Em 10 minutos esquece o que aconteceu.

    A gente convive muito tempo junto. Estudamos juntos, e gastamos a maior parte do nosso tempo juntos também. Conhecemo-nos muito bem. Ninguém liga de peidar ou arrotar na frente do outro, de se lambuzar de comida, de cutucar o pé ou enfiar o dedo no nariz.

    Sinceramente, acho difícil encontrar outra coisa assim. Mas enfim. Encontrei um homem que quer se casar – e logo. Mas em nosso caso existe uma série de características que são bastante específicas e raras, o que na minha opinião contribui para as chances de sucesso aumentarem – e mesmo assim é impossível de deixar de sentir aquela insegurança.

    Por fim, a mulher não foi programada geneticamente para ter vários relacionamentos sem profundidade. Ela é feita para a monogamia, inclusive o prazer sexual que ela tem é profundamente relacionado com isso. A mulher nunca vai se sentir bem sendo a “pegadora”, estilo “macho-alfa”. Já o homem é protetor por natureza, sente-se bem num relacionamento monogâmico, mas a monogamia é, para ele, mais um fator cultural. Não necessariamente negativo – pelo contrário, sociedades monogâmicas são mais evoluídas – mas sem tanta carga biológica.

  • Guest

    A propósito, minha foto chorando no altar é uma das coisas mais feias que já vi. Eu choro fazendo careta e putz…

  • http://www.facebook.com/filyppe Filyppe Saraiva

    A propósito, fizeram fotos minhas chorando e ficaram uma bosta… Eu choro fazendo careta e nem de longe transpareceu o quanto estava feliz naquele momento.

  • Marcelo

    sua proposição partiu do lugar errado: você não definiu o “o quê” – que é justamente o que é casamento que você espera. Definido o “o quê” fica mais fácil dirigir a pergunta para o público alvo certo.

  • Diego Luke Santana

    Resposta: sim. A criatura mais aloprada que eu conheço se casou e eu fiquei impressionado com uma foto do casamento: enquanto a noiva estava calma e concentrada, ele estava chorando feito uma criança. Brincou muito até na hora de dizer sim, mas depois perdeu a pose.
    Casar implica em dividir, equalizar. Você tem que ser criado e direcionado desde sempre a saber que, se você gosta de alguém, vai ter que equilibrar suas vontades e necessidades às da pessoa que você (teoricamente) ama.
    Sim, eu quero muito casar. Já tive namoros de bolso, mas tem um ponto em que cansa, irrita, é perda de tempo. Já tive namoros sérios (pelo menos pra mim) em que era eu o namorado de bolso. Mas isso já passou.
    Fui criado por uma feminista a depender emocionalmente de uma mulher. Se acredito em princesas modernas? Vejo um monte ao meu redor (Você, Escrevedora Y, pode ser uma delas). Mas se eu quero me casar é porque acredito que casamentos podem ser felizes e duradouros.

  • Lara Andrade

    Os que já tem namorada está fácil ! O ruim é se os homens, solteiros ainda pensam em encontrar uma mulher e se casar … se eles tem esse propósito ! Isso é que é …

  • ju

    LEIA SOZINHO porque
    no passado eu também
    não acreditava que ia dar
    certo, mas? funciona
    mesmo!!! Entrei neste site
    e fiz esta prece. Fiz para
    ver se ia dar certo e deu,
    assim que acabei meu
    amor ligou. A pessoa que
    eu copiei também não
    acreditava mas para ela
    também funcionou!
    AGORA VEREMOS? Diga
    para você mesmo o nome
    do único rapaz ou moça
    com quem você gostaria
    de estar (três vezes)?
    Pense em algo que
    queira realizar na próxima
    semana e repita para
    você mesmo (seis vezes).
    Se você tem um desejo,
    repita-o para você
    mesmo (Venha cá ANJO
    DE LUZ eu te INVOCO
    para que Desenterre AA
    de onde estiver ou com
    quem estiver e faça ele
    ME telefonar ainda hoje,
    Apaixonado e
    Arrependido, desenterre
    tudo que esta impedindo
    que AA venha para MIM
    l, afaste todas aquelas
    que tem contribuído para
    o nosso afastamento e
    que ele jnc não pense
    mais nas outras? mas
    somente em MIM. Que
    ele ME telefone e ME
    AME. Agradeço por este
    seu misterioso poder que
    sempre dá certo.
    Amém?). Publique esta
    simpatia por três vezesSó
    mesmo esta simpatia,
    quero compartilhar com
    você a minha alegria e
    mostrar que se para mim
    deu certo para você
    também dará basta copiar
    e colar por três vezes em
    inforum diferente esta
    simpatia abaixo e logo
    em 48hs você terá uma
    linda surpresa, beijos
    Ainda esta noite de
    madrugada o TEU amor
    dará conta de que TE
    ama, algo assim
    acontecerá entre 1 e 4
    horas da manhã esteja
    preparada para o maior
    choque de sua vida! Se
    romper esta corrente terá
    má sorte no amor

  • Regina

    Suponho que você seja jovem, trinta e poucos anos no máximo, e ainda não tenha se casado e tido filhos.
    Porque, para a geração mais velha, as mulheres é que não querem mais casar, Homens de mais de 50 anos, quando se separam, já têm uma nova
    mulher em vista. Quando ficam viúvos, em menos de três meses já casaram de novo. Suponho que não saibam como resolver o problema das camisas mal passadas, da limpeza, da comida.
    Já as mulheres, como sempre se encarregaram disso, passam a cuidar de uma pessoa só – elas mesmas – e se não estiverem com saco de cozinhar pedem comida no restaurante. Prá que casar??? Não é muito melhor ter um namorado que vem e volta no fim-de-semana, ou te leva prá viajar, faz amor, faz companhia mas lava as próprias cuecas – ou leva prá outra mulher lavar – a empregada que ele paga, ou a mamãe?! te esconjuro!-
    Sou uma mulher na faixa dos setenta anos e tenho, há dois anos, um ficante/ namorado/ rolo que ainda não tem cinquenta. Graças a Deus, ele é um homem criado por uma mulher da minha geração, tem uma bela casa, sabe cozinhar prá si mesmo, tem uma empregada. Divorciado, com filhos, ganha bem.
    Também sou uma mulher bem sucedida, independente, que sempre trabalhou, feminista desde criancinha…
    O que queremos um do outro? Sexo maravilhoso, boa companhia, papo divertido e inteligente, cumplicidade, respeito, tesão e carinho. Que bom, né?. Quando vamos prá minha casa, eu faço café prá ele, quando vamos prá casa dele ele faz café prá mim.
    Espero que as moças da sua idade encontrem rapazes como ele, sem machismo, que gostam de verdade das mulheres – por isso o sexo é tão bom… – que não se consideram provedores e não pedem à sua mulher que seja sua mãe…
    Sinto orgulho de pertencer a essa geração de mulheres e de ter criado meus filhos e minhas filhas de modo diferente. Estou recebendo a recompensa, na forma de um “novo homem” que, espero, não seja tão raro assim.

  • Andre Martines

    Eu decidi casar para morarmos juntos e cada um ter o seu espaço em casa. Além de cumprir meus compromissos familiares, sempre que houvesse tempo, eu queria ter um espacinho para os meus hobbies (livros, música, desenho…). Contudo, eu vi que as coisas não funcionam assim. Não há o respeito por um espaço seu e parece que nem a casa dos pais onde você nasce debaixo de um teto de pressão e obrigação. A mulher quando casa fica sem graça, muito racional, não é mais aventureira e qualquer coisa é sinal de medo e pânico (não abra a geladeira, criança, você vai ficar doente!!!!). Eu vou embora e morar sozinho! Uma pena que por mais que eu explique isso a ela, no fundo, eu só vejo nela condicionamento e repetição do que os nossos pais faziam. A verdade é que ninguém foi feito para o outro e sim, você foi feito para si mesmo! E a maior maturidade no ser humano é ele ser capaz de ficar sozinho tanto quando ficar na multidão!

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5533 artigos
  • 661569 comentários
  • leitores online