Contra o aumento das tarifas de ônibus: o protesto que eu não vi pela TV

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Chivas logo

Já fui em algumas passeatas ao longo da minha vida. Em São Paulo vi, in loco, quatro delas: “Gente Diferenciada”, “Sopão”, “Pinheirinho” e, terça agora, contra o aumento das tarifas de ônibus em São Paulo. Não sou filiado a nenhum partido e me considero um cara bem comum, talvez por isso só tenha tido acesso as manifestações mais divulgadas na mídia.

Ao chegar em casa, liguei a TV e vou dizer o que assisti:

“Fogo! Manifestantes queimam ônibus e entram em conflito com a policia!”
“Mais de 20 pessoas são presas protestando pelo aumento de 20 centavos. Agora elas serão soltas sob fiança de, no mínimo, 20 mil reais”
“População assustada em terminal foge de confronto entre policiais e manifestantes no centro de SP”

Acabou.

Agora contarei o que vivi:

Pela primeira vez me senti no lugar correto, para usar o novo jargão do protestante 2.0: “A passeata que fui me representa”.

foi-3

Terça feira,

17:00 hrs

Uma pequena multidão se concentra entre as Av. Paulista e Consolação, em São Paulo.

A manifestação era contra o aumento da passagem para o transporte público na cidade. Uma japa me recebe simpática, explicando que este é um movimento pacífico e que seria legal eu ter em mente a não agressão evitando confrontos com a polícia, pois estes só diminuiriam o real impacto do que a passeata representava, um ato de cidadania.

17:30 hr

Conheci dois caras que estavam tranquilos, dando risadas do tiozinho que vendia apitos. Ao mesmo tempo, ao meu lado, três mascarados, um V de Vingança, um de máscara cirúrgica e um de lenço tradicional. Todos olhando para o horizonte (que dava numa parede de esquina) e sendo fotografados por dois veículos de imprensa.

Ninguém fotografou o tiozinho engraçado do apito, ou a japa simpática que me recebeu. Eu não os culpo. Qual seria matéria?

“Oriental bacana fala sobre cidadania”

ou

“Protesto tem senhor do apito mais engraçado dos últimos tempos”

Não, eu não culpo a mídia.

18:00 hrs

Encontro, ao vivo, um amigo de Facebook e também o camarada que mora comigo. Seguimos juntos o começo da passeata, escoltados por policiais e sem nenhuma tensão entre nós.

19:00 hrs

foi2

Começa a cair uma chuva de surpresa. Achei que, nessa hora, a coisa ia acabar. Muita chuva. Penso comigo que, se fosse do governo, eu sempre aumentaria as tarifas em janeiro e fevereiro. A chuva sempre deve acabar com as passeatas.

Não foi o caso dessa vez.

A tempestade, ao invés de vir pra acabar, veio pra participar e caminhou conosco por cerca de 40 minutos (pelo menos foi o tempo que durou na minha mente) .

19:15 hrs (ou algo assim)

Estávamos quase no acesso da 23 de Maio. Do nosso lado, uma massa se ergueu e tomava um lado todo da pista. Do outro lado, uma marcha oposta, de máquinas que andavam na mesma velocidade que nós. Quem sabe para que protesto eles estavam indo?

Policiais continuavam lado a lado com manifestantes, nada acontecia.

19:16 hrs

Temos a aparição do primeiro imbecil:

“Caras! Para tudo! Pegaram um dos nossos ali atrás e ele não estava fazendo nada. Estão batendo muito nele, vamo lá!”.

Temi neste momento. Aquele cretino estava logo atrás de mim a passeata toda, com certeza ele não viu muito mais que eu.

Notei, sim, que tinham alguns caras pichando muros na cara de uns policiais numa rua paralela à nossa. Imagino que não tenha sido uma atitude inteligente, então, não esperava por uma solução muito inteligente.

Graças à deus, o nanico manipulador não recebeu muita atenção e as pessoas sacaram que ele só queria arranjar briga, visto que nem era amigo dos pichadores e que, até onde eu vi, não tinha ninguém apanhando da maneira que ele disse.

19:30 hrs

Continuamos gritando cantos e, nos intervalos, pra respirar, bolamos uns possíveis gritos que alcançariam mais audiência na multidão como “Gaúcho é se-le-çãaao” ou  “Kassab reprimidoooo”. Não tem muita graça agora, mas na hora foi divertido.

Nunca entendi porque as manifestações sempre são retratadas de maneira tão tétrica. Todas que fui via pessoas rindo e conversando.

19:40hrs (o horário não está preciso, não checava o relógio de minuto em minuto)

foi4

Quase no fim da caminhada, vejo uma correria. Vamos para o segundo no hall da fama de cretinos: um ônibus parado começa a pegar fogo.

Nesse instante, alguns caras de lenço no rosto (não mais que 15) saem correndo e comemorando. Dez metros de distância, ouço o grito redentor:

“Desnecessário!”

Foi ali que me senti no lugar certo. A grande maioria estava criticando instantaneamente aquele ato imbecil feito por caras que estavam mais preocupados em pichar o “A” da anarquia do que fazer qualquer outra coisa.

19:45 hrs

Uma menina começa a falar que tem mais é que queimar tudo. Começamos a discutir e ela manda algo bem elaborado: “Você só protesta no Facebook”. Tento explicar que ela acertou e que eu e minha roupa alagada éramos todos parte da nova realidade aumentada que comprei na Apple. Ela fala algo que eu não entendo por causa do lenço na boca, eu mando ela pro inferno.

Seguimos nossos caminhos.

19:50 hrs

Paramos de andar, a passeata chega ao fim. Finalmente sinto que participei de algo ao lado de pessoas que tinham o mesmo pensamento que eu, que não estavam lá pra defender um partido ou uma causa específica, mas sim por indignação pelo tratamento concedido por parte dos nossos representantes públicos.

20:00 hrs

Começo a ir embora. Quando saio do local, não estão mais do que 400 pessoas por lá (éramos 5 mil, segundo a polícia). Antes de partir, o cara que mora comigo puxa ligeiro um pacote de bolachas.

Parecia o dia perfeito. Eu, azul de fome, algo que valeu a pena participar e ... bolachas.

Dividimos o pacote com três punks pré-adolescentes que nos deram água.

Subindo a rua e passando por policiais, ouvi duas conversas sobre futebol e uma sobre um pilar (que eu não entendi nada). Um policial me viu com panfleto na mão e perguntou:

“Ei, quando é o próximo?”

Falei que era na quinta.

“Ufa, ainda bem que vai ser na minha folga. Puta chuva!”

Rimos juntos, ele me deu boa noite e eu desejei a ele um bom trabalho, seguimos cada um nosso caminho.

foi1

Diferente dos protestos ao redor do mundo, nós não gritamos “palavras de ordem”. Aqui no Brasil (mais especificamente o que vi e vivi em São Paulo), até os gritos de guerra mais pesados viram festividades em forma de marchinhas: “vem pra rua vem!”. Quem estava lá entende. Não era agressivo. Era festivo.

Sinceramente, seria muito bom se víssemos isso como uma qualidade e não como defeito. A agressividade sendo trocada por chamados de convívio mútuo a de ser comemorada e louvada.

Lá, antes das 20hrs, tínhamos tudo, consciência política, participação, voz e alegria. Esta foi a passeata que eu fui e assim ela terminou. Não foi a passeata que assisti pela TV ao chegar em casa, quando aquela minoria que restou resolveu quebrar tudo e roubou as manchetes da melhor e mais bonita manifestação que já participei.

Eu poderia culpar a mídia, o anão manipulador, a policia, os V de vingança que ficaram depois do fim da passeata pra fazer sabe-se lá o que. Mas nada disso iria ajudar em coisa alguma.

Não fui lá para encontrar culpados, mesmo porque, os verdadeiros culpados não estavam por lá. Fui porque não aguentava mais gritar e não ter voz. Fui por mim, pelo meu vizinho, pelo tiozinho da padoca. Fui principalmente, para tirar minhas próprias conclusões.

Sou workaholic (como bem sabem os que me conhecem). Tenho 28 anos e uma pequena empresa.

Quinta tem mais protesto. Eu não vou.

Por quê?

Vou ter que trabalhar pra caramba para compensar ter encerrado tão cedo o expediente na terça.

Mas torço para daqui um ou dois meses nos encontrarmos na chuva, no meio da rua, gritando cada um da maneira como pode,  que ainda é possível.

E principalmente, acreditando nisso.


publicado em 12 de Junho de 2013, 08:03
11304492 1107811912567819 865753018 n

Bruno Passos

Pintor e dono da Conto Figueira. Ama livros, filmes, sol e bacon. Planeja virar um grande artista assim que tiver um quintal. Dá para fuçar no Instagram dele para mais informações.

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: