Futebol não é uma questão de vida ou morte

Leonardo Luz

por
em às | Esportes, No ângulo


Futebol não é uma questão de vida ou morte; é mais importante que isso.

A frase é do ex-técnico inglês Bill Shankly. E tem sentido.

Quando eu era garoto, na década de oitenta, eu não tinha nenhum amigo que não torcia para time de futebol. Um ou outro gostavam de times de outros estados, porque um dos pais era de lá ou porque já haviam morado lá. O tempo passou. E na adolescência uns poucos amigos aficionados na NBA como eu era tinham seu time de futebol e um de basquete na liga americana. O meu era o Miami Heats. Mas mesmo decorando os nomes de todos os jogadores da Liga, ainda tínhamos um time de futebol.

Mas hoje em dia isso mudou.

Hoje em dia é comum os jovens com menos de 35 anos não terem times de futebol. E mais: abominarem o esporte. Há pouco tempo mesmo li um texto que praticamente chamava de imbecis todos nós que torcemos, morremos e choramos por nossos times. Essa é mais uma daquelas modas dos intelectuais da seção de “Filosofia e Auto Ajuda” das livrarias. Virou moda falar que futebol é alienação, que eles estão ganhando dinheiro enquanto nós nos descabelamos pelos nossos times e outras baboseiras intelectualóides. Dentre os argumentos usados pelos filósofos de livros de aforismas estão absurdos como “os times mudaram, então o Fluminense de hoje não é o mesmo Fluminense que cinquenta anos atrás”, “enquanto eles ganham dinheiro você está aí se matando”, e a minha preferida: “eles não estão nem aí pra você”.

Eles ganham dinheiro como a sua banda preferida ganha dinheiro enquanto você fica aí fazendo propaganda dela de graça. Ou como seu autor preferido ganha dinheiro enquanto você o idolatra.

Qual a diferença?


Link YouTube | “Eu vi o Zico…” 

E não me venham citar Seinfeld ou outros intelectuais e famosos que também pensam assim. Do meu lado tenho Carlos Drummond de Andrade, Luiz Fernando Verissimo, João Cabral de Melo Neto e o Mestre Nelson Rodrigues. Todos geniais escritores e todos fanáticos não só pelos seus times, mas por futebol. Isso fez de algum deles um imbecil? Um escritor pior? Não. Todos eles eram escritores tão geniais que não abriam mão de sua humanidade, como fazem alguns autores que querem parecer “sérios” e acabam fazendo papel de bobos. Isso de criticar o popular para parecer erudito faz tanto sentido quanto se achar de direita só porque não gosta da esquerda.

Futebol para quem gosta. Mais do que questão de vida ou morte. Muito mais. Como disse o Nelson Rodrigues, você não escolhe o Fluminense, o Fluminense escolhe você. E assim é com qualquer torcedor de verdade. Torcer é não conseguir ter nem simpatia por outro time. É não conseguir torcer por outro time nem se ele jogar contra um combinado de nazistas com deputados federais. Torcer de verdade é cumprimentar um estranho na rua só porque ele está com a camisa do seu time, e passar longe do que está com a camisa do time rival. É ir dormir sem acreditar naquilo quando o seu time perde um campeonato, e acordar torcendo pra ter sido um sonho, e continuar assim durante dias.

Torcer é defender seu time mais do que você defenderia a você mesmo, é se sentir parte do seu time, é não conseguir rir de uma piada com o seu time mesmo se ela for engraçada. É se pegar cantando o hino do seu clube sem motivo, é não ser capaz de sequer encostar na camisa do rival e, se encostar, limpar as mãos depois como se as tivesse afundado em esterco de porco. É se sentir mal em sequer falar o nome do rival e não entender como pode ter gente que torce para ele! É torcer para o seu time mais do que para a seleção do seu país. Torcer de verdade é torcer para o seu time em campeonatos de botão, bocha, gamão, xadrez, corrida de cavalo, onde quer que tenha alguém o representando.

Torcer de verdade é não conseguir entender como alguém pode não torcer para o seu time.

Portador de de paralisia e respirando com ajuda de aparelhos, Rafael Silva realiza um sonho: conhecer o estádio do seu time. Como explicar isso? Não será com um artigo.

Ser fanático pelo seu time não te faz melhor que ninguém, mas tampouco te faz pior. E nós não somos fanáticos pelo nosso time. Nós somos o nosso time. Torcer por ele é torcer por nós mesmos. Chorar por ele é chorar por nós mesmos. A vitória dele é a nossa vitória.

Explicação para isso? Quem liga?

Já dizia Nelson Rodrigues:

Eu vos digo que o melhor time é o Fluminense. E podem me dizer que os fatos provam o contrário, que eu vos respondo: pior para os fatos.

Os fatos refutam o fanatismo pelo futebol? Pior para os fatos.

Leonardo Luz

Fã de polêmicas, adora cutucar onça com vara curta. Também detona no blog "Eu e Meu Ego Grande".


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • http://www.facebook.com/cesar.almeida.12 Cesar Almeida

    Morrem por um time enquanto são massacrados pela política e não fazem nada. Alienação de massa. Mediocridade que assola o universo!!!

    • http://www.facebook.com/andrencoelho André Coelho

        Olha o chavão, olê olê olá!

      É a mesma falácia usada contra protestos que não são contra corrupção ou
      violência. “Feminismo? Vá protestar contra a corrupção!” Sendo que
      gostar de futebol, apoiaros animais, o feminismo, ou os direitos das
      crianças de terem parquinhos públicos anulassem a indignação política.

    • Alooin

      “Alienação” é a palavra mais vazia da pós-modernidade. Tudo é razão para acusar de alienação. É o argumento dos medíocres.

      • Li

        E “falácia” é a palavra do momento no mundo bloguístico…

      • Lucas Franco

        O comentário do César Almeida não passaria no crivo das das falácias argumentativas já postadas aqui no pdh..

        mais um da série

         

      • Diego Dubard

        “falácia” é a palavra do momento do mundo virtual (blogs, fóruns, comunidades do orkut) desde que criaram o botão “responder”.

    • Daniel Pereira

      Eu conheço um cara que é igual a você: acha que futebol é o tal do “Pão e Circo”, que aliena as pessoas, mas gasta horas e horas da semana vendo séries. E essas horas são muito maiores do que eu, como torcedor assíduo, gasto com futebol.

      Então, por favor, Cesar, me diga quais as ações (ações, por favor, xingar no twitter não é ação) que você já tomou até hoje para fazer desse Brasil um país melhor?Não tomou nenhuma? Então saiba que você é tão alienado quanto o pior dos torcedores de futebol, só que com uma diferença: o pior dos torcedores de futebol conhece sentimentos que o futebol traz que você nunca vai conhecer.

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        na minha terra a gente definiria esse comentário como NOCAUTE TÉCNICO!

      • Raul Vargas

        Dizer que o outro não faz nada de diferente daqueles que critica ou que faz outras coisas tão ruins quanto aqueles que critica não torna melhor o fato criticado. De fato, esse é um tipo de falácia reconhecido em qualquer manual de falácias. Verdade que grande parte dos que criticam qualquer coisa não costumam ter comportamentos exemplares que dariam maior legitimidade à crítica. Infelizmente há várias formas de alienar-se, mesmo que os fanáticos de uma forma se considerem melhores que os fanáticos por outra. Isso não torna seu objeto de fanatismo menos nocivo que o outro (apenas serve como forma de retórica pra invalidar a crítica do outro de forma falaciosa).

    • http://profiles.google.com/dimarm Marcos Rodrigues

      Quantos projetos de lei de iniciativa popular você já fez mesmo?

    • http://www.facebook.com/leonardoluz Leonardo Luz

      Blablabla whiskas sachê.

    • http://marciosarge.blogspot.com.br/ Marcio Sarge

       Como se homem só vivesse das políticas do mundo… diversão também é importante pra viver.

      • Rafael Roque

         Mas ninguém está falando que não seja importante…apenas que existem coisas MUITISSIMO mais importantes que são negligenciadas pela final do Brasileirão ou a novela das 8.

        Torcedor invade treino pra bater em jogador mas não invade Brasilia pra bater em deputado safado.Isso pra mim é pura e simples alienação sim.

        P.S:Eu curto futebol.

      • http://marciosarge.blogspot.com.br/ Marcio Sarge

        Mas acho que ninguém aqui esta ou defenderia o fanatismo louco que mata e morre, ele é errado em seja lá em que segmento for. Isso nem precisa ser discutido.

    • http://www.facebook.com/people/Diogo-Cordeiro-da-Silva/100001288867438 Diogo Cordeiro da Silva

       É engraçado ver o cara fazer contraste entre futebol e politica. Tu acha que no dia que chegarmos nos estado de seres politizados hipoteticamente perfeito, vamos deixar de amar os esportes??

      É daqueles que acham que o Esporte não tem importância alguma para a construção intelectual do individuo? Já praticou algum esporte? Um esporte coletivo? Já parou para pensar nos valores que tem inseridos na prática de um esporte como futebol??

      E aí você que me dizer que mesmo com tudo que o esporte acrescenta, as pessoas não podem ser apaixonados por uma equipe do que quer que seja??? Política e Futebol são coisas distintas e não excludentes, presidentes, deputados e eleitores, podem torcer para times de futebol. Ou será que isso vai os tornar incapazes de viver num mundo politizado?

      • Rafael Roque

        ” Tu acha que no dia que chegarmos nos estado de seres politizados hipoteticamente perfeito, vamos deixar de amar os esportes?? ”

        No dia que isso acontecer:
        - um pai ia se sentir SEGURO pra levar o filho ao estádio sem sofrer com a presença dos bandidos organizados;
        - Não haveriam absurdos como uma grande rede de televisão monopolizar o controle das transmissões,e acabariam absurdos como jogos ás 22hs;
        -  Pedofilia nas categorias de base deixaria de existir(ou diminuiria muito);
        - Dirigentes e treinadores deixariam de ganhar ‘comissão’ em venda de jogadores;
        -A seleção da CBF(Brasileira?conta outra!!) ia voltar a ser escalada por merecimento e não por pressão de empresários/patrocinadores;

        Coisa pra daqui a 100 anos no minimo.

      • Li

        Mas o Rafael está justamente falando o contrário.. que o problema existe quando as pessoas se mobilizam SÓ pelo futebol… ou a novela, ou o show da banda… 

        Quase todo mundo deve estar em falta com a cidadania…

    • http://www.facebook.com/rafael.allegretti Rafael Allegretti

      E o que você faz pela política!? O que você faz para mudar o seu país? Torcer para um time, acompanhá-lo e querer que ele vença não te faz alienado. Acho que ser anti-alienação e deixar de ver/fazer coisas por achar que aquilo vai te alienar, te transformar em massa de manobra, etc. é algo muito mais próximo da alienação do que ir no estádio.

      Se eu não gostar de futebol e do meu time, não irei resolver os problemas do meu país. Eu consigo tentar lutar por um Brasil melhor e por um Palmeiras campeão brasileiro ao mesmo tempo ;).

  • Daniel Lima

    sensacional!

  • flaviocroffi

    É cultural. Nada mais que isso. Torcer pra um time é como ter uma religião. E bandas são bem diferentes. Envolve estudo, arte. Futebol, talento e estratégia. E ninguém “torce” para um banda. Apenas as admiram e curtem o som. Mesmo porque não tem como ela ganhar ou perder — a não ser que façamos analogias à seus álbuns e shows, como “vitórias” ou “derrotas” e por aí vai…

    • Alooin

      “Ninguém torce por uma banda”

      Então você precisa conhecer alguns fãs que eu conheço…

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        então ele não conhece fãs de Iron Maiden! huauhauha

    • http://www.facebook.com/marcel.cardim Marcel Cardim

       Então você não conhece os fãs do Oasis amigo. É consenso entre os Mad Fer It que ser fã de Oasis é o mesmo que torcer pra um time.

      • http://www.facebook.com/people/Arthur-Magno-Souza/1801804566 Arthur Magno Souza

        Geralmente Manchester City….

  • http://www.facebook.com/people/Arthur-Magno-Souza/1801804566 Arthur Magno Souza

    Que me desculpem os eruditos…. e todo respeito do mundo a quem pensar diferente depois de ler esse texto, mas deu uma  vontade gritante de falar isso:

    CHUPAAA FÁBIOO BRACHT!!!!

  • http://twitter.com/ericksonguti Erickson Gutierrez

    Acho que com a mudança da rotina dos jovens na década de 90 (videogames, internet) e basicamente a entrada maciça de produtos de entretenimento importados no mercado, bem como TV’s por assinatura, nós paramos de assistir jogos de futebol e torcer para os times como era na década de 80. No século XXI isso aumentou ainda mais…

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=584361576 Jaqueline Roiz

    Genial, é exatamente TUDO o que sinto!

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=584361576 Jaqueline Roiz

    sem palavras para descrever a genialidade do escrito. Torcer e ser “futeboleiro” é EXATAMENTE isso!

  • BrunoSantos

    É futebol!! Sofrimento, alegria, decepção, vitórias! Paixão mundial! Não tem como explicar!

  • http://ronierigomes.carbonmade.com/ Roni Gomes

    Artigo maneiro. Nunca parei pra pensar nisso. Eu sou indiferente com os times de futebol. Sempre torci muito mais pros times de vôlei e basquete. Eu falo que sou flamenguista, mas por influência de um tio. Eu não assisto aos jogos, só olho o resultado depois. Perdeu? Ganhou? Que seja!
    Também nunca critiquei ou achei as pessoas fanáticas estúpidas. Eu entendo e respeito. Não sou fanático por futebol, mas sou por outras coisas. Então eu seria um hipócrita escroto se eu fizesse isso.
    Ótimo texto.

  • http://ronierigomes.carbonmade.com/ Roni Gomes

    Editor, passou despercebido alguns erros no texto:
    ”Virou mora falar que futebol é alienação…””Der fanático pelo seu time não te faz melhor que ninguém…”

    • http://www.portalhomem.com.br Fred Fagundes

      Check!

  • Fellpe_daniel

    Que Lindo, me descreveu! *-*

  • Rafa

    O futebol mudou. Talvez por isso as gerações mais recentes não sintam a mesma magia que a galera que viveu na década de oitent

    Alienação por alienação, temos várias. Só que as outras formas de alienação se tornaram bem mais eficientes em se popularizar. Talvez por isso tenhamos hoje mais fãs de bandas de rock ruins do que de times de futebol.

    Pra mim, isso é sintoma de que o futebol está falhando em conquistar as novas gerações.

  • http://www.facebook.com/adamobrasildias Ádamo Dias

    Isso é o que tu pensa. E pode estar errado. Tem grande chance, diga-se de passagem. Uma geração sempre se considera mais inteligente do que anterior e mais sábia do que a posterior. Mas quando cada vez mais indivíduos tornam-se ateus e desapegados do futebol, temos um bom sinal: tua opinião provavelmente está errada. Lamento que esteja preso no modo de pensar da geração anterior. Mas ainda há tempo.

    • http://www.facebook.com/people/Arthur-Magno-Souza/1801804566 Arthur Magno Souza

      Um bom sinal??? pra quem??? de que???… lamentações com certeza anotadas! Ide em paz e que o senhor vos acompanhe

    • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

      Ateu, sim! Longe do CRUZEIRÃO, nunca! hahaha

      • http://www.facebook.com/people/Arthur-Magno-Souza/1801804566 Arthur Magno Souza

        Cruzeiro tbm é religião!!! teve até o Perrela (Macedo) roubando a gente kkkkk

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        #chatiado com o linguiceiro do Perrella! hahahaha

  • http://www.facebook.com/Guiga77 Guiga Souza

    Estava discutindo isso com minha namorada, ela, fanática pelo time, e eu totalmente indiferente com futebol. Ela usou a mesma comparação à respeito com as bandas que curto. Não se trata de ser “intelectualóide”, se trata de enxergar as coisas como ela são. 

  • http://twitter.com/AndreLHeidemann André Heidemann

    Pra mim, esse fanatismo todo que o povo tem por futebol é pura alienação! Algo que não entendo realmente. Tenho um time, mas dificilmente acompanho os jogos. A maior parte das vezes vejo o resultado em algum site, mas nem sempre. Até assisto jogos de outros times, se não tiver algo melhor para fazer.

    Sempre digo, futebol não está no seu devido lugar de importancia. Ele está muito alto e lá, não é o lugar dele..

    • http://twitter.com/rafaelcgo Rafael Oliveira

      “Tenho um time, mas dificilmente acompanho os jogos.”

      André, essa é a diferença de ter um time e torcer para um time.

      Futebol é momento de lazer, seja alegria ou seja tristeza. É, também, entretenimento.
      Acompanhar um campeonato (seja qual for o esporte) é como ler um livro, ver uma história se desenrolar, capítulo a capítulo.

  • http://www.facebook.com/ferreiraromulo Romulo Ferreira

    Para mim, qualquer tipo de fanatismo é estúpido. E sabe se lá por qual motivo, isso costuma acontecer bastante no futebol.

    • Rodrigo

      Fanatismo é irracional por definição, mas o autor aqui se refere a um fanatismo saudável, certamente não ao fanatismo violento de brigas de torcida e tal.

  • Gustavo

    Putz, que vídeo sensacional. É interessante que o garoto parece que está de frente com uma divindade, fica cutucando o pai dele como que aquilo fosse surreal:”Eu vi o Zico”. Me lembrou esse vídeo, porém não é um garoto, e sim um senhor que mostra sua sincera saudade do Garrincha:

    http://www.youtube.com/watch?v=mX3oFBnRXQ4 

  • David

    Não vejo a menor graça em futebol, mas esse é um texto fudido!

  • Wyllian B.

    Esse texto cria a mesma dualidade entre Ateus e religiosos, é uma discussão inútil e sem fim. Acredito que o respeito a cada um é importante, mas antes de ser o seu time, comprar suas brigas e sofrimentos, muito mais útil seria ser você mesmo. E buscar algo melhor para a humanidade do que 21 homens correndo atras de uma bola, e 50 mil olhando. Gostei da emoção de torcedor que se expressa no texto,mas já pensou se toda essa emoção, todos esses esforços forem direcionados a produzir algo melhor?

    • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

      22 homens, meu caro!

      • http://www.facebook.com/people/Daniel-Augusto/100000559571953 Daniel Augusto

        Desconfio que alguém foi expulso no único jogo que ele viu.

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002489290931 Cassio Henrique

      Não acho que seja uma discursao inutil, dinheiro – aos montes – são gastos todos os anos pelo governo para alimentar essa “paixão”, dinheiro nosso. Chega desas politica de pão e circo.

      • Arthur Franco Ferreira

        Todos os anos pelo governo? Dinheiro nosso? Tirando essas obras que estão fazendo para a Copa do mundo, e também para as olimpíadas, com o que o governo gasta com futebol todo ano? Levando em conta que há estádios que são mantidos pelos próprios clubes de futebol?

        Não to dizendo que não deva criticar essa política de “pão e circo” (apesar de eu não concordar com essa visão), mas vincular isso ao futebol somente é um erro grosseiro.

      • LuizZamboni

        Os clubes em sua maioria devem milhões que nunca vão pagar…tudo sai do nosso bolso.

      • Hueber

        Os maiores clubes brasileiros devem milhões ao governo. Ms ao invés de serem forçados a pagar as dívidas, recebem incentivo do governo para ajudar a pagar as dívidas(Time mania). Quem aqui pode falar que conta com o governo caso não consiga pagar o que deve? As obras da copa, são só chute final no saco dos brasileiros. Todos que pagam impostos vão contribuir para a construção do Estádio do Corinthians. Mas quem vai se beneficiar? O Corinthians! Isso é um absurdo! O fato é que nenhum dos times grandes brasileiros se mantém sozinho, sem ajuda estatal.

        Ps: Eu sou corintiano.

      • http://www.facebook.com/toadgeek Matheus Gonçalves

        Hueber: Não cara. Sua forma de ver está completamente equivocada. Não somos nós que vamos pagar pela construção do estádio. É o Corinthians que vai deixar de pagar, temporariamente, por um imposto municipal, por uma isenção que é dada a obras desse tipo. Não é $$ saindo dos cofres da cidade; Sem o estádio, o $$ não entra. Sem o estádio, não há o que ser pago. 

        A ordem é a seguinte: 

        Inicia-se a construção de uma obra.
        Existem impostos a serem pagos.
        Alega-se que a obra trará benefícios ao localA prefeitura isenta então aquela obra temporariamente do pagamento.Nenhum centavo do meu ou do seu bolso vai pro estádio. É o Corinthians que está sendo isento de pagar o seu imposto por um tempo, por causa de uma obra que, ao menos em teoria, vai ajudar a população local.

  • Catherini

    Realmente, ser torcedor é algo incompreensível pra quem não é. Ótimo texto! Parabéns. Me senti descrita em cada linha… Valeu!!!

  • http://www.facebook.com/gabriel.guimaraes Gabriel B. Guimarães

    Em relação à “torcer” por uma banda, existe um sentimento próximo, que pode ser caracterizado como tal, entre os indivíduos ligados à determinadas cenas. Sejam territoriais-históricas, como o samba tradicional (Escolas de Samba, ranchos, blocos etc); seja político-religiosa, como subgêneros extremos do metal, o hip hop oldschool, o punk. Há também as pelejas midiáticas, como a Era de Ouro do Rádio, Beatles x Stones…
    Em todos esses espaços é possível identificar traços de sentimento coletivo, princípios e uma História a defender, exatamente como no futebol. É muito maneira essa relação, comecei a estudar há anos no começo da faculdade, mas por não passar muito no foco da minha área acabei deixando de lado. Quem sabe no futuro…
    A propósito, sou Vascão e Metallica de sangue e coração. E no fim, nas derrotas, títulos, Master of Puppets e St. Anger, me sinto muito bem por ser quem sou. O que de modo algum me aliena do meu papel de cidadão pensante e atuante.

  • Shin

    São todos muito intelectuais.Soberanos e donos de uma única verdade.

    “Lamento que esteja preso no modo de pensar da geração anterior. Mas ainda há tempo.”

    Cara,na boa..somente uma pergunta.O que você fez na sua vida inteira que te torna “especial”?Reflita!

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002149772092 Marcelo Pizzani

    Ninguém tem obrigação de gostar de futebol,nem de acompanhar o esporte. E isso não é problema nenhum. O que enche o saco é que muita gente que não gosta faz questão de enfatizar isso o tempo todo. Não curte futebol? Beleza. Mas isso não te faz mais inteligente nem menos alienado que ninguém. E se você não consegue entender o choro copioso do cara cujo time acabou de ser rebaixado,pelo menos respeite. Não fique dizendo coisas como “por isso que eu não gosto de futebol” ou “enquanto ele tá chorando,os jogadores estão com o bolso cheio de dinheiro”. Isso é chato pra caralho.

    Algo parecido acontece com alguns ateus…não basta descrer,tem que criticar quem crê. Mas isso é outra história.

  • Danilo

    texto estranho….pareceu só ser um tipo de “pedido de desculpas” para as pessoas que ficaram ofendidas com o texto do fábio…
    mas o pior é que ficou faltando tanta coisa nele e ele possui tantas falácias, que servivia mais como um argumento para provar o ponto levantado pelo fábio do que um texto contra o que ele disse…

  • Hugo Cardoso

    O cara não gostar de futebol tudo bem, me assusta mesmo é essa galera que não vibra com nenhum esporte. Pode ter golaço no angulo, cesta no ultimo segundo ou aquele nocaute avassalador e o sujeito tá lá sentado, impassível, incapaz sequer de entender o porque dos outros estarem pulando da cadeira e gritando de alegria. Acho que falta um pedaço num sujeito desse.

    • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

      falta emoção à vida desses, é o que me parece!

    • LuizZamboni

      Curto muito mais UFC …
      Eu discordo do texto em atribuir a todos que não gostam de futebol como “metidos a intelectuais” e que estariam usando o seu “não gosto” como sinal de  inteligência…
      A maioria das pessoas que não gostam de futebol não gostam por achar um jogo chato, longo e com partidas em excesso que dominam a programação exportiva da tv .

  • João Martinho

    Antes de comentar o texto em sim, apenas uma nota: é engraçado ouvir esses intelectuais falarem dos fãs de futebol como se estivessem perdidos algures no meio do caminho para o fim da História, como se estivessem num patamar evolutivo anterior. Ora, como o fim da História de Fukuyama se verificou rapidamente como uma “grande treta”, também o pensar que a História terminará com o fim dos grandes fenómenos sociais como o Futebol (ou a Religião, tantas vezes referida na discussão) se verificará uma questão falsa. Ao longo da nossa História, unimo-nos em Mono ou Politeísmos, Circos, Artes e Cultos. Ora de um tipo, ora de outro, nunca nos desapegamos uns dos outros e por isso estivemos sempre juntos nessas manifestações. 

    Eu sou português e apoio um time que não é muito conhecido: o Braga, clube de uma cidade com mais de dois mil anos, que foi capital de uma importante província do Império Romano. Nunca ganhamos nenhum título de campeão nacional, e só nos últimos anos conseguimos alguns resultados mais interessantes: um segundo lugar no nacional, final da UEFA e um título europeu. Ainda assim, amamos o nosso clube. Fazemo-lo pelas cores, pelo símbolo e pela história, mas fazemo-lo acima de tudo porque o futebol é incrível e não dá para explicar como é comemorar um golo ou uma vitória frente a um rival. Dizemos aos adeptos dos clubes que aqui ganham sempre que “quem não sente, não entende”, para explicar como podemos ser fiéis a um clube que tem tão poucos títulos. O mesmo podia ser dito aos que não gostam de futebol e que, com isso, se julgam superiores aos que o vivem. Pena que se esqueçam de que uma das grandes conquistas civilizacionais foi justamente o respeito pela diferença.
    Eu sou o que aqui na Europa chamam de Ultra, e acompanho o Braga não só quando joga em casa, mas também nos estádios das outras equipas. Adoro o meu time e adoro futebol e, por isso, quando estive no Brasil a trabalhar fiz questão de ver um Corinthians-Santos no Pacaembu e de viajar propositadamente a Buenos Aires para ver um Boca-River em La Bombonera. Qualquer um desses dois jogos foi absolutamente incrível e choca-me imaginar como pode haver alguém que possa ficar indiferente a um estádio inteiro a cantar e saltar sob chuva torrencial ou a um estádio a abarrotar de fãs em êxtase por ver cada vez mais próximo da divisão inferior o rival de tantos anos. Se nunca viu nem sentiu futebol, como é que pode dizer que o futebol é isto ou aquilo? Avalia sempre as coisas sem as conhecer, viver ou experimentar?

    • http://www.facebook.com/people/Rafael-Barbosa-Cassimiro/620989598 Rafael Barbosa Cassimiro

      Esqueceu de assistir um Flamengo vs Vasco no Maracanã 

      • João Martinho

        O Maracanã estava em obras, quando estive aí. Mas quando voltar, vou ver concerteza!

  • http://www.facebook.com/people/Arthur-Magno-Souza/1801804566 Arthur Magno Souza

    Um mundo cheio de Nerds e com menos paixão…. sinceramente eu prefiro meu mundinho alienado!!

  • Eduardo Reche

    Texto fodão, futebol é isso aí mesmo! 
    Já aquele artigo citado no início (é aquele sobre as “cores”), eu já pedi para o autor escrever pra outro site ou revista.

  • http://profiles.google.com/dimarm Marcos Rodrigues

    Fanatismo é perca de tempo, mas achar que gostar de futebol “aliena” as pessoas é ser simplista ao extremo. 

    Atualmente tem gente que se acha a reencarnação de Einstein por não acreditar em Deus, não gostar de futebol e não assistir novela.

    Por esses critérios devo ser um gênio, já que não acredito em Deus e não assisto novela.

  • Fabrizio Barros

    Qualquer tipo de fanatismo é prejudicial. Gostar muito do seu time é diferente. Alguns clubes inclusive proporcionam coisas bem legais, como poder ir com os amigos torcer no estádio do próprio time. Outros não.

  • http://www.facebook.com/fabrizio.barros.3 Fabrizio Barros

    Qualquer tipo de fanatismo é prejudicial. Gostar muito do seu time é diferente. Alguns clubes inclusive proporcionam coisas bem legais, como poder ir com os amigos torcer no estádio do próprio time. Outros não.

  • http://www.facebook.com/thales.fagundes Thales Fagundes

    A questão é outra. Eu não discuto com amigos nem brigo em bar por causa de música ou livros. Não tumultuo ninguém no meu trabalho com piadinhas sobre isso. Não preciso esconder a camisa da minha banda com medo de ser apedrejado na rua.
    Vejo uns amigos discutindo sobre futebol, levantam a voz, brigam em bar, ficam especulando sobre decisões de treinadores. Na televisão, após uma trajédia aérea, uma noticia de falta de leitos em hospitais sempre vem acompanhada de: “Agora vamos ao futebol” Cara, FODA-SE o futebol. Não se pode  encerrar um jornal que traz tantas mazelas, estrupos e tamanha imoralidade política com simples “gols da rodada”.   É por isso que digo que aqui não há POVO, há somente público.

    • Liordino

      Hmm… eu discordo de muita coisa aí… sou Palmeirense fanático, como já tinha falado no post do Bracht (que concordei em muita coisa, assim como nesse), e acho que brigar por causa de entretenimento é besteira, seja por conta de livro, de música, de filme, de futebol ou do raio que o parta, mas ai você tá, como eu penso que a maior parte das pessoas que não gostam de futebol e querem converter quem gosta (não que você seja um desses) fazem, generalizando e colocando TODOS os torcedores num mesmo balaio. Aqui em meu trabalho agente sacaneia uns aos outros direto depois de jogos, e todo mundo acha divertido e dá risada junto. E já vi discussões calorosas sobre música, bandas, etc e tal… Eu também vejo amigos discutindo futebol, contendo tudo o que tinha direito, de especulações sobre decisões de treinadores até o por que pra tal juiz marcar uma falta que “obviamente” não existiu, mas até hoje não presenciei uma briga sequer por causa disso… você já? Eu já vi muito em jornal, mas presenciar mesmo, nunca, nem de longe.
      O que eu não consigo entender é por que tem que deixar de lado o entretenimento pra se preocupar com as mazelas da sociedade. Não entendi até hoje qual é lógica que torna essas duas coisas excludentes, e nem por que diante de tais mazelas não precisa deixar de mostrar a cobertura do oscar ou do emmy, mas tem que excluir o futebol da programação. Eu concordo que em certo grau é sim pão e circo, assim como são muitos livros, seriados, filmes, a própria arte em geral, etc e tal, mas também não da pra ignorar os aspectos educacionais dos esportes em geral (onde até onde me consta o futebol está inserido), e quero ver quem continua com discussões altamente politizadas com fome e sem se divertir.

      • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

        Seu ponto de vista está correto! Precisamos muito do devaneio, do “desligar do mundo” ou curtir sem produtividade. 
        Assim como ler um livro, jogar video game, pedalar, sei la! 

        O lance da revolta, que talvez seja dificil de explicar, é o resultado que esse entretenimento gerou depois que se tornou uma enorme fábrica de lucros, entende? O esporte é ótimo! Une, emociona, libera endorfina. Qualquer esporte!!!!  Mas o comercio capitalista fantasiado de bom moço é completamente o oposto.

        Entendo que apaixonados por algo sejam relutantes a acreditar, mas não há como dizer que o futebol deixou de ser um entretenimento e se tornou um comercio sem alma. 

        Filosofia à parte, entretenimento é algo que basta que sintamos prazer  e assistamos, curtamos e participamos ele se torna o SEU entretenimento, maaaaas, esse SEU já se tornou NOSSO a muito tempo, devido as proporções e interesses, aí que o sangue dos contras fervem, saca?

      • Arthur Franco Ferreira

        Justo. O único ponto que eu destacaria e jogaria na discussão é que: todo esporte considerado “paixão nacional” é assim. A diferença é que os esportes em geral, se comparados há alguns anos atrás, se tornaram um comércio.

        Pare para pensar na Fórmula 1, no basquete (internacional), de alguns anos atrás e compara com o de hoje. Não há uma diferença absurda na movimentação financeira? Não há um lado comercial forte atrelada à imagem do esporte?

        Todo esporte que é uma paixão no seu pais movimenta uma quantidade absurda de dinheiro. São torcedores que vão aos jogos, que compram produtos, que viajam para outros estados para assistir aos jogos, que dão ibope na televisão, etc. Aqui no Brasil, foi o futebol. Na Austrália é o Rugby. Nos EUA é a NFL (seguido muito perto pela NBA).

        Enfim, qualquer esporte que tem essa movimentação financeira acaba tendo um pouco do seu entretenimento concorrido com o lado comercial da coisa.

  • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

    Esse texto me remeteu aquela fatídica noite de 2009 comigo no estádio, Cruzeiro ganhando de 1×0 na final da Libertadores e tomamos a virada! No outro dia, com a cabeça inchada e camisa do Cruzeirão, alguém me fala: “você aí sofrendo e eles com o bolso cheio de dinheiro”. E eu penso “acho que só ontem eu tive mais emoções que você terá na sua vida toda”…

    • Henrique Marquezi

      Perfeito comentário. Mesma resposta que dei quando fui ao Morumbi ver o Tricolor perder de 2 a 1 na final da Libertadores de 2006

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        ou eu no Mineirão na Copa do Brasil de 2000 contra o SEU time! hahahaha

      • Henrique Marquezi

        Lembro de quando perdemos a final da Copa do Brasil pra vocês. hahahaha. Estava tudo pronto pra festa. Acabamos ficando em casa, comendo churrasco e lamentando a recuada de bola do Axel para o Rogério Pinheiro e o salto infeliz da nossa barreira na falta que originou o gol.

        Mesmo perdendo, foi um jogão!

      • http://www.facebook.com/people/Arthur-Magno-Souza/1801804566 Arthur Magno Souza
    • http://twitter.com/hiran7 Hiran

      Cara, é exatamente isto! E eu sou palmeirense, especialista em sofrer… hehehehe

      Àqueles que não se apaixonaram por um time de futebol, só consigo sentir pena. 

    • http://www.facebook.com/ivansouzadeabreu Ivan Souza

      Você definiu perfeitamente o que senti nesse dia cara. kkkkkkkkkkkkkk

  • D.B

    Apenas registrando. Para quem não percebeu o estádio do time do Rafael da última foto é o Estádio Olímpico do Grêmio e que será demolido esse ano, depois da inauguração da nova arena. O clube por iniciativa de torcedores e inspirado na ONG Make a Wish, criou o instituto Desejo Azul que realiza desejos, especialmente de crianças doentes, relativos ao clube.

    http://www.desejoazul.org/ 

  • abobrino

    Eu quero concordar. Mesmo. 

    Mas lembro de uma frase de um cara que eu nem gosto (Bill Maher) em que falava que “uma geração inteira de homens está anestesiada pelo culto ao esporte e à pornografia”. Isso me faz pensar muito na energia que nós (e eu estou até o pescoço nesse “nós”) desperdiçamos em prazeres temporários ao invés de nos dedicarmos a coisas realmente transformadoras para nós, nossas famílias e amigos, nossa comunidade e o mundo em geral.

    Também não vejo a necessidade de ser produtivo o tempo todo. Momentos de devaneio são compreensíveis e até mesmo úteis, só acho que sentir felicidade e até um certo orgulho por buscar coisas que invariavelmente não acrescentarão nada de concreto na nossa vida é quase loucura. 

    • Liordino

      Mas cara, o negócio é que acrescenta. Eu mesmo aprendi muito com todos os Palmeiras que eu vi, como falei em comentários no post do Bracht. Aquele time da virada da primeira passagem de Felipão não me ensinou pouca coisa não. =P

      Além do que é uma experiência social gostosa da porra. =D

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=1740871659 Felipe Bormann

    Pra mim o único motivo de o futebol não ser algo valorizado pelos jovens é o fato de que o futebol hoje em dia virou sinônimo de violência e cidade parada, sinceramente, prefiro que não exista partidas na minha cidade, a menos que os estádios sejam isolados pois um jogo afeta a cidade como um todo (e infelizmente mais negativamente que positivamente.), quando esse quadro mudar, aceito vestir a camisa do meu time pelas ruas sem medo.

  • http://www.facebook.com/people/Diogo-Cordeiro-da-Silva/100001288867438 Diogo Cordeiro da Silva

    “Nós somos o time” – Essa frase resume tudo.

    • Rafa

      É? É sócio do clube? Tem quinhão? Paga anuidade? Participa das eleições da diretoria?Se envolve diretamente nos negócios dele?Consegue opinar sobre contratações? Demissões etc. Do contrário o senhor é apenas um CONSUMIDOR do clube. 

  • http://mude.nu/ Walmar Andrade

    Futebol é a coisa mais importante entre as desimportantes, já disse o sábio.

    Mas o texto é ruim, pois nenhum texto sobre paixão por futebol que não cita o Sport Club do Recife pode ser bom. :P

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002489290931 Cassio Henrique

    Imagino que se usassem os 27 bilhoes que foram previstos para os gastos com estadios para a copa em algo que a população necessitasse mesmo seria um gasto melhor para tanto dinheiro.

    Ja chega dessa politica de pão e circo.

    • Arthur Franco Ferreira

      Tu fala de gastos que os estádios geram. Já pensou no lucro que o esporte gera? O quanto movimenta a cidade com turistas e pessoas de fora? Muito fácil reclamar do gasto e esquecer do lucro.

  • http://www.facebook.com/andreserafim André Serafim

    O problema é que as pessoas enxergam o futebol somente como um esporte.
    O futebol já foi um esporte para os brasileiros. Agora ele tem que ser visto como um lance político.
    98% das crianças brasileiras se espelham e querem ser um cara que não tem estudo, não tem cultura, não sabe falar a própria língua, não sabe falar em público, mal sabe ler, etc.
    Esses caras que ganham tanta grana e são ídolos nacionais deveriam ter a obrigação de passar alguma coisa boa pras crianças e adolescentes do país.
    Mostrar que para ser um jogador, tem que ser uma boa pessoa em primeiro lugar. Tem que ter estudo, tem que ter cultura. Tem que gostar de ler, tem que estar ligado ao nosso sistema político e econômico. Tem que saber seus direitos e conhecer nossas leis.
    Tenho absoluta certeza de que, pelo menos, metade dessas crianças cresceriam de forma diferente e, consequentemente, o país cresceria junto.
    Estou parecendo utópico mas ,querendo ou não, o futebol é o que mais influencia esse povão-de-meu-deus aqui.
    E vocês que “torcem, morrem e choram” por seus times, mas nunca ganharam nada com isso, poderiam torcer, morrer e chorar para que a próxima geração de brasileiros ganhe.

    Não me levem a mal. Acho que ter um time, um ídolo é muito saudável. Mas concordem que A SITUAÇÃO DO FUTEBOL TÁ RUIM!

    • http://twitter.com/rafaelcgo Rafael Oliveira

      “Tá ruim?”

      Antigamente era bem diferente? Não passava futebol na TV, não existiam ídolos, todos jogadores eram letrados, as crianças não queriam ser jogadoras, não existiam cartolas….

      O futebol continua a mesma safadeza de sempre, e infelizmente cartolas, cbf e etc dificilmente usarão o futebol como um instrumento mais importante do quê uma máquina de lucro para eles…

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

    Ser fanático não te faz melhor ou pior. Concordo. Ser fanáticoTe faz DOENTE! Isso que descreveu é patológico, amigão. Não é positivo.

    Vc pode não ser alienado, assim como os grandes escritores, mas vc faz parte da massa dominada. Não por torcer por futebol, e sim por ser facilmente manipulado por qualquer coisa que te enfiam pela goela, tipo essa tal “paixão nacional”

    O contrário também é verdadeiro. Dizer que grandes pensadores gostavam de futebol não te faz um grande pensador. 

    Porque é tão difícil entender que o problema não é O futebol, e sim a manipulação?

    • Arthur Franco Ferreira

      Eu concordo com o que você diz da parte doentia. Acho que qualquer coisa extremista não é coisa boa e não gosto de fanatismo. Acho ruim e exagerado o cara que se veste só com as cores do time, que tudo que compra tem a ver com o time e muda até o próprio nome para algo relacionado ao time.

      Porém, acredito que essa parte que tu falou de manipulação é forçada e generalizada. Divide isso aí. O que você tá dizendo com o teu comentário é que qualquer um que goste de futebol já faz parte dessa suposta massa manipulada. Aí eu acho que você forçou.

      Eu não me considero uma pessoa manipulada. Me considero um apreciador de um esporte da mesma forma que existem apreciadores de tênis, vôlei, natação, etc. Acompanho as notícias do meu time e de outros times, compro a camisa oficial do meu time quando acho bonita e porque geralmente são as de melhor qualidade, e se compro produtos do meu time, é porque não é só do meu time, mas porque há outros valores que apreciei naquele produto.

      • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

        Arthur, sensacional. Concordo absolutamente com essa forma de apreciar qualquer esporte. 
        Talvez eu tenha me expressado mal, não acho que o torcedor seja manipulado, longe disso. 

        O lance são os torcedores, fanáticos e não fanáticos, e que são a absoluta maioria, que não possuem a capacidade de admitir (não estou falando de vc, não te conheço) que tem tempo de sair na rua para gritar campeão, mas não tem tempo de ler algo construtivo o suficiente para perceber, por exemplo, que o Governo SEMPRE teve dinheiro pra construir novos Metros, trens monotrilhos, melhorar o turismo etc sem precisar de uma copa do mundo.  (note que não estou citando estádios)

        Porque agora podem construir esse monte de coisa e ontem não? Poxa, isso revolta cara!

        Anota aí: Durante a copa do mundo os politicos aumentarão seus salários, assim como na última copa. Lembra? Talvez não…  E Absolutamente ninguém ficará revoltado a ponto de sair as ruas. Diferentemente de quando o Brasil  levantar a taça de Exa (isso já está devidamente comprado). 

        Se isso não é uma cultura de manipulação, serião, não sei o que mais é!

        Mas respeito aqueles que torcem e assim que o jogo termina, muda de canal e vai viver a vida, sem encher o saco de todo mundo batendo no peito afirmando que aquilo é a vida dele.

      • Arthur Franco Ferreira

        Ah, melhor! Hehe. Mas isso eu me revolto independe de ser torcedor de futebol. Isso é revoltante com qualquer cidadão. Conheço pessoas nesse perfil de ter tempo para assistir novela, redes sociais e afins, mas que não param 30 minutinhos do seu dia para se informar sobre notícias do seu próprio país, estado ou até mesmo cidade! E olha que nem estou falando a nível internacional, me limitei à nossa patota aqui somente.

        Mas vamos lá, tocando o barco. Independente do futebol também, corrupção e essa safadeza do governo ter condição de construir as coisas e só fazer agora, independe de qualquer esporte (afinal de contas, as obras aqui no RJ são tanto para a Copa quanto para a Olimpíada). Político só se coça para coisas grandes assim (que dá para roubar mais) ou quando é em época de eleição (que quer aparecer mais e dizer que fez).

        Eu não diria que é exatamente uma cultura de manipulação, mas de falta de educação. Na minha humilde opinião antigamente isso não acontecia de maneira tão gritante, porque a educação do país era razoavelmente boa. Depois que descobriram que emburrecer o povo dá para fazer essa festa toda, aí ficou fácil.

        Por isso que, independente de esporte, lazer ou gosto. Essa sua revolta ao meu ver está mais ligada à falta de uma educação decente do país do que os fanáticos por futebol.

    • Henrique Marquezi

      Hipócrita

      • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

        Interessante me chamar de hipócrita sem sequer saber dos meus gostos e preferencias. Típico do manipulado: cego, surdo mudo e acéfalo. Não que seja o seu caso.

      • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

        Interessante me chamar de hipócrita sem me conhecer, sem saber meus interesses, atitudes. Simplesmente pelo fato de ter contrariado o futebol, que pelo visto é bem importante para vc.

        Tipico do manipulado: Surdo, mudo, monossilábico e possivelmente desprovido de capacidade de argumentação.

        Abraço

    • Rafael

       ”Porque é tão difícil entender que o problema não é O futebol, e sim a manipulação?”

      Pq a massa mediana é tão ignorante e alienada que nem disso é capaz de se dar conta.

      È o pão e circo ad eternum.

  • http://www.facebook.com/people/Fernando-Borges/100000014917410 Fernando Borges

    Tem gente que é extremista, só pq você gosta de coisas populares te taxam como alienado, burro, etc.

    Futebol é paixão, integração, união, inspiração, além dos valores de cooperação dentro do campo. Entendo das sujeiras e excessos envolvidos no alto escalão dos times (inclusive de meu querido São Paulo), porém acho rídiculo o argumento destas pessoas que rotulam a paixão ao futebol a um tipo de excesso de idolatria ou uma justificativa de violência nos estádios.

    Da mesma forma que vejo gente brigando por torcerem para times rivais, vejo pessoas se descontraírem às custas dessa diferença. Fiz muitas amizades, simplesmente porque zoando um time rival, algum desconhecido vinha ajudar a caçoar ou defender o clube, sempre na base da brincadeira, sem violência.

  • MageCiconello

    Entendo quem é fanático por futebol. Só não entendo quem é fanático pelo time adversário. Exemplo clássico de São Paulo: os saopaulinos sabem mais sobre o time, os jogos, a escalação do Corinthians, do que do próprio time.

    • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

      depois do Corinthians x Cruzeiro em 2010 (aquele do pênalti no Ronalducho), se o Corinthians jogar contra um time de capetas e a torcida valer vaga no juizo final, compro chifre e tridente pra torcer!
      o meu time não foi campeão por UM ponto. e o único gol da partida foi num pênalti que não foi pênalti! rsrsrs

      • MageCiconello

        Não fazendo o estilo sãopaulino, que só assisti jogos do Corinthians e não sabe nem quando o próprio time joga, tudo bem Vinícius hehehe

      • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

        eu só torço pra ter uma catastrofe nuclear no Isentão num treinamento do Corinthians, de resto é bem tranquilo! hahaha

      • MageCiconello

        se um dia o estádio existir.

    • Arthur Franco Ferreira

      Fanatismo eu já acho ruim, esse fanatismo então é pior ainda. Porque é destrutivo. Você torcer para apoiar a vitória do seu time é diferente do que torcer para ver a derrota do adversário. Num jogo um tem que perder para o outro ganhar (exceto num empate, lógico). Em qualquer esporte que torcemos para um determinado time ou atleta não significa que queremos o mal do adversário, queremos apenas que aquele que escolhemos torcer, vença. Só isso.

      Desejar o mal do adversário é um absurdo em qualquer situação e sem justificativa.

      • MageCiconello

        Tem gente que é tão fanático em torcer contra que deseja mal para jogadores adversários. Até comentarista esportivo faz isso. Não vejo mais jogos do Brasil na Globo, de tanto ouvir que o craque do time adversário poderia quebrar uma perna ou ser expulso.

  • http://www.facebook.com/people/Daniel-Augusto/100000559571953 Daniel Augusto

    Futebol é alienação. Cozinhar é alienação. Correr é alienação. Dar um cochilo no meio da tarde é alienação. Beber whisky e comer lagosta é alienação. Jogar baralho é alienação. Dançar é alienação. Transar é alienação. Contar piada é alienação. etc etc etc…

    Em vez de fazer tudo isso, poderiam estar protestando em frente ao congresso nacional.

    • Henrique Marquezi

      Comentar no PdH também é alienação? Quer carona pra ir no Congresso Nacional protestar contra um apaixonado por futebol que escreve um texto mostrando isso?

      • Rafael Prado

        Henrique, diga muito prazer à ironia.

      • http://www.facebook.com/people/Daniel-Augusto/100000559571953 Daniel Augusto

        É isso mesmo, irmão. Esse discurso de que futebol é alienação pode ser aplicado a tudo aquilo cuja finalidade é o prazer ou o entretenimento. Desta forma, o mesmo cara que acha que futebol é a principal causa da cegueira do povo, pode ser acusado de alienado ao ler um livro sobre a filosofia de Kant.

  • Marcio Melo

    E aí o slogan de um canal fechado faz todo o sentido: “O melhor time do Brasil é o seu time”.

  • Pedrantonelli

    Tava na hora já, de alguém dar uma naquele q escreveu o outro artigo. Mandou muito bem.

  • Gustavo Esquive

    Acho válido as pessoas não gostarem de futebol, mas por experiência própria eu digo: poucas coisas me dão mais prazer na vida do que ter viajado 700 km em um dia, chegar na casa do meu pai às 21:50 de uma quarta feira, encontrar em seu congelador a nossa cerveja preferida e passar quase 90 minutos ao seu lado, ambos praticamente calados para comemorar com ele o gol do Paulinho aos 42 do segundo tempo nas quartas de final contra o Vasco. E cito este lance como exemplo, pois sei que são paulinos, palmeirenses, santistas, gremistas, colorados… enfim, todos tem histórias inesquecíveis proporcionadas pelo futebol. 

  • Arthur Franco Ferreira

    Como já disseram, essa é uma discussão que nunca vai terminar. Terão os fanáticos por futebol defendendo e os “filósofos” atacando dizendo sobre alienação e que “poderíamos estar fazendo coisa melhor”. 

    Complementando a lista de famosos fanáticos por futebol que o autor colocou, eu adiciono o nome de nada mais nada menos do que Francisco Buarque de Holanda, famoso Chico Buarque. Fluminense doente que sempre acompanha os jogos do tricolor. Que discutia e fazia todas essas brincadeiras e piadas dos “alienados” com seu falecido amigo Cyro Monteiro, Flamenguista doente (há até uma musica do Chico sobre isso quando Cyro Monteiro deu de presente para a filha recém nascida de Chico uma camisa do Flamengo de sacanagem).

    Quero ver alguém chamar Chico Buarque de alienado ou perguntar para ele o que o cara fez pelo país ou contra o governo.

    O que quero dizer com isso? Não significa que, por eu gostar de futebol a um nível que uma pessoa não entenda, que eu sou um vagabundo, alienado ou qualquer um dos adjetivos negativos que usam. Chico Buarque é o maior exemplo que podemos gostar de futebol desse nível, sermos intelectuais e lutarmos por nosso país.

    Agora todos podem guardar as pedras.

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

      Não pude responder seu comentário la de cima.

      Então, é exatamente isso, cara! Como vc disse, o problema é o empobrecimento da educação, e o emburrecimento da inteligencia utilizada como criação de fanaticos ou consumidores usando cabrestos e como Leonardo Xavier no comentário abaixo disse, tudo tem limite e o mesmo entusiasmo poderia ser canalizado também para outras coisas. Pra mim, esporte é tudo. A maioria das horas livres que tenho pedalo, escalo, corro e nem por isso sou alienado! Pois também dedico-me a outras coisas IGUALMENTE construtivas, como leitura, cultura útil e inutil e etc

      Dá até um alívio ler esses tipos de comentários vindo de torcedores de futebol, possivelmente fervorosos, que entendem que as criticas não vão ao esporte, muito menos diretamente a eles, e sim ao brasileiro preguiçoso, seja ele futebolista ou não.

      “Agora todos podem guardar as pedras.” (UFA!!!)

  • http://discordando-do-mundo.blogspot.com Leonardo Xavier

    Eu acho a paixão pelo futebol uma coisa bonita, apesar de não ser o tipo de coisa que eu carrego comigo. Agora eu acho que como em tudo na vida, eu acho que existem limites saudáveis e existe a paixão doentia.

    E quanto a alienação, eu acho que o futebol não é a única forma de alienação e também não é preciso acabar com ele para resolver os problemas políticos. No entanto, eu gostaria que as pessoas carregassem esse mesmo entusiasmo do futebol em outras esferas da vida.

  • Marcos Augusto Nunes

    Gosto de futebol, acho extraordinário, por N razões já escritas anteriormente. É arte. Não supera a vida, porque precisa dela, não supera a morte, porque nada supera a morte, mas, enquanto vivemos, é a melhor expressão físico-artística dos potenciais humanos, entre o lúdicoe o brutal, o hábil e o técnico, em um teatro ao ar livre e pleno de som, luz, cor, movimento, uma equação tempo/espaço muito, mas muito superior mesmo à dança (há um filme, aliás, que associa o futebol à dança; o nome é Futebol: o balé da classe trabalhadora).

    Ninguém é obrigado a gostar de futebol, e gostar de futebol não tem nada a ver com fanatismo e torcidas organizadas. Futebol é o corpo humano em ação estética. O resto é conversa de disputa pelo poder que, pasmem, não é objeto do futebol: na sua efemeridade, o futebol é uma declaração permanente de que o poder se esfuma tão logo se conquista. Resta o êxtase diante do fim que não é a morte: foi apenas mais um jogo. Domingo que vem tem mais.

  • http://www.facebook.com/brenopeck Breno Peck

    Sou ateu em futebol — aquádrigo, ajúgalo, anômada, se o Google Translate realmente souber latim ou grego — mas não sou vítima dessa baboseira de pós-adolescente revoltado ou de tiozão filósofo de boteco sobre alienação.

    A vida real me ensinou isso.

    Um dos pontos mais altos dos discursos deste tipo de “intelectual” é que os caras se acham os Neos culpando os “alienados” de não quererem sair da Matrix. Quem não concorda com o intelectual de boteco — universitário ou pai de família — é inferior.

    Não. Algumas das pessoas mais inteligentes que conheço são torcedores apaixonados. Subjetivo? Esse texto prova que não.

    Torcedores podem ser trogloditas banhudos e suarentos num domingo, grandes profissionais na segunda, ótimos professores na quarta, excelentes amigos na sexta e ótimos pais aos sábados. Não aceitar estes fatos é que é realmente ser um troglodita da pior espécie: um homem preso a uma caverna.

    Mas o artigo que originou este contraponto — times são só camisas — também não está de todo errado. E de fato é chato enveredar por uma conversa com pessoas inteligentes que de repente se tornam estúpidas por causa das malditas camisas. Ou bobas, como ficou este texto num certo ponto. “Oh, como explicar isso, como explicar aquilo”. Pff.

    No fim das contas, é tudo meio como no futebol: não adianta só atacar pelo meio ou só pelas pontas; não adianta só retrancar ou só atacar.

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000169026699 Michel Colombo

      Vi de perto um amigo chorar feito criança quando o Corinthians foi rebaixado.
      É um cara que sempre admirei. Muito bem sucedido profissionalmente, diretor de vendas de uma multinacional imensa, conquistou honestamente, inteligente, sempre aprendi muito com esse cara.Sem exagero, fiquei atordoado com a cena, pois pra mim não fazia sentido algum um cara tão “solido” se definhar daquele jeito, como se o filho tivesse morrido assassinado por um psicopata canibal e comido vivo na sua frente (rs)Bom, seu comentário acima me fez entender um pouco a reação dele. É tudo meio como no futebol… Mas repito, entendi um pouco, ainda falta um bocado pra sacar. Mas acho que vou ficar por aqui, achando que entendi alguma coisa. Cada um é cada um, certo?

  • Amanda

    Tem gente que se sente bem fazendo yoga, meditando, assistindo filmes, rezando na igreja e tem gente que se sente bem assistindo futebol.

    Uma das definições de alienação no dicionário é ‘Desinteresse por questões políticas ou sociais.’ E eu não deixo de me interessar por essas coisas, simplesmente por ‘gastar’ 105 minutos do meu dia assistindo a um jogo.
    Agora, se por isso muita gente nos considera alienados, eu desafio alguém a vir aqui e dizer que não faz nada mais da vida, além de ‘se preocupar pelas questões políticas e sociais’ – e por se preocupar eu quis dizer: levanta a bunda da cadeira e vai fazer algo sobre, porque ficar de mimimi na internet é muito fácil!

  • Henrique Marquezi

    SENSACIONAL!

    O melhor texto de esporte do PdH, sem sombra de dúvidas.

    Parei de ler na metade aquele texto sobre torcer pras cores e blá-blá-blá.

    Me mudei pra São Paulo em 2004 com 17 anos. Sozinho, sem amigos, sem dinheiro. Caipira na cidade grande, completamente perdido. Na primeira semana aqui descobri um ônibus que passava na frente do meu apartamento e deixava na porta do Glorioso Estádio Cícero Pompeu de Toledo. Comecei a ir em todos os jogos. Sábado às 16, domingo às 18:30, quarta às 21:50, quinta às 20 hrs. Era sagrado!

    Lá eu fiz amigos, lá eu me sentia em casa. Torcer, gritar, chorar pelo São Paulo era algo meu. Uma emoção que nada poderia me dar naquele momento.

    Segui essa rotina por 04 anos. Hoje vou menos ao Morumbi, mas sou eternamente grato a tudo que AMAR o SPFC me proporcionou.

  • http://www.facebook.com/people/Duda-Bolibeira/100003568224225 Duda Bolibeira

    Eu deste de pequeno nunca gostei de futebol, hoje tenho 20 anos e continuo sem gostar, porem eu gosto de jogar bola e não de torcer.

    Sempre achei o futebol um esporte egoísta, mas quase todos são, afinal o homem é egoísta, o que realmente me revolta no futebol são as brigas, como alguém pode agredir um semelhante por conta de um time, isso eu não entendo.

    Agora por favor, não comparem futebol com filmes/seriados, tudo bem que alguns filmes tem as mesmas funções do futebol que é simplesmente entreter, porem tem muitos filmes que nós enriquecem culturalmente, os filmes modelam a nossa forma de ver o mundo, de agir, de pensar, e o futebol está muito longe disso.

    Meu amigo mais ignorante e egoísta é a pessoal mais fanática por futebol que conheço, não digo que todos os futebolistas sejam assim, mas tenho a certeza que o futebol contribui e muito para o individualismo.

    • Arthur Franco Ferreira

      Assim como pode contribuir muito para o individualismo, pode contribuir também para o companheirismo. Muitos amigos que tenho hoje, conheci jogando bola. Já vi amigos conseguirem boas oportunidades de emprego porque conheceu alguém de uma determinada empresa que levou o curriculum do cara para onde ele trabalhava. Já vi um cara dono de uma rede de restaurantes jogar bola com um morador de comunidade e ambos aproveitarem um churrasco depois do jogo ignorando completamente o status social.
      Você que gosta de jogar bola já deve ter visto alguns desses exemplos, são comuns com pessoas que gostam de jogar uma pelada. 

      Você diz tb de questão cultural, porque o futebol não seria cultural? Quem acompanha os jogos e se importa um mínimo de saber as coisas do time acabam tendo um mínimo de cultura. Conhecem outros lugares, aprendem sobre costumes, entre outros. Lógico que o intuito de determinados filmes/seriados são mais culturais, são uma arte, diferente do futebol que é um esporte. Mas, dependendo de como o esporte seja trabalhado, ele pode sim trazer um mínimo de cultura. Comparar o futebol com um filme/seriado realmente não cabe, mas dizer que o futebol está longe de trazer cultura, também é demais.

      • http://www.facebook.com/people/Duda-Bolibeira/100003568224225 Duda Bolibeira

        Gostei do seu ponto de vista perante o futebol.

        Mas ainda acho o futebol um esporte individualista, na verdade não é nem o futebol em si, mas as linhas, margens que dividem cada pedacinho dessa terra, o futebol é apenas uma pequena parte dessa briga, cultural/regional, por exemplo quantas vezes não ouvimos piadas com o pessoal daqui do nordeste, ou dizem que o nordestino é um povo burro, ou que gaúcho é viado, por ai começa a guerra, corintiano é ladrão… e muitas outras chacotas.

        Eu me considero brasileiro, gosto bastante da cultura nordestina pois fui criado aqui, porem tenho vontade de conhecer as múltiplas culturas do meu país, não troco meu Brasil por nenhum outro, nem tenho vontade de sair daqui…

        A gente estava falando do que mesmo ??? vivo fugindo do tema nas redações, ainda bem que já passei no vestibular, mesmo tirando nota 4,0 na redação =D.

      • Arthur Franco Ferreira

        Haha! Justo. Esse bairrismo que você cita existe entre os torcedores de futebol sim. Porém, infelizmente, não é limitado ao futebol isso tem em qualquer área.

        Há piadas bairristas que são “leves”. Que não é para levar a sério ou então é feito de brincadeira. Fazemos isso entre amigos e de maneira saudável. O que não dá é quando a coisa é feita para agredir. Isso realmente acontece bastante, mas vejo isso não só no futebol. Vejo em discussões em fóruns sobre deteminado assunto. Por exemplo, eu sou do ramo de T.I. e já vi discussões bairristas por causa de código de programação. Infelizmente, essa praga rola em tudo quanto é lugar.

        A questão que vc havia levantado era que o futebol era individual e a comparação do futebol com filmes/seriados. O futebol em si não dá para ser individualista. Só pelo esporte em si, que é um esporte jogado em grupo, já deixa de ser individualista. O que dá para ser individualista, são seus torcedores entre si, mas disso nenhum esporte tem culpa. Isso é culpa do indivíduo. E quanto a comparar o futebol com filmes/seriados, não tem cabimento. Um é um esporte o outro é uma arte. O que ambos tem em comum é que são um entretenimento, de fato, mas com abordagens completamente diferentes.

      • http://www.facebook.com/people/Duda-Bolibeira/100003568224225 Duda Bolibeira

        Arthur, eu estava mesmo buscando um cara da sua área, tecnologia da informação, tipo eu estou com um projeto meio louco na cabeça, tentei aprender php sozinho porem é mais complicado do que eu pensava, eu curso química, quero ser professor é um ramo completamente diferente.

        Você tem um e-mail para contato? dai posso te contar os detalhes.

      • Arthur Franco Ferreira

        arthur.f.ferreira (gmail)

  • Katz

    O futebol não é uma idiotice. A afinidade dos outros é que é. E isso pode ser sobre qualquer coisa, não somente futebol.

    A nível de exemplo, no caso do futebol:

    Existem níveis de apego:

    1. Torcedor de organizada = Está onde o time está.

    2. Jornalista esportivo = Come futebol a maior parte do dia.

    3. Torcedor geral = Vê o time sempre que pode, e eventualmente, quando não pode.

    4. Torcedor “passivo” = Sabe o nome do goleiro se o time for ruim, e do atacante se o time for bom.

    5. Indiferente ao futebol = Espectador que não sabe o que é impedimento.

    Quanto mais abaixo na tabela, mais dificuldade terá de entender os de
    cima. Eu estou no 3, e tenho alguma dificuldade de entender os
    jornalistas esportivos que pensam futebol o dia todo, assistem mais
    jogos que eu, viajam, participam de programas diários sobre futebol
    (ESPN, Sportv..), e na vida social devem falar mais sobre futebol do que
    eu. Os torcedores de organizadas são ainda mais complexos, pois veem em
    seu time algo mais importante do que sua vida (embora os demais
    torcedores digam o mesmo, são os de organizada que demonstram isso), e
    eu acho isso uma idiotice.

    Não por ser uma idiotice, mas por não ter o mesmo nível de afinidade pelo clube ou esporte.

    É claro que o apego extremo é sempre perigoso, porém, a manifestação
    desse apego a um clube, através da violência (alguns casos) é que faz os
    demais pensarem que é algo abominável. Ora, olhem para si mesmos. Quem
    disse que um apegado a mulher, filhos, séries, jogos, videogame,
    Beatles, Nietzsche, cinema preto e branco… não é tão perigoso quanto a
    um apegado ao futebol.

    Cômico mesmo é um ser que simplesmente não possui afinidade com esporte,
    se considerar superior aos que têm. E mais, para as coisas com as quais
    ele tem afinidade, ele também é superior. Imaginam a fonte da
    superioridade como fora dele: Ateus e religiosos, socialistas e
    capitalistas, fãs de metal e fãs de restart, quando na verdade é somente
    – das tantas -, uma característica interna e imanente ao próprio ser
    humano.

  • Marcus Telles

    Achei o texto falacioso ao extermo. Mas começo citando minha concordância: entretenimento e política não se anulam, não há nada de errado em torcer. OK. Dito isso, essas definições de o que é torcer são absurdas, intolerantes, ingênuas.

    Não é “o Fluminense que escolhe você”: todos sabemos que a escolha do time frequentemente é aprendida na infância. “Torcer é defender seu time mais do que você defenderia a você mesmo”? Tá louco?

    Se torcer é “não conseguir rir de uma piada com o seu time mesmo se ela for engraçada”, então não torço. Mas pra mim é meramente falta de senso de humor. “Passar longe do que está com a camisa do time rival” é meramente intolerância, etc.

    Com tantas falácias, me assusta um pouco tanta gente chamando o texto de fodão. Pois não é preciso se fiar a esse tipo de definição normativa do ato de torcer para se legitimar o prazer de torcer. Acho que textos assim obscurecem o mais interessante do que é torcer, que é um ato capaz de continuar proporcionando diversão mesmo quando se concorda com (por exemplo) um texto como aquele do Bracht. (Cabe observar, inclusive, que a linguagem do Nelson Rodrigues é evidentemente poética, enquanto a do Bracht (e outros) é literal. A não ser que tanto no texto quanto nos comentários se escolha falar poeticamente (o que não aconteceu na maioria dos casos, e o que seria estranho de se fazer sem dar indícios de tal), o que se tem é uma certa infantilização do diálogo.

    • LuizZamboni

      Também achei pobre em argumento, uma citação de Nelson Rodriguez é uma clara falácia, aliás, Sofisma na minha opinião,  recorre-se a uma suposta autoridade para argumentar, ao invés de expor o argumento.
      .
      Se eu fosse defender o ato de “torcer para um time” , enfatizaria a idéia de que é emocionante presenciar confrontos, acompanhar um heroi na sua busca, seus desafios, ver seu esforço ser recompensado e experimentar a catarse por final. Como num filme ou num jogo qualquer.
      .
      Aliás, é a única coisa apreciável em comum a qualquer esporte é justamente isso, presenciar o desafio.  Assim mesmo os que não curtem futebol seriam tocados..Do contrário, se não fosse esse a razão da exposição , qual seria ? Autoafirmação dos que gostam de futebol ? Desnecessário, como o autor faz crer, o gostar não se explica, não é racional.
      .
      Eu pessoalmente detesto futebol, sei alguma coisa pois meu avô foi jogador no Flamengo, não consigo ter interesse em ficar 90 min + intervalo assistindo uma partida.E os campeonatos nacionais então, todos jogando contra todos…não tenho saco para isso. Alem disso, pra mim tem um julgamento moral, vejo os times de futebol devendo fortunas e esbanjando. Fosse uma pessoa física ou uma empresa privada os governos não dariam essa moleza. Aqui no Rio teve Prefeito perdoando dívida, devolvendo sede de clube. Isso é uma vergonha, não cabe a quem quer um país melhor.
      Mas a maioria das pessoas que não curtem futebol, não curtem pelo motivo moral, e sim pq o percebem como um jogo chato mesmo, 90min + 15min, campeonatos intermináveis…  

      • Rodrigo

        Acho que cabe uma distinção entre o Futebol com F maiúsculo, ou seja, o jogo em si, e a forma como o futebol está organizado no Brasil. A má administração dos clubes e da CBF, o mau exemplo de alguns jogadores, o gasto de dinheiro público em obras privadas e a corrupção em geral são problemas sérios, sim, mas são um problema brasileiro como um todo, reflexo dos nossos valores, e não do futebol em si. Se ao invés do futebol o esporte mais popular no Brasil fosse o ping pong, todos estes problemas continuariam existindo, e leríamos sobre a corrupção no mundo do ping pong. Concordo com você na sua crítica ao modo como o esporte é conduzido por aqui (e em muitos outros países), mas é preciso separar as coisas.

  • http://www.facebook.com/viniciusmarcall Vinícius Marçall

    futebol também muda a forma de ver o mundo, agir e pensar! ;)

    • LuizZamboni

      Curti pq entendi como uma ironia, espero que tenha sido.

  • http://www.facebook.com/phtolentino Pedro Henrique Tolentino

    Visito o site diariamente, leio todos os artigos, mas nunca comento, entretanto, esse não tinha como eu não elogiar ! Parabéns pelo artigo, simplesmente SENSACIONAL !

    Resume bem o que eu sinto em relação ao meu Galo.

  • Denilson

     O texto era para ser muito bom, mas não gostei porque usou o Fluminense e o Flamengo como referências… TIMAO EO! : )

  • Bruno

    acho fora da normalidade chamar de alienado quem ama futebol, falar de política, ora meu caro, você acha que quem votou no tiririca era torcedor de futebol? acredita que o torcedor de futebol, por ser fanático, não trabalha, estuda, come e dorme? eu vejo com desgosto alguns citarem política e descriminar o futebol, se achando o próprio revolucionário, quando vários dos que falaram tiveram idade suficiente para participar do “cara pintada” e duvido muito que tenha feito. Amar futebol não quer dizer que você não faça mais nada na sua vida. =)

    parabéns pelo texto.

  • Rodrigo

    Curti o texto e gostaria de apresentar um ponto de vista diferente:

    Eu não sou fanático. Torço pro Inter e acompanho com interesse, assisto os jogos quando dá, mas não perdi o sono quando fomos eliminados da Libertadores para o Fluminense agora. O que eu gosto mesmo é de ver um jogo bem jogado, ou que por outro motivo seja interessante. Muita gente me pergunta qual a graça de ver jogos de times para os quais eu nem torço, e eu acho até difícil de explicar. O futebol é um esporte tão interessante porque depende de tantas variáveis: o talento individual pode fazer a diferença, mas não basta sem uma equipe bem formada. Ao contrário do futebol americano, não existe uma posição que seja a mais importante que as demais. Ao contrário do basquete e de vários outros esportes, não é necessário ser fisicamente avantajado, qualquer um pode jogar. Ao contrário do atletismo, nem sempre o melhor ganha. Além disso, tem todas as histórias se desenrolando, desde antes de o campeonato até a comemoração do título. Isso pra não falar no principal, nos dribles desconcertantes, passes impossíveis, chutes precisos, e, principalmente, o coletivo superando a soma das individualidades.

    Um drible do Zidane seguido por um passe fantástico, o gol do Iniesta na prorrogação da final da copa, o jogo coletivo da Holanda em 1974, a arrancada fantástica do Messi contra o Getafe, a superação do Chelsea nessa final de agora: mesmo que não seja fã de futebol, uma pessoa que não consegue reconhecer a beleza destas situações ou é hipócrita ou tem um parafuso faltando. Não digo isso por fanatismo, até porque acho que se aplica em todos os campos: não sou grande fã de pintura nem de música clássica, e nem conheço muito, mas tem que ser um animal pra ficar indiferente à Noite Estrelada do Van Gogh ou à Sonata ao Luar do Beethoven.

  • http://twitter.com/hiran7 Hiran

    Perfeito
    Meu parabéns, é isto mesmo!

    Ah, mas vc não gosta de futebol? Não sabe o que é sofrer em uma derrota nem o sabor de uma vitória? Tenho pena de vc….

  • http://www.facebook.com/ozkneto Oscar Neto

    Excelente texto, parabéns.
    Só uma correção: Bill Shankly era escocês, e não inglês. Ficou conhecido por treinar o Liverpool FC. Sou fanático por futebol e torço pro Liverpool, tenho até uma foto ao lado da estátua de Shankly, na entrada do Anfield Road.

  • Lucas Silva

    Eu não acredito que algo tenha sentido, nem por isso vou me matar. 

    Quando alguém questiona o futebol, está questionando a razão do esporte em geral. O esporte é um jogo e tem um fim, o prazer, que é subjetivo, mas geralmente as pessoas sentem por causa da emoção envolvida numa disputa. O esporte também é uma forma de manter o corpo saudável e é um importante elemento de socialização. 

    Levar a sério o futebol ou o esporte em geral é uma infantilidade, é como levar a sério uma partida de xadrez ou cartas. 

     

      

  • Tatiana

    E gostar de um time é ainda pior quando você é uma mulher…

  • Marcos Paulo

    Foi justamente essa paixão excessiva e a intolerância com torcedores de times rivais que me fez desgostar do futebol.

  • sonia avila

    futebol é uma grande multinacional onde os piões trabalham de graça.os piões são os torcedores que pagam os milionários para assistir uma partida de futebol. ´´e a pionada que paga tudo ,paga até a mídia para induzir os jovems.

    teria que existir uma lei para ser jogador terá que ter faculdade e salario compatível .1200,00 por mês é isso que á maioria recebe quando se forma.

    por que os meios de cumunicão divulgam nos maiores jornais e tv brasileiras futebol ,por que tem um monte de sequidores fanáticos pagando.
    é o que penso deste esporte.

  • Jeanderson

    Leonardo Luz vou dizer uma coisa,nada contra quem gosta de futebol,quem torce para um clube,é o direito de cada um,mas e quem simplesmente não gosta ? o grande problema é a forma como o futebol é imposto no brasil,pessoas que não gostam de futebol são tratadas exatamente como você cita no seu texto,intelectóides. bom eu não sou intelectoide,tenho só o ensino médio,nem seria capaz de escrever um texto como o seu,mas eu não gosto de futebol,e como muitos que não gostam,sou tratado como um leproso,um cidadão que não merece respeito,que não é brasileiro,pense em algo que você não gosta,vou usar o futebol como exemplo:já pensou se obrigassem você a torcer para um time, se você não torcer para esse time será excluído socialmente,será tratado como um cidadão de segunda classe,pense nisso ,ninguém é obrigado a torcer pra time nenhum,muito menos pra seleção,e isso não me faz menos brasileiro,

  • Raul Vargas

    A grande maioria das pessoas que diz que uma coisa não exclui necessariamente a outra (tipo futebol, novela, BBB X livros, politização, etc.) fica só com os da primeira opção. Usa-se uma pretensa verdade simplesmente pra justificar pra si a para os outros uma mentira e uma preguiça intelectual, o que me parece bastante desonesto. Em teoria uma coisa não exclui a outra, mas na prática vemos que exclui sim para a maioria das pessoas, inclusive as que usam esse tipo de argumento desonesto.

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5355 artigos
  • 653941 comentários
  • leitores online