Como fazer feijão tropeiro (o segundo melhor do mundo), passo-a-passo

Pedro Turambar

por
em às | Comida, Guias, Relatos


Nos idos de 2008, mais ou menos naquela época entre Ó Meu Deus Que Calor e Ó Meu Deus Eu Não Aguento Mais Essa Chuva, eu saía todos os dias às nove e pouco do meu apartamento no Sto. Antônio, em BH, para a agência onde era estagiário.

A agência no caso fica até hoje na Guajajaras, entre as ruas São Paulo e Curitiba (quem mora em BH com certeza sabe onde é). Todos esses dias eu me perguntava onde iria almoçar — já que, no centro, o aconselhável é dar uma variada boa entre restaurantes, o que na verdade quer dizer “não coma todos os dias no R$4,99 sem balança”.

Av. Augusto de Lima. O quarteirão de baixo dessa foto ficava o lugar que eu tanto amei

Av. Augusto de Lima. O quarteirão de baixo dessa foto ficava o lugar que eu tanto amei

Foi numa dessas que, entre um cartão de natal e outro (fiz 15 cartões natalinos diferentes naquele ano. Eu contei), decidi entrar numa birosca ali na Augusto de Lima que vendia pedaços de pizza (e eu que detesto almoçar pizza, mas resolvi abrir uma exceção).

Foi quando reparei num cardápio e vi que o lugar oferecia pratos feitos. Seguindo a minha Lei do Primeiro Pedido*, não pestanejei e pedi aquele que viria a ser conhecido como O Melhor Feijão Tropeiro do Mundo.

*A Lei do Primeiro Pedido é um conjunto de regras que eu fui criando ao longo dos anos e que sigo quase a risca toda vez que peço qualquer tipo de alimento em algum lugar pela primeira vez. Por ser um pouco extenso, compartilharei os pormenores da Lei em outra oportunidade.

O Melhor Feijão Tropeiro do Mundo!

Bem, eu fui para o fundo do lugar e sentei numa mesa de plástico qualquer e esperei. Segundo a tal Lei, tropeiro é batata. Pedi uma Coca-Cola para acompanhar e esperei. Quando o prato chegou, eu entrei em choque. Era uma tigela média com um bife de porco inacreditável em cima. Acompanhava um prato com arroz, alface e tomate.

Levantei o bife e vislumbrei a maravilhosa criação dos bandeirantes e tropeiros. Porém havia algo diferente. Tenho certeza que se eu contasse os ingredientes e a composição do prato encontraria a proporção áurea.

Era molhadinho, na medida certa, nem mais nem menos. O visual não poderia ser melhor, robusto, bonito, exalando calor e sabor. Não era salgado, nem sem sal. A quantidade de torresmo por colherada era exata. A couve, que era refogada — não crua como em alguns tropeiros por aí –, ‘chupou’ todo o sabor do bife que era a cereja do bolo. Para finalizar, um ovo cozido dividido em dois, num prato montado por um caprichoso, talentoso e talvez subvalorizado, quiçá desperdiçado chef.

Legenda: Infelizmente não existem fotos oficiais do Melhor Feijão Tropeiro do Mundo. Essa aí, por mais próxima que seja não faz jus ao que era

Legenda: Infelizmente não existem fotos oficiais do Melhor Feijão Tropeiro do Mundo. Essa aí, por mais próxima que seja não faz jus ao que era

Era um absurdo. Quase revoltante aquilo existir e não ser divulgado, conhecido por todos. Por Deus, devia ser consumido por todos! Aquele Tropeiro e seu criador deveriam ser patrimônio gastronômico e cultural do país. Quem estiver lendo esse post e tiver o contato, chama o IPHAN.

Ao terminar de comer, ainda incrédulo, tive receio de que fora apenas um caso isolado. Que fora sorte. Mesmo assim, agradeci a todos

“Diga à cozinha que foi o melhor tropeiro que já comi”.

Fui embora andando devagar, virando a esquina da rua Curitiba, certo de que minha vida havia mudado para sempre. Acendi um cigarro (eu ainda fumava) e fui pensando na experiência que acabara de ter. Com aquele gosto ainda passeando pelas papilas gustativas de um gordo feliz em sua plenitude.

No outro dia, voltei na birosca-que-havia-se-transformado-em-restaurante. Obviamente, depois da palestra que dei ao chegar na agência no dia anterior, toda a agência me acompanhava.

E não. Não foi um acaso do destino. O Melhor Feijão Tropeiro do Mundo continuava sendo feito com perfeição pelo mestre anônimo da cozinha do pequeno restaurante pizzaria situado Av. Augusto de Lima. Ali, pertinho do Mercado Central.

Até eu sair da agência e ir trabalhar como freela, a sexta-feira se tornou um dia especial não pelo Nerdcast, não por ser “fim de semana”, mas por ser o dia da semana que eu almoçava o MFTdM.

***

Quase quatro anos depois, o destino — conhecido também como “contas a pagar” — me trouxe de volta à mesma agência daquela época. Logicamente fui atrás daquela perfeição em forma de prato típico.

Mas, para meu horror, descobri que tal lugar não existia mais.

Eu vivi até aquele dia com a segurança de que eu poderia simplesmente chegar lá e fazer o pedido, como se o tempo nunca tivesse passado e tudo fosse como era em 2008. Perguntei atônito para o rapaz que atendia na loja de qualquer coisa que se instalara no lugar da birosca-que-havia-se-transformado-em-restaurante, o que havia acontecido, porque eles estavam fazendo aquilo comigo, porque o mundo era assim tão cruel.

Ele disse que não sabia, que quando o “patrão” pegou o ponto ele estava vazio já há algum tempo e não faziam ideia de onde fora parar o tal feijão tropeiro. Tentando digerir essa constatação indigesta ao invés do tropeiro perfeito, várias perguntas foram surgindo.

O Feijão Tropeiro do Mineirão> Bom, muito gostoso. Mas não é aquele. Aquele, sabe?

O Feijão Tropeiro do Mineirão> Bom, muito gostoso. Mas não é aquele. Aquele, sabe?

Será que o restaurante quebrou mesmo ou mudou de lugar? Pra onde? Será que o magnífico chef  encontrou um patrão que deu a ele o valor que ele merecia? Será que agora ele faz o Melhor Feijão Tropeiro do Mundo para sheiks bilionários no Qatar ou Burj Khalifa? E talvez por não conseguir substituir o artista, o dono da birosca foi forçado a fechar?

Indagando sobre o que havia acontecido, acabei indo comer num R$4,99 sem balança mesmo. Que o destino quando bate, bate forte.

***

Eu queria muito terminar o texto no ponto final acima, mas seria muita maldade terminar assim, com essa melancolia toda. É por isso que, ao invés de deixar você, caro leitor, apenas na vontade, tenho aqui uma receita de família de um feijão tropeiro delicioso.

Não é a perfeição que era o MFJdM, mas você não vai reclamar.

Minha querida mãe escreveu assim:

Como fazer feijão tropeiro

  • Feijão Vermelho 250g / Cozinhe 20 minutos na panela de pressão com 2 folhas de Louro;
  • Pegue um maço de couve fresquinha e reserve;
  • Frite 200g de Linguiça de Lombo, pique em rodelinhas pequenas e reserve;
  • Na mesma frigideira, frite 3 ovos, pique-os e reserve;
  • Numa panela, refogue o alho picadinho e sal no azeite de oliva. Não deixe corar, é apenas para dar sabor;
  • Acrescente a linguiça, o bacon, os ovos, a couve, o feijão (coado, sem o caldo, apenas os grãos). Mexa tudo com um garfo grande;
  • Acrescente a farinha de mandioca e azeite. Continue mexendo com o garfo grande;
  • Sirva em uma bonita travessa, enfeite com cebolinha & salsinha e por fim torresmo frito.

É uma delícia.

Receita de mãe é assim, no olho, com os ingredientes jogados no meio da receita. E eu acho bom que você tenha um garfo grande. Me lembra uma vez meu pai tentando me ensinar a fazer arroz.

“Você põe um tanto de água assim, depois um tanto de sal assim, deixa uns minutos, e tá pronto.”

Se quiser deixar a receita mais próxima com o Melhor Feijão Tropeiro do Mundo, eu aconselho refogar a couve na mesma frigideira que você fritou as linguiças e o bife de porco. E para deixar mais molhadinhos vai colocando colheres de óleo, aos poucos.

Benedicto Calixto – Rancho Grande (dos Tropeiros) // Obrigado, tropeiros. Mesmo

Benedicto Calixto – Rancho Grande (dos Tropeiros) // Obrigado, tropeiros. Mesmo

Se você tem aí na sua família uma receita infalível de tropeiro, compartilhe nos comentários, e claro, se fizer o feijão tropeiro seguindo essa receita aqui, poste fotos e coloque o link também.

Pedro Turambar

Pedro tinha 25 anos e já foi publicitário. Ganha a vida fazendo layouts, sonha em poder continuar escrevendo e, quem sabe, ganhar algum dinheiro com isso. Fundou o blog O Crepúsculo e tem que aguentar as piadinhas até hoje. No Twitter, atende por @pedroturambar.


Outros artigos escritos por

Somos entusiastas do embate saudável

O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Somos um espaço plural, aberto a visões contraditórias. Conheça nossa visão e a essência do que fazemos. Você pode comentar abaixo ou ainda nos enviar um artigo para publicação.


EXPLODA SEU EMAIL

Enviamos um único email por dia, com nossos textos. Cuidado, ele é radioativo.


TEXTOS RELACIONADOS

Queremos uma discussão de alto nível, sem frescuras e bem humorada. Portanto, leia nossa Política de Comentários.


  • Clayton

    Pedro, seu texto está excelente. Deu vontade de comer esse feijão tropeiro agora; mas isso seria “Papo de Gordo”. Um abraço !

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Cara, deu vontade de comer e repetir umas três vezes. Grande abraço!

  • http://www.facebook.com/andre.soares.92505956 André Araugio

    Muito bom!! Tive a mesma sensação de perda na reabertura do mineirão hehe…uma pena não te experimentado esse aí

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Faça o teste e conte pra gente como ficou.

      Pois é.. o do Mineirão também se perdeu para todo o sempre.. Parece uma sina cara.. uma conspiração.

  • http://www.facebook.com/nettoarnaldo Arnaldo Netto

    Gostei muito do texto. Passou toda sua experiencia gastronômica para nós que íamos lendo e criando mais e mais vontade de experimentar esse Tropeiro dos Deuses. Ainda tenho esperança de algum leitor bater o olho nesse teu posto e te falar “Ei Pedro, eles mudaram para tal endereço”. Esperança, é a ultima ne?

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Arnaldo, esse texto existe apenas com esse propósito. Encontrar novamente o Melhor Feijão Tropeiro do Mundo. Ainda sonho com a possibilidade de ter aquela maravilha na minha frente de novo.

      Vai quê né?

      Fiquemos na torcida.

      • Dayvison Lacerda

        Cara visita bahia que você vai ver muito disso!!!

  • Rogério

    Putz! Cogitava a possibilidade de ter essa experiência incrível, pena! Conforme lia, pude viajar em cada sensação e aromas…muito bom o texto, parabéns! Certamente a receita compensa a frustração de não experimentar o autêntico.

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Depois que escrevi o texto fiquei numa fissura tão grande de tropeiro que tive que achar um outro aqui no centro para suprir a vontade…

      Não é igual ao do texto, mas serviu pra acalmar o espírito um pouco.

  • Junio Rodrigues

    Falando em comida mineira, teve um artigo tempos atrás falando da farsa do melhor pão de queijo do mundo. Esse é fácil de resolver, é o do meu pai. Se quiserem fazer um contra artigo, eu importo ele de BH pra São Paulo.

    • kkohyeah

      já comeu o pão de queijo do “pão de queijo da roça”? na guajajaras entre são paulo e rio de janeiro
      pra mim é o melhor pão de queijo do mundo!
      (e ainda vem com cafezinho de graça)

      • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

        AHHAHAHAH JÁ!

        É do LADO de onde eu trabalho. E eu endosso o coro, é realmente o melhor pão de queijo do mundo. E com cafezinho ainda.

      • nlima

        Já comi lá, é mt bommmm! Perfeito o pão de queijo.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=706126393 Augusto Antonio Paixão

    Esse relato lembrou-me de um episódio do How I Met Your Mother, aquele em que o Marshall procura pelo ,melhor hambúrguer que ele havia comido.

    • http://www.facebook.com/andre.ricarrdo André Ricardo

      Sucesso este episódio ! :)

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Ahahhahahahahaha caraca Augusto, agora que você mencionou, o sentimento é EXATAMENTE aquele. Esse episódio é sensacional mesmo..

      =D

  • http://www.facebook.com/EdSpranger Eduardo Espranger

    Esse texto, é simplesmente maravilho. De uma narrativa deliciosa (em todos os sentidos). Parabéns, Pedro.

    PS: Só fiquei frustrado ao saber que essa birosca não exista mais. Conforme o texto foi envolvendo, fui me imaginando nas cenas e descendo os olhos pela página pra anotar o endereço, pra conhecer. :´(

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Eduardo, eu compartilho com você essa tristeza. Eu fiquei sem chão quando fui até o lugar e me deparei com uma loja ao invés da birosca.

  • DiegoPrata

    Ótima experiência traduzida num texto!

    Mas pq não utilizar aquela gordura do torresmo, linguiça calabresa, vida (bacon)…

  • http://www.facebook.com/fernandacris.rez Fernanda Cristina

    Fiquei tentando localizar mentalmente esse local perto de casa (seria no Maleta?? mas lá não vende pizza) e fiquei frustrada no final ao ler que ele já nao mais existe. mas a gente sempre topa por uma dessas biroscas surpreendentes pelo centro de bh! parabéns pelo texto!

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Fernanda.. não é no Maleta mesmo não. É na Augusto de Lima quase no Mercado Central. No quarteirão antes, entre São Paulo e Curitiba mesmo. Hoje funciona um negócio de cavalo lá, ou coisa do tipo… =(

      Pois é.. aqui às vezes a gente da sorte de encontrar uma preciosidade dessas.

      • kkohyeah

        aaaaaaaahhhhhh já sei onde é..
        tb fiquei aqui imaginando onde era…
        cheguei a pensar naquela pizzaria q tem na esquina da augusto de lima com espírito santo, mas aí você falou de cadeiras..

      • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

        tinha mesas e cadeiras no fundo… ainda rolava uma tv (de tubo obviamente) passando um Globo Esporte.

        Saudade define viu…

  • http://www.facebook.com/andrebh7 André Puph de Oliveira

    Pedrão,
    conheci um paulista que sempre falava de um tal melhor tropeiro que ele havia comido. Num botei muita fé, né? Mineiro que sou. Mas com os insistentes comentários e convites, fui experimentar. Cara! Ele tinha razão. Muita. Hoje afirmo, um dos melhores que comi.
    Pra quem é de BH, tem todas as quartas, no Restaurante do Gatão:
    Rua Tantalita, 49, Bairro Glalijá.

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      André meu filho, quanto tempo!

      Tá… vou ser obrigado a conferir esse tropeiro aí, mas o bairro Glalijá é onde? Esse eu desconheço. Grajaú?

      • http://www.facebook.com/andrebh7 André Puph de Oliveira

        Fica na divisa de BH com Contagem. Um bairro minusculo:

        http://goo.gl/maps/74Cli

      • samuel

        que delicia, vou fazer hoje mesmo, valeu obrigado

  • http://www.cafecomamigos.com.br Cristiano Vieira

    Eu como feijão tropeiro quase todos os dias. Não sei dizer qual o melhor que comi, sei que comer sem feijão tropeiro é muito ruim.
    Sou meio abelhudo e vou dar umas dicas ao fazer feijão tropeiro. Não vou ensinar a fazer, pois não sou bom nisso, principalmente com relação a tempeiro.

    Ao cozinhar o feijão, a melhor forma de saber quando está bom é, quando a panela de pressão começar a chiar, contar quinze minutos. Não deixe mais que isso.
    Outra dica é nunca usar feijão novo, feijão de alta qualidade. Ao ir no mercado, compre o feijão mais barato. Feijão “bom” e caro cozinha muito fácil e feijão tropeiro com o feijão muito cozido não presta.
    Quanto aos condimentos, aconselho usar linguiça de porco caipira. Sei que é difícil achar, portanto se um dia forem a Anicuns/GO tem um açougue do lado dos Correios que vende uma excelente. Ou se forem a Sanclerlândia/GO, tem um açougue em frente a rodoviária.
    Sei que é quase impossível algum leitor ir por essas bandas, mas se forem, vale a pena conferir.
    Ah, e se gostarem, ao fritar a linguiça despeje uma colher cheia de pimenta malagueta curtida no olho pra fritar junto. Vai ter muito espirro, mas com certeza vai ficar uma delícia.

    • Alberto

      Esse lance do feijão é verdadeiro. Feijão bom não é bom para fazer tropeiro, ou acabará fazendo tutu de feijão (que é bom também, mas não tanto quanto o tropeiro).

      • http://www.cafecomamigos.com.br Cristiano Vieira

        Verdade. A maior dificuldade que acho é encontrar o ponto do feijão. Cozinhou demais, a receita já não será mais a mesma.

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Essa dica do feijão aí é coisa de quem sabe.

      Valeu demais Cristiano!

      • http://www.cafecomamigos.com.br Cristiano Vieira

        Saber mesmo não sei, mas engano bem.

  • http://www.facebook.com/benevides.netto.5 Benevides Netto

    Um toque pra deixar mais molhadinho o seu Feijão Tropeiro (receita do meu pai):
    depois de fritar o bacon, linguiça e tudo quanto é coisa com gordura (e claro, fritos na mesma panela), reserve todo óleo que essas frituras soltaram (sim, quem cozinha sabe que isso solta muito óleo/gordura). Ao final, depois do feijão misturado com as carnes, ovo, couve e etc, aqueça essa gordura/óleo reservado e jogue dentro da panela do feijão tropeiro. Vai estralar tudo, vai aparecer q está fritando o seu feijão tropeiro. Após essa “despejada”, mexa bem e vòila. Só experimentar!

    Receita e toque garantidos pelo velho pai nascido e criado nos interiores mineiros!

    PS.: belo texto e narrativa! Deu água na boca para experimentar o MFTdM!!

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Ahhh sim sim, especial sua dica cara. Eu uso essa “técnica” também quando vou preparar caldo de feijão. Fica uma beleza!

      Mande um abraço pro seu pai!

      Ah cara.. imagina eu escrevendo isso.. lembrando de todas as vezes que comi, e não poder mais..

  • Victor

    Muito bom texto Pedro!
    Mas ao falar em tropeiro, não consigo deixar de lembrar do antigo tropeiro do Mineirão.
    Ninguém almoçava no domingo em que ia ao estádio, só pra poder comer logo uns dois pratos! Além do tropeiro, maravilhoso em si, traz grandes recordações! Lembro uma vez que assisti a um Atlético x Botafogo na geral e um camarada passou correndo e roubou só o bife do meu tropeiro! JURO!!!!!!!!!!!! Não tive outra reação senão morrer de rir!
    Enfim, muito boas recordações!

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Poxa Victor… nem me fala cara.

      Dia de jogo no Mineirão era bom demais antes da reforma. Era tão obrigatório mencionar esse tropeiro que colocamos uma foto aí pra não deixar passar.

      Agora.. esse cara foi sacana em? ahuauhahuhua roubar o bife.. pqp.

      Tem coisas que só aconteciam na geral. Uma pena que tenham acabado com elas.

  • André Pinto

    Além do tropeiro, sexta-feira é dia de feijoada em BH. Bons tempos, saudades de lá.

  • Nayara Malta

    Conheça o tropeiro do mercado central de Contagem, esse é o melhor do mundo.

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Tá anotado aqui pra eu ir até lá conferir. =D

  • Alberto

    Eu poderia até compartilhar a minha receita que, segundo quem já provou o tropeiro que faço, é muito boa, mas não uso tanto as medidas assim. O que posso passar é que as medidas são 1 de feijão, 1,2 de linguiça (apimentada) e 1,5 de toucinho (com um dedo de carne). O alho para fazer o feijão é fritado na banha que resultou ao ter fritado o toucinho. E o torresmo é o último ingrediente, pois se misturar junto com os outros ingredientes, ele não ficará crocante.

  • Mancha

    Excelente texto, muito bem escrito, humor na dose certa! Muito original!!
    Parabéns!!!

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      =D

  • http://www.cafecomamigos.com.br Cristiano Vieira

    Acho que vou fazer um feijãozinho tropeiro no fim de semana.

  • http://www.facebook.com/janaina.oliveirap Janaina Oliveira

    Fiquei com fome. Muita fome. E chorei ao lembrar dos maravilhosos tropeiros que perdi por BH também.

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      Dá uma tristeza imensa pensar nisso.

  • kkohyeah

    Modéstia a parte, o meu tropeiro é muito gostoso. Mas não sei dar a receita, vou colocando os ingredientes no olhômetro, os temperos que tiver em casa e, claro, muito bacon hahaha

    Posso dar umas dicas:
    - Tudo que você for fazer que leve bacon frite ele primeiro (sem óleo!) e depois use a gordura para fritar o resto dos ingredientes
    - Use farinha de mandioca torrada
    - Use linguiça defumada
    - Use um pouquinho do caldo do feijão

    Só não espalhem por aí que eu disse isso pq se não acaba a minha carreira como nutricionista hahahha

    • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

      ATENÇÃO TODOS

      Dicas de uma nutricionista pra gente FIRMAR no bacon.

      Ahahahahahaha. Tá liberado!!!

  • Jair Batista

    Interessante porque moro há dois quarteirões do lugar mas não cheguei a conhecer. E irônicamente, eu gostava muito de um no Santo Antônio, um PF ali na Rua Leopoldina perto da Contorno. haha

  • mineiro do mato grosso.

    E o caol do café palhares? É bom demais da conta. Agora que moro no Mato Grosso, quando vou a BH já penso nesse prato.

  • Silvano Rodrigues

    Muito bom !!! é isso ai vamos abrir nossos horizontes vou tentar fazer esse feijao em minha casa.

  • Messias

    Morei muitos anos em Belo Horizonte, comi muitos tropeiros e tomei muitas cervejas e coluninhas pelas biroscas do hiper centro, mas não me recordo de um tropeiro tão falado como gostoso como esse do Pedro. Tinha um bonzinho ali no boteco do
    Tio Zé, (Gonçalves Dias c/ Amazonas), tinha outro na Cantina Rio Novo (Tupis c/ Olegário Maciel), Mas esse MFTDM deve estar em algum lugar da capital, como dizem, BH são muitas. Eta saudades desses tempos. Abraços

  • Eliane

    Vou fazer hoje o feijão tropeiro….Sua receita,espero que fique bom.A cara tá ótima!!!!!

  • Elisangela Freire dos Santos

    Estava procurando a receita de feijão tropeiro a qual me lembraria um momento maravilhoso da minha vida. Sentir o cheiro e o sabor desta comida é recordar um passado…E o seu texto é envolvente e encerra a minha procura.

  • raquel cordeiro

    adorei a receita ,vou fazer claro com muito carinho sou amante da cozinha e
    com certeza vai ficar muito bom!!!Raquel cordeiro

  • Suzette Lins

    Eu estava só procurando uma receita de feijão tropeiro e fiquei maravilhada com o texto e a receita. Obrigado. Com certeza meu dia terá o gostinho delicioso da sua simplicidade, humor e é claro do feijão tropeiro..

  • Cris

    Adorei a postagem. Vou tentar fazer aqui em casa, mas vou usar o feijão carioca. Por favor, avise sua mãe que outra mãe vai tentar fazer um feijão tropeiro gostoso como o dela! E obrigada pela receita!

  • Cris

    Firmei no bacon, mantive na pressão apenas por 15 minutinhos, usei alho refogadinho com azeite ao final, conforme as várias indicações obtidas neste site e…tudo ficou divino!
    Não há nada mais irritante que receitas que não dão certo, que acarretam desperdício de tempo e ingredientes….mas receitinhas assim (coisas de mãe!), que dão super certo, ainda com direito a pitacos e dicas adicionais, guardo para sempre.

    • pedroturambar

      Jura que ficou bom? Ahahahahahah minha mãe vai adorar saber!
      Obrigado Cris, ;D

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5152 artigos
  • 647782 comentários
  • leitores online