Leia mais de 20 textos sobre masculinidades no canal de Natura Homem no PdH.

"We are legion"

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x50 jpg

Em tempos de manifestações civis varrendo nosso país(e o globo), swarming, clustering, Wikileaks, vazamentos da NSA, Anonymous, Guy Fawkes, darknet, big data, expansão exponencial de toda a informação no mundo... acho que vale entender um pouco mais sobre hacktivismo.

A definição wikipediana nos traduz a expressão como "uso não-violento de ferramentas digitais para atingir fins políticos", em sua maioria ligados a liberdade de expressão, direitos humanos e ética informacional.

O primeiro registro conhecido de hacktivismo foi em 1989: a invasão do vírus W.A.N.K. em sistemas conectados a NASA, DOE e HEPNET, em protesto ao armamento nuclear.

wank
Curiosidade: o registro foi feito por ninguém menos que... Julian Assange.

De lá pra cá, ações de hacktivismo atacaram de grandes corporações(Visa, Mastercard, Monsanto) e sites de pedofilia a governos(Tunísia, Egito...) e, faz pouco, a Veja.

<voz de sérgio chapelin>E o que isso tudo significa? Quem são essas pessoas, qual sua agenda?</voz de sérgio chapelin>

Bem, acredito que a lógica do Cisne Negro apresentada a nós pelo Victor Lisboa em artigo recente tem sua coerência nesse caso. É difícil saber o que tais movimentações de fato representam, além do óbvio não retorno. No entanto, aprender sobre elas no próximo Fantástico ou Globo Repórter não soa lá muito animador.

Por isso deixo como recomendação o belo documentário abaixo, sobre a história do Anonymous. Assisti durante o SXSW 2012 e parece ter se tornado ainda mais relevante:

Link YouTube| Completo e legendado

Vale seu tempo.


publicado em 30 de Junho de 2013, 23:39
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece o curso "Círculos de confiança: como cultivar comunidades digitais benéficas" e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: