Estão abertas as incrições para a última turma de 2017 do nosso curso de equilíbrio emocional para homens. São apenas 20 vagas. :)

Usuário faz as contas e chega à conclusão: Tinder não vale a pena se você é feio

Anônimo usou cálculos empregados em análises econômicas para demonstrar que o algoritmo do aplicativo não funciona para todo mundo

De um lado, andavam homens frustrados com suas vidas amorosas. Do outro, mulheres se queixando dos encontros que arranjavam. No melhor estilo, "os homens são de Marte, as mulheres são de Vênus", eles e elas pareciam dois seres vivendo em planetas separados. Nenhum dos dois felizes.

Daí apareceu o Tinder (e um monte de outros aplicativos de encontros) prometendo que a tecnologia – sempre ela – ia resolver o problema. Agora, todo mundo ia achar o seu par ideal ou pelo menos se divertir tentando. Ok, talvez mais a segunda opção do que a primeira.

Em meio a essas mudanças, existia um cara não queria se deixar levar pela nova onda.

Apostava nos encontros casuais, no flerte olho no olho. Mas as sucessivas desilusões amorosas não lhe deixaram outra opção. Primeiro tentou um concorrente e se manteve fiel a ele enquanto pôde, mas a insistência dos amigos foi tanta que uma hora ele cedeu e resolveu finalmente submeter algumas de suas fotos ao julgamento de centenas, talvez milhares de mulheres no Tinder.

Agora, elas lhe diriam se ele era atraente o suficiente ou não.

Foi então que começou a transformação.

Depois de alguns dias no aplicativo, até rolaram alguns matchs (que é quando duas pessoas curtem uma o perfil da outra e abrem uma conversa particular), mas não passou disso. Nem um número de telefone. Muito menos um bom encontro. Longe disso. Pensou que estava enferrujado. E talvez realmente estivesse. Mas logo cogitou uma outra hipótese: será que esse aplicativo funciona de verdade?

Já completamente desprovido de qualquer esperança de fazer aquilo dar certo, resolveu fazer alguns testes. Foi ao Google, procurou fotos de homens atraentes (especificamente attractive guy), rolou algumas páginas de busca pra baixo, com a intenção de tornar os resultados menos óbvios e montou um perfil falso no aplicativo pensando exclusivamente no “bem da ciência”. De acordo com ele, não tinha a intenção de enganar ninguém. Queria apenas entender o algoritmo do aplicativo, uma vez que a própria empresa faz questão de manter o segredo bem guardado.

O que o próprio sujeito anônimo ainda não sabia é que levaria a brincadeira tão a sério que terminaria fazendo a análise mais completa sobre o aplicativo que se tem notícia na internet.

A conclusão, por sua vez, não é lá tão animadora: se você não é um desses caras tradicionalmente atraentes, talvez seja melhor gastar seu tempo com alguma outra coisa. O Tinder não deve te ajudar tanto quanto promete.

Analisando perfis

Para começar os testes, configurou o novo perfil da maneira mais genérica que o aplicativo permite. Seria um homem de 26 anos, com as preferências de idade (18-55) e de distância (+100 milhas) mais abrangentes possíveis. Além disso, para efeito de testes, passou a "aceitar" qualquer perfil que lhe era recomendado. A intenção era ver quantas mulheres desse total lhe "aceitavam” de volta.

Acostumado com uma quantidade de matchs baixíssima, ele se surpreendeu quando viu pipocarem as notificações. O perfil atraente de 26 anos 'batia' com 22,6% das mulheres sugeridas pelo aplicativo. E mais: no recorte por idade, enquanto a média das mulheres sugeridas era de 23,7 anos, a média de idade das mulheres que lhe aceitavam era de 24,5.

Em azul, percentual de mulheres sugeridas pelo aplicativo por idade. Em vermelho, percentual de mulheres que curtiram ele de volta.

Empolgado com o resultado, resolveu ir além e voltou a testar um perfil menos atraente. Agora, o personagem teria 34 anos, estaria um pouco acima do peso e não seria um cara considerado atraente, mas não era de todo horrível.

Repetindo o mesmo procedimento de antes, nosso pesquisador obteve um resultado de apenas 0,5% de matchs. A média de idade sugerida foi de 23,9 anos (praticamente a mesma de antes), mas a média dos poucos matchs que obteve subiu consideravelmente para 28,9, o que conduziu-lhe à conclusão de que o perfil pouco atraente performa mal em todas as faixas etárias, mas consideravelmente pior entre mulheres abaixo dos 29 anos.

A hipótese do impacto da idade, porém, ainda tinha estava em aberto. Foi então que ele resolveu fazer mais dois testes.

Primeiro um perfil pouco atraente, mas com idade de 26 anos que obteve praticamente o mesmo resultado ao ser "curtido de volta" por 0,4% das mulheres, uma variação insignificante. Depois, criou um perfil atraente novamente, mas dessa vez com 34 anos. E foi então que obteve a maior surpresa.

Se o senso comum era de que o homem atraente de 24 anos teria a melhor performance (22,6% lembram-se?), qual foi a surpresa ao descobrir que o homem atraente de 34 anos foi quem teve a melhor performance. Foi curtido de volta por 42% das mulheres sugeridas!

O percentual de matchs dispara no cenário de um perfil atraente com 34 anos. Percebe-se também que a idade média das mulheres sugeridas e, consequentemente, das mulheres que curtiram de volta aumenta bastante.

Com esse resultado em mãos, era chegada a hora de fazer um último teste: agora, o perfil atraente de 34 anos do estudo reduziria a abrangência de idade para mulheres entre 18 e 27 anos. Deixando de fora a possibilidade de escolher mulheres mais velhas, a intenção era testar a hipótese do perfil ir bem ou mal com as mulheres mais jovens. E, mais uma vez, o perfil atraente de 34 anos teve uma excelente performance: 18,9% de matchs, uma diferença bem pequena para os 22,6% do nosso primeiríssimo perfil.

Todos esses resultados, é claro, não podem ser considerados oficiais, mas eles deixam bastante claro que, quando o assunto é sucesso no Tinder, a idade é um fator bem menos determinante do que a "beleza".

Enquanto os perfis considerados atraentes obtém uma média de respostas positivas na casa dos 20%, homens pouco atraentes têm desempenhos abaixo do 1%. Uma diferença bem significativa.

Os cinco cenários testados e os resultados obtidos.

Traçando comparativos

Porém, concluir por concluir que homens mais atraentes performariam melhor do que homens menos atraentes nos parece óbvio demais. Se não temos a dimensão do que essa diferença de 20% para 0,5% de aceitação significa, fica difícil entender o que isso representa na vida real.

É por isso que nosso usuário anônimo resolveu ir além. Nas suas próprias palavras: "já que eu não estava tendo nenhum encontro mesmo, sobrava tempo para continuar minhas análises. Assim você não precisa fazer o mesmo."

Na pesquisa realizada por ele, apesar da amostragem ser baixa, nosso usuário anônimo obteve um resultado muito parecido com uma pesquisa anterior realizada pelo jornal The New York Times. Ele reparou que as mulheres são bem mais seletivas que os homens na hora de curtir um perfil no Tinder. Enquanto elas dão like em apenas 12% dos homens sugeridos, eles curtem, em média 46% das sugestões.

Entrevistando cada uma das mulheres analisadas, ele também foi capaz de criar um gráfico que mostra a curva de interesse entre homens e mulheres relativo ao seu percentual de “atratividade”.

Essa análise revelou dados ainda mais interessantes:

  • Os 80% dos homens que estão mais baixos numa escala de atratividade estão competindo por 22% das mulheres mais baixas nessa mesma escala;

  • Enquanto isso, os 78% das mulheres mais altas numa escala de atratividade estão competindo pelos 20% dos homens mais altos nessa escala.

​Muitos ganham poucos likes e poucos ganham muitos. Já viu isso em algum lugar na vida real?

A partir deste gráfico, foi possível montar uma fórmula na qual um usuário pode calcular seu nível de "atratividade" com base no desempenho que tem no Tinder (quantos likes recebe a cada like dado).  

atratividade% = 16.8*ln(like%)+52.3

Essa fórmula, que mais uma vez indica que um homem atraente obterá cerca de 20% de respostas positivas no aplicativo, é quem traz as más notícias para a maioria dos homens.

De acordo com ela, um homem que tem um perfil médio em termos de atratividade (nem acima, nem abaixo do normal) tem uma taxa de sucesso de menos de 1% (0,87%). Isso que significa que a maior parte de nós tem 1 chance em 115 de fazer um match.

Essa distribuição desproporcional de likes (poucos ficam com muitos e muitos ficam com poucos) foi colocada em perspectiva uma última vez quando nosso usuário-pesquisador resolveu aplicar seus conhecimentos em economia para responder a seguinte questão: se o Tinder fosse um país, quão desigual ele seria?

A resposta? Mais desigual que 95,1% de todos os 162 países analisados.

Através do coeficiente de Gini, um indicador econômico que mede a distribuição das riquezas dentre os indivíduos de uma nação, a distribuição de likes no Tinder poderia ser comparado à distribuição de renda de países brutalmente desiguais como o Haiti.

Numa escala onde 0 é totalmente equilibrado e 1 é totalmente desequilibrado, o Tinder obteve um coeficiente de  0,58, acima de países como os Estados Unidos (0,41) e o próprio Brasil (0,51).

Isso quer dizer que se o Tinder fosse um país, ele seria desigual pra cacete.

Como essa última conclusão em vista, nosso dedicado pesquisador desistiu de vez de tentar a sorte em meios digitais e tomou a decisão de voltar a apostar suas fichas em outras estratégias mais analógicas.

Para alguns, talvez isso seja um sinal de que a tecnologia não vai resolver todos os nossos problemas. Para outros, talvez isso signifique que é melhor ter uma chance em 115 do que uma em um milhão.

De qualquer forma, não muda a análise de que, se você quer otimizar suas chances com o sexo oposto, a melhor solução sempre será entender que existe uma pessoa complexa do outro lado, com tantas dúvidas, intenções, preferências e inseguranças quanto você.

Leituras complementares:

Mecenas: Natura Homem

Natura Homem acredita que existem tantas maneiras de exercer as masculinidades quanto o número de homens que existem no mundo. Seja no universo dos aplicativos de namoro ou no bom e velho olho no olho, o importante é ser você, por inteiro.

Natura Homem celebra todas as maneiras de ser homem.

Mecenas mobileMecenas desktop

publicado em 10 de Outubro de 2017, 00:05
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura