Um guia com mitos e verdades para correr no calor

Pequenos fatos que podem atrapalhar e impulsionar uma maneira de correr melhor essa época quente

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Rapaz, quando a chapa do asfalto esquenta, a gente precisa saber direitinho onde estamos pisando pra não dar tudo errado depois. É aquela coisa do "dar um passo pra frente para depois dar três para trás", sabe?

Pra correr bem no calor, temos aqui alguns mitos e verdades que podem te ajudar a escapar de roubadas e avançar com boas dicas. Peguei lá da Go Outside:

"O mito: a sede não é um bom termômetro"

A verdade: A sede é mais que um bom indicador: para alguns estudiosos do tema, aliás, ela é o mais confiável.

Trata-se de um mecanismo natural que costuma estar bem aferido. É claro que você vai se beneficiar com um plano específico para uma prova e que mais informações, como saber sua taxa de suor, são muito valiosas, sobretudo em corridas quentes mais longas.

O mito: a cafeína vai te desidratar

A verdade: Os efeitos são mínimos no seu corpo. Inclusive, se o item já faz parte do seu dia a dia, mais adaptado a ele seu corpo está.

A “lenda” defende que a cafeína, apesar de seu efeito estimulante e diurético, acelera a desidratação. Estudos recentes mostram que até 300 mg afetam minimamente a saída de líquidos do corpo. Durante a corrida, seu organismo já estará com o fluxo de sangue bem reduzido nos rins – o que diminui ainda mais a influência do cafezinho.

O mito: alimentos quentes são uma boa escolha (eles "descem" mais fácil)

A verdade: Prefira opções no mínimo na temperatura ambiente ou levemente geladas.

Essas, sim, auxiliam no resfriamento do corpo e ainda dão um alívio para outros órgãos e sistemas já bastante atarefados com o calor.

O mito: nada melhor que água pura para se hidratar

A verdade: Nem sempre apenas água é a melhor opção. Em climas amenos e corridas de até uma hora, pode ter certeza que sim.

Mas se a temperatura aumentar e você começar a exigir mais do corpo, precisará de outro ingrediente fundamental: sal. Não se esqueça de que o sódio ajuda a reter água, o que também diminui sua vontade de ir ao banheiro no período de exercício.

O mito: a desidratação arruina a performance

A verdade: Não há comprovação suficiente para garantir que a perda de massa corporal até 4% afete de fato tempos e marcas de atletas bem treinados. Acima disso, no entanto, não restam dúvidas de que sim.

A hidratação em excesso, por outro lado, se mostra uma vilã muito mais cruel, agindo de forma silenciosa e podendo ser fatal.

Na hora de comer:

1. Bebidas esportivas, smoothies e sucos de frutas (assim como as frutas em si) têm alto conteúdo hídrico e boa oferta de carboidratos. Por isso, devem ser parceiros no plano alimentar.

2. As opções citadas acima também contribuem para a concentração do plasma sanguíneo e oferecem ao corpo micronutrientes (como potássio, cloro, magnésio e vitaminas C e do complexo B). Dessa forma, ajudam nos trabalhos celular e de contração muscular, ambos ainda mais exigidos em climas quentes.

3. Fique longe de alimentos de digestão mais difícil (carnes vermelhas, por exemplo), pois seu sangue vai estar bem “ocupado”.

4. Evite também comidas gordurosas de forma geral, já que elas ajudam a reter o calor no organismo – lembre-se de que a gordura é uma das responsáveis por manter nosso corpo aquecido.

5. Calcule pelo menos um período entre 8 a 12 semanas para colocar em prática todos seus ajustes nutricionais. Isso inclui a quantidade de água e eletrólitos ingeridos, além dos macronutrientes escolhidos.

Na hora de beber:

Antes do exercícioDuas horas antes da corrida, ingerir de 5-7 ml/kg de peso corporal. Um indivíduo de 70 kg, por exemplo, deve beber cerca de 350-500 ml de água nesse período.

Durante o exercícioA quantidade depende de variáveis como taxa de sudorese e duração do treino. Em locais mais quentes e secos, de forma geral, beba cerca de 100 ml de água a cada 12-15 minutos de atividade física. Atenção para a reposição de eletrólitos: o corpo perde cerca de 500 mg de sódio a cada 500 ml de suor, além de pequenas quantidades de potássio, magnésio e cloro.

Bebidas com cerca de 250 mg de sódio por 500 ml de água são boas opções. Para atividades superiores a 60-70 min, recomenda-se ingestão de carboidratos em concentração de 5-8% nas bebidas esportivas, em quantidades de 30-60g/hora de treino.

Após o exercícioReponha cerca de 125% a 150% do peso corporal perdido. Ex.: em caso de perda de 1 kg, o ideal é a ingestão de 1,25 a 1,5 litro. Em dias muito quentes, também é recomendado molhar o corpo e realizar bochechos com bebidas esportivas para melhorar a percepção cerebral dos carboidratos.

Importante: Em treinos de até 1 hora, ingerir apenas água. Todas as indicações acima são estimadas; é aconselhável o acompanhamento nutricional individual por um profissional especializado.


publicado em 03 de Janeiro de 2018, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: