"Um cara tentou seduzir minha parceira na minha frente, com selinhos. Ela não o impediu." | Mentoria PdH #33

"Se possível, gostaria de ler sugestões com formas mais maduras e construtivas pelas quais eu poderia ter reagido nessa hora."

Pergunta da semana:

"Olá colegas do PdH,

Há anos conheci o site de vocês, gostei do material e desde então acompanho o portal quase diariamente. Gosto dos textos que discutem masculinidades, me sinto menos sozinho desde então.

Estamos juntos, Otávio! O PdH é uma comunidade. E a casa agradece seu elogio. ;-)

Entro em contato para sugerir pauta para a sessão Mentoria PdH e para desabafar. Essa ideia veio de uma história que vivi recentemente.

Estou namorando uma mulher há 5 meses e que na minha opinião é bem resolvida, inteligente, "madura" e que eu admiro(ava) muito.

Ela é 5 anos mais velha que eu e está se aproximando dos 40, por isso várias vezes reconheço bastante satisfeito que o que ela está me sugerindo ou observando sobre nós e sobre o mundo está correto, essa sabedoria é uma das coisas que mais me atraem nela.

O caso se passou há algumas semanas atrás, mas eu não consigo superar. Estávamos em uma balada de SP, bastante animados. Minha namorada bebeu mais que eu, o que não estava me incomodado, pois ela nunca me deu trabalho, nem fez papelão. Apenas estava mais soltinha que o normal e isso estava me agradando bastante, ela estava me provocando sexualmente e eu estava empolgado com o que a noite prometia.

Estávamos na pista revezando entre dançar e beijar, acompanhados de outras 4 amigas e o irmão de uma delas (ainda com vinte e poucos). Entre uma música e outra, paramos a dança para descansar e aproveitamos para dar uns amassos.

Enquanto estávamos abraçados e nos beijando esse irmão da amiga dela, consideravelmente bêbado, nos interrompeu, chamou minha namorada, puxando-a pelo braço, e para minha surpresa ela foi sem resistir. Durante os próximos minutos (que para mim pareceram uma eternidade) ele a abraçou e tentou beijá-la, dando selinhos na boca, que não eram retribuídos.

A princípio achei que ela iria se afastar dele, que iria protestar de alguma forma, mas sua única reação era rir a cada investida. Para minha tristeza ela não disse não, nem sequer o impediu de continuar tentando. Ele alternava entre abraços, segurar nas mãos, na cintura, carícias no cabelo e ela ria, mas não interrompia a tentativa.

Ele não estava agarrando ela a força, mesmo assim ela ficou junto dele.

As amigas de minha namorada, que eu havia conhecido aquele dia, me olharam como que esperando para ver minha reação. Eu me sentia humilhado, por minha namorada e por mim mesmo, pois tive vontade de separar os dois a força e fazer um escarcéu, motivo que aumentou ainda mais minha vergonha.

Tentei fingir que aquilo não me abalava, mas era uma mentira tão deslavada que a tentativa não durou nem 2 segundos. Quando acabou a música o sujeito deu um último selinho na boca dela e voltou para o lugar que ele estava antes na roda.

Minha namorada, ainda rindo, veio dançando em minha direção com os braços esticados para me abraçar. Eu não sabia onde enfiar a cara, não queria estar com ela ali depois do que tinha acabado de acontecer. Fui ao banheiro, na volta aleguei que estava me sentindo mal. Nós dois pegamos Uber e fomos cada um para sua casa.

No dia seguinte, quando falei sobre a noite anterior e como eu me sentia mal pela situação, ela disse que nem se lembrava do ocorrido. Porém que eu não deveria me preocupar porque esse irmão da amiga dela "é assim mesmo, ele fica muito carente quando bebe e fica pegajoso".

Muito surpreso, eu tive que explicar que não era o comportamento dele que me incomodava, pois ele não era o meu namorado. O que me incomodava é a naturalidade com que ela aceitou a investida e os diversos selinhos sem esboçar nenhum tipo de insatisfação.

Ela disse não entender o porquê do meu incomodo. Expliquei a humilhação que eu senti, o constrangimento  nas frente das amigas, mas ela não mostrou nenhuma empatia pelo meu sofrimento, ficando até surpresa com a minha dor.

Para ela aquilo era algo normal de acontecer quando ela saia antes de mim: um cara tentar ficar com ela, ela não querer, ele insistir, ela não retribuir e segue a vida. E que não é porque ela estava namorando que ela seria antipática com quem chegasse nela. Quando perguntei até que ponto uma investida não aceita seria considerado traição para ela, e ela disse que nunca tinha pensado nisso e não tinha resposta.

Acho que lidaria melhor com essa situação se pudesse contar com o apoio da comunidade.

Preciso entender se o que considero traição está mesmo alinhado com os valores de uma masculinidade menos tóxica, menos possessiva. Queria saber também de que outras formas posso me comunicar com minha namorada para tentar passar para ele de forma mas clara como eu me sinto.

Se possível, gostaria de ler sugestões de formas mais maduras e construtivas que eu poderia ter reagido no momento descrito.

Por fim, gostaria de saber como posso encontrar um ponto de compromisso com a parceira sobre até onde podemos ir sem que façamos o outro se sentir traído.

Obrigado pelo trabalho que vocês realizam."

— Otávio

* * *

Complemento recheado de referências pra amadurecer suas perspectivas, Otávio:

A seção de hoje está mais gorda do que o usual, mas vale cada minuto:

LinkYouTube

Link YouTube

Link YouTube

Link YouTube

E mais alguns textos que podem ajudar na sua reflexão:

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

A Mentoria PdH é demais! Onde encontro mais perguntas e respostas? Quero ler todas.

Só entrar na coleção Mentoria PdH, marujo.

Otávio, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 20 de Fevereiro de 2019, 17:36
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura