Tipos de câmera para você se tornar um fotógrafo melhor

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x250 1 jpg

Não temos como fugir! A fotografia é algo que está presente no cotidiano de todos. Qualquer pessoa tem uma câmera fotográfica. Seja em uma caneta espiã, chaveiro, celular ou a própria, variando da mais simples a mais complexa, enorme e cheia de “frescuras” que ninguém entende muito bem.

Com a popularização e banalização da fotografia, que aconteceu por causa da facilidade que as pessoas têm em adquirir uma máquina fotográfica e clicar sem limites, com zero de custo, temos muitas opções de equipamentos para registrar nosso dia a dia.

Exatamente por essa quantidade de câmeras, aqui está uma breve introdução sobre as categorias que cada uma se encaixa. Você precisa conhecer e entender o mínimo sobre elas para não errar na hora de desembolsar sua grana e correr o risco de se arrepender.

Você consegue enxergar uma câmera nessa foto?

Megapixel

Antes de entrar de cabeça no assunto, é interessante falar a respeito desse número que acompanha qualquer câmera e confunde as pessoas na aquisição do novo equipamento.

O megapixel, para quem não sabe, define apenas o tamanho de uma foto. Ou seja, 14.1 megapixel – mega, de milhão – equivale a 14.000.000 pixels. Falando em valores mais conhecidos, isso é aproximadamente o resultado da multiplicação dos números que compõe a dimensão da foto: 4608 x 3072. Basta multiplicar e ver.

Isso tudo significa que uma câmera pode ter 200 megapixels e a foto vai ser gigantesca! Nada além disso.

O que determina a qualidade de uma foto é o tamanho do sensor digital e a lente. Uma imagem pode ser 800x600 pixels, mas ter uma puta qualidade, assim como pode ser gigantesca e simplesmente ruim.

Câmeras inúteis

As câmeras em miniaturas, embutidas em objetos minúsculos e cotidianos como canetas e relógios, não servem para nada além de fotografar escondido o decote daquela gostosa, lugares proibidos e brincar de agente secreto. Se esse é o seu objetivo, vale a pena ter uma!

A que sempre anda conosco no celular... A câmera sempre está lá, esperando para um dia ser usada. Poucas pessoas compram um celular só por causa da câmera. As que fazem é porque querem juntar o útil ao agradável e ter tudo num aparelho só. Câmera de celular, para mim, é apenas um quebra galho.

Se o seu objetivo é fotografar a galera, situações corriqueira e pornô caseiro, tudo em baixa qualidade, use câmera do celular.

Isso sim que é uma boa câmera pra telefone!

Compactas básicas

Point-and-shoot (“apontar e fotografar”), como também são conhecidas, têm uma lente fixa, tela de cristal líquido entre 2.5 e 3 polegadas, às vezes touch screen, zoom óptico de 3x a 5x, chegam a ter entre 7 e 15 megapixels, detector de rosto, estabilizador de imagens, correção de olho vermelho, alta sensibilidade do ISO, autofoco, fazem vídeos em HD ou Full HD, levam café na cama, têm os modos retrato, noite, paisagem, macro, movimento, noite, por do sol, programa e automático. Design moderno, finas, leves e... Compactas.

Se o seu objetivo na fotografia for registrar todos os momentos com fotos de boa qualidade, grandes e bonitas, uma câmera compacta é perfeita. Elas têm todas as opções manuais que câmeras mais avançadas têm, lógico que limitadas e nada ágeis para uma possível mudança de configuração em fotografias que necessitem de rapidez. Por isso todos optam usar o modo automático, originando o nome point-and-shoot.

A lente fixa é pequena, o que não proporciona a melhor definição e nitidez para a foto, e o sensor digital é minúsculo. No entanto, com uma dessas em mãos, um pouco de estudo autodidata e paciência, dá para aprender sobre conceito e técnica. Pegar a base da base da fotografia.

Câmeras exemplos: Sony Cyber-shot DSC-TX1 e Canon PowerShot SD980 IS

Compactas super zoom

Idênticas às compactas, mas o zoom óptico é a partir de 5x até uns 30x. Sim, é muito! Sua lente também é fixa, mas é possível acoplar um adaptador para ter grande angular ou ainda mais zoom. Perfeito pra pegar a mulher no prédio da cidade vizinha se trocando.

Se o seu objetivo é mergulhar mais fundo, aprender um pouco mais sobre fotografia, ter mais variações de equipamento, qualidade e, acima de tudo, fugir da compacta básica, compre uma dessas. Dá para entender bastante sobre fotografia. No corpo dessas câmeras já têm alguns botões de atalho para agilizar trabalhos no modo manual, e elas continuam sendo pequenas e leves. Quase todos os fotógrafos que enjoaram de carregar trambolhos nas mãos têm uma dessa para fotografar. O legal é que algumas até fazem arquivos em formato RAW – o arquivo cru da fotografia, se igualando ao antigo cromo.

Câmeras exemplos: Sony Cyber-shot DSC-HX1 e Nikon Coolpix P100.

OK, você gosta de tirar fotos em frente ao espelho, mas tome cuidado com ilusões de ótica.

Pequeno formato, as DSLR – Digital Single Lens Reflex

As duas principais características dessas câmeras são:

1. A lente é intercambiável, o que significa que você pode trocar para outra que desejar, sendo possível ter, desde uma ultra grande angular, até uma super zoom telefoto, para a mesma câmera;

2. A que origina o seu nome: ao olhar pelo visor para bater a foto – sim, você não vai mais ver por uma tela de cristal líquido, coisa de amador! – você estará olhando uma imagem gerada através de um espelho que reflete a luz vinda direta da lente... É ótica pura!

Outros detalhes importantes: existem muitos botões espalhados pelo corpo e pela lente, eles servem como atalhos para modificar toda a fotometria, balaço de branco, pontos de foco, modo de medição de luz etc. Tudo está ao alcance dos dedos para bater, com muita agilidade, uma foto sem perder tempo.

As DSLRs também têm um tempo de vida por causa do obturador, que fica na frente do sensor digital. Quando você aperta o botão para fotografar, esse obturador abre, fazendo a luz passar e sensibilizar o sensor digital, criando a foto e fechado em seguida. Por fazer sempre o mesmo movimento repetitivo, uma hora ele se cansa e quebra. Esse limite pode variar de 50 mil até 150 mil cliques, dependendo da câmera. É clique pra porra!

Para facilitar, dividi por três subcategorias: semiprofissionais, profissionais e full frames.

DSLR semiprofissional

A linha semiprofissional tem o corpo menor e mais frágil das DSLRs. A capacidade de cliques é menor e parece que os botões são estrategicamente colocados de uma maneira não ergonômica para que você fique com raiva e sinta vontade de trocar por uma profissional. O custo benefício é ótimo. Hoje em dia, as recém-lançadas, estão até filmando em Full HD, o que é um grande passo para a fotografia, pois as DSLRs, originalmente, não fazem vídeos.

Se o seu objetivo é aprender fotografia, tornando-se um profissional ou só por hobbie, fazendo fotos pensadas com um grande controle, compre uma dessas. Elas possuem tudo e mais um pouco que um fotógrafo precisa. Se também quiser pagar de bonzão, essa câmera já é um pouco maior do que as explicadas até agora. Com certeza você será o centro das atenções carregando uma semiprofissional em lugares públicos. Agora, pelo amor do Demo! Não vá gastar dinheiro nessa câmera para usar no modo automático!

Ah, e uma observação interessante: alguns fotógrafos profissionais usam câmeras semiprofissionais de reserva, ou até mesmo como a câmera principal. Como a lente é um grande fator para uma fotografia de qualidade, basta ter uma puta lente para bater fotos.

Câmeras exemplos: Nikon D5000 e Canon Rebel T1i

DSLR profissionais

A linha profissional tem diferenças sutis em relação às semi. O corpo é maior, mais pesado e resistente, Ela é bem mais ergonômica, têm periféricos a mais que facilitam, e muito, a vida do fotógrafo e o obturador aguenta mais cliques. As mais novas também já estão com capacidade de fazer vídeos em Full HD.

Se o seu objetivo for entrar com uma dessas na balada para ser abordado pelos seguranças dizendo que é proibido fotografar e filmar lá dentro, compra uma! Essas notáveis câmeras são recomendadas para quem já tem um pouco mais de experiência com fotografia, para não gastar cliques a toa aprendendo a fotografar, entende? A pessoa não precisa querer ser um profissional para adquirir uma dessas, mas eu não vejo o porquê gastar muito dinheiro em algo que não lhe dará retorno financeiro. Mas deixando o dinheiro de lado e colocando o prazer acima de tudo. Se você curte MESMO fotografia e sente um tesão quase que sexual quando aperta o botão, tem prazer em criar imagens e compor cenas... Vá em frente e compra de uma vez! Pare de enrolar. Vale a pena, viu?

Câmeras exemplos: Nikon D90 ou D300s e Canon EOS 50D ou EOS 7D

E aí? Qual você escolhe?

DSLR full frame

A linha Full Frame é idêntica a profissional, mas com o detalhe apenas no sensor e no corpo (algumas são enormes). O termo Full Frame quer dizer que o sensor digital tem o tamanho idêntico a de um filme de 35 mm. Isso acarreta em muitas coisas boas como: menos ruído nas fotos, especialmente em ISO elevado, maior ângulo nas lentes, maior qualidade, nitidez etc. Câmeras DSLR que não tem sensor Full Frame são chamadas de sensor APS-C.

Se o seu objetivo é ser um fotógrafo profissional e já têm um nome conhecido no mercado, com a agenda lotada de trabalhos para o ano inteiro e uma grana para desembolsar (essas câmeras são bem caras!), vale MUITO a pena comprar. As Full Frames estão num patamar muito superior as profissionais. É absurdo como um sensor maior faz toda a diferença.

Câmeras exemplos: Nikon D3x e Canon EOS 5D Mark II

Observação: câmeras DSLRs são “transformers”. Existem zilhões de equipamentos para elas e para estúdio. Fotografia é uma profissão e um hobbie gastão. Um pequeno equipamento já começa a custar pelo menos uns R$ 100,00. Existem equipamentos que são absurdamente caros. As próprias lentes chegam a ter preços estratosféricos, sendo mais caras que as câmeras. E a partir desse ponto, o zoom não se mede mais por “x”, e sim por “mm”. Lente de 50 mm, de 800 mm, e assim por diante.

Câmeras de médio e grande formato

Essas câmeras são o sonho de consumo de qualquer fotógrafo! Elas chegam a ter até 60 megapixels, fotografam em canal de 16-bit e possuem um sensor digital no tamanho de 53.9 × 40.4 mm (uma Pequeno Formato Full Frame tem o sensor no tamanho de 36 x 24 mm; uma APS, 23,6 x 15,7 mm). São câmeras muito caras usadas por grandes profissionais e para trabalhos específicos.

Se o seu objetivo é fazer inveja para mim, compre uma dessas! Fique longe se você não entende nada de fotografia.

Câmeras exemplos: Hasselblad H4D e Sinar f1.

Tamanhos de sensor em relação ao frame de 35mm

Espero ter esclarecido algumas dúvidas, mas acima de tudo espero ter criado mais dúvidas. Fotografia é algo complicado, não é simplesmente apertar o botão. Quanto mais você conhece, mais quer conhecer. Sempre haverá dúvidas e novos equipamentos saindo.

Em relação às fabricantes, eu prefiro não expor uma opinião. Cada uma tem um ponto positivo e um negativo. Receio que isso é muito pessoal ligado às preferências de cada fotógrafo. Não existe uma melhor e uma pior. Existe a que se encaixa ao seu perfil, mas só comprando para saber.

Agora você pode sair por treinando a sensibilidade do olhar. Só cuidado com a posição.

Até a próxima. Abraços!


publicado em 17 de Agosto de 2010, 07:00
File

Jorge Hynd

Fotógrafo interessado em pessoas e na constante busca sobre uma visão simples, porém sofisticada, da vida. Focado em fotografia contemporânea de cunho artístico, nus e, principalmente, retratos. @jorge.hynd (Instagram).


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: