Quer dar um tapa no visual mas não sabe por onde começar? Fizemos um curso online de estilo pra isso, o “Mas você vai de chinelo?”. Inscreva-se agora! É gratuito!

Sou insatisfeito mesmo quando a vida "vai bem"| Mentoria PdH #47

"Não teria do que reclamar, se comparado com épocas anteriores. Mas embora sem motivos aparentes... me falta 'algo'."

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Logo havaianas 130x50 png
  • 47 nh 1 png

"Durante vários períodos de minha vida tive motivos e até justificativas para minha insatisfação. Por um tempo isso era também o motivo para reverter e mudar a situação.

Fui filho de mãe solteira, o que implica sua ausência para trabalhar 8 ou 12 horas por dia a fim de nos sustentar. Sou grato por todo esforço dela. Trabalho desde os 12 anos e, por esforço e boas oportunidades, aos 15 já pagava todas as despesas da casa. Aos 16 passei a morar sozinho, minha mãe se retirou de casa por se casar e ter ido morar noutro estado. Nunca tive cobrança por parte de minha mãe para trabalhar ou estudar. As coisas aconteceram naturalmente, ao meu ver e com 17 anos iniciei minha primeira graduação, na área de TI.

Não tive grandes ambições e nem sonhos impossíveis. Almejava concluir a faculdade pouco depois dos 20 anos, conseguir um bom emprego ter uma estabilidade financeira. 

Em uma reflexão pessoal, foi no período da faculdade que a vida desandou. Fiquei desempregado e por mais econômico que pude ser durante esse período, não consegui pagar as mensalidades da faculdade por muito tempo e tive que desistir na metade do curso. Nessa época passei alguns apertos (como ter de dividir um macarrão instantâneo em dois para fazer metade no almoço e metade no jantar), boa parte dessas dificuldades seria desnecessária se não fosse meu orgulho na época. Meses depois voltei a trabalhar e não retornei à faculdade, nessa época não estava no clima de estudos.

Aqui voltei a questionar o porquê de almejar ter emprego, ter educação superior e o porquê de desejar ter dinheiro e ser bem sucedido, toda essas coisas que ‘devemos ter’ para sermos felizes, e minhas conclusões eram erroneamente atribuídas às necessidades das duas primeiras bases da pirâmide de Maslow. Neste período, aprendi a não lamentar por perder ou deixar de ganhar/conquistar os sonhos e objetivos desejados. Mas passei a ignorar dificuldades e frustrações quase de forma niilista e isso não resolve muita coisa, porque lá no fundo me sinto incomodado com a situação.

Pouco depois mudei para SP (antes morava na região norte do país). Devido a uma boa oportunidade de trabalho e desejo de mudanças, voltei a estudar (curso técnico), passei a ganhar moderadamente bem (guardava 50% de minha receita salarial), me formei, conheci novas pessoas, novos lugares... e ainda assim "não estava bom".

Isso me fez perceber que sou insatisfeito mesmo quando a vida "vai bem".

Não que esteja agora numa situação privilegiada, mas hoje estou morando no sul do país, tenho um bom emprego, faço uma nova graduação, tenho amigos, namorada.

Não teria do que reclamar, se comparado com épocas anteriores. 'Mas', embora sem motivos aparentes... me falta "algo".

Não sei explicar. Enfim, o que pensar a respeito?

H."

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

H, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 03 de Junho de 2019, 17:01
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: