Pesquisa no ar, pessoal: "Como é ser pai, em sua experiência?" — clique aqui para participar e ajudar na transformação da paternidade. Os resultados serão publicados no projeto Homem Paterno, que lidera esse estudo, e aqui também.

Somos grandes, mas não somos básicos!

Sobre ser gordo, lindo, me amar, mas não achar roupas no meu tamanho.

Sempre estive acima do peso e eu sempre aceitei isso. Me aceito desde sempre. Às vezes tenho meus momentos de insegurança, algumas situações mesmo que não ligadas com aparência física acabam mexendo com a minha autoestima e confiança, acho que todo mundo sofre com isso, não é? Não sou diferente. Mas sim, me acho lindo sendo quem sou.

Quem pareceu não aceitar muito bem são as pessoas próximas e a sociedade.

"Você é tão bonito, pena que é gordo"

"Se perdesse alguns quilos ficaria mais bonito"

"Nunca pensou em emagrecer, não?"​

Foto por @clayton_felizardo

​Antes eu não era muito ligado em moda, colocava qualquer roupa disponível na gaveta sem me importar com cores ou tipos de tecido. Quando cursei publicidade e propaganda, por causa de projetos da faculdade, o gosto pela estética foi crescendo e mudando.

 Acompanhar a minha namorada da época nas compras — apesar de demorado e cansativo, de ter de segurar as  — acabou se tornando agradável e divertido ver ela procurando a melhor roupa etc, então passei a me preocupar mais com o que estou vestindo, combinação de cores e acessórios.

Falar de moda para homem ainda é recente, são muitos tabus e regras: "Não pode isso... Não pode aquilo."

Sou gordo e isso dificulta mais. Ainda tem o fato de eu ser preto... Se eu estou garimpando em lojas fast fashion se torna comum acharem que estou tentando roubar algo.

A minha insatisfação é que eu não quero vestir qualquer coisa que caiba. Eu busco roupas que mostrem minha personalidade e, quando você veste acima do tamanho 52, querer isso parece ser um crime.

Sinto que um corpo igual o meu não é o que eles querem. O padrão imposto pro meu perfil é calça jeans e camiseta, de preferência camiseta preta, por favor, afinal "te deixa mais magro."

Foto por @Denisemendys

Se eu usar uma camiseta rosa me chamam de sonho de valsa. E por mais que eu adorei sonho de valsa, eu sei que só me chamam disso em forma de piada, e não como um elogio pela gostosura. O mesmo acontece quando estou sem dreads na cabeça e me chamam de Tim Maia, acho que da mesma forma que brincam que japonês e chinês são todos iguais, ele acaba sendo referência e apelido para todo negro e gordo. Sou muito mais bonito, mas confesso que eu jamais cantarei igual ao mestre racional.

Dizem que o mundo da moda plus size tem crescido, mas eu me pergunto: Pra quem? Onde? Como? O que eles têm feito é só acrescentar panos que em nada valorizam nossos corpos, nossas curvas?

Pesquisando preço de calça jeans nessas lojas fast fashion é fácil achar a diferença, uma calça tamanho 58 custando R$220,00 é a única da loja no setor plussize enquanto é possível comprar nessa mesma loja  2 calças tamanho 48 por 139,99, a diferença é só um pouco mais de pano.

É bonito ler em sites e blogs especializados sobre moda exemplos de como jardineiras e até mesmo saias que estão sendo usadas por homens quebrando paradigmas mas nas lojas inclusive nas especializadas. No entanto, para tamanhos grandes, é difícil encontrar essas peças sendo quase impossível por um preço acessível. 

Uma opção é procurar lugares especializado para confeccionar sob medida algumas peças. Isso bom porque gosto de estampas diferentes — kamizahia e lambuzada fazem peças lindas — mas R$150,00 em uma camisa, acho um valor muito alto. Uma costureira do bairro sempre me manda opções de estampas e faz camisas do meu tamanho e me cobra R$90,00.

São muitas as dificuldades para conseguir uma roupa bacana e eu quero mais que aquele jeans e camiseta básica. Não aguento mais ter vergonha de entrar em lojas... Quero entrar sem medo escolher entre o macacão rasgado branco ou aquele suéter de linho cor mostarda.

Quero sentir que as roupas foram pensadas para mim da mesma forma que são pensadas para todas as outras pessoas. E não quero ter de gastar fortunas para isso!

Somos grandes, mas não somos básicos!

Eu quero a moda que de fato é revolução, a moda que é sobre mostrar personalidade. Eu estou buscando encontrar e mostrar a minha, e você?

Foto por @aamamede
Foto por @clayton_felizardo
Foto por @aamamede
Foto por @aamamede
Foto por @aamamede
Foto por @Denisemendys | Quem está na foto: @abayomisix , @ialef1 , @caco.bapt , @breno_salva , @arturfrances , @luccas_plus, @petter_and1 , @comendador_negro , @jeffer_monter
Foto por @Denisemendys
Foto por @clayton_felizardo

 


publicado em 16 de Dezembro de 2019, 12:10
Perfil jpg

Pedro Augusto

Cresci e até hoje moro em Santo André, região metropolitana de SP. Tenho 26 anos, sou publicitário e social media, preto e gordo. Com muita dificuldade de encontrar roupas, então se conhecer uma boa costureira da um salve. Insta: @Pedrok22.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura