"Aposto tudo em me formar advogado ou desisto pra cuidar de mim?" | Mentoria PdH #19

Meu pai é mecânico e minha mãe empregada doméstica. Estou em depressão e com síndrome do pânico. Sigo lutando pra me formar advogado?

Pergunta da semana:

"Boa noite, me chamo Luiz. 

Tenho 27 anos, sou estagiário no Ministério Público do Trabalho e sou estudante de Direito no último ano do curso.

Estudar direito foi um sonho louco que tive motivado principalmente por problemas jurídicos que meu pai teve, comecei a faculdade mais velho do que o restante dos alunos da minha sala.

Na epóca em que iniciei no curso tinha o sentimento de que esta seria a minha última chance de ter uma formação universitária e por isto teria que dar o meu melhor para conquistar meu diploma.

Não tenho parentes que trabalham no ramo jurídico, na verdade minha familia tem uma origem humilde, meu pai é mecânico, minha mãe empregada doméstica e poucos dos meus outros parentes tiveram a oportunidade de estudar.

Às vezes temos a sensação de enfrentar subidas impossíveis, sem clareza de quando ou como chegaremos ao fim. O que fazer diante de tais desafios?

Antes da faculdade eu trabalhava como garçom, não tive uma educação privilegiada e já havia desistido de outro curso no 5° semestre.

Pensei em desistir várias vezes por culpa das dificuldades que passei na faculdade. Que incluem problemas financeiros, assédio moral praticado por professores — o que me descredibilizou perante os outros alunos —, além de ser desacreditado pela minha ex-companheira, que tentou a todo custo me convencer a desistir de estudar por achar que não terei chances no mercado de trabalho após a formatura. Isso desgastou nosso relacionamento.

Apesar dos pesares continuei no curso, minhas notas são boas, consegui um estágio no Ministério Público do Trabalho, um dos mais concorridos na minha cidade, e posso dizer com toda sinceridade que gosto do curso que escolhi.

Meu problema é que me sinto totalmente derrotado pelos problemas que tive, desenvolvi depressão, síndrome do pânico, sinto muita culpa pelo fim do relacionamento com minha ex-companheira e não tenho grandes expectativas no mercado de trabalho.

A pressão na faculdade aumentou muito neste semestre, o que está causando diversas discussões entre os alunos da minha sala, além de que tenho uma rotina de estudos desgastante pois farei o exame da OAB este ano e tenho a entrega do projeto do tcc. 

Sinto que não irei aguentar.

Minha pergunta é se devo continuar para ver o que irá acontecer mesmo sentindo totalmente derrotado e sem perspectivas ou se desisto para tentar restabelecer minha sáude psicológica?"

— Luiz

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Amo a Mentoria. Onde encontro mais perguntas e respostas?

Só entrar na coleção Mentoria PdH.

Luiz, um presente pra você:

Vamos oferecer o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Presentear um amigo com esse livro pode ser algo realmente benéfico — em especial para conversarem junto sobre :)

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 03 de Setembro de 2018, 15:55
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura