Leia mais de 20 textos sobre masculinidades no canal de Natura Homem no PdH.

Convite: vamos olhar também para dentro? | Mundo interno #1

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x50 jpg

E se existisse um programa da National Geographic sobre nossas cartografias internas?

Em vez de microscópios, telescópios e câmeras 3D, e se tudo o que costumamos descrever de modo exteriorizado fosse investigado por dentro com tecnologias de primeira pessoa? A série colaborativa "Mundo interno" vai começar essa brincadeira.

Experimento e desafio inicial

Enquanto começa a leitura desse texto, você coloca seus dois pés no chão, leva sua mente até a ponta dos dedos, sente o calcanhar, o pé inteiro paralelo ao piso. (Estou fazendo o mesmo enquanto escrevo.)

Sem perder a atenção aos pés, você respira profunda e suavemente uma vez, sem pressa. Solta o abdômen, os ombros, os músculos do rosto, a mandíbula, a tensão na mão e nos dedos. Você decide desacelerar a leitura e repousar um único dedo sobre a seta ↓ do teclado, apenas para acompanhar estas palavras.

Você experimenta relaxar o máximo que der em apenas um ou dois segundos, como num bocejo. Depois sente a respiração acontecendo por si só, sem esforço. O ar entra e preenche todo o espaço do corpo. O ar sai e nos esvazia, nos ajuda a soltar.

(Se você não está fazendo isso realmente, apenas lendo à distância, pode confiar, este é um experimento coletivo super simples. Volte e deixe seu corpo ficar curioso.)

Enquanto olha para a tela, você observa seu próprio olhar para a tela, você se torna consciente de estar consciente. Observamos e relaxamos cada impulso de se mexer, de trocar de aba, de se agitar. Pés no chão, ar entrando, ar saindo, olhar sereno.

Não assim... Tente chapar os pés no chão | Foto: John Beton
Não assim... Tente chapar os pés no chão | Foto: John Beton

Agora nosso desafio será escrever e ler sem que nossa mente saia dos pés e da respiração, sem perder contato com esses dois focos bem básicos, sem deixar que pensamentos nos levem para fora de nosso corpo, trancando nossa respiração e nos tirando do chão.

Se nos perdermos, basta pausar a leitura do texto (a escrita no meu caso) e voltar aos pés e à respiração, mesmo que tenhamos de fazer isso 90 vezes.

Topa o desafio? Ou melhor, seu corpo já topou o desafio?

Nossa mente exteriorizada

Mal acordamos e nossa mente já gruda em mensagens, vídeos, placas, números, fotos, pessoas, notícias, aparências de todo tipo. Colamos também em fenômenos internos: pensamentos, lembranças, projeções, névoas emocionais… Junto com nossa atenção, nossa respiração se obstrui (já ouviu falar de apneia causada por checagem de emails?), o fluxo das emoções se condiciona, todo o nosso corpo é envolvido por uma bolha, seja a de um namoro ou a de um trabalho.

Tudo parece OK até que alguma situação nos perturbe além do gerenciável — e aqui não preciso detalhar as várias crises da vida. Só quando dói é que começamos a olhar para dentro. Mas não sabemos como nem pelo que procurar! Estamos exteriorizados. Procuramos e sustentamos experiências internas manipulando condições externas.

Pés no chão, ar entrando, ar saindo, olhar sereno...

É assim que sabemos viver: o acesso ao mundo interno só parece possível de modo indireto, relaxando com alguma bebida ou sexo, se alegrando em alguma festa, sendo feliz por causa de uma narrativa que contamos a nós mesmos… Mexemos fora já que não sabemos mexer dentro.

A prova de que estamos operando assim é a incapacidade de voltar a respirar em meio a uma crise sem antes resolver o que pensamos ser o problema. Se alguém nos diz "Respire, relaxe, é isso o que você realmente quer", nós respondemos: "Me ajude a reconquistá-la, me ajude a ganhar mais dinheiro..." Ou seja: "Me ajude a respirar e relaxar do único jeito que sei respirar e relaxar!"

Uma outra cartografia

Gravar macacos é fácil. Mas como gravar nossas vozes internas que distorcem a realidade? A voz do ciúme, da raiva...?
Gravar macacos é fácil. Mas como gravar nossas vozes internas que distorcem a realidade? A voz do ciúme, da raiva, do orgulho, da competição...?

Mas e se a gente começasse a viver com um olho fora e um olho dentro, percebendo a coemergência entre nossa atitude, nossa visão de mundo, nossas emoções, nosso corpo e as pessoas, os eventos, tudo o que experimentamos como se estivesse pré-definido, "lá fora"? E se a gente começasse a mapear as experiências internas que buscamos em cada movimento externo (viajar, trabalhar, gastar dinheiro, transar, exercitar o corpo, ouvir música, ler notícias)?

Estamos no momento de superar a ingenuidade. Ingenuidade de acreditar que chegamos a um mundo pronto, sem participar de cada fenômeno, sem responsabilidade por cada experiência que nos atravessa. Ingenuidade de achar que a compreensão do mundo externo é suficiente sem uma clareza direta do nosso mundo interno, desse mundo das aflições que nascem e vivem sei lá onde, dos pensamentos e não das sinapses, das relações e não do comportamento, da mente e não do cérebro, de tudo o que é não é mensurável pela ciência materialista, mas poderia ser investigado por outros métodos igualmente científicos, com instrumentos refinados de introspecção e contemplação.

Pés no chão, ar entrando, ar saindo, olhar sereno...

O que hoje mal conseguimos nomear, esses aspectos sutis, isso de ver nossa namorada onde tem apenas carne e osso (ou órgãos, sinapses e átomos), isso de sentir raiva ou orgulho ou alegria, "isso" constitui nada menos do que 100% do mundo vivido! Nossa experiência é sempre uma experiência em primeira pessoa. Nunca vivenciamos diretamente a realidade estudada por físicos, químicos, biólogos, economistas... Não pensamos sinapses. Não vemos átomos ou órgãos, vemos pessoas. Não sentimos reações químicas, sentimos ansiedade ou carência. Não processamos ondas longitudinais e eletromagnéticas, ouvimos sons e vemos cores.

Nossa experiência em primeira pessoa é tão óbvia e tão imediata que esquecemos de reconhecê-la, mal conseguimos descrevê-la. Não é um mero detalhe: ignorar o mundo interno é deixar escapar a própria realidade, o aspecto mais profundo das coisas. Somos como um peixe sem saber o que é água.

Link YouTube | David Foster Wallace sobre o mundo interno da fila do super mercado

Precisamos olhar com mais calma para tudo o que hoje virou uma questão de crença. Se não nos apropriarmos dessa ciência que ainda engatinha, se não jogarmos luz e incluirmos os processos internos em nossa visão da realidade, estaremos sujeitos a todo tipo de picareta e charlatão pseudoespiritual com suas mil teorias.

A compreensão do nosso mundo interno pode transformar qualquer experiência humana em todos os âmbitos: turismo, educação, arquitetura, ciência, relacionamentos, artes marciais, saúde, ecologia, administração, artes, política, religião, jornalismo...

Podemos nos familiarizar, investigar, mapear, explorar nosso mundo interno movidos pela mesma curiosidade com a qual viajamos para outros países, experimentamos bebidas, testamos softwares, vemos filmes, criamos projetos sociais, pesquisamos remédios, observamos comportamentos, estudamos leis e equações, debatemos opiniões, ouvimos notícias desse mundo aparentemente externo.

Pés no chão, ar entrando, ar saindo, olhar sereno...

Sobre a série "Mundo interno"

Junto com as pessoas que participam do lugar e também com qualquer leitor ou leitora do PdH que quiser colaborar, vamos publicar uma série de textos com essa motivação de mapear nossos mundos internos.

A ideia é descrever em primeira pessoa, com algum tipo de introspecção e contemplação, processos que normalmente são abordados de modo exteriorizado. Podemos analisar nosso trabalho com a pergunta "Que mente estou cultivando ao fazer isso?". Podemos investigar quais processos sistêmicos nos fazem adoecer bem antes dos sintomas, e o que nos ajuda a melhorar a saúde e o equilíbrio. Podemos iluminar qualquer realidade por dentro.

Em vez de testar mais um método de produtividade, como posso trabalhar diretamente com os processos sutis de distração, torpor e ansiedade? Se lá fora vejo uma balada, o que vejo quando olho para dentro (delas e de mim)? Qual o mundo interno de uma empresa? De uma propaganda? De uma avenida congestionada? De uma luta? De um site como o Facebook ou o PapodeHomem?  Quando aparentemente estamos aqui ou ali, onde estamos de verdade?

Pés no chão, ar entrando, ar saindo, olhar sereno…

Vamos aplicar às realidades sutis o mesmo fascínio que temos com documentários sobre o mundo externo, sobre cérebros, humanos se adaptando à natureza, animais, planetas e estrelas, bosons, quarks…

Sabe por que não temos uma série dessas em DVD? Porque não dá pra filmar a mente e o mundo interno... Precisaríamos de um time de artistas geniais e de cientistas comteplativos trabalhando juntos, algo raríssimo hoje em dia
Sabe por que não temos uma série dessas em DVD? Porque não dá pra filmar a mente e o mundo interno... Para descrevê-lo precisaríamos de um time de artistas geniais e de cientistas contemplativos trabalhando juntos, algo raríssimo hoje em dia

O que você deseja iluminar por dentro?

Nos comentários, conte onde está sua curiosidade.

Se você tivesse uma câmera que apenas captasse imagens sutis, internas, profundas, para onde a levaria? Em quais experiências da vida você gostaria de dar zoom, de ganhar clareza?

Pés no chão, ar entrando, ar saindo, olhar sereno…

Quer colocar isso em prática?

Para quem está cansado de apenas ler, entender e compartilhar sabedorias que não sabemos como praticar, criamos o lugar: um espaço online para pessoas dispostas a fazer o trabalho (diário, paciente e às vezes sujo) da transformação.

veja como entrar e participar →


publicado em 19 de Março de 2014, 15:01
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: