A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

"Se a gente ensina a criança a procurar inimigos ou culpados, ela vai sempre culpar a outra pessoa pelo quê ela está sentindo"

Uma fala bem importante sobre se criar a rotina da culpabilização de terceiros e estabilidade interna

Fico contemplando como é comum ver pais apontarem culpados quando a criança se machuca: "Chão feio! Não pode machucar o fulaninho!", "Porta má!" ou coisas parecidas.

Basicamente estamos ensinando as crianças a sempre procurarem culpados na vida, e não em aceitar que na vida a gente vai se machucar, sim, ou ficar chateados, sim, e que o melhor é ter resiliência, auto-compaixão e um coração aberto, capaz de aceitar os altos-e-baixos da vida.

Se a gente sempre ensina a criança a procurar inimigos ou culpados, quando ela tiver sua primeira decepção amorosa (ou ficar desempregada, ou tiver suas expectativas frustradas de alguma forma) ela vai, com certeza, culpar a outra pessoa pelo quê ela esta sentido.

Enquanto que, se ensinarmos à criança de que isso é normal, que não há culpados, que a gente pode acolher nossa dor e ter uma estabilidade interna pra passar por isso, a decepção amorosa vai doer, sim, mas a pessoa vai se recuperar muito mais facilmente e sem criar rancor pela outra pessoa.

[Talvez isso também ajude a diminuir os crimes passionais no futuro.]

***

No meu caso, sempre que o Miguel se machuca, ofereço colo, dou beijos e abraços, assopro o machucado, ajudo ele a entender o que está sentido, acolho a dor dele.

Mas o mais importante: não ofereço garantias de que aquilo não vá acontecer de novo, não aponto culpados e não faço julgamentos, apenas tento apontar as causas e consequências de cada ato.


publicado em 28 de Fevereiro de 2017, 00:00
Fd1af135a54533dd4c276d7f8f35b1d6?s=130

Marcos Bauch

Nascido na Bahia, criado pelo mundo e, atualmente, candango. Burocrata ambiental além de protótipo de atleta. Tem como meta conhecer o mundo inteiro e escreve de vez em quando no seu blog, o De muletas pelo mundo.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura