Pais de primeira viagem e pais experientes, preparamos um evento de um dia inteiro pra vocês. É o "PAI: os desafios da paternidade atual". 20/08 — ingressos à venda!

Repare bem no que não publico

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x250 1 jpg

A facilidade das relações nas redes sociais tem seu lado avesso. O lado do engano, da covardia e da trapaça. Afinal, por mais que as mídias sociais tenham revolucionado a comunicação, elas possibilitaram a criação de personalidades falsas. Ou o pior: a falta delas.

Por exemplo? Você conhece uma pessoa. Em qualquer lugar. Antes mesmo de receber um pedido de número do celular ou a curiosidade se mora nas redondezas, vem o a fatídica frase:

— Você tem Facebook?

Assim, sem mais nem menos, ela entra na rede da sua vida e descobre imediatamente onde você passou o réveillon. Qual é o rosto do seu irmão. Onde você trabalhou. Em que área se especializou, qual idioma fala, quem é seu melhor amigo, a paixão por comida japonesa, filme predileto e até mesmo a viagem que fez nas últimas férias.

Os com tendências stalkers descobrirão também, muitas vezes através daquele comentário perdido, naquela foto antiga, quem foi seu último namorado.

Aliás, nunca é bom saberem quem é o seu último namorado.

"Hummmm então ela gosta de Woody Allen..."

O problema é esse. Parte daquela insubstituível fase da conquista acaba sendo deixada de lado. Não é mais permitido o prazer de descobrir a nova paquera aos poucos. A pessoa não te liga no dia seguinte, te acha online. Não descobre qual sua banda favorita ao te ver cantarolando, vê no Last.Fm. Não descobre seu autor favorito, analisa o Skoob.

Os espertos (será?) são assim. Eles criam tantas coincidências que você acabará achando que encontrou o amor da sua vida. Mas não: trata-se da prática de engenharia social que fuçou seu Facebook e descobriu um jeito de enfiar no meio da conversa o filme que você comentou com um amigo na semana anterior. Como se coincidências em excesso fosse afrodisíaco. Não é.

E nada mais sexy do que o cara que discorda sem perder o charme.

Tem coisa mais doce que ouvir dela que o Ringo é o melhor Beatle?

A revolta torna-se ainda maior no curso do relacionamento. Depois daquela briga homérica, não há mais o gosto de ver o telefone tocar. Ela não vai ter que passar por cima do orgulho, discando número por número e calçar a cara para puxar um assunto ao telefone. Hoje, a aproximação para o pedido de desculpas começa quando ela curte o post que ele acabou de enviar e, “sem querer”, te chama inbox com um “oh, nem tinha visto que você estava online”.

As relações ficaram fáceis demais. Tudo que é demais incomoda.

Saudade daquela dose de surpresa ao descobrir que o homem que acabou de entrar no escritório frequenta nas sextas-feiras o mesmo restaurante que você. Do tête-à-tête, da ligação no dia seguinte, da aproximação que acontece delicada e intuitivamente.

Malditos sejam os check-ins e nossos rastros.


publicado em 03 de Março de 2013, 06:16
Fa87264253422bd0967423aae1cb781f?s=130

Carolina Dini

Advogada e blogueira com ascendente na cozinha. Reúne os amigos em casa toda semana para fazê-los de cobaia nos experimentos culinários e posta todas as receitas no cebolanamanteiga.com e no Instagram: @carolinandini


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: