Onde homens que aspiram crescer se encontram? No "Homens Possíveis 2017". Vem ver a programação e garantir seu ingresso. É 09/12, sábado.

"Quando ela diz não, quer dizer sim!": o erro que ainda persiste em aparecer

Talvez algumas coisas podem ser ditas por um homem para que faça sentido para outros

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Advertisement
    130x50 jpg

Sim, eu lembro de já ter ido ao motel algumas vezes com a minha primeira namorada e ela não querer transar. Como alguém vai para o motel sem querer transar? Era um tanto difícil entender, mas ela queria apenas ficar mais à vontade comigo, com conforto e privacidade, sem que isso significasse sexo. Paciência. Fiquei zangado da primeira vez? Claro. Das primeiras vezes, por sinal. Mas a gente amadurece, certo?

Isso se repetiu com outras namoradas, mesmo com elas vindo para dormir na minha casa ou eu dormindo na casa delas. Também em viagens, dividindo um quarto de hotel. Nem sempre as pessoas estão a fim de transar, por mais que agrade a companhia do par. 

Poderia aparecer alguém aqui dizendo que, ao contrário do que eu disse, está sempre pronto? Poderia. Provavelmente uma exceção que confirma a regra.

No último fim de semana (considerando quando o artigo foi escrito), participei de uma roda de escuta com homens e mulheres. Este tipo de assédio vindo de namorados veio à tona na fala de uma das participantes. A menina em questão, em pelo menos duas situações distintas, cedeu para que o sujeito parasse de importuná-la. Em uma das vezes ela confrontou o inconveniente perguntando qual a parte do “eu não quero” ele não tinha entendido. A resposta foi que ele pensava que “a mulher que diz não quer dizer sim”. 

É um jogo de sete erros ou mais. Se é uma namorada – supostamente, alguém com quem você se importa – como pode considerar legal você ter prazer e ela não? Se não é alguém com quem se tenha estabelecido algum laço emocional, como ter prazer diante da mecanicidade ou passividade de outro corpo?

O sexo consensual não deveria ser entendido apenas como “permitido”, mas como algo “desejado” pelos dois – ou três, quatro... não importa. Entenda: na maioria das vezes, se você consegue algo, não se trata de uma confirmação de que um “sim que quer dizer não”, mas de um amargo “então tá, mas não me encha mais a paciência”. Não há mérito nisso.

Nos dois casos relatados, depois de permitir o gozo dos parceiros, a menina não queria mais vê-los pela frente. É importante ressaltar que que apesar de me referir a eles como “namorados” antes, nas duas situações eles estavam numa fase avançada de aproximação, mas ainda não tinham ficado para valer. Por que isso é relevante? Porque ela queria conhecer melhor os caras, havia um desejo no ar, mas eles não respeitaram o tempo dela. 

Não se pode achar que não. É situação de estupro. Você não tem consciência disso. Muitas mulheres também não. E não importa o estágio da relação.

Link YouTube | Dois minutos tem esse vídeo. Assista-o

O curta-metragem francês, Je Suis Ordinaire (“Eu sou normal”, em português), escrito e produzido por Chloé Fontaine, aborda o tema no casamento. São dois minutos tensos para quase toda mulher que assiste. O desconforto é grande para um bom número de homens. "Se nada choca é que você é um deles", disse Chloé em entrevista ao Le Huffington Post

O estupro conjugal (cometido pelo marido ou companheiro da vítima), é reconhecido por lei, na França, desde 1990. Estima-se que seja da ordem de 30% entre os declarados neste pais. Um crime muitas vezes ignorado pelas vítimas e difícil de quantificar. 

Ela passou a refletir sobre o assunto depois de ouvir a queixa de duas amigas com seus respectivos namorados em que, apesar do tom de reclamação, não havia uma percepção clara daquilo ser errado. Buscando na Internet, descobriu que a pergunta era bem mais comum do que poderia imaginar. 

Este tipo de reação é perpetuado por condicionamentos (“não é estupro se é com o meu marido-namorado”) e inseguranças (“se eu me recusar, será que ele pode deixar de gostar de mim?”). 

Eu mesmo tive uma experiência curiosa com relação a isso: em um final de semana com uma mulher madura e esclarecida, ela me perguntou mais de uma vez se estava tudo bem depois de dizer que não estava disposta em uma das minhas investidas, já na cama para dormir. O mesmo questionamento voltou a ser feito na manhã do dia seguinte. Posso dizer que esta pessoa seria a menos provável para ter este tipo de insegurança por conta de outros posicionamentos na vida, o que mostra o enraizamento de um sentimento infundado de culpa, talvez, de que um precisa sempre atender a demanda sexual do outro – vale para homens e mulheres, tanto em relacionamentos héteros quanto homoafetivos.

A atriz e roteirista Chloé Fontaine

"Há estupros que são 'autorizados', que são 'tolerados', que são jogados para baixo ou mesmo desacreditados", disse Chloé Fontaine, ainda para o Le Huffington Post. Muitas pessoas não acreditam que um marido estupra sua esposa se não envolver violência, mas nem toda violência se caracteriza por ameaças ou agressão física.

Todos os homens são maus por fazerem isso? Não necessariamente. Sem demonizações. Muitos são ignorantes – sem ofensas, no sentido de alguém que ignora.

No mesmo grupo onde houve estes dois relatos, um homem havia dito antes que estava chateado porque não tinha entendido a recusa da namorada no dia anterior (ou poucos dias antes, não sei, mas a situação ainda reverberava). Ao ouvir o relato da participante (que nem levantou o assunto por causa dele, mas falava da sua própria dor), houve um momento de mal-estar seguido, por que não dizer, de cura. 

Interessante ver os dois abraçados, com ela tentando trazer algum apoio para ele, que estava sendo sincero em sua vergonha. O passado não pode ser reeditado, mas, adquirida a consciência, podemos nos comprometer não repetir o mesmo erro no futuro.

Se você é homem, tenha mais empatia e saiba respeitar. Saiba também administrar a frustração de uma eventual recusa. Às vezes é só uma questão de timing. Você mesmo não precisa ser um exemplo de virilidade a todo momento.

Há muito a ser culturalmente desconstruído, mas algumas coisa só dependem de você.


publicado em 11 de Agosto de 2017, 00:00
2d009006f96d3b000e36fc960cb3cdb8?s=130

Marcelo Ivanovitch

Trabalha com planejamento estratégico, é nerd e filósofo de botequim. Em 2013 foi o seu primeiro Movember. Justificava que a cara de cafajeste era por uma boa causa até dizerem que ela sempre esteve lá, só faltava o bigode.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: