Por que só dados e fatos não mudam a opinião das pessoas?

Olhar para dados e tentar extrair algo significativo que vá contra nossas crenças pessoais é algo novo na história da humanidade.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

A quantidade de informação produzida no mundo expande-se rapidamente como nunca antes. Depois da popularização da internet, a carga de dados que é gerada diariamente chegou a níveis assustadores. Estima-se que 90% dos dados existentes no mundo tenham sido criados apenas nos dois últimos anos.

Além da nossa capacidade de coletar e criar dados, a tecnologia também trouxe novas técnicas para organizar, separar e trabalhar toda essa informação. Hoje, em termos de avanço tecnológico, é mais que nunca entender estruturas complexas e tirar conclusões com base em fatos sólidos.

Mas quando ouvimos falar sobre a revolução dos dados, tendemos a achar que agora é possível encontrar consensos com maior facilidade. Afinal, boatos, distorções e mentiras podem facilmente ser descobertas através da correlação entre os dados e verificação dos fatos.

Mas na prática, as discussões acabaram tomando outra direção. Por mais que seja possível encontrar fatos ou estatísticas para comprovar um ponto com muito mais certeza, é cada vez mais difícil convencer pessoas a mudarem de ideia.

O instinto humano nos prega peças

Para entender melhor porque fatos e dados não representam uma informação tão contundente para a maioria das pessoas, é preciso olhar para a evolução do ser humano.

Como animais, evoluímos com o único propósito de sobreviver. Nossa fonte de confirmação sempre foram as dinâmicas tribais e relações sociais. Olhar para dados e tentar extrair algo significativo que vá contra nossas crenças pessoais é algo novo na história da humanidade.

O nosso reflexo ainda está na confirmação de grupo.

Assim, quando alguém afirma que o homem não pisou na lua, essa pessoa também tende a acreditar que as fotos, as rochas extraídas e todas as informações da missão Apollo são falsas e fazem parte de uma conspiração.

Pela ótica de quem analisa dados e fatos o posicionamento pode parecer maluco, mas da perspectiva tribal faz todo sentido.

Para um animal que sempre buscou a sobrevivência, é mais seguro permanecer em união com seu grupo, mesmo que esteja errado em relação aos fatos, do que se levantar contra e acabar excluído.

Conversei com o José Borbolla que é Consultor de dados e Coordenador dos cursos de Data Science e Analytics da Digital House para entender mais sobre a relação entre evolução humana e tomada de decisões e ele me disse:

“A nossa premissa é que nossas tomadas de decisões e opiniões se formem de forma racional, nossa cultura inclusive acredita que a racionalidade é moralmente superior às emoções.  

Hoje a neurociência já conseguiu provar que a racionalidade não opera de forma alheia à emoções, elementos culturais, religiosidade e até o momento histórico que vivemos. A racionalidade é apenas uma das diversas camadas que compõem nossas tomadas de decisões e nossas opiniões.”  

Nossa psicologia também não ajuda

Outra parte do problema está na forma como cérebro percebe informações conflitantes com nossa visão de mundo.

Ao nos deparar com algo que fere uma crença pessoal sentimos um forte desconforto, que é definido pelo efeito amplamente conhecido chamado “Dissonância Cognitiva”. Inúmeros experimentos demonstram que quando fatos se chocam contra crenças pessoais, a saída mais comum não é modificar a visão de mundo, mas tentar distorcer os fatos para reforçar o que acredita.

Na prática nosso cérebro está nos protegendo de ideias novas, e quando estímulos que provam que nossas convicções estão erradas começam a ser repetidos, ao invés de parar e ponderar, reagimos como se estivéssemos em perigo.

O resultado dessa dissonância cognitiva é o que os cientistas chamam de efeito “Backfire”: Ao invés dos fatos nos ajudarem a construir uma visão mais apurada, acabamos distorcendo os fatos e acreditando com ainda mais convicção no posicionamento inicial.

Como resultado, na maioria dos casos tentar combater visões distorcidas com dados acaba surtindo o efeito contrário do esperado.

Mas existe um jeito de contornar?

Nada disso significa que todo o esforço com a ciência de dados e os progressos na direção de identificar fatos e evidências sejam inúteis.

Todas essas informações continuam sendo importantes, mas precisam de uma boa metodologia para que consigam contornar o problema da dissonância cognitiva, e evitar o efeito Backfire.

Logo de início, é interessante manter emoções longe do debate. Tentar se sustentar pelos fatos e não se ofender com o que está sendo dito. Compreender que alguém agindo com emoções piora ainda mais a rejeição aos argumentos.

Evite também realizar ataques pessoais ou exemplos que reforcem a sensação de ataque, mesmo que eles façam a pessoa cair em contradição. É importante manter o ambiente de conciliador para não levantar as defesas.

A associação de comportamentos ruins com exemplos extremos da história também levam o debate para uma direção sem volta. Apontar rótulos como nazista, fascista, comunista e outros títulos extremos desvirtuam a discussão e levam cada um para um lado diferente.

Precisamos entender que quem está na posição de ter suas certezas questionadas, sente-se naturalmente desrespeitado. Por isso é necessário reforçar o respeito e demonstrar empatia pela possibilidade de alguém possuir suas próprias crenças.

Visões de mundo estão associadas diretamente aos nossos valores morais e a rejeição está vinculada ao medo de falhar com princípios fundamentais. Ao invés de tentar ferir estes valores, tente trazer o debate para que a aceitação dos fatos não signifique modificar estes valores.

O trabalho de mudar opiniões utilizando fatos é mais difícil e demorado do que deveria ser.

Nossa natureza nos traz vícios cognitivos que precisam de estratégia e empenho para serem contornados, mas a boa notícia é que é possível mudar crenças e que, apesar disso tudo, dados segue sendo importantes norteadores de opiniões.

* * *

Nota do autor: esse artigo é uma parceria entre o Papo de Homem e a Digital House.

Cada vez mais se fala sobre uso de dados,  principalmente nas tomadas de decisões das grandes empresas.

Não é novidade para ninguém que o mercado de trabalho e a educação estão mudando drasticamente, enquanto algumas empresas demitem departamentos inteiros, outras se queixam e não conseguirem encontrar mão de obra qualificada o suficiente.

A Digital House surgiu com a proposta de realizar cursos intensos, de curta duração nas áreas que mais demandam de novos profissionais do mercado, como: Desenvolvimento web, Desenvolvimento mobile, Marketing Digital, User Experience Design, Data Science e muitos outros.

Se você procura se reinventar, se atualizar e mergulhar na área que abre diversas oportunidades, dá uma olhada nos cursos que a Digital House oferece

Estou cursando o Data Analytics e vou contar para vocês aqui no Papo de Homem como foi o curso, o que aprendi de valioso e se ele vale a pena ou não ;)


publicado em 10 de Outubro de 2018, 12:56
1979477 10151908674667531 2130035329 n jpg

Rodrigo Cambiaghi

é especialista em mídia programática e monetização de sites. Reveza o tempo entre filha, esposa, cão, trabalho, banda, moto, games, horta de casa, cozinha e a louça que não acaba nunca.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: