Por que Reserva apoiou um projeto sobre masculinidades | O Silêncio dos Homens

Parceiros do PdH na realização da pesquisa e documentário explicam que no assunto das masculinidades, o problema não é errar, mas insistir no erro.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Logo havaianas 130x50 png
  • 47 nh 1 png

O projeto do documentário O silêncio dos homens percorreu uma longa jornada até começar a ser exibido pra milhares de pessoas pelo Brasil.

Há anos a conversa sobre fazer uma pesquisa nacional sobre masculinidades e um documentário sobre como se dá a criação dos meninos no Brasil ressoa nos corredores do PdH.

O processo de tirar a ideia do campo dos sonhos e torná-la realidade, lógico, envolveu a busca por parceiros que acreditassem na força do projeto. Nesse sentido, a parceria com a Reserva foi essencial. 

Convidamos Rony Meisler, CEO da Reserva, para um breve depoimento sobre o porquê uma empresa como Reserva resolveu olhar para o tema das masculinidades e contribuir para um projeto sobre as construções e transformações dos homens no Brasil.  

Rony conta sobre o seu processo dentro do tema das masculinidades, como a paternidade foi importante para que ele começasse a se interessar pelo tema, mas também sobre como a Reserva transformou um erro que resultou em acusações de machismo na pedra que começou a construção de uma nova estrada pra empresa.

Link Youtube

"Eu me conectei com o tema das masculinidades principalmente depois que eu fui pai. A paternidade foi um ponto de virada, no sentido das masculinidades na minha vida. No sentido da troca de conhecimento com os meus filhos. No sentido do entendimento do valor da paternidade não só pra minha vida, como pra vida também dos meus colaboradores na Reserva. Desde o nascimento do meu filho mais velho, todos os pais da Reserva têm direito à licença paternidade que começou com 30 dias e hoje é 45 dias."

 


publicado em 08 de Novembro de 2019, 19:21
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: