Leia mais de 20 textos sobre masculinidades no canal de Natura Homem no PdH.

VOCÊ ESTÁ NO PERCURSO:

Por que o PapodeHomem foi criado?

Guilherme Valadares fala sobre as origens do PapodeHomem e o que move o projeto hoje

Se me perguntassem qual o registro falado mais bonito que já fiz da história do PapodeHomem, seria esse de autoria da Ju e da Cris do ContinueCurioso – canal de conversas sensíveis, sabedoria pé no chão de pessoas buscando viver o que acreditam.

Link YouTube | Não deixe de assistir os créditos até o final

Respirei fundo e fui de coração, ora mais confuso, ora mais reto, ora soltando o que batia na telha. Elas tiraram milkshake de pedra, transformando uma hora de palavras assopradas caoticamente em dez minutos de alegria. Caso nossa sede não estivesse na reforma-sem-fim durante julho e agosto, teria sido lá, mas como não deu, foi na minha morada mesmo. Todo modo, andamos fazendo uns registros de nossa aconchegante caverninha atual.

Curiosos por mais? Se for pelo PapodeHomem, só deixar comentários e respondo todos com prazer.

Se for por conversas da Ju e da Cris com projetos digitais feitos na garra e no carinho de quem gosta do próprio ofício, como o IdeaFixa (portal-comunidade de arte e design mais legal da terra brazilis), o Indiretas do Bem (projeto dedicado a espalhar mensagens do bem) e o Enjoei (loja incrível pra quem deseja vender e comprar aquilo que não se gosta mais, de pessoas pra pessoas), vem por aqui.

Se estiver perdido entre abas, frustrado com o incessante brilho da tela do computador te impedido de buscar mais vida lá fora e não souber o que fazer da sua vida exatamente agora, fecha os olhos e vem pra cá.

* * *

Mais de nossos bastidores:


publicado em 17 de Agosto de 2014, 13:12
VOCÊ ESTÁ NO PERCURSO:
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece o curso "Círculos de confiança: como cultivar comunidades digitais benéficas" e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura