Quer ser anfitrião de uma sessão independente de nosso novo doc "O silêncio dos homens" em sua comunidade? Se cadastre aqui! Já são mais de 665 pessoas voluntárias em todo o país.

Para 21% dos brasileiros, exame de toque retal não é 'coisa de homem'

Pesquisa sobre saúde mostra como a construção das masculinidades pode ser frágil

Segundo tipo de câncer que mais mata homens no Brasil, atrás apenas do pulmão, o câncer de próstata é o primeiro da lista quando o assunto é preconceito.

De acordo com uma pesquisa do Datafolha encomendada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e divulgada em agosto, 1 em cada 5 homens acreditam que o exame de toque retal, teste essencial para o diagnóstico precoce da doença, fere suas noções de masculinidade.

As imagens e piadinhas insistentes sobre o tema não ajudam muito, né?

Além de evidenciar um problema de saúde pública, esse dado evidencia o quão distorcida é a construção da identidade clássica masculina.

Criados com medo de sermos percebidos como fracos, vulneráveis ou donos de outras características rasteiramente atribuídas ao feminino, automaticamente nos lançamos para a outra ponta. Precisamos ser fortes, machos e (literalmente nesse caso) impenetráveis.

Mas que força toda é essa, que pode ser destruída com a ameaça de um só dedo?

Por que para se agarrar às sensações de segurança que conhecem, esses 21% de homens estão dispostos a adoecer, e, mais cedo ou mais tarde, destruir a própria vida. De acordo com os números do Inca, são 13 mil os brasileiros que morrem de câncer de próstata a cada ano.

A pesquisa, que entrevistou mais de mil homens com mais de 40 anos em sete capitais brasileiras, também descobriu que 38% dos entrevistados não procuram um urologista, por acharem que estão saudáveis (34%) ou por não considerarem importante (15%).

De acordo com a SBU, o ideal seria que, a partir dos 50, os homens frequentassem o consultório ao menos uma vez ao ano (se algum caso já tiver sido diagnosticado na família, a idade cai para 45 anos).

E você, leitor? O que pensa sobre o câncer de próstata? Se ainda não chegou a sua hora, já tentou conversar com pais, tios ou amigos mais velhos sobre o assunto?

Leituras sugeridas para aprofundamento:

Mecenas: Natura Homem

Nos preocuparmos com a nossa saúde e nos cuidar — seja com o exame de toque ou qualquer outro procedimento — não deveria afetar as nossas masculinidades. Ter abertura, responsabilidade e carinho com a gente mesmo são maneiras essenciais para seguirmos em frente, aproveitando a vida.

Mais leves, menos preocupados com o que os outros podem ou não pensar.

Seja homem? Seja você. Por inteiro.

Natura Homem celebra todas as maneiras de ser homem.

Mecenas mobileMecenas desktop

publicado em 02 de Outubro de 2017, 00:05
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura