O garoto que mancava e outras reclamações do mundo moderno

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x250 1 jpg

Quando eu era moleque, passava a maior parte do tempo jogando bola na rua.

Alguns jogos eram menores, apenas eu e meus amigos. Mas, às vezes o bairro era palco de alguns clássicos. Eram jogos que reuniam meu time contra a turma de outra rua e que pediam cenários mais grandiosos. Assim, aconteciam no mais próximo que tínhamos do padrão FIFA: o estacionamento de um supermercado, muito maior e com direito, até mesmo, a uma mureta, usada como arquibancada por quem passava ali.

Ganhamos muito, perdemos muito também. Até hoje, me lembro de muita coisa desta época. Dribles, gols, brigas... E do garoto que mancava.

O garoto que mancava jogava com a gente. Na verdade, ele não mancava. Andava e corria normalmente, sem mancar... Até perceber que algumas pessoas estavam na mureta assistindo ao jogo. Aí, na primeira dividida, dava um grito de dor e passava o resto do jogo mancando. Ou, melhor, fingindo que estava mancando.

Um dia eu o questionei sobre isso. Ele mentia no grito de dor, mas foi sincero na resposta.

A dor do herói

A dor do herói

—  Eu manco para o jogo parecer que está mais difícil para mim.

—  Oi?

—  Todo mundo vai reparar que eu meu esforcei, porque estava jogando machucado. Tanto faz se vamos ganhar ou perder. As pessoas vão ver que eu joguei machucado, e serei um herói de qualquer maneira.

Concluí que ele era um idiota e nunca mais toquei no assunto.

Mas, com o passar dos anos, comecei a perceber que existe mais gente fingindo que manca do que eu teria imaginado quando jogava bola no estacionamento do supermercado. Vi isso no colégio, depois na faculdade.

Na vida profissional, mesma coisa. Se você trabalha numa empresa grande, basta olhar ao redor de vez em quando e, com um pouco de sorte, verá uma pessoa “mancando” pelo escritório. É o sujeito que está sempre reclamando do quanto tudo é difícil, que as piores coisas sempre caem na mesa dele, que o computador insiste em travar, que o prazo é curto, que a vida dele é mais complicada...

A pessoa não sabe fazer nada sem mostrar o quanto aquilo é difícil, somente para valorizar ao extremo o que ela está fazendo. Age como se estivesse reescrevendo a Jornada do Herói todos os dias, sempre na parte da Provação Suprema – e faz questão que todos percebam isso. Todo mundo no escritório está trabalhando; ela, derrotando adversidades e se superando de forma quase inumana.

Sempre existiu gente assim no mundo. E acho que sempre vai existir.

Entretanto, tenho reparado que, de uns tempos para cá, o ato de reclamar exageradamente parece ter saído do universo profissional e se expandiu. Agora, isso vale para qualquer assunto. O pensamento de que uma conquista só tem valor se ela foi difícil (caso contrário ela é quase nula) parece não valer mais somente para o mundo profissional.

Houve uma inversão de valores: se dá muito mais importância à dificuldade em realizar algo do que à realização em si.

Não sei quem começou com este raciocínio, mas esta lógica é perigosa. Voltando ao mundo do futebol, é o mesmo que dizer que uma taça conquistada nos pênaltis tem mais valor que uma taça recebida depois de uma goleada de 5 x 0.

Hoje, não basta fazer bem feito. É preciso fazer com sangue, suor e lágrimas. E, claro, alardear esta dificuldade aos quatro ventos.

Tô tuitando aqui pra você, Rocky: "eu tô velho demais pra isso". É assim memo que você quer? (Bigoda atrás do Rocky)

Tô tuitando aqui pra você, Rocky: "eu tô velho demais pra isso". É assim memo que você quer? (Bigoda atrás do Rocky)

Abra o Twitter ou o Facebook. Não vai ser preciso procurar muito até encontrar alguém reclamando do chefe, da pessoa que não responde e-mail, da fila da lanchonete, da burocracia do banco, da incompetência do vendedor... O resumo da ópera é sempre o mesmo: “meu dia está complicado”.

Ou, indo além: “meu dia está mais complicado que você imagina”.

Ou, melhor ainda: “meu dia está mais complicado que o seu”.

Ter problemas se tornou a grande virtude do século 21. É preciso anunciá-los, como se fossem prova de eficiência, de talento, de construção de caráter.

Em alguns casos, reclamar sobre um problema para anunciá-lo se tornou mais importante que resolvê-lo. Dia desses, um amigo comentou comigo que havia pedido umas fotos para um assessor de imprensa, e nada do sujeito responder ao e-mail. Perguntei:

—  Faz quanto tempo que você mandou o e-mail?

—  Uns dez minutos! E é urgente!

—  Bom, então por que você não liga para o cara?

—  Porque eu estou sem tempo!

“Não, você não está sem tempo. Se estivesse sem tempo até para pegar o telefone e ligar, você não estaria reclamando disso comigo”, concluí.

Na verdade, eu já estava pensando outra coisa. Meu amigo estava enlouquecido por causa de um e-mail mandado minutos antes. Provavelmente, as fotos chegariam minutos depois. Vinte anos atrás, para o meu amigo conseguir as fotos, ele teria que ligar para o assessor de imprensa, que teria que gravar um CD com as imagens, mandar por motoboy (ou por correio)... Visto hoje, esse procedimento parece pré-histórico. Mas funcionava.

Ou seja, a tecnologia facilitou muito a nossa vida. Isso, claro, na teoria.

Pois, na prática, as coisas são um pouco diferentes. A tecnologia ajudou, sim, a tornar tudo mais rápido. Mas ela também criou necessidades que demandam ainda mais tempo para ser resolvidas. Truco.

Atualmente temos recursos que nossos avós nem sonhavam, mas ao mesmo tempo a vida é muito mais complicada hoje que no tempo deles. Antigamente, as fotos do meu amigo chegariam no dia seguinte e isto estava ótimo. Hoje, elas chegam cinco minutos depois, mas é insuficiente, precisa ser mais rápido.

A gente avançou tanto pra chegar lá atrás, no começo

A gente avançou tanto pra chegar lá atrás, no começo

O tempo é apertado, o prazo é para ontem, o resultado precisa ser imediato. A grana está cada vez mais curta, o individualismo fica cada vez maior, a intolerância (a tudo) cresce a níveis assustadores.

A vida hoje é mais difícil que décadas atrás? Sem dúvida. A prova disso é que hoje temos doenças que nem existiam cem anos atrás. A vida hoje deveria ser mais fácil que décadas atrás? Sem dúvida. Mas não é assim que funciona. Mesmo com todos os recursos tecnológicos, a qualidade de vida parece cair ladeira abaixo. Com isso, sobram reclamações. Sobre tudo e o tempo inteiro.

Claro que não estou falando de desabafos, do bom e velho “xingar muito no Twitter”. Todos nós temos o direito de detestar aquele dia em que tudo dá errado. Reclamar do chefe pentelho, da falta de grana ou do metrô lotado faz parte. E faz bem para a alma. Mas não torne a reclamação uma forma de se valorizar perante o público.

Não se queixe em busca de aplausos, pois não jogarão flores no palco. Ninguém está nem aí para as reclamações dos outros. Você vai estar apenas perdendo tempo. Se o meu amigo de infância tivesse prestado atenção, teria reparado que as pessoas ali nem notaram que o loirinho da ponta direita estava mancando.

Estavam mais preocupados em olhar o craque do time.

E como abri o texto com uma história do meu passado, vou fechá-lo com outra.

Anos atrás, eu fazia a revista de uma empresa. No começo do mês, o dono da empresa me ligava e passava as pautas que queria. Eu tinha três ou quatro dias para produzir tudo. Uma vez, ele sugeriu uma matéria impossível, que sozinha consumiria mais da metade do meu prazo. Eu, no telefone, respondi:

– Porra, essa matéria vai ser muito difícil de ser feita.

Ele nem pensou para responder.

– Eu sei disso. É por isso que estou passando para você. Se fosse fácil, eu mesmo faria.

Três dias depois, entreguei a matéria. Foi uma das melhores que escrevi na vida. E eu nunca esqueci essa lição.

As coisas são difíceis porque são suas. Se fossem fáceis, elas estariam nas mãos de um babaca qualquer, que não saberia nem por onde começar, e provavelmente não seria digno delas.

E isso não vale somente para trabalho. Vale para sua vida inteira.

Se a regra é matar um leão por dia, reclamar que a espingarda é ruim ou que as balas estão acabando não vai fazer de você um herói, e muito menos que o leão tenha pena. O segredo é mirar e matar o leão. Todos os dias.

Aí sim você pode xingar o leão do que quiser.

E se preparar para o próximo.

Mecenas: Game Quasar Quest

quasar-quest
O perfume Quasar, de O Boticário, te impulsiona para novas conquistas no dia a dia. Para mostrar os vários desafios que superamos todos os dias, eles lançaram o Game Quasar Quest, um jogo viciante inspirado na sua vida. Toda semana, os dois melhores jogadores do ranking são premiados com kits de Quasar.

 

É só entrar lá no site do Game Quasar Quest e vencer todas as barreiras do cotidiano.


publicado em 20 de Agosto de 2013, 21:00
B582422ba4b39ce741909ee5f025fa5e?s=130

Rob Gordon

Rob Gordon é publicitário por formação, jornalista por vocação e escritor por teimosia. Criador dos blogs Championship Vinyl e Championship Chronicles.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: