Quando o estresse bate forte, você sabe o que fazer?

O dinheiro como um método sutil e carinhoso de dominação

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg

Ficamos chocados quando nos deparamos com um marido que tranca a esposa em casa.

Se a mãe belisca a filha pequena no meio do shopping, para que ela pare de correr, as pessoas percebem e imediatamente se colocam no lugar da menina, provavelmente extasiada por conta da quantidade de brinquedos, cores e lojas. Recriminamos a mãe e tememos pela adolescente que aquela criança vai virar.

Se o técnico do time dá um tapa na cabeça do atleta juvenil que perdeu o gol, nossa empatia aflora e nos sentimos compadecidos pelo sentimento triste que provavelmente assola o esportista.

Seja por meio da autoridade inerente a um papel social (o de marido ou o de mãe), seja por conta da força física, o fato é que presenciamos dinâmicas de dominador e dominado frequentemente.

Está tudo às claras, com o bom senso exercendo o nobre papel de juíz. É óbvio que vai dar problema, que não é saudável, que prejudica fortemente os dominados.

O problema é quando o processo não chama a nossa atenção, quando ele está escondido sob atos aparentemente inofensivos.

Travestido de cavalheirismo, carinho de pai e mãe ou camaradagem, muitas vezes sem perceber, utilizamos o dinheiro como uma forma muito eficiente, carinhosa e perigosa de dominar o outro, de manter a situação sob controle, de tapar buracos deixados noutras ocasiões.

Situação 1: Carinho de mãe

Chega a conta de celular em casa. Antes que a filha veja, a mãe pega a conta e paga. A filha tem 20 e poucos anos, é pós-graduada e assalariada, mas não sabe o valor da própria conta de telefone, não sabe qual plano possui, não tem ideia de quanto custa uma ligação. Ela sente-se grata pela atitude da mãe. Já tentou tomar a frente e pagar a conta, mas nunca com muita energia. É confortável. Dessa maneira sobra mais dinheiro para gastar com outras coisas.

"Que maravilha filha, agora você está pronta para o mundo. Mas o que acha de tentar uma pós antes? A mamãe paga..."

A mãe, zelosa, fez uma poupança para a filha, depositando mensalmente um certo valor desde o nascimento. A filha sonha em mudar de carreira. Quer fazer um curso de teatro, conhecer outras áreas, se envolver em outros setores e pede para realizar um saque dessa poupança. A mãe não deixa. Artista morre de fome nesse país. Se ao menos fosse para fazer uma faculdade de verdade, defende.

Mas afinal, a poupança não era para o futuro da filha?

As situações aparentemente não possuem uma ligação clara, nem parecem estar intimamente relacionadas. Mas estão.

Talvez a mãe não perceba, talvez na cabeça dela isso seja uma atitude de amor, mas não deixar que a filha pague a conta de celular é uma maneira carinhosa e socialmente aceitável de reiterar a própria autoridade, de podar e conceder o direito de veto ao saque da poupança, sem deixar a consciência pesada. Afinal, é ela quem paga as contas e, principalmente, é ela que sabe o que é melhor para a filha.

Situação 2: A conta do jantar

A hora da conta é o momento perfeito para travestir a dominação sob a forma de cavalheirismo. O garçom entrega a conta para o homem, que estufa o peito e olha o valor. Abre a carteira, entrega o cartão e pede para passar todo o valor. A moça, sabendo das dificuldades financeiras enfrentadas pelo parceiro, diz que dessa vez vai pagar sua parte.

Como se tivesse sido pego fazendo coisa errada, o homem fica sem graça, quase que ofendido. Ele sabe que o melhor seria dividir, mas manda passar tudo no cartão.

A garçonete solta um gracejo ao casal: “Não se fazem mais homens assim hoje em dia”.

O cara se sente bem, a moça se sente cuidada e ambos voltam para casa.

Chega a fatura do cartão. Ele não tem a grana para pagar e sente-se acuado, diminuído, mas sustenta a imagem bem sucedida organizando a planilha enquanto a mulher cuida da casa. Ela fica com peso na consciência pelos gastos, mas não se sente no direito de palpitar, de sugerir mudanças, de participar das decisões que poderiam colocar a vida financeira do casal no eixo.

O ato de pagar a conta o coloca em outro patamar, e ele acha que é melhor assim.

A colaboração e o cavalheirismo não são o problema

Colaborar com alguém querido ou oferecer um jantar são, por si, boas atitudes. É possível oferecer ao outro sem exercer uma dominância negativa. O problema ocorre quando esses pequenos rituais camuflam e endossam movimentos ruins, que limitam algum dos protagonistas da história.

"Vem, amor, qual relógio você quer pra ficar sempre boazinha ao meu lado?"

Pagar a conta de celular e manter-se como provedora é, em certa proporção, um grito de medo misturado com egoísmo, de quem quer a filha para si e teme que ela ganhe asas e só venha visitá-la no natal.

Sentir-se diminuído quando o outro se propõe a dividir a conta pode ser um sinal bem latente de insegurança, de quem não sabe de relacionar sem seguir a convenção social.

São atos que parecem inofensivos, mas partem da mesma atitude mental que desencadeia as condutas graves e declaradamente recrimináveis, como trancar a mulher em casa ou bater na fillha. Muda apenas a intensidade e o cenário externo.

"Será que eu faço isso?"

Por mais camuflados que sejam os movimentos, eles geralmente envolvem pequenas operações comerciais.

Quando um paga a conta do celular, o outro usufrui do serviço sem precisar despender nada. Quando um paga a conta do jantar, o outro é que recebeu o presente. As operações comerciais sempre têm, pelo menos, duas partes.

Em relações ruins, ambas as partes saem perdendo. O dominante sofre com o medo do dominado deixar de sê-lo, e o dominado sofre com a opressão constante.

Uma atitude que eu vejo funcionando e que geralmente deixa escandalosamente evidente a relação ruim, ao ponto de descontruí-la, é inverter os papeis.

Se você está acostumado a ter o jantar pago pelo parceiro(a), oferecer-se irredutivelmente para pagar a conta uma vez e notar o desconforto do outro pode ser um excelente exercício.

Como aquela mãe se sentiria se a filha se antecipasse e pagasse a conta de luz de casa? Em relações antigas e incrustadas de sentimento (amor materno incondicional, por exemplo), as ações efetivas e cortantes tem uma importância imensa.

Tendo reconhecido que de fato ocorre e é ruim, geralmente a situação desfaz-se por si só, de tão caricata que é. Paramos de colocar nosso potencial financeiro a serviço do nosso padrão dominador e abrimos espaço para que ele possa entrar como viabilizador, como combustível para o que queremos realmente impulsionar. É como se estivéssemos libertando-o.

Por mais que sejam operações comerciais, por mais que estejamos utilizando o dinheiro para deixar essas dinâmicas ruins em evidência, no fim estamos falando de gente.

Sempre estamos.


publicado em 28 de Janeiro de 2013, 10:07
Eduardoamuri

Eduardo Amuri

Cuida da grana e das operações do PapodeHomem e do lugar, além de oferecer consultoria financeira para pessoas e empresas. Se interessa pela nossa relação com o dinheiro. Mais aqui: amuri.com.br


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: