Vamos oferecer um curso de equilíbrio emocional para homens. Começa quinta que vem e ainda há vagas.

Não precisamos de pesquisas para saber que os homens estão com problemas

Conversar além do "vai tudo muito bem, obrigado" pode render boas surpresas

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg

Tenho gostado muito de ler logo antes de pegar no sono. A cabeceira anda ocupada por meu Kindle e uns poucos e corajosos livros de papel, a "resistência analógica". Um deles é o "Is there anything good about men?".

Esses dias estava folheando algumas de suas páginas enquanto fazia uso de meu marca texto para destacar a estatística de que 92% das mortes no trabalho ocorridas nos EUA são de homens. 

Isso não só por assumirem empregos mais arriscados, mas por doenças ligadas à maneira como trabalham – que, por sua vez, se conecta a estereótipos de gênero que reforçam a pressão para serem provedores de sucesso. 

Cheguei a dobrar a página do livro para não me esquecer de adicionar o dado à lista que mantenho em meu Google Docs, com outras informações ligadas a problemas dos homens. 

Trailer do documentário "The Mask You Live In"

Segundo a Associação Americana de Psicologia, 80% dos mancebos sofrem em algum grau de Alexitimia – condição definida pela inabilidade de colocar emoções e sentimentos em palavras. 

De acordo com essa pesquisa feita pela Universidade de Georgia, analisando mais de 77.000 sentenças proferidas por juízes entre 1991 e 1994, as penas recebidas por homens foram 278.4% mais longas do que as das mulheres, comparando crimes de mesma natureza.

O livro "Guerra de Esperma", de Robin Baker, proclama que 10% das crianças são criadas por homens que acreditam serem seus pais biológicos, mas na verdade não são. A fraude de paternidade é um dos maiores dramas pelos quais um homem pode passar, como elucidado por esse artigo do The New York Times.

Um em cada nove meninos entre 3 e 17 anos, nos EUA, tem DDA (Distúrbio de Déficit de Atenção) – o dobro da ocorrência nas meninas. Eles têm ainda 70% das notas D e F (as piores no sistema educacional norte-americano). Por fim, a presença dos homens nas faculdades vem caindo e a projeção é de que em 2020 apenas 41.4% dos universitários nos EUA sejam homens.

Já o livro "The Myth of the Male Power", publicado por Warren Farrell em 1993, nos apresenta um estudo conduzido pelo U.S. Bureau of Health and Human Services, que revela que a taxa de suicídio entre meninos e meninas de até 9 anos é praticamente idêntica.

Entretanto, dos 10 aos 14 a probabilidade de suicídio dos homens dobra em relação ao índice das mulheres. Dos 15 aos 19 a incidência se dá em números 4 vezes superior. Dos 20 aos 24 anos, é 6 vezes maior. Até a velhice a taxa de suicídios entre os homens segue crescendo ainda mais, em relação a das mulheres.

Isso se conecta à construção feita pelo autor, de que quanto mais contato com a experiência delegada ao papel masculino, mais próximo do suicídio está o homem. E claro, o suicídio é um extremo. Vários outros vão estar em pontos anteriores, acusando intenso sofrimento por meio de quadros de depressão, ansiedade, burn out e várias outras doenças.

É interessante ressaltar também que o Dr. Warren Farrell, autor do livro, é favorável ao movimento feminista e luta pela igualdade de gênero desde a década de 60. 

Em 2012, foram registrados 9.918 mortes de homens e 2.623 de mulheres, por suicídio. Isso no Brasil. A proporção esmagadoramente maior de homens se repete em outros países, como na Inglaterra.

Meninos com menos de 17 anos bebem mais do que qualquer outro grupo populacional nos EUA. (fonte: documentário "The Mask You Live In")

Há décadas que temos livros e estudos sérios sendo publicados sobre a dor dos homens e sobre como é importante compreendê-la. 

Mas talvez não seja necessário depender de estudos para enxergar essa realidade. Basta olhar pro lado.

Pequenas histórias reais...

Entro numa reunião importante. Lá pelas tantas, conversando sobre situações que escutamos na comunidade do PapodeHomem, o sócio diretor da empresa revela que trabalhava como um cavalo até um dia em que sentiu o braço esquerdo ficar dormente no meio de uma negociação com um cliente. Estava tendo um infarto, que mais tarde se mostrou ter causa em sua rotina workaholic. Quase morreu. Só então aceitou trabalhar menos.

Em outro contexto, surge mais um papo a la confessionário. O cara admite que só tem um amigo com o qual se sente realmente confortável pra abrir todas suas fraquezas e medos, seja quando e como for. Eles se chamam de "amigas", uma brincadeira com a noção de que só mulheres seriam tão íntimas e dispostas a se expor desse modo.

Próxima cena. Escuto um cinquentão com voz de barítono, trajes elegantes e aperto de mão forte, empresário, me contar que está tentando se comunicar de modo menos impositivo e controlador, pra melhorar o relacionamento com a esposa e filhos. Sempre se comunicou assim com os funcionários, passou a maior parte da vida na empresa, tem enorme dificuldade para agir diferente fora dela.

Mais uma. Outro homenzarrão bem sucedido, narra sua surpresa ao ver seu pai cobrindo o neto de carinho e declarações de amor. Ele se ressente de nunca ter recebido esse tipo de carinho do pai quando criança ou adolescente ou jovem adulto. Até hoje tem travas ao dar e receber afeto.

A saideira, pra encerrar. O sujeito de quarenta anos, recém separado, admite estar sem eixo na vida. Dedicou os últimos anos à carreira e à família, basicamente. Perdeu a esposa, a guarda dos filhos, parte significativa de seus bens. Está sem amigos, os quais foi deixando de lado pra se focar em ser provedor e marido. Depressivo, não sabe o que fazer.

Nenhuma dessas histórias é única, já escutei todas mais de uma vez com mudanças de nomes e cenários aqui e ali.

E você, quais cenas viveu ou presenciou que contam dessa realidade que não precisa de pesquisas para ser vista?


Nota: o ponto não é comparar a dor dos homens com a das mulheres, elas não são excludentes. Podemos acolher ambas. A intenção aqui é apoiar a busca por gêneros mais lúcidos, com relações mais construtivas e amorosas entre todos.


Homens possíveis é uma coluna quinzenal, sai sempre aos domingos.


publicado em 08 de Junho de 2015, 02:57
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece o curso "Círculos de confiança: como cultivar comunidades digitais benéficas" e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: