Lançamos nosso primeiro ebook! Vem conhecer as 25 crises do homem (e como superá-las)

"Não me importo com o que os outros pensam". Mas se importa sim

Toda vaidade do mundo está contida dentro dessa emoção de desprezo pelos outros

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x250 1 jpg

Tento levar a vida com um grau elevado de ceticismo a respeito de coisas do senso comum. Existem alguns pensamentos popularescos que me absorvem atenção especial. Um deles tenho visto sendo repetido reiteradas vezes nas redes sociais. Trata-se da ideia que pode ser resumida pela seguinte frase: "não me importo com o que os outros pensam".

Em condições normais, vejo essa concepção de realidade ser sustenta especialmente por adolescentes e, com esses, pouco me preocupo. Creio que a vida se encarregará de fazer as devidas correções, dentro do seu devido tempo. Estando o adolescente diante de todas as verdades do mundo, seguro de suas certezas, por que ele estaria preocupado com a opinião alheia a respeito do seu cabelo, sua roupa, seu comportamento, não é mesmo?

O caso passou a me chamar atenção quando observei um número substancial de adultos embarcando nessa conversa ou, simplesmente, ao não desembarcando dela. É muito possível que se trate da chamada adolescência prolongada, da qual muitos falam. Mas não sou psicólogo; então, também não tenho interesse nas patologias do comportamento humano individual. A natureza humana é muito mais divertida quando analisada no geral. 

Nossos sentimentos de interesse pelos outros estão ancorados na utilidade daquelas virtudes consideradas socialmente interessantes para o bem-estar das nossas comunidades, benevolência e justiça, por exemplo. Quando o assunto é nossa ganância e nosso egoísmo, eu e você somos de tipos diferentes de gananciosos e egoístas, com objetivos diferentes, interesses que não se cruzam etc. Contudo, a respeito dos nossos sentimentos morais de justiça, amor ao próximo e compaixão somos apenas diferentes em grau, não em espécie, e nem um nem outro é integralmente alheio às considerações valiosas expressas em virtudes socialmente tão valiosas. 

O que nos faz ter interesse sobre a opinião que os outros formam a nosso respeito é algo diretamente ligado à opinião que temos em torno de nós mesmos e do comportamento que, por sua vez, julgamos adequado para ser socialmente reproduzido. O apreço por si mesmo é a única coisa que une o tolo e o sábio. Nesse sentido tão elementar, somos vaidosos, e isso não é uma característica boa ou má. Nossa vaidade, por mais equilibrada que possa ser, nos mantém conectados com os valores socialmente instituídos e esses valores são necessariamente louváveis ou censuráveis, quando analisados do ponto da utilidade pública. 

Quando nossa honra está em jogo, uma das melhores formas de tentar defendê-la é atacando ou menosprezando o adversário. "Pouco me importo com o quê você pensa a meu respeito" é uma tentativa de menosprezar, mas não se surpreenda se o autor da frase estiver disposto a ataques aleatórios. Quem estaria mais preparado para encontrar inimigos do que aquele que os inventa? Imagine isso em um ambiente onde, não uma, mas várias pessoas estão inventando seus inimigos: seria estranho que se encontrassem e se digladiassem entre si? 

Curiosamente, é muito difícil encontrar um raciocínio mais vaidoso do que aquele que diz ignorar o quê os outros pensam a seu respeito. É justamente dentro desse sentimento que está minha declaração: muito me importa, sim, tudo aquilo que os outros pensam ao meu respeito!

Toda vaidade do mundo está contida dentro dessa emoção de desprezo pelos outros. É justamente essa condição pueril que atesta a eficiência e vivacidade da nossa vaidade e estabelece uma ponte indestrutível entre o egoísmo e nossa intenção de sermos agradáveis a todos os demais. Não fosse o autor de tão esquizofrênico raciocínio uma pessoa diretamente preocupada com o quê os outros pensam a seu respeito, ele não seria capaz sequer de pensar no assunto.

Tendo em vista os parâmetros de profundo desprezo que ele tenta (em vão!) empregar, dizer não se importar com o aquilo que os demais pensam a seu respeito é apenas hipocrisia. 


publicado em 17 de Maio de 2017, 00:00
File

Everton Maciel

Everton Maciel é gaúcho e não suporta bairrismo. Só tolera bares que não permitem camisas polo. Nasceu jornalista, mas fez mestrado em Filosofia e mantém um blog próprio, o Blog do Maciel. Tem Facebook e Twitter


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: