"Após ficar viúvo, não deixo ninguém se aproximar. Ainda estou de luto?" | Mentoria PdH #21

Sou um cara de 47 e viúvo há 8 anos. Tenho um filho de 10. Não tenho conseguido me relacionar após a perda de minha esposa. O que acontece?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

Nota editorial: a questão abaixo me fez lembrar e recomendar a vocês o lindo projeto RODA5070, que tem organizado rodas e atividades para homens e mulheres acima de 50, em diferentes cidades do Brasil. Criação de José Bueno e Mauro Sauto.

Dêem um pulo no instagram e site deles, vale demais.

* * *

Pergunta da semana:

"Bom dia, turma.

Minha pergunta é sobre mim mesmo.

Sou um cara maduro, 47 anos e viúvo há 8 anos.

Tenho um filho de 10 anos que vive comigo e sou totalmente responsável por ele.

Foto por Nathan Anderson

Sou esportista, tenho alguns pouco e bons amigos, claro que gosto de uma boa cerveja, mas o ponto é que após ficar viúvo, dois anos depois tive um relacionamento que durou outros dois.

Uma mulher bacana, inteligente, viajada e que me fez um bem danado, era uma super parceira.

O fato é que por vivermos experiências de vida muito distintas, a relação não foi além dos dois anos, e para mim o fim foi traumático, pois de fato gostava dela. 

E não que ela não gostasse de mim, penso eu, mas sobretudo por nossas diferentes visões de mundo, a coisa não fluiu mais. Ah, ela tinha ótima relação com meu filho.

Com isso, desde 2014 então que estou como digo aos amigos, “avulso”.

Claro que vez ou outra aparece uma amiga para alguns momentos e nada mais.

O que me pega agora é que não consigo deixar ninguém se aproximar, sou exigente pra caramba, e talvez algumas boas oportunidades já tenham passado por que não estou a fim de me aborrecer.

Foto por David Calderón

Será que ainda estou de luto?"

— Bruno

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é foda. Onde encontro mais perguntas e respostas? Quero ler todas.

Só entrar na coleção Mentoria PdH, queridão.

Bruno, um presente pra você:

Vamos oferecer o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 17 de Setembro de 2018, 01:14
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: