Leva 5 minutos. Participe de nossa pesquisa nacional sobre as questões e desafios dos homens brasileiros — os dados serão 100% públicos. Já tivemos mais de 10.000 respostas, mas precisamos de mais pessoas do Norte, Centro-Oeste e Nordeste do país, nos ajudam a chegar nelas?

"Fui amante sem saber. Como lidar?" | Mentoria PdH #28

"Sinto culpa por ter sido amante, raiva por ela ter me descartado e tristeza por não saber lidar com mais uma rejeição."

Pergunta da semana:

"Bom dia, 

Podem me chamar de "L", Tenho 27 anos, sou aspirante a engenheiro, tenho um bom trabalho e uma vida simples de se viver

Tive um relacionamento muito conturbado com uma menina, onde fui diversas vezes enganado e usado e logo em seguida traído e abandonado. Depois de tantas decepções eu resolvi me fechar no meu mundo e me dedicar ao meu trabalho.

Foto por Alex Iby

Depois de um tempo em uma festa de final de ano da empresa, eu fui apresentado a uma menina, uma mulher linda, comunicativa, engraçada e super papo cabeça, passamos a festa inteira sentados juntos, conversando e descobrindo tantas coisas em comum que no final da festa eu já estava super envolvido e curioso em conhecer mais aquela pessoa que do nada apareceu. Antes da gente se despedir trocamos telefones.

Passaram alguns dias e ela entrou em contato comigo, disse que eu era muito legal e que tinha muito interesse em me conhecer melhor. Na hora eu fiquei super feliz e não estava acreditando se aquilo era verdade ou não. Passamos dias conversando quase que o dia inteiro, enfim marcamos para sair. Tivemos uma noite maravilhosa, tudo estava bom demais para ser verdade. No final da noite levei ela até em casa, e no carro tivemos o melhor amasso que eu poderia ter me lembrado.

E foi assim durante meses.

Um certo dia, por impulso, procurei o perfil dela no instagram, e fiquei muito decepcionado, pois eu descobri que ela tinha um namorado. Na hora eu a questionei, perguntei se aquilo era verdade, perguntei se todas as coisas sobre amor que falávamos tinham sido em vão. Ela disse que estava no término de um relacionamento e não me contou, pois não queria me afastar.

Nessa altura do campeonato, eu já estava apaixonado e deixei o coração falar mais alto que a razão. 

Dei um tempo para ela resolver a vida dela e me dar um resposta do que queria fazer. Nossos encontros já não eram mais os mesmos e eu sentia muita falta de tudo como era antes. Ela só desmarcava ou dava alguma desculpa dizendo que não daria para me ver. 

Depois de muitas tentativas de ter uma conversa ela me disse que iria continuar com o namorado, pois ele era importante demais para ela. Eu questionei sobre tudo o que tivemos, os momentos quentes, os textos de amor, os encontros, os planos. E nenhuma resposta obtive.

Até que no fim ela deu continuidade ao relacionamento dela, de maneira como se nada tivesse acontecido e eu fiquei mais uma vez com meu coração partido.

Hoje sinto esse sentimento de culpa por ter sido amante, sinto raiva por ela ter me descartado, e sinto tristeza por não saber lidar com mais uma rejeição.

Legenda

Às vezes sinto vontade de falar com o namorado dela, e expor toda a verdade, mas não sei se esse seria o certo, mas também penso em deixar tudo isso pra lá, mas toda vez que lembro de tudo que ela fez comigo, sinto essa raiva dentro de mim. 

Me ajudem.

Obrigado."

— L

Complemento especial sobre sofrimento nas relações amorosas:

L, assista esse vídeo gravado com a Márcia Baja, professora budista:

 

Também recomendo o texto "É impossível controlar o outro", é uma preciosidade!

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Deve. Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões como essas, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Fiquei fã do Mentoria PdH. Onde encontro mais perguntas e respostas?

Só entrar na coleção Mentoria PdH.

Murilo, um presente pra você:

Vamos oferecer o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Compre ou presenteie nosso livro a um homem nesse Natal :)

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 10 de Dezembro de 2018, 19:42
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura