Quer ser anfitrião de uma sessão independente de nosso novo doc "O silêncio dos homens" em sua comunidade? Se cadastre aqui! Já são mais de 300 pessoas voluntárias em todo o país.

Dança de salão: o jogo sujo dos relacionamentos

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 47 nh 1 png
  • Logo havaianas 130x50 png

Eu não sou um exímio dançarino, confesso. Aliás, sejamos honestos, não sei mesmo dançar. Sou um fiasco. Mas me esforço e, acima de tudo, reconheço que saber dançar é requisito básico pra conquista. Fato. Sigamos.

Há uma corrente segundo a qual "Homem que é homem não dança". Bobagem machistinha. Você enlaça a mulher e sai pelo salão mostrando a que veio. Deixa os "machões" fazendo as tais piadinhas entre si (eles sempre ficam juntinhos, já reparou?), paradões, enquanto você e outros igualmente espertos dominam o salão e se divertem noite adentro. E, pode apostar, nas vezes em que ele está com alguma mulher, a garota do cara – isso é sério! – não pára de pensar em você.

Porque desde que o samba é samba e o mundo é mundo a dança faz parte do jogo sensual de tudo quanto é espécie, inclusive a humana. Não é preciso ser formado em antropologia para saber da importância da dança na sedução e na conquista. E também não é preciso ser o Carlinhos de Jesus para ter a real noção do quanto há de sensual nos passos trocados com outra pessoa — seja homem ou mulher — numa pista, num salão, ou onde quer que seja, desde que sob a música adequada.

Mas, como ia dizendo, sou um péssimo dançarino. Esforçado, sem dúvida, mas péssimo. Por isso, trago a vocês uma entrevista com Gustavo Gitti, realizada em 2008.

 

Há muitas outras possibilidades antes do beijo e do sexo

 

1. Você dança há quanto tempo? E em quanto tempo um cara que não sabe dançar pode ter a manha de conseguir fazer algo minimamente aceitável em público?

Até os 23 anos, eu não sabia nem o básico do forró. Tinha feito umas 3 aulas gratuitas no SESC ao lado de minha ex-namorada e em todas elas saí frustrado, fraco e com sensação de impotência: outros caras a conduziam de um jeito que eu não sabia, a faziam girar, sorrir, e eu... nada.

Eu comecei a fazer aula no início de 2006. Meses depois, consegui uma bolsa e tive a sorte de fazer 3 noites de aulas por semana, como cavalheiro nas turmas que tinham mais mulheres que homens (quase todas). Participei de aulas especiais e tive a oportunidade de conhecer quase todos os ritmos da dança de salão, focando mais em salsa, samba de gafieira e tango.

Com 4 aulas de um ritmo específico, qualquer homem já pode sair para dançar e se arriscar a estender a mão para algumas mulheres. O forró, por exemplo, se aprende mais na noite do que em uma academia. Os outros ritmos já são mais complicados, mas sempre aprendemos muito observando caras experientes no salão.

 

2. Vou direto à tal perguntinha espinhosa: e esse negócio de que "dançar não é coisa de homem"? O que tem a dizer sobre os que falam isso?

Besteira pura. Qualquer homem dança, independente de sua orientação sexual — e uma coisa não tem nada a ver com a outra, exceto na cabeça de machistas do século passado. Na dança de salão, a polaridade masculino/feminino é extremamente enfatizada. Nas aulas, os homens são ensinados a conduzir, a ter pegada. E as mulheres são instruídas a serem conduzidas, a se deixarem levar, se entregar. 

Quando comecei a dançar, muitos de meus amigos brincavam: "Vai pro balé hoje?". O curioso é que isso parou, de repente, após uma festa comum em que estávamos todos juntos, daquelas em que ninguém dança a dois e as músicas são de todos os tipos. Aproveitei todas as músicas que tinham um ritmo parecido com forró ou samba e tirei várias mulheres para dançar. Resultado: mal conversei com eles a noite inteira, afinal era um homem para mais de 20 mulheres. Depois, dois deles me pediram aulas particulares. 

 

3. Existem festas específicas para dançar, com gente bonita tal e coisa, ou é preciso freqüentar os famigerados "Bailes da Saudade"?

A dança de salão está muito "jovem" atualmente. Não só há festas específicas e grandes bailes das academias, como existem cada vez mais "baladas" feitas para dançar a dois. Salsa, zouk, samba-rock e forró são os ritmos da noite paulistana. Tango tem seus poucos lugares, como o Tanguetto no Itaim ou o Café Piu Piu nos últimos domingos do mês (com show do melhor grupo brasileiro de tango, De Puro Guapos).

Entre os locais para se dançar, indico os shows da Banda Glória (geralmente na Aldeia Turiassu, para dançar forró e gafieira), o Rey Castro às quartas (salsa ao vivo), o Azucar (salsa), o Buena Vista às terças (salsa) e aos domingo (zouk), e o Teatro Mars, DiQuinta e Grazi a Dio (samba-rock). Também já peguei excelentes shows de gafieira, salsa e forró na Choperia do SESC Pompeia, o melhor local de São Paulo para realmente dançar.

Link YouTube | Rueda de Casino: uma das coisas mais divertidas do mundo 

 

4. Como você vê o resgate da "música dançante" (a dois) de uns tempos para cá, como o samba-rock, o samba-de-gafieira e outras variações?

Tempos atrás, eu assisti a um documentário sobre um projeto americano que promovia aulas de dança de salão (vários ritmos) em escolas públicas, com crianças de 11 a 12 anos. Achei aquilo excelente!

É claro que eles tiveram a péssima idéia de fazer um concurso e distribuir troféus ao fim, mas isso é o de menos. Durante as aulas, os meninos aprendiam que ser homem envolve também ter direcionamento, sensibilidade e respeito, não só com mulheres, mas na vida em geral. E as meninas exploravam, na dança, qualidades de encanto, radiância e entrega.

Creio que tais ensinamentos da dança de salão, por serem aprendidos com o corpo (não de modo teórico), fazem com que ela seja cada vez mais valorizada neste mundo contemporâneo que dissocia mente e corpo e gera avatares, indivíduos puramente mentais, desconectados, sem presença.

A dança aumenta nossa consciência corporal, nossa sensação de ser um corpo – em vez de ter um corpo.

 

5. As mulheres preferem os homens que sabem dançar ou isso não faz diferença?

Qualquer pessoa prefere alguém que saiba dançar, independente do gênero ou orientação sexual.

Nunca conheci uma mulher que não gostasse de dançar, ser conduzida e se divertir no jogo dos corpos em meio a uma boa música. É claro que a dança não é pré-requisito para que a relação seja maravilhosa, mas ela certamente eleva os níveis de qualquer relação maravilhosa.

Se um casal passa por dificuldades, a dança é uma excelente terapia – não-discursiva, intensa e objetiva. E se um casal passa por seus melhores momentos, nada melhor do que expressar toda essa energia na dança, um modo de se conectar com o outro que fica entre a conversa e o sexo, mas que amplia o sexo e a conversa, entende?

Tive o prazer de conhecer vários casais, de diversas idades, que mudaram completamente a relação com a prática da dança de salão. E pude comprovar isso na minha própria vida: nunca mais olhei para uma mulher com as perspectivas limitadas de antes. É uma delícia estar em um festa e poder convidar absolutamente qualquer mulher para fazê-la sorrir, para colar no seu corpo, para curtir a música de um jeito vivo. Uma única mulher rejeitou um convite meu (algo raríssimo na dança de salão em geral, as mulheres nunca recusam um convite). Mesmo aquelas que não sabem dançar, todas aceitam aprender, basta pedir com jeito.

Na comunidade online que coordeno, com frequência recomendo a dança de salão. Sou até chato, mas já contamos com inúmeros relatos de noitadas inesquecíveis que só foram possíveis depois de algumas aulinhas.

 

6. Então é isso que irrita tanto os que não sabem dançar? Por isso eles ficam bravinhos?

Seria ótimo se um pesquisador pudesse levar adiante tal hipótese: será que homens que não dançam sentem mais raiva e inveja? Eu suponho que não, afinal tenho muita inveja e raiva também, mesmo dançando direto.

Mas a preferência das mulheres por um homem que dança deve irritar muita gente sim. Eu mesmo ficava nervoso sempre que tocava forró e era confrontado com minha impotência e incapacidade de levar minha parceira a um orgasmo dançante, público, só com giros, conduções e pegadas. Impedi-la de dançar com outro era uma opção covarde, deixá-la dançar sob meus olhos era sofrimento demais pra meu ciúme na época... Enfim, não me restou outra alternativa a não ser me tornar capaz de oferecer aquilo que invejava em outros homens. Às vezes um homem só faz isso na cama. Nestes casos, a dança de salão, não tenho dúvidas, ajuda a manter essa postura na vida, em cada gesto, em cada olhar.

Link YouTube | 120 casais dançando juntos

 

7. Por fim, se esqueci de algo, deixe algumas dicas para nós, que somos uns pés-de-chumbo mas não queremos perder mais essa possibilidade de nos esbaldar nos salões de dança...

Acho que o primeiro passo é admitir que não dançar não é motivo de orgulho. Depois disso, lembrar que podemos passar a vida toda sem aproveitar alguns mundos deliciosos, sem experimentar toques diferentes, sem viver boa parte das possibilidades da vida. E então, ao olhar para uma mulher, podemos perceber que além de falar com ela, tocá-la, fazer amor, escutá-la, aprender com ela, além disso tudo, podemos... dançar com ela! Se um homem tiver tal percepção, matricular-se num curso de dança de salão será inevitável.

O segredo para uma boa dança, mesmo sem saber muitos passos, é pegar a pessoa que esteja na posição de dama corretamente: o braço direito deve tocar toda a extensão das costas dela e sua mão deve chegar até quase o início dos seios, perto da axila, ou seja, realmente agarrá-la com o braço direito. A mão esquerda, seu lado "sensível", vai brincar com diferentes toques e alturas, vai dizer coisas com os dedos, puxar para perto do seu peito em um bolero, para sua cintura em um forró, para longe em um merengue. Isso já faz toda a diferença, mesmo se você não fizer nada sofisticado.

Quanto ao passos, use e abuse do básico, ande com ela de um lado a outro, como se fossem um só. A sensação de entrega e alegria não depende de passos acrobáticos, mas de sua postura, energia, e do modo como você a conduz.

Outros pontos importantes: beba pouco (geralmente tomo uma margarita ou uns 2 chopps antes e depois só água), passe pouco perfume, não se importe em suar muito, respire-a profundamente durante a dança (como se fosse sugá-la), olhe-a nos olhos durantes os giros, peito aberto, ombros para trás, realmente encoste seu corpo inteiro no dela e sinta-a inteira, agradeça ao fim de cada música e não use a dança para tentar assediar (pegar na bunda, nos peitos ou arrancar um beijo) porque isso é coisa de homem desrespeitoso e abusador.

Sério, não tente beijá-la, não use a dança com esse propósito. Uma mulher sabe quando você está dançando e quando você está só querendo transar ou assediá-la. Eu gosto do pensamento zen para resolver isso: durante a dança, dance; durante o sexo, trepe.

Vá por mim: em vez de tentar um beijo, deixe que ela não consiga evitá-lo. Dance muito, sem ser refém de suas segundas intenções, e apenas fique bem perto dela. Se houver desejo mútuo, o beijo será inevitável, não se preocupe. Da dança ao sexo, é um pulo, pois está tudo acontecendo já: você conduzindo, ela se abrindo, ambos sorrindo e suando...

Lembre-se que a dança não é apenas um modo de conquista masculina, mas um espaço para que a mulher expresse seu desejo de um modo que ela não conseguiria em uma mesa de bar. É também uma forma de sedução feminina, então relaxe como sendo presa dela também. Quando ambos caçam, a coisa fica ainda mais divertida! Animais que somos, queremos mesmo é nos cheirar e nos movimentar juntos. Para fazer isso no sexo, você precisa de certas preliminares e não consegue com qualquer pessoa. Agora, para fazer isso na dança, basta estender a mão em qualquer direção. ;-)

Para aqueles que desejam encontrar uma academia de dança de salão em SP, fico à disposição para indicar algumas. Basta deixar um comentário aqui. Agradeço pela entrevista, foi um prazer. Abraço e boa dança a todos!

*Entrevista originalmente publicada em 2008 no extinto blog do Isaías Camanducaia.

Link YouTube | Se "Abre q voy" não te der vontade de dançar, desista


publicado em 27 de Agosto de 2011, 05:28
1135f76c1c192b83356bf9c276b97046?s=130

Gravataí Merengue

Gravataí Merengue (Fernando Gouveia), 34 anos, é advogado e consultor jurídico e mora em São Paulo. Escreve (raramente) no www.gravataimerengue.com.br e (quase todo dia) no www.implicante.org.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: