Leva 5 minutos. Participe de nossa pesquisa nacional sobre as questões e desafios dos homens brasileiros — os dados serão 100% públicos. Já tivemos mais de 10.000 respostas, mas precisamos de mais pessoas do Norte, Centro-Oeste e Nordeste do país, nos ajudam a chegar nelas?

Como praticar o perdão com a minha mãe? | Mentoria PdH #42

"Ficava imaginando discursos de ódio contra a minha mãe e isso me deixava acordada por muito tempo e com sentimentos ruins."

"Oi, tudo bem? 

Meu nome é H. e tenho 21 anos. Acompanho o site desde os meus 15 e meus amigos que conheci no Ignição me indicaram para procurar o Mentoria nessa questão.

Um pouco sobre minha vida: eu trabalho em uma agência de publicidade, o que significa que às vezes eu fico até tarde (21hrs, já chegando até 4hrs da manhã) e entro no mesmo horário de sempre (às 9hrs). 

Moro com minha bisavó e meu irmão e, atualmente, tenho um namorado. Tem mais outros parentes em casa mas todos trabalham em outra cidade e meus pais moram fora.

A questão que me incomoda é a minha mãe. Ultimamente, de uns 2 anos pra cá ela me vê como "estepe". Culpa todos ao redor dos problemas dela e não sabe pedir ajuda financeira ao próprio marido que divide a casa com ela (não é o meu pai). Recentemente, ela teve um bebê e a relação piorou, pelo fato dela não conseguir trabalhar pra cuidar da criança, ela se lamenta diariamente de não ter dinheiro, ter contas atrasadas e já chegou a passar fome uma vez por não ter nada em casa e nem como comprar enquanto o marido usa o dinheiro pra sair e fazer festa diariamente, segundo ela.

Terminei a faculdade esse ano e eu não faço a menor ideia do que fiz com meu dinheiro do salário porque uma boa parte eu ajudava ela e o resto eu pagava o inglês e curtia a vida. Depois que eu terminei a faculdade, a bomba estourou de que eu estava com uma dívida de 4 mil reais de tanto ajudar ela e comprar algumas coisas bestas pra mim ou as contas não fecharem e isso respingou na minha avó também.

Isso passou a me incomodar quando ela decidiu procurar uma amiga minha pra descobrir o que tinha acontecido comigo (em relação ao meu descontrole financeiro, ao fato de eu ter engordado ou de chegar em casa tarde porque muitas vezes eu trabalho demais) e essa minha amiga ainda fingiu não saber de nada e me chamou para sair com ela e tirar 'informações' para repassar pra minha mãe. 

Voltei a fazer terapia e minha psicóloga pediu pra eu enfrentar as duas porque cheguei em um ponto que quando eu ia dormir, ficava imaginando discursos de ódio contra a minha mãe e isso me deixava acordada por muito tempo e com sentimentos ruins.

Eu reconheço plenamente que o erro de ter chegado a esse ponto foi meu, pois eu poderia ter dado um basta quando percebi que estava me afundando mas ela continua jogando na minha cara que ela não teve parte nenhuma nisso, que ela está certa em tudo que ela faz/fez (inclusive estar em casa sofrendo com um casamento deprimente e sem dinheiro pra nada porque não sabe pedir ajuda ao marido) e fica constantemente se lamentando pra mim, inclusive, só me procura pra isso. 

Para resolver da minha parte, eu criei um planejamento financeiro de forma que as minhas coisas não virem uma bola de neve e está sendo útil, passei numa pós que queria muito pra empregar meu dinheiro em algo legal pra mim e minha relação com meu namorado vai bem. Ainda assim, sempre que eu penso nela e em tudo que eu fiz pra ajudá-la, saio do sério. Hoje ela só faz reclamar, reclamar, reclamar e se lamentar e me sugar, eu sinto um ódio profundo.

Ela tá chegando agora para o Dia das Mães e eu só penso em mil formas de ficar fora de casa para não encontrá-la. Estou disposta a perdoá-la e seguir minha vida mas não faço a menor ideia de como.

Me ajudam?

Obrigada,

H."

Complemento sobre o assunto:

Como perdoar, por Frederico Mattos

Link Youtube

 

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

H., um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

 

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 29 de Abril de 2019, 13:20
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura