Estão abertas as incrições para a última turma de 2017 do nosso curso de equilíbrio emocional para homens. São apenas 20 vagas. :)

Como manter a cabeça no lugar, segundo uma piloto de trenós puxados por cães no Alasca

Problemas, empecilhos, barreiras, improbabilidades. Se tem alguém que lida com isso tudo e tem algo a dizer é essa mina

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Advertisement
    130x50 jpg

Blair Braverman pilota trenós puxados por cães no Alasca há 10 anos!
Desse tempo todo, tente só imaginar o tanto de situações e perrengues essa mulher enfrentou.

E ela contou pra Go Outside como manter a cuca fresca para lidar com as adversidades do trabalho.

Veja se você se identifica:

1. Há sempre solução

Diga isso em voz alta até acreditar. Se você disser a si mesmo que está encurralado, então estará.

Mas você não está. Existe uma solução – provavelmente existem mais de uma. É apenas uma questão de encontrar a melhor delas.

2. Você não precisa de algo que não tem

Você está perdido na floresta, está chovendo muito, e você não tem um abrigo? Diga a si mesmo “Eu não preciso disso”. Claro que isso não é totalmente verdade, mas pode te ajudar a encarar a realidade de uma maneira mais eficiente. 

Liste o que você tem de disponível, sejam equipamentos ou habilidades. Só isso importa neste momento. É isto que vai te ajudar a sair dali.

3. Mas sempre leve o básico com você 

O que é “básico” vai depender do clima, mas para sair com o trenó de cachorros eu tento sempre levar algo quente, algo impermeável, comida, fósforos, lacres de plástico e corda.

Já perdi a conta de quantas vezes consertei (temporariamente) o trenó com lacres plásticos e improvisei polias com a corda, e agora nem penso em sair de casa sem eles. Também é importante adaptar o seu kit básico de acordo com a situação. Depois de uma época encontrando muitos lobos no caminho, comecei a levar comigo uma buzina de ar comprimido, para conseguir espantar os lobos e os meus cães em caso de briga (ou de sexo intra-espécies).

4. Conheça seus ponto fortes

Gosto de separar os problemas em dois tipos: os em “câmera lenta” e os “rápidos”. Basicamente, a diferença entre eles é a quantidade de tempo que você tem para resolvê-los. Se você está caindo de um penhasco, é um problema rápido. Você tem segundos para reagir e provavelmente vai reagir por instinto.

Se você está perdido no meio de uma montanha, é um problema em câmera lenta. Você tem tempo para pensar no que fazer. A maioria das pessoas costuma ser melhor em um destes tipos de problema. Se você é melhor com problemas rápidos, aprenda a agir rapidamente ao invés de ficar paralisado pelas opções.

Eu sou melhor com problemas lentos, então meu primeiro objetivo em um momento de crise é pausar a situação tempo suficiente para respirar fundo e pensar.

5. Aceite o desconforto temporário

A melhor solução nem sempre é confortável. Mas se você está perigosamente frio, é melhor se trocar e colocar roupas térmicas do que permanecer dentro do seu saco de dormir, por mais que doa sair dele em primeiro lugar.

Se a maré está subindo, é melhor enfrentar a água agora do que ter que nadar – ou se afogar – depois.

6. Suas coisas não vão te salvar

Quanto mais dinheiro as pessoas gastam com equipamentos, mais acham que podem confiar nele, o que é um erro enorme. Confie nos seus sentidos primeiro, e no seu equipo em segundo.

Se você não tem habilidade suficiente para ir para a montanha com um casaco de lã e um isqueiro, não ficará mais seguro com uma jaqueta de plumas e um fogareiro de ponta. Pense no seu equipamento chique como uma fonte de conforto e conveniência, não segurança.

7. Aprenda com o que não aconteceu

Legenda

Em casa, pense na experiência que você acabou de viver. Pergunte o que você poderia ter feito para prevenir problemas e como poderia ter lidado com eles de maneira mais eficiente. 

Pense em soluções possíveis para situações semelhantes. O que você teria feito se estivesse chovendo? Ou se tivesse perdido sua mochila ou quebrado a perna?

O objetivo não é se auto-flagelar, mas sim tornar as coisas mais suaves para uma próxima vez.


publicado em 11 de Outubro de 2017, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e editor do Papo de Homem. Seu livro de contos é o Ela Prefere as Uvas Verdes. Está no Facebook, no Instagram e escreve semanalmente sua newsletter, a Meio-Fio, com contos/crônicas e uma curadoria cultural todas às sextas, direto no seu e-mail.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: