Como ir além do "tudo bem" num bate papo? Como falar sobre emoções com seus amigos sem parecer estranho? Ensinamos nessa animação de 2 minutos, vem ver. ;-)

Como evitar que pequenos desentendimentos estraguem seu relacionamento

Como resultado da quarentena, muitos casais chineses que ficaram juntos em casa decidiram romper o casamento.

Os riscos causados pelo novo coronavírus e a pressão de se viver uma quarentena sem previsões para ter fim têm mexido com a vida de todo mundo. Os relacionamentos amorosos também não passarão ilesos.

Nos últimos dias, ficamos sabendo do grande aumento de pedidos de divórcio em várias cidades chinesas após o período de quarentena nessas regiões. Como resultado da quarentena, muitos casais que ficaram juntos em casa, nos últimos meses, decidiram romper o casamento por conta dos conflitos domésticos.

Em períodos de forte tensão, como crises financeiras, casos de adoecimento na família, estresse no trabalho ou luto pessoal, esses conflitos podem aumentar. A pressão que é exercida sobre os indivíduos coloca uma lente de aumento sobre os problemas que existem no relacionamento e muita coisa que poderia ser relevada, acaba desencadeando grandes conflitos. O atual período de quarentena, com todos seus agravantes, é uma dessas situações tensas que aumentam as dimensões dos problemas nas relações amorosas.

Estamos falando de duas pessoas diferentes, com histórias diferentes e visões de mundo que nem sempre estarão de acordo. É normal que existam alguns conflitos e é, até mesmo, saudável, já que o contrário disso seria esconder as discordâncias “embaixo do tapete”.

O que não é bom é que esses conflitos se tornem constantes demais e que se exagere todos os pequenos problemas que existem entre o casal. Dessa forma, o relacionamento passa a ser insuportável por conta de tantas brigas e a menor das situações já se transforma em uma guerra onde não haverá vencedores.

Nos relatos sobre os divórcios após a quarentena na China, ficamos sabendo que alguns casais se arrependeram pela decisão de rompimento. É bom que tenhamos um mínimo de clareza e tranquilidade nesse momento para não sair tomando decisões precipitadas e transformando o que poderia ser um problema contornável em algo grande demais para se suportar. O arrependimento pode ser muito grande depois.

Com esse artigo, quero ajudar você a não perder a cabeça com a pessoa que escolheu para se relacionar e dar algumas dicas para, na medida do possível, enfrentar melhor a situação.

Tenham consciência sobre as próprias emoções

Quando estamos sobre pressão é comum confundir as emoções e agir de forma errática. Podemos confundir preocupação com impaciência, tristeza com raiva ou carência com frustração. Passamos sinais errados e ficamos chateados quando não recebemos a atenção desejada.

Por isso, quanto menos conseguirmos reconhecer as emoções que sentimos, maior é a chance de entrar em conflito com quem está ao nosso redor.

É muito importante ter um tempo para identificar o que se está sentindo e pensar sobre os motivos desse sentimento. Quanto mais esses sentimentos e emoções puderem ser comunicados ao parceiro ou parceira, mais claro fica para os dois o que está acontecendo. Isso diminui a chance de desentendimentos entre o casal.

Dividam as tarefas

Manter uma casa em ordem não é simples, ainda mais quando se tem que passar uma imensa parte do dia dentro desse espaço. Se as tarefas não forem divididas de forma mais ou menos igualitária, alguém ficará sobrecarregado e, com razão, irá perder a paciência com mais facilidade.

É muito provável que um dos dois tenha mais familiaridade com as atividades domésticas. Tendo em vista a divisão sexual do trabalho ainda tão machista, muito provavelmente esse conhecimento será da mulher nos relacionamentos heterossexuais. É importante ter humildade e que se tente entender como as coisas são feitas para que o mesmo trabalho não precise ser realizado duas vezes.

Nesse caso, eu espero que os esforços e aprendizados sobre essas atividades não sejam esquecidos logo após o fim da quarentena. 

Tenham cuidado com as necessidades de cada um

Somos diferentes e, por isso, temos jeitos diferentes. É importante respeitar as particularidades de cada um.

Para você, pode ser importante ouvir música, para o outro, o importante é ter algum tempo em silêncio. Um gosta da casa limpa, o outro precisa de ter tempo para desenvolver as tarefas domésticas com calma. Vocês precisam negociar essas necessidades e é essencial que elas sejam colocadas em pé de igualdade.

Tratar a necessidade do outro como bobagem ou, pelo contrário, anular completamente as próprias para satisfazer as do outro é causa de muita frustração. Isso acabará se transformando em uma enorme explosão causada por uma pequena faísca. Melhor evitar.

É importante ter algum tempo sozinho

Da mesma forma que precisamos de contato e proximidade, necessitamos de momentos de afastamento. Ficar junto de outras pessoas o tempo todo pode provocar a sensação de que o espaço pessoal foi invadido e isso é motivo de irritação. Eu sei que em muitas casas isso pode ser difícil.

A casa é pequena demais ou o casal tem filhos que demandam muita atenção. Mesmo assim, podemos criar estratégias para que haja algum tempo de solidão e descanso.

Quem sabe um tipo de revezamento para quem cuida das crianças e quem fica sozinho no quarto… ou um momento de puro silêncio na kit net para que o contato não fique saturado. Situações extraordinárias como uma quarentena mundial pedem criatividade. 

Divirtam-se

Como estamos restritos às nossas casas, precisamos encontrar formas de satisfação dentro desse espaço. Passar o dia fazendo as mesmas atividades acabará causando tédio e frustração o que provoca mais possibilidades de conflito por pequenas coisas.

Mais uma vez a criatividade é importante. Jogos e brincadeiras podem ser uma boa ideia, mas cuidado para não se tornarem muito competitivos.

Cuidado com o álcool e outras drogas

Como todo mundo sabe, não é pouco comum casais que brigam quando bebem. Imagine então o efeito disso com todo estresse causado pela quarentena e as incertezas sobre o futuro próximo. Um barril de pólvora, não é?

Não estou dizendo aqui para evitar a todo custo o consumo de bebidas alcoólicas ou mesmo de outros alteradores de consciência, mas é bem importante que se tome cuidado com uso dessas substâncias. Fiquem atentos para não perder o controle e transformarem o que poderia ser um momento de diversão e relaxamento em uma situação terrível.

Quando o conflito é inevitável…

Como disse no início do texto, é normal que os casais tenham seus desentendimentos e não poderia deixar de falar aqui sobre os momentos em que eles se fazem necessários. Dá para se desentender sem transformar isso numa tragédia.

Quando for inevitável, tenham em mente qual é o problema a ser resolvido e tentem se manter focados nesse problema. É muito comum que um problema vá puxando outro e outro e outro… quando se percebe, ninguém sabe mais o que foi o motivo inicial.

Tenham respeito um pelo outro. Não ataquem os pontos fracos um do outro como forma de ganhar vantagem na disputa. Estejam dispostos a ouvir. E, por último, ao invés de atacar o parceiro, diga como está se sentindo com a situação.

Alguns casais descobrirão que o relacionamento é mesmo insustentável e a quarentena será apenas um catalisador para a percepção de que a relação não tem bases firmes.

Mas muitos casais podem sair fortalecidos e com mais entendimento mútuo depois desse período. A diferença entre o primeiro e o segundo grupo será a capacidade de diálogo e compreensão.

E você? Como tem sido a sua experiência? Tem outras dicas? Vamos conversar!


publicado em 07 de Abril de 2020, 15:54
1491469 522300594644049 5231174631536235390 o

Marcelo Marchiori

Marcelo Marchiori é psicólogo clínico, especialista em imaginação ativa e interpretação de sonhos. Toda quinta apresenta uma palestra online sobre psicologia e pode ser seguido por seu perfil do Facebook e Instagram .


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura