Como escolher a primeira escola para os filhos

Quais perguntas fazer, como entender sinais ocultos de como a escola funciona e mais.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Todos os dias, antes de ir pro trabalho, dou um beijo na minha filha que está acordando, outro na minha esposa e vou para o trabalho. Minha filha entra às 13h30 na escola e sai às 19h.

Alguns dias, quando chego em casa do trabalho, ela já está dormindo e não conseguimos passar um tempo juntos.

Essencialmente, hoje ela passa mais tempo com as educadoras e colegas de classe do que comigo e minha esposa. E imagino que a maioria dos pais tenham uma rotina semelhante.

Para me capacitar para escolher a escola da minha filha, falei com professores, pais e um amigo que é diretor de escola para entender ao que devo ficar atento, o que perguntar e como perguntar.

As conversas foram maravilhosas, peguei algumas dicas valiosas que foram úteis na hora de bater o martelo e compartilho aqui com vocês.

1. Antes de visitar escolas

1.1. Pesquise e leia sobre pedagogia e educação

Assim como quando você vai comprar um celular você pesquisa, procura entender sobre os modelos, preços, sistema operacional, prós e contras de cada aparelho... o mesmo vale para a escola.

Como ponto inicial, sugiro entender quais são os tipos de pedagogia que existem e identificar qual delas se encaixa mais com o que você acredita.

O exercício bacana de se fazer aqui é deixar os preconceitos de lado e entender os fundamentos dos métodos mais tradicionais, passando pelos mais alternativos e porque não entender o que é o movimento de desescolarização (eu também torci o nariz quando ouvi o nome pela primeira vez, mas recomendo a todos darem uma olhada nesse link).

Sugestões de leitura:

1.2. Defina quais são suas prioridades

Liste os pontos importantes pra vocês numa escala de: essenciais, toleráveis e inadmissíveis.

Alimentação saudável é um ponto inegociável para você?

Estar próximo da sua casa ou do seu trabalho é essencial? Ou você está disposto a ir para um bairro mais distante?

Qual o preço máximo que você está disposto a pagar?

Ensino religioso é uma opção para vocês?

A escola precisa ter área verde?

Qual a pedagogia de preferência de vocês?

Tenha em mente suas prioridades, mas esteja pronto para flexibilizar, não existe uma escola que se encaixa 100% no seu perfil (ou orçamento), provavelmente você terá de abrir mão de alguns pontos em detrimento de outros.

2. Quando for visitar escolas

Nunca agende uma visita fora do período letivo

Visitar escola sem as crianças e professores estarem presentes é tão esclarecedor quanto fazer um test drive de um carro com motor desligado.

Importante ressaltar que se a visita for no começo do ano letivo, as crianças podem estar mais agitadas e o negócio todo parecer caótico, isso é por conta do período de adaptação muitas daquelas crianças estão entrando naquele ambiente pela primeira vez.

Tenha preparada uma listinha de perguntas para fazer para a pessoa que guiará a visita - geralmente é a coordenadora ou diretora pedagógica, aqui vão algumas das minhas favoritas

  • Sei que é muito comum as crianças dessa idade se desentenderem, morderem e até se agredirem. Como que vocês lidam com isso aqui na escola?  - Para entender como a escola media conflitos

  • Como vocês lidam com os conflitos de pais? - É muito comum rolarem atritos entre os pais, prepare-se.

  • Como é dividido o tempo das crianças e o que elas fazem durante o dia? Como costuma ser a rotina?

  • Que atividades elas fazem?

  • Qual a formação dos educadores?

  • Como é a questão da soneca das crianças? - algumas escolas, estabelecem horário para as crianças dormirem, outras, deixam as crianças dormirem por horas, então elas acabam passando mais tempo dormindo do que fazendo atividade.

  • Como são feitos os aniversários? - aqui é importante para entender qual abertura a escola dá para outros pais levarem doces e refrigerante para os pequenos

O que observar durante a visita na escola:

  • Os professores e funcionários parecem estar felizes? No geral, parecem estar satisfeitos de estarem lá?

  • Tem livros na sala de aula? Do que são? Dê uma folheada e veja se o conteúdo dos livros te parece interessante e alinhado com o que você acredita

  • Os espaços que as crianças frequentam parecem ser espaços onde elas brincam? Procure sinais de que crianças realmente usam os espaços da escola. Desconfie se a sala de artes não tiver um respingo de tinta no chão, a quadra não tiver marcas de bola nas paredes e as salas não tiverem uma bagunça moderada, organização e crianças brincando são coisas que não costumam andar junto.

  • Dê uma boa olhada na cozinha da escola, procure por embalagens de produtos industrializados, veja como é feita a manipulação dos alimentos,

Dicas de Especialistas

Falei duas pessoas que estão nas trincheiras do dia-dia da educação, o Diego Assis que é diretor da escola Monteiro Lobato  e a Isabella Ianelli que é pedagoga e professora. Peguei dicas muito valiosas que foram decisivas na hora de bater o martelo da escola e gostaria de compartilhar:

Dicas da Isabella Ianelli - Pedagoga e Professora:

"Pergunte do tempo no parque e tempo livre para brincar, algumas escolas querem enfiar o máximo de atividades possível, mas menos é sempre mais! Quanto mais tempo livre, melhor o desenvolvimento da criança. Elas precisam criar, o papel do professor é preparar o espaço, observar e mediar conflitos.

Pergunte sobre contação de histórias: tem que ter todos os dias, desenvolve muito a atenção da criança, incentiva a leitura, a buscar conhecimento, ter curiosidade. Não pode faltar! Tem livros na sala de aula? A alfabetização se inicia da vontade de decifrar o mundo das letras!

Veja se o ambiente incentiva a autonomia: se eles conseguem lavar as mãos e irem ao banheiro sozinhos,  se tem acesso aos brinquedos da sala. Como é o parque? Tem brinquedos que estimulam pular, empurrar, puxar, subir, descer, montar? As escolas estão ficando cada vez mais pobres nesse quesito por medo das crianças se machucarem. Horrível isso.

Pergunte da formação das professoras: são formadas? Em que? Tem estagiários? A escola incentiva especialização? (Isso ajuda nós, professoras, um monte! Porque as escolas adoram não ajudar a bancar curso nenhum, quanto mais os pais perguntarem, mais elas vão ter que contratar bons profissionais — e não professoras boazinhas e bonitinhas que não dão problema). Se fosse meu filho, eu perguntaria do salário das professoras, acho importante saber se é digno (e se não for, é bom pra escola passar vergonha e começar a mudar essa cultura)."

Dicas do Diego - Diretor de Escola:

"Dos 0 aos 7 anos é o principal momento de formação cognitiva, é o momento onde o cérebro mais cria neurônios, então, super importante a criança ser estimulada.

Pedagogia com qualidade é brincadeira, principalmente nessa fase. Eu pessoalmente não gosto da ideia de brincadeira 100% livre, acho importante o professor estar presente instigando a imaginação, criando cenas, fazendo perguntas e provocando. Importantíssimo a escola ter rodas de leitura.

É muito comum os professores falarem que estão na educação porque gostam de criança.

Gostar de criança é básico, para ser professor você precisa gostar de 'provocar' a criança, fazer perguntas, estimulá-la, incentivá-la a descobrir e ter a paciência de não dar todas as respostas prontas - isso vale para todas as idades.

Repare no ambiente da sala de aula - pergunta se as crianças saem bastante, se fazem brincadeiras, qual o objetivo da escola na faixa de idade do seu filho e quais os objetivos na idade seguinte para que você possa ter uma visão de longo prazo com a escola também.

Procure o que tem na sala de aula e na escola para gerar experiências para as crianças, texturas, cores, sons e brinquedos - lembrando que os melhores são os que instigam a imaginação e não os 'brinquedos prontos'.

Pergunte qual o apoio aos pais, é importante uma escola em que você consiga ser próximo, ter diálogo e conversar com os professores e coordenadores, para os pais se sentirem acolhidos e poderem participar da escola."

Como foi a minha escolha?

Eu e minha esposa visitamos cerca de 10 escolas em Santo André-SP - região metropolitana de São Paulo onde moramos atualmente. 

Estávamos em busca de uma escola que tivessem metodologias não tradicionais, bastante área aberta para as crianças brincarem ao ar livre, fui muito criterioso em notar se a coordenadora falava olhando também para mim e não apenas minha esposa, fizemos as perguntas que coloquei aqui no texto tentando entender qual a posição e a filosofia das escolas e se essa era alinhada com a nossa, queríamos uma escola que acreditasse que os conflitos entre as crianças são comuns e necessários e que o objetivo da escola não é punir, mas sim mediar e dialogar com as crianças para que elas possam dialogar entre si.

Para nós também era muito importante que a escola tivesse área verde, espaço amplo e aberto para as crianças brincarem. Evitamos escolas que tinham um aspecto muito “asséptico”, como falei acima, se a escola é demasiadamente arrumada, as crianças provavelmente não estão brincando o suficiente.

Optamos também por escolas que não tivessem algum viés religioso e que mostrassem  abertura e apoio para os pais, afinal de contas, minha filha ia passar um tempão lá dentro e gostaria de me sentir tão acolhido lá quanto minha filha.

Das 10 escolas que visitamos, apenas três fizeram sentido para nós.

E antes que me perguntem nos comentários, optamos pelo Jardim dos Pequenitos, por ser a escola mais compatível com o que acreditamos.

Ao entrar na escola, dei de cara com um pavão andando solto pelo parquinho onde as crianças brincam, próximo a entrada, vi também galinhas, araras e tartarugas. Os pequenos passeavam livremente entre os bichos.

O pavão da escola

Notei que esses animais passam uma mensagem logo de cara aos pais que entram naquele espaço: “não somos uma escola tradicional”. Pensei também que talvez eu gostaria de me relacionar com outros pais que não se incomodam que seus filhos brinquem com animais.

Tivemos um excelente papo com a coordenadora, as respostas foram congruentes com o que a escola e a pedagogia construtivista propõe.

E porque é tão importante você como pai se envolver e participar da escola?

“It takes a whole village to raise a child” (é necessário uma vila inteira para criar uma criança)

A escola é uma pequena comunidade, seus filhos não aprendem só com os professores, mas com os colegas de classe.

Todos os pais dessa pequena comunidade influenciam na educação de todas as crianças de lá através de seus filhos.

Se você não se deu conta disso, você provavelmente será aquele pai que ficará chocado quando seu filho voltar da escola e reproduzir algo que vocês nunca ensinaram em casa.

Por isso participe, conheça os funcionários da escola, converse com os outros pais, certamente você conhecerá gente legal lá dentro pra debater e conversar.

E procure entrar numa escola alinhada com suas crenças e da sua companheira.

Não faz sentido se você é uma pessoa muito religiosa e que preza por uma educação mais tradicional colocar seu filho numa escola Waldorf só porque ela é do lado da sua casa e preço é mais em conta. Seu filho fará atividades e aprenderá valores que talvez não reflitam com os seus, ou aprender coisas que talvez você julgue menos importantes para a educação. Sua cria vai se sentir deslocada lá dentro, a adaptação será mais difícil, tanto para você como para os educadores, você vai se desgastar com a escola e com os outros pais. Enfim, é uma tragédia anunciada.

Espero que tenha esclarecido algumas das dúvidas, o papo continua nos comentários do artigo.


publicado em 18 de Outubro de 2018, 00:05
1979477 10151908674667531 2130035329 n jpg

Rodrigo Cambiaghi

é especialista em mídia programática e monetização de sites. Reveza o tempo entre filha, esposa, cão, trabalho, banda, moto, games, horta de casa, cozinha e a louça que não acaba nunca.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: