Quer dar um tapa no visual mas não sabe por onde começar? Fizemos um curso online de estilo pra isso, o “Mas você vai de chinelo?”. Inscreva-se agora! É gratuito!

Como abordar/confrontar meu amigo machista? | Mentoria PdH #48

"Gostaria de manter contato com ele, evitar que ele perdesse suas maiores amizades, e gostaria de vê-lo crescendo, evoluindo como homem. Apesar disso, não acho certo 'passar pano' para pessoas e atitudes machistas."

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 47 nh 1 png
  • Logo havaianas 130x50 png

Nota do editor: Sabemos que este é um tema polêmico e que uma leitura extremamente inflamada costuma ser feita apenas por levantarmos a ideia de 'confrontar' uma pessoa, ainda mais envolvendo o tema do machismo. De um lado, as pessoas que acham que isso deve ser feito, do outro, quem acredita que isso é uma ofensa enorme. Assim, queremos frisar que prezamos pelo bom diálogo e trocas de farpas gratuitas não serão permitidas no nosso espaço. Ao se manifestar, pedimos cordialidade e educação, no mínimo. Sem ironia, sem grosseria, sem agressividade. Então, se você possui uma boa história sobre o tema em primeira pessoa e acha que pode contribuir com o tema do diálogo entre pessoas de visões diferentes, siga a leitura abaixo e seja bem vindo. 

* * *

"Boa noite. Sou leitor do blog há anos, e reconheço o blog como um criador de conteúdos que faz com que homens (e mulheres) interessados em autoconhecimento, quebra de paradigmas machistas, e outros temas, possam ler, aprender, refletir, e possivelmente melhorar como seres humanos.

Atualmente passo por uma situação um pouco desconfortável com meus amigos, e acredito que muita gente passe por algo semelhante, por isso queria pedir ajuda do PdH e seus leitores.

Tenho um grupo de amigos desde a infância, que sempre fomos muito próximos. Estudamos juntos, crescemos juntos, falamos besteira juntos e, nos últimos anos, evoluímos juntos. Hoje somos estudantes/profissionais de várias áreas, e continuamos próximos, mantendo uma relação saudável de acordo com nossas disponibilidades de nos encontrarmos, ou de conversarmos, etc.

O problema é que um desses amigos, não evoluiu da mesma forma que nós. Não que sejamos perfeitos, longe disso. Cada um tem suas angústias, suas lutas, seus problemas, mas temos (quase) todos uma visão de mundo razoavelmente alinhada, progressista. Todos, exceto esse amigo em especial.

Ele é um cara que é filho único, que teve influência de homens 'machões' e 'durões' a vida toda, tanto na família quanto no trabalho. É extremamente competitivo e várias vezes tenta se 'impor' como polêmico ou 'o fodão', por meio de atitudes por vezes imaturas, como pelo meio de comentários irônicos e um pouco ofensivos, ou às vezes compartilhando opiniões politicamente incorretas. Ao mesmo tempo o conhecemos como um bom amigo, leal e presente, como um cara inteligente, dedicado, além de termos vários gostos em comum. Por ser uma boa pessoa, apesar de algumas atitudes, sempre relevamos as atitudes suas atitudes de 'crianção'.

A grande questão é que essas pequenas atitudes bobas têm incomodado cada vez mais, e a gota d'água (mais para cachoeira, pois foi grave) foi quando, em uma conversa de bar com um amigo, ele disse algo extremamente machista. O que foi dito não vem ao caso, mas, apesar de ter sido muito repreendido, ele continuou defendendo seu pensamento. Esse fato se espalhou entre meus amigos, que tem o deixado de lado, excluindo de saídas, viagens e conversas.

Me sinto extremamente desconfortável com tudo o que ocorreu. Apesar de achar seu discurso absurdo, o considero uma pessoa 'inofensiva', que não tem intenção de causar mal a ninguém. Ao mesmo tempo, obviamente é inaceitável tolerar discursos de ódio/sexistas, afinal, por mais que ele possa não fazer mal diretamente aos outros, valida atitudes que causam mortes e agressões contra minorias. 

Outro problema com isso tudo, é que nas poucas vezes que nos encontramos, em grupo após o ocorrido, ele foi marginalizado, o que o deixou ainda mais 'defensivo'. Acho, sim, que alguma atitude deva ser tomada com relação ao que aconteceu, e mais do que isso, com relação a forma como ele se relaciona com os outros. Acho que ele precisa e até merece uma conversa (que ainda não aconteceu) apropriada sobre o assunto, para que tenha uma oportunidade de reflexão e de crescimento.

Após todo esse texto, e após fazer a pesquisa sobre masculinidade do PdH resolvi trazer a tona essa situação com o seguinte pedido de ajuda: 'Como abordar/confrontar meu amigo machista?' 

Gostaria de manter contato com ele, evitar que ele perdesse suas maiores amizades, e gostaria de vê-lo crescendo, evoluindo como homem. Apesar disso, não acho certo 'passar pano' para pessoas e atitudes machistas.

Nesse momento sinto que ao mesmo tempo que estamos perdendo um amigo, o que podia ser evitado, nós não conversamos apropriadamente com ele, deixando que ele perpetue, mesmo que 'apenas' no discurso, um dos grandes males da sociedade.

Acredito que muita gente já viveu algo semelhante, queria saber como lidaram com a situação para que possa buscar uma solução 'construtiva' para um problema tão grave.

Obrigado pela ajuda,

JP"

Leituras complementares:

Como os homens se transformam, por Guilherme Valadares

Link Youtube

Como falar com quem pensa muito diferente de você?, Redação PdH

Link Youtube

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

JP, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 10 de Junho de 2019, 15:32
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: