Qual a diferença entre amor romântico e amor genuíno (que passamos a vida inteira sem nos dar conta)?

É importante olhar com mais lucidez para as nossas relações e como o amor que sentimos reverbera nas nossas vidas

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 1
    Selo
  • Selo consul
  • Chivas pdh 130x50 selo
  • Selo boti
Ative a legenda no canto inferior direito do vídeo

"O apego diz: eu te amo, por isso eu quero que você me faça feliz. E o amor genuíno diz: eu te amo, por isso quero que você seja feliz. Se isso me incluir, ótimo! Se não me incluir, eu só quero a sua felicidade."

"Sabe, o apego é como segurar com bastante força. Mas o amor genuíno é como segurar com muita gentileza, nutrindo, mas deixando que as coisas fluam. Não é ficar preso com força. Porém é muito difícil para as pessoas entenderem isso, porque elas pensam que quanto mais elas se agarram a alguém, mais isso demonstra que elas se importam com o outro."

"Qualquer tipo de relacionamento no qual imaginamos que poderemos ser preenchidos pelo outro será certamente muito complicado."

"Quanto mais agarrarmos o outro com força, mais nós sofreremos."

—Jetsunma Tenzin Palmo

São apenas 4 minutos de vídeo. Fala simples, repetida há séculos. Mas é incrível como a gente ainda não entendeu!

Se você também bate cabeça nos relacionamentos e lembra agora de pessoas envoltas de ciúme, controle, carência, apego e desentendimento, por favor ouça essa mulher com atenção.

Tão dura, tão doce...

Jetsunma Tenzin Palmo é uma mulher poderosa! Nasceu na Inglaterra e foi para a Índia com 20 anos, virou aluna de Khamtrul Rinpoche, viveu 12 anos em retiro numa caverna no Himalaia, tornou-se a segunda mulher ocidental ordenada no budismo tibetano (escola Drukpa Kagyu) e fundou um monastério de monjas, onde é a responsável hoje em dia, além de oferecer palestras e retiros pelo mundo todo. Com uma linguagem simples e um foco na vida cotidiana, sem discursos eruditos, ela é uma grande professora, recomendada por Sua Santidade o Dalai Lama e Alan Wallace.

Conseguimos entrevistá-la durante sua primeira visita ao Brasil, em um hotel próximo ao aeroporto de Guarulhos, em meio a uma agenda bem apertada de ensinamentos: Nova Deli, Londres, Recife e depois Cidade do México. Seus 71 anos não são suficientes para reduzir sua energia. Nunca vi uma mulher tão doce e tão dura, tão cortante e tão acolhedora ao mesmo tempo — antes de conhecê-la, eu achava que eram qualidades opostas.

Jetsunma Tenzin Palmo teve só um livro publicado no Brasil (por Vítor Barreto, que participa do lugar e já escreveu aqui no PapodeHomem): No coração da vida: sabedoria e compaixão para o cotidiano. Além da edição impressa, tem também para Kindle.

Interessante: o gesto que ela faz para "segurar com leveza" é o mesmo que usamos para "oferecer"
Interessante: o gesto que ela faz para explicar o verbo segurar é parecido com o de oferecer

Agradecimentos

Agradeço à comunidade Drukpa Brasil e ao Lama Jigme Lhawang por organizar a vinda dessa grande professora. Agradeço a Aileen Barry, assistente de Jetsunma, mulher adorável e muito profissional. Agradeço a Luiza de Castro e a Ana Higa pelo trabalhão de gravar, editar e legendar o vídeo, e ao Fábio Rodrigues pelos grafismos. E por fim agradeço de coração a Jeanne Pilli, que traduziu os ensinamentos de Jetsunma no Brasil, o livro e também os vídeos que fizemos para o lugar.

Mais vídeos com Jetsunma Tenzin Palmo

Veja também as outras partes dessa entrevista:

Quer colocar isso em prática?

Para quem está cansado de apenas ler, entender e compartilhar sabedorias que não sabemos como praticar, criamos o lugar: um espaço online para pessoas dispostas a fazer o trabalho (diário, paciente e às vezes sujo) da transformação.

veja como entrar e participar →


publicado em 03 de Setembro de 2014, 13:36
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com

Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há oito anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: