"Meu amigo tá sofrendo com depressão, o que posso fazer pra ajudá-lo?" | Mentoria PdH #20

"É como se fosse um vespeiro, você sabe que precisa tirá-lo dali, mas tem medo de tocá-lo. A verdade é que tenho medo."

Nota editorial: 10 de setembro é o dia mundial da prevenção ao suicídio, uma data especial de um mês dedicado ao tema o Setembro Amarelo. Depressão e isolamento são fatores de risco.

Se deseja entender como ajudar, veja nosso post no instagram e leia, com atenção, esse artigo em profundidade que publicamos sobre o tema ("Homens, precisamos falar sobre suicídio"). Conte conosco, você (ou a pessoa que deseja ajudar) não está sozinho.

Caso seja uma situação urgente, disque 188 para ter apoio imediato. Considerando a data especial e o tema, vamos quebrar o protocolo da Mentoria e inserir um vídeo de nosso colunista e amigo, o psicólogo Fred Mattos:

Link YouTube | vale cada minuto dos 32

Seguimos, juntos e juntas! <3

* * *

Pergunta da semana:

"Fala, galera!

Me chamo Jonas, tenho 22 anos, sou estudante de Engenharia e estagiário numa empresa de projetos.

Já pensei várias vezes em escrever pra Mentoria PdH sobre vários questionamentos, mas nunca tive a coragem necessária. No entanto, aconteceu algo que mudou o rumo das coisas e me obrigou a tomar essa decisão.

Foto: Marc Olivier Jodoin

Recentemente, numa festa da firma, eu e um amigo estávamos conversando sobre algum assunto qualquer (já não lembro mais o que era) e de repente a conversa foi migrando para alguns assuntos mais "pesados", quando percebi a gente tava falando sobre angustias, mágoas e entrando de fato no assunto depressão.

Há um bom tempo vinha sentindo que ele tava sofrendo calado, tava cada vez mais quieto, não tinha mais vontade de sair pras festas e barzinhos com a galera, foi deixando a faculdade de lado, sem motivação pra continuar estudando e se tornou bastante sedentário.

Os sinais vinham aparecendo, ainda mais porque ele sempre tinha sido o "palhaço" da turma, o cara que sempre fazia piada sobre tudo e sobre todos.

Durante a faculdade tive momentos ruins e alguns dias extremamente difíceis, no entanto nunca tinha conversado com ninguém sobre isso, ele foi a primeira e única pessoa, pra todos os outros eu mantenho a fachada de que tá tudo sempre bem, mesmo quando tá tudo desmoronando.

Poder compartilhar o que realmente sentia com alguém foi libertador, foi como tirar um peso gigantesco das costas. Só que ao mesmo tempo perceber o sofrimento da outra pessoa e não saber como ajudar me deixou extremamente mal.

Nós dois entramos juntos na faculdade, porém à medida que eu e nossos outros amigos fomos avançando na faculdade, ele foi reprovando e ficando pra trás. Já não bastasse isso, esse nunca foi o curso dos sonhos dele, só aceitou fazer por pressão familiar e além disso, assim como eu, ele veio de uma família com situação financeira não muito boa.

Acredito que toda essa pressão dos pais e da faculdade, os problemas financeiros e todo o resto tão acabando com ele.

Sinto que ele precisa da minha ajuda mais do que nunca e me sinto responsável, principalmente porque fui a única pessoa pra quem ele contou sobre o que tá acontecendo, mas não faço ideia de como ajudá-lo e sinto que a situação dele tá piorando.

Foto por Pavel Anoshin

É como se fosse um vespeiro, em que você sabe que precisa tirá-lo dali, mas tem medo de tocá-lo. Eu sei que preciso ajudá-lo, mas a verdade é que tenho medo.

To me sentindo desnorteado, sem saber o que fazer e com medo do que possa acontecer.

Obrigado por tudo que vocês já me ajudaram e parabéns pelo excelente trabalho que vem sendo feito, tanto pela equipe quanto pela comunidade PdH!"

— Jonas

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Amo a Mentoria. Onde encontro mais perguntas e respostas?

Só entrar na coleção Mentoria PdH.

Jonas, um presente pra você:

Vamos oferecer o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 11 de Setembro de 2018, 01:43
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura