Ainda bem que deu tudo errado | Do Amor #95

Dos nossos desejos mais escondidos

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

"Jura que ele aceitou?". Os olhinhos dela brilhavam feito duas pedras preciosas recém descobertas. Tinha três dias que ela tava no meu ouvido pedindo pra eu dar um jeito de colocar ela e meu amigo no mesmo lugar, que ela tinha achado ele gatinho demais e que tentaria uma chance com ele. E eu, claro, disse que veria como arrumar isso, mas sem pressa, que ela conhecia a minha preguiça, que eu não iria me esforçar lá aquelas coisas, mas que daria meus jeitos.

E dei.

Consegui um encontro com os dois. Eu seguraria vela por uns minutos e daria no pé para que, com mais privacidade, com mais proximidade, ela pudesse fazer seu charme pra ganhar uns beijos do cara.

Marcamos na praça de alimentação do shopping e ele demorou quarenta minutos para chegar depois da hora combinada. E ela se tremendo toda, perguntando se ele viria, pedindo para mandar mais uma mensagem, e eu dizendo que não, que era ridículo ficar pesando daquele jeito, que ele apareceria, que ela era esperançosa demais pra achar que um garoto da nossa idade se comprometeria com horários. Nesse tempo, ela disse o quanto ele era lindinho, de como ele fazia piadas boas, descrevia a maneira com que ele botava a mão na boca pra dar risada e ela achava fofo.

E eu, sem mover um músculo, escutando com metade da atenção, botando o restante da atividade mental nos videozinhos de gente caindo e se machucando postados num grupo do WhatsApp. Até que meu amigo chegou. Enquanto víamos a silhueta dele se aproximando, ela arrumou a alcinha do sutiã, os cabelos, jogou dois chicletes na boca, bateu as mãos na calça jeans pra tirar qualquer restolho de comida, ajeitou os cabelos de novo, perguntou se estava com os cabelos arrumados e passou os dedos nos fios mais uma vez.

Fiquei fazendo a função de aproximá-los por uns dez minutos e foi o suficiente pra conversa entre eles engatar. Percebendo que estava sobrando, piquei minha mula sem falar muita coisa. Mas fiquei observando os dois à distância, atrás de uma pilastra do lado de uma das lanchonetes. Vinte minutos, uma hora. Vi meu amigo dar um beijo na bochecha dela e, mesmo caminho que chegou, ele foi embora. Voltei, como quem não quer nada, pra saber o que tinha acontecido. 

Ela comentou, sorrindo meio amarelo, que ele ficou falando de videogames e de como as aulas de ciências eram chatas. Perguntei se ela não teve vontade de tomar a atitude e a resposta foi que, mesmo ele sendo bonito demais, parecia meio bobo. Comentou que se ele tivesse avançado na tentativa ela até deixaria, ainda dizendo que o beijo dele deve ser bem bom, elogiando a boca dele, falando que era fofa a maneira com que ele ria com a mão na cara. Mas que, no geral, não foi como ela imaginava.

E enquanto ela desabafava, eu sentia minhas pernas ganhando força de novo enquanto o ar voltava a passar leve pelos meus pulmões, e não mais com aquele fardo do receio de eles se pegarem. Ela me explicava frases pontuais e eu sentia o aroma de chiclete que saía na fala dela. Ficava reparando nas repetidas investidas das mãos dela nos cabelos, sempre arrumadinhos, no jeito com que ela falava mais agudinho quando se empolgava com algum detalhe dos fatos.

Eu tava ajudando ela a ficar com outro cara, mas tava doido pra ela se interessar por mim.

Amor é quando a gente faz o outro feliz.

Estou escrevendo histórias sob encomenda! Quer que eu escreva a sua?

Histórias de casais, para casamentos, pedidos, namoros. Para relações com pais e filho, nascimento, a história dos seus velhos. Para registrar histórias de amizade, de quem você gosta.

Vocês já conhecem o Cartas de Amor?

“Quem precisa de ficção quando se tem a realidade?”. A gente brinca, no jornalismo, que as invenções da literatura nunca alcançarão a loucura que é a vida real. A gente cria, fantasia e dissimula, mas a realidade, as histórias de fato vividas, dão de dez a zero.

E é isso que eu quero fazer. Puxar as coisas que aconteceram na sua vida para transformá-las em história. Eu vou te dar uma versão única e exclusiva de algum fato importante e gostoso da sua vida, a visão de escritor que você quer dar a um pedacinho da sua vida.

Cartas de Amor é um projeto que sai do coração. Do olhar, ver e reparar. A gente vai se colocar nesta posição mais atenta para falar de forma genuína, para ouvir mais disponível. Vamos encontrar a faísca e fazer disso, fogo.

Quer saber mais do projeto? Entra no jaderpires.com.br que tem mais detalhes. Qualquer coisa, me chama que a gente desenrola. ;)

O livro Do Amor está à venda!

Gente, o livro Do Amor está à venda.

Quer um? É só entrar no meu site, jaderpires.com.br, e fazer a compra! O livro está com o preço de R$39,90, mais nove reais para o custo de frete por item!

Qualquer coisa, me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui.


publicado em 30 de Novembro de 2018, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: