Acabou. | Do Amor #100

Normal.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 47 nh 1 png
  • Logo havaianas 130x50 png

Os dois já deitados na cama antes da meia-noite. Foi um dia normal da semana mais normal. Tudo normal. Jantaram uma salada de folhas e pedaços de manga e aqueles abacatezinhos pequenos que ele chucramente achava brega chamar de "avocados". Ela foi correr na esteira do prédio, ele jogou um videogame de cueca. Tomaram banho conversando, um se lavando e o outro lendo as coisas do celular sentado no vaso com a tampa fechada. 

Normal.

Já tinham mais de oito anos juntos. Dez, se contar o tempo em que se pegavam despretensiosamente. Tinham, já, se embrenhado com costumácia nas intimidades um do outro, nos entendimentos da vida que só o tempo de casa nos dá. Tinham completa consciência dos pensamentos, dos cheiros, da maneira com que ela gostava de ser mordida nas costas quando ele a pegava virada na hora do sexo ou como ele tinha uma metodologia quase doentia para cuidar do corte das unhas do pé: pegava uns minutos no sábado à tarde para aparar tudo com aquela tesourinha pequena e curva, sentado pelado na entrada do banheiro, atrapalhando a passagem, sempre jogava os restos dos cascos na privada e geralmente se esquecia de dar a descarga, precisando tomar bronca atrás de bronca quando ela ia se sentar para mijar e via aquele restolho boiando na água.

Normal.

Na cama, ela viu uns stories de pessoas bonitas em trajes mínimos fazendo coisas que ela gostaria de fazer em lugares que ela nunca poderia bancar para estar enquanto ele travava uma batalha contra a procrastinação para seguir lendo o livro que todos haviam adorado, mas que tava meio travado na mão dele. Ela de calcinha, ele de pijama. Ela de bruços, ele se forçando a segurar o romance no alto, mas quase deixando cair em cima da cara. Ela comentou da novela, ele esboçou planejar o final de semana. Deixaram o silêncio impregnar a cama dos dois.

Até que ela colocou o telefone para carregar e virou-se de lado, cotovelo no travesseiro, mão segurando o rosto redondo. Com a outra, passou a unha pintada na gola da camiseta dele, como se o desenhasse. Botou os olhos na atenção falha que ele dava para a narrativa das páginas, sorriu e suspirou. O filme da vida que se passa quando a gente acha que vai morrer correu na mente dela. "Cê tá feliz?", finalmente perguntou e também finalmente fez com que ele parasse o que estava fazendo para encará-la de volta. "É isso que você quer? Assim?". 

E decidiram se separar. Sem muita conversa. estava tudo ali, há um pequeno tempo, mas escancarado. Não era uma ruptura. Não uma surpresa. Precisava, apenas, ser verbalizado. Não. Eles não queriam mais. Não assim.

Normal.

Deram um abraço apertado e foram dormir.

Acabou.

A coluna Do Amor no Papo de Homem? Acabou.

Gente, eu tô bem feliz. Não poderia, nem em meus sonhos mais olhados, imaginar que uma coluna quinzenal chegaria a uma edição com três dígitos. Falar de amor? Todo metido a machão? E lá se foram cem edições dessas brincadeiras que a gente faz quando gosta de alguém.

A gente fez uma paquerinha aqui. Conhecemos um bando de gente gostosa, nos aprumamos, chegamos juntos, tomamos mordidas, distribuímos grunhidos e apertões. Fizemos uma sujeira gostosa.

E agora acabou. Pelo menos aqui. 

O PapodeHomem vai seguir falando sobre o que precisa e pode ser dito sobre masculinidades e sobre homens. Vai seguir ajudando no florescimento das pessoas. E o Jader vai continuar falando de amor. E de como é interessante quando nos ferramos no amor.

Normal.

E vocês, leitores, podem continuar sendo amigos dos dois, tá? Não precisa tomar lado. Tá tudo bem. A gente vai seguir conversando. E se amando.

As relações. Elas não acabam.

Beleza?

Obrigado, PdH, pelo espaço todo esse tempo. Obrigado, pessoas queridas que visitam a casinha aqui. Vocês mudaram a minha vida pra melhor. Mesmo.

Cola lá no @jaderpires pra saber dos meus caminhos.

Beijo grande!

Agora são três livros do Jader Pires! Já conhece seu novo romance, o Deserto Negro?

Oi, gente! Jader falando aqui.

Agora são três os livros publicados por mim, todos à venda no meu site, o jaderpires.com.br!

Eu já tinha dois livros lançados, o Ela Prefere as Uvas Verdes, livro com treze contos sobre perdas e encontros, e o Do Amor, compilado da coluna que, depois de dois anos, virou este livro com cinquenta e três histórias sobre as loucuras e certezas do amor.

Agora, acabei de por na rua meu primeiro romance, o Deserto Negro, já disponível para compra. O livro está com o preço de R$39,90, mais nove reais para o custo de frete por item!

Qualquer coisa, me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!


publicado em 08 de Fevereiro de 2019, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: