A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

A literatura fantástica no Brasil

Quando falamos de literatura fantástica, os primeiros nomes que vêm à nossa mente são C. S. Lewis (1898-1963) J. R. R. Tolkien (1892-1973) e George R. R. Martin (1948-).

Correto?

martin-tolkien

Porém, embora seus nomes estejam sob pedestais nos cânones divinos do estilo, para muitos brasileiros, eles não são os únicos a receber os louros. E uma produção incessante, feita nos mais diversos rincões do Brasil, vem abastecendo leitores há algum tempo.

Mas se dentre os estrangeiros, os três citados podem ser considerados como a “trindade fantástica”, aqui no Brasil a realidade está tomando um rumo bem diferente, e novas trindades genuinamente brasileiras surgem a cada instante.

Com cenários suficientemente fantásticos e mitológicos, não é de se estranhar que o Brasil consiga ser palco de fascinantes livros ambientados dentro de seu território e muito além dele. Desde o extremo norte até os pampas sulistas, muitas histórias antigas são relatadas a partir de referenciais indígenas, negros e europeus. Essa mistura faz com que ricos temas possam ser abordados por autores nacionais, cujos trabalhos, nos últimos anos, vêm ganhando destaque e espaço nas prateleiras das livrarias e nos criados-mudos dos leitores.

Esse cenário é bastante promissor, porque gera oportunidade para aqueles que já estão no batente há mais tempo e que estão limpando o terreno para novos autores. E quem formaria a “ trindade fantástica brasileira”? Mesmo correndo o risco de ser injusto com outros autores de grande destaque, não é tão absurdo dizer que eles seriam André Vianco, Raphael Draccon e Eduardo Spohr.

andre-vianco
André Vianco

Embora os índices de leitura não sejam muito promissores no Brasil, esses três autores juntos alcançam números que fogem da curva da média com sensível vantagem e podem se orgulhar de já terem vendido livros na faixa dos milhões.

Sim, é verdade. Seus fãs são fiéis e, a cada lançamento, esperam ansiosamente para ter seus livros comprados e autografados. Em tempos de crise de leitura, eles podem ser chamados de verdadeiras estrelas literárias, o que, por si só, é um fato estranho para um país que quase não lê.

Porém, eles não são os únicos que fazem o fãs chorarem de emoção ao assinar seus livros e posar para uma foto. Carolina Munhóz, Thalita Rebouças, Cirilo S. Lemos, Eric Novello, Fábio M. Barreto e Affonso Solano também vêm se destacando e já contam com várias dezenas de milhares de livros vendidos, causando alvoroço em todos as palestras e lançamentos dos quais participam.

Mas e por que a grande mídia ainda resiste em lhes dar espaço?

Felizmente, no Brasil, esse tipo de literatura começou a ganhar destaque há pouco tempo, muito graças a todos esses nomes citados.

Antes deles, a fantasia no Brasil era considerada gênero de baixo escalão (a chamada “baixa literatura”) e, para muitos, não merecia ser listado como obra literária, apesar da produção estrangeira figurar como clássica em seus países de origem.

Ou alguém se atreveria a chamar O Senhor dos Anéis de baixa literatura? Ninguém em sã consciência faria isso. Antes, precisaria estar ciente de que seria alvo de uma avalanche de críticas de mestres, doutores e pós-doutores, especializados em literatura tolkeniana e que discordam, revoltosamente, de alguém que não coloque o autor de O Hobbit nas mais importantes listas de obras.

Acontece que, a crítica literária no Brasil, embora comece a apresentar sinais de mudança, ainda é bastante engessada no academicismo. Ela costuma considerar como “boa literatura” apenas aquelas obras feitas por – ou referendadas por – gabaritados professores universitários.

Raphael Draccon
Raphael Draccon

Dessa forma, forma-se um círculo preciosista totalmente desnecessário, principalmente em um país que encontra graves dificuldades de comunicação entre livros e leitores. Se esse problema ficasse apenas no âmbito da produção, já seria grave. Porém, ele se estende para toda uma elite consumidora, que negará até a morte, mas, muitas vezes nem entende o que lê, já que os livros engessados são intelectualmente herméticos, e vai até as grandes mídias, que apenas reproduzem aquilo que lhes é oferecido como a “boa literatura”.

Contudo, os leitores já não precisam dos velhos críticos literários para lhes dizer o que é bom ou não. O acesso à internet permite que as pessoas conversem entre si, organizem encontros e saibam quando e onde o seu autor preferido estará.

Um exemplo muito interessante disso é o Simpósio de Literatura Fantástica (Fantasticon). Ele surgiu em 2007 e se orgulha de ser, hoje, um dos mais importantes eventos de literatura fantástica nacional. Todos os anos, promove encontros que incentivam e enriquecem o estudo e a produção desse tipo de literatura.

Outro exemplo importante são os podcasts, que podem ser literários ou sobre cultura pop, mas que fala sobre literatura, principalmente a fantástica. Um deles é o Rapadura Cast, cujo time conta com os autores Raphael Draccon, Carolinha Munhóz, Afonso Solano, entre outros. Nele, os participantes falam sobre temas variados, mas, por conta de sua quantidade imensa de seguidores, consegue divulgar seus livros e movimentam multidões em seus eventos.

Por último, podemos citar o portal Jovem Nerd, virou uma febre nacional e, pelo selo próprio, Nerdbooks, lançou quatro livros, conseguindo vender, sem o apoio formal das grandes redes de livrarias, dezenas de milhares de exemplares. Dentre eles, destaca-se o Branca dos Mortos e os Sete Zumbis, que conseguiu sucesso tão grande que teve os direitos de publicação comprados pela Globo Livros.

Esse três exemplos são apenas aqueles que mais têm se sobressaído nos últimos anos, mas uma intensa proliferação de canais midiáticos está se estabelecendo e os leitores conseguem consumir assuntos que lhes interessam. Mesmo assim, aquela dúvida anterior (por que a grande mídia ainda resiste em lhes dar espaço?) ainda permanece, mas agora parece incomodar não os consumidores ou autores prejudicados, mas alguns medalhões da literatura nacional, como Paulo Coelho.

Eduardo Spohr
Eduardo Spohr

Um dos mais importantes autores da história nacional e, certamente, o brasileiro que vendeu mais livros em todo o mundo, decidiu que era hora de se manifestar e, simplesmente, cancelou a sua participação no maior evento literário do mundo, a Feira do Livro de Frankfurt, na Alemanha, no qual o Brasil seria o país homenageado.

Paulo Coelho não contou conversa e falou ao jornal alemão Die Welt que abandonou o evento como protesto por autores da nossa “trindade fantástica”, André Vianco, Raphael Draccon e Eduardo Spohr não terem sido convidados para estar entre os setenta brasileiros presentes na lista. No papel de principal autor nacional vivo no cenário estrangeiro, a atitude de Paulo Coelho foi sublime.

Ele revelou, sem nenhuma trava, que aqueles autores selecionados e elitistas não resumiam de forma igualitária a literatura brasileira, uma vez que os brasileiros que verdadeiramente fazem sucesso entre seus leitores foram impedidos de participar.

A partir dessa nova postura, o cenário parece que vai mudando aos poucos. Quando uma figura como Paulo Coelho se posiciona a favor de um lado, toda a mídia abre os olhos e passa a pesquisar: mas quem diabos são esses caras?

Basta uma pequena fuçada em seus históricos para encontrar uma mina de ouro, diferente daquelas obras engessadas e inacessíveis, tomadas, supostamente, como a elite intelectual do Brasil. E esse novo apelo popular também começa a tomar forma. No mês de novembro desse ano, a novela das oito (ou nove) da Globo deu um espaço muito interessante para alguns autores, especialmente para Raphael Draccon e André Vianco, este último conseguindo, inclusive, colocar um de seus livros, Os sete, nas mãos de uma personagem, que inclusive conta um pouco da história.

Conforme a literatura fantástica brasileira vai sendo assunto nos meios de comunicação, mais leitores são conquistados. Dia após dia, o estímulo à leitura se constrói.

Porém, o cenário ideal seria que grande parte dos brasileiros soubessem quem são esses destacados autores que lutam por um lugar ao sol. Um passo seria fazer como é feito em outros países: O Hobbit e Senhor dos Anéis é indicado como leitura obrigatória nos colégios. Com livros como esses, dificilmente uma criança ou adolescente não vai criar carinho pelo ato de ler.

Nada contra os antigos clássicos da literatura brasileira, mas precisamos abandonar os arcaicos e conservadores comportamentos para entender que existe um extraordinário mundo novo lá fora, recheado de vampiros aterrorizando Osasco em A noite Maldita de André Vianco, Dragões de Éter de Raphael Draccon e O Inverno das Fadas, de Carolina Munhóz.


publicado em 14 de Dezembro de 2013, 22:00
File

Filipe Larêdo

Filipe Larêdo é um amante dos livros e aprendeu a editá-los. Atualmente trabalha na Editora Empíreo, um caminho que decidiu seguir na busca de publicar livros apaixonantes. É formado em Direito e em Produção Editorial.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura