Quando o estresse bate forte, você sabe o que fazer?

70 pessoas, de 5 a 75 anos, respondem: qual o seu maior arrependimento?

Problemas familiares, desgostos com a carreira e lamentos gerais de vida. O que mais te deixa arrependido?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg

Você deixou muita coisa da vida para trás. Pode ter sido uma revista de história em quadrinhos que, meio bobo quando saltou da adolescência para a fase adulta, não fez mais tanto sentido e, hoje, seria uma relíquia embalada na estante de casa. Ou, então, hoje mesmo você vai se lembrar da terceira namorada que teve na vida e, por bobeira da juventude, terminou com ela e se imaginou, hoje, juntos e bem. 

Por que você não se declarou quando pôde? Qual o motivo de não ter pedido desculpas?

A gente se arrepende. Sempre. E vai precisar lidar com isso nas maiores e menores potências. Temos tantos arrependimentos...

A revista Glamour lá da gringa fez uma entrevista muito legal com 70 pessoas, de 5 a 75 anos. Cada idade, a mesma pergunta: "Do que você mais se arrepende?".


Link YouTube

E aí, eu que te pergunto:

Se você morresse hoje, qual seria seu maior arrependimento?

Eu me arrependo muito de não ter tido uma relação mais próxima com meu pai antes. De contar poucas coisas, "porque homem não se abre, né", de só ter criado o hábito de beijá-lo no rosto e de abraçá-lo toda vez que o vejo depois de sair da casa dele. 

É um afeto tão gostoso que eu podia ter aproveitado por bem mais tempo na minha vida.

Se agora fosse o teu último momento. Qual seria o ato que gostaria de fazer antes de partir? Qual seria a ação que te fizesse passar dessa pra melhor minimamente satisfeito?

A gente é precisado desse desabafo, desse desafogo, de abrir e contar o que nessa vida nos deixa com vontade de consertar ou amenizar ou realizar, dando de frente com a frustração e a bobeira de que "já é tarde demais pra isso". Bota tudo aqui embaixo, nos comentários, por favor. Vamos ver se eu te convenço a efetivamente fazer o que tem que ser feito. Estarei lá embaixo em todas as respostas. 

Aproveitando, deixo algumas das respostas que achei mais interessante. Pode te inspirar.

5 anos:

"Eu fui no parquinho ontem e quero ir hoje de novo";

9 anos:

"Encher o saco da minha irmã. Porque às vezes ela me bate";

17 anos:

"Não ter estado mais aberto pra coisas (situações de experiências de vida)";

20 anos:

"Me levar muito a sério na época do colégio";

21 anos:

"Eu não tenho."

25 anos:

"Não ter conhecido mais do meu pai antes de ele morrer";

33 anos:

"Não ter tentado (praticar e experimentar variedades) mais esportes quando podia na época de escola";

34 anos:

"Não ter jogado fora os meus 20 (a época dos vinte e tantos anos)";

37 anos:

"Não dizer 'desculpa' mais vezes";

42 anos:

"Não me arrependo de nada. Eu não acredito nisso";

46 anos:

"Ser eu mesmo às vezes";

47 anos:

"Não saber, quando era jovem, o quão maravilhosa eu era";

51 anos:

"Meu segundo casamento";

54 anos:

"Não ter dado mais sorvete para o meu pai antes de ele morrer";

59 anos:

"Não ter tido uma família maior";

63 anos:

"Ter tido tantos medos quando era mais jovem";

65 anos:

"De eu não ter ficado sóbria mais cedo";

68 anos:

"As escolhas da minha carreira";

69 anos:

"Não ter terminado de escrever um romance nesse tempo de vida";

71 anos:

"Não ter seguido meu sonho de ser um 'entertainer' (animador, apresentador)";

72 anos:

"De não ter sido uma boa mãe";

75 anos:

"Não ter feito o que queria ter feito, como aulas de atuação, quando era mais jovem".


publicado em 16 de Fevereiro de 2017, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e editor do Papo de Homem. Seu livro de contos é o Ela Prefere as Uvas Verdes. Está no Facebook, no Instagram e escreve semanalmente sua newsletter, a Meio-Fio, com contos/crônicas e uma curadoria cultural todas às sextas, direto no seu e-mail.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: