Quer ser anfitrião de uma sessão independente de nosso novo doc "O silêncio dos homens" em sua comunidade? Se cadastre aqui! Já são mais de 665 pessoas voluntárias em todo o país.

[18+] Bom Dia, Letícia Marques

A Letícia foi fotografada pela Camila Menezes

Nota editorial: esta semana, por motivos de desalinhamento dos astros, o Bom Dia acabou saindo atrasado. Pedimos desculpas e voltaremos à programação normal. 

* * *

Nota editorial 2: acreditamos que nudez, sensualidade, desejo e diversidade são discussões essenciais de nosso tempo. E que há espaço para tratar disso sem objetificar e ofender, mas sim valorizando toda a riqueza do masculino e do feminino. Para entender porque publicamos ensaios de homens e mulheres e saber mais sobre o que aspiramos para a série "Bom dia", leia o que escrevemos aqui. E se tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo luciano@papodehomem.com.br .

* * *

Eu conheci a Camila por meio do Cauê, meu marido, que também é fotógrafo. Até o dia do ensaio, nunca havíamos sido apresentadas. Quando a vi pelas fotos, achei que tinha uns dezessete anos e, quando a conheci pessoalmente, continuei achando a mesma coisa.

Desde que comecei, ainda quando criança em agências de modelo, nunca havia sido fotografada por uma mulher. Ela foi a primeira. E mesmo tendo sido fotografada por duas pessoas ao mesmo tempo, me senti super à vontade, solta e tranquila. Ela sabe o que faz, conversa bastante e vai deixando a gente confortável. E isso faz total diferença.

O Cauê participou do ensaio também e, apesar de já ter feito isso muitas vezes antes e ser meu marido, eu me senti desafiada. Tive receio de parecer mais a vontade e de me expressar melhor para um do que para o outro. Mas foi incrível! No fim, amei ambos os resultados.

Eu achava que seria mulher e teria todas as responsabilidades de mulher quando menstruasse a primeira vez. Quando isso aconteceu, eu só tinha 11 anos de idade. Foi louco, confuso e frustrante. Parecia que eu precisava ser mulher, mas ainda era criança. E foi assim por um bom tempo, depois eu cresci, amadureci e entendi o que de fato era ser mulher. E isso aconteceu quando meu pai morreu. Naquele instante eu entendi que seria eu por eu mesma, teria que tomar minhas próprias decisões, que a vida seria real a partir daquilo, não teria alguém pra me acolher quando algo desse errado, pra cuidar de mim.

Hoje minha relação com meu corpo é saudável. Mas nem sempre foi assim. Tive transtornos alimentares, fazia dietas loucas, dentre outras coisas, e estava sempre infeliz, porque não via resultado. Para mim, eu nunca estava magra.

Mas, na realidade, eu estava e só eu não via. E então, eu tive depressão e perdi vinte quilos. As pessoas chegavam a cogitar hipóteses de que eu estava me drogando por conta da pesa de peso repentina.

Ao menos, hoje, me sinto feliz e extremamente satisfeita comigo. Não sinto vontade nenhuma de “photoshopar” meu corpo e me mudar nas fotos - talvez mudasse meu seio que, por conta da enorme perda de peso, caiu. Mas nada muito além disso. Hoje sei que o que existe é o se sentir bem com você mesma. Você pode ter cinquenta, oitenta, cento e vinte. Se você está bem com seu corpo, com sua mente, nada mais importa!

Eu gosto do nu porque ele mostra quem eu sou, mostra o que eu sou. Somos todos carne e alma. Eu tenho o que você tem, tenho o que minha avó tem, o que o meu marido tem... Mas cada um é um ser – no sentido de existência - diferente. E o nu mostra isso, eu me aceito e me amo por isso. E poder passar uma mensagem, ser uma inspiração para as pessoas que me acompanham a verem como são maravilhosas, a trabalharem sua própria aceitação é gratificante. 

As fotos são da Camila Menezes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado em 19 de Dezembro de 2018, 10:53
Bio jpg

Letícia Marques

23 anos. É modelo e atriz. Siga-a no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura