Teste: qual tipo de zumbi você é?

Victor Lee

por
em às | Artigos e ensaios, Mente e atitude, O Lugar no PdH, Trabalho e negócios


“Todo calouro é burro” é uma das primeiras frases que a gente aprende na faculdade. A burrice do calouro lembra um zumbi andando sem destino.

Para onde você está conduzindo sua vida? Que tipo de zumbi você é? Faça o teste.

TESTE (escolha apenas A ou B e veja o resultado abaixo)

A. “Adoro games, seja X-Box, PS3, computador ou a velharia que ainda tenho em casa… Posso ficar o dia inteiro jogando de boa, só fazendo pausa pra pedir a pizza.”
B. “Quando eu era mais novo eu passava horas jogando, mas hoje em dia não tenho tempo.”

A. “No fim de semana é foda quando meus amigos ficam todos enrolando. E no final a gente acaba fazendo quase nada…”
B. “Trouxe trabalho pra casa nesse fim de semana e cancelei o churras com a galera. Fica pra outra hora.”

A. “Tou matando tempo aqui… curioso pra ver no que esse teste do zumbi vai dar, ahaha… zumbi é da hora…”
B. “Não devia estar lendo esse artigo agora no meio de tanta correria, mas o PdH sempre tem coisa legal. Ok, vou ler rapidinho e na sequência responder os duzentos emails acumulados que tenho aqui.”

Já deu pra sacar a diferença né? Se você tem mais respostas A, seu tipo de zumbi é o clássico, daquele que anda com paletó apodrecido e braços esticados para frente, caminhando devagar e sem destino certo. Quem se identificou mais com as respostas do tipo B é o novo zumbi, do filme Extermínio, que corre loucamente. É o zumbi de resultados.

A explicação dos dois tipos de zumbi fica para o final do texto que segue.

A época do calouro burro

Recebi um email bacana de um leitor curioso sobre o meu estilo de vida, minha carreira, e sobre como eu acumulei experiências internacionais. Decidi então contar um pouco da minha história e algumas passagens que me ajudaram a ter um lifestyle PdH.

Quando tinha meus 18 anos, estava na faculdade de Direito e ainda naquela fase de não pensar com seriedade o que se quer da vida. Com certeza deve haver um termo técnico ou psiquiátrico para essa fase, que eu chamarei aqui de infância universitária, ou “calouro burro”, como queiram.

calouro-burro
Infante universitário em seu rito de passagem

Numa noite de verão, vendo filme na república de três grandes brothers, que ficava estrategicamente localizada nas imediações da Rua Augusta, em meio a criativos devaneios sobre a vida, o assunto aleatoriamente chegou em carreira profissional.

Nós, como bons calouros burros (ou melhor, infantes universitários), começamos a compartilhar o nosso ideal de carreira. Um sujeito queria ser diplomata. Outros três queriam ser advogados. Quando chegou minha vez, disse que queria ser juiz, o que gerou comoção geral.

“Juiz??”, me perguntou uma nobre amiga de Ribeirão Preto, sem acreditar no que tinha ouvido. Quando respondi que sim, descobri que eu não tinha grande convicção muito menos sabia justificar a resposta. Acho que a minha mãe devia ter um dia comentado que era uma carreira boa, com estabilidade, algo assim.

A grande verdade é que eu não sabia patavina do que queria.

Na época de colégio, minha principal ocupação era ler gibi da Marvel, aprender a calcular o Log (conceito que até hoje não assimilei) e assistir um cineminha na quarta feira (50% de redução acumulada com a carteirinha, pelo preço final de 25%). Era um projetinho de gente, curtindo meus últimos momentos de mimo.

Só um esclarecimento: sou muito grato pelo suporte de minha família, de modo que não precisei trabalhar enquanto adolescente, o que é a realidade da maior parte das famílias brasileiras. A vantagem de não precisar trabalhar é que podia me concentrar totalmente nos estudos. O outro lado da moeda é que isso postergou o meu contato com a realidade da vida, contribuindo para minha inocente infância universitária.

Voltando à minha história. Para aliviar o desconforto de toda a atenção da sala de colegas me julgando, eu devolvi a pergunta aos amigos que com tanto entusiasmo desejavam ser advogados. Qual era o motivo da escolha?

Eles deram suas respostas e me convenceram. Em poucos meses comecei meu estágio num prestigioso e tradicional escritório carioca. Foi divertido e aprendi muita coisa importante, que ajudou a definir os próximos passos. Mas falar dos detalhes dessa carreira não é o objetivo aqui.

O que eu quero compartilhar com vocês é o que percebo quando lembro dessa história:

1. Muitas vezes nós temos objetivos ou sonhos que não são claros

No meu caso, era a ilusão de que seguiria a carreira de juiz. Como nunca tinha pensado seriamente no assunto, era uma meta mal formulada e cedo ou tarde eu notaria que não era a minha praia.

Além disso, como era um objetivo obscuro, eu dificilmente encontraria a motivação e disciplina para estudar e me preparar para o difícil exame adiante. O fracasso era garantido. Eu dificilmente conseguiria. E, se conseguisse, não era isso o que queria!

2. Amigos de qualidade ajudam a questionar esses objetivos incertos

A turma da facu era nota dez. E esse círculo social de qualidade ajudou como um catalisador para que eu encontrasse o caminho mais alinhado com minha personalidade e propósito. Eu me identificava muito com essa turma, e admirava a paixão que eles tinham pelos seus projetos de carreira. Eles me inspiraram e me criticaram quando viam que eu estava deixando de usar meu potencial máximo.

Mas eu sempre fui muito eclético e tive amigos de círculos bastante diferentes. Alguns dos caras mais engraçados que eu conheço eram (e ainda são) boêmios que não querem de modo algum se render ao capitalismo e estampar sua foto em um crachá corporativo.

Se essa galera rebelde fosse a minha única turma, o que aconteceria?

Certamente não seria impulsionado a buscar o meu melhor potencial. E, se em momento de ousadia, eu tentasse compartilhar meus projetos maiores, seria tomado como louco sonhador ou simplesmente ignorado. E isso não aconteceria por maldade intencional de nenhum desses amigos mais zoeiros.

Porém, quando existe um grupinho de gente com poucas ambições e um dos membros começa a buscar agitar as coisas, todos os demais ficam em desconforto. É normal, uma forma de proteção do ego, geralmente sem malícia.

E, enfim, chego aos zumbis!

novostempos
Novos tempos: rock agora é música de emo, McDonald’s vende salada e zumbis correm mais que o Ben Johnson chupando balinha

3. Essa incerteza nos faz levar a vida como zumbis

Se “todo calouro é burro”, eu diria que ser calouro não é privilégio de quem está no primeiro ano da faculdade. Eu mesmo me encontro, incontáveis vezes na minha vida adulta, realizando atividades ligadas a objetivos nada a ver. Comprando coisas que não preciso, com dinheiro que não tenho, para agradar pessoas que não gosto, sem chegar a lugar algum. Manja?

Uma hora parei e dei uma filtrada, eliminando tudo o que não tinha serventia para minha vida e parei de tocar as rotinas inúteis que me atrasavam. Ver televisão é um exemplo.

familia-zumbi
Família zumbi em habitat natural

Essa é a vida reativa, de ir tocando com a barriga durante anos e anos, sem sair do lugar ou caminhando na direção errada. De viver como um zumbi.

Os meio-mortos do clássico Night of Living Dead inspiraram todos os remixes, mashups e cópias descaradas que se seguiram. Uma coisa era comum: zumbi sempre foi lerdo.

Lerdo como quando eu respondi para a turma que queria ser juiz, em minha inocente e vagarosa época de calouro burro.

Eu achava que só nessa época da infância universitária é que tinha gente como eu, zumbis lerdos murmurando objetivos incertos, sem saber o que querer da vida. É fácil entender a referência aos comedores de miolos no caso de gente lerda que não sabe o que quer e não faz nada de útil. Nada de novo aqui.

Mas o que me surpreende é ver tanta gente hoje entre 25 a 35 anos, em seu pleno potencial profissional, correndo como louca e super ocupada… fazendo coisas que não querem! São os novos zumbis, o Tipo B do teste acima.

Depois de tantos filmes de zumbis molengas gritando “miolos” e tropeçando no caminho, o filme Extermínio (28 Days Later) inovou e trouxe zumbis que correm. Igual os apressados corporativos que não têm horário de almoço, respondendo emails pelo “crackberry” durante o fim de semana, correndo de um lugar a outro como galinha sem cabeça.

Você convida um desses para algo que realmente vale a pena. Tipo um reencontro de amigos. Um show de graça no parque. Uma festinha, ou até um almoço ou um café. Curtir alguns momentos de qualidade de vida. E a resposta é “Putz, queria muito ir, mas to numa correria aqui!”.

Correria pra que, meus queridos? Pra inutilmente tentar terminar algo que nunca devia ter começado? Na era da Internet, tweets de 140 letras, produtividade máxima e multitarefa, zumbi tem é de correr mesmo.

“Não gostei de ser chamado de zumbi. Quero ter direcionamento na vida.”

Assumir responsabilidade sobre seu destino não é moleza. Se você falhar e tiver uma vida miserável, a culpa é toda sua. Não adianta querer colocar a culpa no presidente, na falta de castidade da Juliana Paes, no Windows que deu pau, na sua mãe controladora ou no seu pai ausente.

Se resolver tomar a pílula vermelha e acordar para a vida, a recompensa é grande ao escolher o futuro que traz mais alegria. Quem é que não quer montar o próprio estilo de vida, ao invés de ter que engolir o que os outros oferecem?

Vou compartilhar algo que funcionou para mim e que talvez tenha serventia para quem não conhece o conceito de inevitabilidade.

Inevitabilidade: modo de uso

Se eu almoçar todos os dias no McDonald’s, o resultado inevitável será distúrbios de humor, disfunção sexual, problemas de fígado e aumento significativo de peso.

O que a inevitabilidade ensina é que, sabendo alterar as condições ambientais e comportamentais de modo ideal, o resultado desejado é inevitável.

Pense no que você fez durante o dia de ontem, desde o momento que acordou até a hora de dormir. Repita a visualização para analisar sua semana anterior e, se possível, o mês. Isso dá uma noção das rotinas que se repetem na sua vida. Qual é o resultado inevitável de continuar nesse caminho? Seria parecido com o estilo de vida do seu chefe? Você gostaria de ter um futuro assim?

Outra história minha. Eu trabalhei durante um mês como escrevente concursado. Não precisei de duas semanas para perceber que o resultado inevitável de continuar naquele ambiente era ficar acomodado e parar de crescer. Pedi exoneração rapidinho – se tivesse mais maturidade eu nem mesmo teria prestado o concurso para começo de conversa!

Se você identificou situações semelhantes na sua rotina que têm como resultado inevitável algo que está fora dos objetivos maiores de vida, crie imediatamente uma data limite para se libertar dessa condição.

No lugar, desenvolva uma rotina que inevitavelmente o leve para onde deseja chegar.

P.S. Uma explicação necessária. Tenho inúmeros amigos magistrados e admiro e respeito muito sua escolha profissional. E o motivo é que essas são pessoas generosas que dedicam seu talento em benefício da nossa nação. A incredulidade dos colegas de faculdade, na época, foi que eles sempre achavam que eu tinha um perfil mais voltado ao empreendedorismo, e não à carreira pública. Respect.

P.S.2. O Augusto Campos já tinha escrito um post sobre zumbis corporativos, que eu só tive o prazer de ler após finalizar o preparo deste texto. Leia no Efetividade.net que tem foco em carreira.

Este post é resultado de nossas práticas, diálogos e treinamentos na Cabana PdH. Quer entrar no Dojo?
Victor Lee

É o embaixador europeu da PapodeHomem e está sempre de malas prontas para ir onde tem mulher bonita. É autor do "From Victor With Love - Diário".


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • Augusto

    WOW

  • Augusto

    WOW

  • Augusto

    WOW

  • Sr. Froes

    “Não gostei de ser chamado de zumbi. Quero ter direcionamento na vida.”

    Post do caralho!
    Algumas pessoas passam a vida inteira arrastando rotinas inúteis.
    Victor, esse seu texto foi, pra mim, não só o seu melhor até agora aqui no PdH, mas também um “wake up call”! Obrigado por dividir. Não tinha reparado que estava em um momento zumbi na minha vida… Deus sabe quando teria…
    Abraços!

  • Sr. Froes

    “Não gostei de ser chamado de zumbi. Quero ter direcionamento na vida.”

    Post do caralho!
    Algumas pessoas passam a vida inteira arrastando rotinas inúteis.
    Victor, esse seu texto foi, pra mim, não só o seu melhor até agora aqui no PdH, mas também um “wake up call”! Obrigado por dividir. Não tinha reparado que estava em um momento zumbi na minha vida… Deus sabe quando teria…
    Abraços!

  • vinicius

    pqp, q post foda…

    msm não estando com uma rotina certa, nem nada(nem ainda trabalho), essse psot me fez pensar, pelo principal motivo d’eu estar no momento de escolher como vous eguir minha vida. (talvez esse paragrafo esteja mal-expressado)

    enfim, fodástico.

  • vinicius

    pqp, q post foda…

    msm não estando com uma rotina certa, nem nada(nem ainda trabalho), essse psot me fez pensar, pelo principal motivo d’eu estar no momento de escolher como vous eguir minha vida. (talvez esse paragrafo esteja mal-expressado)

    enfim, fodástico.

  • vinicius

    pqp, q post foda…

    msm não estando com uma rotina certa, nem nada(nem ainda trabalho), essse psot me fez pensar, pelo principal motivo d’eu estar no momento de escolher como vous eguir minha vida. (talvez esse paragrafo esteja mal-expressado)

    enfim, fodástico.

  • Charlinhus Bronson

    Disse tudo.

    Atitude…acordar para a vida..

    Faça a você mesmo, diariamente, ofertas que não pode recusar.

  • Charlinhus Bronson

    Disse tudo.

    Atitude…acordar para a vida..

    Faça a você mesmo, diariamente, ofertas que não pode recusar.

  • Charlinhus Bronson

    Disse tudo.

    Atitude…acordar para a vida..

    Faça a você mesmo, diariamente, ofertas que não pode recusar.

  • Charlinhus Bronson

    Disse tudo.

    Atitude…acordar para a vida..

    Faça a você mesmo, diariamente, ofertas que não pode recusar.

  • http://www.inspiracao.net/26983 Jonny

    BBB lixo, novela lixo, TV lixo.. =)

    Trabalhar+Internet+Livros+Pessoas.. Sucesso total..

  • http://www.inspiracao.net/26983 Jonny

    BBB lixo, novela lixo, TV lixo.. =)

    Trabalhar+Internet+Livros+Pessoas.. Sucesso total..

  • http://www.inspiracao.net/26983 Jonny

    BBB lixo, novela lixo, TV lixo.. =)

    Trabalhar+Internet+Livros+Pessoas.. Sucesso total..

  • http://www.inspiracao.net/26983 Jonny

    BBB lixo, novela lixo, TV lixo.. =)

    Trabalhar+Internet+Livros+Pessoas.. Sucesso total..

  • Daluz

    Essa coisa de escolher carreira e futuro é o monstro da nossa geração de mimados classe media/media alta . É claro que na escola isso nem se comenta, em casa o que da futuro é concurso público, direito e medicina, a grande maioria das pessoas vive como zumbi e faz decisões erradas até mesmo antes de estar em uma universidade.

  • Daluz

    Essa coisa de escolher carreira e futuro é o monstro da nossa geração de mimados classe media/media alta . É claro que na escola isso nem se comenta, em casa o que da futuro é concurso público, direito e medicina, a grande maioria das pessoas vive como zumbi e faz decisões erradas até mesmo antes de estar em uma universidade.

  • Daluz

    Essa coisa de escolher carreira e futuro é o monstro da nossa geração de mimados classe media/media alta . É claro que na escola isso nem se comenta, em casa o que da futuro é concurso público, direito e medicina, a grande maioria das pessoas vive como zumbi e faz decisões erradas até mesmo antes de estar em uma universidade.

  • Daluz

    Essa coisa de escolher carreira e futuro é o monstro da nossa geração de mimados classe media/media alta . É claro que na escola isso nem se comenta, em casa o que da futuro é concurso público, direito e medicina, a grande maioria das pessoas vive como zumbi e faz decisões erradas até mesmo antes de estar em uma universidade.

  • Marlon

    Citação:

    “Se você identificou situações semelhantes na sua rotina que têm como resultado inevitável algo que está fora dos objetivos maiores de vida, crie imediatamente uma data limite para se libertar dessa condição. No lugar, desenvolva uma rotina que inevitavelmente o leve para onde deseja chegar.”

    Agradeço pelo post.

    Isso é que é ser prático. Eu realmente estou totalmente fora do caminho que me levaria ao lugar que eu quero chegar. Mas nunca pensei no assunto com tanta praticidade.

    Coincidentemente eu sou funcionário público e muitas vezes não tenho tempo pra cuidar do que eu realmente quero fazer.

    E de forma incrivelmente coincidente eu também quero ser empreendedor. Ou provavelmente essa é a situação de MUITAS pessoas. Você identificou e explanou de forma extraordinária.

    Obrigado, vai me ser prático pra caralho.

  • Marlon

    Citação:

    “Se você identificou situações semelhantes na sua rotina que têm como resultado inevitável algo que está fora dos objetivos maiores de vida, crie imediatamente uma data limite para se libertar dessa condição. No lugar, desenvolva uma rotina que inevitavelmente o leve para onde deseja chegar.”

    Agradeço pelo post.

    Isso é que é ser prático. Eu realmente estou totalmente fora do caminho que me levaria ao lugar que eu quero chegar. Mas nunca pensei no assunto com tanta praticidade.

    Coincidentemente eu sou funcionário público e muitas vezes não tenho tempo pra cuidar do que eu realmente quero fazer.

    E de forma incrivelmente coincidente eu também quero ser empreendedor. Ou provavelmente essa é a situação de MUITAS pessoas. Você identificou e explanou de forma extraordinária.

    Obrigado, vai me ser prático pra caralho.

  • Marlon

    Citação:

    “Se você identificou situações semelhantes na sua rotina que têm como resultado inevitável algo que está fora dos objetivos maiores de vida, crie imediatamente uma data limite para se libertar dessa condição. No lugar, desenvolva uma rotina que inevitavelmente o leve para onde deseja chegar.”

    Agradeço pelo post.

    Isso é que é ser prático. Eu realmente estou totalmente fora do caminho que me levaria ao lugar que eu quero chegar. Mas nunca pensei no assunto com tanta praticidade.

    Coincidentemente eu sou funcionário público e muitas vezes não tenho tempo pra cuidar do que eu realmente quero fazer.

    E de forma incrivelmente coincidente eu também quero ser empreendedor. Ou provavelmente essa é a situação de MUITAS pessoas. Você identificou e explanou de forma extraordinária.

    Obrigado, vai me ser prático pra caralho.

  • Marlon

    Citação:

    “Se você identificou situações semelhantes na sua rotina que têm como resultado inevitável algo que está fora dos objetivos maiores de vida, crie imediatamente uma data limite para se libertar dessa condição. No lugar, desenvolva uma rotina que inevitavelmente o leve para onde deseja chegar.”

    Agradeço pelo post.

    Isso é que é ser prático. Eu realmente estou totalmente fora do caminho que me levaria ao lugar que eu quero chegar. Mas nunca pensei no assunto com tanta praticidade.

    Coincidentemente eu sou funcionário público e muitas vezes não tenho tempo pra cuidar do que eu realmente quero fazer.

    E de forma incrivelmente coincidente eu também quero ser empreendedor. Ou provavelmente essa é a situação de MUITAS pessoas. Você identificou e explanou de forma extraordinária.

    Obrigado, vai me ser prático pra caralho.

  • Fábio Luiz

    o difícil é perceber que se é um zumbi victor.

  • Fábio Luiz

    o difícil é perceber que se é um zumbi victor.

  • Fábio Luiz

    o difícil é perceber que se é um zumbi victor.

  • Fábio Luiz

    o difícil é perceber que se é um zumbi victor.

  • Pedro Nascimento

    Ducaralho Victor… to justamente entrando no segundo período da facul e desde o começo do ano minha sina tem sido essa – pilula azul ou vermelha – como que eu faço pra ser quem eu quero, me realizar e cheguei justamente a essa conclusão do post.

    Amigos são bons até que começam a te puxar pra trás, minha vida vale mais que eles; deixar de ser “muleque de prédio” e pegar ônibus, procurar um empreguinho meio-período pra ajudar pagar a facul; etc.

    E ainda Victor, teu lifestyle me seduz bastante… viagem é algo que eu sonho desde moleque mas que me “ensinaram” que não dá futuro e também sou masoquista (leia-se: faço direito).

  • Pedro Nascimento

    Ducaralho Victor… to justamente entrando no segundo período da facul e desde o começo do ano minha sina tem sido essa – pilula azul ou vermelha – como que eu faço pra ser quem eu quero, me realizar e cheguei justamente a essa conclusão do post.

    Amigos são bons até que começam a te puxar pra trás, minha vida vale mais que eles; deixar de ser “muleque de prédio” e pegar ônibus, procurar um empreguinho meio-período pra ajudar pagar a facul; etc.

    E ainda Victor, teu lifestyle me seduz bastante… viagem é algo que eu sonho desde moleque mas que me “ensinaram” que não dá futuro e também sou masoquista (leia-se: faço direito).

  • Pedro Nascimento

    Ducaralho Victor… to justamente entrando no segundo período da facul e desde o começo do ano minha sina tem sido essa – pilula azul ou vermelha – como que eu faço pra ser quem eu quero, me realizar e cheguei justamente a essa conclusão do post.

    Amigos são bons até que começam a te puxar pra trás, minha vida vale mais que eles; deixar de ser “muleque de prédio” e pegar ônibus, procurar um empreguinho meio-período pra ajudar pagar a facul; etc.

    E ainda Victor, teu lifestyle me seduz bastante… viagem é algo que eu sonho desde moleque mas que me “ensinaram” que não dá futuro e também sou masoquista (leia-se: faço direito).

  • Pedro Nascimento

    Ducaralho Victor… to justamente entrando no segundo período da facul e desde o começo do ano minha sina tem sido essa – pilula azul ou vermelha – como que eu faço pra ser quem eu quero, me realizar e cheguei justamente a essa conclusão do post.

    Amigos são bons até que começam a te puxar pra trás, minha vida vale mais que eles; deixar de ser “muleque de prédio” e pegar ônibus, procurar um empreguinho meio-período pra ajudar pagar a facul; etc.

    E ainda Victor, teu lifestyle me seduz bastante… viagem é algo que eu sonho desde moleque mas que me “ensinaram” que não dá futuro e também sou masoquista (leia-se: faço direito).

  • http://www.tecnomelody.com/ Alberto

    Cara, sinceramente, adorei esse post, ele deu uma alavancada “raul” nos meus pensamentos, muito bom mesmo, valeu muito a pena ter lido, muito obrigado.

  • http://www.tecnomelody.com/ Alberto

    Cara, sinceramente, adorei esse post, ele deu uma alavancada “raul” nos meus pensamentos, muito bom mesmo, valeu muito a pena ter lido, muito obrigado.

  • http://www.tecnomelody.com/ Alberto

    Cara, sinceramente, adorei esse post, ele deu uma alavancada “raul” nos meus pensamentos, muito bom mesmo, valeu muito a pena ter lido, muito obrigado.

  • http://www.tecnomelody.com Alberto

    Cara, sinceramente, adorei esse post, ele deu uma alavancada “raul” nos meus pensamentos, muito bom mesmo, valeu muito a pena ter lido, muito obrigado.

  • Robson Alves

    Sou, eu creio, um dos mais novatos acompanhente do PDH.

    Este post me mostrou que eu estava errado, eu achava estar no caminho certo, mais na verdade ainda não tenho um objetivo claro, tenho sim objetivos, porém estes estão atrás de uma cortina, como disse o colega acima, “dificil é perceber que se é um zumbi”.

    Foi perfeito seu post. Apropósito quase todos os dias vou durmir 1 hora da manhã tentando ler todos os assuntos interessantissimos que existe aqui!

  • Robson Alves

    Sou, eu creio, um dos mais novatos acompanhente do PDH.

    Este post me mostrou que eu estava errado, eu achava estar no caminho certo, mais na verdade ainda não tenho um objetivo claro, tenho sim objetivos, porém estes estão atrás de uma cortina, como disse o colega acima, “dificil é perceber que se é um zumbi”.

    Foi perfeito seu post. Apropósito quase todos os dias vou durmir 1 hora da manhã tentando ler todos os assuntos interessantissimos que existe aqui!

  • Robson Alves

    Sou, eu creio, um dos mais novatos acompanhente do PDH.

    Este post me mostrou que eu estava errado, eu achava estar no caminho certo, mais na verdade ainda não tenho um objetivo claro, tenho sim objetivos, porém estes estão atrás de uma cortina, como disse o colega acima, “dificil é perceber que se é um zumbi”.

    Foi perfeito seu post. Apropósito quase todos os dias vou durmir 1 hora da manhã tentando ler todos os assuntos interessantissimos que existe aqui!

  • Robson Alves

    Sou, eu creio, um dos mais novatos acompanhente do PDH.

    Este post me mostrou que eu estava errado, eu achava estar no caminho certo, mais na verdade ainda não tenho um objetivo claro, tenho sim objetivos, porém estes estão atrás de uma cortina, como disse o colega acima, “dificil é perceber que se é um zumbi”.

    Foi perfeito seu post. Apropósito quase todos os dias vou durmir 1 hora da manhã tentando ler todos os assuntos interessantissimos que existe aqui!

  • http://lauro.valente.eng.br/blog/2006/10/em-busca-da-minha-causa/ Lauro Valente

    Texto fantástico.

    O medo é definitivamente algo que assusta.

    Lendo o seu texto senti meu coração palpitar na boca!
    Nada boa essa sensação.

    Simplesmente me vi, como descrevi (e como você também o fez de forma brilhante) há algum tempo atrás o que poderia acontecer. Aconteceu.

    E, a sensação de impotência gerada pelas escolhas medrosas diante da vida é algo horrível.

    Decidi então, seguir não só o seu conselho, mas algo que vem perturbando a minha cabeça há alguns meses!

    A data limite é indispensável, excelente idéia.
    Porém necessita ser feita com responsabilidade.

    Engraçado….
    Mas vejo certa semelhança nos posts desses últimos dias no PdH…
    Vocês por acaso combinaram, ou é simplesmente o Zeitgeist mesmo?

    Abraço

  • http://lauro.valente.eng.br/blog/2006/10/em-busca-da-minha-causa/ Lauro Valente

    Texto fantástico.

    O medo é definitivamente algo que assusta.

    Lendo o seu texto senti meu coração palpitar na boca!
    Nada boa essa sensação.

    Simplesmente me vi, como descrevi (e como você também o fez de forma brilhante) há algum tempo atrás o que poderia acontecer. Aconteceu.

    E, a sensação de impotência gerada pelas escolhas medrosas diante da vida é algo horrível.

    Decidi então, seguir não só o seu conselho, mas algo que vem perturbando a minha cabeça há alguns meses!

    A data limite é indispensável, excelente idéia.
    Porém necessita ser feita com responsabilidade.

    Engraçado….
    Mas vejo certa semelhança nos posts desses últimos dias no PdH…
    Vocês por acaso combinaram, ou é simplesmente o Zeitgeist mesmo?

    Abraço

  • http://lauro.valente.eng.br/blog/2006/10/em-busca-da-minha-causa/ Lauro Valente

    Texto fantástico.

    O medo é definitivamente algo que assusta.

    Lendo o seu texto senti meu coração palpitar na boca!
    Nada boa essa sensação.

    Simplesmente me vi, como descrevi (e como você também o fez de forma brilhante) há algum tempo atrás o que poderia acontecer. Aconteceu.

    E, a sensação de impotência gerada pelas escolhas medrosas diante da vida é algo horrível.

    Decidi então, seguir não só o seu conselho, mas algo que vem perturbando a minha cabeça há alguns meses!

    A data limite é indispensável, excelente idéia.
    Porém necessita ser feita com responsabilidade.

    Engraçado….
    Mas vejo certa semelhança nos posts desses últimos dias no PdH…
    Vocês por acaso combinaram, ou é simplesmente o Zeitgeist mesmo?

    Abraço

  • http://lauro.valente.eng.br/blog/2006/10/em-busca-da-minha-causa/ Lauro Valente

    Texto fantástico.

    O medo é definitivamente algo que assusta.

    Lendo o seu texto senti meu coração palpitar na boca!
    Nada boa essa sensação.

    Simplesmente me vi, como descrevi (e como você também o fez de forma brilhante) há algum tempo atrás o que poderia acontecer. Aconteceu.

    E, a sensação de impotência gerada pelas escolhas medrosas diante da vida é algo horrível.

    Decidi então, seguir não só o seu conselho, mas algo que vem perturbando a minha cabeça há alguns meses!

    A data limite é indispensável, excelente idéia.
    Porém necessita ser feita com responsabilidade.

    Engraçado….
    Mas vejo certa semelhança nos posts desses últimos dias no PdH…
    Vocês por acaso combinaram, ou é simplesmente o Zeitgeist mesmo?

    Abraço

  • http://mentequieta.blogsome.com/ Carol Souza

    Fodástico.

    Tou indo ali bater a cabeça na janela da empresa (sim, hj é sábado) e já volto… rs

    Duro é quebrar essa rotina que a sociedade gosta de louvar. É que nem o cara que diz com orgulho que TEVE que ficar até 3 horas da manhã…

    Em 90% dos casos, o trabalho era inútil, não era tão urgente ou pior… nem existia.

  • http://mentequieta.blogsome.com/ Carol Souza

    Fodástico.

    Tou indo ali bater a cabeça na janela da empresa (sim, hj é sábado) e já volto… rs

    Duro é quebrar essa rotina que a sociedade gosta de louvar. É que nem o cara que diz com orgulho que TEVE que ficar até 3 horas da manhã…

    Em 90% dos casos, o trabalho era inútil, não era tão urgente ou pior… nem existia.

  • http://mentequieta.blogsome.com/ Carol Souza

    Fodástico.

    Tou indo ali bater a cabeça na janela da empresa (sim, hj é sábado) e já volto… rs

    Duro é quebrar essa rotina que a sociedade gosta de louvar. É que nem o cara que diz com orgulho que TEVE que ficar até 3 horas da manhã…

    Em 90% dos casos, o trabalho era inútil, não era tão urgente ou pior… nem existia.

  • http://mentequieta.blogsome.com Carol Souza

    Fodástico.

    Tou indo ali bater a cabeça na janela da empresa (sim, hj é sábado) e já volto… rs

    Duro é quebrar essa rotina que a sociedade gosta de louvar. É que nem o cara que diz com orgulho que TEVE que ficar até 3 horas da manhã…

    Em 90% dos casos, o trabalho era inútil, não era tão urgente ou pior… nem existia.

  • Pingback: Acorda pra vida! Tome as rédeas daquilo que você chama “existência”. | Lauro Wolff Valente Sobrinho

  • Maria Eduarda

    “boêmios que não querem de modo algum se render ao capitalismo e estampar sua foto em um crachá corporativo.”
    = vagabundos.Mas não há nada de mal em ter amigos assim.
    Rs*
    Excente post!

  • Maria Eduarda

    “boêmios que não querem de modo algum se render ao capitalismo e estampar sua foto em um crachá corporativo.”
    = vagabundos.Mas não há nada de mal em ter amigos assim.
    Rs*
    Excente post!

  • Maria Eduarda

    “boêmios que não querem de modo algum se render ao capitalismo e estampar sua foto em um crachá corporativo.”
    = vagabundos.Mas não há nada de mal em ter amigos assim.
    Rs*
    Excente post!

  • Maria Eduarda

    “boêmios que não querem de modo algum se render ao capitalismo e estampar sua foto em um crachá corporativo.”
    = vagabundos.Mas não há nada de mal em ter amigos assim.
    Rs*
    Excente post!

  • Anderson

    Post muito interessante, porém tem altos e baixos. No meu entender deve se ter moderação em tudo que se faz, acredito de que assistir televisão ou jogar um vídeo game não atrapalha a ninguém.

  • Anderson

    Post muito interessante, porém tem altos e baixos. No meu entender deve se ter moderação em tudo que se faz, acredito de que assistir televisão ou jogar um vídeo game não atrapalha a ninguém.

  • Anderson

    Post muito interessante, porém tem altos e baixos. No meu entender deve se ter moderação em tudo que se faz, acredito de que assistir televisão ou jogar um vídeo game não atrapalha a ninguém.

  • Anderson

    Post muito interessante, porém tem altos e baixos. No meu entender deve se ter moderação em tudo que se faz, acredito de que assistir televisão ou jogar um vídeo game não atrapalha a ninguém.

  • Lucas Avelar

    “Assumir responsabilidade sobre seu destino não é moleza. Se você falhar e tiver uma vida miserável, a culpa é toda sua. Não adianta querer colocar a culpa no presidente, na falta de castidade da Juliana Paes, no Windows que deu pau, na sua mãe controladora ou no seu pai ausente.

    Se resolver tomar a pílula vermelha e acordar para a vida, a recompensa é grande ao escolher o futuro que traz mais alegria. Quem é que não quer montar o próprio estilo de vida, ao invés de ter que engolir o que os outros oferecem?”

    Genial! São decisões que te dão medo que te fazem crescer, sem desculpas.

    Dentre inúmeros excelentes posts aqui, definitivamente, o melhor.

  • Lucas Avelar

    “Assumir responsabilidade sobre seu destino não é moleza. Se você falhar e tiver uma vida miserável, a culpa é toda sua. Não adianta querer colocar a culpa no presidente, na falta de castidade da Juliana Paes, no Windows que deu pau, na sua mãe controladora ou no seu pai ausente.

    Se resolver tomar a pílula vermelha e acordar para a vida, a recompensa é grande ao escolher o futuro que traz mais alegria. Quem é que não quer montar o próprio estilo de vida, ao invés de ter que engolir o que os outros oferecem?”

    Genial! São decisões que te dão medo que te fazem crescer, sem desculpas.

    Dentre inúmeros excelentes posts aqui, definitivamente, o melhor.

  • Lucas Avelar

    “Assumir responsabilidade sobre seu destino não é moleza. Se você falhar e tiver uma vida miserável, a culpa é toda sua. Não adianta querer colocar a culpa no presidente, na falta de castidade da Juliana Paes, no Windows que deu pau, na sua mãe controladora ou no seu pai ausente.

    Se resolver tomar a pílula vermelha e acordar para a vida, a recompensa é grande ao escolher o futuro que traz mais alegria. Quem é que não quer montar o próprio estilo de vida, ao invés de ter que engolir o que os outros oferecem?”

    Genial! São decisões que te dão medo que te fazem crescer, sem desculpas.

    Dentre inúmeros excelentes posts aqui, definitivamente, o melhor.

  • Lucas Avelar

    “Assumir responsabilidade sobre seu destino não é moleza. Se você falhar e tiver uma vida miserável, a culpa é toda sua. Não adianta querer colocar a culpa no presidente, na falta de castidade da Juliana Paes, no Windows que deu pau, na sua mãe controladora ou no seu pai ausente.

    Se resolver tomar a pílula vermelha e acordar para a vida, a recompensa é grande ao escolher o futuro que traz mais alegria. Quem é que não quer montar o próprio estilo de vida, ao invés de ter que engolir o que os outros oferecem?”

    Genial! São decisões que te dão medo que te fazem crescer, sem desculpas.

    Dentre inúmeros excelentes posts aqui, definitivamente, o melhor.

  • Juliana

    Há algumas semanas venho me fazendo esses questionamentos, que explanas tão bem no texto.
    E realmente, olhar pra trás e ver que você foi o único responsável por tudo o que aconteceu – sejam coisas boas ou ruins -, é pesado pra caramba!
    Direcionasses o texto mais pra carreira, o lado profissional; mas acho que pode-se aplicar a tudo, inclusive a vida amorosa, ao ser emocional que somos. Pra que estar com quem não se tem certeza? Pra que estar em um casamento que claramente não respira mais? E aí por diante…

  • Juliana

    Há algumas semanas venho me fazendo esses questionamentos, que explanas tão bem no texto.
    E realmente, olhar pra trás e ver que você foi o único responsável por tudo o que aconteceu – sejam coisas boas ou ruins -, é pesado pra caramba!
    Direcionasses o texto mais pra carreira, o lado profissional; mas acho que pode-se aplicar a tudo, inclusive a vida amorosa, ao ser emocional que somos. Pra que estar com quem não se tem certeza? Pra que estar em um casamento que claramente não respira mais? E aí por diante…

  • Juliana

    Há algumas semanas venho me fazendo esses questionamentos, que explanas tão bem no texto.
    E realmente, olhar pra trás e ver que você foi o único responsável por tudo o que aconteceu – sejam coisas boas ou ruins -, é pesado pra caramba!
    Direcionasses o texto mais pra carreira, o lado profissional; mas acho que pode-se aplicar a tudo, inclusive a vida amorosa, ao ser emocional que somos. Pra que estar com quem não se tem certeza? Pra que estar em um casamento que claramente não respira mais? E aí por diante…

  • Juliana

    Há algumas semanas venho me fazendo esses questionamentos, que explanas tão bem no texto.
    E realmente, olhar pra trás e ver que você foi o único responsável por tudo o que aconteceu – sejam coisas boas ou ruins -, é pesado pra caramba!
    Direcionasses o texto mais pra carreira, o lado profissional; mas acho que pode-se aplicar a tudo, inclusive a vida amorosa, ao ser emocional que somos. Pra que estar com quem não se tem certeza? Pra que estar em um casamento que claramente não respira mais? E aí por diante…

  • Leonardo

    o teste classifica a todos como zumbis…

  • Leonardo

    o teste classifica a todos como zumbis…

  • Leonardo

    o teste classifica a todos como zumbis…

  • Leonardo

    o teste classifica a todos como zumbis…

  • http://fanfalifestyle.blogspot.com/ Transeunte

    Muito bacana o artigo, ontem (24/7) fiz um post no meu blog que versava justamente sobre a liberdade de alterar sua realidade versus a segurança de apenas reagir e se render ao status quo.

    Tomar a “pilula vermelha” é uma escolha pessoal que nem todos têm a oportunidade de fazer, seja por medo, preguiça, ou falta de entendimento do mundo.. Artigos como esse que nos fazem acordar. ;)

    []’s!

  • http://fanfalifestyle.blogspot.com/ Transeunte

    Muito bacana o artigo, ontem (24/7) fiz um post no meu blog que versava justamente sobre a liberdade de alterar sua realidade versus a segurança de apenas reagir e se render ao status quo.

    Tomar a “pilula vermelha” é uma escolha pessoal que nem todos têm a oportunidade de fazer, seja por medo, preguiça, ou falta de entendimento do mundo.. Artigos como esse que nos fazem acordar. ;)

    []’s!

  • http://fanfalifestyle.blogspot.com/ Transeunte

    Muito bacana o artigo, ontem (24/7) fiz um post no meu blog que versava justamente sobre a liberdade de alterar sua realidade versus a segurança de apenas reagir e se render ao status quo.

    Tomar a “pilula vermelha” é uma escolha pessoal que nem todos têm a oportunidade de fazer, seja por medo, preguiça, ou falta de entendimento do mundo.. Artigos como esse que nos fazem acordar. ;)

    []’s!

  • http://fanfalifestyle.blogspot.com Transeunte

    Muito bacana o artigo, ontem (24/7) fiz um post no meu blog que versava justamente sobre a liberdade de alterar sua realidade versus a segurança de apenas reagir e se render ao status quo.

    Tomar a “pilula vermelha” é uma escolha pessoal que nem todos têm a oportunidade de fazer, seja por medo, preguiça, ou falta de entendimento do mundo.. Artigos como esse que nos fazem acordar. ;)

    []’s!

  • Mamadou N’diaye

    Texto muito bacana. Perdoem-me as comparações, mas sem querer ser polêmico, uma revista inovadora deve trazer exatamente palavras a serem lidas para nos fazer procurar nossas próprias respostas, e não manuais pragmáticos da ‘boa-vida’ como em outros artigos já postados.

    Essa é uma visão da vida que faz sentido. Não é difícil imaginar o futuro de cada um quando escolhem o caminho da acomodação; basta ver pessoas mais velhas que optaram por isso – não interessa se são pessoas distintas, a acomodação é tal que todos agem igual, justamente como zumbis.

    Por curiosidade, Victor, você trabalha com quê?

  • Mamadou N’diaye

    Texto muito bacana. Perdoem-me as comparações, mas sem querer ser polêmico, uma revista inovadora deve trazer exatamente palavras a serem lidas para nos fazer procurar nossas próprias respostas, e não manuais pragmáticos da ‘boa-vida’ como em outros artigos já postados.

    Essa é uma visão da vida que faz sentido. Não é difícil imaginar o futuro de cada um quando escolhem o caminho da acomodação; basta ver pessoas mais velhas que optaram por isso – não interessa se são pessoas distintas, a acomodação é tal que todos agem igual, justamente como zumbis.

    Por curiosidade, Victor, você trabalha com quê?

  • Mamadou N’diaye

    Texto muito bacana. Perdoem-me as comparações, mas sem querer ser polêmico, uma revista inovadora deve trazer exatamente palavras a serem lidas para nos fazer procurar nossas próprias respostas, e não manuais pragmáticos da ‘boa-vida’ como em outros artigos já postados.

    Essa é uma visão da vida que faz sentido. Não é difícil imaginar o futuro de cada um quando escolhem o caminho da acomodação; basta ver pessoas mais velhas que optaram por isso – não interessa se são pessoas distintas, a acomodação é tal que todos agem igual, justamente como zumbis.

    Por curiosidade, Victor, você trabalha com quê?

  • Mamadou N’diaye

    Texto muito bacana. Perdoem-me as comparações, mas sem querer ser polêmico, uma revista inovadora deve trazer exatamente palavras a serem lidas para nos fazer procurar nossas próprias respostas, e não manuais pragmáticos da ‘boa-vida’ como em outros artigos já postados.

    Essa é uma visão da vida que faz sentido. Não é difícil imaginar o futuro de cada um quando escolhem o caminho da acomodação; basta ver pessoas mais velhas que optaram por isso – não interessa se são pessoas distintas, a acomodação é tal que todos agem igual, justamente como zumbis.

    Por curiosidade, Victor, você trabalha com quê?

  • Mamadou N’diaye

    “A vida dele era das mais simples, das mais vulgares e, contudo, das mais terríveis. Juíz do tribunal, falecia aos 45 anos.”
    (…)
    “Ponderou que aquilo que antes acreditava ser totalmente impossível, isto é, não ter vivido como deveria, podia ser verdade. Considerou que as pequeninas tentativas que fizera, tentativas quase imperceptíveis e quelogo sufocava, para lutar contra o que era considerado acertado pelas pessoas mais altamente instaladas na sociedade, podiam representar o lado autêntico das coisas, sendo falso tudo o mais. E que os seus deveres profissionais, sua vida regrada, a ordem familiar e todos os interesses mundanos e oficiais, não passassem de grandes mentiras. Tentou defender tudo aquilo perante si mesmo e, de repente, atinou com a fragilidade da sua defesa. Não, não havia nada a defender.”

    Um dos maiores escritores de todos os tempos levou momentos de pura reflexão sobre a vida que temos até hoje, mas ainda no século XIX. Genial.

  • Mamadou N’diaye

    “A vida dele era das mais simples, das mais vulgares e, contudo, das mais terríveis. Juíz do tribunal, falecia aos 45 anos.”
    (…)
    “Ponderou que aquilo que antes acreditava ser totalmente impossível, isto é, não ter vivido como deveria, podia ser verdade. Considerou que as pequeninas tentativas que fizera, tentativas quase imperceptíveis e quelogo sufocava, para lutar contra o que era considerado acertado pelas pessoas mais altamente instaladas na sociedade, podiam representar o lado autêntico das coisas, sendo falso tudo o mais. E que os seus deveres profissionais, sua vida regrada, a ordem familiar e todos os interesses mundanos e oficiais, não passassem de grandes mentiras. Tentou defender tudo aquilo perante si mesmo e, de repente, atinou com a fragilidade da sua defesa. Não, não havia nada a defender.”

    Um dos maiores escritores de todos os tempos levou momentos de pura reflexão sobre a vida que temos até hoje, mas ainda no século XIX. Genial.

  • Mamadou N’diaye

    “A vida dele era das mais simples, das mais vulgares e, contudo, das mais terríveis. Juíz do tribunal, falecia aos 45 anos.”
    (…)
    “Ponderou que aquilo que antes acreditava ser totalmente impossível, isto é, não ter vivido como deveria, podia ser verdade. Considerou que as pequeninas tentativas que fizera, tentativas quase imperceptíveis e quelogo sufocava, para lutar contra o que era considerado acertado pelas pessoas mais altamente instaladas na sociedade, podiam representar o lado autêntico das coisas, sendo falso tudo o mais. E que os seus deveres profissionais, sua vida regrada, a ordem familiar e todos os interesses mundanos e oficiais, não passassem de grandes mentiras. Tentou defender tudo aquilo perante si mesmo e, de repente, atinou com a fragilidade da sua defesa. Não, não havia nada a defender.”

    Um dos maiores escritores de todos os tempos levou momentos de pura reflexão sobre a vida que temos até hoje, mas ainda no século XIX. Genial.

  • Mamadou N’diaye

    “A vida dele era das mais simples, das mais vulgares e, contudo, das mais terríveis. Juíz do tribunal, falecia aos 45 anos.”
    (…)
    “Ponderou que aquilo que antes acreditava ser totalmente impossível, isto é, não ter vivido como deveria, podia ser verdade. Considerou que as pequeninas tentativas que fizera, tentativas quase imperceptíveis e quelogo sufocava, para lutar contra o que era considerado acertado pelas pessoas mais altamente instaladas na sociedade, podiam representar o lado autêntico das coisas, sendo falso tudo o mais. E que os seus deveres profissionais, sua vida regrada, a ordem familiar e todos os interesses mundanos e oficiais, não passassem de grandes mentiras. Tentou defender tudo aquilo perante si mesmo e, de repente, atinou com a fragilidade da sua defesa. Não, não havia nada a defender.”

    Um dos maiores escritores de todos os tempos levou momentos de pura reflexão sobre a vida que temos até hoje, mas ainda no século XIX. Genial.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Sr Froes, vinicius, Marlon e alberto – caras, dá muita satisfação saber que o que escrevo tem utilidade para alguém. Obrigado por compartilhar o que acharam.

    @Daluz – ah sim, verdade! Eu resolvi usar a faculdade pois em geral é um momento em que a gente pode assumir mais responsabilidade pelos próprios atos e escolhas.

    Aliás, é o que digo para

    @Juliana – sim, você está certíssima. Não é apenas para carreira, e a parte amorosa é um excelente exemplo. Noutro dia, uma amiga minha estava reclamando dos hábitos tabagistas do namorado. Eu disse que o erro foi ela ter começado o relacionamento com o chaminé ambulante (mas esse papo é bastante controverso e fica pra outra hora)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Sr Froes, vinicius, Marlon e alberto – caras, dá muita satisfação saber que o que escrevo tem utilidade para alguém. Obrigado por compartilhar o que acharam.

    @Daluz – ah sim, verdade! Eu resolvi usar a faculdade pois em geral é um momento em que a gente pode assumir mais responsabilidade pelos próprios atos e escolhas.

    Aliás, é o que digo para

    @Juliana – sim, você está certíssima. Não é apenas para carreira, e a parte amorosa é um excelente exemplo. Noutro dia, uma amiga minha estava reclamando dos hábitos tabagistas do namorado. Eu disse que o erro foi ela ter começado o relacionamento com o chaminé ambulante (mas esse papo é bastante controverso e fica pra outra hora)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Sr Froes, vinicius, Marlon e alberto – caras, dá muita satisfação saber que o que escrevo tem utilidade para alguém. Obrigado por compartilhar o que acharam.

    @Daluz – ah sim, verdade! Eu resolvi usar a faculdade pois em geral é um momento em que a gente pode assumir mais responsabilidade pelos próprios atos e escolhas.

    Aliás, é o que digo para

    @Juliana – sim, você está certíssima. Não é apenas para carreira, e a parte amorosa é um excelente exemplo. Noutro dia, uma amiga minha estava reclamando dos hábitos tabagistas do namorado. Eu disse que o erro foi ela ter começado o relacionamento com o chaminé ambulante (mas esse papo é bastante controverso e fica pra outra hora)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Sr Froes, vinicius, Marlon e alberto – caras, dá muita satisfação saber que o que escrevo tem utilidade para alguém. Obrigado por compartilhar o que acharam.

    @Daluz – ah sim, verdade! Eu resolvi usar a faculdade pois em geral é um momento em que a gente pode assumir mais responsabilidade pelos próprios atos e escolhas.

    Aliás, é o que digo para

    @Juliana – sim, você está certíssima. Não é apenas para carreira, e a parte amorosa é um excelente exemplo. Noutro dia, uma amiga minha estava reclamando dos hábitos tabagistas do namorado. Eu disse que o erro foi ela ter começado o relacionamento com o chaminé ambulante (mas esse papo é bastante controverso e fica pra outra hora)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Fabio Luz, você tocou na maior complexidade da coisa.

    Como sabemos se estamos na Matrix?

    “o difícil é perceber que se é um zumbi victor.”

    Pois é. Olha, a #13 – Carol Souza do Mente Quieta, fez um exemplo excelente. Eu já vi MUITO NEGUINHO com o tal orgulho dizendo que trabalhou até xis horas da manhã, e era trabalho que nem era relevante para a vida dele. Puta exemplo de zumbizão.

    Um livro que eu pretendo no futuro discutir com mais calma é O Homem em Busca de Sentido, de um quase xará, o Viktor Frankl. Ele escreve suas experiências e análise de um campo de concentração nazista. Bem punk.

    O ponto interessante dessa obra ligado ao post é que o tal “sentido” é o que dá um power up pro ser humano.

    Exemplo: logo após o Natal, a taxa de mortalidade nos campos de concentração era altíssima. O motivo? É que os prisioneiros tinham, ao longo do ano, o sonho de voltar pra casa e passar o Natal com a família. Era esse sonho que mantinha a fagulha da vida acesa. Quando viam que não ia rolar, eles fraquejavam, as doenças dominavam e eles partiam dessa pra melhor.

    Outro exemplo, mais próximo das nossas realidades: aposentado que não faz nada geralmente morre rápido. Mas os aposentados que mantém algum hobby, algum trabalho voluntário ou simplesmente têm um cachorrinho para cuidar geralmente apresentam melhor saúde.

    Fabio Luz, contei essas histórias todas (o comentário ficando quase maior que o post) para sugerir a seguinte pergunta: qual é o SEU sonho, a cada dia que levanta? Qual seu propósito?

    Não precisa responder aqui, não precisa pensar em algo que as OUTRAS pessoas vão pagar um pau. Não precisa ser importante para os outros. Mas que seja inspirador para você.

    Se para você a resposta é clara, então é tomar coragem, adquirir as habilidades e recursos necessários e agir conforme um plano.

    Agora, se você está confuso e não sabe qual é esse propósito que te faz viver, aproveite o momento e vá definindo um.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Fabio Luz, você tocou na maior complexidade da coisa.

    Como sabemos se estamos na Matrix?

    “o difícil é perceber que se é um zumbi victor.”

    Pois é. Olha, a #13 – Carol Souza do Mente Quieta, fez um exemplo excelente. Eu já vi MUITO NEGUINHO com o tal orgulho dizendo que trabalhou até xis horas da manhã, e era trabalho que nem era relevante para a vida dele. Puta exemplo de zumbizão.

    Um livro que eu pretendo no futuro discutir com mais calma é O Homem em Busca de Sentido, de um quase xará, o Viktor Frankl. Ele escreve suas experiências e análise de um campo de concentração nazista. Bem punk.

    O ponto interessante dessa obra ligado ao post é que o tal “sentido” é o que dá um power up pro ser humano.

    Exemplo: logo após o Natal, a taxa de mortalidade nos campos de concentração era altíssima. O motivo? É que os prisioneiros tinham, ao longo do ano, o sonho de voltar pra casa e passar o Natal com a família. Era esse sonho que mantinha a fagulha da vida acesa. Quando viam que não ia rolar, eles fraquejavam, as doenças dominavam e eles partiam dessa pra melhor.

    Outro exemplo, mais próximo das nossas realidades: aposentado que não faz nada geralmente morre rápido. Mas os aposentados que mantém algum hobby, algum trabalho voluntário ou simplesmente têm um cachorrinho para cuidar geralmente apresentam melhor saúde.

    Fabio Luz, contei essas histórias todas (o comentário ficando quase maior que o post) para sugerir a seguinte pergunta: qual é o SEU sonho, a cada dia que levanta? Qual seu propósito?

    Não precisa responder aqui, não precisa pensar em algo que as OUTRAS pessoas vão pagar um pau. Não precisa ser importante para os outros. Mas que seja inspirador para você.

    Se para você a resposta é clara, então é tomar coragem, adquirir as habilidades e recursos necessários e agir conforme um plano.

    Agora, se você está confuso e não sabe qual é esse propósito que te faz viver, aproveite o momento e vá definindo um.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Fabio Luz, você tocou na maior complexidade da coisa.

    Como sabemos se estamos na Matrix?

    “o difícil é perceber que se é um zumbi victor.”

    Pois é. Olha, a #13 – Carol Souza do Mente Quieta, fez um exemplo excelente. Eu já vi MUITO NEGUINHO com o tal orgulho dizendo que trabalhou até xis horas da manhã, e era trabalho que nem era relevante para a vida dele. Puta exemplo de zumbizão.

    Um livro que eu pretendo no futuro discutir com mais calma é O Homem em Busca de Sentido, de um quase xará, o Viktor Frankl. Ele escreve suas experiências e análise de um campo de concentração nazista. Bem punk.

    O ponto interessante dessa obra ligado ao post é que o tal “sentido” é o que dá um power up pro ser humano.

    Exemplo: logo após o Natal, a taxa de mortalidade nos campos de concentração era altíssima. O motivo? É que os prisioneiros tinham, ao longo do ano, o sonho de voltar pra casa e passar o Natal com a família. Era esse sonho que mantinha a fagulha da vida acesa. Quando viam que não ia rolar, eles fraquejavam, as doenças dominavam e eles partiam dessa pra melhor.

    Outro exemplo, mais próximo das nossas realidades: aposentado que não faz nada geralmente morre rápido. Mas os aposentados que mantém algum hobby, algum trabalho voluntário ou simplesmente têm um cachorrinho para cuidar geralmente apresentam melhor saúde.

    Fabio Luz, contei essas histórias todas (o comentário ficando quase maior que o post) para sugerir a seguinte pergunta: qual é o SEU sonho, a cada dia que levanta? Qual seu propósito?

    Não precisa responder aqui, não precisa pensar em algo que as OUTRAS pessoas vão pagar um pau. Não precisa ser importante para os outros. Mas que seja inspirador para você.

    Se para você a resposta é clara, então é tomar coragem, adquirir as habilidades e recursos necessários e agir conforme um plano.

    Agora, se você está confuso e não sabe qual é esse propósito que te faz viver, aproveite o momento e vá definindo um.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Fabio Luz, você tocou na maior complexidade da coisa.

    Como sabemos se estamos na Matrix?

    “o difícil é perceber que se é um zumbi victor.”

    Pois é. Olha, a #13 – Carol Souza do Mente Quieta, fez um exemplo excelente. Eu já vi MUITO NEGUINHO com o tal orgulho dizendo que trabalhou até xis horas da manhã, e era trabalho que nem era relevante para a vida dele. Puta exemplo de zumbizão.

    Um livro que eu pretendo no futuro discutir com mais calma é O Homem em Busca de Sentido, de um quase xará, o Viktor Frankl. Ele escreve suas experiências e análise de um campo de concentração nazista. Bem punk.

    O ponto interessante dessa obra ligado ao post é que o tal “sentido” é o que dá um power up pro ser humano.

    Exemplo: logo após o Natal, a taxa de mortalidade nos campos de concentração era altíssima. O motivo? É que os prisioneiros tinham, ao longo do ano, o sonho de voltar pra casa e passar o Natal com a família. Era esse sonho que mantinha a fagulha da vida acesa. Quando viam que não ia rolar, eles fraquejavam, as doenças dominavam e eles partiam dessa pra melhor.

    Outro exemplo, mais próximo das nossas realidades: aposentado que não faz nada geralmente morre rápido. Mas os aposentados que mantém algum hobby, algum trabalho voluntário ou simplesmente têm um cachorrinho para cuidar geralmente apresentam melhor saúde.

    Fabio Luz, contei essas histórias todas (o comentário ficando quase maior que o post) para sugerir a seguinte pergunta: qual é o SEU sonho, a cada dia que levanta? Qual seu propósito?

    Não precisa responder aqui, não precisa pensar em algo que as OUTRAS pessoas vão pagar um pau. Não precisa ser importante para os outros. Mas que seja inspirador para você.

    Se para você a resposta é clara, então é tomar coragem, adquirir as habilidades e recursos necessários e agir conforme um plano.

    Agora, se você está confuso e não sabe qual é esse propósito que te faz viver, aproveite o momento e vá definindo um.

  • Osmar

    WOW!

    Muito bom esse texto. Confesso que já tive muitos momentos semelhantes na minha vida, inclusive o da pergunta sobre qual carreira gostaria de seguir, o fato é que acabei mudando de curso e agora vejo que aparentemente estou no caminho certo.

    Pelo menos até o fim do ano, quando o meu estágio acaba.

  • Osmar

    WOW!

    Muito bom esse texto. Confesso que já tive muitos momentos semelhantes na minha vida, inclusive o da pergunta sobre qual carreira gostaria de seguir, o fato é que acabei mudando de curso e agora vejo que aparentemente estou no caminho certo.

    Pelo menos até o fim do ano, quando o meu estágio acaba.

  • Osmar

    WOW!

    Muito bom esse texto. Confesso que já tive muitos momentos semelhantes na minha vida, inclusive o da pergunta sobre qual carreira gostaria de seguir, o fato é que acabei mudando de curso e agora vejo que aparentemente estou no caminho certo.

    Pelo menos até o fim do ano, quando o meu estágio acaba.

  • Osmar

    WOW!

    Muito bom esse texto. Confesso que já tive muitos momentos semelhantes na minha vida, inclusive o da pergunta sobre qual carreira gostaria de seguir, o fato é que acabei mudando de curso e agora vejo que aparentemente estou no caminho certo.

    Pelo menos até o fim do ano, quando o meu estágio acaba.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Lauro Valente: em primeiro lugar, gostei bastante do que você escreveu em seu blog. Obrigado por compartilhar aqui conosco o feedback do que sentiu com a leitura.

    Pessoal, coloquem-se no lugar de quem escreve para a PdH. São milhares de leitores. De diferentes idades. Em cidades pelo Brasil inteiro, além de leitores no exterior. É foda pra caraleo prever qual é a melhor maneira de transmitir uma mensagem.

    Por sorte, e pelo trabalho consistente do Guilherme e toda a equipe, a qualidade dos comentários aqui é algo excepcional na blogosfera. É bastante frequente que os comentários superem a qualidade do post, que serve de um pontapé para a discussão.

    Por causa disso, Lauro Valente, obrigado pelo comentário. Para mim é muito valioso ler o que é que estou transmitindo.

    Sobre a data limite e responsabilidade: sim, cada um de nós aqui tem noção do que é capaz de atingir dentro dos recursos disponíveis. Gostei do seu contraponto, e também das críticas construtivas de toda a tropa.

    @leonardo e Anderson: no texto inicial, dei uma enxugada para não ficar muito longo. E concordo que o equilibrio é importante sim. Sobre chamar todo mundo de zumbi, haha, mals aí – o teste foi só pra abrir a conversa. Claro que vários leitores já estão projetando seu lifestyle de forma bastante consciente – certo?

    @Mamadou N’diaye – hoje minha principal ocupação é na área de comunicação usando novas tendências de Internet, como consultor em mídias sociais. Mas esse papo fica para um próximo texto :)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Lauro Valente: em primeiro lugar, gostei bastante do que você escreveu em seu blog. Obrigado por compartilhar aqui conosco o feedback do que sentiu com a leitura.

    Pessoal, coloquem-se no lugar de quem escreve para a PdH. São milhares de leitores. De diferentes idades. Em cidades pelo Brasil inteiro, além de leitores no exterior. É foda pra caraleo prever qual é a melhor maneira de transmitir uma mensagem.

    Por sorte, e pelo trabalho consistente do Guilherme e toda a equipe, a qualidade dos comentários aqui é algo excepcional na blogosfera. É bastante frequente que os comentários superem a qualidade do post, que serve de um pontapé para a discussão.

    Por causa disso, Lauro Valente, obrigado pelo comentário. Para mim é muito valioso ler o que é que estou transmitindo.

    Sobre a data limite e responsabilidade: sim, cada um de nós aqui tem noção do que é capaz de atingir dentro dos recursos disponíveis. Gostei do seu contraponto, e também das críticas construtivas de toda a tropa.

    @leonardo e Anderson: no texto inicial, dei uma enxugada para não ficar muito longo. E concordo que o equilibrio é importante sim. Sobre chamar todo mundo de zumbi, haha, mals aí – o teste foi só pra abrir a conversa. Claro que vários leitores já estão projetando seu lifestyle de forma bastante consciente – certo?

    @Mamadou N’diaye – hoje minha principal ocupação é na área de comunicação usando novas tendências de Internet, como consultor em mídias sociais. Mas esse papo fica para um próximo texto :)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Lauro Valente: em primeiro lugar, gostei bastante do que você escreveu em seu blog. Obrigado por compartilhar aqui conosco o feedback do que sentiu com a leitura.

    Pessoal, coloquem-se no lugar de quem escreve para a PdH. São milhares de leitores. De diferentes idades. Em cidades pelo Brasil inteiro, além de leitores no exterior. É foda pra caraleo prever qual é a melhor maneira de transmitir uma mensagem.

    Por sorte, e pelo trabalho consistente do Guilherme e toda a equipe, a qualidade dos comentários aqui é algo excepcional na blogosfera. É bastante frequente que os comentários superem a qualidade do post, que serve de um pontapé para a discussão.

    Por causa disso, Lauro Valente, obrigado pelo comentário. Para mim é muito valioso ler o que é que estou transmitindo.

    Sobre a data limite e responsabilidade: sim, cada um de nós aqui tem noção do que é capaz de atingir dentro dos recursos disponíveis. Gostei do seu contraponto, e também das críticas construtivas de toda a tropa.

    @leonardo e Anderson: no texto inicial, dei uma enxugada para não ficar muito longo. E concordo que o equilibrio é importante sim. Sobre chamar todo mundo de zumbi, haha, mals aí – o teste foi só pra abrir a conversa. Claro que vários leitores já estão projetando seu lifestyle de forma bastante consciente – certo?

    @Mamadou N’diaye – hoje minha principal ocupação é na área de comunicação usando novas tendências de Internet, como consultor em mídias sociais. Mas esse papo fica para um próximo texto :)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Lauro Valente: em primeiro lugar, gostei bastante do que você escreveu em seu blog. Obrigado por compartilhar aqui conosco o feedback do que sentiu com a leitura.

    Pessoal, coloquem-se no lugar de quem escreve para a PdH. São milhares de leitores. De diferentes idades. Em cidades pelo Brasil inteiro, além de leitores no exterior. É foda pra caraleo prever qual é a melhor maneira de transmitir uma mensagem.

    Por sorte, e pelo trabalho consistente do Guilherme e toda a equipe, a qualidade dos comentários aqui é algo excepcional na blogosfera. É bastante frequente que os comentários superem a qualidade do post, que serve de um pontapé para a discussão.

    Por causa disso, Lauro Valente, obrigado pelo comentário. Para mim é muito valioso ler o que é que estou transmitindo.

    Sobre a data limite e responsabilidade: sim, cada um de nós aqui tem noção do que é capaz de atingir dentro dos recursos disponíveis. Gostei do seu contraponto, e também das críticas construtivas de toda a tropa.

    @leonardo e Anderson: no texto inicial, dei uma enxugada para não ficar muito longo. E concordo que o equilibrio é importante sim. Sobre chamar todo mundo de zumbi, haha, mals aí – o teste foi só pra abrir a conversa. Claro que vários leitores já estão projetando seu lifestyle de forma bastante consciente – certo?

    @Mamadou N’diaye – hoje minha principal ocupação é na área de comunicação usando novas tendências de Internet, como consultor em mídias sociais. Mas esse papo fica para um próximo texto :)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Ah, Lauro Valente, sobre ter sido combinado ou ser o zeitgeist: não foi combinado não!

    Esse texto que eu escrevi é um comecinho de um assunto que vou explorar no próximo texto (quase finalizado) sobre como conectar esse propósito com uma ferramenta bastante útil, ajudando a sociedade e ainda por cima fazendo algumas viagens legais.

    Em breve – Não mude de canal! :D

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Ah, Lauro Valente, sobre ter sido combinado ou ser o zeitgeist: não foi combinado não!

    Esse texto que eu escrevi é um comecinho de um assunto que vou explorar no próximo texto (quase finalizado) sobre como conectar esse propósito com uma ferramenta bastante útil, ajudando a sociedade e ainda por cima fazendo algumas viagens legais.

    Em breve – Não mude de canal! :D

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Ah, Lauro Valente, sobre ter sido combinado ou ser o zeitgeist: não foi combinado não!

    Esse texto que eu escrevi é um comecinho de um assunto que vou explorar no próximo texto (quase finalizado) sobre como conectar esse propósito com uma ferramenta bastante útil, ajudando a sociedade e ainda por cima fazendo algumas viagens legais.

    Em breve – Não mude de canal! :D

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Ah, Lauro Valente, sobre ter sido combinado ou ser o zeitgeist: não foi combinado não!

    Esse texto que eu escrevi é um comecinho de um assunto que vou explorar no próximo texto (quase finalizado) sobre como conectar esse propósito com uma ferramenta bastante útil, ajudando a sociedade e ainda por cima fazendo algumas viagens legais.

    Em breve – Não mude de canal! :D

  • http://www.compreemcasa.com/ Rodrigo Fagundes

    Wow!
    com certeza…
    Antes de mais nada, parabens pelo post maravilhoso…
    mais puxa-saquismos de lado, vamos ao que interessa…
    sempre questionei o exemplo dado por vc, pois estudo Direito tambem, e uma eterna briga é o serviço publico em geral, pela bela estabilidade e salario no fim do mes, mais até onde vale o salario no fim do mes e todas as manhas acordar cedo e se perguntar o q está fazendo da vida, ou virar um zumbi como foi trazido.
    Será que hoje nao é parte de boa parte dos problemas corporativos? aquele chefe revoltado da vida? aquele funcionário que parece uma estatua sentada na mesa?
    dessa situacao se traz tambem algumas outras “evolucoes” do zumbi…
    agora de cunho pessoal vale-se dizer que sempre tiro um dia, geralmente aqueles domingos que nao faço nada, pra repensar no meu futuro, onde quero estar, o que quero ver daqui pra frente pra mim e pra minha empresa, se tambem no meio desse caminho nao esqueci coisas basicas, como principios? será que passei por cima de alguem de forma que nao gostaria?
    deixo essa reflexão…

  • http://www.compreemcasa.com/ Rodrigo Fagundes

    Wow!
    com certeza…
    Antes de mais nada, parabens pelo post maravilhoso…
    mais puxa-saquismos de lado, vamos ao que interessa…
    sempre questionei o exemplo dado por vc, pois estudo Direito tambem, e uma eterna briga é o serviço publico em geral, pela bela estabilidade e salario no fim do mes, mais até onde vale o salario no fim do mes e todas as manhas acordar cedo e se perguntar o q está fazendo da vida, ou virar um zumbi como foi trazido.
    Será que hoje nao é parte de boa parte dos problemas corporativos? aquele chefe revoltado da vida? aquele funcionário que parece uma estatua sentada na mesa?
    dessa situacao se traz tambem algumas outras “evolucoes” do zumbi…
    agora de cunho pessoal vale-se dizer que sempre tiro um dia, geralmente aqueles domingos que nao faço nada, pra repensar no meu futuro, onde quero estar, o que quero ver daqui pra frente pra mim e pra minha empresa, se tambem no meio desse caminho nao esqueci coisas basicas, como principios? será que passei por cima de alguem de forma que nao gostaria?
    deixo essa reflexão…

  • http://www.compreemcasa.com/ Rodrigo Fagundes

    Wow!
    com certeza…
    Antes de mais nada, parabens pelo post maravilhoso…
    mais puxa-saquismos de lado, vamos ao que interessa…
    sempre questionei o exemplo dado por vc, pois estudo Direito tambem, e uma eterna briga é o serviço publico em geral, pela bela estabilidade e salario no fim do mes, mais até onde vale o salario no fim do mes e todas as manhas acordar cedo e se perguntar o q está fazendo da vida, ou virar um zumbi como foi trazido.
    Será que hoje nao é parte de boa parte dos problemas corporativos? aquele chefe revoltado da vida? aquele funcionário que parece uma estatua sentada na mesa?
    dessa situacao se traz tambem algumas outras “evolucoes” do zumbi…
    agora de cunho pessoal vale-se dizer que sempre tiro um dia, geralmente aqueles domingos que nao faço nada, pra repensar no meu futuro, onde quero estar, o que quero ver daqui pra frente pra mim e pra minha empresa, se tambem no meio desse caminho nao esqueci coisas basicas, como principios? será que passei por cima de alguem de forma que nao gostaria?
    deixo essa reflexão…

  • http://www.compreemcasa.com Rodrigo Fagundes

    Wow!
    com certeza…
    Antes de mais nada, parabens pelo post maravilhoso…
    mais puxa-saquismos de lado, vamos ao que interessa…
    sempre questionei o exemplo dado por vc, pois estudo Direito tambem, e uma eterna briga é o serviço publico em geral, pela bela estabilidade e salario no fim do mes, mais até onde vale o salario no fim do mes e todas as manhas acordar cedo e se perguntar o q está fazendo da vida, ou virar um zumbi como foi trazido.
    Será que hoje nao é parte de boa parte dos problemas corporativos? aquele chefe revoltado da vida? aquele funcionário que parece uma estatua sentada na mesa?
    dessa situacao se traz tambem algumas outras “evolucoes” do zumbi…
    agora de cunho pessoal vale-se dizer que sempre tiro um dia, geralmente aqueles domingos que nao faço nada, pra repensar no meu futuro, onde quero estar, o que quero ver daqui pra frente pra mim e pra minha empresa, se tambem no meio desse caminho nao esqueci coisas basicas, como principios? será que passei por cima de alguem de forma que nao gostaria?
    deixo essa reflexão…

  • http://discutindocommeusmonologos.blogspot.com/ Daru

    Sou um “calouro burro” o/

    Curti o texto, mas não tenho muito o que fazer, agora, pra me “libertar”.

    Tudo bem, nada vai me impedir de começar a pensar desde já.

  • http://discutindocommeusmonologos.blogspot.com/ Daru

    Sou um “calouro burro” o/

    Curti o texto, mas não tenho muito o que fazer, agora, pra me “libertar”.

    Tudo bem, nada vai me impedir de começar a pensar desde já.

  • http://discutindocommeusmonologos.blogspot.com/ Daru

    Sou um “calouro burro” o/

    Curti o texto, mas não tenho muito o que fazer, agora, pra me “libertar”.

    Tudo bem, nada vai me impedir de começar a pensar desde já.

  • http://discutindocommeusmonologos.blogspot.com/ Daru

    Sou um “calouro burro” \o/

    Curti o texto, mas não tenho muito o que fazer, agora, pra me “libertar”.

    Tudo bem, nada vai me impedir de começar a pensar desde já.

  • Dr Health

    Tapa na cara… Ouch!!

  • Dr Health

    Tapa na cara… Ouch!!

  • Dr Health

    Tapa na cara… Ouch!!

  • Dr Health

    Tapa na cara… Ouch!!

  • Roger

    Um Lixo total. Podia ter gastado meus 5 minutos comendo miolos

  • Roger

    Um Lixo total. Podia ter gastado meus 5 minutos comendo miolos

  • Roger

    Um Lixo total. Podia ter gastado meus 5 minutos comendo miolos

  • Márcia

    Foda…..

    A um certo tempo to incomodada com minha vida, tenho 22 anos e nunca trabalhei, por um lado minha família q diz q eu ainda n preciso disso, q eu n vou dar conta pq tenho 2 filhos e facul, q sinceramente n sei o q vou fazer c ela……. affff

    Um casamento q pqp….. tenho q sair fora, mas como foi dito se fracassar a culpa é inteiramente minha, o medo do fracasso me deixa desnorteada, acho q n por mim mas por ter dois filhos penso mt……ta foda ser zumbi

  • Márcia

    Foda…..

    A um certo tempo to incomodada com minha vida, tenho 22 anos e nunca trabalhei, por um lado minha família q diz q eu ainda n preciso disso, q eu n vou dar conta pq tenho 2 filhos e facul, q sinceramente n sei o q vou fazer c ela……. affff

    Um casamento q pqp….. tenho q sair fora, mas como foi dito se fracassar a culpa é inteiramente minha, o medo do fracasso me deixa desnorteada, acho q n por mim mas por ter dois filhos penso mt……ta foda ser zumbi

  • Márcia

    Foda…..

    A um certo tempo to incomodada com minha vida, tenho 22 anos e nunca trabalhei, por um lado minha família q diz q eu ainda n preciso disso, q eu n vou dar conta pq tenho 2 filhos e facul, q sinceramente n sei o q vou fazer c ela……. affff

    Um casamento q pqp….. tenho q sair fora, mas como foi dito se fracassar a culpa é inteiramente minha, o medo do fracasso me deixa desnorteada, acho q n por mim mas por ter dois filhos penso mt……ta foda ser zumbi

  • Henrique

    Texto muito bem escrito e tratando de algo bem pertinente. Parabéns pro autor. Sem dúvida a maioria das pessoas hoje em dia se condiciona na posição de zumbi, na maioria das vezes porque é mais cômodo, mais adequado ao senso-comum da nossa sociedade. Essas pessoas ficam naquele ciclo de trabalhar, comer, dormir e de vez em quando alguma atividade fora disso. Aí eu fico pensando, trabalhar pra quê?

    Um dos motivos que me faz trabalhar é justamente pra através do que eu ganho com o meu trabalho poder usufruir melhor dos prazeres da minha vida. Estar com os amigos, pode sair com a namorada pra um lugar legal, enfim… O trabalho enobrece o homem sim mas se a pessoa só fica presa nisso não tem jeito de ter uma vida feliz.

    Eu sou alguém que não gosto de rotina e sempre corri atrás dos meus sonhos por mais complicados que esses fossem. E deixar a condição de zumbi não é fácil, você tem que abrir mão de várias coisas, enfrentar dificuldades, mas é assim que a vida é.

    Atualmente moro na China, a realização de um sonho antigo que eu fiz questão de concretizar e agora sou muito feliz. Do outro lado do mundo encontrei o caminho que no Brasil eu não encontrei, e que não queria ficar preso. As pessoas tem que deixar o medo de lado e correr atrás do que querem, correr atrás das coisas que podem proporcionar felicidade de verdade.

    Enfim… Parabéns pelo texto mais uma vez!

  • Henrique

    Texto muito bem escrito e tratando de algo bem pertinente. Parabéns pro autor. Sem dúvida a maioria das pessoas hoje em dia se condiciona na posição de zumbi, na maioria das vezes porque é mais cômodo, mais adequado ao senso-comum da nossa sociedade. Essas pessoas ficam naquele ciclo de trabalhar, comer, dormir e de vez em quando alguma atividade fora disso. Aí eu fico pensando, trabalhar pra quê?

    Um dos motivos que me faz trabalhar é justamente pra através do que eu ganho com o meu trabalho poder usufruir melhor dos prazeres da minha vida. Estar com os amigos, pode sair com a namorada pra um lugar legal, enfim… O trabalho enobrece o homem sim mas se a pessoa só fica presa nisso não tem jeito de ter uma vida feliz.

    Eu sou alguém que não gosto de rotina e sempre corri atrás dos meus sonhos por mais complicados que esses fossem. E deixar a condição de zumbi não é fácil, você tem que abrir mão de várias coisas, enfrentar dificuldades, mas é assim que a vida é.

    Atualmente moro na China, a realização de um sonho antigo que eu fiz questão de concretizar e agora sou muito feliz. Do outro lado do mundo encontrei o caminho que no Brasil eu não encontrei, e que não queria ficar preso. As pessoas tem que deixar o medo de lado e correr atrás do que querem, correr atrás das coisas que podem proporcionar felicidade de verdade.

    Enfim… Parabéns pelo texto mais uma vez!

  • Henrique

    Texto muito bem escrito e tratando de algo bem pertinente. Parabéns pro autor. Sem dúvida a maioria das pessoas hoje em dia se condiciona na posição de zumbi, na maioria das vezes porque é mais cômodo, mais adequado ao senso-comum da nossa sociedade. Essas pessoas ficam naquele ciclo de trabalhar, comer, dormir e de vez em quando alguma atividade fora disso. Aí eu fico pensando, trabalhar pra quê?

    Um dos motivos que me faz trabalhar é justamente pra através do que eu ganho com o meu trabalho poder usufruir melhor dos prazeres da minha vida. Estar com os amigos, pode sair com a namorada pra um lugar legal, enfim… O trabalho enobrece o homem sim mas se a pessoa só fica presa nisso não tem jeito de ter uma vida feliz.

    Eu sou alguém que não gosto de rotina e sempre corri atrás dos meus sonhos por mais complicados que esses fossem. E deixar a condição de zumbi não é fácil, você tem que abrir mão de várias coisas, enfrentar dificuldades, mas é assim que a vida é.

    Atualmente moro na China, a realização de um sonho antigo que eu fiz questão de concretizar e agora sou muito feliz. Do outro lado do mundo encontrei o caminho que no Brasil eu não encontrei, e que não queria ficar preso. As pessoas tem que deixar o medo de lado e correr atrás do que querem, correr atrás das coisas que podem proporcionar felicidade de verdade.

    Enfim… Parabéns pelo texto mais uma vez!

  • Henrique

    Texto muito bem escrito e tratando de algo bem pertinente. Parabéns pro autor. Sem dúvida a maioria das pessoas hoje em dia se condiciona na posição de zumbi, na maioria das vezes porque é mais cômodo, mais adequado ao senso-comum da nossa sociedade. Essas pessoas ficam naquele ciclo de trabalhar, comer, dormir e de vez em quando alguma atividade fora disso. Aí eu fico pensando, trabalhar pra quê?

    Um dos motivos que me faz trabalhar é justamente pra através do que eu ganho com o meu trabalho poder usufruir melhor dos prazeres da minha vida. Estar com os amigos, pode sair com a namorada pra um lugar legal, enfim… O trabalho enobrece o homem sim mas se a pessoa só fica presa nisso não tem jeito de ter uma vida feliz.

    Eu sou alguém que não gosto de rotina e sempre corri atrás dos meus sonhos por mais complicados que esses fossem. E deixar a condição de zumbi não é fácil, você tem que abrir mão de várias coisas, enfrentar dificuldades, mas é assim que a vida é.

    Atualmente moro na China, a realização de um sonho antigo que eu fiz questão de concretizar e agora sou muito feliz. Do outro lado do mundo encontrei o caminho que no Brasil eu não encontrei, e que não queria ficar preso. As pessoas tem que deixar o medo de lado e correr atrás do que querem, correr atrás das coisas que podem proporcionar felicidade de verdade.

    Enfim… Parabéns pelo texto mais uma vez!

  • Fábio Luiz

    @Victor (autor)

    Victor, seu post realmente é “SEM COMENTÁRIOS”…bom demais cara! Mas eu queria parabenizá-lo, também, pela atenção que dás aos comentários: respondendo com “carinho”(sem fragalhice) à maioria deles. Muito obrigado, também, pela resposta ao meu. Realmente preciso definir “o que eu quero da vida” sabe cara. É muito difícil colocar em prática as ideias e os conselhos que você deu aqui, precisa de coragem, muita coragem. E tem também as consequências né, que no curto prazo podem ser “trágicas”, mas que no longo vale a pena…. coragem. essa é a palavra. Muito obrigado mais uma vez. Você abriu meus olhos para algo que eu não queria enxergar.

  • Fábio Luiz

    @Victor (autor)

    Victor, seu post realmente é “SEM COMENTÁRIOS”…bom demais cara! Mas eu queria parabenizá-lo, também, pela atenção que dás aos comentários: respondendo com “carinho”(sem fragalhice) à maioria deles. Muito obrigado, também, pela resposta ao meu. Realmente preciso definir “o que eu quero da vida” sabe cara. É muito difícil colocar em prática as ideias e os conselhos que você deu aqui, precisa de coragem, muita coragem. E tem também as consequências né, que no curto prazo podem ser “trágicas”, mas que no longo vale a pena…. coragem. essa é a palavra. Muito obrigado mais uma vez. Você abriu meus olhos para algo que eu não queria enxergar.

  • Fábio Luiz

    @Victor (autor)

    Victor, seu post realmente é “SEM COMENTÁRIOS”…bom demais cara! Mas eu queria parabenizá-lo, também, pela atenção que dás aos comentários: respondendo com “carinho”(sem fragalhice) à maioria deles. Muito obrigado, também, pela resposta ao meu. Realmente preciso definir “o que eu quero da vida” sabe cara. É muito difícil colocar em prática as ideias e os conselhos que você deu aqui, precisa de coragem, muita coragem. E tem também as consequências né, que no curto prazo podem ser “trágicas”, mas que no longo vale a pena…. coragem. essa é a palavra. Muito obrigado mais uma vez. Você abriu meus olhos para algo que eu não queria enxergar.

  • Fábio Luiz

    @Victor (autor)

    Victor, seu post realmente é “SEM COMENTÁRIOS”…bom demais cara! Mas eu queria parabenizá-lo, também, pela atenção que dás aos comentários: respondendo com “carinho”(sem fragalhice) à maioria deles. Muito obrigado, também, pela resposta ao meu. Realmente preciso definir “o que eu quero da vida” sabe cara. É muito difícil colocar em prática as ideias e os conselhos que você deu aqui, precisa de coragem, muita coragem. E tem também as consequências né, que no curto prazo podem ser “trágicas”, mas que no longo vale a pena…. coragem. essa é a palavra. Muito obrigado mais uma vez. Você abriu meus olhos para algo que eu não queria enxergar.

  • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

    Belo texto, Victor.

    Como havia lhe dito, essa questão de achar o propósito, se alinhar com um horizonte amplo, agir a partir de uma motivação generosa e ter um sonho elevado, isso é um dos grandes focos na Cabana. Você deve ter visto que temos 3 práticas só sobre isso.

    Sei que você também conhece David Deida, outro cara que insiste muito nesse ponto.

    Valeu por compartilhar teus insights, cara.

    Abração!

  • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

    Belo texto, Victor.

    Como havia lhe dito, essa questão de achar o propósito, se alinhar com um horizonte amplo, agir a partir de uma motivação generosa e ter um sonho elevado, isso é um dos grandes focos na Cabana. Você deve ter visto que temos 3 práticas só sobre isso.

    Sei que você também conhece David Deida, outro cara que insiste muito nesse ponto.

    Valeu por compartilhar teus insights, cara.

    Abração!

  • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

    Belo texto, Victor.

    Como havia lhe dito, essa questão de achar o propósito, se alinhar com um horizonte amplo, agir a partir de uma motivação generosa e ter um sonho elevado, isso é um dos grandes focos na Cabana. Você deve ter visto que temos 3 práticas só sobre isso.

    Sei que você também conhece David Deida, outro cara que insiste muito nesse ponto.

    Valeu por compartilhar teus insights, cara.

    Abração!

  • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

    Belo texto, Victor.

    Como havia lhe dito, essa questão de achar o propósito, se alinhar com um horizonte amplo, agir a partir de uma motivação generosa e ter um sonho elevado, isso é um dos grandes focos na Cabana. Você deve ter visto que temos 3 práticas só sobre isso.

    Sei que você também conhece David Deida, outro cara que insiste muito nesse ponto.

    Valeu por compartilhar teus insights, cara.

    Abração!

  • Juliana

    Aqui tem um texto que pode parecer auto ajuda, mas fala bastante disso que o Vitor expôs aqui.

    http://shinyashiki.uol.com.br/index.php/artigos-detalhe/13/transforme-sua-vida

  • Juliana

    Aqui tem um texto que pode parecer auto ajuda, mas fala bastante disso que o Vitor expôs aqui.

    http://shinyashiki.uol.com.br/index.php/artigos-detalhe/13/transforme-sua-vida

  • Diogo

    Realmente, é a fase da vida em que eu me encontro no momento.
    To no segundo ano de faculdade e ainda estou meio perdido sobre o que eu quero da minha vida. E realmente é bem complicado.

    Ótimo post.

  • Diogo

    Realmente, é a fase da vida em que eu me encontro no momento.
    To no segundo ano de faculdade e ainda estou meio perdido sobre o que eu quero da minha vida. E realmente é bem complicado.

    Ótimo post.

  • Caio

    Matou a pau!

  • Caio

    Matou a pau!

  • Mateus Rodrigues

    taquepariu…

    “quero cééééreeebrooo!”

    ahUAHuah

    me senti um zumbi…vou sair dessa porra de rotina!

  • Mateus Rodrigues

    taquepariu…

    “quero cééééreeebrooo!”

    ahUAHuah

    me senti um zumbi…vou sair dessa porra de rotina!

  • Renata

    Victor,
    Sou universitária e participei de um grupo estudantil que tem como propósito desenvolver liderança e conceitos acadêmicos literalmente na prática. Pela minha experiência, acredito que um bom início para não se tornar um zumbi, seja ele da forma que for, é descobrir pelo menos o que se odeia fazer. É uma forma de ir eliminando coisas e afunilando opções de funções de trabalho de acordo com seu gosto.

    De imediato seu texto me fez lembrar uma célebre conversa entre Alice e o Gato, de Alice no País das Maravilhas, e que é tema de MBA em Harvard.

    “Para onde eu devo ir?”, perguntou Alice.

    “Para onde você quer ir?”, perguntou o Gato

    “Não sei, qualquer lugar tá bom”, respondeu Alice

    “Então vai para qualquer lugar, porque qualquer lugar vai te levar para qualquer lugar.” respondeu o Gato.

    Beijos,

    Renata

  • Renata

    Victor,
    Sou universitária e participei de um grupo estudantil que tem como propósito desenvolver liderança e conceitos acadêmicos literalmente na prática. Pela minha experiência, acredito que um bom início para não se tornar um zumbi, seja ele da forma que for, é descobrir pelo menos o que se odeia fazer. É uma forma de ir eliminando coisas e afunilando opções de funções de trabalho de acordo com seu gosto.

    De imediato seu texto me fez lembrar uma célebre conversa entre Alice e o Gato, de Alice no País das Maravilhas, e que é tema de MBA em Harvard.

    “Para onde eu devo ir?”, perguntou Alice.

    “Para onde você quer ir?”, perguntou o Gato

    “Não sei, qualquer lugar tá bom”, respondeu Alice

    “Então vai para qualquer lugar, porque qualquer lugar vai te levar para qualquer lugar.” respondeu o Gato.

    Beijos,

    Renata

  • Raphael

    É por esse e outros motivos que acesso o pdh diariamente.Ótimo texto parabéns

  • Raphael

    É por esse e outros motivos que acesso o pdh diariamente.Ótimo texto parabéns

  • Mauricio

    Cara, trabalho em uma grande montadora alemã, onde iniciei como trainee, e recentemente fui promovido a coordenador de logística. Tenho meus objetivos claramente definidos, e sei bem onde quero chegar. Quero sim ter um salário bom, cargo bacana e carro da empresa, mas não é isso que me motiva.

    Embora não tenha tino acadêmico, sempre gostei muito de estudo e pesquisa, e o que eu busco no trabalho é ter um laboratório onde possa aplicar minhas idéias e teorias, e obviamente gerar resultado. Muito resultado! Para mim, para a empresa, e para todos.
    Pode parecer um pouco de ambição cega, mas garanto que isso não afeta minha qualidade de vida. Pelo contrário, poder criar algo que tem valor é a maior alegria para mim.

    No entanto, quando olho em volta, vejo que 90% das pessoas dessa empresa (e certamente de diversas outras) se encaixam perfeitamente no perfil de zumbis, dos 2 tipos. O que eu mais enfrento aqui, além da resistêcia a novas idéias, é a lerdeza e falta de vontade. Muitos estão aqui desde os 16 anos (entraram como menores aprendizes de mecânica industrial), e depois de 15 ou 20 anos sem nenhuma grande emoção profissional, simplesmente desistiram de ser pessoas melhores e profissionais mais competentes.
    E pior: Consideram que as pessoas mais novas que se destacam (como eu e os outros trainees, por exemplo), só o conseguem pq são protegidinhos do chefe, pq tem algum parente influente aqui, ou simplesmente são sortudos. A competêcia e o resultdos atingidos nunca são analisados. Em tempo: Ao contrário de maior parte dos meus colegas, não tenho nenhum parente aqui (Na verdade, morava em uma cidade a 400Km daqui, antes de ser selecionado pela empresa).

    Resumindo: O zumbinismo universitário é até compreensível, pois vem basicamente da inexperiência dos jovens pupilos. O que é para mim inadimissível é o zumbinismo corporativo do primeiro tipo, daqueles que todo dia cumprem estritamente o seu horário, e que tem como única alegria na vida o contra-cheque mensal.
    Me lembram aquela cena em que os zumbis são atraídos, com pedaços de carne, para a estação de energia, onde serão eletrocutados (caso eu tenha confundido um pouco a cena, me desculpem, o filme não é bem do meu tempo). Só que no caso corporativo, a estação de energia na verdade chama-se “facão”. E felizmente a crise está aí, para dizimar os zumbis.

  • Mauricio

    Cara, trabalho em uma grande montadora alemã, onde iniciei como trainee, e recentemente fui promovido a coordenador de logística. Tenho meus objetivos claramente definidos, e sei bem onde quero chegar. Quero sim ter um salário bom, cargo bacana e carro da empresa, mas não é isso que me motiva.

    Embora não tenha tino acadêmico, sempre gostei muito de estudo e pesquisa, e o que eu busco no trabalho é ter um laboratório onde possa aplicar minhas idéias e teorias, e obviamente gerar resultado. Muito resultado! Para mim, para a empresa, e para todos.
    Pode parecer um pouco de ambição cega, mas garanto que isso não afeta minha qualidade de vida. Pelo contrário, poder criar algo que tem valor é a maior alegria para mim.

    No entanto, quando olho em volta, vejo que 90% das pessoas dessa empresa (e certamente de diversas outras) se encaixam perfeitamente no perfil de zumbis, dos 2 tipos. O que eu mais enfrento aqui, além da resistêcia a novas idéias, é a lerdeza e falta de vontade. Muitos estão aqui desde os 16 anos (entraram como menores aprendizes de mecânica industrial), e depois de 15 ou 20 anos sem nenhuma grande emoção profissional, simplesmente desistiram de ser pessoas melhores e profissionais mais competentes.
    E pior: Consideram que as pessoas mais novas que se destacam (como eu e os outros trainees, por exemplo), só o conseguem pq são protegidinhos do chefe, pq tem algum parente influente aqui, ou simplesmente são sortudos. A competêcia e o resultdos atingidos nunca são analisados. Em tempo: Ao contrário de maior parte dos meus colegas, não tenho nenhum parente aqui (Na verdade, morava em uma cidade a 400Km daqui, antes de ser selecionado pela empresa).

    Resumindo: O zumbinismo universitário é até compreensível, pois vem basicamente da inexperiência dos jovens pupilos. O que é para mim inadimissível é o zumbinismo corporativo do primeiro tipo, daqueles que todo dia cumprem estritamente o seu horário, e que tem como única alegria na vida o contra-cheque mensal.
    Me lembram aquela cena em que os zumbis são atraídos, com pedaços de carne, para a estação de energia, onde serão eletrocutados (caso eu tenha confundido um pouco a cena, me desculpem, o filme não é bem do meu tempo). Só que no caso corporativo, a estação de energia na verdade chama-se “facão”. E felizmente a crise está aí, para dizimar os zumbis.

  • Eng.º Saulo

    Prazer, Eng.º Zumbi, na “correria”!!!

    Fodastico, real e preocupante!!!!

    Otimo post!

  • Eng.º Saulo

    Prazer, Eng.º Zumbi, na “correria”!!!

    Fodastico, real e preocupante!!!!

    Otimo post!

  • Magrão

    Caramba…..esse texto é muito bom mesmo.
    Eu tenho tentado me livrar de me tornar zumbi.
    Aos 16 passei num vestibular dificílimo pra uma academia militar, mas não fui me apresentar pois não gosto de rotinas e regras muito duras.
    Começo a trabalhar e aos 32 tinha um bom emprego, carro e apto. de luxo mas nada me agradava e uma depressão me levou a tomar remédios por 1 ano. Tive que acordar dessa depre quando ouvi da minha mulher que ela estava comigo apenas por conveniência e que minha vida estava passando e eu assistindo tv.
    Larguei tudo.
    Dei a ela o apartamento, o carro e uns 30 mil que tinha guardado.
    Aluguei um apto,saí daquele emprego e busquei outro onde houvesse desafios, onde eu tivesse que ir atrás do cliente.
    Hoje, tenho um apto modesto e um carro popular.
    Mas já disputei alguns campeonatos de patins, já fiz rafting, rapel e aprendi a tocar violão e atabaque, ainda estou me preparando para correr de moto (só falta o macacão). Aprendi que a vida é o que a gente faz e não o que a gente tem.
    Acordo todos os dias e presto atenção pra não zumbizar.

  • Magrão

    Caramba…..esse texto é muito bom mesmo.
    Eu tenho tentado me livrar de me tornar zumbi.
    Aos 16 passei num vestibular dificílimo pra uma academia militar, mas não fui me apresentar pois não gosto de rotinas e regras muito duras.
    Começo a trabalhar e aos 32 tinha um bom emprego, carro e apto. de luxo mas nada me agradava e uma depressão me levou a tomar remédios por 1 ano. Tive que acordar dessa depre quando ouvi da minha mulher que ela estava comigo apenas por conveniência e que minha vida estava passando e eu assistindo tv.
    Larguei tudo.
    Dei a ela o apartamento, o carro e uns 30 mil que tinha guardado.
    Aluguei um apto,saí daquele emprego e busquei outro onde houvesse desafios, onde eu tivesse que ir atrás do cliente.
    Hoje, tenho um apto modesto e um carro popular.
    Mas já disputei alguns campeonatos de patins, já fiz rafting, rapel e aprendi a tocar violão e atabaque, ainda estou me preparando para correr de moto (só falta o macacão). Aprendi que a vida é o que a gente faz e não o que a gente tem.
    Acordo todos os dias e presto atenção pra não zumbizar.

  • Magrão

    Relendo o texto vi que esqueci de comentar.
    Onde minha atual esposa trabalha houve uma festa de confraternização no final do ano passado por conta do excelente resultado obtido. Como é uma multinacional vieram alguns executivos da matriz e américa latina.
    Foi uma cena absolutamente bizarra :
    Os CEO´s do Brazil e México na piscina se confraternizando com os demais funcionários durantes aquelas sessões com animadores e havia três pangarés lendo a revista Exame…..caraca…o evento era pra confraternizar e os caras com os handhealds e revista de finanças na beira da piscina…..é ser muito sem noção.
    É ser zumbi profissional!

  • Magrão

    Relendo o texto vi que esqueci de comentar.
    Onde minha atual esposa trabalha houve uma festa de confraternização no final do ano passado por conta do excelente resultado obtido. Como é uma multinacional vieram alguns executivos da matriz e américa latina.
    Foi uma cena absolutamente bizarra :
    Os CEO´s do Brazil e México na piscina se confraternizando com os demais funcionários durantes aquelas sessões com animadores e havia três pangarés lendo a revista Exame…..caraca…o evento era pra confraternizar e os caras com os handhealds e revista de finanças na beira da piscina…..é ser muito sem noção.
    É ser zumbi profissional!

  • Flávio

    Finalmente um ótimo post. Sem aquelas sem-graceiras de ‘como ser homem’, ‘manual do homem moderno’ e demais baboseiras.. Muito boa a perspectiva da ultima parte sobre a inevitabilidade dos resultados tendo em vista suas atitudes rotineiras, muito boa mesma! Abriu minha mente mesmo! Tenho um pouco desse senso crítico, mas não havia pensado em uma reflexão tão bem formnulada; começarei a pensar.. simplesmente obrigado!

  • Flávio

    Finalmente um ótimo post. Sem aquelas sem-graceiras de ‘como ser homem’, ‘manual do homem moderno’ e demais baboseiras.. Muito boa a perspectiva da ultima parte sobre a inevitabilidade dos resultados tendo em vista suas atitudes rotineiras, muito boa mesma! Abriu minha mente mesmo! Tenho um pouco desse senso crítico, mas não havia pensado em uma reflexão tão bem formnulada; começarei a pensar.. simplesmente obrigado!

  • http://aprenderetocar.blogspot.com/ Aprender e Tocar

    Jason Voorhes é o cara: devagar e sempre.

  • http://aprenderetocar.blogspot.com Aprender e Tocar

    Jason Voorhes é o cara: devagar e sempre.

  • Teedzz

    Muito obrigado pelo texto.
    Estava precisando do “tapa na cara” nesse momento…

  • Teedzz

    Muito obrigado pelo texto.
    Estava precisando do “tapa na cara” nesse momento…

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Henrique – cara, que legal a sua história. Eu tenho também alguns amigos brasileiros que foram para a China e não se arrependem. Ppis é, arrumar a coragem não é fácil mas a recompensa é grande. Vou gostar de continuar a trocar idéia contigo!

    @Fábio Luiz – valeu bro. Eu gosto muito de manter contato com a galera. A parte que mais recompensa é essa, de aprender junto com vcs.

    Além do conceito de inevitabilidade, tem outro, mais abstrato, que é o de desapego.

    Tem hora que a gente não consegue tomar as decisões pra se libertar da condição de zumbi por muito medo de dar merda. Por estarmos apegados a alguma coisa conveniente. Eu vivi isso faz pouquissimos dias. E só consegui ir pra frente me desapegando totalmente.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Henrique – cara, que legal a sua história. Eu tenho também alguns amigos brasileiros que foram para a China e não se arrependem. Ppis é, arrumar a coragem não é fácil mas a recompensa é grande. Vou gostar de continuar a trocar idéia contigo!

    @Fábio Luiz – valeu bro. Eu gosto muito de manter contato com a galera. A parte que mais recompensa é essa, de aprender junto com vcs.

    Além do conceito de inevitabilidade, tem outro, mais abstrato, que é o de desapego.

    Tem hora que a gente não consegue tomar as decisões pra se libertar da condição de zumbi por muito medo de dar merda. Por estarmos apegados a alguma coisa conveniente. Eu vivi isso faz pouquissimos dias. E só consegui ir pra frente me desapegando totalmente.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Gitti. Olha, se me permite vou fazer um comentário pessoal aqui sobre o que eu vi da Cabana.

    Pessoal, não é jabá não, até porque eu não ganho absolutamente nada com isso nem tenho nada a ver com o conceito da Cabana.

    Por ser parte desinteressada, me sinto na condição de dizer de forma neutra que o conteúdo que existe na Cabana PdH é de primeira.

    Bah, até aí conteúdo existe aos montes na Internet, e de graça.

    Vejo o valor adicionado da Cabana em dois grandes fatores:

    1. Organização. A informação é bem estruturada, de modo que permite uma continuidade e evolução.

    2. Grupo. O fato de ser um grupo de caras inteligentes e bem intencionados dividindo e trabalhando junto é o grande fator de proporcionar transformação.

    Para quem se identificou com alguns dos temas levantados neste texto, deixo a sugestão de dar uma conferida por lá.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Gitti. Olha, se me permite vou fazer um comentário pessoal aqui sobre o que eu vi da Cabana.

    Pessoal, não é jabá não, até porque eu não ganho absolutamente nada com isso nem tenho nada a ver com o conceito da Cabana.

    Por ser parte desinteressada, me sinto na condição de dizer de forma neutra que o conteúdo que existe na Cabana PdH é de primeira.

    Bah, até aí conteúdo existe aos montes na Internet, e de graça.

    Vejo o valor adicionado da Cabana em dois grandes fatores:

    1. Organização. A informação é bem estruturada, de modo que permite uma continuidade e evolução.

    2. Grupo. O fato de ser um grupo de caras inteligentes e bem intencionados dividindo e trabalhando junto é o grande fator de proporcionar transformação.

    Para quem se identificou com alguns dos temas levantados neste texto, deixo a sugestão de dar uma conferida por lá.

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Renata – tás intimada a comentar com mais regularidade aqui nos posts! Gosto muito dos símbolos presentes no Alice, pois eles refletem muita coisa genial. Se o seu grupo tiver algum site, por favor compartilhe o link aqui.

    @Mauricio – cara, por incrivel que pareça ser, eu tenho um amigão que também trabalha numa montadora. E o cara é muito parecido contigo – bastante proativo, sempre foi atrás do que queria desde os 18 anos, quando ele arrumou o emprego sozinho sem nenhuma indicação. Apenas com o talento do portfolio animal que trazia debaixo do braço.

    Sabe a história que até hoje me lembro ele contando, indignado? Mais ou menos assim

    “É cara, foda viu. Na empresa tem cada mocorongo que vou te contar. Outro dia veio um e falou que não cagava em casa. Que ele segurava a bosta para cagar na empresa. Assim ele matava mais tempo na empresa, e ficava com mais tempo livre em casa.”

    Veja só. Sem comentários…

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Renata – tás intimada a comentar com mais regularidade aqui nos posts! Gosto muito dos símbolos presentes no Alice, pois eles refletem muita coisa genial. Se o seu grupo tiver algum site, por favor compartilhe o link aqui.

    @Mauricio – cara, por incrivel que pareça ser, eu tenho um amigão que também trabalha numa montadora. E o cara é muito parecido contigo – bastante proativo, sempre foi atrás do que queria desde os 18 anos, quando ele arrumou o emprego sozinho sem nenhuma indicação. Apenas com o talento do portfolio animal que trazia debaixo do braço.

    Sabe a história que até hoje me lembro ele contando, indignado? Mais ou menos assim

    “É cara, foda viu. Na empresa tem cada mocorongo que vou te contar. Outro dia veio um e falou que não cagava em casa. Que ele segurava a bosta para cagar na empresa. Assim ele matava mais tempo na empresa, e ficava com mais tempo livre em casa.”

    Veja só. Sem comentários…

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Magrão: PQP. Nem sei o que dizer, cara. Muito obrigado por contar a sua história aqui.

    E o foda é eu me lembrar que eu já fiz coisa parecida… EM UM CARNAVAL!!! Isso na época que eu era um adolescente muito nerd… mas fica pra outra hora… abraço!

    @Flávio: valeu bro. Mas olha, a grande vantagem do PdH é que como são vários caras com diferentes estilos escrevendo juntos, sempre haverá um com um estilo que faz mais sentido para diferentes leitores.

    Como eu gosto de sempre modificar para aperfeiçoar, se no futuro eu escrever algo fora do que é esperado, por favor me mande um email ou escreva o comentário aqui mesmo, blz? Abraço!

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Magrão: PQP. Nem sei o que dizer, cara. Muito obrigado por contar a sua história aqui.

    E o foda é eu me lembrar que eu já fiz coisa parecida… EM UM CARNAVAL!!! Isso na época que eu era um adolescente muito nerd… mas fica pra outra hora… abraço!

    @Flávio: valeu bro. Mas olha, a grande vantagem do PdH é que como são vários caras com diferentes estilos escrevendo juntos, sempre haverá um com um estilo que faz mais sentido para diferentes leitores.

    Como eu gosto de sempre modificar para aperfeiçoar, se no futuro eu escrever algo fora do que é esperado, por favor me mande um email ou escreva o comentário aqui mesmo, blz? Abraço!

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Juliana: valeu mesmo por compartilhar o link do Shinyashiki. Como eu sou fanático por leitura (se bobear leio até bula de tampax da minha namorada), gosto muito quando os amigos compartilham coisa boa.

    Vou adiantar aqui uma idéia que é para um post futuro (putz, vou ficar sem material de pauta…): certa vez, eu tinha um emprego que me pagava bem. Não era rico, mas estava ganhando melhor que a média, não dava pra reclamar.

    Em algum lugar veio a voz da consciência que me disse a palavra-chave desse texto do Shinyashiki: “acomodado”. Era assim que eu me sentia.

    A outra opção que eu tinha era negociar com meus supervisores a possibilidade de ir estudar fora. Mas para isso eu correria o risco de perder minha posição confortável.

    Sabe o que eu fiz? Fui atrás de TODOS os livros imagináveis de negociação e persuasão. Queria ter a estratégia perfeita, todos os diálogos decorados para fazer minha reunião e proposta de modo impecável. Queria risco zero.

    Fiquei meses montando essa estratégia. Mesmo assim, não conseguia. Tinha um cagaço danado, mesmo sabendo todos os truques de negociação memorizados. O motivo é que me faltava o que escrevi no comentário #49: desapego.

    Como eu estava apegado ao salário, não tinha como. O medo me paralisava. E eu pensava “mês que vem eu decido” e ia tocando com a barriga. Zumbizão.

    Só quando eu me desapeguei e me preparei mentalmente para perder tudo é que eu consegui fazer a negociação. O resultado foi ótimo, mas o resto da história eu conto mais tarde :)

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    @Juliana: valeu mesmo por compartilhar o link do Shinyashiki. Como eu sou fanático por leitura (se bobear leio até bula de tampax da minha namorada), gosto muito quando os amigos compartilham coisa boa.

    Vou adiantar aqui uma idéia que é para um post futuro (putz, vou ficar sem material de pauta…): certa vez, eu tinha um emprego que me pagava bem. Não era rico, mas estava ganhando melhor que a média, não dava pra reclamar.

    Em algum lugar veio a voz da consciência que me disse a palavra-chave desse texto do Shinyashiki: “acomodado”. Era assim que eu me sentia.

    A outra opção que eu tinha era negociar com meus supervisores a possibilidade de ir estudar fora. Mas para isso eu correria o risco de perder minha posição confortável.

    Sabe o que eu fiz? Fui atrás de TODOS os livros imagináveis de negociação e persuasão. Queria ter a estratégia perfeita, todos os diálogos decorados para fazer minha reunião e proposta de modo impecável. Queria risco zero.

    Fiquei meses montando essa estratégia. Mesmo assim, não conseguia. Tinha um cagaço danado, mesmo sabendo todos os truques de negociação memorizados. O motivo é que me faltava o que escrevi no comentário #49: desapego.

    Como eu estava apegado ao salário, não tinha como. O medo me paralisava. E eu pensava “mês que vem eu decido” e ia tocando com a barriga. Zumbizão.

    Só quando eu me desapeguei e me preparei mentalmente para perder tudo é que eu consegui fazer a negociação. O resultado foi ótimo, mas o resto da história eu conto mais tarde :)

  • http://www.efeitozoom.com/ David

    WOW !

    Otimo post!

  • http://www.efeitozoom.com/ David

    WOW !

    Otimo post!

  • http://www.efeitozoom.com David

    WOW !

    Otimo post!

  • http://twitter.com/malvadao Malvadão

    Legal isso… Já havia tomado uma porrada na cara desse tipo antes de casar… Era do tipo que saía de casa na quarta e falava pra velha: “Domingo à noite eu tô de volta!”.
    Finalmente após conhecer 2 pessoas na minha vida ( não era nenhuma mulher ), eu fui iluminado!
    Digamos que após aquela conversa de Homem pra Homem, tive um direcionamento em minha vida! Passei 2 meses me achando o mais merda dos merdas… Pensando em como eu nunca havia raciocinado sobre isso… E que após descobrir o pote de ouro no fim do arco-íris, eu fiquei uma semana embasbacado e encarando as pessoas na rua e me perguntando “Será que elas não tem noção disso que eu acabei de descobrir ?”
    Felizmente eu aprendo com os erros dos outros e com os meus próprios. Digamos que eu sei o que eu quero e que se não conseguir até o fim da minha vida ( que estimo o término em 142 anos ), com certeza morrerei tentando!
    Tá… eu fui vago pra caralho porque o que eu quero diz respeito somente a mim e meus próximos. Mas o que vale é a atitude de cada um em perceber o que quer e matar o zumbi interior para alcançar o desejado.

    PS.: Virar um obstinado em obter o que se deseja também não é matar o zumbi interior… então tentem se divertir algumas vezes!

  • http://twitter.com/malvadao Malvadão

    Legal isso… Já havia tomado uma porrada na cara desse tipo antes de casar… Era do tipo que saía de casa na quarta e falava pra velha: “Domingo à noite eu tô de volta!”.
    Finalmente após conhecer 2 pessoas na minha vida ( não era nenhuma mulher ), eu fui iluminado!
    Digamos que após aquela conversa de Homem pra Homem, tive um direcionamento em minha vida! Passei 2 meses me achando o mais merda dos merdas… Pensando em como eu nunca havia raciocinado sobre isso… E que após descobrir o pote de ouro no fim do arco-íris, eu fiquei uma semana embasbacado e encarando as pessoas na rua e me perguntando “Será que elas não tem noção disso que eu acabei de descobrir ?”
    Felizmente eu aprendo com os erros dos outros e com os meus próprios. Digamos que eu sei o que eu quero e que se não conseguir até o fim da minha vida ( que estimo o término em 142 anos ), com certeza morrerei tentando!
    Tá… eu fui vago pra caralho porque o que eu quero diz respeito somente a mim e meus próximos. Mas o que vale é a atitude de cada um em perceber o que quer e matar o zumbi interior para alcançar o desejado.

    PS.: Virar um obstinado em obter o que se deseja também não é matar o zumbi interior… então tentem se divertir algumas vezes!

  • http://twitter.com/malvadao Malvadão

    Legal isso… Já havia tomado uma porrada na cara desse tipo antes de casar… Era do tipo que saía de casa na quarta e falava pra velha: “Domingo à noite eu tô de volta!”.
    Finalmente após conhecer 2 pessoas na minha vida ( não era nenhuma mulher ), eu fui iluminado!
    Digamos que após aquela conversa de Homem pra Homem, tive um direcionamento em minha vida! Passei 2 meses me achando o mais merda dos merdas… Pensando em como eu nunca havia raciocinado sobre isso… E que após descobrir o pote de ouro no fim do arco-íris, eu fiquei uma semana embasbacado e encarando as pessoas na rua e me perguntando “Será que elas não tem noção disso que eu acabei de descobrir ?”
    Felizmente eu aprendo com os erros dos outros e com os meus próprios. Digamos que eu sei o que eu quero e que se não conseguir até o fim da minha vida ( que estimo o término em 142 anos ), com certeza morrerei tentando!
    Tá… eu fui vago pra caralho porque o que eu quero diz respeito somente a mim e meus próximos. Mas o que vale é a atitude de cada um em perceber o que quer e matar o zumbi interior para alcançar o desejado.

    PS.: Virar um obstinado em obter o que se deseja também não é matar o zumbi interior… então tentem se divertir algumas vezes!

  • Mauricio

    Fala Victor!

    Lendo o que seu amigo falou, lembrei de algo que meu vô dizia: “Funcionário bom já vem cagado de casa”.

    Meu, o que é foda mesmo é pensar que esse tipo de pessoa que seu amigo citou, ainda acham que estão sendo muito espertos! Pra eles, melhor do que isso só virando funcionário público!
    Porra, eu sei q trabalhar demais também pode transformar o cara num zumbi, mas acho que ruim mesmo é viver alienado, preocupado somente em ter o menor esforço possível e continuar com a mesma merreca no fim do mês.
    Conheço gente aqui no trampo que nunca leu um livro, nunca visitou um museu, nunca fez uma viagem que não fosse pra farofar em Praia Grande. Gente que nem sabia onde ficava a Índia antes de ver a novela da globo! É deprimente!
    E falo pra ti que tem muuuita gente assim aqui!

    Meus funcionários vieram todos do nível operacional, mas na escolha deles, dei muita atenção ao nível cultural e às ambições de cada um, mais até do que me procupei com o conhecimento técnico. E sempre tento estimular eles, indicando livros, promovendo discussões sobre nossa área de conhecimento, visitas técnicas, etc.

    Bom, já que tudo tem um lado bom, pra mim é o seguinte: Menos concorrência :)

    Abraços, parabéns pelo ótimo texto e obrigado pela resposta!

  • Mauricio

    Fala Victor!

    Lendo o que seu amigo falou, lembrei de algo que meu vô dizia: “Funcionário bom já vem cagado de casa”.

    Meu, o que é foda mesmo é pensar que esse tipo de pessoa que seu amigo citou, ainda acham que estão sendo muito espertos! Pra eles, melhor do que isso só virando funcionário público!
    Porra, eu sei q trabalhar demais também pode transformar o cara num zumbi, mas acho que ruim mesmo é viver alienado, preocupado somente em ter o menor esforço possível e continuar com a mesma merreca no fim do mês.
    Conheço gente aqui no trampo que nunca leu um livro, nunca visitou um museu, nunca fez uma viagem que não fosse pra farofar em Praia Grande. Gente que nem sabia onde ficava a Índia antes de ver a novela da globo! É deprimente!
    E falo pra ti que tem muuuita gente assim aqui!

    Meus funcionários vieram todos do nível operacional, mas na escolha deles, dei muita atenção ao nível cultural e às ambições de cada um, mais até do que me procupei com o conhecimento técnico. E sempre tento estimular eles, indicando livros, promovendo discussões sobre nossa área de conhecimento, visitas técnicas, etc.

    Bom, já que tudo tem um lado bom, pra mim é o seguinte: Menos concorrência :)

    Abraços, parabéns pelo ótimo texto e obrigado pela resposta!

  • Mauricio

    Fala Victor!

    Lendo o que seu amigo falou, lembrei de algo que meu vô dizia: “Funcionário bom já vem cagado de casa”.

    Meu, o que é foda mesmo é pensar que esse tipo de pessoa que seu amigo citou, ainda acham que estão sendo muito espertos! Pra eles, melhor do que isso só virando funcionário público!
    Porra, eu sei q trabalhar demais também pode transformar o cara num zumbi, mas acho que ruim mesmo é viver alienado, preocupado somente em ter o menor esforço possível e continuar com a mesma merreca no fim do mês.
    Conheço gente aqui no trampo que nunca leu um livro, nunca visitou um museu, nunca fez uma viagem que não fosse pra farofar em Praia Grande. Gente que nem sabia onde ficava a Índia antes de ver a novela da globo! É deprimente!
    E falo pra ti que tem muuuita gente assim aqui!

    Meus funcionários vieram todos do nível operacional, mas na escolha deles, dei muita atenção ao nível cultural e às ambições de cada um, mais até do que me procupei com o conhecimento técnico. E sempre tento estimular eles, indicando livros, promovendo discussões sobre nossa área de conhecimento, visitas técnicas, etc.

    Bom, já que tudo tem um lado bom, pra mim é o seguinte: Menos concorrência :)

    Abraços, parabéns pelo ótimo texto e obrigado pela resposta!

  • Saulo Fernandes

    Que puta de um post bom… só de ler já me bateu um animo!

  • Saulo Fernandes

    Que puta de um post bom… só de ler já me bateu um animo!

  • Saulo Fernandes

    Que puta de um post bom… só de ler já me bateu um animo!

  • mandy

    nuuuusssss! vc escreve pra porr@ !! :DDD adorei! eu ja pensava nisso a um tempo atrás… + ñ dessa maneira tão clara! realmente me fez acordar e ligar os pontos que estavam faltando!
    Cara, vc é d++++ !!!!
    Concerteza vou passar + vezes aqui!

  • mandy

    nuuuusssss! vc escreve pra porr@ !! :DDD adorei! eu ja pensava nisso a um tempo atrás… + ñ dessa maneira tão clara! realmente me fez acordar e ligar os pontos que estavam faltando!
    Cara, vc é d++++ !!!!
    Concerteza vou passar + vezes aqui!

  • mandy

    nuuuusssss! vc escreve pra porr@ !! :DDD adorei! eu ja pensava nisso a um tempo atrás… + ñ dessa maneira tão clara! realmente me fez acordar e ligar os pontos que estavam faltando!
    Cara, vc é d++++ !!!!
    Concerteza vou passar + vezes aqui!

  • Valdomiro

    Bom, realmente muito bom o seu texto.
    Tenho 23 anos, sou funcionário público e estou londe de concluir a minha faculdade de Direito.
    Acredito que se eu tivesse como largar tudo e apenas estudar, procuraria crescer mais.
    Sei que a função pública de certa forma nos faz “parar no tempo”, mas hoje não tenho outra opção.
    Não tenho privilégios ($$) e por isso não posso parar de trabalhar.
    Estudo para outros concursos públicos para criar o meu suporte e depois pensar no que vou fazer realmente da minha vida.

    O seu texto é excelente, pois conheço muitas pessoas que desejam “sair do lugar”, mas não fazem exatamente nada para “evoluir” profissionalmente.

    Abraço

  • Valdomiro

    Bom, realmente muito bom o seu texto.
    Tenho 23 anos, sou funcionário público e estou londe de concluir a minha faculdade de Direito.
    Acredito que se eu tivesse como largar tudo e apenas estudar, procuraria crescer mais.
    Sei que a função pública de certa forma nos faz “parar no tempo”, mas hoje não tenho outra opção.
    Não tenho privilégios ($$) e por isso não posso parar de trabalhar.
    Estudo para outros concursos públicos para criar o meu suporte e depois pensar no que vou fazer realmente da minha vida.

    O seu texto é excelente, pois conheço muitas pessoas que desejam “sair do lugar”, mas não fazem exatamente nada para “evoluir” profissionalmente.

    Abraço

  • Valdomiro

    Bom, realmente muito bom o seu texto.
    Tenho 23 anos, sou funcionário público e estou londe de concluir a minha faculdade de Direito.
    Acredito que se eu tivesse como largar tudo e apenas estudar, procuraria crescer mais.
    Sei que a função pública de certa forma nos faz “parar no tempo”, mas hoje não tenho outra opção.
    Não tenho privilégios ($$) e por isso não posso parar de trabalhar.
    Estudo para outros concursos públicos para criar o meu suporte e depois pensar no que vou fazer realmente da minha vida.

    O seu texto é excelente, pois conheço muitas pessoas que desejam “sair do lugar”, mas não fazem exatamente nada para “evoluir” profissionalmente.

    Abraço

  • Magrão

    Eu não acreditei quando li que o funcionário deixa de cagar em casa pra matar o tempo no banheiro da empresa! Tive que reler pra acreditar.
    Bom….eu não comentei na hora pois precisava de aprovação.
    Meu irmão mais velho hoje é oficial da PM, mas olha que caso de “acorda zumbi”!!
    Ele entrou na PM e ficou como soldado vários anos e por insistência da minha cunhada quis prestar exame para cabo….só que ele não tinha nem o ginásio. Resolveu fazer aquele sistema de eliminação de matéria pelo estado só que não tinha mais nenhuma lembrança do que havia estudado. Eu descobri que pela Secretaria de Educação ele poderia prestar o exame em Cuiabá, que era o primeiro exame em todo país, e ele não podia perder tempo.
    Compramos algumas apostilas e ele TODOS OS DIAS passava em casa à noite pra que eu ajudasse nos estudos.
    Viajou e passou no teste e pode cursar a academia de cabo…..assim que virou o ano se matriculou na escola comum e fez o colegial , já emendou e entrou na faculdade de direito e se formou há dois anos. Hoje já prestou concurso e espera a nomeação para juiz.
    A minha recompensa veio na conclusão do seu doutorado no qual ele citou diante de centenas de pessoas :- Agradeço ao meu irmão mais novo por me ajudar no primeiro passo desta longa caminhada, pois nestes 10 anos de estudos foi o passo mais importante!
    Valeu doutor!

  • Magrão

    Eu não acreditei quando li que o funcionário deixa de cagar em casa pra matar o tempo no banheiro da empresa! Tive que reler pra acreditar.
    Bom….eu não comentei na hora pois precisava de aprovação.
    Meu irmão mais velho hoje é oficial da PM, mas olha que caso de “acorda zumbi”!!
    Ele entrou na PM e ficou como soldado vários anos e por insistência da minha cunhada quis prestar exame para cabo….só que ele não tinha nem o ginásio. Resolveu fazer aquele sistema de eliminação de matéria pelo estado só que não tinha mais nenhuma lembrança do que havia estudado. Eu descobri que pela Secretaria de Educação ele poderia prestar o exame em Cuiabá, que era o primeiro exame em todo país, e ele não podia perder tempo.
    Compramos algumas apostilas e ele TODOS OS DIAS passava em casa à noite pra que eu ajudasse nos estudos.
    Viajou e passou no teste e pode cursar a academia de cabo…..assim que virou o ano se matriculou na escola comum e fez o colegial , já emendou e entrou na faculdade de direito e se formou há dois anos. Hoje já prestou concurso e espera a nomeação para juiz.
    A minha recompensa veio na conclusão do seu doutorado no qual ele citou diante de centenas de pessoas :- Agradeço ao meu irmão mais novo por me ajudar no primeiro passo desta longa caminhada, pois nestes 10 anos de estudos foi o passo mais importante!
    Valeu doutor!

  • Magrão

    Eu não acreditei quando li que o funcionário deixa de cagar em casa pra matar o tempo no banheiro da empresa! Tive que reler pra acreditar.
    Bom….eu não comentei na hora pois precisava de aprovação.
    Meu irmão mais velho hoje é oficial da PM, mas olha que caso de “acorda zumbi”!!
    Ele entrou na PM e ficou como soldado vários anos e por insistência da minha cunhada quis prestar exame para cabo….só que ele não tinha nem o ginásio. Resolveu fazer aquele sistema de eliminação de matéria pelo estado só que não tinha mais nenhuma lembrança do que havia estudado. Eu descobri que pela Secretaria de Educação ele poderia prestar o exame em Cuiabá, que era o primeiro exame em todo país, e ele não podia perder tempo.
    Compramos algumas apostilas e ele TODOS OS DIAS passava em casa à noite pra que eu ajudasse nos estudos.
    Viajou e passou no teste e pode cursar a academia de cabo…..assim que virou o ano se matriculou na escola comum e fez o colegial , já emendou e entrou na faculdade de direito e se formou há dois anos. Hoje já prestou concurso e espera a nomeação para juiz.
    A minha recompensa veio na conclusão do seu doutorado no qual ele citou diante de centenas de pessoas :- Agradeço ao meu irmão mais novo por me ajudar no primeiro passo desta longa caminhada, pois nestes 10 anos de estudos foi o passo mais importante!
    Valeu doutor!

  • Efraim Carvalho

    Um amigo uma vez me disse… – muito pouca gente é feliz no seu trabalho….

    Quando vc se dá conta ,o tempo passou, os filhos, as contas, a vida que segue…

    Acho que é um bom post pra que tá começando a viver a realidade, tipo… a saída das casa dos pais ou formando a própia família enfim …

    Depois de algum tempo a questão do zumbi é uma imposição das obrigações cotidianas, e como fugir disso ?

    Hoje com toda a crise e desemprego, com uma família e muitas contas , como abrir mão do cargo zumbi ????

    Mas valeu o post pra vcs que começam agora em uma profissão, vale muito a pena ponderar o ponto de vista do autor, agora ! Ou melhor já !!! Por que depois tudo se complica.

    E eu sigo zumbizando em meu trabalho até minha aposentadoria, e assim vou finalizar a construção do meu veleiro e velejar, não pelos sete mares, mas me contento , muito bem , com o atlântico e com o índico.

    Valeu Victor, um monte de gente vai lembrar do que vc escreveu em um futuro bem próximo…

    Efra.

  • Efraim Carvalho

    Um amigo uma vez me disse… – muito pouca gente é feliz no seu trabalho….

    Quando vc se dá conta ,o tempo passou, os filhos, as contas, a vida que segue…

    Acho que é um bom post pra que tá começando a viver a realidade, tipo… a saída das casa dos pais ou formando a própia família enfim …

    Depois de algum tempo a questão do zumbi é uma imposição das obrigações cotidianas, e como fugir disso ?

    Hoje com toda a crise e desemprego, com uma família e muitas contas , como abrir mão do cargo zumbi ????

    Mas valeu o post pra vcs que começam agora em uma profissão, vale muito a pena ponderar o ponto de vista do autor, agora ! Ou melhor já !!! Por que depois tudo se complica.

    E eu sigo zumbizando em meu trabalho até minha aposentadoria, e assim vou finalizar a construção do meu veleiro e velejar, não pelos sete mares, mas me contento , muito bem , com o atlântico e com o índico.

    Valeu Victor, um monte de gente vai lembrar do que vc escreveu em um futuro bem próximo…

    Efra.

  • Efraim Carvalho

    Um amigo uma vez me disse… – muito pouca gente é feliz no seu trabalho….

    Quando vc se dá conta ,o tempo passou, os filhos, as contas, a vida que segue…

    Acho que é um bom post pra que tá começando a viver a realidade, tipo… a saída das casa dos pais ou formando a própia família enfim …

    Depois de algum tempo a questão do zumbi é uma imposição das obrigações cotidianas, e como fugir disso ?

    Hoje com toda a crise e desemprego, com uma família e muitas contas , como abrir mão do cargo zumbi ????

    Mas valeu o post pra vcs que começam agora em uma profissão, vale muito a pena ponderar o ponto de vista do autor, agora ! Ou melhor já !!! Por que depois tudo se complica.

    E eu sigo zumbizando em meu trabalho até minha aposentadoria, e assim vou finalizar a construção do meu veleiro e velejar, não pelos sete mares, mas me contento , muito bem , com o atlântico e com o índico.

    Valeu Victor, um monte de gente vai lembrar do que vc escreveu em um futuro bem próximo…

    Efra.

  • Juliana

    #60 – Magrão

    Nossa, arrepiei com a tua estória. Linda, coisa de guerreiros! Coisa difícil de se ver hoje em dia.
    Li durante a tarde, e confesso que fiquei lembrando o dia inteiro.
    Com toda certeza, exemplo pra se levar na memória.

    Parabéns!

  • Juliana

    #60 – Magrão

    Nossa, arrepiei com a tua estória. Linda, coisa de guerreiros! Coisa difícil de se ver hoje em dia.
    Li durante a tarde, e confesso que fiquei lembrando o dia inteiro.
    Com toda certeza, exemplo pra se levar na memória.

    Parabéns!

  • Juliana

    #60 – Magrão

    Nossa, arrepiei com a tua estória. Linda, coisa de guerreiros! Coisa difícil de se ver hoje em dia.
    Li durante a tarde, e confesso que fiquei lembrando o dia inteiro.
    Com toda certeza, exemplo pra se levar na memória.

    Parabéns!

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Tropa, o Gabriel abriu um tópico legal pra gente continuar conversando sobre o assunto:

    http://papodehomem.com.br/forum/showthread.php?t=4179

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Tropa, o Gabriel abriu um tópico legal pra gente continuar conversando sobre o assunto:

    http://papodehomem.com.br/forum/showthread.php?t=4179

  • http://fromvictorwithlove.com/diario Victor

    Tropa, o Gabriel abriu um tópico legal pra gente continuar conversando sobre o assunto:

    http://papodehomem.com.br/forum/showthread.php?t=4179

  • Marcola

    Bingo, nada como uma boa formataçao celebral…….pilula azul ou vermelha eis a questão……….Belo testo, funcional para todos os tipos de zumbis….Namaste, aloha!!!

  • Marcola

    Bingo, nada como uma boa formataçao celebral…….pilula azul ou vermelha eis a questão……….Belo testo, funcional para todos os tipos de zumbis….Namaste, aloha!!!

  • Marcola

    Bingo, nada como uma boa formataçao celebral…….pilula azul ou vermelha eis a questão……….Belo testo, funcional para todos os tipos de zumbis….Namaste, aloha!!!

  • Pingback: Anthony Robbins e o foco do poder Jedi - usando o STATE (estado emocional) | From Victor With Love - Diário

  • Pingback: Qual zumbi você é? | Eu Amo Dinheiro

  • Bokao

    Só não bato palma porque tô na lanhouse.

    Foda!

  • Bokao

    Só não bato palma porque tô na lanhouse.

    Foda!

  • Bokao

    Só não bato palma porque tô na lanhouse.

    Foda!

  • Carol

    baita incentivo! também acho que para ser servidor público tem que ter perfil, para ser empreendedor também. O negócio é sentir “paixão” pelo que faz, vontade, é dar cor a vida… Andar com as próprias pernas e se responsabilizar por isso dá trabalho, mas no final das contas vale a pena.

  • Carol

    baita incentivo! também acho que para ser servidor público tem que ter perfil, para ser empreendedor também. O negócio é sentir “paixão” pelo que faz, vontade, é dar cor a vida… Andar com as próprias pernas e se responsabilizar por isso dá trabalho, mas no final das contas vale a pena.

  • Carol

    baita incentivo! também acho que para ser servidor público tem que ter perfil, para ser empreendedor também. O negócio é sentir “paixão” pelo que faz, vontade, é dar cor a vida… Andar com as próprias pernas e se responsabilizar por isso dá trabalho, mas no final das contas vale a pena.

  • yurip86

    “Comprando coisas que não preciso, com dinheiro que não tenho, para agradar pessoas que não gosto, sem chegar a lugar algum.”

    Clube da Luta rulez

  • yurip86

    “Comprando coisas que não preciso, com dinheiro que não tenho, para agradar pessoas que não gosto, sem chegar a lugar algum.”

    Clube da Luta rulez

  • yurip86

    “Comprando coisas que não preciso, com dinheiro que não tenho, para agradar pessoas que não gosto, sem chegar a lugar algum.”

    Clube da Luta rulez

  • Gabriel Carvalho

    Muito bom, ahuauahuhauha.
    Como tô no 2o semestre da facul (e nem voltei ainda pq. tô muito doente), é demais ler algo assim. E já tinha notado muito do que você falou, e ando ouvindo sobre “Inevitabilidade” mas nunca fui atrás pra descobrir o que é. ÓTIMO conceito, pessoal do PdH sempre trazendo informações que SÃO a diferença :]

  • Gabriel Carvalho

    Muito bom, ahuauahuhauha.
    Como tô no 2o semestre da facul (e nem voltei ainda pq. tô muito doente), é demais ler algo assim. E já tinha notado muito do que você falou, e ando ouvindo sobre “Inevitabilidade” mas nunca fui atrás pra descobrir o que é. ÓTIMO conceito, pessoal do PdH sempre trazendo informações que SÃO a diferença :]

  • Gabriel Carvalho

    Muito bom, ahuauahuhauha.
    Como tô no 2o semestre da facul (e nem voltei ainda pq. tô muito doente), é demais ler algo assim. E já tinha notado muito do que você falou, e ando ouvindo sobre “Inevitabilidade” mas nunca fui atrás pra descobrir o que é. ÓTIMO conceito, pessoal do PdH sempre trazendo informações que SÃO a diferença :]

  • Pingback: Como usar o TakingITGlobal para encontrar sua paixão e se engajar em temas globais | Revista Papo de Homem - Lifestyle Magazine

  • Flavio

    Eu te juro victor

    q vc me acordou … sempre ouvi meu pai falando coisas do tipo
    mas nunca ouvi ele … por n motivos

  • Flavio

    Eu te juro victor

    q vc me acordou … sempre ouvi meu pai falando coisas do tipo
    mas nunca ouvi ele … por n motivos

  • Flavio

    Eu te juro victor

    q vc me acordou … sempre ouvi meu pai falando coisas do tipo
    mas nunca ouvi ele … por n motivos

  • http://thalessilveira.carbonmade.com/ Thales

    Parabens pelo Post, agora q eu me toquei que estou virando Zumbi do Exterminio, haheahe…

  • http://thalessilveira.carbonmade.com/ Thales

    Parabens pelo Post, agora q eu me toquei que estou virando Zumbi do Exterminio, haheahe…

  • http://thalessilveira.carbonmade.com Thales

    Parabens pelo Post, agora q eu me toquei que estou virando Zumbi do Exterminio, haheahe…

  • Pingback: Reflexão financeira | Revista Papo de Homem - Lifestyle Magazine

  • Daniel

    Quero ganhar dinheiro, pra comer mulheres. Depois eu penso no sentido da vida, quando for bem velho. Mas tenho uma suspeita de que seja sexo.

  • Daniel

    Quero ganhar dinheiro, pra comer mulheres. Depois eu penso no sentido da vida, quando for bem velho. Mas tenho uma suspeita de que seja sexo.

  • Daniel

    Quero ganhar dinheiro, pra comer mulheres. Depois eu penso no sentido da vida, quando for bem velho. Mas tenho uma suspeita de que seja sexo.

  • Felipe

    Cara, o melhor texto.

  • Felipe

    Cara, o melhor texto.

  • Felipe

    Cara, o melhor texto.

  • Paulo Brener

    Arrisco a dizer que esse é o melhor post que já li aqui na PdH, e olha que lá li bem uns 100 posts…
    Excelente ;)

  • Paulo Brener

    Arrisco a dizer que esse é o melhor post que já li aqui na PdH, e olha que lá li bem uns 100 posts…
    Excelente ;)

  • Paulo Brener

    Arrisco a dizer que esse é o melhor post que já li aqui na PdH, e olha que lá li bem uns 100 posts…
    Excelente ;)

  • Pingback: Links da Semana | Mulherzinhas

  • http://www.twitter.com/pattyjonas Patty

    Ótimo post!

    Pena que a escola ensina o contrário, nos ensina a estarmos sempre em submissão. Fazendo o que todo mundo faz. Sendo um zumbi que diz que vive.

  • http://www.twitter.com/pattyjonas Patty

    Ótimo post!

    Pena que a escola ensina o contrário, nos ensina a estarmos sempre em submissão. Fazendo o que todo mundo faz. Sendo um zumbi que diz que vive.

  • http://www.twitter.com/pattyjonas Patty

    Ótimo post!

    Pena que a escola ensina o contrário, nos ensina a estarmos sempre em submissão. Fazendo o que todo mundo faz. Sendo um zumbi que diz que vive.

  • Arthur Bonifacio

    ‘Putz tenho 16 anos e nunca me identifiquei tanto com uma situação sem rumo fazendo simplesmente o necessário e sentindo horrível. Post mais incrível que eu jah li parabéns.

  • Arthur Bonifacio

    ‘Putz tenho 16 anos e nunca me identifiquei tanto com uma situação sem rumo fazendo simplesmente o necessário e sentindo horrível. Post mais incrível que eu jah li parabéns.

  • Arthur Bonifacio

    ‘Putz tenho 16 anos e nunca me identifiquei tanto com uma situação sem rumo fazendo simplesmente o necessário e sentindo horrível. Post mais incrível que eu jah li parabéns.

  • leandrobrettas

    Parabéns!

  • leandrobrettas

    Parabéns!

  • leandrobrettas

    Parabéns!

  • http://en.gravatar.com/verify/add-identity/3b3b229908/leandro.brettas%40gmail.com leandrobrettas

    Perfeito mesmo!

  • http://en.gravatar.com/verify/add-identity/3b3b229908/leandro.brettas%40gmail.com leandrobrettas

    Perfeito mesmo!

  • http://en.gravatar.com/verify/add-identity/3b3b229908/leandro.brettas%40gmail.com leandrobrettas

    Perfeito mesmo!

  • Leandromarte

    Q foda, senti a pressāo… me vi nessa hora de tomar rumo na vida!

  • Daniel Felipe

    Pq esse texto nao apareceu no Feed?
    So apareceu aqui pq ví no Twitter

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Porque é antigaço!

  • marcelao68

    gostei muito deste texto! Obrigado!

  • Murilo Esteves

    Eu estou chorando aqui, juro por tudo nesse mundo que sua vida relatada neste texto se encaixa perfeitamente a minha, minha infancia, minha meta em ser juiz, minha faculdade de direito e até meus amigos lembram os seus. To um pouco assustado mas acho que veio a calhar esse texto nesse momento.
    Detalhe que leio o PdH a muiiiiiito tempo, e até então não tinha me deparado com esse texto, e olha que deve dar pra contar nos dedos os textos que eu não li.
    Abraço irmão e muito obrigado por ter investido seu tempo escrevendo isto!

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5534 artigos
  • 661590 comentários
  • leitores online