Sobre Justin Bieber, Twitter e essa sua implicância toda

João Baldi Jr.

por
em às | Crônicas e contos, Debates, PdH Shots


Como você vai sobreviver?

Alien Isolation é um game baseado no clássico filme de Ridley Scott de 1979.

Diferente da maioria dos jogos de primeira pessoa, a criatura está à sua caça e você claramente em desvantagem. Qualquer descuido fará com que a criatura o persiga até ter a sua carne dilacerada na boca.

Teste suas habilidades de sobreviencia.
Conheça mais sobre Alien Isolation para Playstaion, XBox e PC.

E a semana passada foi marcada pela morte do Steve Jobs. Comoção na Internet, notícias nos principais jornais do mundo, manifestações de perda e luto que deixaram claro o status de verdadeiro popstar que o criador da Apple conseguiu obter durante sua carreira, ao menos entre as gerações mais novas – afinal, se você perguntar pra sua avó o que é um MacBook, ela vai comentar que continua sem entender como funciona essa maquininha de escrever sem papel que você fica levando pra cima e pra baixo. Algo assim.

Jobs não viveu pra ver uma fábrica de seus produtos aqui no Brasil e nem pra ver a picuinha da última semana

Mas mais do que as homenagens ao Jobs, sejam elas brilhantes ou nem tanto, as reações que mais me impressionaram na Internet – e mais especificamente no Twitter – nessa última semana foram relacionadas a outro popstar, que não inventou computadores, não criou sistemas, não inovou designs e muito menos serviu de pretexto para que pessoas fizessem trocadilhos infames como “isad”: o garoto Justin Bieber.

Isso porque, com a chegada do juvenil e possivelmente impúbere astro da música pop, que veio ao Brasil para uma série de shows que desesperaram adolescentes e ofereceram pautas fáceis para jornais de todo o país eu acabei me deparando, em minha própria timeline do Twitter, outrora tranqüila e pacata, com níveis de ódio, rancor, revolta, tensão e hostilidade que eu só esperava testemunhar durante eventos como guerras civis, revoluções, conflitos étnicos ou clássicos regionais de futebol transmitidos pela TV aberta.

Pessoas pacatas, tranqüilas e afáveis juraram esfolar o garoto. Garotas corretas e de boa família prometeram atos de violência indescritível e homens crescidos e barbudos, que não teriam a menor razão para jamais ter ouvido “Baby, Baby”, se comprometiam a justiçar o garoto como se tivessem tido suas mães apalpadas pelo rapaz durante um evento de família. Mas o que tantas pessoas podem ter contra o Justin Bieber?

Pode ser a música, que é de qualidade duvidosa? Claro, é possível. Mas ao mesmo tempo existem diversos outros artistas de qualidade também deveras questionável e que não polarizam toda essa antipatia. Pode ser o visual do garoto, que nos lembra o quanto a juventude de hoje caminha para que tenhamos uma geração de adultos de franjinha que só usam calça colada? Talvez, mas isso também está longe de ser exclusividade dele e nunca vi adultos se mobilizando nas mídias sociais contra os Jonas Brothers.

Pode ser por uma possível superexposição do astro teen, que estaria em todos os lugares, sintonias e notícias? Faz sentido, mas eu mesmo admito que consegui viver durante muito tempo sem imaginar o que era um Justin Bieber e fui ouvir falar no moleque exatamente por conta dos comentários hostis nas redes sociais, com a divulgação do garoto sendo feita basicamente por quem queria que ele sumisse do mapa.

Justin Bieber com sua namoradinha no Brasil. Tá, e daí?

A grande verdade é que provavelmente a Internet tem nos deixado infantilmente implicantes. Reclamamos de séries que nem assistimos, criticamos músicos que não ouvimos, falamos mal de filmes dos quais vimos apenas um trailer, bootleg, em resolução baixa e retirado de um site russo hospedado num servido pirata.

Todas as possibilidades de expressar opinião, de tornar públicos os nossos pontos de vista, deixaram em alguns de nós a impressão de que a opinião é obrigatória, todos os temas merecem ser comentados e tudo, seja uma música que não gostamos ou uma matéria de jornal que não entendemos merece uma reclamação. E em caixa alta, que é pra não dar margem pra dúvidas.

Claro, é muito importante termos opiniões e é muito valioso expressá-las. Assim já começaram revoluções, assim já derrubaram governos, assim possivelmente até contribuíram pro retorno de Arrested Development. Mas depois de uma certa idade é bacana que a gente tenha a capacidade de separar o que é reclamação legítima, o que é desabafo e o que é protesto do que é puro e simples mimimi. Afinal, isso de falar que tudo é uma puta falta de sacanagem e reclamar muito no twitter sempre acaba parecendo coisa de fã do Restart.

João Baldi Jr.

João Baldi Jr. é jornalista. Turn ons: quadrinhos, ficção científica, humor de borda e pão de fôrma com requeijão. Escreve no (www.justwrapped.me/) e discute diariamente os grandes temas - pagode, flamengo, geopolítica contemporânea e modernidade líquida. No Twitter, é o (@joaoluisjr)


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • http://diariosproibidos.blogspot.com/ Samyta Nunes

    Haha, adoro!
    Falou tudo, João.
    Tô de saco cheio de mimimi também, é uoh!!!

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      E claro, a mesma internet que permite o mimimi reage graficamente a esse mesmo fenômeno : http://www.xani.com.br/post/9375279869/keep-calm

      • http://diariosproibidos.blogspot.com/ Samyta Nunes

        Muito bom! rs
        Fiquei rindo sozinha aqui. kkk

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000104077969 Guilherme Casimiro

    Falta bola no saco do mundo, isso sim.

  • Victor Alexandre

    Concordo contigo, mas, porém, todavia, entretanto, odeio o Justin. Abraços’

    • http://www.facebook.com/killersandro Sandro Guedes de Souza

      Odeia? E o que foi que ele te fez mesmo? =)

      • Victor Alexandre

        Poluição sonora, ter dito a celebre frase, ‘estou ficando mais conhecido que Jesus’, além de acabar com o que podemos de chamar de um bom gosto musical . Mais ? Abraço’

      • http://www.facebook.com/killersandro Sandro Guedes de Souza

        Acaba? Eu continuo vendo boa música por ai, com ou sem Justin Bieber =)

      • http://twitter.com/dscorzoni Danilo Scorzoni Ré

        “Estamos mais conhecidos que Jesus” também é frase do John Lennon na época dos Beatles… o que resultou na morte dele por um fanático religioso. Essas religiões viu…

    • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

      O Justin é um mala-sem-alça. “Bonitinho”, cheio da grana, mas mala-sem-alça. E os fãs dele são os mais sem-noção da face da Terra. Pior do que eles, só pagodeiros e pseudo-funkeiros.

    • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

      O Justin é um mala-sem-alça. “Bonitinho”, cheio da grana, mas mala-sem-alça. E os fãs dele são os mais sem-noção da face da Terra. Pior do que eles, só pagodeiros e pseudo-funkeiros.

      • Victor Alexandre

        Aleluia, alguém com pensamento sensato!

      • Victor Alexandre

        Aleluia, alguém com pensamento sensato!

      • Victor Alexandre

        Aleluia, alguém com pensamento sensato!

    • http://profiles.google.com/gsbadbr Gustavo Sá

      O Vitor e as pessoas como ele são o motivo principal de todo esse hypezinho “amo / odeio” ao redor desse bunda-rachada do Justin Bieber..

      Sinceramente o fato dele existir, não altera em nada a minha vida.. e nem meu gosto musical oitentista..

      Eu kero é q se foda.. rsrss em suma..

  • Anônimo

    João, ótimo texto. Em especial o antepenultimo parágrafo.

    Mas aqui, eu ainda posso continuar implicando com quem colocou fotos de desenhos animados no perfil para combater a violência infantil?

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Eu sinceramente ainda não entendi essa também, sério mesmo. Como disse um cara, a gente passa 12 horas fora da internet e quanto volta o facebook tá cheio de personagens de desenho animado discutindo a morte do Steve Jobs. Um dos momentos mais wtf do último mês. 

      • Anônimo

         Este facebook é um museu de grandes novidades né João!? Espera só o Natal pra você ver…

      • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

        Eu cada dia mais vejo o facebook como um orkut sem as comunidades pra baixar música e seriados. Ah, e com a opção cutucar também, a gente nunca pode esquecer

      • http://about.me/roh Rodrigo Santos

        Nem dava pra diferenciar cada uma das pessoas kkkk

        Fizeram isso por ‘combate a violência infantil’, para relembrar tempos de infância, etc.

        É um protesto sem finalidade nenhuma, só pra mostrar quantas pessoas tentam defender a causa.

        Eu não coloquei, coloquei uma foto do pedobear por alguns instantes só pra contrariar o povo.

    • http://twitter.com/lucasscharf Aleatório

      Para combater a violência infantil, eu prometo mudar o meu avatar para o PedoBear xD

  • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

    Fato, Marcelo, nunca tivemos tantas ferramentas e tantos meios pra mostrar o quão implicantes (e etc) nós somos. Saudades de quando as pessoas usavam a internet apenas pra baixar pornografia.

  • Anônimo

    “A grande verdade é que provavelmente a Internet tem nos deixado infantilmente implicantes.”

    Este trecho resume tudo. Pessoas “odeiam” ou “amam” coisas, que na maioria das vezes só deviam “agradar” ou “desagradar”, ocorre essa transposição dos verbos.

    Enfim, muitos têm seus motivos, alguns até válidos, mas no geral também acho ruim esse superdimensionamento das coisas e das pessoas, do qual o texto trata. Esse: Olhar as coisas pelo o que elas não são de verdade.

  • http://www.facebook.com/killersandro Sandro Guedes de Souza

    Estou de acordo com o Marcelo, lá em cima, quando citou a frase:

    “Não foi o mundo que piorou, as coberturas jornalísticas é que melhoraram muito.”

    Com acesso facilitado à informação fragmentada, tem-se muito mais do que reclamar, né?

    Pessoalmente, não tenho nada contra o Justin Bieber. A músiquinha pop dele agride meus tímpanos, ok…mas isso é motivo pra eu odiar o cara? Ah, mas tem as fanzinhas histéricas e com pulseirinha e com fome e que acham tudo isso uma puta falta de sacanagem também…e daí? Que porras eu tenho haver com isso? Vai resolver se eu xingar muito no twitter?

    No mais, eu acho que falo por muita gente quando digo que…no lugar do garoto eu estaria fazendo exatamente a mesma coisa. A parte das declarações de ódio e mimimi e blablabla, eu seria rico e estaria sempre comendo uma gostosa ou outra por ai. É ou não é o sonho de muitos homens?

    Deixa o moleque lá, cantando as musiquinhas dele. Viver a própria vida é bem mais prazeroso que viver a dos outros, afinal.

    • Rafa

      Música é o novo tabu.

      • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

        As pessoas hoje em dia reagem diante do gosto musical dos outros com uma contundência que parece que tão discutindo política durante o período da ditadura. 

      • http://www.facebook.com/killersandro Sandro Guedes de Souza

        Tribos musicais são as próximas torcidas organizadas. Vai por mim.

      • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

        As pessoas hoje em dia reagem diante do gosto musical dos outros com uma contundência que parece que tão discutindo política durante o período da ditadura. 

  • http://www.facebook.com/people/Reysi-Pegorini/1398276764 Reysi Pegorini

    Pô uma puta falta de sacanagem, o moleque já viajou o mundo enquanto eu pego sapo em brejo.
    Hahaha, isso é inveja, garoto já ganhou milhões, pegou gostosas cantando baby baby, enquanto muitos passam a vida numa mesa de escritório pra conseguir pagar as contas e quem sabe algum dia ir a um show de metal p.ex e depois comentar no twitter: Isso sim é show de verdade…

  • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

    Puta texto, Baldi.

    O comentário em negrito do Marcelo aí em cima é o complemento perfeito.

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

       Valeu, Guilherme. E realmente, Marcelo complementou com categoria ali no primeiro comentário

  • Leon Parreira Garcia

    Uma pena Arrested Development ser cancelado…

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Ao menos vai voltar pra mais uma temporada e depois um filme (foi o que o Ron Howard disse)

  • http://fabiobracht.tumblr.com Fabio Bracht

    Fiquem uma versão cover de “Baby” por uma banda de rock. 

    http://www.youtube.com/watch?v=DBgoTYjVRz0

    Não é exatamente a banda de rock mais macho do mundo, mas diz aí se não ficou muito mais digerível?

    (Esses dias tive essa discussão com um amigo. Chegamos à conclusão que, por baixo de toda a produção e gritos histéricos das tweens, algum talento o guri há de ter, já que, afinal, ele era um anônimo com meia dúzia de vídeos no YouTube até um produtor fodão ver potencial e despejar muita grana em cima.)

    PS.: Qual a manha pra incorporar vídeo no comentário, se é que tem como?

    • http://www.facebook.com/killersandro Sandro Guedes de Souza

      Um mínimo de talento é fundamental. O sucesso pode até ser mérito dos produtores e empresários, mas seria inviável se o moleque não tivesse um certo potencial para a coisa. Isso, por si só, já faz dele “um pouco mais” do que muita gente.

      E quanto às músicas dele…ok, eu também não gosto. Acontece que eu não gosto de muita coisa e tem música por ai que faz “baby baby” parecer a sinfonia nº9. (Né, Rebecca Black?)

      • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

        É, alguma coisa o guri deve ter, essas coisas nunca são completamente shuffle (“olha, um garoto, vamos pegá-lo e gravar um cd, só pela zuera”)

      • http://www.facebook.com/killersandro Sandro Guedes de Souza

        “For the lulz”

      • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

        É, alguma coisa o guri deve ter, essas coisas nunca são completamente shuffle (“olha, um garoto, vamos pegá-lo e gravar um cd, só pela zuera”)

    • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

      Você tá chamando ISSO de rock???? Fala sério!!!!
      Eu acho ESTA versão aqui bem mais legal.
      http://www.youtube.com/watch?v=lpd5tm-JyVQ
      Experimenta ouvir. Quero ver se você agüenta.

      • http://fabiobracht.tumblr.com Fabio Bracht

        Nossa, amigo, peço desculpas, mas isso aí pra mim é pura punhetagem. É um guitarrista querendo mostrar como sabe tocar igual a um robô e um vocalista querendo mostrar como aguenta segurar um gutural fodidaço. Ouvir isso não tem nenhum prazer, não traz nenhum sentimento. Pra mim. 

        Sem contar que não se reconhece a música original em nenhum elemento. Uma paródia em que não se perceba o material parodiado, pra mim, é falha. Na minha cabeça, rock e metal são coisas bem diferentes. E acho que se fôssemos atrás das definições geralmente aceitas desses dois gêneros, poderemos concordar com isso.

    • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

      Você tá chamando ISSO de rock???? Fala sério!!!!
      Eu acho ESTA versão aqui bem mais legal.
      http://www.youtube.com/watch?v=lpd5tm-JyVQ
      Experimenta ouvir. Quero ver se você agüenta.

  • Anônimo

    Superdimensionamento caro Alessandro, pró ou contra, não ajuda ninguém a ter nenhuma concepção melhor de nada. É apenas uma espécie de cegueira coletiva.

    Agora, se é justificável que as meninas amem ou que os meninos odeiem, bem eles são adolescentes dá -se o benefício da dúvida aos garotos nesses casos. E também não posso dizer muita coisa por não ser nenhum dos dois. Difícil é ver marmanjo de barba por aí bravando horrores contra a incumbência de um garoto que não é nada mais do que é.

    Sabe como é, casos de maturidade mal solucionada.

  • http://about.me/roh Rodrigo Santos

    Puro mimimi.

    Sempre vai haver alguém reclamando desse cara e de muitos outros. Temos dois grandes grupos: os que gostam e os que odeiam. Os que odeiam, por ser algo que é de gosto duvidoso para eles sempre irá reclamar. Mas pra que ficar gastando letras pra reclamar do cara.

    Ele que se ferre! Os haters sempre reclamam por causa da personalidade dos que odeiam ou de acordo com o momento: que é pedrificar o cara. Incrivelmente, por pior que pareça eu conheço gente que odeia rock mas não fica de mimimi por ae.

    Belo texto.

  • Lilla

    Parabéns pelo excelente texto, Baldi. Sabe, quando vejo essas críticas exageradas, fico me perguntando se as pessoas tinham esse “bom gosto” tremendo quando eram adolescentes. Esses dias, num grupinho de amigas estávamos comentando sobre nossas pirações com o New Kids on the Block e outros similares da época. Aff, como éramos tolinhas!

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Sim, sim, são vários fãs do Westlife reclamando que falta conteúdo nas músicas do Justin Bieber (assim como garotas que já gostaram de Twister ficam zoando as irmãs mais novas que ouvem Restart). Fases são fases, adolescentes são adolescentes.

  • Danilo Barba

    Pasmem, mas a minha avó realmente tem um MacBook e manja mais de OS do que eu. 

  • Luiz Fernando

    Realmente, é muito ódio pra pouca coisa. Na verdade, parece até recalque, porque, no fundo no fundo, gostariam de ser ricos, famosos e pegar quem quiser por aí.

    No feriado a Globo transmitiu o show dele e minha TV do quarto só pega Globo e canal religioso. Minha mãe, que não é lá religiosa, tava vendo uma missa chata e monótona só pra não ver o show do cara, por pura implicância.

    Eu gosto de música, ponto. Qualquer música, ponto. Todo tipo de música, ponto. Se Justin Bieber começar a tocar no rádio, eu vou ouvir de boa, como ouço Rebolation, Cazuza, Legião, etc, etc.

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      É, a gente acaba sendo induzido a antipatia sem nem conhecer direito com o que está antipatizando. Eu mesmo, depois de tanto ouvir gente reclamando do garoto, quando finalmente ouvi alguma coisa dele fiquei até decepcionado. Sério, eu tava esperando uma atrocidade musical, um crime de traição diante dos ouvidos humanos, e ele é só…sei lá…adolescente. Bobo, no máximo. Nem chega perto do Gipsy Kings em termos de irritar um ser humano.

  • Rodrigo Cambiaghi

    Dado:
     
    Post sobre o Justin Bieber (esse aqui)86 likes e 32 comentários (and counting…)

    Post do Miles Davis
    http://papodehomem.com.br/miles-davis-era-do-contra/
    17 likes e 11 comentários.

    O número de acessos de cada post deve ser igualmente discrepante no Analytics.

    Números comprovam: As pessoas preferem ler e discutir Justin Bieber muito mais do que Miles Davis.

    O Justin Bieber não ta errado, as pessoas que estão

    • http://twitter.com/rafaelcgo Rafael Oliveira

      Será?

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Cambiaghi, me senti levemente culpado agora, cara. 

      • Rodrigo Cambiaghi

        Não se culpe Baldi, to só pagando de intelectual.
        Eu acho Miles Davis chato pra caralho.

      • http://diariosproibidos.blogspot.com/ Samyta Nunes

        I can relate…rs

  • http://twitter.com/rafaelcgo Rafael Oliveira

    PORRA!

    Concordo 100%

  • Rafa

    A gente vive numa época em que é possível falar numa mesa de bar, abertamente, sobre as nossas perversões sexuais mais bizarras. Agora, experimente falar mal de qualquer banda ou estilo musical para ver seus defensores espumar de raiva enquanto tentam te matar. Música virou o novo tabu

    Aí você pega este comportamento e leva para o Twitter, a ferramenta mais eficiente para reclamações (http://migre.me/5VdBc) e que possui o maior porta-malas da categoria. O resultado é essa beleza que a gente tá vendo.

  • Rodrigo Queluz

    Essa chatice fica mais exposta se você assistir vídeos clips no youtube. No meu trabalho, estuco música pelo youtube, através das minhas inúmeras listas de reprodução. De vez em qdo dou uma checada no vídeo (normalmente deixo de fundo) e é normal ver “manifestações” do tipo que 95% ouvem uma coisa e 5% ouvem outra, que se você fala uma banda, eu te falo outra. E por ae vai.

  • Rodrigo Queluz

    Agora opinião sobre o assunto.

    O que fica mais evidente, não é a opinião das pessoas. Se um maluco odeia Justin Bieber e fica xingando no twitter, problema dele, se não quer ver isso, é só ignorar. Mas o problema está na forma com que algumas pessoas tentar IMPOR esse tipo de pensamento!!

    Não basta não gostar, tenho que provar pra todo mundo que não presta. E isso vale para a maioria dos fãs. Não basta amar, tenho que provar que é o melhor, o mais lindo, cantor do multiverso. Nada mais presta. Eu compararia um pouco aos torcedores exaltados de futebol. Podem trabalhar juntos, ser amigos, mas quando o assunto (futebol, justin bieber) entra em pauta, dois rivais até a morte.

    Pessoalmente, acho legalzinha algumas músicas. Tenho uma irmã de 13 anos que sempre foi viciada nesse tipo de música, assim como Restart. E quer saber? Como irmão mais velho, aprovo e prefiro. Letras bobinhas, ídolos fazendo coraçãozinho. Que mal tem nisso?

  • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

    Obrigado, Isa (e te falo que essa coisa de manter a lucidez na internet realmente é complicada e qualquer pessoa que me vê no twitter durante os jogos do meu time sabe disso)

  • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

    Ah, mas achar bonito é totalmente dissociado do conceito musical. Pergunta pra qualquer cara o que ele acha da Shakira e depois pergunta se isso o motiva a sair cantando “loca, loca, loca” por aí.

  • Anônimo

    Não faz a menor diferença a existência ou não do Justin Bieber, não ouvi, não ouço e nunca ouvirei sua voz de taquara rachada em meu player, fora a cobertura “jornalística” de sua visita ao Brasil, não preciso nem ver sua cara.

    Assim como também não sei – e nem quero saber – quem ganhou A Fazenda, o BBB e outros lixos realísticos. Mudo de canal, simples. Não tem nada pra ver na TV aberta e você não tem nem mesmo um GatoNet, vá ler um livro, vai namorar, vai beber com os amigos, vai dormir, não precisa odiar coisas que não afetam sua vida.

    Durante muito tempo achava um absurdo que nos programas de TV não se apresentavam as bandas que gosto, até que percebi que ainda bem que eles não apareciam no Faustão, no Gugu ou no Raul Gil, eu não iria assisti-los nesses programas mesmos, então que continuem a se apresentarem nos meus DVDs.

    Não gosto das musiquinhas pops de hoje em dia, questão de gosto, mas deixem as menininhas gritarem até ficarem se voz, os Beatles tiveram as primeiras fãs histéricas da históricas, e hoje são considerados a maior banda de todos os tempos – eu prefiro os Stones e o Led -, quem sabe o Justin Bieber venha a ser um novo Sinatra quando deixar de ter voz de garça fanha.

    O legal da internet hoje em dia é reclamar de tudo, se você não reclama, passa por chato e sem opinião, não se pode ignorar nada, mesmo que você nem saiba o que está ignorando.

    • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

      Led Zeppelin é legal. Mas eu prefiro Deep Purple e Black Sabbath. Iron Maiden, Whitesnake, AC/DC. Sex Pistols, Ramones, Pantera, Metallica, Nirvana, e outras coisas.
      JUSTIN BIEBER MOTHERFUCKER. DID YOU HEAR IT????

      • http://www.facebook.com/people/Luis-Rangel-Amorim/100000266374850 Luis Rangel Amorim

        huaeheuHAUehauheuAHEuaheuAHEuahuehaue

  • Rafa

    A gente esquece que Justin Bieber é que nem gibi da Mônica. Foi feito sob medida pra ser gostado por um determinado público, com todos os aspectos bons e ruins que lhe são peculiares – como qualquer estilo musical, diga-se de passagem. Nenhum escapa.

    O teor das letras, as levadas, as harmonias, é tudo feito pra funcionar. E quando a comunicação se dá, o povo surta.

    E o argumento é quase sempre de que esses moleques deveriam ouvir outra coisa, que quase sempre não tem absolutamente nada a ver com o universo dessas crianaças.

    É uma fase que passa. Resta saber se o garoto vai crescer e amadurecer junto com o seu público.

    E quando pintar o próximo ídolo teen, vai começar toda a gritaria de novo. =/

  • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

    Minha filha é fã desse cara. Veja bem. Eu disse fã. Não fã-nática, como as beliebers. A verdade é que o cara é chatinho, mas as menininhas gostam dele. Mas, a grande verdade é que, com uma conta bancária tão gorda quanto a dele (O cara vale US$ 200.000.000,00!!!! Isso é GRANA PRA CARVALHO!!!!), qualquer um se tornaria um GATÃO!!!! Mas, eu tive a “oportunidade” de assistir pela televisão uns pedacinhos do show do cara, e percebi uma dupla de guitarristas – um branco com uma Gibson Les Paul Zakk Wylde, e um negão com uma Fender Stratocaster – que tocava PRA CARVALHO!!!!

  • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

    E, observando isso, eu me pergunto: Por que algumas músicas são tão estéreis nos CD’s, e tão legais em suas versões ao vivo???? Alguém poderia me explicar esse fenômeno???? Só alguns exemplos de músicas que são “matadoras” em suas versões ao vivo:

    1. Pais e Filhos, da Legião Urbana. Aquela guitarra, na versão ao vivo, é totalmente inesquecível.
    2. Recompensa, da cantora Cassiane. Na hora do refrão, tinha uma guitarra brutal dobrando o teclado.
    3. O tema de abertura da novela “Rebelde”, em sua versão original, mexicana. Num trailer de um show, eu não pude deixar de notar que entrava uma guitarra simplesmente “animal” no refrão.

    Esses foram só alguns exemplos. Eu sei que existem muitos outros.

    • Rafa

      Ao vivo a gente costuma ouvir uma banda com um trabalho mais maduro do que o registrado em estúdio. Se a banda tiver um arranjador foda assinando o show, também melhora bastante o desempenho.

  • http://www.myspace.com/bluesy_marcos Matsuura Junichiro

    Isso não tem muito a ver. A Mulher Melancia, segundo 100% dos homens, eu incluído, lógico, é uma tremenda gatona (quem gosta de osso é cachorro). Mas não entende nada de música. Preferencia sexual e gosto musical, não necessariamente tudo a ver. Se o cara não gosta de Rap, ele tem que ser racista???? Nada a ver. Se o cara acha, por exemplo, que casamento gay não tem nada a ver (hoje em dia muitos heteros fogem de casamento com um vampiro foge da cruz), que não é a praia dele, ele tem que ser homofóbico???? Nada a ver. Se o cara não acha a menor graça num jogo de futebol, ele tem que ser gay???? Nada a ver, de novo. Se o cara curte um Metal, ele tem que ser um psicopata???? Nada a ver, mais uma vez.

  • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

    Boa discussão essa aqui. Também acho um mimimi do caralho essa frescura com o garoto.
    Cara, foda-se, se eu nã gosto da música, não ouço. Se não gosto de falar dos outros, não falo. Tanta coisa útil pra falar e sexo pra fazer e as pessoas perdem tempo com uma coisa simplesmente inútil! E aí se enquadra toda a discussão, programas, revistas e etceteras sobre a vida de grandes celebridades. E cá entre nós, tem exemplos muito piores pra nossa geração (na música mesmo) do que um garoto que faz papel de boy band sozinho.

    Abraço.

  • http://www.facebook.com/naninha Ariana Mendonca

    Queria muito saber o que aconteceu com o “mude de canal”… Não gosta, não ouça, não veja, não leia.. que saco ouvir todo mundo reclamando de tudo o tempo todo… Get a life!

  • Jorge Venta

    Outro dia fui obrigado a escrever a asneira abaixo, pensando nesse tipo de cousa:

    Hoje você consegue compor uma música em casa no seu PC, Disponibilizar um Livro online com alcance mundial, Fazer um curtametragem usando um celular (tem dúvida?) Mostrar seus desenhos/pinturas/tatuagens para alguém que mora no Cazaquistão. Com isso tudo eu, sonhador, imaginava um mundo com alguns bilhões de artistas Mesmo que artistas do ócio, a arte como pura vontade de fazer barulho. Porém as redes sociais criaram um bilhão de Críticos, Com C maísculo mesmo, daqueles que usam todo seu conhecimento para descontruir e não para construir.

  • http://www.facebook.com/people/Jorge-Vieira/100000339133670 Jorge Vieira

    Cousas do tipo me fizeram escrever a asneira abaixo dias atrás:

    Hoje você consegue compor uma música em casa no seu PC, Disponibilizar um Livro online com alcance mundial, Fazer um curtametragem usando um celular (tem dúvida?) Mostrar seus desenhos/pinturas/tatuagens para alguém que mora no Cazaquistão. Com isso tudo eu, sonhador, imaginava um mundo com alguns bilhões de artistas Mesmo que artistas do ócio, a arte como pura vontade de fazer barulho. Porém as redes sociais criaram um bilhão de Críticos, Com C maísculo mesmo, daqueles que usam todo seu conhecimento para descontruir e não para construir.

  • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

    Lili, não quis em nenhum momento minimizar o problema com o qual a iniciativa é relacionada, apenas mencionei minha confusão diante da iniciativa em si.

  • http://www.facebook.com/gprista Gustavo Prista

    João, mais uma vez eu me sinto como se estivesse em um bar conversando com um amigo meu. É raro ter alguém escrevendo aqui no PdH com opinião tão parecida com a minha. 

    Eu tenho escrito algumas coisas no sentido dessa necessidade de sempre ter que dar opinião. A última vez foi com a transformação de Belo Monte no “protesto hype do mês”. A necessidade das pessoas de fingir entender, de emitir opinião, etc… acaba levando muita besteira a ser escrita. Se a anarquia da internet permite isso, por que não?

    Eu sempre tento ter uma opinião antes de sair criticando a torto e a direito, até tenho um “crepúsculo” aqui em casa que eu me jurei ler algum dia pra ter noção do que as pessoas tanto cornetam…Sei que a sinopse já é meio imbecil, mas ainda assim, não faço parte dessa frente que critica per se.

  • http://www.facebook.com/gprista Gustavo Prista

    Exato! Aí cria-se um consenso: criticar a moda não rende likes.
    Mais ou menos o fenômeno que alavancou “a banda mais bonita da cidade.” Antes de criticar ou elogiar a música, é o tipo de viralidade que chega em um ponto onde vai ter gente repostando pra entrar na moda e ganhar like… se 3208 pessoas ja postaram isso no seu facebook ou 29483098 pessoas retwittaram, eu não entendoo porque de mais e mais repostagens…

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5538 artigos
  • 661801 comentários
  • leitores online