Scotch, por favor. Sem gelo.

Rodrigo Almeida

por
em às | Frentes


O herói mais querido (pelos nerds) da DC

“No dia mais claro, na noite mais densa,
O mal sucumbirá ante a minha presença.
Todo aquele que venera o mal há de penar,
Quando o poder do Lanterna Verde enfrentar.”

Ele foi escolhido. Ele fez o juramento. Ele decidiu salvar a Terra.
Não perca a estreia de Lanterna Verde no Cinemax.

Um doente estafado de uma cavalgada que cruzou grande parte do território escocês foi medicado com uma droga anestésica na primeira metade do século 15.

Os monges celtas que o tratavam, já haviam utilizado este medicamento mais de uma centena de vezes. Devido à crença que esses religiosos depositavam na bebida que aliviava a dor daqueles que portavam graves enfermidades, batizaram-na de aquavitae, ou água da vida.

Esse registro (historicamente não confirmado) levanta a suposição que a arte de destilação da aquavitae já era conhecida na Irlanda, onde operava a Igreja Celta. Essa droga que os monges produziam era baseada em uma mistura de maltes especiais destilados. Quando a droga popularizou-se na Escócia, a palavra aquavitae foi traduzida para o gaélico escocês como uisge beatha e, posteriormente, usquebah (cuja pronúncia se parece com uísque).

Entretanto, mesmo que os monges já destilassem em toda Europa o malte que entraria para a história, foi na escócia que eles encontraram o mais formidável de todos os terroirs.

Para o leitor que não está familiarizado com a expressão, terroir significa uma reunião de todas as características climáticas e geológicas de uma determinada região que, quando juntas influenciando a produção de uma determinada iguaria, a tornam única e diferenciada de outra produzida em uma região de terroir diferente.

Em 1845 o Frade John Cor publicou o famoso pedido de compra de oito bolls (1300L) da bebida, em nome do rei da Escócia. Esse foi o primeiro registro de uma transação de Whisky conhecida na história. Em 1850, burgueses escoceses como John Walker, George Ballantine, James Chivas, John Dewar e Matthew Gloag começaram a produzir blends com grãos leves. Desde então o Whisky escocês vêm liderando as vendas em relação aos produzidos em qualquer outro lugar do planeta.

A produção de Whisky foi se diversificando e tornando-se mais complexa na medida em que as principais destilarias escocesas cresciam. Entretanto os Whiskys que realmente vendiam eram os Malt Whisky que podem ser formados por um único malte, por um malte puro de uma só destilaria, ou por um blend deles, e o Grain Whisky que pode ser destilado a partir de grãos de milho ou de trigo.

Em uma garrafa de Scotch Whisky existem cerca de 800 compostos químicos dos quais 44 vêm do carvalho do barril. Não existem 2 scotch whiskies iguais, embora algumas vezes duas ou mais destilarias pertençam ao mesmo dono, usem a mesma cevada, água, barril, etc. Elas sempre produzirão produtos finais diferentes. Uma vez engarrafado a bebida torna-se complexa através de seu envelhecimento.

Um Whisky pode ser feito 100% com cereais maltados, provenientes de uma única destilação e, por isso mesmo, pode apresentar sabores diversos de acordo com cada processo. Esse tipo de Scotch é chamado de Puro Malte. Os “Puro Malte” podem ser engarrafados como “Single Malt” no qual apenas uma destilação é utilizada ou como “Vated” no qual várias destilações “single malt” são misturadas para se conseguir o profuto final. Entre os apreciadores é comum afirmar que o “single malt” é um músico solista se apresentando, enquanto o “vated” é toda a orquestra tocando junta.

Essa bebida é envelhecida por no mínimo 6 anos. Um Scotch tradicional, por no mínimo 8. Considerando que um blender especialista cuja formação de toda uma vida o tornou capacitado para preparar essa ilustre iguaria por 12, 15, 18, 21 anos ou mais, você não acha que seria uma pouco de desrespeito da sua parte misturar guaraná, soda ou energético com seu Whisky?

Amanhã, na continuação da matéria, você irá conhecer alguns dos melhores scotchs do mundo e os “Whiskys” fabricados em outras regiões, tais como Estados Unidos e Irlanda do Norte.

Rodrigo Almeida

Engenheiro, apaixonado pela vida e por qualquer coisa com um motor potente, nostálgico entusiasta de muitas daquelas boas coisas que já não mais se fazem como antigamente.


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • Dr. Raven

    A Papo de Homem vai virar papo de cachaceiro… hic, hic !!!

    “Eu bebo sim, estou vivendo…”

  • Dr. Raven

    A Papo de Homem vai virar papo de cachaceiro… hic, hic !!!

    “Eu bebo sim, estou vivendo…”

  • Dr. Raven

    A Papo de Homem vai virar papo de cachaceiro… hic, hic !!!

    “Eu bebo sim, estou vivendo…”

  • Rodrigo Almeida

    O que não seria um problema já que porre de Whisky não dá dor de cabeça!

  • Rodrigo Almeida

    O que não seria um problema já que porre de Whisky não dá dor de cabeça!

  • Rodrigo Almeida

    O que não seria um problema já que porre de Whisky não dá dor de cabeça!

  • http://jonatasgardin.com/ Jônatas Gardin

    Já deu água na boca.

    Opa! Água na boca estraga o whisky.

    Bela matéria. Espero a continuação.

  • http://jonatasgardin.com/ Jônatas Gardin

    Já deu água na boca.

    Opa! Água na boca estraga o whisky.

    Bela matéria. Espero a continuação.

  • http://jonatasgardin.com Jônatas Gardin

    Já deu água na boca.

    Opa! Água na boca estraga o whisky.

    Bela matéria. Espero a continuação.

  • http://saladadebits.blogspot.com/ Ramon E. Ritter

    Foi muito interessante conhecer a história do whisky. Eu imaginava, porém, que essa bebida fosse muito conhecida a muito mais tempo. Acho que é influência dos filmes do highlander… :)

  • http://saladadebits.blogspot.com/ Ramon E. Ritter

    Foi muito interessante conhecer a história do whisky. Eu imaginava, porém, que essa bebida fosse muito conhecida a muito mais tempo. Acho que é influência dos filmes do highlander… :)

  • http://saladadebits.blogspot.com Ramon E. Ritter

    Foi muito interessante conhecer a história do whisky. Eu imaginava, porém, que essa bebida fosse muito conhecida a muito mais tempo. Acho que é influência dos filmes do highlander… :)

  • Rodrigo Almeida

    Jônatas, eu gosto do Whisky puro mesmo, sem nada. Entretanto há uma escola de apreciadores que acreditam que duas pedras de gelo quando dissolvidas no Whisky liberam aromas que sem a água jamais seriam identificados.

    Também é importante mencionar que o Whisky cowboy quando você toma virando aquela dose áspera, dá uma sensação de chacoalhada, de reabastecimento de energias, de calor… Ideal pra um afterparty!

    já quando você toma um Whisky on the rocks, normalmente se bebe beeeem mais devagar e se aprecia a suavidade da bebida. É um sensação completamente contrária a do Cowboy; é refrescante para caramba, chega a ser um alívio que parece que vai levando embora toda a tensão acumulada do dia. Ideal pra final da rotina de trabalho!

  • Rodrigo Almeida

    Jônatas, eu gosto do Whisky puro mesmo, sem nada. Entretanto há uma escola de apreciadores que acreditam que duas pedras de gelo quando dissolvidas no Whisky liberam aromas que sem a água jamais seriam identificados.

    Também é importante mencionar que o Whisky cowboy quando você toma virando aquela dose áspera, dá uma sensação de chacoalhada, de reabastecimento de energias, de calor… Ideal pra um afterparty!

    já quando você toma um Whisky on the rocks, normalmente se bebe beeeem mais devagar e se aprecia a suavidade da bebida. É um sensação completamente contrária a do Cowboy; é refrescante para caramba, chega a ser um alívio que parece que vai levando embora toda a tensão acumulada do dia. Ideal pra final da rotina de trabalho!

  • Rodrigo Almeida

    Jônatas, eu gosto do Whisky puro mesmo, sem nada. Entretanto há uma escola de apreciadores que acreditam que duas pedras de gelo quando dissolvidas no Whisky liberam aromas que sem a água jamais seriam identificados.

    Também é importante mencionar que o Whisky cowboy quando você toma virando aquela dose áspera, dá uma sensação de chacoalhada, de reabastecimento de energias, de calor… Ideal pra um afterparty!

    já quando você toma um Whisky on the rocks, normalmente se bebe beeeem mais devagar e se aprecia a suavidade da bebida. É um sensação completamente contrária a do Cowboy; é refrescante para caramba, chega a ser um alívio que parece que vai levando embora toda a tensão acumulada do dia. Ideal pra final da rotina de trabalho!

  • Michel

    Whisky é uma delícia, o ruim é que brincar de vira vira com whisky acaba com a gente uhauhauhauha

    Isso é papodehomem, quem é macho bebe ser fazer careta ahhuahauha

  • Michel

    Whisky é uma delícia, o ruim é que brincar de vira vira com whisky acaba com a gente uhauhauhauha

    Isso é papodehomem, quem é macho bebe ser fazer careta ahhuahauha

  • Michel

    Whisky é uma delícia, o ruim é que brincar de vira vira com whisky acaba com a gente uhauhauhauha

    Isso é papodehomem, quem é macho bebe ser fazer careta ahhuahauha

  • Pingback: PapodeHomem :: Lifestyle Magazine » O melhor da Escócia

  • Pingback: Abóbrinhas e Legumes em Geral - Onde se fala Abóbrinha sem discriminar os outros legumes… » Senta que lá vem história…

  • Pingback: PapodeHomem :: Lifestyle Magazine - A única revista que os homens lêem todos os dias » 8 acessórios para impressionar transpirando masculinidade - Parte I

  • Pingback: » Bêbado sim! Ignorante? Nem tanto… - Abobrinhas e Legumes em Geral

  • wandreilla moreira

    Heii
    olha eu aqui não sou homem
    mas vou deixar meu depoimento aqui sobre
    esse otimo assunto .
    vim aqui só p dizer q quem mistura wisky é um troxa
    wisky tem q ser on the rocks…
    bjs

  • wandreilla moreira

    Heii
    olha eu aqui não sou homem
    mas vou deixar meu depoimento aqui sobre
    esse otimo assunto .
    vim aqui só p dizer q quem mistura wisky é um troxa
    wisky tem q ser on the rocks…
    bjs

  • wandreilla moreira

    Heii
    olha eu aqui não sou homem
    mas vou deixar meu depoimento aqui sobre
    esse otimo assunto .
    vim aqui só p dizer q quem mistura wisky é um troxa
    wisky tem q ser on the rocks…
    bjs

  • clécio

    Assim como todo whisky tem diferença de sabor, já dentro do barril de carvalho que promove essa alquimia, toda boca tem uma língua que também sabe o que é melhor para o paladar.
    So, misture o seu whisky com o que melhor lhe agradar e so long.

  • clécio

    Assim como todo whisky tem diferença de sabor, já dentro do barril de carvalho que promove essa alquimia, toda boca tem uma língua que também sabe o que é melhor para o paladar.
    So, misture o seu whisky com o que melhor lhe agradar e so long.

  • clécio

    Assim como todo whisky tem diferença de sabor, já dentro do barril de carvalho que promove essa alquimia, toda boca tem uma língua que também sabe o que é melhor para o paladar.
    So, misture o seu whisky com o que melhor lhe agradar e so long.

  • clécio

    Assim como todo whisky tem diferença de sabor, já dentro do barril de carvalho que promove essa alquimia, toda boca tem uma língua que também sabe o que é melhor para o paladar.
    So, misture o seu whisky com o que melhor lhe agradar e so long.

  • Dindi

    meu primeiro porre foi de whisky… ah, inesquecivel. No dia seguinte não senti nada de dor de cabeça e etc.. só aquela sensação de ter uma laranja entalda na goela… pensei “nunca mais quero saber disso na minha vida!”… no mesmo dia fui a um baile de formatura e um amigo chegou todo empolgado “bebe ai, parceraa!”, adivinha? Tomei whisky a noite inteira…
    hahahahaha.

    Entao percebi: não adianta, whisky é muito massa!!

  • Dindi

    meu primeiro porre foi de whisky… ah, inesquecivel. No dia seguinte não senti nada de dor de cabeça e etc.. só aquela sensação de ter uma laranja entalda na goela… pensei “nunca mais quero saber disso na minha vida!”… no mesmo dia fui a um baile de formatura e um amigo chegou todo empolgado “bebe ai, parceraa!”, adivinha? Tomei whisky a noite inteira…
    hahahahaha.

    Entao percebi: não adianta, whisky é muito massa!!

  • Dindi

    meu primeiro porre foi de whisky… ah, inesquecivel. No dia seguinte não senti nada de dor de cabeça e etc.. só aquela sensação de ter uma laranja entalda na goela… pensei “nunca mais quero saber disso na minha vida!”… no mesmo dia fui a um baile de formatura e um amigo chegou todo empolgado “bebe ai, parceraa!”, adivinha? Tomei whisky a noite inteira…
    hahahahaha.

    Entao percebi: não adianta, whisky é muito massa!!

  • Dindi

    meu primeiro porre foi de whisky… ah, inesquecivel. No dia seguinte não senti nada de dor de cabeça e etc.. só aquela sensação de ter uma laranja entalda na goela… pensei “nunca mais quero saber disso na minha vida!”… no mesmo dia fui a um baile de formatura e um amigo chegou todo empolgado “bebe ai, parceraa!”, adivinha? Tomei whisky a noite inteira…
    hahahahaha.

    Entao percebi: não adianta, whisky é muito massa!!

  • Pingback: Pai d’égua

  • Pingback: Cultura inútil « Pai d’égua

  • Samuel

    Um bom uísque combina com uma bela noite de Blues

  • Samuel

    Um bom uísque combina com uma bela noite de Blues

  • Samuel

    Um bom uísque combina com uma bela noite de Blues

  • Samuel

    Um bom uísque combina com uma bela noite de Blues

  • Pingback: Scotch, por favor. Sem gelo. | Papo de Bêbado. Sua revista oficial sobre Bebidas Alcoólicas.

  • Pingback: Johnnie Walker Blue Label. Meu relato. — A Revista Papo de Homem - Lifestyle Magazine

  • http://www.atuante.com/ Luiz

    Pois é, passei por esse post, mais de um ano depois, e não conhecia nem o portal PapodeHomem.
    Sempre fui bebedor de cerveja, nunca gostei de uísque, e ainda fala mal de quem bebia. “bebida de cara metido”, ” frescura”…
    Em setembro deste ano (2008), numa festa, fui apresentado ao Black & White.
    Como é de costume, no calor do Nordeste (pois estou em Recife), me serviram uma dose de uísque, com outra de água de coco e duas pedras de gelo.
    No primeiro gole, já achei muito bom. O cheiro da bebida, suavidade, e ainda a mistura com o doce do coco…
    Nem aquela historia de que “o primeiro gole do uísque não é bom” serviu, para mim, foi perfeito!
    Mas acho que pela minha “cultura da cerveja” em mais dois goles eu acabei com a dose.
    Nas outras tres doses que tomei em seguida, já comecei a tentar apreciar o sabor e cheiro da bebida. Bebi com calma, degustando, saboreando…
    Fui dormir pensando em como minha opinião sobre uísque havia mudado. Como essa experiência tinha sido boa.
    Mas o melhor ainda estava por vir…
    No outro dia, quando acordei para trabalhar, parecia que na noite anterior eu havia tomado chá com torradas. Acordei completamente “novo”, e não mais com a barriga inchada e a boca amargando da cerveja.
    A partir desse dia, virei fã, não tomei mais cerveja. Comprei uma garrafa de Black & White , e já provei outros rótulos muito bons, como Chivas, Johnny Red e Grand Old Parr.
    Ainda não tomei uísque americano, e estou começando a beber apenas com gelo e cowboy. Deixei de ser um “bebedor de cerveja”, e virei um “apreciador de uísque”.

    Abraços!

  • http://www.atuante.com/ Luiz

    Pois é, passei por esse post, mais de um ano depois, e não conhecia nem o portal PapodeHomem.
    Sempre fui bebedor de cerveja, nunca gostei de uísque, e ainda fala mal de quem bebia. “bebida de cara metido”, ” frescura”…
    Em setembro deste ano (2008), numa festa, fui apresentado ao Black & White.
    Como é de costume, no calor do Nordeste (pois estou em Recife), me serviram uma dose de uísque, com outra de água de coco e duas pedras de gelo.
    No primeiro gole, já achei muito bom. O cheiro da bebida, suavidade, e ainda a mistura com o doce do coco…
    Nem aquela historia de que “o primeiro gole do uísque não é bom” serviu, para mim, foi perfeito!
    Mas acho que pela minha “cultura da cerveja” em mais dois goles eu acabei com a dose.
    Nas outras tres doses que tomei em seguida, já comecei a tentar apreciar o sabor e cheiro da bebida. Bebi com calma, degustando, saboreando…
    Fui dormir pensando em como minha opinião sobre uísque havia mudado. Como essa experiência tinha sido boa.
    Mas o melhor ainda estava por vir…
    No outro dia, quando acordei para trabalhar, parecia que na noite anterior eu havia tomado chá com torradas. Acordei completamente “novo”, e não mais com a barriga inchada e a boca amargando da cerveja.
    A partir desse dia, virei fã, não tomei mais cerveja. Comprei uma garrafa de Black & White , e já provei outros rótulos muito bons, como Chivas, Johnny Red e Grand Old Parr.
    Ainda não tomei uísque americano, e estou começando a beber apenas com gelo e cowboy. Deixei de ser um “bebedor de cerveja”, e virei um “apreciador de uísque”.

    Abraços!

  • http://www.atuante.com/ Luiz

    Pois é, passei por esse post, mais de um ano depois, e não conhecia nem o portal PapodeHomem.
    Sempre fui bebedor de cerveja, nunca gostei de uísque, e ainda fala mal de quem bebia. “bebida de cara metido”, ” frescura”…
    Em setembro deste ano (2008), numa festa, fui apresentado ao Black & White.
    Como é de costume, no calor do Nordeste (pois estou em Recife), me serviram uma dose de uísque, com outra de água de coco e duas pedras de gelo.
    No primeiro gole, já achei muito bom. O cheiro da bebida, suavidade, e ainda a mistura com o doce do coco…
    Nem aquela historia de que “o primeiro gole do uísque não é bom” serviu, para mim, foi perfeito!
    Mas acho que pela minha “cultura da cerveja” em mais dois goles eu acabei com a dose.
    Nas outras tres doses que tomei em seguida, já comecei a tentar apreciar o sabor e cheiro da bebida. Bebi com calma, degustando, saboreando…
    Fui dormir pensando em como minha opinião sobre uísque havia mudado. Como essa experiência tinha sido boa.
    Mas o melhor ainda estava por vir…
    No outro dia, quando acordei para trabalhar, parecia que na noite anterior eu havia tomado chá com torradas. Acordei completamente “novo”, e não mais com a barriga inchada e a boca amargando da cerveja.
    A partir desse dia, virei fã, não tomei mais cerveja. Comprei uma garrafa de Black & White , e já provei outros rótulos muito bons, como Chivas, Johnny Red e Grand Old Parr.
    Ainda não tomei uísque americano, e estou começando a beber apenas com gelo e cowboy. Deixei de ser um “bebedor de cerveja”, e virei um “apreciador de uísque”.

    Abraços!

  • http://www.atuante.com Luiz

    Pois é, passei por esse post, mais de um ano depois, e não conhecia nem o portal PapodeHomem.
    Sempre fui bebedor de cerveja, nunca gostei de uísque, e ainda fala mal de quem bebia. “bebida de cara metido”, ” frescura”…
    Em setembro deste ano (2008), numa festa, fui apresentado ao Black & White.
    Como é de costume, no calor do Nordeste (pois estou em Recife), me serviram uma dose de uísque, com outra de água de coco e duas pedras de gelo.
    No primeiro gole, já achei muito bom. O cheiro da bebida, suavidade, e ainda a mistura com o doce do coco…
    Nem aquela historia de que “o primeiro gole do uísque não é bom” serviu, para mim, foi perfeito!
    Mas acho que pela minha “cultura da cerveja” em mais dois goles eu acabei com a dose.
    Nas outras tres doses que tomei em seguida, já comecei a tentar apreciar o sabor e cheiro da bebida. Bebi com calma, degustando, saboreando…
    Fui dormir pensando em como minha opinião sobre uísque havia mudado. Como essa experiência tinha sido boa.
    Mas o melhor ainda estava por vir…
    No outro dia, quando acordei para trabalhar, parecia que na noite anterior eu havia tomado chá com torradas. Acordei completamente “novo”, e não mais com a barriga inchada e a boca amargando da cerveja.
    A partir desse dia, virei fã, não tomei mais cerveja. Comprei uma garrafa de Black & White , e já provei outros rótulos muito bons, como Chivas, Johnny Red e Grand Old Parr.
    Ainda não tomei uísque americano, e estou começando a beber apenas com gelo e cowboy. Deixei de ser um “bebedor de cerveja”, e virei um “apreciador de uísque”.

    Abraços!

  • Pingback: Rodrigo Castilhos » PapodeBebado » Scotch, por favor. Sem gelo.

  • Pingback: Rodrigo Castilhos » PapodeHomem » O melhor da Escócia

  • Pingback: News PdH: 5000 no RSS, Prêmio Ibest e Supositório Entrevista | Revista Papo de Homem - Lifestyle Magazine

  • patrick

    sou apreciador de whisky e gostaria de esclarecer uma duvida que me intriga.
    tomar whisky com gelo é algum erro?
    é algo incorreto tomar whisky acompanhado de duas pedras de gelo?
    gealmente eu bebo cowboy mas, as vezes aprecio com gelo.
    entao, é algo desrespeitoso, com todo o processo de elaboraçao do whisky, acrescentar gelo?

  • patrick

    sou apreciador de whisky e gostaria de esclarecer uma duvida que me intriga.
    tomar whisky com gelo é algum erro?
    é algo incorreto tomar whisky acompanhado de duas pedras de gelo?
    gealmente eu bebo cowboy mas, as vezes aprecio com gelo.
    entao, é algo desrespeitoso, com todo o processo de elaboraçao do whisky, acrescentar gelo?

  • patrick

    sou apreciador de whisky e gostaria de esclarecer uma duvida que me intriga.
    tomar whisky com gelo é algum erro?
    é algo incorreto tomar whisky acompanhado de duas pedras de gelo?
    gealmente eu bebo cowboy mas, as vezes aprecio com gelo.
    entao, é algo desrespeitoso, com todo o processo de elaboraçao do whisky, acrescentar gelo?

  • patrick

    sou apreciador de whisky e gostaria de esclarecer uma duvida que me intriga.
    tomar whisky com gelo é algum erro?
    é algo incorreto tomar whisky acompanhado de duas pedras de gelo?
    gealmente eu bebo cowboy mas, as vezes aprecio com gelo.
    entao, é algo desrespeitoso, com todo o processo de elaboraçao do whisky, acrescentar gelo?

  • http://www.papodehomem.com.br/author/rodrigoalmeida Rodrigo Almeida

    Patrick,
    não há problema em adicionar gelo se você gosta. Como disse no texto, há especialistas que acreditam que o gelo libera outros aromas e substâncias da bebida. É quase como se você estivesse tomando outra coisa…

  • http://www.papodehomem.com.br/author/rodrigoalmeida Rodrigo Almeida

    Patrick,
    não há problema em adicionar gelo se você gosta. Como disse no texto, há especialistas que acreditam que o gelo libera outros aromas e substâncias da bebida. É quase como se você estivesse tomando outra coisa…

  • http://www.papodehomem.com.br/author/rodrigoalmeida Rodrigo Almeida

    Patrick,
    não há problema em adicionar gelo se você gosta. Como disse no texto, há especialistas que acreditam que o gelo libera outros aromas e substâncias da bebida. É quase como se você estivesse tomando outra coisa…

  • http://www.papodehomem.com.br/author/rodrigoalmeida Rodrigo Almeida

    Patrick,
    não há problema em adicionar gelo se você gosta. Como disse no texto, há especialistas que acreditam que o gelo libera outros aromas e substâncias da bebida. É quase como se você estivesse tomando outra coisa…

  • Lis

    Schot, por favor, em taça! É sério, experimentem usar taças, tipo as para degustaçãod e vinho, para a degustação do whisky. Acontece exatamente o mesmo com o vinho, ou qualquer bebida, os aromas são conduzidos e não se perdem vagamente como no copo, a visualização da bebida é melhor pois segurando pela aste da taça você pode observar melhor a coloração, oleosidade e demais particularidades visuais.

  • Lis

    Schot, por favor, em taça! É sério, experimentem usar taças, tipo as para degustaçãod e vinho, para a degustação do whisky. Acontece exatamente o mesmo com o vinho, ou qualquer bebida, os aromas são conduzidos e não se perdem vagamente como no copo, a visualização da bebida é melhor pois segurando pela aste da taça você pode observar melhor a coloração, oleosidade e demais particularidades visuais.

  • Lis

    Schot, por favor, em taça! É sério, experimentem usar taças, tipo as para degustaçãod e vinho, para a degustação do whisky. Acontece exatamente o mesmo com o vinho, ou qualquer bebida, os aromas são conduzidos e não se perdem vagamente como no copo, a visualização da bebida é melhor pois segurando pela aste da taça você pode observar melhor a coloração, oleosidade e demais particularidades visuais.

  • Lis

    Schot, por favor, em taça! É sério, experimentem usar taças, tipo as para degustaçãod e vinho, para a degustação do whisky. Acontece exatamente o mesmo com o vinho, ou qualquer bebida, os aromas são conduzidos e não se perdem vagamente como no copo, a visualização da bebida é melhor pois segurando pela aste da taça você pode observar melhor a coloração, oleosidade e demais particularidades visuais.

  • Lis

    Schot, por favor, em taça! É sério, experimentem usar taças, tipo as para degustaçãod e vinho, para a degustação do whisky. Acontece exatamente o mesmo com o vinho, ou qualquer bebida, os aromas são conduzidos e não se perdem vagamente como no copo, a visualização da bebida é melhor pois segurando pela aste da taça você pode observar melhor a coloração, oleosidade e demais particularidades visuais.

  • Pingback: Scotch, por favor. Sem gelo. | Rodrigo Castilhos

  • Pingback: Síndrome do Pânico: você já teve a sensação que ia morrer? | Papo de Homem – Lifestyle Magazine

  • Afonso Abreu

    Obrigado rapaz, tou em casa a tentar decidir qual a bebida ke vou beber para acalmar a insonia, na casa da mnha mae so ha wiskey, chivas e cutty sark…. surgio a duvida, com ou sem gelo?

    obrigado pelo optimo post
    duvida esclarecida

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5575 artigos
  • 664412 comentários
  • leitores online