Por que você quer tanto ser feliz?

Alex Castro

por
em às | Melhor do PdH, Mente e atitude, PdH Shots


Já pensou nisso?

E daí essa sua felicidade? E daí a minha?

Quem está ligando? Por que é importante?

* * *

Se aparece um gênio da lâmpada, você pediria para ser feliz?

Por que não pedir pra ser bom? Honesto? Justo? Leal?

Ou até mesmo bonito? Pauzudo? Peituda?

Por que pedir logo, entre tantas coisas possíveis, para ser feliz?

* * *

Quando foi que nossa própria felicidade individual assumiu o centro das nossas vidas?

“Feliz” é mesmo a coisa mais importante que devemos querer ser?

Felicidade deve ser mesmo nosso objetivo mais buscado?

É certo querer tanto assim ser feliz?

* * *

Por que tantos livros sobre felicidade na sua estante?

“O zen da felicidade”, “Aprendendo a ser feliz”, “Sua felicidade não tem limites”, “O Dalai Lama quer que você seja feliz”?

Onde estão seus livros sobre ser uma pessoa melhor?

Será que uma das prioridades do Dalai Lama é sua própria felicidade?

Será que uma das prioridades do Dalai Lama é sua própria felicidade?

* * *

O que você está deixando de fazer enquanto corre atrás de ser feliz?

O que você não está lendo enquanto lê sobre a busca da felicidade?

Vale a pena o custo-oportunidade desse seu fetiche?

* * *

O carpinteiro que é feliz em seu trabalho de carpintaria… busca a felicidade?

O pai que experimenta a felicidade ao lado dos filhos… está correndo atrás de ser feliz?

Que tipo de pessoa quer ser feliz?

Que tipo de pessoa busca a felicidade?

* * *

Se a felicidade não é um lugar mas uma sensação, se não é um estado mas um feixe de momentos, se nunca é permanente mas sempre efêmera, se por definição é inalcançável e inatingível, por que correr atrás dela?

* * *

Qual é a grande vantagem de ser feliz?

Ser feliz vai te fazer uma pessoa mais digna, mais honrada, mais aberta?

Ser feliz vai te fazer ouvir os outros, exercitar a empatia, estender a mão?

Ser feliz vai te fazer ter paciência com a mãe, não destratar o garçom, ser fiel à esposa?

O mundo vai ser um lugar melhor se você for feliz?

* * *

Esse desejo de ser feliz já não é intrinsecamente egoísta?

Colocar sua própria felicidade como prioridade já não faz de você uma pessoa intrinsecamente egocêntrica?

Ao invés de querer ser feliz, já pensou em simplesmente querer ser menos egoísta?

Ao invés de correr atrás da sua felicidade, já pensou em correr atrás… da felicidade dos outros?

Por que não?

* * *

Afinal, por que você quer tanto ser feliz?

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // se gostou, assine minha newsletter e receba meus novos textos por email.


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

    podem comentar sem medo de ser feliz!

  • http://bakablues.wordpress.com/ Igor Niemeyer

    vish.

  • Marco A.

    Porque a felicidade é a consequência do auto-aprimoramento. Você não consegue ser realmente feliz sendo injusto, desleal, não dando o seu melhor. Você é feliz quando evolui; a felicidade é a recompensa interna da evolução do indivíduo. Aristóteles afirma que a felicidade só é alcançada através da virtude, logo, a busca pessoal por felicidade não é de maneira alguma egoísta, já que, quando o homem evolui, consegue realizar mais, e com isso, todo o ambiente que o circunda se aprimora.

    • http://www.facebook.com/people/Junior-Oliveira-Santos/1833547255 Junior Oliveira Santos

      Mas também não consegue ser realmente feliz ser for o melhor. As pessoas com uma capacidade a mais, uma vantagem a mais já afasta qualquer outra, e não há “como ser feliz sozinho”. Essa busca pela felicidade não existe, é apenas momento e felicidade também só existe por causa do caos e dos momentos infelizes.

    • Luiz

      Uma coisa não necessariamente tem a ver com a outra. “Justiça”, “lealdade”, “empenho” e “virtude” têm conceitos altamente relativos quando possuem como combustível apenas o individualismo; e, neste caso, aquelas palavras podem encaixar perfeitamente nos antônimos “injustiça”, “deslealdade”, “preguiça” e “desvirtude”. “A minha justiça é eu ficar em liberdade depois de ter esquartejado o pai dos meus filhos, isso me fará feliz, ponto final”, “a minha lealdade não leva em consideração minha esposa; sou leal a mim mesmo, por isso, tenho total liberdade de traí-la, e isso me faz feliz”, “me empenho no trabalho até os primeiros sinais de cansaço, e isso me faz feliz pois posso descansar quando quiser”, “minha virtude é ser experto e dar aquele jeitinho maroto pra desviar milhões dos cofres públicos pro meu bolso; sou o cara, sou feliz”. Quando a busca da felicidade é temperada com altruísmo (o “não quererei ao próximo aquilo que não quereria a mim mesmo”), aí sim há uma verdadeira “evolução” no sentido universal do termo.
      *Perdoem-me os exemplos, foram os que vieram à cabeça.

      • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

        tudo é relativo.

      • ?!

        Com exceção do relativismo?!

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro


      Você não consegue ser realmente feliz sendo injusto, desleal, não dando o seu melhor.”

      ih, vc precisa sair mais de casa. conheço muitos.

    • Alison Shoji

      ” Você é feliz quando evolui; a felicidade é a recompensa interna da evolução do indivíduo.” – i.e, todo pokemon que evolui é feliz. (?)

      Evoluir é mudar ou transformar, frente a um estimulo interno ou externo, independente se é para o lado bom ou ruim.

    • L.M.

      Visão idealizada do mundo…

  • http://profiles.google.com/tiagocxavier Tiago Xavier

    Triste isso, não? :p

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      oxe. demais.

  • http://www.facebook.com/leticia.setembrino Letícia Setembrino

    Eu acho que não entendi o texto. Deve ser uma pergunta meio transcendental essa, né? Por que pra mim a resposta é o óbvio. Ser infeliz é ruim, faz mal, tira a vontade de viver, faz tudo parecer cinza…Qto a ser egoísta. Sim é verdade, procurar sua própria felicidade acima de tudo é o ápice do egoismo humano, mas oq nós fazemos que não por egoismo? Até o altruísmo, é egoísta. A gente faz porque se sente bem. Sinceramente, se não do fosse pra ser feliz, eu nem sei pra que viver. Tanto é que a depressão, uma doença que causa infelicidade crônica, leva muitas vezes ao suicídio.
    Mas eu termino achando que eu não peguei alguma coisa no texto. Que eu não entendi a proposta mesmo. Vc está falando da busca da felicidade em coisas? Será isso?

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      se vc leu o texto e achou que a resposta a todas essas perguntas é óbvia, sei lá, imagino que vc deve estar num plano astral muito superior. :) pra mim, todas essas questões são muito, muito difíceis! namastê!

      • http://www.facebook.com/leticia.setembrino Letícia Setembrino

        Vai ver eu não entendi a pergunta mesmo. Uma vez ouvi uma parábola a esse respeito, de um aluno no primeiro semestre que achava que todas perguntas feitas numa aula de física aplicada na faculdade tinham respostas óbvias e ridículas. Até que pouco mais de um ano depois
        ele começou a entender as perguntas. De qualquer forma a minha resposta, ao que eu entendi da pergunta, é aquela ali de cima mesmo.

    • Lilla

      Ops, moça. Se é altruísmo, não é para se sentir bem. Alturísmo é independente de sensação recompensadora.

      • http://www.facebook.com/people/João-Grassini/100003044683998 João Grassini

        Você não faz coisas boas sem se sentir bem por isso.Se alguém te constranger e humilhar/fizer você se sentir um cocô por fazer o bem,você vai parar.

  • Lan Borges

    Segundo o Dalai Lama, só se é feliz quando exercitamos nossa compaixão e somos generosos com os outros. A busca da felicidade não é necessariamente egoísta.

    • Guest

      Um princípio da filosofia objetivista que eu resolvi adotar pra minha vida discorda disso.

      Esse princípio é: altruísmo não é uma virtude, uma qualidade pessoal. Altruísmo é uma opção de vida.

      Querer deflagrar altruísmo como algo que todos devem ter é no mínimo ditatorial.

      • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

        aemeodeos, chegaram os discípulos da ayn rand!

      • Henrique

        rsrsrs, “Todo homem tem o direito de buscar sua felicidade, sem subjugar ou ser subjugado por outros.”

      • Bruna

        rsrsrsrs sempre tem um filosofo barato pra justificar nossos erros e defeitos

      • Pablo

        Não é que seja algo que devemos ter, mas os fatos, aprendizados e momentos só existem quando compartilhados.

      • LorranW

        Penso que ao decidir tomar a compaixão e generosidade como forma de vida tem que se observar e ver qual real motivo. Ser “bom” buscando ser feliz é voltar ao inicio e seguir o ciclo vicioso.

    • http://www.facebook.com/people/João-Grassini/100003044683998 João Grassini

      dalai é trouxa e mandão!!!
      lol falando sério,cada um escolhe pra si o que achar melhor.

  • http://www.facebook.com/people/Ve-Arantes/100000113413898 Ve Arantes

    Penso da seguinte forma:
    Quando coloco felicidade como meta, consequentemente busco ações e sentimentos positivos!
    E quando chego nesse ponto, consigo transmitir o mesmo para o próximo. Me sinto até mais empenhada e motivada a ajudar, oque faz da felicidade um sentimento nao-egoista!..
    E isso se torna um ciclo/corrente!

    • Jr

      Digo exatamente o mesmo.

  • http://www.facebook.com/people/Fabio-Moreira/100000057399213 Fábio Moreira

    O que me faz feliz e deixar os outros felizes.

  • Lucas Kowalski

    “Ao invés de querer ser feliz, já pensou em simplesmente querer ser menos egoísta?”
    Isso me lembrou o “Gene Egoista” de Dawkins, onde ele comenta que o egoismo e o altruísmo já esta dentro da gente. É apenas uma maneira de sobrevivermos.
    Interessante pensar nisso, pois refletindo um pouco fica claro que todos nós desde crianças já temos esse “egoismo” dentro da gente. Se não fosse a nossa mãe pedir para dividirmos o doce com o coleguinha provavelmente aproveitaríamos o momento de “felicidade” só para nós.
    É como um outro texto que você comentou do por que não tirar a sua própria vida se você acha que ela não tem sentido. É simples! Ela é boa, você gosta do que está fazendo, se sente “feliz” com isso.
    A felicidade é a mesma coisa, depois que você se sente feliz, e tem esse momento de experiências individuais onde o seu corpo produz substâncias que te fazem sentir bem, dificilmente você não irá querer isso de novo. É como se fosse uma droga, você sempre vai querer mais.
    ah, e voltando para o egoismo, por que eu vou gastar meu tempo em prol da felicidade do outro se eu posso gastar para mim?
    Acho que o egoismo está ai, depois que você experimenta, vai querer sempre mais, para você!

  • http://guitarrismos.wordpress.com/ Rafa

    Por que não?
    Vale a pena?

  • Matheus Gomes

    Eu penso o seguinte: ninguém, absolutamente ninguém (exceto pelos familiares mais próximos, tipo pai, mãe, irmão, e olhe lá), está se importando comigo. Isso é fato. Já que isso acontece, porquê eu tenho que me importar com os outros?
    Eu quero ser feliz. É egoísmo? Pode ser. Mas, desde que eu não faça o mal a ninguém para alcançar a minha felicidade, acho que é válido sim dar ênfase somente à felicidade pessoal.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      boa sorte!

    • http://www.facebook.com/marcus.telles.9 Marcus Telles

      Matheus: mas será que é *possível* ser feliz sem se importar com os outros?

      Depois de mergulhar nos textos do Gitti e passar, por causa deles, para outros textos budistas, cheguei a uma opinião. Não é preciso escolher entre buscar a própria felicidade, por um lado, e ser altruísta, por outro. Pois só se é feliz quando se foca na felicidade dos outros. Um exemplo: numa mesa de bar com amigos. Quando saio 100% preocupado em genuinamente gostar de todas as pessoas de lá, em vê-las pelo melhor ângulo possível, em desejar de coração o melhor para todos, saio de lá feliz. Quando saio querendo que gostem de mim, me frustro.

      Assim sendo, é pelo menos possível (para mim, parece o mais óbvio e eficiente) que a própria felicidade venha como consequência de querer o bem para os outros. Não falo de abdicar da própria vida para fazer caridade ou morrer pela pátria, mas de se autodescentrar.

      - – - – -

      Aliás: as pessoas não buscam a própria felicidade. Quase sempre buscam satisfazer seus orgulhos e vaidades, coisas que, em cinco minutos de reflexão, veriam que não as tratá felicidade.

      • Matheus Gomes

        Entendo seu ponto de vista. Na verdade, pode até ter parecido arrogante do modo que escrevi. Não é que não me preocupe com os outros. Eu gosto de ver alguém feliz, sendo bem-sucedido. Eu gosto das pessoas.

        Você diz que, se eu querer o bem para os outros, eu serei feliz. Pois bem, eu mesmo querendo o bem para os meus próximos (de verdade mesmo, querer realmente o bem para elas), não me sinto plenamente feliz.Vamos supor um exemplo, que foi real: um amigo meu conseguiu um intercâmbio, depois de muita luta. Realmente fiquei muito feliz. Mas e aí? Essa felicidade para mim durou muito pouco. Ele está todo feliz, comemorando sua conquista. Mas para mim, essa felicidade foi muito efêmera.
        Quer dizer que para eu ser feliz, todas as pessoas próximas têm que estar feliz? Se eles não estiverem, eu tenho que ficar triste? A minha felicidade depende delas? Poxa, isso é chato. Eu vou ter que ficar controlando, ajudando os meus próximos, só para eu poder ser feliz (mesmo que eu faça isso inconscientemente, não focando na felicidade pessoal).
        Acho que é não é muito inteligente depender dos outros para eu poder ser feliz.

        ———————————————
        Aproveitando a oportunidade, deixo esse artigo do Big Think, que diz que a felicidade é um pouco diferente do que imaginamos. Está mais relacionado a fazer metas e cumpri-las. http://bigthink.com/think-tank/daniel-kahneman-moving-to-california-wont-make-you-happy

      • http://www.facebook.com/marcus.telles.9 Marcus Telles

        Fala, Matheus. Entendo o que você diz, acho até que concordo (não sei, rs. Teria que pensar bem). E eu reformularia o que disse acima também: acho que uma felicidade mais sólida, mais estável, passa pelo descentramento sim. Fora isso, não sei de mais nada! hehehe.

        Abraços!

      • Matheus Gomes

        Hehehehe Quem é que sabe a verdade plena sobre isso, não é? É difícil mesmo formular um pensamento completo a respeito. E é pra isso que servem os comentários, para nos ajudar!

  • Roger Moreira

    Gosto da idéia de parar de se importar com a felicidade. Só não vejo razão para passar a me preocupar com a dos outros. Parece apenas preconceito moral a atrapalhar o objetivo da coisa toda.

  • Johnny Becker

    Ahm?

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      hein?

      • Raquel Dörnfeld

        Cuma??

  • http://www.facebook.com/wgrasel William Grasel

    Não que seja um ponto final, que o assunto acabe por aqui ou qualquer coisa do tipo, mas minha resposta (a pelo menos parte) dessas perguntas já foram postadas aqui:

    http://willgm.com/tao/2012/01/livre-acao-no-mundo/

  • Taiana Pitrez Tagliani

    Boa reflexão… mas o conceito de felicidade é tão, mas tããão subjetivo… que não pode ser dito egoísta, tampouco compassivo. Talvez nem possa ser dito. Assim como escreves, “não é um estado mas um feixe de momentos, (…) nunca é permanente mas sempre efêmera, (…) por definição é inalcançável e inatingível. Ser feliz é sentir-se, não importa como, não importa com o quê? A busca é por viver conforme seus princípios, suas crenças, seus ideias sejam eles quais forem… Se o resultado é bom ou não, está aí mais uma subjetividade. [me questionando aqui também, sobre tudo isso]

  • Henrique Lino Pacheco

    Para mim:
    “Ser feliz vai te fazer ouvir os outros, exercitar a empatia, estender a mão?”
    Com absoluta certeza. E sim para todo o resto também.

    Para mim, quando felicidade não gerar coisas boas para todos, é porque não é realmente felicidade. Felicidade nunca é verdadeiramente alcançada sozinha. O indivíduo que está acima de outros, ao invés de igualar-se aos demais, não conhece a verdadeira felicidade.

    Buscar felicidade está diretamente relacionado com o aprimoramento, tanto o individual, quanto o coletivo. SEMPRE!

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      sempre? jura? toda vez? vc não conhece ninguem completamente egoista, q só pensa em si mesmo e na sua propria felicidade, e não liga pra mais ninguem?

      • Henrique Lino Pacheco

        … devo ter me expressado de forma incompleta talvez.

        Sim, lógico que conheço pessoas com diferentes níveis de egoísmo e altruísmo. Mas o que tentei por em pauta é que não se consegue uma felicidade plena e talvez permanente ao ser egoísta.

  • http://profiles.google.com/hcartaxo Henrique Cartaxo

    Esse texto foi um belo e necessário respiro para mim. Eu estou em um momento turbulento da vida que já dura alguns meses, andando pra lá e pra cá meio perdido. Enfim, ando pensando tanto em ser feliz que esqueci de me dedicar com diligência às pequenas tarefas da vida.

    Tem muita coisa a que a gente não dá a devida importância porque pensa que “isso não faz parte do meu caminho para a felicidade” ou que “isso não faz parte de quem eu sou”. E isso é uma falácia porque a felicidade é uma idéia, uma abstração, uma sensação que às vezes o menor dos eventos pode provocar. Se a gente fica pensando muito na felicidade acaba não prestando atenção em mais nada. Isso nos torna mais mesquinhos, e no fim até infelizes.

    Obrigado mais uma vez, Alex.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      que bom que ajudou. :)

  • http://www.facebook.com/vitor.bueno.9889 Vitor Bueno

    Felicidade está sempre relacionada ao prazer, não apenas o sexual, mas a todos os tipos… Busque o que te da prazer, seja pequenas coisas como dar a vez na fila ou grandes atitudes como fazer uma doação para caridade. O problema surge quando as coisas ruins te dão prazer.

  • http://www.facebook.com/gfmariano Gabriel Ferrari Mariano

    Acredito que felicidade é um “momento inconsequente”. Você não pode esperá-la, nem mesmo sabe suas causas. Não posso entender, muito menos ensinar, mas o maior homem disse:

    “Amai vos uns aos outros, assim como vos amei”

    Isso implica colocar a felicidade do outro acima da sua. É aquele caso de você estar apto a entregar sua vida(o resto da vida) e não somente “sua morte”.

    Pois dia e dias, vejo velhotes e velhotas em agonia. Muito pior para aqueles que vejo sozinhos, tudo em consequência do que buscaram sua vida toda. E os mais jovens que vejo.. 40 , 30.. principalmente 20 anos não parece tecer um caminho melhor…

    Então vendo os resultados de buscar a própria felicidade, penso que minha chances não são melhores que a de todos os demais correto? Não me sinto melhor que ninguem.

    Então me faz sentido buscar a felicidade dos outros, pois se falhar, não perca nada mais que todos eles, mas se conseguir, posso fazer muitas pessoas felizes, ao contrário de uma só( que é o caso de eu buscar apenas a minha). E isso me conforta muito.

    Afinal, coisas fantásticas que você vive sozinho trazem paz e serenidade, mas felicidade você sempre está acompanhado. Busque a felicidade do outro. É uma boa idéia.

  • Paula Alfaro

    Felicidade não se tem, não se pode querer, ela não é sua, se ela vem você aceita (e deseja ardentemente que mais gente a receba, e sabe que quanto mais ela existisse no mundo, mas e melhor você a viveria).

  • Lucas Silva

    Todas as ações humanas podem ser consideradas egoístas, afinal ajudar a alguém também é agradar a si próprio, quando se doa algo a alguém é porque de algum modo isso faz bem ao próprio ego, seja por uma vontade momentânea ou por uma convicção.

  • José

    Alex. De fato, é um tremendo egoísmo querer ser feliz!.
    Mas, penso que é um egoísmo maior, correr atrás da felicidade alheia, no sentido de sempre querer aprovação. Isso tbm é um egoísmo, de modo que a felicidade pessoal é tão importante, para forjar grande parte de nosso caráter, quanto a felicidade social, onde exercemos nosso poder pessoal e através de nossas crenças, teremos a capacidade contribuir em algum momento, na vida de alguém.

    Você questionou: Afinal, por que você quer tanto ser feliz?

    E agora, eu te respondo: Quero ser feliz, porque não posso escapar da felicidade, assim como não posso escapar de morrer. Ser feliz é talvez o método mais sofisticado para transformarmos nosso mundo e as pessoas.
    Egoísta, é encarar a felicidade apenas como efêmera. Contudo, concordo em deixarmos de sermos egoístas auto centrados em nossa própria felicidade acarretando o esquecimento alheio, mas também, não devemos nos esquecer do que nos faz FELIZ.

    Ótimo texto. Ótima reflexão. Obriigado!

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      “penso que é um egoísmo maior, correr atrás da felicidade alheia, no sentido de sempre querer aprovação. Isso tbm é um egoísmo”

      hã?

      • José

        Alex, querer aprovação de alguém implica em esperar algo em contra prestação ao ato de correr atrás da felicidade alheia. Pelo que eu entendi do seu texto, esse correr atrás é igual a querer agradar, ser um babão, dependente… talvez Eu tenha entendido errado essa parte, se não, foi nesse sentido que eu me referi a egoísmo. Querer algo em troca por contribuir à felicidade de outrem.

      • Raul Bolson

        Nas palavras de Camus, em “A Queda”: “Devo
        reconhecer humildemente, meu caro compatriota, que fui sempre um poço de
        vaidade. Eu, eu, eu, eis o refrão de minha preciosa vida, e que se ouvia em
        tudo quanto eu dizia. Só conseguia falar vangloriando-me, sobretudo quando o
        fazia com esta ruidosa discrição, cujo segredo eu possuía. É bem verdade que eu
        sempre vivi livre e poderoso. Simplesmente, sentia-me liberado em relação a
        todos pela excelente razão de que me considerava sem igual. Sempre me achei
        mais inteligente do que todo mundo, como já lhe disse, mas também mais sensível
        e mais hábil, atirador de elite, incomparável ao volante e ótimo amante. Mesmo
        nos setores em que era fácil verificar minha inferioridade, como o tênis, por
        exemplo, em que eu era apenas um parceiro razoável, era-me difícil não
        acreditar que, se tivesse tempo para treinar, superaria os melhores. Só
        reconhecia em mim superioridades, o que explicava minha benevolência e
        serenidade. Quando me ocupava dos outros, era por pura condescendência, em
        plena liberdade, e todo o mérito revertia em meu favor: eu subia um degrau no
        amor que dedicava a mim mesmo.”

        Acredito que o José tenha se referido ao
        egoísmo em querer ajudar os outros no mesmo sentido do personagem deste livro.
        Ajudar as pessoas, ser uma “pessoa melhor” era uma massagem para o seu ego,
        como quando reverencia um cego, que não poderia notar o gesto, e então percebe
        que o fez para si mesmo.

      • Nélio Oliveira

        Caralho, que foda. Vou tentar ler esse livro.

      • José

        Muito bom Raul, é justamente isso.

      • Sérgio

        Genial Raul! Descreve bem os motivos mais profundos que levam muitos a serem altruístas, voluntários, comunistas, etc! No fundo é a própria vaidade, um sentimento de se achar melhor que os outros, mais bondoso. Nem a própria pessoa percebe…

      • Raul Bolson

        Exatamente. Antes de ler o livro, ainda não havia enxergado a coisa por esse viés. Ainda, na obra, há o momento em que ele deixa de salvar uma pessoa que estava se afogando enquanto ele passava por uma ponte. Como ninguém estava olhando e saberia o quanto ele é uma boa pessoa e superior, ele deixa de salvá-la porque a água estava fria e ele se molharia.

  • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

    Ave!
    Cara, eu acho sua pergunta meio ingênua. Ao meu ver nascemos buscando a felicidade. Desde bebês parece-me que temos um software que busca um estado de felicidade, que para mim é traduz-se como bem estar, sentimento de plenitude e resiliência. Nunca vi ninguém agindo com algum objetivo que não fosse buscar felicidade, porém o que noto é que muitas vezes essa busca é descalibrada e errônea.

    Quando você fala sobre o gênio da lâmpada me pareceu ingênuo novamente. O usual das pessoas seria pedir algo como dinheiro, casas, carros e mulheres, muitas mulheres. Pediriam isso pois temos a impressão que com tudo isso nos sentiríamos completos, plenos e seguros. Para mim, um engano.

    Para mim a felicidade é sim o que devemos buscar. Porém você fala em felicidade individual. Sinceramente eu desconheço felicidade individual. Ao meu ver a felicidade aparece quando nós conseguimos nos posicionar de maneira que esse estado de bem estar surja também nos outros. Não vejo maneiras de sustentar um felicidade duradoura sozinho em meio ao caos.

    Quando vejo a crítica sobre os livros sobre felicidade acho que há um engano quanto que se quer atingir. Tais livros e outros meios são uma maneira que encontramos para tentar atingir esse estado de felicidade. Ocorre que esses meios parecem não conduzir para o que queremos. Então, acho que a crítica deveria ser dirigida à maneira como se busca a felicidade e não à busca da felicidade em si.

    “Que tipo de pessoa quer ser feliz?”

    Que tipo de pessoa não quer ser feliz? A todo momento no texto vi várias referências à felicidade sem definir o que seria isso. Fica aqui a pergunta. O que é felicidade?
    Sentimento ou estado?

    Sobre felicidade e egoísmo eu vejo da seguinte maneira: Não há maneira de ser feliz sozinho. Nossa felicidade passa obrigatoriamente pela felicidade e bem estar do outro. Se pensar pelo simples fato que vivemos totalmente em dependência do outro, então pensar em felicidade individual não faz o menor sentido. Assim, se eu for genuinamente mais feliz com certeza o mundo será um lugar menor.

    Bem, é mais ou menos isso que eu penso.

    Um abraço.

    John

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      john, vc jura que achou as perguntas ingênuas e pronto? nenhuma delas te fez refletir sobre suas escolhas e prioridade? é isso? a coisa toda é muito simples e é assim mesmo?

      • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

        Alex,
        Eu achei bem ingênuo porque você fala de felicidade sem definir o que é isso. É como se estivéssemos falando da cor azul sendo que cada um vê uma cor azul diferente. Ingênuo porque abre brecha pra qualquer interpretação de felicidade.

        Para um a felicidade por ser um mero prazer. Para outro pode ser ter um filho, completar um objetivo, ganhar grana, casar-se ou qualquer coisa.

        Nenhuma das perguntas me fez rever o modo como eu ajo hoje. Isso ocorreu exatamente porque me pareceu que o que eu defino como felicidade é diferente daquele ponto que você colocou no texto. Por isso que eu disse no comentário que felicidade sozinho não me faz sentido.

        Para mim ser uma pessoa mais digna, aberta, empática, paciente me fará mais feliz. Mormente, fará todas pessoas do mundo mais felizes em algum nível.

        Como eu já disse antes, ao meu ver você atacou o alvo errado. Para mim você deveria ter atacado a forma habitual pela qual as pessoas buscam a felicidade e não a busca pela felicidade per si.

        Um abraço.

        John

      • Nélio Oliveira

        Mas Jonathan, qualquer um que pretenda definir felicidade já começa errado. Ainda bem que o texto não pretende isso.

        Eu entendo que a sua concepção de felicidade está mais pra nitrogênio (80% da atmosfera) do que pra hidrogênio (0,00005%), mas pra alguns a felicidade é um estado tão difícil de atingir que não se sabe como é.

        Enquanto pra você “tudo” o que fazemos é em busca da dita cuja, pra outros o dia-a-dia resume-se a tentar sobreviver ao dia de hoje pra ver o que acontece amanhã.

        Ah, em tempo: os obstetras não batem mais nos recém-nascidos pra fazê-los chorar. ;)

      • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

        Não entendi porque começaria errado. Se felicidade é algo que buscamos, então nada melhor que definir isso muito bem definido. Afinal, se eu te mandar procurar um objeto que você não sabe o que é vai ser bem mais difícil, não?

        Não entendi essa metáfora com nitrogênio e hidrogênio (e olha que sou químico!). De qualquer maneira, felicidade pode ser algo (teoricamente) difícil de se atingir, porém como eu já disse, penso que é exatamente essa a nossa meta de vida.

        Quando à viver o hoje para garantir o amanhã, penso que isso também é a busca pela felicidade. Algumas pessoas se submetem às mais desumanas situações, porém noto que sempre há uma crença que aquilo de certa maneira é o correto, é o que lhe tratá felicidade. Assassinos, ladrões, pedófilos e todos os tipos ‘ruins’ de pessoas, na minha concepção estão agindo em busca da felicidade. Claro, estão percorrendo um caminho que não tratá o que estão querendo, mas de toda maneira essa ainda é a meta.

        Um abraço.

        John
        __
        Seja Feliz

      • Nélio Oliveira

        Entendo e respeito sua opinião, e nem pretendo contrapô-la, de tão “inútil” que é conceituar felicidade (na minha opinião). É como escrevi mais acima:
        debater felicidade é como debater o padrão das ondas do mar que se quebram. Melhor parar de perder tempo e ir pegar logo um jacaré. Ou seja, melhor VIVÊ-LA que tentar ENTENDÊ-LA.

        Só explicando a metáfora: pra você a busca da felicidade está em todos os gestos humanos, como o nitrogênio está em todo lugar.

        Abraços!

      • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

        Então não faz nenhum sentido conversarmos sobre felicidade, já que cada um estaria falando de uma coisa diferente.

        Aproveitando sua metáfora sobre as ondas no mar, eu diria que nós todos somos surfistas. Então, procurar maneiras de encontrar uma boa onda nos faria muito bem. Caso contrário ficaríamos perdidos ao sabor das ondas, se não soubermos discriminar um caminho bom para seguirmos é menos provável que cheguemos a algum lugar.

        (Nitrogênio não está em todo lugar…)

        Um abraço!

        John
        __
        Seja Feliz

      • Reparador

        mas é isso, não faz sentido conversar sobre felicidade como algo universal, é engraçado vc chegar a mesma conclusão de outros, tendo a convicção de que foi o desbravador! Joinha pra vc! :)

      • Reparador

        poxa, procurar um objeto e felicida não é tão fácil… Eu te entrego o teu objeto, entrega-me a felicidade. Não há como!
        Concordo com vc, mas com nome diferente, acredito, como Freud, que todos os nossos atos sejam movidos por intereses, interesses próprios.

      • Reparador

        São os pediatras!!! Brincadeira, ele não bate, só dá uma “esfregadinha” se for preciso. ;)

    • Roger Moreira

      Cara, gostei do seu comentário, resume bem o senso comum. Só faltou apontar o recurso a deus para ficar completo. Vou até te dar a resposta mastigada:
      1º Ao nascer não estamos buscando nada.
      2º Buscar a felicidade é garantia de nunca senti-la.

      • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

        Eu não acredito em Deus, e não vejo mal nenhum nisso.

        Ao nascer estamos sim buscando coisas. Todos os seres vivos estão buscando. Nascemos com um conjunto de ações pré determinadas: Quando o médico te bate, você chora. Isso é sem objetivo? Eu não vejo assim.

        Buscar felicidade é o que todos estamos fazendo. De uma forma ou de outra. Às vezes fazemos isso conscientemente, outras vez não. Mas para mim, todo ato nosso, a todo momento, é em busca da felicidade.

        Pra você não é?

      • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

        vc acha mesmo que todos estamos buscando a felicidade… só porque é isso que vc faz? não consegue imaginar pessoas com outras vidas, outros contextos, outras culturas, outras prioridade? sério mesmo que vc joga todo mundo no mesmo saco?

      • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

        Bem, me dê exemplos de pessoas fazendo algo diferente de buscar felicidade. Sinceramente, no fundo de cada ação nossa eu vejo uma busca pela felicidade..

  • Luiz matos

    Geralmente há equívocos quando se trata de felicidade, ou de qualquer tema complexo ou abstrato, relacionado ao ser humano. A felicidade é apenas um sub-produto da evolução, quando se trata de valores humanos, ou espirituais, é essa a palavra chave “evolução”

  • Thiago Correia

    É de assustar a quantidade de gente que ainda se sustenta na felicidade por caminhos exclusivamente egoístas! Uma coisa é reconhecer que é da natureza humana o egoísmo, o instinto de sobrevivência, a busca em proporcionar prazer para si mesmo, uma vez que a sensação é boa. Outra coisa é dizer que isso justifica que cada um vá buscar sua felicidade no individualismo! E ainda afirmar que o altruísmo necessariamente está acompanhado do egoísmo, porque sempre proporciona felicidade ao agente caridoso. Que afirmação mais fraca! Quem já fez sacrifícios pensando no próximo sabe que só se torna sacrifício quando se abre mão de algo – muitas vezes a própria felicidade – para benefício do outro. Senão cadê o sacrifício? E quando falo benefício do outro não exatamente falo da felicidade do próximo, mas da edificação. Questionar “por que vou gastar meu tempo com alguém se posso investir em mim?” é, sem dúvida, irrazoável. Religioso ou ateu sabe que o homem é um ser interdependente. Se todos pensassem somente em si, o mundo estaria expressivamente pior, a espécie humana talvez nem sobrevivesse, no “cada um por si”. Darwin diz que é estupidez do ser humano – que, como qualquer criatura, deveria se preocupar na sobrevivência do mais forte – atrasar sua própria evolução cuidando de cachorros, auxiliando velhos e aleijados. Alguém se identifica com isso? Fique velho e aleijado, depois me responda de novo. Aliás, se altruísmo lhe soa tolice, meu caro, por que não diz isso aos seus pais – se você teve um e recebeu atenção dele(s) -, que são grandes exemplos de pessoas altruístas? Sua mãe poderia muito bem continuar linda e gostosa em vez de passar nove meses engordando, com dores e desconfortos crescentes; poderia poupar a si mesma da dor do parto, de passar a noite inteira acordada tentando acalentá-lo, de suar muito e no fim do dia ainda separar o tempo livre dela para dar assistência a você. Optou em não abortar você, fez um sacrifício para tê-lo na vida dela, tomando o tempo dela. Se você optou em não ajudar o próximo por julgar perda de tempo, nada posso fazer, mas não complemente sua arrogância fazendo julgamento de quem fez isso por você. Seguir pensando que a verdade varia segundo a ótica de cada um, é defender o relativismo, ou seja, não existe certo ou errado, mas unicamente juízos pessoais e subjetivos. Como diria W. L. Craig,, “significa que é impossível condenar a guerra, a opressão, os crimes ou o mal. Também não se pode louvar a generosidade, o autos-sacrifício ou o amor. Matar ou amar alguém são coisas moralmente equivalentes”. A felicidade pode até ser algo subjetivo, cada um sente por meio de uma fonte, contudo não serve de embasamento para defender que o egoísmo é relativo! Não enxergar nenhum mal em não se preocupar com os outros é, por certo, não enxergar O mal mesmo.

  • ana

    …se eu entendi o texto acima…, a busca da felicidade como forma egoista, em detrimento dos outros, não olhando a meios de para alcançar esse estado efemero, não respeitando sequer a o seu proprio caracter e valores para atingir a “felicidade”… …eu conheço muita gente assim…

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      eu tb conheço muitos…

  • Carol

    Tem algumas pessoas que eu acho que gostariam de escrever no Blog, porque os comentários são maiores que o texto!! Please menos…

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      o papodehomem está aberto para todos! :) mandem seus textos!

  • Lucas Alcardi

    Puts, nunca comento, mas vc escreve de novo sem conhecimento de causa ou assunto, como no texto sobre paternidade.

    A felicidade pessoal – encontrar a salvação da alma, o sentido para vida – é a questão de fundo de TODAS as religiões ou linhas filosóficas. Reduzir a importância dessa questão, no lugar de discutí-la e aprofunda-la, é risível.

    Até a pessoa mais altruísta do mundo pratica a caridade e a bondade, em última instância, para sua própria satisfação pessoal, ou seja, buscando sua própria felicidade.

    Leia Nietzsche um pouco, e vc vai escrever um pouco menos de bobeira.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      de fato, eu não tenho nenhum conhecimento de causa ou de assunto, mas se vc acha mesmo, de verdade, que a felicidade pessoal (ou a salvação da alma, ou o sentido da vida) é a questão de fundo de todas as religiões ou linhas filosoficas… bem, essa foi uma das afirmativas mais ignorantes que já ouvi na vida.

      sugiro que leia wittgenstein, ou então, sei lá, qualquer filósofo importante do século xx…

      estudar budismo também não faria mal.

      • Lucas Alcardi

        É isso mesmo, a questão de fundo de todas as religiões e filosofias é essa. Entretanto, exige-se um pouco de reflexão para perceber. Talvez venha daí sua surpresa.

        Se não quer ir à fonte, leia então filósofos ainda vivos que tratam dessas questões: Andre Comte Sponville, Luc Ferry, e neles vc vai encontrar outras indicações.

        O que eu escrevi foi a maior ignorância que vc já leu? Vc não deve reler seus próprios textos então.

      • Mayara Luz

        O Maior filosofo que já existiu foi Sócrates o resto é filosofia de roda pé :P
        Claro que cada um vai falar o que pensa de acordo com suas crenças.
        Sei de filosofos que, ao falarem de deuses citaram Deus, por serem cristãos. Isso é só pra mostrar que concordo com o Lucas, mas respeito seu ponto de vista porque niguem nunca vai pensar da mesma forma, cada um tem seu caminho o melhor é olhar pela própra vida pois estamos sobre essa terra pra isso. Buscar amar o proximo como a sí mesmo.

    • Hassimvc Memata

      é…toda a filosofia ocidental não passa de um grande livro de auto ajuda…Para Bertrand Russell o objetivo da filosofia não seria trazer qualquer conforto ou satisfação para o filósofo mas sim permitir a contemplação da realidade e das questões irrespondíveis pela ciência sem recorrer à mitos confortáveis ou acolhedores.Recomendo como leitura pra vc “História do Pensamento Ocidental” do mesmo, principalmente o capítulo sobre Nietzsche(apesar do Russell ser um pouco parcial na sua análise, ele pode te esclarecer alguns pontos e motivações do filósofo alemão)

      • Hassimvc Memata

        desculpem, tive acesso ao texto agora, não vi que a discussão havia se dado há 4 meses atrás….(não consegui apagar o comentário)…

  • Roger Moreira

    Felicidade é a paz e alegria que vem do sentimento de conformidade (de que tudo está de acordo). É a aceitação bem disposta. Não é algo objetivo, mas um sentimento de que tudo é bom do jeito que é, trazendo vontade de vida e maravilhamento.Normalmente é algo sutil, não apenas um prazer específico ou o júbilo exacerbado de momento.
    Se existe enquanto estado permanente? Bom, eu nunca fiquei sabendo. Se pode ser nosso sentimento mais presente? Acho que pode. Está ligado a algum comportamento moral? Não creio. Apesar de que existe um mecanismo de recompensa psicológica por “ser bom”. Além da paz, segurança e alegria que “o bom convívio social” pode trazer. Então as pessoas associam isso tudo a “ser feliz”. Mas são apenas fatores que podem trazer esse sentimento, não são determinantes. Tá cheio de gente boa, amada e que ama, que é miseravelmente infeliz. Ao passo que já vi muita gente que é considerada ruim mas que está bem consigo e a vida.

  • http://www.facebook.com/osouzajefferson Jefferson Souza

    Um sutil soco na cara.

  • http://www.facebook.com/pedravellar Pedro Avellar Costa

    Diante de uma notícia favorável o mais altruísta e o mais egoísta são ambos os mais felizes, o mais honrado e o mais impuro também.

    Ser feliz não é no aprimorar, ou nos tornar palatáveis socialmente. Não é preencher algum requisito burguês romancista do século XIX, ou ainda por um sorriso na cara lisa de um monge tibetano.
    O desejo de ser feliz pode sim ser egoísta, mas o egoísmo da felicidade deve ser aceito. Pois criticar o desejo de ser feliz às custas de uma imposição de altruísmo é em si egoísta.

  • http://twitter.com/JackCostaD Jack Costa

    Táqui um momento feliz!!
    Um texto altamente poderoso, no sentido de balançar nossa concepção de mundo.
    Contemplemos… ;)

  • Karina

    Não é que eu queira ser feliz. Eu só não queria ser tão triste.

    • Luiz

      deixa eu fazer cosquinhas em vc, então.

      • Rdrrg

        resposta genial hahahahahaha

  • Nélio Oliveira

    Pra desgosto da Carol, que reclamou do tamanho dos comentários, eu acho que o meu vai ficar um pouco longo… rs…

    Na faculdade a gente tenta entender o que é felicidade, assunto largamente debatido na filosofia. Eu mesmo já até escrevi um ensaio sobre isso, e minhas perguntas “motivadoras” eram estas:

    1. A incompletitude do ser encontrada n’O Banquete, motivada pela necessidade da busca incessante, que pode constituir o “estado de amor”, paradoxalmente poderia redundar, finda a busca, num estado de felicidade em “desamor”?

    2. A consciência da incompletitude, que gera, segundo Paulo Freire, a educabilidade do ser, pode fazer do ato de educar um ato, antes de tudo, de felicidade, sendo esta encontrada na própria busca? Em outras palavras, a felicidade está em conhecer ou na busca deste conhecimento?

    Pomposo, não? Bela merda (colocando subjetivamente, como diria um coitado), isso sim.

    Na minha humildíssima opinião, debater felicidade é como debater o padrão das ondas do mar que se quebram. Melhor parar de perder tempo e ir pegar logo um jacaré.

    O cara mais feliz que eu conheço é o Abel, que fez 63 anos em 1.º de setembro. O Abel tem deficiência mental leve, mal escreve o próprio nome e mal faz contas de somar e subtrair, mas é COMPLETAMENTE independente. Mora sozinho, não pede nada pra ninguém, sempre que a gente liga pra ele ele está feliz, sempre que estamos com ele, idem. Tudo o que fizemos pra ele foi conseguir, não sem muita batalha contra o INSS, um Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social pra que ele não mais precisasse lavar carros e cortar grama da vizinhança pra ganhar algum. E desde que ele passou a ganhar o salário-mínimo do INSS, ele está vivendo o que alguns acreditam ser possível só com alguns milhões na conta: a mais completa e inequívoca INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA. Quando liguei pra ele no dia do aniversário ele não atendeu. Só consegui falar com ele dois dias depois. Razão: ele tinha viajado com umas “amigas” pra uma cidade da periferia daqui de Brasília e passou o final de semana COMEMORANDO! Se isso não é felicidade eu não sei mais o que é…

    Aí eu finalmente lhe dei os parabéns e disse que queria, nesta semana ainda (provavelmente amanhã), sair com ele pra comprar algumas roupas pra ele num shopping. Na última vez que fiz isso, no ano passado, ele me disse que queria um tênis, porque o que ele usava pra trabalhar (hoje ele faz “carreto” na feira dois dias na semana) estava velho. Depois de andarmos bastante, ele escolheu o tênis de que mais gostou, e ele custava incríveis SETENTA REAIS. Depois de tentar demovê-lo dizendo que provavelmente esse tênis não seria de boa qualidade, ele me disse “mas foi o que eu mais gostei, Nelinho”. Diante de argumento irrefutável como esse, só me restou comprar dois pares, e não um só.

    Ah, o Abel é meu irmão adotivo. Minha família o abrigou quando ele era ainda criança. A mãe dele era louca e se matou, e ele era ESCRAVO numa fazenda na cidade onde meus pais moravam, em Minas Gerais. Eu não sei em que circunstâncias ele veio morar com a gente porque eu sequer era nascido. Só sei que ele foi, para todos os efeitos, minha “babá”. Meu desejo agora é convencer o Abel a voar de avião pra conhecer o Rio, Copacabana e o mar, aproveitando que tenho um irmão que mora lá.

    • Felipe Cardoso

      CARAMBA!! Esta resposta foi excelente!!! poderia ser facilmente agregada ao texto principal, ou mesmo uma propria coluna de capa!!!

      E gera toda uma outra discussão separada da discussão proposta pelo Alex: ele propos a busca da felicidade como impulso egoísta, você trás a idéia de “simplicidade mental” como fator facilitador para a felicidade!

      O texto do Alex me despertou sentimentos de “culpa católica”, onde o superego o condena por buscar prazer… No seu exemplo, uma pessoa com um superego alinhado com o Id, encontra na simplicidade da vida toda felicidade que o basta!

    • ?!

      Deveria virar post. Excelente! Por essa, eu não esperava mesmo.

    • http://www.facebook.com/jonathancbatista Jonathan Batista

      Ser feliz é ser independente? Ser feliz é poder fazer o que quiser? Como eu disse no meu comentário, se definir felicidade é inútil, então também não podemos conversar sobre felicidade; pois possivelmente estaríamos conversando sobre coisas diferentes.

      No comentário, vi uma descrição dos fatores externos aos quais Abel está sujeito, porém não vi a nenhum momento citação sobre como Abel está internamente, como lida com as situações que lhe aparecem na vida.

      Poderíamos te dar um salário mínimo durante um ano todo. Você acha que seria feliz como isso? Porque não?

      Sinceramente, sinto que não compreendi completamente seu comentário.

      Um abraço.

      John
      __
      Seja Feliz

      • http://twitter.com/AndreTamura André Tamura

        Também não entendi muito bem.

        Para ser feliz precisamos ter um retardo mental leve, trabalhar com carreto, morar sozinho, ter “amigas”, usar dentadura e ter um irmão que nos leve ao shopping as vezes?

        Ou temos que levar nosso irmão mais velho ao shopping?

        Não faz sentido responder.
        http://www.ted.com/talks/dan_gilbert_asks_why_are_we_happy.html

      • Reparador

        Nossa, que resposta limitada…

      • http://twitter.com/AndreTamura André Tamura

        Também achei. Poucas não são :)

      • Adriano

        Seu ponto de vista é muito interessante. Mas imagino que o autor quis demonstrar que é possível ser feliz com pouco (isso é um ponto de vista particular do irmão dele).

        Definir felicidade realmente é algo difícil, não inútil. Agora ter metas mirabolantes o que torna difícil alcança-la com maior frequencia é o que deve ser colocado em questão.

    • http://www.facebook.com/felipe.neves.58 Felipe Neves

      Achei seu texto mais pertinente do que o da matéria em si.
      Que tenta fazer perguntas que tentam ser filosóficas e na verdade são só perguntas bestas, na minha opinião.
      Acredito que se você perguntar ao Abel se ele é feliz, ele provavelmente dirá que sim. E tenho certeza absoluta que ele nunca se fez essas perguntas a cima. Sabe por que? Por que não precisamos da resposta delas pra sermos felizes. Do contrário só os filósofos mais consagrados poderiam dar respostas satisfatórias e se dizerem verdadeiramente felizes.

      Claro, isso é apenas minha opinião :)

      • Nélio Oliveira

        Porra, cara, obrigado.

        Cheguei há pouco do shopping, e ele quis uma calça porque as dele estão todas gastas. Aí fomos na Renner e acabamos levando duas, a R$ 79,90 cada.

        No caminho, influenciado por este texto sobre felicidade e sobre o outro, de hoje (http://papodehomem.com.br/a-felicidade-esta-em-descobrir-o-que-voce-ja-tem/), conversei com ele um bocado sobre seu dia-a-dia, coisa que, confesso, não costumava ocupar meus pensamentos. Pô, ele tá bem demais, cheio de amigos, como sempre, tá hospedando uma “amiga” em casa, que quando eu perguntei se ele tava comendo ele desconversou e sorriu. Ele trabalha em duas feiras, quarta-feira e sábado, e tira até 50 reais por dia fazendo os carretos, mas rala pra caralho nesses dias. Não bebe há cinco meses, e pra minha surpresa tá cada dia mais baladeiro… rs…

        Meu irmão é pra mim um exemplo de que dá pra ser feliz com pouco porque nós, do alto da nossa arrogância de pessoas estudadas, já tentamos fazer com que ele morasse com minha mãe, mas ele disse que podia se cuidar sozinho (e desde 1997 ele mora sozinho), sempre estamos perguntando se ele precisa de alguma coisa, mas o máximo de trabalho que ele dá é em relação à saúde (eu mesmo outro dia fui colher a primeira escarrada – sério! – do dia dele pra levar num laboratório longe da casa dele pra fazerem uns exames). Ele vive a vida dele, e acho que se o resto da família morresse num acidente de avião a rotina dele mudaria bem pouco, tirando a perda da gente.

        Outra história engraçada é que, alguns anos atrás, quisemos fazer uma dentadura pra ele (todos os dentes dele foram arrancados quando criança, o que era muito comum na época e no lugar onde ele vivia). Rapaz, ele ficou esquisito com dentes, viu? Mas ele não conseguiu usar, porque as gengivas já estavam muito gastas e não sustentavam as dentaduras. Uma das visões mais estranhas que eu tive foi essa do Abel com dentes, impossível esquecer… rs…

        Eu tenho um irmão de sangue que já tem mais de 50 anos e dá trabalho igual a um adolescente até hoje. E, obviamente, cultiva a infelicidade como ninguém. Mas aí é outra história.

  • http://www.facebook.com/adriana.fayadcampos Adriana Fayad Campos

    Concordo contigo e com Pascal Bruckner, nesta entrevista maravilhosa onde ele fala que a felicidade deixou de ser um direito para ser uma obrigação… vale a pena ler:
    http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT346193-1666,00.html
    E a definição de felicidade que ele dá no final, pra mim é a mais bela e realista de todas que já vi…

    • Nélio Oliveira

      Gostei muito da entrevista, especialmente das respostas às seguintes questões:

      ÉPOCA – As pessoas felizes são menos interessantes?
      Bruckner – Ninguém é feliz ou infeliz o tempo todo. A vida não se divide entre essas duas polaridades. Muito mais importante que a felicidade é a liberdade, a capacidade de enfrentar problemas. A felicidade é um valor secundário, e é bom enfatizar isso para que não se sintam culpadas as pessoas que não chegam a ser felizes.

      ÉPOCA – O que seria a felicidade real, não-idealizada?
      Bruckner – Um sentimento sem objeto preestabelecido, algo que muda de acordo com a pessoa, com a época e com a idade. Nós a encontramos em alguns momentos, mas ela é fugidia por natureza, não vem quando a chamamos e às vezes chega quando menos esperamos. Há dois erros básicos na forma como a encaramos atualmente. Um é não reconhecê-la quando acontece ou considerá-la muito banal ou medíocre para acolhê-la. O segundo erro é o desejo de retê-la, como a uma propriedade. Jacques Prévert tem uma frase linda sobre isso: ‘Reconheço a felicidade pelo barulho que ela faz ao partir’. A ilusão contemporânea é a da dominação da felicidade. Um triste erro.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      gosto muito do bruckner e citei ele aqui, falando sobre a ditadura da felicidade…

      http://www.interney.net/blogs/lll/2011/01/26/causa_mortis_azar_e_bad_timing/

  • http://www.facebook.com/people/Diogo-Cordeiro-da-Silva/100001288867438 Diogo Cordeiro da Silva

    A questão da felicidade é complicada, porque Alex como sabiamente tu escreveu, as pessoas gostam de monoplizar isso. Se tornam egoístas. Na hora do vamo ver mesmo, poucos abrem mão de sua própria felicidade pela de outro, mesmo que seja parentee tal.

    Mas um texto desses nem tem como não fazer refletir. Ótimos questionamentos…

  • http://wwwr.rebecagalabarof.com/ Rebeca Galabarof

    a felicidade não existe.
    o que existe são breves instantes de reações químicas no seu cérebro liberando uma porrada de endorfina.

    • L.M.

      “Felicidade e tristeza são momentos.

      Breves momentos de felicidade intercalando-se com longos períodos de tristeza.
      Improvável que tal ordem seja quebrada.
      Mesmo assim, é com a esperança de realizar tal façanha que a maioria de nós acordamos.
      Sendo que no final do dia, tudo sempre acaba tão estático.
      Os momentos felizes são tão pontuais, dentro de um imenso fluxo de agônias e tédio.

      Um otimista afirmaria portanto que a felicidade é o tempero da vida.

      Nem uma mentira, nem uma verdade.
      É ela sim que torna o viver digerível.
      Mas não são estes breves momentos propriamente ditos que nos sustentam.
      e sim a expectativa deles vierem a existir.

      Não é o degustar que condiciona a sobrevivência.
      Mas sim o salivar.”

      Escrevi isso há um tempo Atrás.
      Achei conveniente colocar aqui
      ;D

    • Adriana F.

      Isto é alegria. Ex: estou alegre pq consegui passar no vestibular.
      Felicidade é uma sensação mais plena e douradora.
      Ex: estou feliz pq estou conseguindo levar adiante o curso.

  • Sérgio

    Excelente texto! Todos aceitam a busca da felicidade como sendo um objetivo universal, sem nunca ter refletido sobre isso. Na verdade, paradoxalmente, essa é uma das maiores causas da ansiedade/depressão, pois é impossível estarmos sempre felizes, e muitos, percebendo que estão tristes ou desanimados, acham que tem algo de errado, que falta algo em sua vida.
    Se aceitarmos é normal ficar triste de vez em quando, pensativo, quieto, e que não há necessidade de estarmos sempre felizes, alegres, viveríamos mais tranquilos.
    O importante não é ser feliz sempre, mas saber que está fazendo o seu melhor, ajudando o próximo, sendo paciente e compreensivo. Os momentos de felicidades com certeza aparecerão.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      exato, sergio. querer ser feliz é a maior deprê.

    • Walter Irikuchi

      Buscar a felicidade pode nos tornar ansiosos ou depressivos. Será que se buscarmos a tristeza nos tornaremos mais “felizes”? hehehehehe com certeza eu acho que não (a não ser que a pessoa seja masoquista) acho que a felicidade está em vc estar aberto ao que a vida tem a oferecer, tanto as coisas boas quanto as coisas ruins. Até porque as coisas boas só são boas porque existe as coisas ruins. Qual a graça de comer sushi (ou fazer qualquer outra coisa que vc goste muito) todos os dias?

      Jogando poker eu aprendi que podemos dar o nosso melhor, considerar todas as hipóteses possíveis, nos preparar ao máximo. Mas sempre haverá momentos que vamos perder/fracassar. Evitando esses momentos tristes, estamos também deixando a possibilidade de ganhar.

      Evitar a infelicidade priva a pessoa da felicidade.

      • Nélio Oliveira

        Sempre haverá um out no river pra quadrar o vilão e quebrar nosso full… rs…

  • Mariana

    Alex, casa comigo!!! E me faça feliz! ahahahahaha Assim, tem gente que tem tara em homem de voz grave, homem com barriga de tanquinho, de nariz grande, alto etc. Eu tenho tara em homem que escreve bem e com conteúdo. ;) Parabéns! Meu facebook ficou mais interessante depois que passei a te curtir por lá. Todos os seus textos e pensamentos sempre são excelentes.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      ué, me escreve e conversamos. minha tara são mulheres q tem tara em mim. :)

  • Bernardo

    Passo a passo, muitas perguntas. Diante desse FAQ, como não esperar comentários longos? (Desculpa aí, Carol)
    [ Já pensou nisso? ] Já
    [ E daí essa sua felicidade? E daí a minha? ] É relevante, do contrário não estaríamos falando sobre.
    [ Quem está ligando? Por que é importante? ] Pelo menos a própria pessoa, muito provavelmente quem convive com ela também. A importância depende de cada um e como a pessoa define felicidade.
    [ Se aparece um gênio da lâmpada, você pediria para ser feliz? ] Sim

    [ Por que não pedir pra ser bom? Honesto? Justo? Leal? ] De certa maneira, integram minha definição de felicidade.
    [ Ou até mesmo bonito? Pauzudo? Peituda? ] As aparências geralmente afetam mais aos outros do que nós. Ser desejado não implica necessariamente ser feliz.
    [ Por que pedir logo, entre tantas coisas possíveis, para ser feliz? ] Porque geralmente o conceito é idealizado e abrange várias coisas que a pessoa gostaria de mudar em si e no mundo.
    [ Quando foi que nossa própria felicidade individual assumiu o centro das nossas vidas? ] Para que a origem? Não sei.
    [ “Feliz” é mesmo a coisa mais importante que devemos querer ser? ] Depende da definição do “feliz”. Se um desses conceitos: ataraxia, alegria, auto-estima, prazer. Acredito que não. Se for algo como autorrealização é sim, dentro de limites, um referencial muito importante.
    [ Felicidade deve ser mesmo nosso objetivo mais buscado? ] Igual a anterior.
    [ É certo querer tanto assim ser feliz? ] É certo até a hora que percebe que está errado, que você está ultrapassando os limites dos outros.
    [ Por que tantos livros sobre felicidade na sua estante? ] Não na minha estante.
    [ Onde estão seus livros sobre ser uma pessoa melhor? ] Não estão. Livros não são tão eficazes para mudar conduta ou motivação. Exemplos de vida são mais eficientes e esforço diário. Existem livros que expandem a sua percepção por meio de histórias ou reflexões. Se for este o caso, vão desde fábulas de Esopo até Filosofia. Existe também o TED e o papo de homem, por que não?
    [ O que você está deixando de fazer enquanto corre atrás de ser feliz? ] Muitas coisas, mas que não são tão importantes para mim, a ponto de deixá-las para trás.
    [ O que você não está lendo enquanto lê sobre a busca da felicidade? ] Idem acima.
    [ Vale a pena o custo-oportunidade desse seu fetiche? ] “Desse seu fetiche” não considero apropriado para mim. Não tenho fetiche pela felicidade. Não é algo que me descontrole por excitação. É muito mais racional do que isso. O custo-oportunidade de buscar a felicidade é, no meu caso por definição, menor do que o custo-oportunidade de não buscar a felicidade. Agora, os resultados são posteriores e imprevisíveis.
    [ O carpinteiro que é feliz em seu trabalho de carpintaria… busca a felicidade? ] Sim, ao trabalhar, está buscando o que lhe faz feliz.

    [ O pai que experimenta a felicidade ao lado dos filhos… está correndo atrás de ser feliz? ] Ao conviver com os filhos, sim.
    [ Que tipo de pessoa quer ser feliz? ] As pessoas que não são dos três tipos a seguir: aquelas que não pensam na questão da felicidade, aquelas para os quais dá igual ou é irrelevante ou é ilusória, aquelas que preferem a infelicidade e a reclamação, vitimização, autoflagelação, expiação dos pecados.
    [ Que tipo de pessoa busca a felicidade? ] Idem acima.
    [ Se a felicidade não é um lugar mas uma sensação, se não é um estado mas um feixe de momentos, se nunca é permanente mas sempre efêmera, se por definição é inalcançável e inatingível, por que correr atrás dela? ] Discordo da avaliação de que ela é uma sensação. Ver Experience Machine de Nozick. Para mim, é um ideal, referência de vida. Inatingível, concordo. Mas o tipo de inatingível que faz você ir sempre além.
    [ Qual é a grande vantagem de ser feliz? ] Olhar para trás e sentir bem pelo que fez, pelo que aprimorou-se, ou pelas novidades que surgiram. Saber o que te fez feliz e usar esse conhecimento no futuro.
    [ Ser feliz vai te fazer uma pessoa mais digna, mais honrada, mais aberta? ] Sim, desde que veja a importância dessas condutas.
    [ Ser feliz vai te fazer ouvir os outros, exercitar a empatia, estender a mão? ] Idem acima.
    [ Ser feliz vai te fazer ter paciência com a mãe, não destratar o garçom, ser fiel à esposa? ] Idem acima.
    [ O mundo vai ser um lugar melhor se você for feliz? ] Não tenho a pretensão de melhorar o “mundo”, mas uma pequena parte.
    [ Esse desejo de ser feliz já não é intrinsecamente egoísta? ] Não se restringe apenas a pessoa, mas tudo que é importante para ela. Pode ser que dentro do ideal de felicidade haja melhorar a vida de outras pessoas. É pessoal, cada pessoa tem o seu, por isso depende do ego, mas não se restringe à pessoa, não é egoísta.
    [ Colocar sua própria felicidade como prioridade já não faz de você uma pessoa intrinsecamente egocêntrica? ] A felicidade já é um ideal do que é prioridade no sentido de preferências da pessoa. Mas isso não quer dizer que isso vá atropelar qualquer outra coisa: as outras pessoas, os fatos. Você pode ter consciência de que tem preferências, mas que em certos momentos elas não se realizarão, não serão desejadas por outras pessoas, etc. Logo é possível buscar a felicidade sem ser egocêntrico.
    [ Ao invés de querer ser feliz, já pensou em simplesmente querer ser menos egoísta? ] Como dito acima, uma coisa não exclui a outra.
    [ Ao invés de correr atrás da sua felicidade, já pensou em correr atrás… da felicidade dos outros? ] Como dito acima, uma coisa não exclui a outra.
    [ Por que não? ] Nenhuma objeção em correr atrás da felicidade dos outros.
    [ Afinal, por que você quer tanto ser feliz? ] Porque é assim que consigo organizar meus desejos, prioriades, pensamentos, analisar hábitos e momentos. É tentando buscar a felicidade.

    • Hugo

      Parabens, Sr., você não precisa deste post.

    • Camila

      Esse comentário é mil vezes melhor que o texto. Para qualquer pessoa esperta isso deveria ser óbvio… mas sabemos que isso é o que menos tem no mundo.

      • Zeca

        Qualquer coisa é melhor que o texto.

  • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

    Duas citações do livro Perpetual Euphoria: On The Duty to Be Happy, de Pascal Bruckner.

    “O talento peculiar do Dalai Lama é ter inventado, como Paulo Coelho, um Esperanto espiritual universal acessível a pessoas de todos os países, sem fronteiras ou limitações.”

    “Hoje, a infelicidade não é mais apenas infelicidade: ela é, pior ainda, o fracasso de ser feliz.”

  • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

    Outra citação do Pascal Bruckner, dessa vez do The Tyranny of Guilt: An Essay on Western Masochism:

    From existentialism to deconstructionism, all of modern thought can be reduced to a mechanical denunciation of the West, emphasizing the latter’s hypocrisy, violence, and abomination. In this enterprise the best minds have lost much of their substance. Few of them have avoided succumbing to this spiritual routine: one applauds a religious revolution, another goes into ecstasies over the beauty of terrorist acts or supports a guerrilla movement because it challenges our imperialist project. Indulgence toward foreign dictatorships, intransigence toward our democracies. An eternal movement: critical thought, at first subversive, turns against itself and becomes a new conformism, but one that is sanctified by the memory of its former rebellion. Yesterday’s audacity is transformed into clichés.

  • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

    finalmente, recomendo que os interessados deem uma olhada no meu artigo:

    La Mettrie, filósofo da felicidade individual

    http://revista.estudoshumeanos.com/la-mettrie-filosofo-da-felicidade-individual-por-alex-castro/

  • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

    La Mettrie:

    “Se os gozos da natureza são crimes, o prazer e a felicidade dos homens consiste em ser criminosos. … Sendo o prazer da alma a fonte verdadeira de nossa fortuna … , é evidente que em relação à felicidade tanto o bem quanto o mal são em si mesmos completamente indiferentes, e que quem obtenha uma satisfação maior fazendo o mal será mais feliz do que quem obtenha uma menor fazendo o bem. O que explica porque tantos velhacos são felizes nesse mundo, e nos faz ver que uma felicidade particular e individual, sem virtude, pode ser encontrada no próprio crime. … Toda a diferença que existe entre os bons e os maus é que, em uns, o interesse particular destrói o interesse geral, que se perde de vista imediatamente, enquanto que os outros sacrificam de bom grado, e até com prazer, seu próprio bem em prol do bem público, ou de um amigo. … Mesmo que seja parricida, incestuoso, ladrão, perverso, infame e merecidamente execrado pelos homens honestos, ainda assim será feliz. Pois que desgraça e que pesar podem causar ações que, por mais negras e horríveis que supostamente sejam, não deixam (seguindo a hipótese) nenhuma marca do crime na alma do criminoso?”

    Mais aqui: http://revista.estudoshumeanos.com/la-mettrie-filosofo-da-felicidade-individual-por-alex-castro/

  • Luciana_Marques

    Gostei bastante da reflexão… Sempre achei válido o questionar sobre o que se busca…

    Já há bastante tempo parei de buscar a felicidade… parei de buscar a auto-satisfação… Parei de buscar o “ser eu mesma.”
    Penso que na vida há coisas que podemos controlar e coisas que não podemos… Desse modo, tenho me esforçado muitíssimo para a cada dia direcionar minhas energias para as coisas sobre as quais posso ter controle ou escolha…

    Escolhi a minha ocupação diária, escolhi o meu estado civil, escolhi a escola na qual estuda meu filho… Com isso, apesar de não buscar a felicidade, ela sempre me alcança!!!

    p.s.: Óbvio que nossas escolhas estão condicionadas, não são plenamente livres e abertas a todos… Mas e daí? Dentro do portfólio de possibilidades que se abrem diante de mim, sigo com o que considero melhor para mim e para o meu mundinho (aqueles que são afetados direta e indiretamente).

  • Jr

    Foda-se a felicidade dos outros, eu quero a MINHA felicidade.

  • http://www.isaqueu.wordpress.com/ Isaqueu

    Por que eu quero tanto ser feliz?

    Resposta: porque a compreensão de mundo que eu adquiri ao
    longo da vida me faz buscar aquilo que me faz feliz, e consequentemente evitar
    o que me deixa triste.

    Essa resposta pode ser aplicada a todos os seres humanos,
    indistintamente. Porque ninguém busca a infelicidade, por definição. Todos
    querem, desejam a felicidade, mesmo que não saibam disso. Tudo o que fazemos no
    dia a dia pretende gerar em nós a sensação de felicidade. Isso é um padrão.

    Agora, isso não significa que o ideal de felicidade seja
    igual para todo mundo. A coisa difere bastante. Assim, existe o indivíduo que é
    feliz porque trabalha incessantemente, como também existe aquele que é feliz
    por viver no mais completo ócio. Existe o indivíduo que consegue ser feliz com
    um salário ridículo, miserável, enquanto há os que só conseguem alcançar o
    ideal de felicidade se amealharem altas somas em dinheiro. Existe o indivíduo
    que consegue ser feliz praticando crimes, enquanto existe o indivíduo que
    alcança a mesma felicidade prendendo criminosos.

    O que contribui para o ideal de felicidade de cada um é
    justamente a compreensão de mundo adquirida principalmente na infância. Essa
    compreensão é formada pela educação recebida no lar, na escola, pela religião e
    “na rua”. Isso não é um padrão. Há indivíduos que não tem casa, não frequentam
    escola, não vão à igreja, e vivem exclusivamente “na rua”. Isso varia de indivíduo
    para indivíduo. Dessa compreensão adquirida – que é absolutamente pessoal, não
    pode ser compartilhada – nasce o ideal de felicidade de cada um.

    Mas o estado de felicidade mencionado acima é sempre
    procurado por todos… ok, vou fazer um pequeno parêntese. Há os indivíduos que
    sofrem de um problema de saúde crônico, que os joga num estado de transe de
    infelicidade – são os indivíduos que sofrem de depressão. Nesses casos,
    especificamente, pode ocorrer (digo que pode porque também não é um padrão) de
    o indivíduo experimentar a sensação de tristeza por longos períodos, e se esse
    indivíduo não for devidamente assistido, o estado de depressão pode até durar a
    vida toda, nos casos mais graves. Mas cabe ressaltar que mesmo esses
    indivíduos, no mais íntimo de seu ser, desejam o estado de felicidade, apenas a
    sua compreensão do que é a felicidade costuma ser muito prejudicada, em decorrência
    da depressão. Fecha parêntese.

    A busca da felicidade via de regra é egoísta. Até mesmo o
    monge que se entrega à Ordem Religiosa o faz buscando intrinsecamente uma
    satisfação pessoal. O indivíduo que estende a mão ao próximo, pretendendo ajudá-lo,
    no seu íntimo goza de uma satisfação e felicidade intensas quando consegue
    ajudar. Ele se beneficia de sua ação. E o ato de ajudar ocorre porque ele sabe
    que essa sensação será gerada. Inclusive é até uma orientação profissional para
    os indivíduos que experimentam tristeza crônica decorrente da depressão:
    costuma-se sugerir a esses indivíduos que procurem casas de caridade e busquem
    ajudar o próximo, pois a experiência da caridade, entende-se, trará benefícios
    para esses indivíduos.

    Quanto ao padrão de felicidade preconizado inclusive pelas
    mídias sociais (riqueza, ócio, prazeres, luxúria, etc…), isso é uma tremenda
    barca furada. Aí eu vejo uma imensa probabilidade de decepção, pois nossa
    realidade é dura, basta sair de casa às cinco da manhã e pegar trem lotado para
    notar a obviedade dessa afirmação. Existe uma infinidade de gente correndo
    diariamente para conquistar algum patrimônio, ainda que pequeno, que “lhe traga
    alguma felicidade”.

    Nesse sentido, Aldous Huxley foi muito “feliz” quando
    escreveu “Admirável Mundo Novo”. Ele previu, com décadas de antecedência, uma
    sociedade organizada cujos indivíduos seriam robotizados, todos buscando um
    ideal comum e uma felicidade artificial, de acordo com sua compreensão do que é
    a vida. Na obra de Huxley, essa compreensão era absolutamente controlada pelo
    sistema, e o indivíduo apenas cumpria o roteiro que lhe foi determinado. Hoje
    eu vejo esse tipo de controle principalmente através das ordens religiosas, que
    pretendem padronizar o comportamento humano, ditando regras por vezes absurdas.

    Do exposto, resta a seguinte questão: para você, qual é o
    ideal de felicidade?

    Deixo a minha resposta: Bem, fui criado com o entendimento
    de que, nesta vida, duas coisas são imprescindíveis, o trabalho e o estudo.
    Aprendi que devemos sempre estudar, não importa em que condições, e sempre
    devemos trabalhar, não importa o quanto isso seja sofrido. Daí que eu me
    especializei em “resolver problemas”. E minha maior felicidade aparece
    justamente quando se me apresenta um problema, e eu alcanço a solução para esse
    problema. Fico muito satisfeito. É impressionante como a sensação de felicidade
    me domina. E para mim, não ter esses desafios diários acaba se tornando um
    grandissíssimo “problema”, pois a infelicidade bate à porta.

    É isso.

  • Naira

    Bom, vamos lá… pra início de
    conversa, o texto só nos traz perguntas. Do título, até a última frase, o autor
    só interroga, não traz respostas. Achei
    isso muito curioso, interessante! E, antes de pensar no conteúdo, comecei a
    pensar na forma. Se o tema coube tantas perguntas, caberá tbm muitas respostas.
    Bom sinal! Sinal de q o tema não dá para padronizar porque cai no campo da
    subjetividade. E, como todo sujeito é mutante e inesgotável, até o nosso
    próprio conceito sobre felicidade pode mudar no decorrer do tempo. Depende dos nossos valores morais, culturais,
    do ambiente em q vivemos, da faixa etária que pertencemos, da nossa maturidade.
    É por aí que as mudanças dos nossos conceitos acontecem. As variáveis são
    muitas. Por isso, trata-se de um tema inesgotável e interminável. Trata-se de
    um tema q cada um deve buscar a sua resposta, e sempre. Mas, pensando agora sobre o conteúdo: o que é a
    felicidade? Porque eu quero ser feliz? Eis as grandes questões! Felicidade pra
    mim está voltada mais para o campo do SER, nas coisas simples e singelas da
    vida. E coloco o AMOR em primeiro lugar porque ele é a minha fonte principal de
    vida, é ele q me alimenta. Portanto,
    felicidade pra mim é, em 1º lugar, amar e ser amada. Qdo amo e sou amada tenho
    força para enfrentar muitas situações. Ademais, felicidade pra mim tbm é ser
    uma profissional q trabalha com ética e com olhar humanizado, é respeitar e ser
    respeitada, é ser digna e ser tratada com dignidade, é ser honesta e ser
    tratada com honestidade, é ser justa e ser tratada com justiça. É ser educador
    e aprendiz. É ser saudável! É evoluir enquanto SER HUMANO. Estes quesitos,
    e muitos outros existentes neste campo do SER, para mim são virtudes e me
    trazem sensação de plenitude, de equilíbrio, de paz comigo mesma. As outras
    coisas, no campo do TER, para mim vem como conseqüência, pois, se estou bem
    comigo mesma, feliz, consigo motivação, força e luz para conquistar os demais
    objetivos, para realizar os ‘sonhos’, os desejos; para me doar um pouco mais
    para aqueles q necessitam da minha ajuda. No exercício de continuar respondendo às
    perguntas do autor, me prolongo um pouco mais. Querer ser feliz é um ato
    egoísta? Não! Devemos buscar a
    felicidade? Sim! Porque qdo estamos felizes, uma energia boa circula ao nosso
    redor, irradiamos mais luz e o entorno agradece, as pessoas q estão próximas
    são favorecidas. Qdo estamos amargos,
    frios, deprimidos, agressivos, etc, circula ao nosso redor uma energia densa e
    negativa. Felicidade não existe, o q existe são momentos felizes? Acredito q
    felicidade, por este prima do SER, é um estado de espírito q vamos construindo
    ao caminhar na estrada da vida. Pode ocorrer, por uma desventura da vida, de
    perdermos algum, ou alguns desses quesitos do SER, de cairmos num estado de
    rebaixamento de energia e nos sentirmos infelizes. Mas, como sujeitos mutantes, inesgotáveis e
    inteligentes q somos, podemos reconstruir o q perdemos, e talvez até rapidamente.
    Portanto, pensando por este ângulo, se nossa construção já estiver adiantada, o
    q teremos são momentos infelizes. Em suma, felicidade pra mim é por aí. Gostaria
    de explorar mais o tema, mas, por uma questão de bom senso, prefiro não me
    estender mais. Rsrsr. Ademais, como disse anteriormente, é um tema inesgotável
    e interminável. E, para finalizar, hoje me considero uma pessoa feliz, pois,
    sobretudo, amo e sou amada! É bom demais esse exercício de reflexão! Papo de Homem, cada vez melhor!!!!

  • Max Stirner

    Mas que nojo de mensagem.

  • http://www.facebook.com/pedropaulo.moraesgomes Pedro Paulo Moraes Gomes

    Olha felicidade é uma eleição, tanto quanto a tristeza. Do mesmo modo que você ficaria triste por n motivos se te comessem(ou não) você ficaria alegre por outro n motivos se ganhasse um boquete.

    É aquela velha questão do que eu gosto de fazer e com o que precisa ser feito.

  • http://www.facebook.com/diego.mello.980 Diego Mello

    “o meu egoísmo é tão egoísta, que o auge do meu egoísmo é querer ajudar” Raul Seixas

  • Ariane

    eu não acho nada egoísta querer ser feliz..que texto bobo…minha busca pela felicidade é pessoal…cada um que busque a sua..isso não influencia em nada a maneira como eu interajo com “os outros”…e mais: felicidade é reflexo da honra e da dignidade, da compaixão e da paixão. É consequência…a gente não precisa correr atrás dela…ela vem sozinha…

  • http://www.facebook.com/silas.leite.39 Silas Leite

    Textão

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      valeu!

  • Naira

    Bom, vamos lá… pra início de conversa, o texto só nos traz perguntas. Do título, até a última frase, o autor só interroga, não traz respostas. Achei isso muito curioso, interessante! E, antes de pensar no conteúdo, comecei a pensar na fo
    rma. Se o tema coube tantas perguntas, caberá tbm muitas respostas. Bom sinal! Sinal de q o tema não dá para padronizar porque cai no campo da subjetividade. E, como todo sujeito é mutante e inesgotável, até o nosso próprio conceito sobre felicidade pode mudar no decorrer do tempo. Depende dos nossos valores morais, culturais, do ambiente em q vivemos, da faixa etária que pertencemos, da nossa maturidade. É por aí que as mudanças dos nossos conceitos acontecem. As variáveis são muitas. Por isso, trata-se de um tema inesgotável e interminável. Trata-se de um tema q cada um deve buscar a sua resposta, e sempre. Mas, pensando agora sobre o conteúdo: o que é a felicidade? Porque eu quero ser feliz? Eis as grandes questões! Felicidade pra mim está voltada mais para o campo do SER, nas coisas simples e singelas da vida. E coloco o AMOR em primeiro lugar porque ele é a minha fonte principal de vida, é ele q me alimenta. Portanto, felicidade pra mim é, em 1º lugar, amar e ser amada. Qdo amo e sou amada tenho força para enfrentar muitas situações. Ademais, felicidade pra mim tbm é ser uma profissional q trabalha com ética e com olhar humanizado, é respeitar e ser respeitada, é ser digna e ser tratada com dignidade, é ser honesta e ser tratada com honestidade, é ser justa e ser tratada com justiça. É ser educador e aprendiz. É ser saudável! É evoluir enquanto SER HUMANO. Estes quesitos, e muitos outros existentes neste campo do SER, para mim são virtudes e me trazem sensação de plenitude, de equilíbrio, de paz comigo mesma. As outras coisas, no campo do TER, para mim vem como conseqüência, pois, se estou bem comigo mesma, feliz, consigo motivação, força e luz para conquistar os demais objetivos, para realizar os ‘sonhos’, os desejos; para me doar um pouco mais para aqueles q necessitam da minha ajuda. No exercício de continuar respondendo às perguntas do autor, me prolongo um pouco mais. Querer ser feliz é um ato egoísta? Não! Devemos buscar a felicidade? Sim! Porque qdo estamos felizes, uma energia boa circula ao nosso redor, irradiamos mais luz e o entorno agradece, as pessoas q estão próximas são favorecidas. Qdo estamos amargos, frios, deprimidos, agressivos, etc, circula ao nosso redor uma energia densa e negativa. Felicidade não existe, o q existe são momentos felizes? Acredito q felicidade, por este prima do SER, é um estado de espírito q vamos construindo ao caminhar na estrada da vida. Pode ocorrer, por uma desventura da vida, de perdermos algum, ou alguns desses quesitos do SER, de cairmos num estado de rebaixamento de energia e nos sentirmos infelizes. Mas, como sujeitos mutantes, inesgotáveis e inteligentes q somos, podemos reconstruir o q perdemos, e talvez até rapidamente. Portanto, pensando por este ângulo, se nossa construção já estiver adiantada, o q teremos são momentos infelizes. Em suma, felicidade pra mim é por aí. Papo de Homem, cada vez melhor!!!!

  • http://www.facebook.com/pedroturambar Pedro Américo

    “Se a felicidade não é um lugar mas uma sensação, se não é um estado mas
    um feixe de momentos, se nunca é permanente mas sempre efêmera, se por
    definição é inalcançável e inatingível, por que correr atrás dela?”

    Sempre indaguei isso para todo mundo que disse que queria ser feliz. Porra. Você não sobre uma escadinha e chega no último degrau que está escrito “Feliz”. A porra da escada é cheia desses, entre uns “merdas” e outros “ok” tem um “feliz”.

    A busca da felicidade te impede de aproveitar… os momentos de felicidade.

    Por que é tão difícil entender isso?

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      porra, pedro, aparentemente é impossível de o povo entender. :)

  • http://twitter.com/rafaelcgo Rafael Oliveira

    Pessoal, alguém sabe se tem um jeito de filtar os “feeds” para que não apareçam os textos do Alex Castro?

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      meu deus, q sofrimento ter que ler esses textos do alex castro no meu feed! alguém me salve, por favor!

      • http://twitter.com/rafaelcgo Rafael Oliveira

        Que “pití” é esse Alex?
        Só fiz uma pergunta, eu hein.

  • Ricardo Pinheiro

    Minha felicidade é, no geral, produto do alcance dos meus desejos – dos mais variados. Devo abrir mão dos meus desejos, pela felicidade dos outros apenas? Acho que não.

  • Bárbara

    “simplicidade mental” como fator facilitador para a felicidade! Simplicidade é a chave que pode abrir muitas portas . ”…Na verdade, paradoxalmente, essa é uma das maiores causas da ansiedade/depressão…” Sejamos simples.

  • http://www.facebook.com/people/Duda-Bolibeira/100003568224225 Duda Bolibeira

    Acho que o texto e as indagações do alex, apresenta a felicidade como algo a ser alcançado, e disso eu discordo e acho que quem pensa assim nunca sera verdadeiramente feliz.

    Não tenho, nem nunca terei a resposta do que precisamos fazer para sermos felizes, mas sabe, eu não me importo, não busco a felicidade, nem pretendo passar o dia ou a vida com um sorriso idiota estampado em minha face.

    Faço o que quero e pronto.

    Se vou sorrir hoje já não importa, mas estais comigo o DEUS.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      o texto não apresenta a felicidade como algo a ser alcançado….

  • http://www.facebook.com/people/Duda-Bolibeira/100003568224225 Duda Bolibeira

    Acho que o texto e as indagações do alex, apresenta a felicidade como algo a ser alcançado, e disso eu discordo e acho que quem pensa assim nunca sera verdadeiramente feliz.

    Não tenho, nem nunca terei a resposta do que precisamos fazer para sermos felizes, mas sabe, eu não me importo, não busco a felicidade, nem pretendo passar o dia ou a vida com um sorriso idiota estampado em minha face.

    Faço o que quero e pronto.

    Se vou sorrir hoje já não importa, mas estais comigo o DEUS.

  • anonimous

    Ótimo texto, muita gente precisa parar de pensar em ser feliz, a felicidade é uma consequência da evolução que temos ao viver neste mundo, quanto melhor vivemos mais evoluimos como pessoas e consequentemente mais felizes somos. O que pode trazer felicidade é uma boa experiência de vida, não uma vida facil.

  • Pingback: A felicidade está em descobrir o que você já tem | Mugango

  • mãe do lar

    Tenho vizinhos que constantemente fazem festas – samba, pagode, batucada, muito álcool, muitos gritos. Não são vizinhos de muro, moram na rua abaixo da minha. Como a casa é micro, fazem tudo isso na rua. São extremamente felizes. E a felicidade deles me desrespeita totalmente. A polícia não vem, tem mais o que fazer. Reclamamos tanto da falta de caráter to político, da roubalheira, do mensalão (eu me considero extremamente ignorante nesse sentido), leio o básico para não me sentir alienada e, para não deixar de ter uma opinião raza, acabo por comparar cada um dos “felizes infelizes” com cada um de nós, zé manés, não dignos de notas de jornal. É por isso que o povo brasileiro é visto como um povo feliz, todo mundo aproveita a vida da forma que acha melhor. Balela. Ser feliz infringindo o respeito, trocando dentadura por voto, é pura falta de bom senso. Bom senso…isso sim é pura e simples felicidade.

  • caio1982
  • PH

    Sim. Acredito que é felicidade que queremos. A questão é como conseguir. Talvez ficar pensando e indo atras dela a todo custo não seja a melhor maneira…

  • http://www.facebook.com/cvelenosi Caio Cesar Velenosi

    Coincidentemente, estava uns dias antes de ler esse texto vendo um trecho do Tao Te King que diz:

    “Na busca do conhecimento, todos os dias algo é adquirido,
    Na busca do tao, todos os dias algo é deixado para trás.

    E cada vez menos é feito
    até se atingir a perfeita não-ação.
    Quando nada é feito, nada fica por fazer.
    Domina-se o mundo deixando as coisas seguirem o seu curso.
    E não interferindo.”

    Penso que com a felicidade seria algo semelhante: você atinge o estado não tentando acrescentar coisas na sua vida, mas eliminando aquilo que a impede de ocorrer (desejos, expectativas, conceitos pré-estabelecidos), de forma a estar receptivo ao potencial que todos os eventos na vida tem de trazer felicidade.

  • http://www.facebook.com/guilherme.albuquerque.906 Guilherme Albuquerque

    Parabéns.

  • Paula Abreu

    Sabe no avião, quando os avisos de segurança dizem que, antes de ajudar quem está do lado, você deve colocar a sua própria máscara de oxigênio? Eu acho que com felicidade – e muitas outras coisas na vida, até mesmo amor – também é assim. ;)

  • Pingback: Por que você quer tanto ser feliz? « Eduardo Junior Weblog

  • Adriana F.

    A busca da felicidade é apenas eufemismo para agir.
    Ex: eu preciso de comida. Preciso de dinheiro para comprar comida. Arranjo um trabalho. Pronto. Tenho dinheiro suficiente para satisfazer um desejo meu. Isto me deixa feliz pq não passarei fome. É uma felicidade compensada.

    Ex II: Preciso de companhia. Estou só. Passo a frequentar um curso de extensão. Faço amigos. Saímos para jantar. Trocamos ideias e ganho várias companhias. E essas saídas se repetem. Isto me deixa feliz pq não ficarei sozinha.

    Dentro desses dois episódios, podem haver acontecimentos . Conhecer alguém bacana em companhia do amigos = alegria compensada. Dependendo da situação da relação = felicidade compensada. Comer um chocolate = alegria compensada. Seguir um modo de alimentação saudável e apetitoso = felicidade compensada.

    A felicidade é importante para agirmos. Sem produção, seremos eternos dependentes e frustrados por não tentarmos realizar nada. A vida é feita de escolhas para nos trazer alegria momentânea e a felicidade plena. Precisamos de incentivos para nos sentirmos bem e assim conviver em sociedade. As pessoas inconscientemente procuram ser felizes pq as atitudes são reveladoras. Alguém com tendencias depressivas certamente age menos que uma pessoa sem a doença.

    Ser feliz o tempo todo deve ser um saco. Tal como a tristeza inspira grandes poemas e belas canções. Precisamos sentir o tédio, um vazio para preenchermos com inspiradas realizações. Não é á toa que Noruega é o país com um dos maiores índices de suicídio. Qual é a graça da vida quando se já se fez(ou acha) de tudo? A vida é um paraíso/inferno dos prazeres. A diferença tá em como canalizamos.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002953850003 Isadora Corrêa

    Achei errado no texto relacionarem a “busca pela felicidade” a “passar por cima dos outros” por causa disso. De que adianta ser feliz se todos ao seu redor estão tristes? De que adianta todos estarem felizes se você está triste? A generosidade é uma forma de ajudar alguém, dando algo que no final proporciona pelo menos um pouco de felicidade à pessoa ajudada. E a própria pessoa que ajuda fica em certo ponto feliz por perceber isso. Ou seja, a felicidade importa sim. O que é errado é fazer outras pessoas tristes ou passar por cima delas por isso. A felicidade, apesar de efêmera (e talvez isso a torne especial), é a melhor sensação do mundo!

  • Mr

    pra mim, felicidade é sim uma sensação, pode ser permanente e é definitivamente alcançável. Isso tudo depende de perspectiva, pra mim a felicidade está em todos os lugares, só que simplesmente decidimos ignorá-las por outras prioridades ou até mesmo não a reconhecemos, infelizmente a maioria das pessoas não reconhecem a felicidade, tratam ela como um objetivo a ser conquistado, ao invés de perceber que ela está em todos os cantos, basta saber olhar ,saber valorizar.Vi que você fala da felicidade como algo intrinsecamente egoísta, será mesmo? Trato a felicidade como um bem que nós temos a clara opção de aceitar esse bem ou ignorá-lo, felicidade é uma necessidade humana, agora é egoista? se for egoismo vou te falar que deve ser o melhor egoismo do mundo! um egoismo que não prejudica ninguém, pelo ao contrário só agrega mais ao mundo, torna o mundo algo melhor. Pra deixar claro, não sou rico, famoso, lindo , nem super talentoso, não encontrei o amor da minha vida, mas garanto, encontrei a felicidade, agradeço a Deus (ou seja lá quem for) por tudo! já passei por diversas dificuldades na minha vida, perdi minha mãe com 3 meses de idade, meus avós, meus tios e eu mal cheguei na casa do 20, já sofri por amor, ja errei já chorei, mas sou sim feliz! por todos os momentos bons e ruins pelo quais eu passei, que me fizeram ser essa pessoa que sou hoje. Então galera, para de querer loucamente algo que já esta a sua volta

    • Raquel Dörnfeld

      Gostei de seu comentário. Apesar de discordar de que a felicidade seja uma “sensação”, pois por mim, pode ser até a ausência de sensação. É mais um estado de espírito mesmo, na minha humilde opinião. Os altos e baixos da vida se alternam e, quando apenas isso define se estarei “bem” ou “feliz”, “mal” ou “infeliz”, isso demonstra que estou perdida na busca de algo fora de mim. Eu sou feliz. Não grandiosamente, nem efusivamente. Não há que medir o que não tem parâmetro de comparação: não sou mais feliz que meu vizinho que briga todo final de semana com a esposa, nem menos feliz que o Eike Batista que conta milhões como eu conto tostões ( a única diferença é que ele pode “ser feliz” em Paris, eu fico feliz por aqui mesmo). O que eu sou, o que eu vivi, o que eu quero pra minha vida, minha completude, a desnecessidade de outrem para “me fazer” feliz, isso tudo faz muito sentido pra mim. Ah tá, então eu sou egoísta. Desculpe, mundo, se eu cheguei ao destino que tantos estão buscando assim, sem me preocupar com os caminhos a serem tomados. Daqui da “estação” felicidade, faço o que está ao meu alcance para dizer a quem estiver por perto: não é difícil não, muito fácil ser feliz, é só desapegar …

  • http://www.facebook.com/manoelcoutinho.nt Manoel Coutinho

    Por que não esquecemos a felicidade é focamos em uma vida serena?
    Buscar a felicidade é buscar a tristeza também….

  • Adriano

    Alex de acordo com mtos de seus textos, vc msmo é bem egoísta. Só dá atenção a quem quer, só responde o q quer, n da a minima para mtas pessoas que gostam do seus textos.

    • http://www.alexcastro.com.br Alex Castro

      sou um monstro, claramente. eu não me leria.

  • Pingback: ornitorrinco, um enigma monotremado e pós moderno « entrega íntegra

  • Pingback: Rato de Biblioteca » Blog Archive » Semana do Rato

  • Pingback: A felicidade e as máscaras de oxigênio | Escolha Sua Vida

  • Pingback: eu, que vou morrer, os saúdo, que também vão morrer - alex castro

  • http://www.facebook.com/isabel.lofgren Isabel Löfgren

    a sua felicidade é fazer perguntas sobre felicidade…

  • http://www.facebook.com/JonatasCastro Jônatas Castro

    Durante a vida experimentamos felicidade e infelicidade diariamente. Mas ainda somos muito ignorantes quanto ao que a felicidade realmente é. Ainda assim sabemos quando estamos sentindo alegria ou quando estamos lutando contra algum sofrimento.

    O mundo atual proporciona pessoas muito bem sucedidas tomando antidepressivos ou até se suicidando e em contrapartida vemos as pesquisas apontando que os países mais felizes do mundo são em sua maioria subdesenvolvidos.

    Felicidade não é uma vida sem problemas. Felicidade é poder estar vivo para vivenciar as sortes e os revezes proporcionados pelo nosso desbravar do dia a dia.

    A verdadeira felicidade é encontrada em nossos sentimentos. Ela não existe em algum objetivo a ser alcançado. Existe dentro de nós. Por mais que tentemos, nunca poderemos fugir de nós mesmos. E se formos fracos, o sofrimento nos seguirá aonde formos. Nunca encontraremos felicidade se não desafiarmos nossas fraquezas e mudarmos a nós mesmos por dentro.

    As dificuldades do cotidiano podem ser comparadas a uma grande montanha diante de um alpinista. Se ele não treinado corretamente, seus músculos e reflexos são fracos e lentos, cada centímetro da subida vai ser cheio de terror e dor. Porém, será uma viagem emocionante se ele estiver preparado, cujas pernas e braços foram fortalecidos pelo treinamento constante. A cada passo a frente e para cima, o preencherão de satisfação.

    Existem dois tipos de felicidade: “relativa” e “absoluta”. Felicidade relativa é a felicidade que depende de coisas fora de nós mesmos: amigos e familiares, ambiente, nossa aparência, poder aquisitivo…

    Isso é o que sentimos quando um desejo é realizado, ou quando algo que ansiávamos é obtido. Enquanto essas coisas nos trazem a felicidade são certamente reais. O fato é que nada disso dura para sempre. As coisas mudam. As pessoas mudam. Este tipo de felicidade rompe facilmente quando as condições externas se alteram.

    Felicidade relativa também é baseada na comparação com os outros. Podemos sentir esse tipo de felicidade em ter uma casa nova ou maior do que os nossos vizinhos. Mas esse sentimento transforma a miséria no momento em que começar a fazer novas adições para o deles!

    Felicidade absoluta, por outro lado, é algo que devemos encontrar dentro. Isso significa estabelecer um estado de vida em que nós nunca somos derrotados pelas provações, e onde apenas estar vivo é uma fonte de grande alegria. Isso persiste não importa o que pode estar faltando, ou o que poderia acontecer à nossa volta.

    Um profundo sentimento de alegria é algo que só pode existir nos recessos mais profundos da nossa vida, e que não pode ser destruída por nenhuma força externa. Ela é eterna e inesgotável.

    Este tipo de satisfação há de ser encontrada no esforço consistente e repetido, de modo que podemos dizer, “Hoje, mais uma vez, eu fiz o meu melhor. Hoje, novamente, eu não tenho arrependimentos. Hoje, mais uma vez, eu ganhei.” O resultado acumulado de tais esforços é uma vida de grande vitória.

    O que devemos comparar não somos nós contra os outros. Devemos comparar o que somos hoje contra quem éramos ontem, o que somos hoje contra o que seremos amanhã. Enquanto isto pode parecer simples e óbvio, a verdadeira felicidade é encontrada em uma vida de progresso constante.

    E, as mesmas preocupações que poderiam ter feito-nos miseráveis, pode realmente ser uma fonte de crescimento, quando nos aproximamos delas com coragem e sabedoria.

    “Uma pessoa com um coração enorme está feliz. Tal pessoa vive cada dia com um espírito amplo e abrangente. Uma pessoa com uma forte vontade é feliz. Tal pessoa pode aproveitar a vida com confiança, nunca derrotado pelo sofrimento. Uma pessoa com um profundo espírito é feliz. Tal pessoa pode saborear as profundezas da vida durante a criação de significado e valor que vai durar para a eternidade. Uma pessoa com uma mente pura é feliz. Tal pessoa está sempre rodeada pelas brisas refrescantes de alegria.” (D.I.)

    A Vida é um desafio constante. O próprio ato de iniciar um desafio é em si um aspecto de vitória. Acredito que é feliz, a pessoa que luta até o último dia de sua vida.

  • Pingback: Menos | PapodeHomem

  • Pingback: O casamento, esse falido | PapodeHomem

  • http://www.facebook.com/dennymarcels Denny Marcel

    Colocando de uma maneira genérica, toda vez que o Alex pergunta: “Ser feliz vai te tornar uma pessoa melhor?”, acho que é exatamente o oposto. A felicidade vem de graça quando não temos ela como objetivo, mas sim sermos pessoas melhores.
    Esses dias conversava com uma amiga que adoro, e ela comentou justamente isso: quando o objetivo de alguém é ser feliz, assim que ela o alcança, para. Sua vida se torna vazia, porque ela não tem mais o que fazer.

  • Eduardo Garcia

    Esse texto mexeu comigo… me lembra muito de grandes pensadores como Shunryu Suzuki, Krishnamurti e Eckhart Tolle. Está de parabéns ótima reflexão, isso me lembra de uma frase que não sei de quem é a autoria, mas diz: “O ego criou o demônio para poder culpar alguem”. Acho que ainda poderiamos adicionar nessa frase que ele “também criou a felicidade pra desviar nossa atenção dele (ego)”

  • larissa

    linda meus parabens

  • Zeca

    O texto trata como antagônicas a busca da felicidade pessoal e a busca por ser “uma pessoa melhor”. O autor não explica por que elas seriam antagônicas. Para mim toda a argumentação do autor é falaciosa, centrada num conflito inexistente.

  • GK

    Achei esse texto pretensioso demais e por falta de melhor palavra ” cru “, acho que poderia vir através de uma crônica ou algo assim.

  • Pingback: palestra "as prisões": roteiro - alex castro

  • Lucas

    Questionar coisas é legal. Ma questionar a felicidade, como se houvesse outra coisa pra ser, é meio bobo. Ser uma pessoa melhor, mais justa, mais leal, blá blá blá, é interessante sob o ponto de vista de garantir mais felicidade. Dos livros que você citou, muitos são besteiras comerciais, mas o sérios garantem que as relações sociais são o pilar numero um da felicidade. Ser uma pessoa melhor é se relacionar melhor e por consequência, ser mais feliz… Ainda bem né?

  • Aiwass Eanderea

    Então iremos a busca da felicidade o maior prazer humano?
    Do qual entra em contradição com as dos proximos?
    Do qual pode nos matar pelo prazer da droga por si só?
    Mais afinal qual é a sua felicidade?
    Porque não se satifazer com sua propria existencia? em vez de buscar algo tão inutil?
    Porque não ignorar a dor da qual sempre foi tão inevitavel?
    e simplesmente ignorar a seus objetivos pelo bem e a igualdade e para todos avançarem lentamente…..
    Porque simplismentes não podes viver humano! em vez de sofrer pela felicidade!
    Sofrer e ter insanidade…
    E de insanidade morrer!
    ———–
    Vamos lá humanos vamos mudar o mundo e ser feliz ,
    E Destruir a identidade de tudo a mudança!
    corroer a propria identidade ao desespero da tristeza.
    ————
    Esqueceram de sua propria existencia?
    Pela felicidade da qual sempre pregava a mudança,e sua identidade morreu?
    ————
    Viva ser viva! com seu comportamento robotico a finalização dos objetivos nunca fez tão pouco sentido,viva! não com apenas altruismo mais tambem com coexistencia e amor a vida e a tudo,pois tudo esta bom se a caso tudo segue em frente para vc e para todos.A dor nunca foi tão obvia e a um objetivo fracassado só lhe resta a aceitação…E a o bem da coexistencia só lhe resta a aceitação…. E que seu ego morra a sua vida! e a vida de todos!.

    E agora eu sou feliz para sempre.E busco os objetivos para seguir em frente comigo e com os outros se me contrariar irei me subjulgar tanto quanto vc podes se subjulgares por mim.E assim iremos em frente com nossa identidade e como seres e não monstruosidades.

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5534 artigos
  • 661580 comentários
  • leitores online