Por que as mulheres estão cada vez mais se exibindo?

Gustavo Gitti

por
em às | Artigos e ensaios, Sexo


Lingerie day, twitpics, flickrs, twitcams, face(body)books, ensaios eróticos para presentear o marido com uma revista… O que está por trás dessa realidade?

Fui chamado pelo Fausto Salvadori (autor de um dos melhores conteúdos no PdH e do excelente Boteco Sujo) para uma entrevista que virou texto e acabou não sendo publicado na matéria “Por que elas querem se mostrar”, na edição de outubro da revista Alfa. Melhor assim, já que por aqui dá pra conversar com vocês.

Para quem exatamente elas se mostram?

Anne Becker no Lingerie Day. Crédito: @Walicek

Sou contra o excesso de psicologização e cientifização da sexualidade, como se tudo pudesse ser explicado por médicos, psiquiatras e sexólogos analisando fisiologia, hormônios e sinapses. Quando falamos de sexo, tem sempre um elemento não sexual na jogada. E, quando falamos de outras coisas, tem sempre um elemento de sexo. É assim que olho para a questão da exposição feminina voluntária na Internet.

Gosto dessa exposição, mas não sei o quanto disso é feito por liberdade e o quanto é feito porque as mulheres estão reféns de uma estrutura oculta. Não sei mesmo.

As mulheres (homens também, claro) são dependentes do olhar masculino para afirmar sua identidade. “Quem sou?” é inseparável de “Quem você vê quando olha pra mim?”. Como disse Sartre, o corpo só se faz corpo quando tocado por outro. A exibição do corpo é, nesse sentido, uma forma de ser olhada, reconhecida, de se sentir viva, de ter o próprio corpo, por mais estranho que isso pareça.

E pra quem elas se expõem? Para algum homem específico? Para a mídia? Não, elas se expõem para a Internet. Isso mesmo, pois a Internet é a garantia de que elas serão vistas por alguém. Serão vistas, é isso o que importa. Elas não precisam nem expor o nome ou o rosto. O gozo está no próprio ato de se mostrar e depois de se ver na tela com a certeza de que alguém as vê. É um processo interno.

Às vezes essa sensação de existir para um estranho é muito mais satisfatória do que a relação que ela construiu com as pessoas ao redor. Não é raro eu receber email de mulheres contando que não são mais desejadas nem vistas pelos maridos. E que desejam dar pra alguém que só veem de longe todo dia ou com quem trocam emails… Ou mulheres que correm atrás de homens que as ignoram completamente. A Internet, assim, faz o papel desse homem que as acolhe e contempla sem julgamentos. Às vezes uma webcam é mais macho que muito homem por aí.

“Eu também posso ser puta”

Há também as mulheres que pagam para surpreender os maridos com ensaios sensuais, entregando uma revista personalizada. É uma tentativa digna de capturar o olhar masculino que normalmente vai para outro lugar. Uma tentativa de dizer: “Eu, esposa, também posso ser puta, capa de revista, objeto do seu gozo”.

Capa de um ensaio erótico produzido pela agência Nude.

“Foi uma das coisas mais maravilhosas e malucas que já fiz. [...] No momento das fotos, me senti uma celebridade e um turbilhão de sentimentos passou pela minha cabeça! Quando fui embora, fiquei o dia todo anestesiada, uma sensação inexplicável e com a autoestima lá em cima!

As fotos ficaram maravilhosas, quando as vi até chorei. As fotos trouxeram a ajuda que eu precisava para ver que sou linda e não preciso ter medo de nada! Amei tudo e todas, só tenho que agradecer por toda a felicidade que me proporcionaram!” (depoimento de uma das clientes da agência Nude)

Um outro fator interessante é que o toque masculino é cada vez mais restrito ao sexo. O cara chega cansado, o cara não sabe dançar, não vai fazer uma massagem, não vai levar pra jantar, sentar ao lado e ficar acariciando… Nada disso. As mulheres, sem saber, acabam depositando todas as esperanças no sexo. Não é por acaso que muitas vinculam tanto sexo a amor, paixão, envolvimento. Em muitas casos, é o único momento em que se sentirão amadas, tocadas, olhadas, desejadas pelos seus parceiros.

Essa vinculação de sexo à sensação de ser vista, tocada e amada se expande para além da cama e dos relacionamentos. De algum modo, se expor, tirar a roupa, se exibir causa uma satisfação pela imaginação de que, com o ato, ela está sendo mais admirada, valorizada, desejada, amada, enfim, por algum homem. Como o toque e o olhar do outro nos trazem à vida, estamos falando da própria sensação de existir. Não é pouco.

Mari Graciolli no Lingerie Day.

O paradoxo da liberdade sexual

A questão irônica nesse debate vem de pensarmos a exposição sexual, supostamente fruto de mais liberdade, sob o contexto de casos como o da minissaia na Uniban, sem falar de outros episódios de repressão ao desejo feminino. Curiosamente, na minha visão, moralismo e liberdade sexual andam juntos, de modo positivo e também negativo. Um alimenta o outro. Explico.

Pelo lado positivo, a repressão, o sexo como tabu, o moralismo convencional, careta, da família tradicional conservadora, tudo isso só cria um ar de mistério e transgressão, ambiente essencial para a sexualidade, para o erotismo, o prazer, o desejo fluir. Se tudo fosse aceito, natural, normal, se nada fosse transgressor, que graça veríamos no sexo? Muitas das fantasias sexuais, aliás, envolvem atos errados, sujos, nojentos, dos quais a própria pessoa se arrepende um pouco depois, quando não mais movida por tanto desejo.

Pelo lado negativo (o problema, de fato), a repressão vem com preconceito, violência, agressão, ignorância, cegueira. A mulher que expressa seu desejo livre, que se mostra dona de sua sexualidade, é vista como puta. Um jeito que o homem inventou de reprimir, cortar, rebaixar, negar, como se dissesse: “Você não é dona do seu desejo; não, você é uma puta, eu posso comprar seu desejo”.

E como isso leva ao exibicionismo? Simples: a mulher (consciente ou não) entra no jogo, vira puta mesmo, pra valer, ou pra aceitar a imposição masculina ou para negá-la, numa tentativa de dialogar, lucidamente ou não, com sua própria necessidade de se sentir vista, admirada, desejada.

Melhor ser desejada como puta do que não ser. E nisso elas se parecem com a mulher careta que aceita qualquer coisa no sexo apenas para poder se sentir amada pelo marido, não exatamente por vontade própria. Vejo muito esse processo em mulheres mais adolescentes.

Ju Dacoregio no Lingerie Day.

Um novo tipo de assovio para as gostosas

Mulheres são seres mais perspicazes que homens. Elas sabem do poder de seu próprio corpo. Usam-no desde a adolescência, se enfeitam, se exibem. É claro que essa força é também fonte de fraqueza, quando são reféns da famosa ditadura da estética, mas muitas sabem usar sua beleza, sabem explorar sua sexualidade muito mais do que os homens.

Talvez uma parte desse movimento seja apenas o resultado de cada vez mais mulheres entrando na Internet para fazer o que já faziam na rua, mas agora com mais abertura, anonimato, recursos tecnológicos, feedback, olhares de volta, comentários, assovios…

O comentário – em twitpics, flickrs, fotologs, twitcams, facebooks – é o novo assovio na rua: “Ei, gostosa!”. Mais fácil de andar, mais fácil de assoviar, mais fácil de ouvir.

Machismo de ambas as partes? Objetificação do corpo feminino? Sim, ainda somos todos machistas. Movimento totalmente negativo? Duvido. Penso que é mais um momento de experimentação coletiva. E ninguém sabe bem onde (ou quem) vai dar.

*crédito da foto de capa: @zaap

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, autor do Não2Não1, colunista da revista Vida Simples e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • http://twitter.com/engw8 Maria W8

    “Mulheres são seres mais perspicazes que homens. Elas sabem do poder de seu próprio corpo. ” #Fato

    • http://pulse.yahoo.com/_ID7ZEA6MFZ37AEZ5JKTZJ7PBBA Gustavo

      aproveitando para comentar essa parte: acho que apenas a relação causa-consequencia não foi devidamente explicitada.

      é natural que o homem se excite mais que a mulher com mais facilidade. sendo assim, é mais normal que a mulher dome esse poder de sedução do que o homem.

      isso, sem contar com o lado cultural e machista, de que é a mulher quem tem que agradar.

      creio que a perspicácia entre depois disso tudo, mas o resto do texto está excelente! a internet não inventou nada, apenas potencializou. principalmente porque o ‘ei, gostosa!’, muitas vezes é dado por alguém que a mulher preferia nem ser notada. além disso, ainda tem o fator ‘vergonha’. na internet, os 2 se invertem: a mulher atrai quem ela acha bonito e não tem o fator ‘não saber o que fazer após receber um elogio’.

    • http://www.facebook.com/people/Cynthia-Cantidio/100000201684799 Cynthia Cantidio

      Todos os comportamentos são culturais. Com tanta propagando e inserção de mercadoria em nossas vidas, por que nós mesmas não nos tornamos um produto? As mulheres tiram a roupa e os homens as colocam. A sociedade é puramente visual. Todos estão comprando um produto através da sessão de “vizualizações” e comentários. Pura lavagem cerebral.
      Infelizmente, muitas mulheres usam todo o trabalho que as feministas(estou falando daquelas que queriam seus direitos, e não daquelas outras que se achavam melhor do que os homens) tiveram para nos tirar das cozinhas e do quarto do casal, agora, esquecidas, deixam um legado de patrícias exibicionista cujo sentido da vida está em ser notadas.

  • Breno Spadotto

    Mais um texto brilhante do Gitti.

    Acho sensacional poder ver tudo isso de outro ângulo, e sair um pouco daquela alienação que somos submetidos todos os dias.

    Concordo que é pelo fato de se sentirem desejadas, olhadas, tidas com tesão, que as mulheres se exibem na internet, e como disse, muitas vezes sem mostrar rosto nem colocar nome.

    Ela não quer que os outros saibam quem é na foto, ela quer que mesmo sem saberem, gritem “gostosa”, porque ela sim sabe que é ela ali.

    Boa, Gitti. Foda. Vai dar o que falar…

  • Anônimo

    Lindas essas garotas.

    Não importa onde vai dar. Contanto que seja pra mim.

  • http://www.facebook.com/monikornellas Monik Ornellas

    Bom dia Gitti!

    Como sou adepta da filosofia de que o masculino e feminino estão dentro de nós, e estamos a todo momento e em cada relacionamento em contato com espelhos daquilo que somos interiormente, vejo na exposição da mulher a busca, não ao reconhecimento exterior, mas do seu próprio.

    Quando um homem nos olha, estamos de frente para nosso espelho e ali vemos como nossa natureza feminina se consome dentro de nós.

    Nos reconhecemos belas e femininas e gostamos da pele que nos cobre? Ter um olhar de veneração do nosso homem só enfatiza o universo que carregamos. O mesmo se dá ao sentido de desprezo que muitas mulheres têm por si mesmas e reverberam essa mensagem para aqueles que lhe dirigem olhares de escândalo ou insultos.

    Enquanto mulheres, nosso respeito e admiração não estão fora, mas dentro de nós, assim como os homens, onde sua masculinidade só pode ser reconhecida perante os olhos de uma mulher, e esse olhar também refletirá a forma como esse homem se vê.

    Excelente artigo!
    Abraço!

  • http://www.facebook.com/monikornellas Monik Ornellas

    Bom dia Gitti!

    Como sou adepta da filosofia de que o masculino e feminino estão dentro de nós, e estamos a todo momento e em cada relacionamento em contato com espelhos daquilo que somos interiormente, vejo na exposição da mulher a busca, não ao reconhecimento exterior, mas do seu próprio.

    Quando um homem nos olha, estamos de frente para nosso espelho e ali vemos como nossa natureza feminina se consome dentro de nós.

    Nos reconhecemos belas e femininas e gostamos da pele que nos cobre? Ter um olhar de veneração do nosso homem só enfatiza o universo que carregamos. O mesmo se dá ao sentido de desprezo que muitas mulheres têm por si mesmas e reverberam essa mensagem para aqueles que lhe dirigem olhares de escândalo ou insultos.

    Enquanto mulheres, nosso respeito e admiração não estão fora, mas dentro de nós, assim como os homens, onde sua masculinidade só pode ser reconhecida perante os olhos de uma mulher, e esse olhar também refletirá a forma como esse homem se vê.

    Excelente artigo!
    Abraço!

  • Danipolbr

    E quanto a (in)capacidade da mulher se renovar para seu marido, de propor coisas novas, de sair da rotina? Generalizando um pouco, percebo que as mulheres esperam demais dos homens, como se estes fossem os responsáveis por comandar tudo na vida, inclusive o relacionamento. Se ELE não leva ela pro motel, se ELE não leva ela pra jantar… porque ELAS não tomam a iniciativa tb?

    • http://twitter.com/lucasscharf Aleatório

      Eu adoraria que a minha namorada me levasse para um motel, ou mesmo aparecesse com alguma brincadeira nova, mas se ela não faz, o que eu devo fazer?
      Eu sou meio machista nesse ponto, mas eu acho que cabe ao homem essa responsabilidade de conduzir, de abrir os horizontes, de levar a sua parceira para um novo nível de erotismo. Eu vejo isso de uma forma mais ampla, não só na cama, cabe ao homem conduzir os rumos do relacionamento, se ele será bom ou ruim.

      • D.D.

        Acho q vc poderia começar mudando esse seu pensamento machista. A maioria das mulheres nao tomam iniativas por medo de ser repreendidas pelos parceiros, nem fazem mtas coisas na cama, pq sexo anal e gozada na cara por ex. são coisas vistas como “coisa de puta” ou então “só puta faz isso”. Então pra que ela faria alguma coisa se corre o risco de ser recriminada? Se vc conseguir com q ela tenha voz, q ela tenha iniciativa e fazer com q ela se sinta única provavelmente vc vai ser o mais beneficiado com isso.

    • Dalponte_g

      Danipolbr, seria tao mais facil se a mulher tomasse a atitude e levasse o homem, o seu proprio homem para um motel, para um restaurante, para um evento ou o que for, mas a questao nao eh que nao queremos tomar as redeas da situacao, ou ser assim ” se ele nao toma uma atitude quem vai tomar sou eu”, a questao eh, voces se negam, voces dizem nao. Sim eh isso mesmo, quando o homem nao toma nnhuma atitude eh porque ja nao olha a sua mulher com os mesmos olhos, ai como o Gitti citou, o toque e a atencao ficam restritos ao sexo, ele ja nao que mais a sua mulher, mas a mulher que seu homem e quando ela demonstra ele a impede. Ele a corta. Ele se nega. Ele olha com cara de desleixo e diz que nao ta afim, simplesmente nao te que. Se tomassemos as decisoes e os homens concordassem, nao reclamariamos de nada, nao iriamos bater fotos e por na intenet, ou fazer ou ensaio sensual, porque teriamos quem nos olhasse. Resumindo, quando chega nesse ponto eu defino assim, A MULHER TEM O DESEJO, o homem nao tem o desejo, portanto nao faz nada.Nem ao mesmo diz um sim.

      • Lil_john

        você poderia conjugar o verbo QUERER de forma correta não? fica um texto com aparencia de analfabeto funcional trocando o QUER por QUE.

    • Analiv

      Oi, Danipolbr

      Sou uma mulher assim, criativissima sexualmente, alegre, bom papo (não to me vendendo), alto astral, claro tenho meus dias de baixo astral, mas são raros, gosto de tramar surpresas para o homem com quem estou, mas ….
      Claro que eles dizem que gostam (um de cada vez, né? um em cada momento da minha vida), mas mesmo assim, sou solteira e alguns tem medo desse tipo de coisa, embora gostem, viu?? Só tive um relacionamento sério, tipo compromisso, o cara querendo ficar comigo, e tivemos até um filho lindo de 18 anos, mas a maioria é machista e escolhe alguém tradicional para casar e depois fica reclamando. Converso muito com homens, tanto que amei encontrar esse BLOG, para aprender mais como é ou está o pensamento de voces.

      Abraços,
      Amiga

      • Quebrado

        “criativissima sexualmente, alegre, bom papo, alto astral” + solteria = pagajosa, grudenta, carente, louca pra casar, na seca mais da metade do ano. Pronto, falei!

      • Anderson

        Desde que nasci tenho tentado limpar a imagem que a mulher têm de que “homem é tudo igual”, e você vem aqui e dá essa demonstração absolutamente perfeita do porque que eu devo desistir de tentar, meus parabéns. 

    • Bhya77

      Porque quase sempre as iniciativas são tomadas por nós!

      • Akatsu

        Só se for iniciativas de se tornarem prostitutas neh…

    • Juliana

      Porque se ela passa a fazer esse tipo de coisa o home se folga, não dá mais bola. A partir do momento que a mulher toma as redeas do relacionamento o homem vira um pastel inutil.

    • Toda vez que tomo iniciativa levo tombo do namorado. Quanto mais “pró-ativa” parece que menos ele me deseja… alguém me explica?

    • Mafiosa M

      Danilo, concordo em parte com o que disse, porém, no final das contas, é sempre a mulher quem tem as idéias mais criativas. Sou uma mulher que busca criatividade em tudo o que faz, mas quase nenhum homem corresponde, ele ainda diz “ah, querida, você é que tem as idéias mais criativas…” No fundo eles são uns preguiçosos, só querem uma mulherzinha pra trepar diariamente, que faça poucas perguntas e exija muito pouco. A distância entre os sexos só aumenta a cada década…

  • Deividi Leonel

    Excelente texto. Não podemos esquecer daquelas que são impulsionadas pelo próprio ego, aquelas que estão apenas disputando com outras mulheres (olhe pra mim, sou mais gostosa e bonita que você). Essa disputa feminina é feroz, e tão dura quanto o julgamento a que a maioria é submetida. A vaidade feminina ainda é o sentimento que mais as faz reféns, da sociedade ou delas próprias. Ainda há aquelas que simplesmente usam isso como uma possível ponte para algum sucesso pessoal ou alguma capa de revista… vai saber né!

  • http://twitter.com/crishonsou Cristiano Gonçalves

    Gitti,

    Parabéns pelo texto.

    “Mulheres são seres mais perspicazes que homens. Elas sabem do poder de seu próprio corpo. ” #Fato [2]

    Que continuem assim. A gente gosta e aprova.

  • http://twitter.com/luciancruz Nego↯ •

    Gitti, acho que você poderia falar também do futuro da sexualidade nesse contexto.
    Porque, de fato, há uma evolução gritante com o passar dos anos. Será que caminhamos para um
    futuro onde esses tabús da nudez serão derrubados?
    Abraço. Ótimo post.

  • Marcio

    Elas arrumaram boas desculpas para mostrar o corpo, e agora com o lingerie day, ou com os blogs que pedem fotos sensuais das mulheres, elas tentam ganhar algum dinheiro em cima disso, com os concursos que os blogs oferecem, sair em revista X, aparecer em uma matéria na revista Y…e particularmente eu dou mais valor ( na verdade não seria valor a palavra, acho que caberia mais a palavra crédito..enfim..) as mulheres que se exibem desde sempre, pq gostam de se sentir desejadas, sentem tesão nisso e tem coragem pra botar a cara sem precisar de nenhuma desculpa, do que para essas mulheres que arrumam 1001 desculpas para isso…a maioria das que estão por ai se exibindo a torto e a direito é por causa do bendito lingerie day, e por causa dos blogs e seus concursos

    • Thais

      Olha Marcio… Eu sou uma destas mulheres que gosta de sentir desejada, olhada pelos homens onde chega, gosto de usar roupas mais sexys ou ousadas, chamando a atenção. E chamo. Os homens olham, caem em cima, não dão sussego (e isso não é, necessáriamente, ruim). Mas é complicado porque o homem tem a visão machista de que a mulher que tem postura, usa um salto 15cm e roupa justa é menina da noite, mulher fácil, e não é bem assim. Mas é nossa cultura, como fomos educados nesta sociedade machista de que mulher ‘gostosa’ é pra pegar, mulher pra namorar, noivar, casar, enfim, são as ‘certinhas’, pelo menos aparentemente.
      Então o refúgio das mulheres que seriam julgadas e condenadas pela sociedade pós moderna, é recorrer ao anonimato, não deixando de ser ‘certinha’ e ainda assim, sendo olhada e desejada.

  • Rodolpho

    “Generalizando um pouco, percebo que as mulheres esperam demais dos homens, como se estes fossem os responsáveis por comandar tudo na vida”

    Não são responsáveis, mas são grandes colaboradores.
    Mulheres precisam de elogios tanto quanto os homens precisam, para se re-afirmarem Homem e Mulher. Ou, não me diga que os homens gostam quando suas mulheres elogiam o pinto de um outro cara? Ou simplesmente acham aquele outro cara mais másculo que você, etc? O mesmo as mulheres sentem ao ser comparadas as ‘gostosas’. Ou você acha que quando chamamos uma outra mulher de gostosa a nossa mulher não entra em conflito (consciente ou inconsciente) sobre a própria aparência?

    “Que continuem assim. A gente gosta e aprova. ”
    Gosta e aprova enquanto não é nossa mulher. Não sejamos hipócritas: sempre damos mais valor a aquela pessoa que está mostrando ao corpo do que a nossa parceira. Ou, por que você acha que ainda existe tanta vengagem da Playboy, inclusive para homens comprometidos?
    Temos muito mais facilidade em dizer “Aquela gostoooosa” para outra mulher do que para a nossa. Dá menos trabalho falar isso ou demonstrar isso quando é uma outra mulher do que fazer para a nossa. Simplicidade masculina.

    Embora, não seja motivo de se expor na internet.
    Pq essas mesmas mulheres que se expoem falam mal das putas? Tão agindo feito elas, e pior, sem motivo aparente.
    Quer se reafirmar? Bote uma roupa elegante e sensual, ajeite o cabelo e vá passear em um restaurante com as amigas. Serão notadas de forma e digna e muito mais efetiva, sem manchar sua moral ou a do marido.
    A questão é que as mulheres tentam ser tão vulgares quanto aquelas que os maridos estão olhando quase gozando. O que fazer? Dá um chute na bunda e procura alguém que te valorize, e não as bundas das outras.

  • http://www.reflexoesmasculinas.com.br/ Shâmtia Ayômide

    Um outro fator interessante é que o toque masculino é cada vez mais restrito ao sexo. O cara chega cansado, o cara não sabe dançar, não vai fazer uma massagem, não vai levar pra jantar, sentar ao lado e ficar acariciando…

    Sem dúvida, tem muito cara que por ter sido sacaneado, acaba indo para o lado extremo oposto do que ele era antes, acreditando que todo ritual de cortejo é “exigência absurda”. Certas coisas devem ser dosadas como o sal na comida, se faltar fica sem gosto, se por demais fica indigesto.

    • http://twitter.com/MuitoMorgadoLol MuitoMorgadoNowAgain

      Me encaixo aqui.

  • http://www.thiagoazza.me Thiago Andreazza

    A frase que destaco é “Às vezes uma webcam é mais macho que muito homem por aí.”
    Genial.
    Eu vejo isso tudo de forma mais simplificada.
    Passamos a vida toda, homens e mulheres, em busca de afirmação e alimento para o ego. A exposição na internet é apenas uma forma de confirmar coisas para si mesmo. A internet é apenas uma ferramenta encontrada para tal e com o plus de um desconto considerável na sensação de timidez.
    Já que essa exposição não está tão sujeita a grandes consequências. Pelo menos na minha opinião.
    Acho uma evolução natural, a medida que mais e mais pessoas vão aprendendo mais sobre as possibilidades da internet e se “socializando” mais dentro desse meio.

  • http://osexoeasmulheres.blogspot.com Deb.

    Gitti

    Bem importante essa discussão, parabéns.

    Gostei em especial da parte em você fala sobre a relação entre moralismo e liberdade sexual. É bem por aí. Acho que volta e meia caímos em algo na linha da velha lei de ação e reação… A postura “liberal” (ou exibicionista) adotada pelas mulheres muitas vezes não reflete o seu desejo real, mas apenas uma reação extremada aos moralismos que enfrentamos cotidianamente. Para ganhar um espaço, vamos além do que realmente desejamos fazer, como numa negociação salarial onde o funcionario reivindica 2X quando quer 1… sabendo que se pedir 1, obterá 1/2…

    O problema são as consequências negativas que essas “forçadas de barra” nos trazem.

    Mas acho que é um processo. Estamos aprendendo, estamos no caminho, na base da tentativa e erro…. e acertos.

    Beijo,
    Deb.

    (PS. – Discuti mais ou menos isso em um texto no meu blog isso 2 meses atrás. Se quiser dar uma olhada… http://osexoeasmulheres.blogspot.com/2010/09/errar-na-medida.html )

  • http://twitter.com/lucasscharf Aleatório

    Muito bom o texto, lembra parte da discussão feita no post do “Te como toda”.

    Sobre a questão de liberdade, isso me trás a mente uma conversa que eu tive com o pessoal do meu curso, atualmente está “tão na moda” ser homossexual ou bi, que se você for para um lugar e se declarar heterossexual, eles vão tratar você como uma anomalia (em um processo de inversões de papéis com o que nós víamos no início dos anos 90).

    Isso me trás a mente, será que essa fase de liberdade sexual, não está fazendo com que algumas pessoas se tornem escravas da libertinagem sexual?

  • Igor

    Isso é coisa de gente medíocre, que precisa dos olhos dos outros pra saber quem realmente é.
    Foi pra isso que as mulheres queimaram soutiens, para terem o direito de ficarem peladas na internet e mostrar a bunda na tv. Agora NÃO vemos passeatas nas ruas e protestos de mulheres reclamando o direito de ficar soterradas em minas de exploração de cobre no meio do deserto.

    • Anônimo

      “Foi pra isso que as mulheres queimaram soutiens, para terem o direito de ficarem peladas na internet”

      Ual já existia internet naquela época? Na verdade a queima se soutien nem aconteceu de fato, mas o intuito era JUSTAMENTE ir contra a beleza burra, a ditadura da imagem/beleza imposta a mulher. As mulheres lutaram pelo direito de votar, trabalhar em cargos que só eram destinados aos homens, ganhar salários dignos (até hoje homem ganha mais), pelo direito de não serem julgadas como puta porque saíram de um casamento falido, de não usarem um espartilho apertando suas costelas, de terem o direito de escolher casar com quem amam e não com quem seus pais acham melhor, entre outros.

      “NÃO vemos passeatas nas ruas e protestos de mulheres reclamando o direito de ficar soterradas em minas de exploração de cobre no meio do deserto.”

      Você já viu alguma passeata por coisa ruim? Quem quer ficar soterrado? Mulher não tem a força de um homem pra trabalhar numa mina, aliás ainda bem que não tinha nenhuma mulher soterrada no meio de um monte de homens presos por 2 meses provavelmente seria estuprada, pois é mais fraca.

      Muitas mulheres foram a guerra, trabalham na construção civil, puxando carroça de lixo, coisas pesadas e nada agradáveis, com uma agravante pois a maioria esmagadora das mulheres é que cuida dos filhos e da casa além de trabalhar.

      Você pode ter sua visão da exposição na internet, ok! Agora não misture as coisas.

      • http://twitter.com/MuitoMorgadoLol MuitoMorgadoNowAgain

        As mulheres querem só os direitos dos homens, não os deveres… legal né :D

  • http://twitter.com/rafzan rafael zanetti

    Git, toda vez que voce escrever algo brilhante, eu vou comentar que fico cada vez mais impressionado, como venho fazendo. Antes eu te julgava mal, que tinham cortado suas bolas ou algo do tipo, mas to vendo que “eu” dei uma amadurecida e to vendo situacoes de diversos angulos. Parabens.

  • Anônimo

    De fato esse exibicionismo pode acontecer por vários motivos, me fez refletir em minhas próprias ações. Nunca tirei foto de lingerie ou c/ menos que isso, mas já tirei fotos pra me exibir. to até agora tentando me lembrar o por que.

    Quanto a libertinagem atual, creio que seja uma retomada, na verdade a volta dos que não foram. Só olhar pra como era Roma e ver que a tal libertinagem é mais antiga do que se pensa. Isso foi reprimido na idade média (ocidente) e em alguns outros povos do oriente. Lembro de ler um texto que falava que o puritanismo do islã tem e muito origem no puritanismo ocidental (antigo).

    Com a internet o acesso fica mais fácil, ninguém iria tirar uma foto sensual e levar pro trabalho e falar, “olha eu”. A própria fotografia tomou outro rumo, no começo as pessoas tiravam fotos em poses retas com a melhor roupa que tivessem e em raras ocasiões, depois a poses ficaram descontraídas e em ocasiões do cotidiano, agora as pessoas tiram foto de todas as maneiras que se possa imaginar.

    A análise do Gustavo foi muito boa, mas por ele ser homem acho que deixou de ver que muitos homens estão se exibindo também, talvez como o autor disse por causa da necessidade de ser visto. Enfim, acho que é uma equação tão cheia de incógnitas que fica difícil achar uma resposta, mas é sempre bom refletir.

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Luiza,

      É que o texto surgiu no contexto das mulheres, mas enquanto eu editava surgiu também a ideia de escrever sobre o exibicionismo masculino. Vou pensar numa mulher pra falar disso.

      Se quiser, espaço aberto pra você.

      • Anônimo

        Minha pequena observação não daria um texto.

  • http://twitter.com/annebecker Anne Becker

    Excelente texto, e de cara ainda usou uma foto minha, haha.

    Acho também que a exibição, seja na internet ou fora dela, é uma forma de tentar ser mais livre. Nem sempre é porque a familia ou circulo social da moça é preconceituoso; meus pais por exemplo adoram minhas fotos, acompanham sempre, minha avó tem todas as revistas e reportagens que eu já saí guardadas com carinho em uma caixa e mostra pra todos. Meu namorado fala todos os dias que eu sou linda, não é como se eu precisasse chamar a atenção dele pra mim; uma vez que quando a atenção dele vai pra alguma outra, normalmente sou eu que mostro porque também gosto de mulheres. Aposto que existem tantas outras que podem se identificar comigo.

    Eu acho que a grande sacada mesmo são das que exibem sem mostrar o rosto, o nome… Ali sim tem um “grito de liberdade”. A propria garota tem preconceito com a exposição, consciente ou inconsciente. Por que não quer ser reconhecida? Por causa do trabalho, dos parentes, seja lá porque, mas ainda assim o preconceito maior é dela, que não consegue tacar um foda-se nos outros. Não a culpo (longe disso, apoio totalmente), com a sociedade que temos hoje em dia, ter consciencia da sexualidade ficou feio novamente.

    Depois de aaaanos de mulheres presas em vestidos longos, na época que mostrar o TORNOZELO era coisa de puta, em que os corsets não eram uma ferramenta sexual e sim de repressão e status (quanto mais apertado, mais significava que o marido tinha status, pois a mulher não fazia esforço algum em casa e era rodeada de criados, pois mal conseguia respirar direito), as mulheres conseguiram se livrar realmente dessa coisa de se mostrar = coisa de puta, só nos anos 40/50… E mais de 50 anos depois, ainda tem gente que pensa como se estivessemos em 1800. Fazer o que? Se as pessoas cuidassem mais da própria vida e menos da vida dos outros, talvez a coisa seria diferente.

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=100001153086236 Anelise Margotti de Carvalho

      Sou uma das que se identifica com esse tipo de atitude, porém acabei me podando para evitar “dores de cabeça”… Fiz um book de gravidez completamente nua e fui muito questionada em relação à isso, até mesmo por homens de “cabeça aberta”, e por isso resolvi não postar as fotos. Na verdade, não desejava me mostrar pra ninguém, o que queria mesmo era poder enxergar mais beleza nessa minha condição. As fotos ficaram maravilhosas e foi uma atitude mal interpretada na qual não me arrependo justamente pela idéia de liberdade que me proporcionou, exatamente como foi colocado por vc e pela cliente da revista Nude no texto. Precisamos sim tacar um foda-se, mas não só nos outros, mas nos preconceitos que são pré existentes dentro de nós mesmas!!!

      • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

        Bonito isso, Anelise, principalmente porque rola uma aversão com mulheres grávidas. Já ouvi alguns dizendo que curtem, outros reclamando que perderam o tesão completamente.

        Admiro também essa atitude de não causar confusão pra si mesma. Acho que isso é parte da liberdade e da subversão: se adequar aos padrões sociais por questões de convivência, sem se deixar oprimir ou ter sua potência e desejo diminuídos.

        Valeu pelo relato.

        Beijo.

  • http://pulse.yahoo.com/_FJVXJRUFRUCFZAYW3SPF5FE2VY Camila maria Galdino

    Parabéns amo o Phd, eu como mulher acho os homens muito complexos e aqui tiro um pouquinho das minhas muitas dúvidas. Quanto ao texto é por aí… o olhar como mulher, ser desejada é o que buscamos diariamente, discretamente ou não, virtualmente ou não é o que pedimos sem falar, ADMIREM-NOS!!!

    Sem mais, muito foda, todos os machos deveriam ter esse olhar Gitti.

    Bjos.
    Cacau…

  • http://www.facebook.com/people/Guilherme-Siega-M/1364461238 Guilherme Siega M

    “”Melhor ser desejada como puta do que não ser.”"

    Aí está o ponto Gitti…..por isso elas ficam se aparecendo tanto ultimamente :D

    acertou em cheio…na verdade, todos queremos ser desejados :D

    Mulheres um conselho pra vocês seria que estão deixando muitos homens frescos e tímidos

    com sua beleza….como pode uma mulher ser tão linda?
    Eu nao sei, mas sei que quero todas pra mim HAHA :D

  • http://osexoeasmulheres.blogspot.com Deb.

    É, essa foto da Anne Becker está bem mais bacana que a primeira. Boa troca. Ela merece. :-)

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Deb, eu escolhi aquela mais pelo registro mesmo, do primeiro Lingerie Day. E justamente por ter um aspecto mais roots, não tão acabado quanto essa mais recente.

      • http://osexoeasmulheres.blogspot.com Deb.

        Olhando por esse lado…. Volta a outra! rssss

  • Arthur

    caro Gitti, não acho que o lado positivo do MORALISMO E LIBERDADE SEXUAL seja tão positivo. Pode até fomentar sonhos e fetiches, mas a parte negativa é muito maior, a repressão que velhos costumes opressores causam nas mentes é para mim muito pior. Eu ja tive a oportunidade de morar em um país onde a a liberdade sexual é mais desligada da moral (Alemanha), e lá a galera não é tão ligada a esses valores coloniais. Lá também as mulheres não tem esse sex appeal daqui, mas pelo menos lá o sexo não é tabu algum, sendo perfeitamente aceita na sociedade.
    Aliás, acho que seria um tema legal pra um futuro artigo do PDH: a herança que a colonização deixou quanto aos nossos costumes sexuais/amorosos.

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Arthur,

      Tema anotado. Eu quero muito conhecer a Europa, viver um tempo lá e observar esses padrões. Não saberia dizer o quanto a repressão é problemática e o quanto ela gerou benefícios e dinâmicas maravilhosas que não surgiriam de outro modo. Só sei que gosto muito do ambiente brasileiro, mesmo com todos os problemas.

      Abração.

      • http://www.facebook.com/people/Maurison-Borba/100000000623977 Maurison Borba

        Gostei muito da dica do Arthur mesmo sendo bem complexa.

    • http://www.reflexoesmasculinas.com.br/ Shâmtia Ayômide

      A Alemanha moderna é uma grande bosta muticultural.

      Mas chegou a um ponto ridiculo que nem mesmo a primeira-ministra, a boçal Ângela Merkel, consegue mais negar a realidade triste da alemanha:

      Merkel diz que a sociedade multicural alemã falhou (17 outubro de 2010)

      A lei alemanha de repatriação atual é uma das mais cruéis com seus descedentes(podem verificar na web), diferente da Itália, em que para adquirir cidadania italiana basta apenas provar ascedência paterna.

      Os alemães e seu multiculturalismo mostram que adoram serem enrabados por Turcos, latinos e barbudos em geral. Enquanto que um descendete de alemão genuino não tem direito algum por lá.

  • http://twitter.com/bisinidem Larissa C.

    Texto maravilhoso, como sempre.
    Sempre acabo me sentindo bem menos bonita quando vejo essas mulheres lindas se exibindo na internet, apesar de serem comuns como eu.
    Ainda assim, prefiro explorar esse “poder” que tenho particularmente. Sei que se me expor dessa maneira, vou acabar arrependida, mesmo tendo muita vontade.

  • http://twitter.com/bisinidem Larissa C.

    E mais. Uma coisa que aprendi com vovó sempre que queria usar um decote mais forçado: a graça tá no mistério, em deixar o outro imaginar como é por dentro da roupa. Mostrar tudo de uma vez assim acaba com parte da diversão.

    • D1

      Concordo plenamente aki.

      Fica muito mais sensual e provocante uma mulher bem vestida do q a vulgaridade que se ve em alguns casos…

  • Analiv

    Oi, Gitii

    O cara, eu amei o seu artigo. A gente não sabe onde vai parar os rumos da sexualidade, por enquanto é só observar e viver cada um a sua.

    Ontem vi e ouvi uma entrevista em que uma atriz, famosa, jovem (uns 35 anos), bonita, namorando, quando lhe perguntaram: o que está faltando aos homens? – Ela respondeu: um pouco mais de sensibilidade. Concordo plenamente com ela.

    Abraços,
    Parabéns
    Ana

  • prof. Isa

    Tem as que se sentem desejadas e as que não tem vergonha na cara e vão mostrar a bunda pois é disso que gostam….fico imaginando daqui uns anos.. do jeito que está só falta mandar ver no meio da rua …esse é o mundo que queremos que nossos filhos e filhas crescam ..na internet só posso deixar meus filhos navegar com protetor de conteúdo senão é só bunda que apareçe ..quando náo é coisa pior …mas fazer o que ..se reclamamos disso que vimos todoso os dias inclusive em horario nobre na tv somos os machistas.
    A mídia aproveita da soma mulher que quer aparecer + interesse da empresa = mais uma bunda exposta. Depois quando falam que aqui é o país da bunda onde a prostituição cresce a cada dia os (as) falsos moralistas e feministas acham ruim….pq não combatem essa exposição espontanea ao invés de ficar criticando quando um homem e até uma mulher quando falam a respeito?

    • Igor

      “..fico imaginando daqui uns anos..”
      Pode ter certeza que vai ser pior do que o que você tá imaginando. E sabe de uma coisa? Os jovens modernos do amanhã vão nos chamar de caretas por esse carnaval todo de hoje.
      “Não sei como será a terceira guerra mundial, mas a quarta será à paus e pedras” Albert Einstein.

  • Igor

    Não entendo por que tem gente que ainda diz “os homens não são mais “como antigamente”, não puxam mais a cadeira para a mulher se sentar, não abrem mais a porta do carro…).
    Na minha opinião haveriam muito mais homens “como antigamente” se ainda existissem mulheres “como antigamente”.

    • Anônimo

      O que seria uma mulher como antigamente?

      • http://www.reflexoesmasculinas.com.br/ Shâmtia Ayômide

        Havia mais respeito e menos narcisismo. Qualquer filme da década de 40 retrata bem isso, basta ver algo tipo “Inimigos Públicos”.

        Mas se quer um exemplo fora das telas pesquise sobre a Marcha Da Familia com Deus pela Família, reuniu meio milhão de pessoas, organizado por donas de casa. Essas mulheres foram uma das pedras fundamentais que salvaram o pais do flagelo comunista em 64.

        Mas quando as mulheres estão contra o comunismo as feministas não dizem nada não é mesmo?

        Realizar tal feito e unir tantas pessoas para salvar o país, hoje é algo demais para essas moderninhas, é como pedir para as pessoas de hoje que refaçam as pirâmides do Egito. Hoje elas se envolvem em causas “light”, politicamente corretas e menos arriscadas como “ecologismo”, “multiculturalismo”, e também reivindicarem cargos gerenciais e empregos “moleza” como os públicos, a titulo de igualdade. Reivindicar igual número em trabalhos como daqueles mineiros do Chile, nada né?

        Mas se quer exemplo individual(citei algo coletivo), pesquise sobre Erin Pizzey, foi uma das primeiras mulheres a criar lares para abrigar mulheres abandonadas, viúvas e vitimas da violência doméstica. Quando surgiu o movimento feminista ela foi convidada a conhecer a coisa, chegando lá foi recebida com panfletos marxistas e maoístas, então se afastou das feministas. Tempo depois quando Erin Pizzey lançou o seu livro com suas experiências, foi perseguida pelas feministas, por ter se recusado a politizar o livro(leia-se tingi-lo com marxismo cultural).

      • Luizagcn

        Respeito a que mesmo?

        “Mas se quer um exemplo fora das telas pesquise sobre a Marcha Da Familia com Deus pela Família, reuniu meio milhão de pessoas, organizado por donas de casa. Essas mulheres foram uma das pedras fundamentais que salvaram o pais do flagelo comunista em 64.”

        Pesquisei e achei muito engraçado, foi um repúdio as declarações de João Goulart sobre as reformas de bases, a meu ver, uma política muito justa que até hoje tem sido proposta. Você é contra as reformas de base?

        Essas mulheres foram enganadas, muitas pessoas que participaram dessa marcha achavam que tinha um fim puramente religioso, e até era pois o comunismo é contra religião, mas não totalmente nem principalmente. Foi só uma liderança com interesses que mobilizou uma massa, isso mesmo, massa não povo.

        O comunismo é utópico, pois a sociedade não é individualista e não pensa em um bem comum antes do seu próprio. Aí acaba virando esse pseudo-socialismo que vemos por aí, onde acaba acontecendo divisão de classes sim governoXsociedade. Não vejo comunismo como flagelo, por que você vê? China, Cuba, Koreia, isso não é comunismo, nunca será e nunca vai ser. (não sou comunista, ok)

        “Mas quando as mulheres estão contra o comunismo as feministas não dizem nada não é mesmo?”

        Claro, pois para ser feminista não precisa ser comunista.

        Sobre políticas corretas, oras do que o mundo precisa hoje? Que tipo de marcha? A apatia com relação a reivindicação de seus direitos acontece na sociedade, não apenas com as mulheres.

        Erin Pizzey, você gosta de citar esse exemplo né? Como disse, nem toda feminista é comunista, talvez muitas fossem pois procuravam se informar (coisa que as da marcha não fizeram), e acabaram por adotar esse sistema politico como bandeira, pois é até bonito na teoria, hoje sabemos que não prática não funciona, mas naquela época não era tão fácil de ver. Erin Pizzey conseguiu enxergar isso, mas não deixou de ser feminista, feminista é isso não deixar que a mulher seja objeto de interesse dos homens.

        “reivindicarem cargos gerenciais e empregos “moleza” como os públicos, a titulo de igualdade. Reivindicar igual número em trabalhos como daqueles mineiros do Chile, nada né?”

        Você acha que as mulheres conseguiriam trabalhar numa mina? Você reivindicaria isso? As mulheres durante a revolução industrial, assim como as crianças, trabalhava pesado sim e ganhavam menos que os homens por isso. As mulheres reivindicaram cargos gerenciais pois eram consideram incapazes de conseguir, e elas sabiam que eram capazes. Não sei as outras mulheres mas eu com 1,57 m e 47Kg sou incapaz de trabalhar numa mina e além disso tenho conhecimento suficiente pra não precisar disso. Mas as mulheres também quiseram o direito de lutar na guerra por exemplo, a meu ver, pior que a mina. Outro fato é que minas ficam em áreas rurais, o movimento feminista era a principio urbano, ou seja outra realidade. Pode até ser que alguma mulher queira deixar de trabalhar em casa pra ir na mina.

        Agora, você escreveu um monte de coisas, mas não esclareceu o que é uma mulher de antigamente.

      • Luizagcn

        Faltou comentar o seguinte, os homens que gostam de falar mal das feministas baseiam sua críticas nas diferenças atuais entre homens e mulheres ocidentais, trabalhistas e morais (mulher não pode ficar com muitos homens), sendo que a luta feminista envolve muitas outras coisas, por exemplo:

        -direitos contratuais e de propriedade
        - direito ao voto
        - a escolher seu parceiro, não de ser escolhida por ele e seu pai aceitar pois é de interesse econômico
        - direito de recusar a fazer sexo com seu marido se não tiver vontade
        - direito a estudar e continuar seus estudos
        - contra a beleza burra e a ditadura da imagem (por isso muitas eram vista como feias e mal amadas)
        - direito ao divórcio, entre outros.

        Há debates internos entre feministas. O chamado feminismo da diferença, que defende que há importantes diferenças entre os sexos, enquanto outras vertentes creem não haver diferenças inerentes entre homens e mulheres defendendo que os papéis atribuídos a cada gênero seriam socialmente condicionados.

        A diferença ainda acontece no mundo, em alguns países ainda não pode estudar, dirigir, viajar sem autorização do marido, sair sem seu rosto coberto, não tem direito a cidadania, olha esse link representa bem:

        http://comoganharfollowersnotwitter.blogspot.com/2010/10/os-10-mais-extremos-exemplos-de.html

      • Quebrado

        O que seria uma mulher como antigamente?
        Resp: Qualquer mulher nascida nos séculos XIX, XVIII, XVII, XVI, XV…

    • Dine

      O que seria uma mulher como antigamente? (2)

      • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

        hahah Coitado. Eu não queria ter de responder essa pergunta… Mas quem mandou levantar a bola, né?

  • Anônimo

    Não canso de dizer o quanto eu gosto dos seus textos, Gitti!
    Mas nem sei por onde começar a comentar. haha

    Pra não ser repetitiva ao que todo mundo já expôs muito bem sobre um assunto que já sabemos que é um paradoxo e ninguém sabe aonde vai dar hehehe, vou direto na minha inquietação (e provavelmente de muitas, senão todas as mulheres)

    A minha maior interrogação veio daqui:
    “Um outro fator interessante é que o toque masculino é cada vez mais restrito ao sexo. O cara chega cansado, o cara não sabe dançar, não vai fazer uma massagem, não vai levar pra jantar, sentar ao lado e ficar acariciando…”

    Gitti, seria possível você explorar mais essa parte? Óbvio que não espero um tratado sócio-antropo-filosófico do comportamento masculino. Mas o mais perto que você puder chegar de um, agradeço! hahaha É falta de sensibilidade? É passividade/preguiça? É sentimento de inferioridade? Todas as anteriores? Nenhuma das anteriores?

    É simplesmente absurdo pensar/ver/sentir que mulheres de verdade não sejam acariciadas, admiradas, desejadas, ouvidas, percebidas o quanto merecem. Acho que não precisa ser só mulher pra lamentar isso.
    Tem homem que responde com “ah, mas a mulher também tem que tomar iniciativa!”. Correto, mas por isso que eu escrevi ali em cima “mulheres de verdade”, isto é, mulheres, todas elas, cada uma delas, com sua beleza+atitude+inteligência únicos. No sexo elas se aventuram, inovam, exploram o parceiro, no dia-a-dia dão atenção, amor, carinho, conselho, ajuda, sugerem passeios, viagens ou simplesmente qual pasta de dente comprar, enquanto mantém ainda sua saúde e beleza em dia (pelo fato de ser saudável e bom).
    Mas parece que o parceiro, namorado, marido não reagem a nada disso. E não é pura exigência fora dos padrões feminina já que vários homens nesse post repararam que de fato… Os homens não estão lá!

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Louise,

      Sobre o lance do toque, acho que não é um obstáculo apenas dos homens. Muitas mulheres acabam se fechando também. A falta de consciência corporal e o abandono do corpo é uma doença que afeta nós todos. Em geral, nosso corpo é apático, nossa respiração é curta, nossos sentidos são bem obstruídos e nosso senso estético é quase nulo. Não temos brilho no olho, não conseguimos abrir os ouvidos, parar, respirar fundo. Fazemos isso de vez em nunca e muitos precisam de drogas pra relaxar assim.

      O abandono do corpo se mostra também na visão de que o corpo é uma coisa e a mente é outra. Ou seja, na fixação com academia, com alimentação, com cirurgias plásticas etc. E também na ideia de pensar o toque como sendo exclusivamente algo ligado à massagem, como se um leigo não pudesse tocar.

      Ou seja, pensamos tão pouco no toque que quando tocamos alguém é pra transar ou fazer massagem. E pior: muitos não fazem massagem apenas porque “não sabem” ou nunca fizeram curso.

      A falta de toque num relacionamento é efeito disso tudo. Não adianta achar culpados. O lance é retomarmos o contato com nosso próprio corpo. Se for pra academia, não se preocupar com músculos, mas curtir como cada músculo se torna mais vivo, como a respiração é essencial para fazer a energia circular. Se for pra um esporte, a mesma coisa. Se for pra dança de salão, tai chi, curso de massagem, um dia de trilha numa montanha… não importa, o lance é focar nessa integração entre corpo e mente.

      Com isso as relações mudam. Você passa a tocar mais, a ter um olho mais aberto, mais preciso, sem piscar tanto, sem tiques, sem tanta ansiedade, sem tanta distração. A qualidade da nossa presença em corpo, fala e mente no mundo faz TODA a diferença nas relações.

      E isso certamente você sabe. Estou só levantando os pontos, como pediu.

      Beijo.

  • http://papodehomem.com.br/ Gus Fune

    Esse é um daqueles textos fodásticos do Gitti em que as fotos acabam atrapalhando a concentração na leitura.

  • Julio

    Devia se discutir aqui também até que ponto toda essa exposição não vai deixar sequelas na confiança dos homens em relação as mulheres.

    Seria tão bom se todo esse exibicionismo viesse junto com respeito ao companheiro(a)… mas a realidade é nua e crua… não há mais RESPEITO tanto por parte do homem quando por parte das mulheres.

    E o que menos se discute em textos polêmicos como esse é o RESPEITO um pelo outro.

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Julio,

      Eu acho engraçado isso porque eu vejo respeito para todos os lugares que olho. Sou respeitado até muito mais do que respeito, pra falar a verdade.

      E vejo respeito nas mulheres que tiram a roupa também. Não vejo isso como um desrespeito ou algo errado. E vejo respeito no cara que, ao olhar uma bunda oferecida na foto, diz: “Eu te comia fácil”.

      Mas olhando mais atentamente entendo que há todo um mundo de desrespeito e ignorância por aí, sim. Só não sei o que isso tem a ver com a exposição feminina.

      Para mim a fonte do desrespeito vem de uma base muito mais profunda do que esse âmbito sexual. Vem da mesma cegueira que causa violência, guerra, discriminação, agressão verbal, raiva, ódio, aversão e assim por diante.

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Julio,

      Eu acho engraçado isso porque eu vejo respeito para todos os lugares que olho. Sou respeitado até muito mais do que respeito, pra falar a verdade.

      E vejo respeito nas mulheres que tiram a roupa também. Não vejo isso como um desrespeito ou algo errado. E vejo respeito no cara que, ao olhar uma bunda oferecida na foto, diz: “Eu te comia fácil”.

      Mas olhando mais atentamente entendo que há todo um mundo de desrespeito e ignorância por aí, sim. Só não sei o que isso tem a ver com a exposição feminina.

      Para mim a fonte do desrespeito vem de uma base muito mais profunda do que esse âmbito sexual. Vem da mesma cegueira que causa violência, guerra, discriminação, agressão verbal, raiva, ódio, aversão e assim por diante.

  • Cesar Nic

    Cara, realmente muito interessante a forma como vc abordou o tema.Essa necessidade da mulher em ser desejada, de se sentir atraente.Eu acho que tem até muito a ver com o tema publicado recentemente aqui no pdh sobre o ego.Eu acho que as pessoas, principalmente as mulheres, tem que viver mais para si do que para os outros, as pessoas sao muito dependentes do outro, da critica, opiniao, aprovação… e acabam se limitando as vezes pela estética.A ponto de uma pessoa ser conhecida apenas pelo tamanho da sua bunda.

  • Cesar Nic

    Cara, realmente muito interessante a forma como vc abordou o tema.Essa necessidade da mulher em ser desejada, de se sentir atraente.Eu acho que tem até muito a ver com o tema publicado recentemente aqui no pdh sobre o ego.Eu acho que as pessoas, principalmente as mulheres, tem que viver mais para si do que para os outros, as pessoas sao muito dependentes do outro, da critica, opiniao, aprovação… e acabam se limitando as vezes pela estética.A ponto de uma pessoa ser conhecida apenas pelo tamanho da sua bunda.

  • Bhya77

    Porque quase sempre as iniciativas são tomadas por nós!

  • Gabriel Serpa

    Esses putos escrevem muito bem…

  • http://discordando-do-mundo.blogspot.com Leonardo Xavier

    Eu acho que me pareceu uma versão mais humana do exibicionismo, eu acho que nunca tinha parado para analisar essa questão com mais profundidade.

  • Leone

    Mando bem! O texto ficou muito bom e acho que você articulou com destreza sobre o tema.
    Eu não sou a favor desse exibicionismo. Sou novo, mas admito ser caretão por várias vezes. Prefiro o tipo “santa na rua e puta na cama”,
    mas vejo que vai muito de cada mulher, do que ela sente, do que quer sentir fazendo este tipo de coisa.
    Sou contra por valores próprios, mas nem por isso recrimino tal ato. É escolha de cada uma.
    Pensando com a cabeça um pouco mais aberta, eu me arriscaria a dizer que esta é uma nova forma de prazer que as mulheres e os homens (adeptos à prática) encontraram. Acho que o importante é que o prazer seja alcançado, com respeito, claro.

    Abraxx!

  • Thiago Ribeiro

    Achei sempre negativa essa exibição meio sem sentido, em busca de atenção.. Parecendo uma criança que faz de tudo para ser notada, Mulheres deviam depender menos dos olhares externos. Afinal beleza é totalmente (ou quase) Subjetiva, cada um tem seu modo e jeito, Buscar a Auto-Estima dentro de si, já seria um grande começo.

    Abraços, Mulheres são Lindas de toda Forma ;)

    • Anita Ximenes

      Ei, Thiago!

      Você parece fazer parte daquele grupo que se assusta com o que é novo. Vincular conceitos ao que já conhecemos traz mais segurança, não é?!

      Esse ‘exibicionismo’ todo, trata-se de um simples processo natural de evolução e modificação dos costumes. Quebra de paradigmas! Deliciosamente ilustrado pelo Gitti.

      Vivemos um momento de ruptura, em que aspectos básicos estão sendo reformulados. Esse processo de mudança não é tão visível assim, há muito de sutileza, pois o que ocorre hoje se confunde com a evolução que existe em todas as épocas, e só se tornará evidente mesmo, quando todo esse processo for concluído.

      Acredito que logo assistiremos (ou seremos) casais ligados por laços afetivos (digo até familiar) o que não impedirá uma vida amorosa (e satisfatória) com outras pessoas.

      Aí estaremos diante da mais importante mudança na vida amorosa das pessoas desde a revolução sexual.

      Escolhas, vontades, autonomia = nova forma de viver, de sentir, de experimentar.

      Vamos nessa?!

      • Thiago Ribeiro

        Claro que vou.
        Pelo que li, você não entendeu.. Sou 100% a favor da Liberdade, autonomia Feminina.
        So defendo que as mulheres devem buscar a Liberdade dentro de Si, que assim ninguém tira.
        Mas cá entre nós.. Quando nos Exibimos, chamanos atenção. obviamente queremos ser Notados,Percebidos.
        É justamente isso que está errado, que esta auto-afirmação, ela é realmente necessaria? Ou apenas um Up no Ego pra recuperar a Auto-estima.
        Seja como for, Seja feliz como é.. Independente de Ser ou não notado, Isso pra mim é Liberdade. Ser Feliz independente dos Outros. ;)

  • Loira de 30

    Ai, se fosse a alguns meses atrás, diria q não concordaria mas tirei fotos sensuais para o meu marido e ele amou, mandamos juntos para um blog (sem rosto), achei uma delícia. Sou casada a mais de 10 anos,estou com 30 anos e 2 filhos, com reeducação alimentar e 8 meses de academia estou com meu corpo lindo novamente! Tirar as fotos melhorou minha auto-estima ! Mesmo não sendo uma adolescente com tudo em cima, sou uma mulher com tudo em cima !!! Gitti parabéns!!!

    • Cazzobrasilia

      Pô.. qual blog??? compartilha aí…

  • Gfalcao88

    Bom, a minha opinião é a seguinte: “Cada um faz o que quer da sua vida, com a sua imagem e com o seu corpo”, pra mim mulheres que se exibem na Internet não são nem um pingo interessantes, eu não tenho a minima vontade de conhecer ou de comer. E acredito que todo homem como eu pense o mesmo. Se elas estão em busca de atenção ou não, acredito que isso afaste mais ainda os olhares dos homens que realmente são interessantes, tem muito homem com auto-estima baixa por ai, que não tem o mínimo de auto-confiança e acaba “aplaudindo”, “reverenciando” esse tipo de atitude das mulheres. Concordo com os comentários feitos aqui também de que em um relacionamento não é só o homem que deve tomar as rédeas das situações e sempre tentar satisfazer sua mulher, por que caso contrário ela vai colocar uma lingieri bem atraente, tirar fotos escondida de vc e postar em algum site de relacionamento que vc desconheça, pra mim isso é ser puta, se quiser se exibir na internet dessa forma, que vá mais longe de mim, longe de qualquer homem que se respeite,a mulher tem que fazer de tudo pra não perder o seu homem também, estimular o tesão nele, caso contrário arrumamos outra, comemos outras, que se de ao valor, pra mim a beleza da mulher se esconde justamente no mistério que ela faz para revelar isso, o caminho que vc tem a seguir a ter que ela se entregue realmente a vc, isso sim é mulher de vdd e não esse BANDO DE PUTA QUE KER ATENÇÃO E FIKA POSANDO NA INTERNET, UM BANDO DE OTÁRIO VOCÊS QUE DÃO MORAL AINDA. E ainda depois elas reclamam que homem é tudo cachorro, mais claro que é, vocês são um bando de puta, tem que come mesmo e já era, eu JAMAIS me envolveria com uma mulher desse tipo.

    Gostei muito do documentário que eu vi do MC.CATRA aqui.

    - Quem sente ciúmes de mulher é afeminado, temos a capacidade de amar várias mulheres.
    - Se for pra dar moral que seja para um mulher interessante de verdade, gostosa mesmo, uma mulher que dificilmente revelará tão facilmente toda a essência de seu ser.

    Falo

    Pra mim naum tinha nem que postar esse tópico, tem que reprender mesmo, bando de puta.

    • http://www.porramitologia.tumblr.com/ Phreddie

      Espero sinceramente que esse seu 88 no nick seja a sua idade de nascimento.
      Se não for… bem, já explica o comportamento retrógrado e limitado.

      A propósito, deixo a pergunta: desde quando ‘ser puta’ é ruim? Aliás, o que é ser puta?

      Abraços.

      100+ 8)

  • Convidado

    “Sou contra o excesso de psicologização e cientifização da sexualidade…” seguido de dez parágrafos psicologizando huashuashuasuhashuas

    GITTI, você gosta de psicologização sim e teus leitores também (e todo mundo que costuma criticar a psicologização também parece gostar)!

    Tem pra que negar?

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Pena que muitas boas críticas vem de pessoas que não se identificam.

      Não é legal como a maioria das coisas que criticamos (agora me refiro à psicologização) é exatamente o que sempre fazemos? Nunca me canso de observar isso, principalmente em mim.

      • Anderson

        Então você é contra o que é essencialmente, o seu trabalho. Interessante.

  • Anônimo

    Libertinagem é um conceito criado à partir da proibição,índio não acha libertinagem mulher com seio de fora, é uma questão de conceito. Pra mim puta é quem vende seu corpo por dinheiro, aliás tem muita mulher casada recatada que aguenta marido por dinheiro, pra mim não difere de garotas de programa.

    O mundo é engraçado, um filme em que pessoas são mortas tem censura para 14 anos, um filme em que aparece mulher pelada 16 se tiver sexo 18. Matar é mais certo que procriar. Até repreensão é mais correto.

    Só pra deixar claro, nunca tirei foto de lingerie e web cam me irrita.

    • http://discordando-do-mundo.blogspot.com Leonardo Xavier

      Luiza, eu concordo com você quanto a questão da libertinagem ser questão de conceito e eu diria até que depende muito do contexto social, do individuo, etc. E eu acho bem pertinente essa crítica que você fez as classificações etárias do filmes. Eu acho que dependendo de como as cenas de sexo se passam nos filmes, elas podem ser tão naturais quanto apresentar o personagem comendo biscoito ou conversando.

    • http://www.reflexoesmasculinas.com.br/ Shâmtia Ayômide

      Segunda dama com que concordo no pdh.

      Existe uns relatos raros de encontrar, mas bem interessantes, de sheiks islâmicos sobre os islâmicos africanos, o islã é rigoroso com a questão do vestuário, mas a cultura africana era tão acostumada não ver nudez como violação, que ao parece foram necessários séculos de influência islâmica para que eles começassem a cobrir as mulheres. Os tais sheiks(não lembro se era 1 ou vários) viveram na época em que africanas andavam com os seios de fora.

  • Lisiel

    Penso que essas mulheres querem mostrar que elas também podem ser tão gostosas quanto aquelas que seus parceiros, pretendentes e afins, ficam desejando. Para boa parte das mulheres, basta a pose, o ângulo e a luz certa para ficarem tão gostosonas quanto as outras.
    é uma satisfação do ego mesmo… que eu não acho nem um pouco ruim.

  • http://twitter.com/hcalves Henrique C. Alves

    Sem complicar muito vai…

    Tá no script. A mulher investe uma energia absurda (salão, roupas, eventos, sair em bando) com o objetivo de ser notada. É bastante claro que isso é uma convenção social, já que em algumas culturas é o homem quem se enfeita e se exibe, mas por aqui (ainda) parece ser papel da mulher.

    Acho que não cabe dizer que a mulher entra numa piração de “querer ser puta”… acho que é forçar muito a barra. Exibir-se é o jeito da mulher ver-se no poder. O que nada tem a ver com a puta, porque a puta não está no poder e está lá para ser usada num gozo rápido.

    Poder exibir-se do conforto do lar com uma webcam então, só facilita. Sendo a mulher criada como um ser dependente de atenção, e homem criado como um macaco para bater palma a qualquer estímulo, ser capaz de exibir-se para milhares é uma injeção de auto-estima.

    Atire a primeira pedra quem nunca viu uma amiguinha do colégio se abrindo toda pelo visor de uma câmera… ;)

  • http://twitter.com/patcerq Patricia Cerqueira

    Sinceramente? Acho que é uma maneira da mulher se adaptar e se firmar na sociedade atual e não para “uso” exclusivo aos homens.
    Experimente : Fique uma hora com a TV ligada , depois mais 1 hora anotando as publicidades que normalmente se vê na rua , outra hora folheando as principais revistas e observe as pessoas nas ruas. Anote todas as imagens vistas, faça uma comparação e veja o que existe de comum entre elas . Perceba que o tempo todo , de forma passiva , a imagem da mulher feminina está diretamente associada a magreza extrema, beleza de alto investimento e perfeição estética( não é nada barato ficar bonita hoje em dia , mesmo com o acesso aparentemente facilitado) numa atitude arrogante de seletividade diretamente associada ao poder, admiração,conquista e felicidade. Imagina 24horas recebendo isto tudo diariamente. Assim como a covardia está se tornando natural, posso concluí que há tempos estamos mais desamparados em todos os sentidos, incluo os homens também.
    Neste caso, as mulheres , tenho a sensação de que se expõem na primeira oportunidade não pela descoberta da própria sensualidade ou mesmo uma maneira de encarar a sexualidade com mais compreensão e interesse, mas uma triste submissão e , mais uma vez, uma forma de se auto-afirmar na sociedade. Se assim não o fosse, por que tanta insatisfação generalizada com a própria imagem ao ponto de se anular completamente em prol de ideais irreais, sem se importar com a violenta agressão ao próprio corpo e mente? Afinal tempos uma liberdade que não sabemos gerenciar por justamente achar natural a anulação para sobreviver. Eis, creio, que seja mais uma razão também para tantas agressões físicas e maior competição entre as mulheres. Uma perda de tempo numa causa infeliz.
    Temos tantos espaços para divulgar idéias, informações e assuntos interessantes, mas por que só se reconhece o talento feminino nas “frutas & vegetais” ? Sinto falta de outras referências e estou cansada de tanta “feira”, cujo preço é a crescente insatisfação geradora de grandiosa intolerância e o caminho mais rápido para a discriminação entre os sexos.

  • André

    alguém sabe quem é a garota da imagem do post? mandem aew!!!!
    abrasss

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      André, todos os nomes estão nas legendas.

  • HZ

    porra! Faltou a @GI_DE_GISELE
    Gisele Ferran a nova musa do cinema underground, muto gostosa e simpática!

  • Paty

    Aiai…tempos modernos…não sei mais o que fazer…as pessoas estão cada vez mais descartáveis, deve ser por isso um dos motivos de tanta exposição. Hoje o olhar encaminha as pessoas, seja lá onde isso vai dar. Ninguém quer saber de conversa, ninguém quer saber de carinho não sexual. Só pensam no fim sem querer passar pelo início e meio. Não me exponho dessa maneira por achar que isso seria uma tentativa desesperadora por atenção. Prefiro cativar as pessoas pela conversa, pelos interesses afins, pelo humor. É mais gratificante, mais gostoso, mais renovador.

  • Felipesc Andre

    Discordo de algumas partes do texto. O texto foi escrito como se a culpa fosse sempre do homem. Como se o homem fosse o pai, uma figura responsável e comandante e a mulher fosse uma menina de 3 anos de idade sem responsabilidade nenhuma. Aí se o pai não dá atenção pra filha ela irar se exibir (fazer traquinagens) em outro local. Se o pai não dá atenção integral a menina vai fazer bagunça na casa do vizinho ou na rua.
    O fato do marido diminui o desejo e o olhar para a esposa é algo totalmente falho. O Gustavo Gitti insistir em ver tudo pela ótica emocional feminina, justificando e filosofando, tentando colocar algo racional em um ato puramente emocional e egoístico e deturbando o que de fato acontece. O que ocorre na verdade e exatamente o contrário a mulher quando casa vai perdendo a cada ano e mês o desejo sexual pelo marido. Cada vez vai negando sexo, inventando desculpas. Ela faz isso pq já conquistou o que queria: um provedor. Começa a achar que o marido só pensa em sexo, começa a sentir nojo das investidas frequentes do marido. Se torna uma chata, briga com qualquer coisa. A negação constante de sexo, as ofensas e brigas, afasta o marido que fica ressentido dos foras e nnegação constante de sexo. Ele agora só busca a esposa quando a vontade está muito grande, ele aarrisca que possa conseguir algo. Com a mulher se tornou agressiva ele não é mais carinhoso, é um hhomem ofendido e ferido. Agora vamos analisar o ponto de vista feminino. A mulher quando jovem e bonita e elogiada e cortejada em todos locais que ela vá. Quando casa isso continua no trabalho e na faculdade. Ela usa isso tbem pra fazer ciúmes para o marido ou namorado. Com o tempo ela vai perdendo a beleza e tenta compensar isso indo pra academia ou se expondo mais o corpo na tentativa de manter os homens olhando pra ela e a cortejando e enchendo seu ego. Então essa exibição de fotos e vídeos na internet é somente uma tentativa de manter ou aumentar o número de enchedores de ego e assim deixar a auto-estima da mulher pra cima. Como saber a mulher possui tendência a ter depressão, enquanto ela manter o ego inflado e auto-estima elevada ela tentará se manter longe do tédio e da rotina e da depressão, como crianças que ficam emburradas quando não tem nada pra brincar.

  • Wanderson

    Bom,na minha humilde opinião de estrume,a exibição da mulher vai de acordo com a crescente independência feminina nos dias de hoje e não só na questão da tecnologia em si que daria outro artigo,acho eu.
    A emancipação feminina é um fenômeno novo que nossa geração atual tenta se adaptar,tirando bom proveito ou não,tanto do lado masculino como no feminino.O que vejo nas ruas reais e virtuais é que as mulheres estão tentando se adaptar a essa nova realidade,algumas com êxito,outras não,demonstrando que há um certo limite para tudo,algumas mulheres sabem muito bem explorar sua feminilidade sendo “sexies” sem serem vulgares,já outras são um desastre total,sendo escravas de um mar de estereótipos que ainda existem por aí ou vítimas de sua própria falta de bom senso.
    Creio que ainda estamos caminhando para o verdadeiro benefício que a emancipação sexual feminina dará ao ocidente pois ainda falta muito para que nossas mulheres possam se declarar realmente não submissas e nem putas e que o machismo seja realmente amenizado em nossa sociedade.

  • Ere Magalhaes

    Sobre o exibicionismo, feminino, seria mais uma forma de aprisionar o olhar masculino, sabendo que o mesmo dificilmente poderá tocá-la.
    Ou até mesmo uma forma de libertação e proteção para observar as reações alheias, sem precisar estar cara-a-cara com aquele homem que lhe diria: “Te Como Toda”.

    Até onde homens e mulheres são levados a isso? Por que há tabu ao falar de sexo, e não há em relação à pornografia. Onde o ego, e suas pequenas “infladas” nos levam?

    A preferencia pelo voyeurismo ultrapassa o desejo sexual? A mulher é puta apenas por ter desejos, ou se exibir?

    Termino tudo isso com um trecho de outro texto do Gitti.
    Entre política e religião, prefira sexo.

  • Mari

    Tirando o foco da internet, eu me mostro também, mas no dia-a-dia.Com aquele decote mais profundo, com aquela jogada de cabelo, com o cruzar de pernas e porque isso?Pra provocar.E nesses atos está sim a vontade de chamar a atenção, o olhar do masculino, mas mais que isso, eu diria até que o foco é poder brincar, fazer um jogo de sedução com o homem que me olha.Porque é gostoso saber que o “bobo” cai no meu jogo, que posso conseguir o que quero dele fácil, porque meu ego vai lá em cima e minha alto-estima tbm.
    Porque no meu caso vou na academia?Além de outros fatores,gosto de me sentir sexy e com isso vou agradar e chamar atenção dos homens e consequentemente jogar com eles, provocar, como já disse ali em cima.
    Aí me pego em dúvida: o fato de querer o olhar masculino seria uma conduta condicionada e machista?Mas e o fato de eu ter consciencia de que eu QUERO este olhar e que faço isso de propósito, porque eu gosto de provocar seria uma conduta lúdica, sem cegueira?Ou essa situação não tem nada a ver com o que está sendo falado aqui??
    E ai????
    O que seria uma mulher se mostrar por vontade própria??

  • Luana_sbezerra

    Essa é uma questão realmente muito delicada,e mais que isso muito subjetiva.
    Li todos os comentários e concordei com vários deles, mas o detalhe é que alguns são a favor do exibicionismo e outros totalmente contra…
    Chego a conclusão de que na realidade o que importa é a maneira como as coisas são feitas.
    Concordo com a liberdade conquistada pelas mulheres no que diz respeito ao seu próprio corpo, mas acho decadente jovens se exibindo apenas com a intenção de se reafirmar, de competir para ver quem é a mais gostosa…falo isso porque tenho certeza de que se meninas ditas “feinhas, gordinhas”, que estão fora do padrão de beleza postassem suas fotos sensuais no lingrie day seriam bombardeadas por comentários preconceituosos, e crueis. Mas então eu iria perguntar onde estaria toda aquela liberdade de expressão pregada por várias pessoas?
    Ou tal liberdade só serve para quem segue os padrões de beleza impostos pela sociedade.
    Eu não vi nenhuma menina nas fotos que não fossem verdadeiros tesões….
    Resumindo, a mulher se livrou do corsets, mas está aprisionada de forma camuflada nos padrões a serem seguidos.

  • Luana_sbezerra

    Como a vovó já dizia…seja uma dama na sociedade e uma puta na cama.
    Essa é a realidade, não imagino como seja a vida dessas meninas que se exibem dessa maneira, tipo a liberdade que acabam dando aos outros, uma vez seu porteiro, que normalmente já te dá aquela olhada de frango de padaria, imagina o olhar dele depois de ver suas fotos de calcinha…Não dá pra aguentar…
    Ou pior ainda…como é que fica a vida no local de trabalho???? Não consigo imaginar. Realmente tem que ter muita coragem, se fossem homens diria que tem que ter muito culhão…

    Não vamos ser falsos moralistas, quem de vocês gostaria que seus amigos vissem suas namoradas, suas irmãs ou suas filhas nessas mesmas condições???
    Se tem alguém, eu admiro pela coragem, pois eu não gostaria.
    A realidade é essa, temos que ser verdadeiras damas, pois se não, estamos ferradas…

    Feliz é o dono de sex shop que pode dizer: “pegue suas coisas e vá se foder!” E o cliente ainda sai todo feliz.

  • http://twitter.com/francescmartins Francesca Martins

    Ótimo texto Gitti.

    Como disse José: “Quando a mulher se desnuda para o prazer, os olhos do amante a vestem de um fluido que cega; quando a mulher se desnuda para a arte, a inspiração a transporta a mundos ideais, onde a matéria se depara ao hálito de Deus; quando porém a mulher se desnuda para cevar, mesmo com a vista, a concupiscência de muitos, há nisto uma profanação da beleza e da criatura humana, que não tem nome.” (Trecho do Livro Lucíola, de José de Alencar)

    Olhando pelo lado da exposição, concordo em partes com o que você disse. Exposição para mim é quando não há sentimento, só existe o desejo de se mostrar, de ser vista, desejada…

    Em primeiro lugar, a mulher não precisa ser vulgar para ser sexy. Isso é fato, e poucas mulheres compreendem o mistério disso. Para mim, ficar desnuda para uma sessão de fotos a ser publicada na internet é algo totalmente fora de cogitação. Esse lance de publicar fotos sensuais na internet é bem tenso. Imagine: você namora com uma moça/moço e descobre que metade dos seus amigos/amigas de trabalho já viu uma foto dela nua/nu circulando na internet?! A liberdade acaba virando libertinagem e a mulher acaba perdendo o seu valor. Claro, há quem discorde, mas é essa minha opinião. Não é questão de ser pudico, até por que nunca fui adepta desse puritanismo exagerado, mas creio que seja necessário sim, como o Gitti disse, moralismo e liberdade sexual andarem de mão dadas.

    Enfim, gosto do meio termo, gosto do recato aparente. Entenda, não falo de um algo fingido ou falso. Falo do corar da mulher diante de um elogio, do se vestir e se portar com delicadeza e recato Este tipo de recato funciona como uma roupa, um véu. É ser surpresa, se fazer surpresa. Um mistério a ser desvendado. Quando você coloca todas as cartas na mesa não há mais com o que jogar; quando você deixa cair o ultimo véu, o que virá depois? Fica como dica a postura de uma das minhas divas: a artista burlesca Dita Von Teese. Dita une em si o recato e a sensualidade feminina. (Entrevista de Dita no programa do Jô: http://www.youtube.com/watch?v=PKpGo1I5jRY)

    Abraços.

    Francesca Martins.

  • Rafael H.

    Cara seus textos são muito bons
    Espero que continue escrevendo para que eu possa continuar acompanhando
    Parabéns

  • Rubens Rodrigues

    Gostei da sua análise Gustavo, digna de um psicólogo, psiquiatra, psicanalista ou filósofo.

  • Markiin

    Ótimo Texto, passei a conhecer a pouco temo po PDH e ja virei fã ainda mias do Gitti , todo os textos deles são ótimos. Parabéns Galera

  • Luizagcn

    Respeito a que mesmo?

    “Mas se quer um exemplo fora das telas pesquise sobre a Marcha Da Familia com Deus pela Família, reuniu meio milhão de pessoas, organizado por donas de casa. Essas mulheres foram uma das pedras fundamentais que salvaram o pais do flagelo comunista em 64.”

    Pesquisei e achei muito engraçado, foi um repúdio as declarações de João Goulart sobre as reformas de bases, a meu ver, uma política muito justa que até hoje tem sido proposta. Você é contra as reformas de base?

    Essas mulheres foram enganadas, muitas pessoas que participaram dessa marcha achavam que tinha um fim puramente religioso, e até era pois o comunismo é contra religião, mas não totalmente nem principalmente. Foi só uma liderança com interesses que mobilizou uma massa, isso mesmo, massa não povo.

    O comunismo é utópico, pois a sociedade não é individualista e não pensa em um bem comum antes do seu próprio. Aí acaba virando esse pseudo-socialismo que vemos por aí, onde acaba acontecendo divisão de classes sim governoXsociedade. Não vejo comunismo como flagelo, por que você vê? China, Cuba, Koreia, isso não é comunismo, nunca será e nunca vai ser. (não sou comunista, ok)

    “Mas quando as mulheres estão contra o comunismo as feministas não dizem nada não é mesmo?”

    Claro, pois para ser feminista não precisa ser comunista.

    Sobre políticas corretas, oras do que o mundo precisa hoje? Que tipo de marcha? A apatia com relação a reivindicação de seus direitos acontece na sociedade, não apenas com as mulheres.

    Erin Pizzey, você gosta de citar esse exemplo né? Como disse, nem toda feminista é comunista, talvez muitas fossem pois procuravam se informar (coisa que as da marcha não fizeram), e acabaram por adotar esse sistema politico como bandeira, pois é até bonito na teoria, hoje sabemos que não prática não funciona, mas naquela época não era tão fácil de ver. Erin Pizzey conseguiu enxergar isso, mas não deixou de ser feminista, feminista é isso não deixar que a mulher seja objeto de interesse dos homens.

    “reivindicarem cargos gerenciais e empregos “moleza” como os públicos, a titulo de igualdade. Reivindicar igual número em trabalhos como daqueles mineiros do Chile, nada né?”

    Você acha que as mulheres conseguiriam trabalhar numa mina? Você reivindicaria isso? As mulheres durante a revolução industrial, assim como as crianças, trabalhava pesado sim e ganhavam menos que os homens por isso. As mulheres reivindicaram cargos gerenciais pois eram consideram incapazes de conseguir, e elas sabiam que eram capazes. Não sei as outras mulheres mas eu com 1,57 m e 47Kg sou incapaz de trabalhar numa mina e além disso tenho conhecimento suficiente pra não precisar disso. Mas as mulheres também quiseram o direito de lutar na guerra por exemplo, a meu ver, pior que a mina. Outro fato é que minas ficam em áreas rurais, o movimento feminista era a principio urbano, ou seja outra realidade. Pode até ser que alguma mulher queira deixar de trabalhar em casa pra ir na mina.

    Agora, você escreveu um monte de coisas, mas não esclareceu o que é uma mulher de antigamente.

  • Luizagcn

    Faltou comentar o seguinte, os homens que gostam de falar mal das feministas baseiam sua críticas nas diferenças atuais entre homens e mulheres ocidentais, trabalhistas e morais (mulher não pode ficar com muitos homens), sendo que a luta feminista envolve muitas outras coisas, por exemplo:

    -direitos contratuais e de propriedade
    - direito ao voto
    - a escolher seu parceiro, não de ser escolhida por ele e seu pai aceitar pois é de interesse econômico
    - direito de recusar a fazer sexo com seu marido se não tiver vontade
    - direito a estudar e continuar seus estudos
    - contra a beleza burra e a ditadura da imagem (por isso muitas eram vista como feias e mal amadas)
    - direito ao divórcio, entre outros.

    Há debates internos entre feministas. O chamado feminismo da diferença, que defende que há importantes diferenças entre os sexos, enquanto outras vertentes creem não haver diferenças inerentes entre homens e mulheres defendendo que os papéis atribuídos a cada gênero seriam socialmente condicionados.

    A diferença ainda acontece no mundo, em alguns países ainda não pode estudar, dirigir, viajar sem autorização do marido, sair sem seu rosto coberto, não tem direito a cidadania, olha esse link representa bem:

    http://comoganharfollowersnotwitter.blogspot.com/2010/10/os-10-mais-extremos-exemplos-de.html

  • Ronaldo

    Bom eu posso estar errado, há uma grande chance nisso, quem sabe por meu conservadorismo.. mas, já não basta mostrar a bunda para todo mundo ver… precisa justificar o ato por trás de uma demagogia barata.
    GRANDE PIADA.
    O povo passou a pensar unica e exclusivamente em sexo. Como o ser humano é baixo!!! é lamentável.

  • André

    Valew Gitti…mas eu estava perguntando da garota da imagem de capa, da chamada do post, não as que estão no post em si…se souber manda aew!!!
    É há tempos o melhor portal masculino na net, textos inteligentes e matérias interessantes!!! continuem assim!!! boa sorte e vida longa ao PdH !!!
    abraços

  • Cristiano

    toda mulher tem seu lado VAGABUNDA (fato)…

  • http://twitter.com/mari_graciolli Mariana Graciolli

    Ótimo texto Gustavo, adorei que usou a minha foto! =D

    Toda mulher gosta de se sentir linda, sexy e desejada, acho que as que negam estão mentindo com medo de serem julgadas. O que é uma grande besteira, pois olhares e elogios não fazem mal a ninguém, pelo contrario só ajudam a mulher a se sentir mais segura.
    Acredito que essa possibilidade de liberdade na internet ajudou mulheres tímidas a serem mais seguras na vida real, as ajudando até a começar relacionamentos.
    E também aos poucos quebrar o preconceito contra a mulher, que infelizmente ainda é muito grande .

    Obrigada por ter usado a minha foto, muito bom ilustrar um ótimo texto de um blog ótimo!! =D

  • Thays

    Nossa que inveja de você e de quem estava nesta conversa sobre este tema.
    Eu trabalho com jornalismo também e sei que a discussão sobre um tema, o brainstorm sempre rola a solta e várias idéias são colocadas e discutidas, opiniões e controvérsias sempre estão presentes e tudo isso é muito rico.Aposto, por experiência própria, que metade do que vc’s conversaram e debateram quando surgiu este tema, não esta aqui neste post que esta riquíssimo de conteúdo e de verdades também.

    Olhar maneiras novas de se pensar, diferentes das nossas é sempre erriquecedor.

  • Ana

    Como de costume, muito bom texto. Parabéns! Penso que, embora haja neste fenômeno aspectos libertários, avanços de liberdade e identidade das mulheres, que precisam ser valorizados, em sua maior parte ainda se trata da manifestação da nossa cultura machista, infelizmente. A existência e o valor das mulheres ainda estão muito vinculados ao reconhecimento “masculino” (e masculino é tanto o olhar da maioria dos homens como das mulheres), que passam pelo ser bela e gostosa. É assim que essas mulheres querem se mostrar, bonitas e gostosas de acordo com o padrão atual que ‘excitaria os homens’. Se a liberdade e autonomia das mulheres fosse maior, penso que muitas escolheriam roupas mais confortáveis, estéticas mais variadas, diversificadas, que poderiam ficar estranhas p/o olhar atual, optariam muito mais pela nudez completa, etc. O padrão meia-taça e cinta-liga ainda está predominante demais…

  • Delegado

    A verdade é simples: baixa auto-estima.

    Se exibem para receber elogios.. sem rodeios, sem segredos e sem explicações diversas..

  • http://obomcanalha.blogspot.com/ O Canalha

    Belo texto.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=505038458 Leonardo Camargo

    Muito bom o texto. E uns bons comentários também. Como você disse, os dois lados ainda são machistas, mas machistas seletivos, só na parte que lhes interessam… rs
    Vários comentários de homens aqui procurando defeito, alguma coisa errada com a qual rotular as mulheres que se exibem. “baixa autoestima”, “mediocridade”, “quase prostituição”, etc..
    Mas provavelmente são os mesmos homens que babam pras celebridades peladas e dão ibope pra programas de tv que exploram nudez como isca.
    Achei boa a finalização ” Penso que é mais um momento de experimentação coletiva. E ninguém sabe bem onde (ou quem) vai dar.” Porque de fato não dá pra tirar conclusão alguma.

    Achei legal também a moça que falou de haver também ‘exibicionismo masculino’. Seria um tema interessante a ser explorado. Isso me faz inclusive pensar nessa questão de exibicionismo na web dentro de um contexto maior e pra além de gênero: nossas “identidades virtuais”. Porque exibe-se não só beleza, mas também outros atributos.

    Um conhecido disse dia desses atrás algo que me fez pensar, “A Sociedade Do Espetáculo” do Guy Debord é cada vez mais uma leitura indispensável pra se entender o mundo de hoje, hoje quem está certo é quem faz sucesso e/ou quem é mais aclamado não quem tem a razão. Que o digam os Tiriricas da vida.” Ainda que eu discorde que ler Debord seja tão indispensável assim, a opinião dele foi ‘dead on’.
    Isso me fez ainda pensar em outro aspecto da coisa: Nunca nos comunicamos através de imagens/fotos e símbolos de forma tão difundida, tão corriqueira e individualmente inescapável como nos dias de hoje. Todo mundo tem um perfil de rede social, informações e fotos públicas, e parte da sua interação com o mundo se dá por ali. Inevitavelmente as pessoas tiram conclusões sobre quem somos através disso, na prática interagir com alguém pessoalmente pra coisas antes impensáveis, tem se tornado opcional. Ainda sim, muita gente desconsidera totalmente a relevância disso.

    ps: fugi um pouco do tema.. rs

    • http://nao2nao1.com.br/ Gustavo Gitti

      Fugiu, não, Leonardo. Concordo contigo, cara.

      Te desafio a falar sobre esse livro e essa dinâmica atual de exposição na web. Topa escrever algo para nós? Se ficar curto, entra no PdH Shots. Se ficar foderoso, vai pra capa.

      Se topar, manda pra posts@papodehomem.com.br

      Abraço.

  • clodoaldo

    Uma coisa que percebo é a concorrência com os homens gays,

    e outra a exposição da mulher na mídia é necessário para que o homem não perca o gosto de gostar de mulher. E isso já vem acontecendo há um bom tempo.

    Eu acho!!

  • http://twitter.com/GabrielBalbino Gabriel

    a resposta a isso é bem simples;

    A mulher quer ser AMADA POR 1 e DESEJADA POR TODOS…

    só isso.. nada mais…

    se for incluir, bota ai no meio a competiçao feminina…

    nao precisa dizer mais nada… rsrs

  • Naira

    Este texto é forte e polêmico. Mas, vou arriscar aqui um comentário, sem julgamento moral, apenas como um exercício de reflexão. A exibição do corpo, seja feminino ou masculino (porque hoje em dia é comum os homens tbm exibirem o seu corpo), é um atestado de carência afetiva. Certamente esse não é o único motivo, mas acredito q seja o motivo principal. Onde falta amor, o corpo fica só. E a necessidade de exibir o corpo torna-se imperiosa para chamar atenção do olhar do outro sobre si, para se sentir vivo, olhado, desejado, para suprir aquilo q lhe falta : afeto, carinho, atenção, enfim, amor. Mais especificamente o amor no seu sentido romântico. Estes sentimentos delicados e leves é q, paradoxalmente, nos dão sustentação, nos dão um norte, um sentido para viver. Na ausência dessas levezas nosso corpo pesa, sucumbe, afunda, perde o sentido da vida e, num movimento de reação, ou seja, em busca de vida, se coloca á mostra, à tona para ser olhado, e quem sabe até mesmo desejado e, através desse desejo e admiração, quem sabe até mesmo encontrar o sentido da vida: o amor. De forma consciente ou inconsciente, está é a reação. Papo de Homem, como sempre, muito bom!

  • curiosa

    As mulheres nunca estiveram tão solitárias e carentes…a verdade é essa!!!

  • tolote

    kd dia mas vulgar !!

  • Raone

    “Pelo lado positivo, a repressão, o sexo como tabu, o moralismo convencional, careta, da família tradicional conservadora, tudo isso só cria um ar de mistério e transgressão, ambiente essencial para a sexualidade, para o erotismo, o prazer, o desejo fluir. Se tudo fosse aceito, natural, normal, se nada fosse transgressor, que graça veríamos no sexo?”

    ERRATA: A repressão serve para controlar os instintos da espécie; todas as espécies possuem um mecanismo de controle para evitar “exageros” que possam causar algum dano significativo para a sua população.

  • Mick Tayler

    Graciosíssimo, deliciosíssimo o muxoxo da Mari (fora o resto e que resto!).

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5480 artigos
  • 658571 comentários
  • leitores online