[18+] Nudez masculina: o mal-estar

João Baldi Jr.

por
em às | Artigos e ensaios, Melhor do PdH, Mente e atitude


Uma das principais características do homem contemporâneo é que ele se sente extremamente desconfortável diante do corpo do homem contemporâneo.

Não, não como as mulheres que, expostas a séculos de padrões de beleza irreais e uma sociedade que cobra padrões estéticos um tanto quanto opressivos, acabam questionando a própria beleza e se cobrando de maneiras absolutamente injustas. Não, o homem contemporâneo não se sente tão desconfortável diante do próprio corpo – ainda que eu, com essa barriga, provavelmente devesse me sentir.

Na verdade, o homem, quando se sente desconfortável em relação ao corpo do homem, está quase sempre desconfortável com outro homem, não com ele.

Perceba. No banheiro, temos regras implícitas para o uso do mictório – você nunca deve usar aquele ao lado de um que já esteja sendo utilizado se puder usar outro. Temos momentos de desconforto em vestiários, porque um desvio de olhar num momento inadequado – “queria só ver onde tinha deixado minhas meias” – pode gerar momentos constrangedores.

joe manganiello nude true blood

Joe Manganiello em True Blood

Beijamos no rosto apenas pais e avôs, damos abraços apenas em amigos de longuíssima data, cumprimentando amigos normais com abraços tímidos, colegas com apertos de mão e conhecidos com acenos de cabeça que, quando usados em demasia, parecem um tic nervoso.

Ficamos desconfortáveis ante a visão de caras de sunga branca na praia, damos risadinhas babacas quando os caras do vôlei dão tapinhas uns nas bundas dos outros, tachamos de gay quem usa regatinha.

Isso acontece pelos mais diversos motivos, claro. Vivemos em uma cultura que, por muito tempo, viu demonstrações de afeto e de sentimentos como algo feminino. Homem não chora, homem não abraça e, se abraçar, não coloca a cabeça no ombro do amigo. Isso seria esquisito.

Claro, também vivemos numa sociedade que frequentemente ainda vê a homossexualidade como uma doença que pode ser contraída se você fizer contato visual com um pênis, ficar encarando um tórax ou assistir aquela cena de Crazy Stupid Love em que o Ryan Gosling tira a camisa, não como uma manifestação do desejo sexual do outro.

Aconteceu isso? Cancela o premiére do brasileirão que, de agora em diante, só tem programa de decoração e culinária pra você, cara.

Uma TV Macho, porém com mais sutileza

Como vivemos em uma sociedade em grande parte moldada pelas necessidades masculinas – eu gosto da ideia de uma conspiração feminista subterrânea que algum dia será descoberta por Nicolas Cage, mas ainda nos faltam algumas evidências – esse desconforto do homem com o corpo de outro homem, somado à avidez desse mesmo homem hétero pela visão do corpo feminino, é refletida nos mais diversos aspectos da nossa cultura.

Pense no nosso cinema e televisão, por exemplo. Se numa programação normal, num filme normal, numa série normal, não é uma surpresa nos depararmos com o famoso binômio peitinho-bundinha – que vem sendo constantemente utilizado nos mais diversos contextos e gêneros, desde comédias até dramas, passando por terror e aventura, se mantendo ausente apenas das produções Pixar e Disney.

Com a nudez masculina a sistemática é claramente outra.

Uma interessante compilação que o Luciano me enviou mostra que imagens de caras pelados, seja uma bunda, um tórax ou – choque dos choques – um pênis, aparecem em contextos muito específicos, boa parte deles envolvendo séries de fantasia, gladiadores ou diretamente focadas no público gay. Mesmo nesses contextos, quase sempre numa proporção bem menor do que a boa e velha nudez feminina.

3phvjoo55dhclmr55tibc1y551939162942010623

Manu Bennett em Spartacus

Ou seja, vivemos em um contexto no qual bundas e peitos de garotas aparecem em todos os lugares, mas para topar com a bunda de um cara sem estar assistindo a uma série gay, ela precisa vir acompanhada de um aprofundado contexto histórico ou se passar num universo onde também existem dragões.

Uma campanha por mais bundas de caras?

Antes de alguém vir argumentar que, se quero ver bundas de caras, existem sites pra isso– porque sei que nesse momento tem alguém digitando isso nos comentários – eu queria explicar. Não como defesa mas como contextualização. Eu gosto mais de bundas de garotas e meu histórico do Chrome poderia claramente ilustrar isso, se eu não tivesse passado a usar a aba anônima por questões de bom senso.

A questão é que, assim como queremos ver peitinhos, violência, esportes, homens carecas que destroem suas famílias na busca ensandecida por poder no mundo do narcotráfico, na televisão e isso diz muito sobre quem somos, as coisas que omitimos ou evitamos também refletem diretamente o estágio no qual estamos enquanto sociedade.

O fato de que não sabemos lidar com a nudez masculina, mas exploramos em profusão a nudez feminina, fala muito sobre nosso machismo.

Fala sobre a forma como exploramos a mulher, sobre a nossa percepção de que o sexo delas pode ser usado para a diversão do homem – em programas que são considerados “normais” –  e sobre como nós achamos que a transação não existe no sentido contrário. Fala também sobre como das vezes que consideramos a sua existência, pensamos que não se trata de um programa normal, mas de um programa “de mulher” ou “gay.

Christopher Meloni e Brian Bloom em Oz

Christopher Meloni e Brian Bloom em Oz

Garotas se pegam em qualquer filme censura 14 anos, mas quando anunciam que dois caras vão se beijar numa novela das 8 – que na verdade passa às dez –, o carro do bom senso vira o transformer da insanidade. As associações de proteção a família se manifestam como se esse evento fosse rasgar o tecido da realidade tal qual uma toalha de mesa usada numa cantina italiana.

Estou dizendo que num mundo com mais nudez masculina no cinema e na TV nós seríamos menos machistas, menos homofóbicos, menos intolerantes, menos autocentrados? Não posso garantir, não tenho certeza.

Mas se eu fizesse um comentário desses, acho que o pessoal da pelada iria me olhar muito esquisito.

Acredito sinceramente que da mesma maneira que a ficção reflete a realidade, talvez ela seja uma boa ferramenta para que passemos a tratar com mais familiaridade as coisas que ainda nos confundem e desconcertam, sejam essas coisas traseiros de caras ou beijos gays.

Ao menos pra gente poder usar o mictório de forma mais confortável, sem ninguém olhando pra ninguém daquele jeito desconfiado.

Nota do editor: por algum problema no facebook, os likes desse post sumiram. Quando isso aconteceu, já eram mais de 20.000. Texto representativo, de uma conversa necessária.

João Baldi Jr.

João Baldi Jr. é jornalista. Turn ons: quadrinhos, ficção científica, humor de borda e pão de fôrma com requeijão. Escreve no (www.justwrapped.me/) e discute diariamente os grandes temas - pagode, flamengo, geopolítica contemporânea e modernidade líquida. No Twitter, é o (@joaoluisjr)


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • Marília Oliveira

    Muito bom.

  • Jefferson Alves Pereira

    O tema é interessante e pouco explorado. E as razões para isso podemos ver nas entrelinhas do próprio texto. Porque o autor quis desesperadamente deixar claro que não é gay, mesmo abordando um tema tão controverso.

    “Antes de alguém vir argumentar que se quero ver bundas de caras existem sites pra isso – porque sei que nesse momento tem alguém digitando isso nos comentários – eu queria explicar, não como defesa mas como contextualização, que gosto mais de bundas de garotas e meu histórico do Chrome poderia claramente ilustrar isso”

    Esse trecho desmonta qualquer bom argumento que pudesse existir no texto. Está aí a razão pela qual a nudez masculina incomoda tanto. Somos uma sociedade patriarcal e machista, e isso está entranhado no inconsciente coletivo.

    Uma mudança de paradigma desse nível levará séculos para acontecer, num processo parecido com o conceito que temos hoje de escravidão. Decorreram milênios até que a humanidade entendesse que não se pode ser “dono” de outro ser humano. Ainda assim, até hoje vemos casos de escravização em vários pontos do planeta.

    • Alan Alves

      O trecho na verdade é de bom humor e não desmonta nenhum argumento explícito no texto. Na realidade mostra que é um assunto que pode ser explorado de todas as formas e por qualquer um, como em uma conversa de bar (mas não sei se eu arriscaria).

      • Jefferson Alves Pereira

        Respeito sua opinião, mas o seu parênteses “(não sei se eu arriscaria)”, funciona da mesma forma que a frase que eu destaquei no texto.

        Quando leio isso, imagino que o autor da frase, na verdade quis dizer: “sou um ser evoluído que consegue encarar a nudez masculina sem desconforto, mas não vá pensar que sou gay, porque não sou!”

      • TatianeSouza

        Jefferson, todos os textos q li do Baldi tem essa pegada “humorística”. Mas eu entendo o que você quer dizer e concordo.

      • Lucas de Oliveira

        Jefferson, também compreendi o que você quis dizer e foi exatamente pelo mesmo motivo: o trecho do texto que você citou.
        A libertação desse paradigma por parte do autor exige uma boa maturidade por parte do leitor, pois caso contrário, o autor será sim taxado de, no mínimo, “estranho”.

        Acho que o Baldi quis apenas deixar explícito essa condição para os mais desavisados, mas isso também revela um desconforto inconsciente.

      • Rico Melegatti

        Ridendo castigat mores.

      • tetsuo takita

        Infelizmente na nossa atual sociedade um discurso pode ser enfraquecido apenas pela simples declaração de predileção sexual ou afetiva. O que as pessoas não admitem é que somos seres sexuais e independente da orientação podemos ter ótimas experiências com ambos os sexos se nos permitirmos.
        t

    • Everton

      Não vejo como desespero em afirmar uma heterossexualidade, que inclusive em nenhum momento foi afirmada – apenas foi falado que há – para o autor – a preferência da imagem de bundas femininas à masculinas.
      E mesmo que fosse uma afirmação de sua sexualidade (o que em nenhum momento foi condenado, afinal é justamente por isso que se luta, poder se afirmar sem precisar diminuir o próximo, afirmação sem opressão), em nenhum momento essa afirmação veio com o “medo de parecer gay” e sim com um “não precisa ser gay para notar essa contradição gritante”.

      • http://magiaetecnologia.blogspot.com.br/ Jefferson Alves

        Não estou reprimindo ninguém, nem foi essa minha intenção. Cada um pode se afirmar como quiser.

        O que eu disse é que esse trecho destoa do restante do texto, porque o autor discorre sobre o desconforto com a nudez masculina, mas faz questão de deixar claro que ele prefere a nudez feminina, ou seja, pareceu que ele também ficaria desconfortável se achassem que ele gosta de ver homens nus, por isso tratou de deixar sua preferência pessoal bem clara.

      • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

        Jefferson, ainda que eu tenha tentado nisso abordar a questão com humor – mais ou menos o que disse o Guilherme – não vou ser ingênuo de alegar que não existe em mim mesmo uma cota das coisas que eu considero problemáticas e discuto no texto. Eu estou percebendo um problema mas acho que não seria honesto da minha parte alegar que eu não faço, num certo grau, parte dele também (mas obrigado por apontar isso, definitivamente me ajudou a pensar aqui)

      • http://magiaetecnologia.blogspot.com.br/ Jefferson Alves

        Muito obrigado a você, Baldi, por mostrar nesse comentário que o que eu disse não era nenhum absurdo.

        Não tentei condenar, nem reprimir, mas apenas mostrar que todos nós temos esse desconforto em relação à nudez masculina. Porque até você, que corajosamente decidiu abordar o assunto, sentiu necessidade de esclarecer sua preferência pela imagem feminina.

        Eu também não me excluo dessa condição. Todas as vezes que entrei aqui para ver se havia respostas no meu comentário me senti desconfortável com as imagens enquanto descia na barra de rolagem.

        Felizmente, algumas pessoas lidam melhor do que outras com a exposição de suas mazelas.

        Parabéns pelo texto e pela postura (auto)crítica.

      • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

        Coisa bonita ver esse diálogo entre vocês, Jefferson e Baldi!

        :)

      • Cristhyano

        Ótimo mesmo.

      • Velena

        Impressionante! Vou parar a leitura por aqui, mas gostei muito desta conversa sobre o texto. Tenho mais de 70 anos e estou começando a conhecer a internet. Mal sei apertar os botões (minhas netas ‘teclam ou digitam’ até botão de campainha…) mas geralmente me impressiono com as bobagens (muito) mal escritas da maioria dos textos. Vocês estão de parabéns! Falaram, defenderam diferentes pontos de vista, divertiram-se, enfim, com um ‘português correto’, agradável de se ler. Parabéns de uma avó cansada de ler bobagens mal escritas…

      • Carlos Roberto

        Respeito sua opinião @Jefferson Alves:disqus, mas imagino que essas expressões que você destaca do texto do @joaoluisjr:disqus apenas confirmam o quão desesperadora é a situação da sociedade – e sempre foi.

        Assim como a maior parte dos homossexuais enfrentam um verdadeiro apocalipse externo e interno para se assumir, um hétero para assumir que não tem problemas com a nudez masculina também passa por imenso terrorismo – interno e externo.

        Tenho tantos amigos cuja carcaça reflete total liberdade, descolamento, mas que aí você vai para um abraço quando este vem para o aperto de mão e pronto: o tal vira uma múmia paralítica.

        É a realidade para a maior parte das pessoas, infelizmente.

        Bela reflexão Baldi, e parabéns pela coragem!

      • Renata

        Gostei de ler tudo que eu li até aqui. Confesso que, pelo tema, achei que somente correria o olho em um monte de bobeira e baixaria e lutas sem fim entre os comentaristas. Mas, não! Alto nível! Também, como a Velena, adoro ler um bom português…rs Parabéns a todos!

    • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

      Jefferson, senti o contrário do que você disse, em especial conhecendo o histórico do Baldi como autor – http://papodehomem.com.br/author/joaobaldijr/.

      Me parece que ele apenas está dizendo:

      “Esse texto não é uma campanha por mais bundas e paus de homens. Sou hétero e gostaria apenas de dizer que é possível conviver com tranquilidade vendo bundas e paus de homens, sem que eu precise me descabelar achando que isso é o fim do mundo.”

      • Aillen

        Concordo com você, Guilherme. Como mulher, acho a obsessão feminina pelo corpo perfeito totalmente fora da realidade. Agora, a mídia de todos os tipos faz tb o culto do corpo masculino perfeito, sarado e sem pelos. A vida real não é isso. E eu, particularmente, detesto homem sarado. Uma barrigudinha até faz bem.

      • http://magiaetecnologia.blogspot.com.br/ Jefferson Alves

        Respeito seu ponto de vista e acho mesmo que você pode estar certo em parte.

        No entanto, o que senti ao ler esse texto do Baldi foi algo parecido com o que o Alex tentou descrever nesse texto:

        http://papodehomem.com.br/voce-e-aquilo-que-diz-nao-ser/

        Algo do tipo:

        “Eu NÃO tenho problemas com nudez masculina, MAS prefiro ver garotas.”

        Você é aquilo que diz não ser.

      • Giovanna

        Mesmo que fosse esse o caso, qual o problema SE o autor do texto fosse gay?
        (Serei bem direta aqui e me perdoem se eu ofender alguém, juro que não é minha intenção).

        A discussão aqui não é se o autor é um gay dentro do armário, fora ou hétero. (E eu não sei, e tão pouco me cabe julgar pois sempre que leio textos aqui, nunca vejo exatamente de quem é).
        Mas que muitas vezes, nesse tipo de discussão, se você não fechar a porta logo que ela começa a se abrir, a discussão desanda.

        Não foram poucas as vezes em que vi discussões geniais, VERDADEIRAMENTE geniais serem “ignoradas” pois na primeira linha a pessoa falava, por exemplo, sobre só existir 1 pênis balangando na telona para cada 45 par de seios.

        Aí grande parte dos membros acéfalos de nossa comunidade (e ninguém aqui pode dizer que não existem pessoas assim, pois seria hipocrisia), já vem falar:
        “Ah, seu viado, vai ver o redtube bichola!”

        E aí o que acontece?
        Todos passam reto pelo texto pra gritar à plenos pulmões:
        “É, seu baitola, fica com a sua sexualidade pra você e deixa a gente ser feliz com peitos e bundas femininas na TV!”.

        Eu gostei da discussão, e serei bem sincera, é um tópico que entrou em discussão na minha roda de amigos graças ao seriado game of thrones.

        Acho que infelizmente, muitas vezes, frases como essa são necessárias para que certas “pessoas de mentalidade limitada” continuem com a leitura.

      • Rico Melegatti

        Considerando os seus argumentos, que defendem a necessidade de “fechar a porta logo que ela começa a se abrir”, o autor legitimou-se para escrever um texto com um tema como esse ao se auto-afirmar heterossexual, caso contrário “a discussão desanda[ria]“.

        Eu sou homem e gosto de me relacionar afetivamente e sexualmente com homem.

        Caso eu quisesse escrever um texto cujo tema fosse exatamente o mesmo escolhido pelo autor em discussão, em que eu me calçaria para me legitimar e não permitir que a discussão se perdesse em falsos contra-argumentos?

        Respondo: em mais argumentos, em análises sociais, em silogismos bem qualificados. Aliás, se eu fizesse isso, eu não precisaria sequer falar sobre minhas preferências/orientações afetivas ou sexuais, pois elas não importariam.

        O autor poderia ter feito a mesma escolha e evitado elencar a heterossexualidade como requisito de neutralidade para falar sobre esse tema.

        Combater preconceitos exige abdicar dos próprios privilégios. Ser heterossexual, na nossa sociedade, é um privilégio. Sacar essa credencial para legitimar qualquer argumento é absolutamente contraditório.

      • Piaff

        Genial,Rico!

      • Débora Landim Quinaud

        nossa, o cara anterior que falou o msm que vc, eu nao tinha concordado, mas nossa, obrigada por escrever tão bem…mandou muito bem..otima perspectiva.

      • http://magiaetecnologia.blogspot.com.br/ Jefferson Alves

        Em momento algum eu disse que o autor é gay ou deixa de ser gay!

        Não distorça minhas palavras, por favor.

        O que eu disse é que a nudez masculina também deixa o autor desconfortável e constrangido por conta da associação que se faz com a sexualidade.

        Tanto, que ele fez questão de pontuar no texto sua predileção pela imagem feminina. Afinal, que outro motivo ele teria para falar de uma preferência pessoal?

      • Caio Amaral

        meu amigo, infelizmente você é aquilo que diz não ser :/

      • http://magiaetecnologia.blogspot.com.br/ Jefferson Alves

        Não sou seu amigo. O próprio autor do texto entendeu o que eu quis dizer e colocou isso numa resposta aqui abaixo.

        Infelizmente existem pessoas que não sabe interpretar um texto.

  • http://gustavogitti.com/ Gustavo Gitti

    Genial, Baldi, genial.

    Obrigado.

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Valeu, Gitti!

  • Claiton Martins-Ferreira

    Será que a gente realmente precisa de mais nudez masculina? Ou será que, ao invés, precisamos de menos nudez e exposição de uma forma geral? Penso que o que falta, para muitos, é a consciência de si e das suas limitações. Aí vai sacar logo porque aquele cara pelado incomoda, ou não. Acho que o que realmente falta não é mais gente pelada. É mais gente amorosa e acolhedora.

    • Augusto Antonio Paixão

      Claiton, bom dia.
      Eu não vejo problema com a nudez humana. O corpo de outro homem, nas devidas proporções, é igual ao meu. Se existe um problema é a capitalização de cada aspecto da vida humana, entre eles a nudez.

      • Denny Marcel

        Concordo contigo. Talvez devamos evitar a nudez sempre num contexto sexual, já seria um avanço. Tipo, por que não mostrar pessoas tomando banho? Por que ignorar o fato de que, debaixo de todas essas roupas, somos todos nus? Que medo insano é esse de reconhecer o ser humano tal qual ele é?

      • Cristhyano

        O medo de notarmos que somos deuses com ânus.

      • Claiton Martins-Ferreira

        Bom dia Augusto.
        Eu também não vejo problema algum com a nudez, qualquer que seja. Mas acho que tu entendeste bem o que eu quis dizer. O que me incomoda é a objetificação. Só isso. O comentário do Fred Mattos complementou muito melhor o que eu queria dizer. Abraço.

  • Diego Guzzi Felix da Silva

    Leia os livros da sereia john carter publicado no brasil pela Aleph(A princesa de marte, Os deuses de Marte e o Comandante de Marte) que apesar de ter 100 anos retratam as sociedades marcianas com pouco vestuario ou nenhum, alem de que o protagonista anda pelado no planeta vermelho para viver as suas aventuras e so usa alguns adornos de guerreiros e vale muito a leitura, alem de permanecer muito atual essa aventura, alem de que muitas obras da cultura pop se inspiram em John Carter, como Avatar e Superman, o que mostra a sua relevancia mundial.

  • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

    Me sinto, mesmo.

    Treino num lugar onde o vestiário é aqueles de machão. Geral pelado conversando como se fosse a coisa mais normal do mundo, e talvez seja. Mas me sinto desconfortável. Entro no meu vestiário e só tiro a sunga por lá. Evito contato visual com os peladões e me visto rapidinho pra sair fora.

    Não sei por que, só sei que é assim.

  • marileis

    Acredito que a primeira reação feminina seria: vamos nos vingar, coisificando o homem da mesma forma que fizeram com nosso gênero por toda a História. Mas não valeria a pena… É interessante saber como o homem se sente desconfortável em um papel facilmente atribuído a qualquer mulher (desde que estas não sejam mães, irmãs ou filhas – santas por definição). Sim, é horrível quando esperam de você uma postura bunda-peitinho de vida. Principalmente se a mulher não tem aquela genética alienígena de perfeição, 2% de gordura no corpo, pronta para qualquer parada e um sorriso de lobotomia no rosto.
    Nós queremos da banda masculina da humanidade companheirismo, amizade, amor e todas as coisas que fariam uma sociedade melhor para todos, inclusive vocês que poderiam conviver com mulheres mais realizadas sem cobranças inatingíveis e sem sentido.
    Parabéns, vocês estão experimentando um sentimento incrível chamado empatia. Aproveitem a experiência.

    • Junior

      zzzzzzzzzzzzz….RONC
      Ah sim, qual dos dois generos tem a maior oferta de parceiros sexuais disponivel mesmo? Pois é, uma mulher não precisa ser nenhuma “miss” pra ser no minimo 10x mais cobiçada que um homem de beleza equivalente a dela.

      • Juliana Bastos

        E isso tem a ver o que com o que foi comentado acima? Mulheres não querem só sexo, embora o direito de exercer nossa sexualidade nos tenha sido negado muitas vezes. Queremos ganhar o que é direito, não ter que trabalhar em jornada tripla, dividir a criação dos filhos com os homens, não ser preterida por sermos mulheres. Isso vai muito além de sexo e romance

      • alice

        o pau que dá é mulher mais bonita que o cara em relacionamento ou ficada. mulher fica com cara feio, homem não fica com mulher feia. o cara mais horroroso quer a gisele bundchen e depois reclama que não pega mulher.

      • José Gilmar

        Mas Alice, convenhamos, a culpa disso é do Homem? Não são vocês que sempre nos dizem que não dão a minima para a beleza do homem? Que olham para outras coisas! Então o cara feio tem todo o direito, sim,de querer namorar uma mulher bonita, isso nos foi ensinado por vocês.

  • Frederico Mattos

    Acho que existe um temor coletivo, para alguns infundados e para outros não, em lidar com sua própria sexualidade.

    De modo geral os homens foram enclausurados por si mesmos em desejos bem restritos. Em tempos onde a liberdade sexual tem sido cada vez mais preconizada (e até superestimada) a maioria de nós se vê preso a um passado ideológico asfixiante, machista e alienante de si.

    Quando eu elogio um amigo e digo que ele está bonito sei que faço isso porque reconheço a beleza em qualquer cenário visível, seja em homens, mulheres, crianças, velhos, animais, prédios e paisagens. O desejo sexual propriamente dito – aquele que pode levar à fantasia, a busca de contato físico e de uma relação sexual ou um envolvimento amoroso – não está necessariamente presente nessa apreciação ou contemplação como poderia pensar um desavisado meio moralista.

    O olhar coletivo está condicionado quase inalienavelmente a associar nudez com desejo sexual, e por isso o desconforto citado no texto.

    O temor da lógica inconsciente (que privilegia e paradoxalmente oprime o homem) impregnada seria: nudez masculina, logo desejo erótico, logo homoafetividade, logo está errado, logo nego antes que isso passe pelo campo da consciência. Essa movimentação interna responde pela evitação de sequer olhar para um colega pelado no vestiário, como quem olharia para um acidente grave no meio do trânsito.

    É quase como se fosse melhor nem olhar para a nudez masculina e se expor a qualquer indício, ainda que longínquo ou improvável, de desejo. O homem nem sequer lida com a possibilidade razoável de que diante da nudez de um homem ele apenas contemplaria como alguém que olha para uma criança, sem desejo ou cobiça. Essa escravidão do olhar binário do homem que categoriza as coisas num lugar ou outro é predatória.

    Para administrar todas essas contradições o homem precisaria de certa maturidade emocional de quem sabe lidar com seus desejos sem que sejam uma ordem ou de quem pode apreciar a nudez sem que ela seja sexual.

    Essas reflexões são ainda um passo distante para muitos que sequer saber lidar com sua sexualidade cotidiana. Existem homens que se enrolam nos desejos até com suas parceiras, o que dirá quando extrapola o campo do que consideraria sua normalidade.

    • http://www.estrategistas.com/ Paulo Ribeiro

      comentário ma-ta-dor.

    • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

      Belíssimo comentário para contextualizar e aprofundar a conversa proposta pelo Baldi, Fred. Sua presença nos ajuda a ter diálogos mais maduros por aqui.

      Muito obrigado!

      • Alexandre Nunes

        nem fale, sou até suspeito pra falar do Fred.

      • Frederico Mattos

        @alexandrenunes:disqus talvez você não vá se lembrar. Quando você e mais alguns rapazes da antiga cabana ficaram no apto que o @papodehomem:disqus dividia comigo aconteceu algo curioso.

        Você chegou, um cara notoriamente bonito, usando um cachecol, já que voltava do inverno europeu, todo cheio de estilo. Os outros garotos visivelmente impressionados e constrangidos soltaram um “hummm” caçoando do cachecol.

        Aquilo foi uma clara demonstração desse constrangimento que vê beleza num homem e se envergonha e imediatamente projeta seu temos sexual numa figura externa. Prova disso foi que depois confidenciaram, com alguns mojitos na cabeça, que você tinha “mó presença”. Eu confesso que ri por dentro e concordei.

      • Alexandre Nunes

        Fred, não fazia ideia de nada disso! hahaha ri sozinho, aqui.

        e vc, meu amigo, sempre gentil, amável e exagerado (rsrs) em suas palavras. obrigado, saudade sua (ainda).

      • Emma Vasconcellos

        eu vomitando arco iris nesses comentários e na conversa de vocês :3. Palavras bonitas, Fred.

      • Alexandre Nunes

        rsrsrs :)

      • Alëna Citrus

        Gente, que emoção. Normalmente eu evito olhar comentários de textos feministas por medo de me irritar com os comentários, mas dessa vez fui surpreendida positivamente! Obrigada! <3

      • Alexandre Nunes

        muita calma, Alena. não confunda um questionamento de paradigmas que, naturalmente, leva a reflexões, com um texto feminista. ;-)

      • Marilia

        Acho que é feminista, sim, porque luta pela igualdade, pela superaçao de preconceitos machistas e, mais importante,
        do direito das mulheres de verem mais homens peladinhos.
        Vou entrar nessa campanha, aliás, contem comigo. E sem
        depilar tudo, por favor. Os pelinhos compõem a paisagem, são dulcissimos. Nao do tipo lobisomem, nao. O moderado.
        Depilado e lustroso…não!

      • Igor Vitral

        Não creio que seja um texto feminista. Creio que se trata de um texto anti-sexista, pois busca, através do questionamento de paradigmas, apontar comportamentos que favorecem a desigualdade entre gêneros além de oprimir e impor uma forma de pensamento aos homens. Muitos defensores da igualdade cometem um erro ao se denominar feministas, pois o FEMINISMO propriamente dito, é tão condenável quanto o machismo visto que busca privilégios para as mulheres do mesmo modo que a sociedade criou privilégios (injustos) para os homens. Não se combate preconceito gerando mais preconceito.

      • Alysson

        Aí é que você se engana, a busca pela igualdade de gênero é igual a feminismo. Não se confunda, feminismo não é o antônimo de machismo. O texto é feminista sim!

      • Sarah Magon

        Não, não, vc está confindindo as coisas.
        Fe- MIS- MO = machismo (superioridade das mulheres)
        FE-MI-NIS-MO= luta pela igualdade de gêneros.
        não confunda FEMISMO não é a mesma coisa que FEMINISMO.
        Femismo= bad; feminismo= god ;)

      • Cadu

        Muito bem colocado Fred! eu ja havia comentado esse tipo de reação com alguns amigos durante conversas filosóficas, e foi exatamente a essa conclusão que chegamos. Parabéns pelo comentário!

      • Thiago Ferreira

        Estou apaixonado por vocês. Oi? Hahaha
        Brincadeira. Eu só tenho muita admiração por heterossexuais muito bem resolvidos. Adorei o texto e os comentários. ;)

      • Thales

        Na boa voces sao do caralho kkkk com todo respeito ê claro.

      • Não sou gay

        E confesso… acho o Guilherme Nascimento Valadares um cara muito sexy, apesar de não ter nenhum interesse sexual no mesmo.

    • André Martins

      Machismo não é a ideologia que defende privilégios para os homens? Como pode a opressão ser um privilégio?

      • dabliuó

        pior que o machismo é, opressor ao homem tambem na medida que limita a expressão de sentimentos ou afetividade demasiada e castra qualquer tentativa de se comportar fora dos padrões de genero. A posição de privilegio na sociedade custa caro e realmente precisa ser questionada por textos assim =)

      • Gabriela

        Terminou com qualquer ismo…É naturalmente opressor.

      • Rodrigo Furman

        Atletismo, halterofilismo e pugilismo também?

      • Gabriela

        Sim,esses tipos de esportes também podem oprimir!

      • Rodrigo Furman

        Então a ‘opressão’ é uma coisa boa.

      • Frederico Mattos

        Sim, @4d8e0c11c3b4fb4d2ce019f1c26dbf70:disqus defende privilégios e como todo privilégio se torna um fardo, uma opressão silenciosa para a condição humana que é falível e contraditória.

        Já se percebeu nesses impasses? Eu já muitas vezes. :)

      • Aldir Gracindo

        Machismo são privilégios masculinos sim. E os homens não são privilegiados pelo machismo. Você percebeu bem, “machismo” é uma palavra usada para “Patriarcado” no brasil. Uma estrutura cultural, que privilegia os homens. E não existe.

      • Mah

        no seu planeta não existe não? me fala onde é que eu vou pra la também…. pq nesse planeta aqui meu caro, existe aos montes! me poupe!

      • Aldir Gracindo

        Não. No meu planeta, como em todos os outros, privilégio é uma coisa que se tem sem ter que pagar um preço alto paca. Nunca um grupo criou para si o privilégio de viver pior, morrer mais cedo, ser os jagunços e os receptáculos do que há de pior na sociedade. Mas vc pode ser poupada de ler isso, é só frequentar falsos “papos de homem” que sejam fechados, só pra feministas. Ou volta pra a facul, a profa radical vai calar toda a dissidência.

      • Monica Vieira

        ai como os homi sofre.

        que dó.

      • Aldir Gracindo

        Seu comentário não está realmente no nível de merecer réplica.

      • Carlos

        posso curtir toda essa discussão ?

      • Aldir Gracindo

        Esclarecendo, não se trata de dizer que não há homens de verdade “feministando” por aí. Homem é homem, homens feministas ou não são homens. O que eu estou dizendo é que esse tipo de feminismo que vocês propagandeiam aqui é uma obsolescência que não é capaz gerar maior reflexão sobre homens. Homens não criaram um sistema de privilégios CONTRA eles mesmos. O absurdo disso deveria ser óbvio.

      • Julia

        Mau caro, é óbvio que o patriarcado/machismo é um sistema que privilegia os homens. O fato de existirem alguns pontos negativos para os homens nessa forma de organização social não muda o fato de que ele é muito pior para mulheres. Isto deveria ser óbvio.

      • Frederico Mattos

        Não criou um sistema contra si mesmos, tem razão @aldirgracindo:disqus, penso que seja um efeito colateral da aparente vantagem que tem. Escrevi um pouco disso aqui http://papodehomem.com.br/solidao-masculina/

      • Aldir Gracindo

        Frederico, o “sistema universal de poder que privilegia os homens às custas das mulheres” não existe. Isso sempre foi golpe. Desde que eu comecei a revisar tudo que eu pensava saber desde os 11 aninhos, qdo comecei a ser pró-feminista, me apresentaram pilhas de “evidências” dessa ditadura mundial de 5 mil anos. Tudo bogus, na cara pra quem quiser ver. Mas não vou desprezar sua gentileza nem seu texto, vou ler breve. Obrigado.

      • Marcos Carvalho

        Exatamente. Qualquer estudo histórico superficial desmascara essa distorção feminista de que os homens sempre buscaram se privilegiar de sua condição para subjugar a mulher. Em qualquer sociedade os homens nunca fugiram da obrigação de exercer os trabalhos mais pesados, perigosos, estafantes, deixando os mais seguros para as mulheres, ou ainda permitindo que elas pudessem ter o luxo de viver seguras, protegidas e supridas no conforto de suas casas.

        Quem quer que tenha interesse de discutir minimamente essa questão DEVE ler o livro “O Sexo Privilegiado”, do historiador Martin Van Creveld.

      • Gabriela

        Eu sou mulher e nunca fui privilegiada em nada,isso para mim é uma verdadeira piada!

      • Marcos Carvalho

        Você diz isso digitando em um computador que custou milhares de horas de estudo de homens por séculos e séculos, alimentada por uma indústria imensa que faz com que alimentos de qualidade e abundância estejam acessíveis a poucos passos de você, protegida por leis democráticas que custaram a vida de incontáveis homens, se sentindo linda por ter acesso a produtos de beleza desenvolvidos por estudos e vendidos por indústrias montadas e chefiadas por homens, podendo andar na rua (não que o Brasil seja o melhor exemplo) tendo o mínimo de segurança e a garantia de que se for ameaçada ou ferida terá todo um aparato judicial idealizado por filósofos e operado majoritariamente por homens que dedicaram suas vidas para se especializar nisso. Você sai pra trabalhar e sabe que tem direitos garantidos pra que não seja explorada e sua mão de obra não seja sub-valorizada pois homens constituiram leis ao longo de séculos para mediar condições justas e honestas de trabalho. Pode sair pra se divertir num confortável automóvel concebido e fabricado por homens e máquinas que eles inventaram, e se deliciar com músicas que desde o início foi uma arte criada e desenvolvida pelos opressores machistas. Pode também se envolver com quem quer que seja e ter a garantia que não vá pegar uma doença qualquer, graças a camisinhas, anticoncepcionais e pílulas do dia seguinte, todas inventadas por homens.

        É, realmente, você não precisa deles, não deve nada a eles.

      • Gabriela

        Cadê o papel das mulheres?Você não existiria se sua mãe não tivesse passado pela “maravilhosa”experiência do parto.

      • Lindalva Cordeiro

        Mulheres nesses períodos criavam pencas de filhos puxando água de poço ou indo buscar com baldes pesados em rios e lagos, lavavam roupas pesadas, geravam dezoito ou vinte filhos, pois não havia métodos contraceptivos, cuidavam e os alimentavam, sem nenhum tipo de conforto. Morriam muito por abortos espontâneos ou em partos caseiros, sem qualquer assistência. E além disso, tinham que obedecer o marido em tudo, se fosse violento tinha que apanhar e ficar quieta. Muitas não se alimentavam direito, pois era sempre a última a comer, o pai primeiro, os melhores pedaços do frango, os filhos depois, e se sobrasse ela se alimentava. Ouvi muitas histórias assim de minha avó e bisavó. E você chama isso de privilégio?

      • Marcos Carvalho

        Ó céus, absurdo dos absurdos! A mulher foi oprimida pelos homens ao ser obrigada a essa tarefa ingrata de gerar vidas! Maldita opressão machista que planta o sêmen da discórdia nos inocentes úteros femininos para sujeitá-las a todo tipo de risco possível e imaginável enquanto ele nada sofre.

        Lhe ofereço esse texto para coroar a maestria da razão e da lógica feminista:

        “Nosso relato começa na aurora dos tempos, em algum momento impreciso entre Neanderthal e Cro-Magnon. Nessas eras sombrias, começou a exploração
        da mulher. Eram tempos duros. Vivendo em tocas, as comunidades humanas eram constantemente assoladas pelos ataques das feras. Os machos, aproveitando-se
        de suas prerrogativas de classe dominante, logo trataram de assegurar para si os lugares mais confortáveis e seguros da ordem social: ficavam no interior das cavernas, os safados, fazendo comida para os bebês e
        penteando os cabelos, enquanto as pobres fêmeas, armadas tão-somente de porretes, saíam para enfrentar leões e ursos.

        Quando a economia de coleta foi substituída pela agricultura e pela pecuária, novamente os homens deram uma de espertinhos, atribuindo às mulheres as tarefas mais pesadas, como a de carregar as pedras, domar
        os cavalos, abrir sulcos na terra com o arado, enquanto eles, os folgadinhos, ficavam em casa pintando potes e brincando de tecelagem. Coisa revoltante.

        Quando os grandes impérios da antiguidade se dissolveram, cedendo lugar aos feudos perpetuamente em guerra uns com os outros, estes logo constituíram
        seus exércitos particulares, formados inteiramente de mulheres, enquanto os homens se abrigavam nos castelos e ali ficavam no bem-bom, curtindo os poemas que as guerreiras, nos intervalos dos combates, compunham
        em louvor de seus encantos varonis.

        Quando alguém teve a extravagante idéia de cristianizar o mundo, tornando-se necessário para tanto enviar missionários a toda parte, onde arriscavam
        ser empalados pelos infiéis, esfaqueados pelos salteadores de estradas ou trucidados pelo auditório entediado com os seus sermões, foi novamente
        sobre as mulheres que recaiu o pesado encargo, enquanto os machos ficavam maquiavelicamente fazendo novenas ante os altares domésticos.

        Idêntica exploração sofreram as infelizes por ocasião das cruzadas, onde, armadas de pesadíssimas armaduras, atravessaram os desertos para ser passadas a fio d’espada pelos mouros (ou antes, pelas mouras, já
        que o machismo dos sequazes de Maomé não era menor que o nosso). E as grandes navegações, então! Em demanda de ouro e diamantes para adornar os ociosos machos, bravas navegantes atravessavam os sete mares e davam combate a ferozes indígenas que, quando as comiam, – era porca miséria! – no sentido estritamente gastronômico da palavra.

        Finalmente, quando o Estado moderno instituiu o recrutamento militar obrigatório, foi de mulheres que se formaram os exércitos estatais, com pena de guilhotina para as fujonas e recalcitrantes, tudo para que os homens pudessem ficar em casa lendo A Princesa de Clèves.

        Há milênios, em suma, as mulheres morrem nos campos de batalha, carregam pedras, erguem edifícios, lutam com as feras, atravessam desertos, mares e florestas, sacrificando tudo por nós, os ociosos machos, aos quais não sobra nenhum desafio mais perigoso que o de sujar nossas mãozinhas nas fraldas dos nossos bebês.

        Em troca do sacrifício de suas vidas, nossas heróicas defensoras não
        têm exigido de nós senão o direito de falar grosso em casa, de furar umas toalhas de mesa com pontas de cigarros e, eventualmente, de largar um par de meias no meio da sala para a gente catar.”

      • Lindalva Cordeiro

        Ah, e você acha que fizeram tudo isso só por amor às mulheres? Fizeram pelo amor ao lucro e ao poder, e penso mais, e só não dizimaram as mulheres, porque sabiam que precisavam delas para garantir a sua manutenção na terra.

      • Rone

        amigo, aconselho procurar uma terapia. e de preferência com uma terapeuta.

      • alice

        na verdade, é você que está diminuindo a discussão. homens criaram um sistema que os privilegia: vocês têm mais poder e dinheiro, é fato. mas, dentro desse sistema, há homens mais e menos privilegiados. e você certamente nunca parou para pensar que um homem menos (ou des)privilegiado – um trabalhador da construção civil, p.ex. – ainda é menos desprivilegiado que sua companheira.

      • Marcos Carvalho

        Aí vc está distorcendo um fato mais natural que a própria existência do ser humano.
        A desigualdade social é um dado que acompanha qualquer ser vivo em qualquer época da história da Terra. Partir do pressuposto que está algo errado pq todos não tem acesso às mesmas coisas é maluquice completa. Isso só existe na cabeça de teóricos comunistas, os mesmos que deram base pra formação dos regimes mais assassinos que já vimos.

        Entenda uma coisa: sempre existiram e sempre existirão seres mais capazes e/ou mais esforçados que outros. E é natural E justo que eles consigam acesso a mais coisas que os outros. O que podemos fazer é lutar para que essa diferença seja suavizada, nunca eliminada, pois isso é materialmente impossível. Portanto quando você vê alguém com mais recursos e possibilidades, você não deve imaginar que ele conseguiu aquilo às custas do sofrimento alheio, mas que ele conquistou a prosperidade pois se esforçou e obteve êxito onde poucos conseguiram. Isso te leva a ter mais vontade pra lutar e conseguir aquilo que inveja na vida do outro.

        Agora a mentalidade marxista que rege todo debate público no Brasil e permeia toda ideologia inclusiva é exatamente a contrária: se alguém tem mais, vamos tirar dele pois é um opressor covarde. Essa é a mentalidade de perdedor, que destrói a riqueza e divide a pobreza. Basta olhar onde estão os países que seguiram uma e outra mentalidade para entender qual é melhor seguir.

      • Marcos Carvalho

        A questão de poder, dinheiro e até mesmo de direitos sempre funcionou da seguinte forma: Você os tem na medida em que beneficia o sistema ou é útil a ele.
        No começo o direito ao sufrágio se estendia apenas aos nobres e dirigentes da sociedade, uma vez que era com o patrimônio deles que eram constituídas as empresas e a economia dependia basicamente da presença dessas figuras na sociedade. Sem eles, a cidade ou vila onde viviam voltaria ao estado pré-histórico. Mais tarde, com o surgimento de guerras e conflitos por terras, os homens mandados para arriscar sua vida para proteger o Estado começaram a gozar de mais direitos e prestígio, proporcionais ao risco que eles passavam para defender o bem-comum, assim os militares também passaram a ter direito de voto. Portanto não existe isso de “sistema que privilegia os homens”. Qualquer sociedade que se sustentou minimamente em termos históricos foi a sociedade que garantiu direitos proporcionais à contribuição dada pelo indivíduo para o progresso da mesma. Se mulheres tinham menor salário é pq elas tinham uma produtividade menor e traziam uma série de complicações para o setor produtivo, geralmente por aguentarem trabalhar por menos tempo durante a vida, por terem que se retirar temporariamente para se dedicar a maternidade ou mesmo ao lar, etc. Ou seja, sempre houve uma diferença, justamente porque homens e mulheres SÃO diferentes, tanto no aspecto físico, quanto no emocional, e é ilógico querer sujeitar seres diferentes com particularidades diferentes a um sistema absolutamente idêntico. A mulher que tem o mesmo cargo, o mesmo tempo de serviço e desempenha absolutamente a mesma função que o homem em qualquer empresa hoje TEM o mesmo salário. Isso é garantido por lei. O problema é que a desonestidade intelectual de quem divulga estatísticas e as alardeia na tv é absoluta. Eles só divulgam que há difertença nos salários mas não explica que é pq há diferença nas condições e na produtividade.

      • Rone

        uma coisa que se tem sem ter que uma coisa que se tem sem ter que uma coisa que se tem sem ter que uma coisa que se tem sem ter que. que irritante cara. usa outros pronomes.

      • Aldir Gracindo

        Você é feminista ou é louco? Porque está obviamente projetando o seu problema como se fosse meu. Volta pra a escola ou pro tratamento.

      • Aldir Gracindo

        Enquanto isso, que tal não me incomodar mais com retórica atabalhoada de internet? Obrigado.

      • Thiago Florindo

        Sim o Machismo fode a gente também, recentemente estou sofrendo de um problema que descobri recentemente chamado( falta de inteligencia emocional) sim a inteligência emocional além de ser muito importante, para o homem é tudo: Vc sabia que a inteligência emocional é a força mor de atração sexual masculina sobre as mulheres? sim homens com inteligência emocional apurados são sexualmente muito atraentes aos olhos femininos e em casos mais extremos existem homens com o mesmo nível de poder de atração sexual de uma modelo.

        Infelizmente assim como as mulheres são castradas de exercer a sua sexualidade, o machismo castra os sentimentos dos homens e assim somos impedidos de desenvolver inteligência emocional. Já parou para pensar por que existe tanto macho na friendzone?

        Porque esses machos possuem um nível de inteligência emocional abaixo da média das mulheres. MULHERES QUEREM HOMENS COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ACIMA DELAS. E graças a essa deslealdade, as mulheres são estimuladas desde cedo a desenvolver inteligência emocional. Por isso não é fácil conquistar uma mulher!

        E digo mais: a castração emocional masculina é quase toda a fonte de violência passional. Já parou para pensar por que existem tantos estupros, agressão contra mulheres, assassinatos por motivos passionais, e outros crimes bárbaros cometido por homens contra mulheres?

        Fora também que o analfabetismo emocional também contribui para a depressão, para a insegurança e para o suicídio. Por isso os homens são os mais afetados por esses problemas e possuímos uma qualidade de vida inferior ao das mulheres. Sim o machismo apenas transparece como algo benéfico a homens, porém ele fode com as mulheres e fode ainda mais com a gente!!!

        Eu para consertar esse problema comecei a fazer curso de teatro, pois ele ajuda a desenvolver os sentimentos e a te soltar. Fora também que a Inteligência emocional é a chave decisiva também no mundo profissional: pessoa com inteligência emocional desenvolvida, possuem mais chances de serem bem sucedidas e possuem mais facilidade para fazer DINHEIRO$$$$$$. Pesquise sobre isso e vc verá o quando o machismo rouba da gente sem a gente perceber!

      • Frederico Mattos

        Bingo! @thiagoflorindo:disqus

      • Sandra Silva

        Frederico, não foi bingo. O comentário da Alice explica bem porquê.

      • alice

        vcs são castrados emocionalmente; nós, sexualmente – ok, isso está certo. mas dizer que o machismo fode mais com os homens que com as mulheres não dá, né, querido? outra coisa: mulheres não querem homens assim ou assado. generalizar as mulheres (ou os homens) quando estamos num processo de alargamento da ideia de gênero e de questionamento e desestabilização das construções do feminino e do masculino não vai contribuir pra aprofundar a discussão e nem pra você pegar mulher. se você quer namorar uma mulher e ela o quer apenas como amigo, aceite o fato de que existe uma coisa chamada atração, que não se resolve em curso de teatro. pare de acreditar em filme norte-americano, em que magicamente um cara ‘friendzonado’ faz algo que impressiona a garota e ela finalmente fica com ele. amadureça. olhe as mulheres como pessoas.

    • Elvis Belmontt

      Melhor comentário sobre sexualidade masculina!

    • Fernando

      é bem isso mesmo, até pela forma que o João Baldi Jr. escreveu, querendo em vários momentos do texto afirmar sua heterossexualidade dá pra perceber que nem ele escapa disso tudo..

      • Frederico Mattos

        Curiosidade minha, e você escapou ou o único ponto chave da sua reflexão é a heterossexualidade do João Baldi Jr?

      • Mateus Mendes

        acho que ele quis dizer que até pra tocar nesse assunto, o cara acaba a todo momento se auto-afirmando insconscientemente.

      • Ricardo

        Entendo o Fernando. O autor poderia simplesmente se colocar sem a necessidade de dizer se ele é hétero ou não, não faria diferença, mas parece que quis dizer “olha, tô dizendo isso tudo porque sou um hétero bem resolvido, não porque sou gay”. Mas também é ilusão achar que alguém estará completamente livre dos condicionamentos da cultura; e acho que só o fato de questionar um pensamento, o que subentende SE questionar, já é super transformador.

    • Neemias Santana

      Wow! O comentário acabou por aprofundar ainda mais as questões levantadas no texto. Participação indispensável nessa discussão. Obrigado por ter se manifestado.

    • Felipe Andrade

      Melhor coisa de ler um texto desses é ler o comentário de pessoas sensatas embaixo, sem gente idiota falando sobre ~uma desculpa pra liberar o elogio se fazendo de moderno~ ou qualquer besteira que vemos hoje em dia… Frederico, Guilherme e Alexandre, precisamos de mais Homens como vocês!

      • Victor Augusto Lage Pena

        Fico feliz em ver pessoas tão desprendidas das amarras dos preconceitos. Eu enquanto homossexual percebo muito mais machismo no mundo gay do que nos comentários lidos aqui. E concordo com o @disqus_aMmReRKesK:disqus , esses caras são apaixonantes, pena que são héteros. ehhehe

      • Frederico Mattos

        A explicação para esse machismo é que gays ou heteros estão imersos na mesma cultura, com o agravante de que os primeiros são alvo e autores de ataques. Homofobia entre gays é uma realidade terrível. Já atendi muitos que tem grandes dificuldades em manter relacionamentos duradouros exatamente pela auto-aversão projetada no parceiro. O que inviabiliza a coisa toda.

      • Victor Augusto Lage Pena

        Desculpe se eu deveria já saber disso, mas vc é Psicólogo? @fredericomattos:disqus. E realmente relacionamentos duradouros no mundo gay infelizmente é raro.

      • Frederico Mattos

        Sou sim, @victoraugustolagepena:disqus, seguem alguns texos meus por aqui no PdH http://papodehomem.com.br/author/frederico-mattos/

      • alice

        nossa, que afirmação estranha pra mim. tenho muitos amigos gays (homens) e muitos, a maior parte deles está casado ou namorando há bastante tempo.

      • Fábio M.

        Que tal um texto sobre isso? Sobre essa auto-aversão que as pessoas sentem(os gays, no caso). Sou gay e sinto muito dificuldade em estabelecer relações com outros gays…

      • Bruna

        O Pdh é um oásis no meio das barbaridades que a gente lê nos comentários de sites por aí. Parabéns a todos pela civilização :)

    • Talles Lee

      Fico feliz em ver alguém heterosexual, falando dessa forma, eu como homosexual (vou usar assim porque parece que a palavra gay ainda choca) isso por dois unicos motivos: é mais fácil de ter amigos heterosexuais que tenham a mente aberta desse jeito, e o segundo motivo é que estes mesmos pela mente aberta não tem medo de se aproximar dos gays, acho um saco heteros que acham que porque vc é gay, vai sair dando emcima deles, sendo que a metade nem nos interessa no sentido sexual e sim intelectual, porque no fim tudo independente da sexualidade ainda somos homens.

    • clara

      muito legal essa reflexão :) sou uma feminista orgulhosa e sem dúvidas um ser humano melhor depois de ler esse tipo de questionamento sendo colocado!

    • Maltus

      compartilho da mesma opinião: fazer elogios à qualquer pessoa, independente de sexo ou credo, não implica em segundas intenções.

    • Thiago Di Rosato

      Exatamente, Frederico! Nada nos impede de beijar a face de algum amigo muito próxio em celebração à longa amizade, à dor, à felicidade, à sua solidariedade para com a nossa pessoa, à fragilidade tanto de um quanto do outro, E como tu mesmo disse, reconhecer a beleza está muito além de se sentir atraído. A verdade e que nós, homens, ainda somos imaturos e ingênuos.

    • Marcio Rolim

      Frederico, casa comigo?

    • Diego Costa

      Ótimo comentário! Gostei muito da linha de raciocínio que você usou. :)

  • W. P. Neto

    “gosto mais de bundas de garotas e meu histórico do Chrome poderia claramente ilustrar isso, se eu não tivesse passado a usar a aba anônima por questões de bom senso.” (2)

    • julia

      gente que parafraseia a frase mais irrelevante do texto inteiro rs

      • Renatinha

        E qual o problema nisso? Mais liberdade e menos julgamento, gente.

      • W. P. Neto

        Se levar em consideração a relatividade que existe entre o que é relevante ou não a partir da subjetividade de cada um, o que você considera como sendo irrelevante pode o ser pra você e outras pessoas, bem como pode não ser para mim e mais outras. E, diga-se de passagem, meu comentário não foi uma paráfrase, foi uma citação.

  • Bruna Meira Rocha

    Muito bom, é o que tento argumentar, mas é difícil a ideia ser aceita sem preconceitos e palavras de desaprovação!!

  • Gabriel Lobato

    Um dos motivos pelos quais parei de assistir Spartacus mas curto muito Game of thrones hahaha

    “Ou seja, vivemos em um contexto no qual bundas e peitos de garotas aparecem em todos os lugares, mas para topar com a bunda de um cara sem estar assistindo a uma série gay, ela precisa vir acompanhada de um aprofundado contexto histórico ou se passar num universo onde também existem dragões.”

    No meu caso, nem os dragões justificam a cena, acho uma merda mesmo…

    Na real MESMO, acho que a solução não é mais nudez disso ou daquilo, é menos nudez… feminina também. Tem certos programas/séries que o cara evita assistir em familia porque lá pelas tantas vai aparecer alguem peladão, seja mulher, seja homem… isso é meio constrangedor. Game of Thrones dependendo da cena que estiver rolando, se uma pessoa chega na sala você passa por tarado, no caso do spartacus, passa por putão, pois pra cada batalha sangrenta tem mais 3 cenas de caras pelados no ludus… é desconfortável sim.

    • Thon

      Será que você reparou que o que lhe importa é o que vão pensar de você?? Ou melhor, oque vão pensar da sua sexualidade ou sua moral??? O texto aborda acima de tudo a insegurança masculina gerada pela própria opressão machista da sociedade. Se você está em família é um ótimo momento para ser maduro e deixar que os outros se sintam constrangidos com a sua segurança em não se constranger (se tiver crianças, apenas oriente, eduque… falta este tipo de ação em uma sociedade hipócrita), se alguém te surpreender vendo algo, mantenha sua segurança e espere as perguntas virem e responda naturalmente! O mundo quer ignorar que o homem hétero, gay ou os diversos outros tipos, gostam e se interessam naturalmente por sexo! E as mulheres (todos os tipos) também! Seja mais natural e não se esconda atrás de máscaras que esse desconforto passa!

      • Denny Marcel

        Não só isso, as pessoas estão tão acostumadas a esconderem seus corpos que qualquer nudez é vista exclusivamente do ponto de vista sexual. Debaixo de todas essas roupas somos todos daquele jeito! Acho meio incoerente termos tanto medo da nudez, como se dela viesse sempre acompanhada a vontade de trepar. Faz parecer que o ser humano só é ser humano porque usa roupa… mas todo mundo nasce pelado e, na natureza, sem toda essa carga “moral”, as vestimentas só servem pra esquentar o corpo.

      • Renatinha

        Essa é uma questão interessante. Os índios, por exemplo, andam nus e nem por isso saem transando ou se excitando a toda hora. A sociedade civilizada criou essa questão da vergonha do próprio corpo, os pudores, por algum motivo, e consequentemente a nudez virou um tabu.

      • Denny Marcel

        “Algum motivo” nada. Foi a Igreja Católica que inventou toda essa vergonha do próprio corpo, transformando a condição humana numa desgraça, vendendo a ideia de que a felicidade plena só é possível no mundo descarnado (uma bela maneira de manipular as pessoas para seus propósitos bem mundanos, diga-se de passagem). A mim parece que a capacidade de andar nu e ainda assim saber separar erotismo de mera nudez é que é de fato uma atitude civilizada.

      • Renatinha

        Pois é, Denny. Eu até ia colocar a palavra “civilizada” entre aspas no meu comentário, mas deixei sem porque ela já traz esse significado – doutrinada, não natural. De fato me parece que o catolicismo ajudou muito a criar nossos complexos. Tudo pelo poder, né?

      • Ca

        Denny, comente sempre! Parabéns por ser tão esclarecido! Se todos se questionassem com mais frequência sobre as razões de nossos comportamentos cotidianos, a vida seria muito mais leve, muito mais livre, pois desataríamos certas amarras e tabus que só fazem sentido para quem tem o intuito de oprimir, de criar poder, de limitar a vida do outro.

      • dabliuó

        isso ai, não embarque nos dramas alheios!

  • http://dedos.info/ Rafael Trabasso

    tendo a concordar com o texto. em setembro de 2012 publiquei em meu blog um texto de teor similar; “afirmação de nudez doméstica”, depois que fui execrado pela minha vizinha que estava me bisbilhotando nu em casa.

    http://dedos.info/blog/2012/09/afirmacao-de-nudez-domestica/

  • Andrea

    Por favor, esse texto precisa de uma revisão agora! O tema é ótimo, mas, Jesus, quanta falta de vírgula e quanto parágrafo composto de um só período. Para quem se autointitula escritor e roteirista, ficou feio.

    • Thon

      Nossa, apesar da sua crítica, eu compreendi tudo o que foi escrito! E o TEMA e o desenvolvimento das IDEIAS são geniais!

    • Luciano Andolini

      Andrea,

      Valeu o toque. Refizemos a revisão.

      ;)

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Valeu pelo toque, Andrea, tamos sempre revisando em busca da melhor forma de apresentar o texto e eu sou o primeiro a reconhecer que as vezes escrevo de forma a lembrar a fala intensamente rápida de um adolescente apressado e em outros momentos. a. fala. densamente. pausada. do. batman. da. década. de. 60.

      • Andrea

        hahahaha, ótimo!

    • Rapha

      Adorei, o, texto, porém, achei, o coment, da, Andrea, puro, recalque.

  • Cacador

    Na minha opinião, é porque é desnecessario ficar olhando para outros homens.Principalmente nus. Tirando nossos amigos(aliados), os outros homens são adversarios, inimigos, eles não vão pensar duas vezes antes de passar o rodo na sua mulher, muito além de pensar em ser gay ou não, o sentido é outro. No mundo corporativo, aquele cara é o que vai tirar a sua vaga, que vai competir pra pegar as estágiarias gostosas e voluntariamente ou involuntariamente, vai te deixar na merda se voce deixar que isso aconteca. Homem por natureza já é considerado sujo e nojento. É isso que faz dele um homem, é o cara que não tem frescura, é forte e pensa friamente.
    As mulheres são consideradas belas, cheirosas, meigas. E de fato, a maioria delas tentam ser assim, claro que tem umas mais porquinhas, na verdade isso é apenas um estado, mas de modo geral, elas são extremamente vaidosas e a nudez para elas ao ver uma outra mulher acaba sendo mais um comparativo, pelo fato delas serem extremamente detalhistas.
    Achar que porque vivemos em sociedade, que possui regras de condutas, regras de comportamento, vai impedir que os outros caras facam uma competicao com voce é inutil e sinceramente, não tenho interesse nenhum em olhar meus inimigos pelados.
    Muitas vezes competimos até mesmo com nossos amigos, agimos de modo conjunto durante um tempo, mas na hora certa, é cada um por si.

    • Gustavo

      Lamento por você, acho que vivemos em mundos muito diferentes.

  • Sérgio

    Realmente vivemos numa sociedade que é complicado ser espontâneo pelo medo de ser taxado de isto ou aquilo. Antes de tudo acho o ser humano em si tão complexo para ser taxado. Com pré conceitos acabamos guardando as sete chaves coisas que porque todos pensam que não é coisa de macho ou pior, acabamos entrando nas paranoias da vida, tics nervosos ou sendo o que não somos. Acabamos virando robôs, pessoas mecânicas onde há um manual de instrução da sociedade. Não estou dizendo que o mundo é gay e nem que não existem gays, só digo que o homem deve ter sua espontaneidade. Creio que descomplicaríamos muito nossas vidas e os achismo que surgem diante de tudo isto. o “eu” seria menos questionado e mais explorado pelo próprio! As pessoas seriam mais elas! Não é polêmico, só é verdadeiro! Até porque como a maioria sou vítima do “isto não é coisa de homem” e da vida mecânica pelos achismos que acaba se criando diante de tantos julgamentos! Concordo com o autor do texto!

  • Brenda Ribeiro

    Realmente é intrigante como é tao ‘fácil’ ver peitinhos livres na tv. Imagina um domingo de Temperatura Maxima, com a familia toda reunida depois do almoço, se aparecer alguns peitos, ninguem comenta nada, MAS SE APARECE UMA BUNDINHA MASCULINA… ‘MUDEM DE CANAL… QUE COISA MAIS HORRIVEL…’ apesar de toda uma curiosidade por saber no que vai dar o final dessa historia.

  • http://www.estrategistas.com/ Paulo Ribeiro

    Baldi tem um estilo de escrita suave e direto ao ponto.

    Coisa linda no PapodeHomem acompanhar vários grandes autores diferentes e seus estilos únicos.

    Obrigado pelo texto, cara. Sinto exatamente o que você descreveu. Primeira vez que fui numa pelada, fiquei chocado ao saber que a galera ficava nua de boa no banheiro, só para vc ter noção.

  • Felipe

    Sabe aquele tipo de coisa que você lê e pensa: Por que eu nunca pensei sobre isso? Faz muito sentido tudo o que você falou.

    Sou gay, mas o machismo em minha formação é tão forte que fico sem graça quando um amigo, principalmente os héteros, vem me dar um abraço. Acho até engraçado que tem héteros, que sabem de minha sexualidade, e que não estão nem aí. Abraçam numa boa, fazem brincadeiras e tal.

    Fico feliz de ver heterossexuais, principalmente os homens, com uma cabeça mais aberta. Sem preconceitos. Inclusive levantando a bandeira contra o preconceito. Nã só contra a homossexualidade, mas também a favor da igualdade de gênero, etnia, etc.

    • aldo

      Acontece isso comigo também. Já fiquei muito aflito com isso, mas agora lido melhor.

  • Clara Corrêa

    João, acho que me apaixonei um pouco por você depois desse texto… rsrs

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Hahahaha obrigado, Clara :)

  • Isa Belli

    Fiquei bem feliz com isso. Essa visão vinda de um homem é um presente. Estou grata, João.
    Também acredito que o aumento de exposição do corpo masculino ajude a superar muitos preconceitos e tabus; e talvez ajude até diminuir a obsessão com o corpo feminino. A tirania que enclausura mulheres como objetos bem ou mal acabados e utilidade reduzida e, homens como máquinas ultraeficientes, signo de fortaleza sem direito ao abalo, precisa ser questionada e, desconstruída.
    Li um texto no blog do Victor Lisboa sobre o ocorrido entre Nicole Bahls e Gerald Thomas, que recomendo muito a quem se interesse a refletir sobre a nudez feminina e machismo ( http://www.minhadistopia.com/gerald-thomas-e-nicole-bahls/).
    Apenas acrescentaria algo mais: não só corpo e as emoções precisam deixar de ser tabu, mas principalmente a própria sexualidade, que é oterritório em que ambos se encontram. Enquanto pensarmos que agir com bom senso seja usar a aba anônima do Chrome, ainda estaremos protegendo uma imagem falsa, irreal e tirana. Ao projetar a ideia de que desejos, práticas e opções sexuais sejam condenáveis ou precisem ser ocultas, investimos novamente em tabus, sombras e negações que invariavelmente se voltarão contra nós mesmos no momento em que virem à tona. E em algum momento virão violentamente, como vem tudo o que fica represado por muito tempo.
    ;-)

    • http://www.minhadistopia.com/ Victor Lisboa

      Oi Isa, que bom saber que você leu aquele texto. o/

      Hoje não tive muito tempo de entrar no PdH, e dou de cara com esse SENSACIONAL texto do João.

      Por outro lado, para colocar lenha na fogueira, pergunto a você: será que não é preciso haver um pouco de tabu para justamente termos um certo prazer de romper esse tabu? O próprio erotismo não está vinculado a existência de um “proibido” que precisa existir justo para podermos transgredi-lo? Uma sociedade mais evoluída seria (1) uma sociedade em que ninguém usa o corpo do outro em nenhuma circunstância como objeto de prazer ou (2) uma sociedade em que há espaços delimitados nos quais é sancionado tanto uma mulher usar o corpo de um homem como objeto como um homem usar o corpo de uma mulher como objeto (em ambos casos por erotismo lúdico, e sempre consensual, claro)? Seria possível mantermos esses “espaços” (não estou falando, claro, de espaços físicos, mas de circunstâncias, de situações) sem que, em outros espaços (no espaço da política, da publicidade, das relações profissionais e humanas), fosse admitido qualquer forma de abuso e preconceito?

      Não tenho respostas, só perguntas. }=)

      • Isa Belli

        Victor, que bom te ver por aqui! Adoro seus comentários!!! Considerei a questão de evoluirmos no sentido do preconceito, da aceitação do sexo e dos corpos como algo natural (tirar a repulsa/indignidade social do jogo). Não estou condenando o erotismo. Penso que as pessoas de uma sociedade mais evoluídas continuarão a usar corpos como objeto de prazer, tratando a “pessoa” que mora no corpo como se não fosse mero objeto, entende? Com a consciência de que há alguém naquele corpo, e que não sai de lá na hora do prazer, e nem serve só para isso – ainda que você deseje só isso dele eventualmente. É exatamente o erotismo consensual, maduro, que pode se despertar na fantasia, na ludicidade e não em jogos reais de poder, em que, mais cedo ou mais tarde, todos saem perdendo. Acho insano o fato de que no século XXI, uns dependam de prender os outros (e outros dependam de ser presos!) para se sentirem mais livres.

        Quando disse que sou a favor da abertura, da quebra do tabu, na verdade estou imaginando uma mudança de paradigma, a quebra do algoritmo social atual. Quando movemos uma peça do sistema, as demais se reorganizam, nada fica como está – criamos chance de novas configurações, que podem ser bem melhores. Não é apenas uma equação com algumas variáveis, seria algo como caminhar (ainda que lentamente) para teoria dos jogos nas relações individuais e coletivas. Imagino que um aumento da exibição de homens nus por exemplo, ajudaria a regular o excesso de mulheres nuas, em todas as circunstâncias (TV, ruas, revistas), a distinguir moral de moralidade, a dar mais autenticidade para escolhas pessoais, a aumentar a curiosidade pelo lado humano… Mas não só isso, principalmente geraria crise, e inevitavelmente um número absurdo de oportunidades – que atualmente, escolhemos ( ou somos impelidos a?) ignorar pelo simples fato de não saber lidar com elas.

        Reconhecer que “O rei está nu” pode ser um passo tão poderoso para a sociedade, quanto o de Nietzche quando afirmou de que Deus estava morto. Não acha que o risco vale a pena? ;-)

      • http://www.minhadistopia.com/ Victor Lisboa

        Esse seu comentário é um daqueles que mereceria virar um texto, sério. Entendi tudo sim, achei ótima a ideia de uma sociedade madura em que é possível usar consensualmente o corpo de alguém sabendo que esse alguém lá “dentro” do corpo não é um objeto.

        Gostei do lance de aplicar a teoria dos jogos nas relações individuais, coletivas e também nos acertos eróticos.
        Olha só, agora isso que vc falou nesse comentário e no anterior me fez pensar como de fato nós homens não sacamos que o rei está nu. É uma sociedade em que há excesso de exploração do corpo feminino (o que até faz com que a coisa perca um pouco da graça, daquela graça que está justo naquilo que é um pouco velado, mais difícil de se ver – curto o modo como as mulheres se vestiam na década de 40, roupas que sugeriam as curvas e ao mesmo tempo cobriam), e talvez a exploração idêntica da nudez masculina faça com que os homens se liguem daquele outro excesso e, por fim, cheguemos a uma situação consensual.
        Sério, posso pensar em um texto em cima desse teu comentário? Aí claro informo que seria em coautoria.

      • Isa Belli

        Claro, seria um prazer inenarrável :-D

      • http://www.papodehomem.com.br/ Guilherme Nascimento Valadares

        pequeno adendo no papo de vcs, Victor e Isa

        só pra saberem, na próxima versão do PdH, vamos ter um feature oficial para agradecer pessoas que ajudaram no texto, como tem no Medium

        ;)

        queremos estimular e valorizar a co-criação, autoria coletiva e circulação de ideias

      • http://www.minhadistopia.com/ Victor Lisboa

        Opa, então haverá nova versão do PdH? o/
        Tenho mais dois textos na cachola que são praticamente da autoria de dois comentadores que lançaram ideias fantásticas em textos meus.

  • Mel Jansson

    simplesmente adorei! Parabens!

  • http://www.embricolagem.blogspot.com/ Francisco V. Sampaio Neto

    Eu acredito que é importante derrubar barreiras, como canta John Lennon, imagine o mundo sem elas.

    Use isso para desconstruir conceitos que compartimentam você e as pessoas ao redor em fronteiras que não existem, se olhado a fundo.

    A sexualidade é uma fronteira.

    Antes e acima de ser um corpo do gênero masculino sou um ser humano e tenho necessidades afetivas como qualquer pessoa. Nesse ponto dou meus parabéns as mulheres (a maior parte), por não se importarem em demonstrar seus sentimentos, pois os homens os têm, porém guardam para si, por medo do julgamento social.

    Entretanto fica a reprimenda para elas e para nós, por perpetuarmos as coisas desse modo.

    Repetindo: antes de tudo somos todos seres humanos, necessitados de carinho e contato e não vou negar isso a que esteja disposto a receber.

    Minha orientação é heterossexual, adoro mulheres, principalmente as gordinhas, e não vejo problemas em beijar e abraçar meus amigos gays ou conversar sobre mulheres com minhas amigas lésbicas, ou até (vejam só) ter amigas.

    Aliás, gosto mais da companhia feminina do que da masculina. Mesmo para conversa. Não sei, elas me parecem mais interessantes do que nós com nossos preconceitos (não que elas não os tenham, mas em sua maioria sabem ser mais brandas e considerar mais o ser humano).

  • Claudia

    Excelente reflexão. Entretanto temos que levar em consideração que o sexo do homem (pênis e testículos) é externo, ao contrário da mulher. Assim sendo, a exposição do homem em nu frontal se igualaria à exposição da mulher se essa abrisse as pernas e mostrasse a vagina propriamente dita, o que não acontece, na maioria dos casos no cinema não pornográfico.

  • Rochester Halfeld

    Essa questão que poderia ser extremamente simples (de encarar a nudez de ambos os gêneros com maior naturalidade, algo que eu enxergo como necessário, para se derrubar uma série de outras questões decorrentes disso), por conta de uma programação social que faz cada vez menos sentido, se transforma em um carro de batalha entre os “programados”_o que me remete a uma postagem bibliográfica em um blog que há anos não atualizo:
    http://rochester-halfeld.blogspot.com.br/2010/01/fragil-essencia-da-masculinidade.html

    • Rick

      Há um tempo para cada coisa, na vida. Nada é por acaso. Quando as formigas invadem os campos, na terra é para fortalecer a sua estrutura, com as folhas que trazem das árvores. Arvores sem folhas é igual a chão pobre. Na natureza tudo tem o seu lugar. Nós seres humanos gostamos de rotular tudo, para “facilitar” a compreensão do sistema onde atuamos, por isso nos empobrecemos. O conceito é sempre limitador e isso vale para todos os lados. Quando achamos que todos tem que ser… ninguém é nada, somos apenas resposta a algo muito maior que nos movimenta, independente da nossa vontade pessoal. Somos conduzidos a… Por isso corpo nu deveria ser encarado com muita naturalidade, de fato nos livraria de muitos inconvenientes.

  • Leilivan Pimentel

    Acho que deveria ter meno nudez em tudo… tanto de mulheres quanto de homens…. Mulheres “normais” (se é que existe alguma anormal, algo que não acredito) não prescisam ficar adimirando corpos sarados de modelos e atrizes tendo tais como um padrão de beleza!

  • Emanuele Freitas

    João Baldi, ótima matéria… mas não compre um cachorro… adote! rs

    • http://justwrapped.interbarney.com/ João Baldi Jr.

      Siiim, preciso mudar essa minha bio. Primeiro pensei em adoção e depois, pro bem do cachorro, repensei a ideia do cachorro como um todo (deixei uma planta que minha mãe me deu morrer e acredito que preciso praticar mais antes de ser responsável por outro ser vivo)

      • Emanuele Freitas

        foi a 1º risada que dei hj… bem… continue treinando… e será um bom dono para seu pet. :-)

  • Bruno Francisco

    namoral, eu vejo tanto True Blood quanto Spartacus e nunca me incomodei vendo os caras pelados, mas ao mesmo tempo eu respeito o espaço do mictório, isso já é questão de privacidade..

  • Mariana

    se quero ver bundas de caras, existem sites pra isso

  • Juliana Cordeiro

    Geralmente, sempre que leio os comentários de grandes portais sinto uma vontage pungente de me atirar de um edifício de 18 andares. Grata surpresa ler os desta matéria, conscientes e questionadores.

    • vinnie

      Fiquei muito surpreso com os comentários daqui. É até refresco depois de ver tanta palhaçada que rola no facebook ou na notícias da UOL, Folha etc.

      • Junior

        e eu fico surpreso de forma negativa, só esquerdistinha brainwashed por professorzinho de humanas pagando de esclarecido na internet e fazendo criticas hipócritas, maniqueistas e unilaterais

      • Julia

        Volta pra Folha ou pro G1, meu filho.

  • Daniel Amigo

    Difícil ter algo para acrescentar depois de um texto tão interessante e de alguns comentários brilhantes feitos aqui embaixo, especialmente o de Frederico! Só posso concordar e aplaudir! :)

    É irônico notar que os temas mais difíceis de se analisar são justamente aqueles que tratam do que deveria ser “óbvio”, justamente porque esse óbvio é uma construção social que não vem de décadas, mas de séculos de práticas que se repetem sem que exista qualquer reflexão a respeito delas. Você precisa ser forçado a encarar o tema de uma forma nova para notar que existe alguma coisa muito errada na sua forma de pensar.

    Não posso falar por ninguém além de mim, mas a primeira vez que eu percebi que existia algo errado comigo foi quando estava assistindo um filme (não me recordo qual) onde houve uma cena de nudez masculina e minha reação foi pensar que a cena era “desnecessária”. Não achei ofensiva, não me causou desconforto, mas não encontrei nenhum motivo para que aquela cena estivesse ali. Lembro que logo que saí do cinema a dúvida bateu: e as cenas de nudez feminina? Alguma vez eu pensei se seriam necessárias? Se faziam sentido?

    Nem preciso responder, é óbvio que não.

    É surpreendente como temos a capacidade de assimilar práticas muito antes de uma análise crítica, como as coisas se tornam naturais sem que exista qualquer questionamento a respeito. Na verdade o impressionante é que quanto mais você acredita estar livre de certos conceitos e preconceitos, mais arraigados em seu inconsciente eles podem estar. Tipo aquele momento em que você procura o seu celular pela casa toda só para se tocar que ele estava em seu bolso: quanto mais perto de nós, mais difícil é de ver a origem do problema.

    Mas o que fazer então? Será que falta nudez masculina? Ou existe um excesso de nudez feminina? Será que existe mesmo algum contexto que justifique universalmente a presença de nudez em uma obra? Honestamente, a essa altura, eu tenho muito mais perguntas do que respostas. Por isso mesmo acho ótimo que esse tipo de tema seja discutido, tenho aqui muito material para reflexão com tudo o que ando lendo nos comentários! Parabéns ao autor e a todos que estão participando aqui!

    • Marjane

      Acredito que a nudez seja o de menos. O grande problema é a sexualização, objetificação – pior – de forma desigual, que sofremos nus. Um homem semi-nu que não corresponde aos padrões de beleza num filme qualquer, ou mesmo que corresponda, pode ser visto como um retrato de algo que vai além da estética. Uma mulher dificilmente passará sem ser alvo de julgamentos.

  • Danilo

    Não compre um cachorro não, cara. Já pensou em adotar?

  • NightSpy

    Texto bom para refletir.. ainda não cheguei a uma solução que não fosse a longo prazo.

  • Ricardo Rocha Aguieiras

    Texto maravilhoso, cheio de humor delicioso e com a foto da deliciosa bunda do Alcides, do True Blood e do Christopher Meloni , do Law & Order SVU tomando banho… como gay, que mais posso querer da vida? rsrsrs… E ainda me surpreendendo ao ver, tanto no autor do post como nos comentários, muitos heterossexuais masculinos não machistas e não misóginos, o que é tão raro que tive que tomar um rivotril. Parabéns ao autor e aos comentaristas, por serem como são. O mundo está precisando, mais e mais, de gente como vocês!!

  • Lenira

    Preciso compartilhar a emoção. Adoro o pdh, sempre que posso dou uma bisbilhotada pois os textos são bem escritos e as ideias transmitidas sempre me fazem pensar por dias. Mas mais do que tudo, eu … que amo ler comentários e ao mesmo tempo odeio, fiquei emocionada com a lucidez de todos. Quem sabe … estamos a caminho de um mundo, de fato, em amadurecimento. Gente se questionando sempre tem chance de aprender. Gente apegada a sua forma de ver a vida, sempre fica parada no mesmo lugar. Obrigada João por nos dar mais um tema em que pensar!!! Abraços!!!

  • Karen

    Excelente reflexão, meu caro. Bom senso que falta a muitos (as).

  • Nat Valarini

    Baldi, que texto sensacional!

    Você é minoria entre o sexo masculino a pensar assim. De qualquer modo, é legal
    ver que, mesmo aos poucos, as coisas estão mudando. Provavelmente, se este
    mesmo texto fosse publicado alguns anos antes, ele não seria tão bem recebido,
    até mesmo por algumas “mulheres machistas”.

    Sou fotógrafa e sempre encontro mais mulheres dispostas a participar de um
    ensaio nu do que homens, isso é reflexo dessa cultura muito bem retratada aqui
    por você, Homem.

    Espero que os machões de plantão possam se espelhar em você, mudar essa
    mentalidade preconceituosa que ainda existe e perceber que isso não vai alterar
    em nada a masculinidade deles.

    Li, reli compartilhei e senti muito orgulho de você, rss

  • Fernando

    O melhor texto que li até hoje sobre o tema, parabéns mesmo pelo blog e o escritor claro !

  • Negavan

    Concordo com sua reflexão.
    Não concordo que compre um cão! Adote!

  • http://www.farofacool.com.br/ Bruno Rocha Garcia

    Preciso fazer uma pergunta: Porque tem homens que não se abraçam?

    Eu sempre abracei meus amigos, meu pai, todo mundo! Era mais comum a gente falar um oi e se abraçar do que dar as mãos.

    Eu percebi, no entanto, que isso não é comum, e tem home que vai te bater se você abraçá-lo.

    estaria uma coisa ligada a outra? Da onde vem isso, algupem sabe?

    Sei que é meio off topic, mas acho que tem ligação, e nunca soube onde perguntar

  • Dudu Ardoneto

    Parabéns!

  • cello lima

    Eu acho isso muito próprio do homem mal resolvido, o que de assustador poderia haver na sua própria nudez, ou na nudez de outro semelhante? Medo do óbvio ou medo das suas questões sexuais, muitas vezes mal resolvidas, sim porque nudez, definitivamente não tem nada a ver com o desejo, ou tem?
    Os homens contemporâneos estão muito desnorteados, perdidos dentro da sua própria construção identitária, cada dia mais preconceituosos, mesmo os mais vaidosos que já driblaram questões relacionadas ao comportamento estético, eles veem somente os que estão neste padrão, os mais “rústicos” nem existem para eles, estes, por sua vez, jamais achariam tais atitudes apropriadas para um homem e os gays dai a confusão vira furacão, com tantas diversidades estéticas de práticas em torno das mesmas preferências, mas a nudez sempre foi ‘tabu’ pra homem, sejam eles quais forem.
    Acredito que esteja faltando ‘um olhar’ mais para dentro, o homem precisa trocar mais com seus semelhantes e extrair disso algo, que os façam mais efetivamente seguros mas, sempre preferem quando estão em grupos, se divertir explicitando as suas conquistas amorosas, muitas vezes fictícias, sua posição no local onde trabalha, na exposição dos seus bens materiais ou sobre as relações de poder e dominação. A maioria dos homens nem, sequer lê algo, isso promove a este homem lacunas inimagináveis quanto sua localização como “ser”, sim porque a informação liberta muito o indivíduo, descortina os tabus e enriquece as trocas, promovendo assim rupturas com modelos e paradigmas.
    Esse novo homem que todo mundo fala não existe, pois os homens continuam fazendo guerra, manipulando os sistemas políticos e oprimindo seus semelhantes. Que pena! talvez seja também por isso que lidam tão mal com sua própria nudez,coisa óbvia, pois viemos nesse mundo dessa forma, ao invés de encará-la preferem interpretá-la, como fazem com seus próprios sentimentos, afinal fomos educados para não chorar, para sermos forte feito touros, para sermos sempre bem sucedidos e nunca explicitar nossa real condição. Uma eterna relação de temor ou medo.

  • Rico Melegatti

    “Eu gosto mais de bundas de garotas e meu histórico do Chrome poderia claramente ilustrar isso, se eu não tivesse passado a usar a aba anônima por questões de bom senso.”

    Ok, me convenceu, agora sim eu te respeito, vc não é qqer um falando, nem um gayzinho… é um Hetero!

    Texto que começou bem e ficou babaca. Bela brochada.

  • Tiago Domingos

    Em resumo homem foi feito para se um ogro, já vejo mudanças em certos aspectos e somente um ser não resolvido com sua sexualidade ficar com questionamentos sobre um homem pelado.

    • Tiago Domingos

      *para ser

  • Camila Uzêda

    Ótimo texto! parabéns!

  • José Caminha

    Parabéns pela reflexão e pelo debate que gerou. Incrível como em alguns países a nudez é vista como algo natural e em outros o corpo é visto como uma ameaça. Creio que desviamos o olhar por medo de sentir desejo pelo mesmo sexo, de sermos “confundidos” com algo que não somos e, na adolescência, de sofrer bullying se formos descobertos na nossa curiosidade natural. Mas também para responder a um padrão que garante a nossa integridade no grupo.

  • Cauê

    “Beijamos no rosto apenas pais e avôs, damos abraços apenas em amigos de longuíssima data, cumprimentando amigos normais com abraços tímidos, colegas com apertos de mão e conhecidos com acenos de cabeça que, quando usados em demasia, parecem um tic nervoso.

    Ficamos desconfortáveis ante a visão de caras de sunga branca na praia, damos risadinhas babacas quando os caras do vôlei dão tapinhas uns nas bundas dos outros, tachamos de gay quem usa regatinha.”

    Sinceramente, tudo isso é ridículo, e o pior é que ainda fico impressionado pelo fato de haver homens assim. Que atraso.

  • Douglas Calado

    Incrível, ri e me diverti. Texto suave…
    Você tem toda razão… o machismo é muito real e essa atitude “poderia” mudar um pouco a visão meio retrógrada.

  • jeje

    Bem, nudez masculina era onipresente (e venerada) na arte greco-romana. E nem por isso Roma e Grécia na Antiguidade eram exemplos de igualdade de gênero.

    O machismo consegue muito bem conviver com homens mais ‘sensíveis’. Machismo diz respeito às relações de gêneros, não importando se os homens fazem assim ou assado

  • Olívia Maltha Bortone Corrêa

    Até difícil responder um texto tão interessante, bem escrito e perspicaz!!! Esse papo merece uma cerveja (ou uma cervejada) rs! Vc teve uma observação muito legal, bem “out of the box”, e vale a pena a gnt pensar que isso talvez explique o pq da mulher tbm não ser lá um bicho tão confortável com a nudez masculina, afinal, “mulher gosta de dinheiro, quem gosta de piru é bicha”.

  • Rai

    Ótimo texto!! Também não sei porque o mal-estar!!É por isso que amo os filmes indianos,homens declarando seu amor com um lenço colorido no pescoço e com a camisa aberta sem medo de ser feliz!!haha
    http://youtu.be/vB9AfZYdLRE

  • Marcio Peixoto

    Observação super pontual e texto muito perspicaz. :)

  • Weslunatic, ahora con chili

    Ótimo texto.

  • rossana

    Ótimo texto!

  • Raneves.mg

    bando de viado, isso sim!

  • Guilherme DaCunha Gabriela Can

    Iiiiiiiii…. conheco esse papim…. Acho que quem escreveu esse texto é como a maioria dos caras que eu corro de perto. Se vc quer ver mais bundas masculinas na tv, problema seu, n fale por todos. Ce ta querendo ganhar moral c mulher em cima desse textinho medíocre, inverteu tudo cara, cada um se dá o valor q tem. Se as mulheres se expõe dessa forma, foda-se elas, n acho q elas tem q ficar como coitadas nisso n cara. Se elas se sentem desvalorizadas é só se darem valor, n vem c essa n, papinho de bixa enrustida. Vai pro psicologo, talvez ele te ajude a sair do armário.

    • Guilherme DaCunha Gabriela Can

      Aliás, c esse texto aí pode mudar o titulo dessa página.

    • Marina Fragoso

      Então quer dizer que eu tenho que agir de acordo com seus preceitos (machistas) para você me respeitar?

      Você não me respeita por eu ser um ser humano como você, mas sim pelo tamanho da roupa ou pela forma como danço, por exemplo?

      Você é TÃO errado que fico até sem palavra para começar.

      • Guilherme DaCunha Gabriela Can

        To dizendo q isso é pessoal, que cada um cuida da sua bunda como acha q deve, isso n é discutível. Poderia dizer q esta rolando uma APOLOGIA generalizada ao homossexualismo e ao bissexualismo, sem nenhum respeito a quem n tem nada haver c isso tudo. Voce fazer o q quer n significa que pode interferir assim na educação de cada um. Isso mesmo Marina Fragoso, tive pai e mae em casa, minha mae n agia = vagabunda, aprendi assim. Nao concordo mesmo, vcs ja conseguiram tudo na sociedade, podem se atrelarem a vontade umas nas outras e dizerem q sao heteros por exemplo… pra q cuidar de um problema q n lhe cabe? Voces n deram conta nem de se resolverem na sociedade, ficam c esse papo de independencia, mas correm atras de um cara q pague as contas, quer resolver o nosso lado como? Bom… Se seus pais n lhe ensinaram assim tb n é problema meu, né? Boa sorte pra vcs. So peco pra q n forcem a barra pra quem n quer ver essa viadagem toda, isso tb é respeito PORRA!

      • Guilherme DaCunha Gabriela Can

        Hahaha… desculpa Marina, mas li seu texto e to rindo d+ aqui… vou reescreve-lo pra vc: “Vc questionaria meu valor como mulher se me visse me comportando como uma cadela no cio? LOGICO, acorda, vcs n tem a b••••• de ouro n, se n tiver nda na cabeça n vale a pena!

      • Guilherme DaCunha Gabriela Can

        Não só acho como tenho certeza, bom, cuido dos meus filhos, vc, se tiver pai, ele q corra atrás. Se tiver só mãe, tá explicado!

    • Kevin

      Que merda de comentário! Preferiria não ter lido haha

      • Guilherme DaCunha Gabriela Can

        Não leia, tb n gostei do seu e n to reclamando por ter lido. Esse é o problema, as pessoas precisam aprender a assumir suas atitudes 100%

  • Lady

    Palavras perfeitas!!!! No dia que eu conhecer um hétero que é de boa com outro cara, que topa um menage com outro cara (e sua sua respectiva mulher), pega outro cara numa boa sem ser gay assim como mulheres se pegam sem serem lésbicas… direi ao mundo que conheci um homem de verdade!!!

  • Erica Simões

    as imagens ilustrativas embelezaram meu dia

  • Bruna Matta

    Gostei muito do texto e gostei especialmente do nível dos comentários, coisa rara de se ver hoje em dia! Sempre me esquenta o coração ver homens percebendo que o machismo também afeta suas vidas e manifestando empatia com a opressão sofrida pelas mulheres. Esse texto contribui para a percepação, por parte de tod@s, de que o machismo é muito mais do que “aquilo que as mulheres tanto reclamam”. E para que a sociedade se liberte dessa forma de vida opressora, dependemos muito da participação dos homens na luta diária das mulheres contra o machismo, de forma compromissada e honesta (no sentido de realmente escutar e refletir sobre o que as mulheres dizem).

    Só para fazer um contra-ponto, acho que ficou faltando uma frase nesse texto sobre o fato de que se homens chegam a se sentir oprimidos assim, imagina as mulheres que são oprimidas em quase todos os aspectos da vida social: no modo de sentar, comer, vestir, falar, andar, se relacionar, em casa, no trabalho, na rua, e até no caso de sofrerem alguma violência física ou psicológica. O machismo é muito cruel com as mulheres, nos detalhes de nossas existências. Mas pelo nível do texto e dos comentários, inclusive com um ‘mea culpa’ muito importante do autor do texto sobre sua própria resistência em aceitar inteiramente o que discute, minha esperença se renovou e minha noite ficou mais feliz :)

  • Milena

    Bom texto, boas reflexões! Agora um parênteses: (pô, comprar um cachorro?! adota um….) ;)

  • Bia Bertassi

    acho que você deveria adotar um cachorro e nao comprar.

  • Bruno Etílico

    Olha, parabéns. Muito bom o texto. Mas acho que você deixou algumas questões sem resposta ou sugestão de caminho; de qualquer forma as indagações foram ótimas.

    Achei também que não são coisas desligadas você dizer “Vivemos em uma cultura que, por muito tempo, viu demonstrações de afeto e de sentimentos como algo feminino.” e depois “vivemos em um contexto no qual bundas e peitos de garotas aparecem em
    todos os lugares, mas para topar com a bunda de um cara sem estar
    assistindo a uma série gay [...]” porque não são blocos de tempos separados e, se houve tentativa de juntá-los achei a ligação meio nebulosa (mas aí é coisa discursiva mesmo).

    A problematização que você iniciou sobre a mídia é muito importante. Em um texto comento sobre ela moldar nossas possibilidades de trajetórias masculinas e, por isso, ela não necessariamente reflete a realidade como mencionado ao final do texto.

    Acho que vale um aprofundamento e gostei desse início de debate que pode continuar em comentários.
    Abçs

  • Sofia

    difudê. nunca tinha pensado a respeito. muito bom texto!

  • Rafael

    QUE VIADAGEM!

    • vinnie

      sério?

  • Manoel

    As mulheres nao ajudam tambem…elas vivem exclusivamente para esse tabu

    • Mari

      ??!! As mulheres não vivem exclusivamente pra tabu do corpo nu masculino…não dá nem pra entender o que vc disse. Elas deveriam “ajudar” como? Forçando os homens a aparecerem mais pelados? Pra mulher é legal que o corpo do homem seja retratado na arte também, assim ela pode apreciar outra coisa que não seja um corpo feminino.

  • Julia

    Juro… adorei o texto… concordo muito com o que foi dito. E como mulher, ainda acho dificil de entender a cabeça de vcs, homens. Tanto pelo positivo quanto pelo negativo. Nao consigo compreender qual é o problema de verem um corpo masculino. Pq anatomicamente, é o mesmo corpo, igual ao de vocês. Esteticamente, até posso compreender, pq tem um pouco daquele incômodo da vergonha em notar quão fora de forma estamos ao ver um corpo semelhante ao nosso, mas mais bonito, mais cuidado. E quanto a profusão de bunda-peito e a exploração da imagem do corpo feminino nu, além do machismo, eu diria que os homens acabam sendo egoístas, pq eles querem ver as mulheres nuas, mas reclamam quando aparece um homem nu (e falo isso não só de filmes e series que tanto homens como mulheres assistem). E onde está o direito das mulheres em ver um corpo masculino nu? Com as tomadas de mil e um jeitos como os homens fazem das mulheres? Não defendo a “coisificação” do homem, ou tratá-lo como objeto. Mas do mesmo modo que um homem quer e gosta de ver um corpo feminino nu – e bonito – não somente pela sexualidade, mas também pelo prazer estético, as mulheres desejam a mesma coisa em relação ao corpo masculino.

  • Lana Hulahoo

    Muito interessante a matéria. Parabéns!

  • Marcos Carvalho

    Me pergunto oq essa porcaria de blog está esperando pra mudar logo de nome pra PAPOGLS ou PAPODEFEMINISTA

    • Frederico Mattos

      Que tal PAPODESERHUMANO ?
      ;)

      • Marcos Carvalho

        Qualquer coisa, menos “de homem”. Esse blog ter esse nome é o mesmo que o blog do Hitler chamar papodejudeu.

      • Kevin

        Não vejo o sentido nessa sua comparação com Hitler chamar seu blog de papodejudeu, pensa bem antes de escrever!

      • Marcos Carvalho

        Não há nada a ser corrigido no que eu disse. O conteúdo feminista das postagens mais recentes desse blog é tão benéfica para os homens como Hitler foi para os judeus. Basta conhecer minimamente as ações desses grupos atualmente pra concluir o mesmo.

      • Thiago Dias
      • Marcos Carvalho

        Espero que vc não considere uma teoria estúpida dessa algum tipo de argumento. Ela simplesmente constata uma ocorrência comum, não estabelece ligação lógica alguma entre esse tipo de analogia e a falta de argumentos.
        Se fosse esse o caso podemos descreditar todos os livros de história e ciência política escritos depois da metade do século passado.

        ps: só pra constar, ainda não foi falada uma vírgula que conteste minha afirmação sobre a natureza desse blog.

      • Ca

        hahaha ao dizer isso se assume que o blog deveria ser de oposição às mulheres. Meu caro, vc não entendeu ainda que não tem oposição. Se não sacar que somos iguais e deve haver companheirismo, vai ficar ainda mais pra trás do que já está.

      • Gerson C.

        A 10a lei da informática: lei de Goodwin

    • Denny Marcel

      Essa “porcaria” de blog se propõe a criar um novo conceito de homem, um homem que seja mais livre pra pensar nos outros homens e mulheres como algo mais do que inimigos (os primeiros) na concorrência por um prêmio (as segundas), um homem que não se sinta agredido (o que não faz, aliás, o menor sentido) ao constatar que existem homens que gostam de outros homens, um homem que seja seguro de sua identidade e saiba expressar suas características humanas (como amizade, afeto, companheirismo) livre de amarras sociais limitantes que lhe dizem de quem gostar, quanto e como demonstrá-lo. Se alguém não entendeu a proposta, o problema não é com o blog, é com essa pessoa.

      • Marcos Carvalho

        Então o blog parte do pressuposto que a generalidade dos homens são ignóbeis violentos que pensa nos outros homens e mulheres como inimigos na concorrência por um prêmio?

        É exatamente disso que eu to falando. A lavagem cerebral que o feminismo fez na cabeça das pessoas é tão grande que elas já aceitam essa premissa absurda sem a questionar.

        Então o homem deve se sentir um ser violento e opressor em potencial, que precisa de doutrinação feminista como a desse blog para se tornar minimamente sociável e evoluído? Mas que maravilha!

        Não seria nenhum exagero considerar que todos que apoiam essa ferramenta de engenharia social disfarçada de blog de misândricos, estando a um passo de acatar ideias como o extermínio masculino proposto por Valerie Solanas. E o pior é que ainda fazem isso com ares de esclarecimento, maturidade de seres muito mais evoluídos que machóides primatas como eu.

      • Denny Marcel

        “Óbvio” que sim, porque estamos todos aqui lutando pelo nosso próprio auto-extermínio!
        Chega, adeus!

    • Gerson C.

      10a lei da informática: Lei de Goodwin.

    • Homi Macho

      Bora bater um PAPODEMACHO aqui mano.

      Deixa de boiolagem porra! O cara só expressou em palavras difíceis aquilo que todo macho sente. Vai dizer que nunca deu uma olhada disfarçada praquele seu parça “fofim”? Putz… e aquele teu amigo sarado que tem uma buzanfa saliente? Ok, quer dizer que nunca teve vontade de checar outros peneses para ver se pareciam com o seu?

      Isso é a coisa mais natural do mundo, apenas não “falamos em voz alta” que fazemos ou queremos fazer. Por vergonha, claro.

      Aqui ó, já entendi sua revoltz. É porque o autor só postou homem da bonda caída, né? Toma um novim então: http://24.media.tumblr.com/tumblr_m9rhtbYclK1qmg8lno1_500.gif

      P.S.: sou hétero quase casado com uma mulher de pepeka de verdade, nunca introduzi nada no meu anoses, nem fui abusado ou fiz troca-troca… e por isto mesmo, por ser um cara 100% sem neuras com minha masculinidade, não tenho problemas em ver um macho pelado e reconhecê-lo como gostoso, caso seja (lógico que nunca falarei a ele).

      Vai querer brigar caraleo? Agora pegue suas tralhas e recolha-se para o G1, tag gay. Afinal você odeia vhiadagem, mas lê todos os posts referentes a homem e é um dos primeiros a comentar, né fafada peringosan?

  • Sofia

    “Mas se eu fizesse um comentário desses, acho que o pessoal da pelada iria me olhar muito esquisito.”

    Acho que poderia começar uma evolução nesse sentido parando de se preocupar com o que o pessoal da “pelada” vai achar, não?

  • Alan

    Interessante o contexto. As mulheres estão acostumadas em admirar a beleza de umas das outras, enquanto esse tipo de conversa ainda é proibida entre homens. Eu acho alguns atores bonitos, oras – mas no sentido de admirar aquele padrão estético-comportamental que eu gostaria de ter ou alcançar (“pô, o cara faz sucesso com a mulherada com isso – logo, ele é bonito – eu queria ser como ele”), e não no sentido de “quero fazer sexo com ele”.

  • Gerli

    Pois é…Me lembra o Blog “Pra pensar em sexo”, que lançou uma Galeria de paus. Me comoveu muito a descoberta e alegria dos homens ao saberem que as mulheres gostam de seus corpos nus e exibidos. Percebi que els gostam de se exibir tbm, mas achavam que não tinha interlocução (como a sexualidade feminina é negligenciada e mistificada) Daí foi um sucesso, apareceu um monte de contribuição com as fotos de seus paus… Mas a mulherada nãos e contenta com pouco: estamos querendo bundas agora! Contribuam tbm: http://parapensaremsexo.tumblr.com/galeria-de-paus

  • Danilo

    Primeiramente, muito parabéns pelo texto!
    Eu concordo com absolutamente tudo, e ainda tenho o “agravante” de ser gay .(rs)
    Eu sempre tive muito mais amigos héteros do que gays, antes de me assumir eu tinha medo de todos pararem de falar comigo ou agirem estranho (e todo aquele drama de sempre), pois sempre tivemos brincadeira de moleques, nós dávamos chicotadas de toalha um na bunda do outro, roubava cueca do banheiro pro outro ter que sair caçando onde a gente botou, se trocava na frente um do outro e nunca, NEM POR UM SEGUNDO, tive algum desejo sexual por eles, são meus amigos, meus irmãos, e o mais surpreendente é que quando contei pra eles NADA mudou, absolutamente nada, ficamos todos ainda mais próximos, sempre conversamos tomando cerveja e falando de sexo, mulher e homem.
    Algo que me deixa preocupado é que parece que as pessoas não entendem que você consegue NÃO ter tesão por um corpo que seria sua opção sexual, um professor de desenho meu uma vez falou que eu só conseguia não me sentir excitado pelos meus amigos porque aquela não era minha verdadeira orientação, pois ele com qualquer mulher ele ficaria excitado, então educadamente perguntei se ele se sentiria excitado por uma irmã hipotética, ele disse em nojo que não, apenas respondi que meus amigos para mim são como irmãos.
    E é difícil explicar essa coisa de contemplação e excitação, eu tomo banho na academia e vejo homens nus todo o tempo e não sinto nenhuma vontade sexual, claro que penso “aquele cara é bonito” mas não me vem vontade e nem ereção,é meio que um respeito e uma visão que vai apenas na área de admiração, não tem o ambiente sexual para me excitar, ali não é hora e nem lugar,mas tenho impressão que se aqueles homens soubessem que eu tenho um relacionamento com outro homem eles que não iriam me olhar da mesma forma.
    PS: queria muito entender o porque que todo homem olha o pênis do outro e depois desvia rapidamente, é um dos tabus mais interessantes que eu observo diariamente.
    Tudo de bom para vocês!

    • Heloisa Biagi

      Muito interessante o seu relato, Danilo. Acredito que a todo momento a sociedade tenta nos fazer acreditar de que o homem é uma máquina sexual incontrolável, incansável, viril e animalesca, que perdoa somente suas parentes e olhe lá. O seu próprio professor é um exemplo dessa cultura do “macho insaciável” – que é utilizada tanto como forma de “ritual de aceitação” dentro do mundo dos “machos”, quanto como tentativa de ensinar as mulheres a temer os homens. Ora, um homossexual é um homem, logo, o pensamento geral é o mesmo respeito dos homens heterossexuais: que são máquinas sexuais desenfreadas, mas que logicamente canalizam seus desejos “incontroláveis” para outros homens.

      Tudo bobagem. Nós, homens e mulheres, somos seres racionais e com plena consciência de nossos atos, até mesmo quando supostamente “perdemos o controle”. Ninguém consegue pensar em sexo 24 horas do dia, e nem encarar todo e qualquer membro do gênero pelo qual se tem atração como potencial interesse sexual. Embora a sociedade ensine que o homem deve tentar fornicar com qualquer fêmea ao seu redor (e aqui eu digo “homem” e “fêmea” porque nossa sociedade infelizmente ainda não admite plenamente a homossexualidade como orientação sexual válida), na real “não é sempre que estamos afim”. Falando por mim, assim como você, eu tenho uma pá de amigos homens (o gênero pelo qual sinto atração), mas nunca pensei neles como qualquer outra coisa. São amigos. São como irmãos. E acredito que isso deveria ser o “saudável” da sociedade, não essa pressão insana para que homens sejam máquinas sexuais e homossexuais, que por serem homens assume-se que também sejam máquinas sexuais, se reprimam duplamente.

      Quando se fala em machismo, muita gente pensa que isso é coisa de feminista comunista mal amada e que não depila as pernas. Mas o fato de um homem ser cobrado 24/7 para ser uma máquina sexual sem discernimento e um homem heterossexual não poder ter “só” amizade com uma mulher, ou um homem homossexual não poder ter “só” amizade com um homem, é uma das prisões nas quais o machismo coloca os homens. E acredito que viveríamos bem melhor ser não existisse essa prisão.

      Beijão e bom fim de semana!

  • Talita Victorino Ramos

    ótimo! expressou tudo que tento expor em conversas polêmicas ha tempos.

    só uma ressalva a parte “e planeja comprar um cachorro em breve.” adotar? (:

  • Thiago Borges

    Acho que, além é claro, de todo o histórico machista da sociedade, a comparação da nudez masculina com a feminina também tem uma questão biológica.
    Quando vemos certos filmes heróticos, que não sejam de sexo explícito, o que podemos ver da genitália da mulher nua, são apenas pelos. Existem programas heróticos na MTV, por exemplo, que mostra a mulher em pé, nua, mas nunca de pernas abertas. Por que isso? Por que a vagina fica entre as pernas, e com pelos, não podemos ver quase nada. O homem é diferente. Toda a sua genitália fica exposta quando nú. Acho que esse fator também é levado em conta quando falamos de nudez masculina.

  • Cristiano Garcia

    Parabéns pelo texto!

  • Marina Bouzon

    Adorei o texto, parabéns! Mas meu comentário vai em relação a seu perfil: não pense em comprar um cachorro, adote! Não compramos amigos, certo? Considero que essa lógica vale pra cães, especialmente quando pensamos que infelizmente há muitos passando fome e procurando um lar. ;-)

  • Dinamara Garcia Rodrigues

    Parabéns por esse artigo lúcido, bem escrito, consistente e leve ao mesmo tempo. “Leve”, para mim, é o melhor adjetivo que um texto pode receber, e o que mesmo os mais consagrados textos muitas vezes não merecem, viu? Sou, para a sociedade, uma mulher de 49 anos. No entanto, eu e as pessoas que amo de verdade, sabemos que sou um ser transexual: um menino (exatamente!) gay, nascido em corpo de mulher. Bissexual, gosto de meninos e meninas, embora prefira mais de 95% das vezes os meninos. Descobri esta minha condição aos três aninhos, quando nem havia um nome para isso, e ninguém falava disso, sobretudo no interior de São Paulo, em 1967. Conto esses dados de minha biografia, para dizer da importância que seu artigo tem para as pessoas de todos os sexos. Seu artigo é lindo, lindo, lindo! Cheio de respeito, clareza e inteligência. Nele se vê um fio de um novo tempo nas discussões sobre sexualidade, cultura e afeto. Só posso agradecer por esse presente. Muito obrigado!

  • Fabricio Raito

    “O fato de que não sabemos lidar com a nudez masculina, mas exploramos em profusão a nudez feminina, fala muito sobre nosso machismo.”

    Épico

  • Ale Sandra

    Texto e comentários ótimos! Amei!

  • pedro paulo

    joão, muito bom seu texto e toda a reflexão a respeito do tema, acredito também que uma exposição mais complacente de corpos, possa nos dar atodos mais tranquilidade e aos poucos darmos outro contorno à sociedade de machos dominantes e muitas vezes dominados por violencias toscas ao diferente da norma. parabéns! quanto ao fato de comprar um cachorro – escrito em seu perfil – aconselho a adoção. são vários lugares com bichos incríveis esperando por um ser humano bacana. :) #ficaadica

  • Silvia

    Muito bom! Parabéns!

  • sadfsafsdf

    A questão é que o corpo do homem é muito feio.

  • Juliana Matos

    Joao Baldi. Não compre um cachorro. ADOTE!

  • ow, sério mesmo.

    talvez tivéssemos que diminuir a exposição da nudeza como um todo, e não equiparar um ao outro. assim, talvez, daríamos uma noção melhor (dos que são passados hoje em dia) de valores para as gerações futuras, que são/serão crianças em formação psico-social.

    (banalizando coisas assim é que chegamos nisso:http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=241103)

  • Caio Carlini

    O texto é muito bom e nos mostra que há verdadeiramente um abismo entre masculino e feminino, quando o tema é nudez. Porém, me chamou a atenção o fato de ter sido indicado como conteúdo impróprio pelo autor (+18). Quando vi o título compartilhado no facebook, corri para ler, esperando que fosse um pouco mais contestador. Afinal, o tema tratado foi a nudez e não o sexo. Ao indicar como impróprio para menores de 18 anos, está se fazendo uma associação implícita entre as duas coisas. É como se o autor dissesse: “neste post contém sexo, portanto crianças e adolescentes devem se manter afastados”. Acho que isto se opõe à ideia tratada, que é justamente a desmistificação do nu. No mais, adorei o artigo! :)

    • Alexandre Nunes

      caio, tem a foto de um cara com o pau de fora. isso já é suficiente pra ensejar uma responsabilidade jurídica.

      • Caio Carlini

        Sim, eu sei. No meu questionamento me referi ao autor da publicação, mas a minha intenção foi levantar esta questão: o que deve ou não ser proibido? Por que a sociedade encara a nudez e o sexo com tanta vergonha? Eu sei as respostas, mas acho que está na hora de mudar isso…

      • Alexandre Nunes

        entendi, caio. acontece que tabus morais são uma coisa e conteúdo contra indicado para certas idades é outra.
        eu entendi seu ponto e também considero um ponto, mas o lance +18 reside em outra esfera.

      • Denny Marcel

        Agora temos que concordar que esconder a nudez de menores, quando num contexto não-sexual, também é um erro. Por isso chegam à idade adulta tão paranoicos sobre o próprio corpo e até sobre sexualidade. Na minha casa, desde criança, me acostumei a ver meus pais e meus irmãos nus, e cresci achando isso normal.

  • Ana Cecília Del Mônaco Monteir

    Eu me sinto extremamente injustiçada pela mídia não explorar o corpo do homem…

  • Thiago Dias

    Aplaudindo esse texto de pé.

  • Tiago Da Silva Ferreira

    “Ficamos desconfortáveis ante a visão de caras de sunga branca na praia”

    Não entendi… Ficamos?? Por que???

  • Thais Costa

    Amei o texto! Imagine o mundo com mais pessoas que pensam assim, que maravilha! Eu compartilho dessa indagação desde criança, não entendia porque que, dos homens, só era mostrado a bunda. Até hoje estou esperando ver mais do que só a bunda do Brad Pitt em Tróia, rsrsrsrs.

  • Tiago Da Silva Ferreira

    Bom, sobre o texto em si, eu concordo. No livro “A dominação masculina” do Bourdieu , ele fala que o homem também é sujeitado pelo masculinismo, pois ele é obrigado a estar à altura de um padrão de masculinidade que é exigente demais, extremamente sufocante.

  • Liliana

    Até que enfim que vejo um homem a falar abertamente dos preconceitos do sexo masculino! Gostei muito

  • Dani Pinheiro

    Achei muito charmoso o texto, João Baldi.

  • Ana Luisa

    Excelente texto. Parabéns! Finalmente um homem escreve o que a mulher pensa, pelo menos eu.

  • Daniel Oliveira

    Concordo que não é frequente a aparição de pênis em filmes ou séries, contudo, também é muito raro a aparição das vaginas. Por outro lado, acredito que a nudez feminina é usada, muitas vezes, de maneira estratégica para manter o foco do público masculino.
    Acho bastante válida a discussão do beijo gay. Me parece absurdo o fato de duas pessoas, sejam quem for, não poder demonstrar o amor que sentem só por serem do mesmo sexo.

  • sylvio

    independente da questão de g

  • sylvio

    independente da questão de gênero ou orientação sexual o mais importante é que cada corpo tem seu valor implícito, acho que o que é mais difícil mesmo é a aceitação natural do mesmo sem as cargas e padrões culturais/sociais que insistem em rotular e compartimentalizar tudo…

  • Júnior

    caramba! que texto lúcido! a primeira coisa que me lembrei foi do PAVOR que eu vivi até o dia da famosa apresentação no alistamento militar. todo mundo dizendo que os homens ficavam nus, todos juntos, eram humilhados, etc. e eu, já plenamente consciente da minha orientação [homos]sexual; temia como se temesse estar realmente despido de tudo. acho que essa situação que todos os homens são submetidos deliberadamente, é um bom exemplo.

    pela primeira vez vi um texto repercutir na web e que trata de nudez, sexualidade, feminismo, homem, homofobia, gays, e tudo que envolve HUMANOS. fico contente, pois acredito que o machismo, que abomino, é o câncer da humanidade e pai e mãe da homofobia.

    obrigado, joão. um abraço!

  • Milena Gonçalez

    Poxa, gostei bastante do texto (principalmente por saber que foi escrito por um HOMEM,rs). Meus mais sinceros parabéns, aplausos e acenos afirmativos de cabeça!

  • Ana Amélia Rossiter
  • Aline Brum

    Vim só pelas fotos.

  • Mah

    o que é bem aceito inclusive não é a nudez feminina mas sim a pornografia, aceita e largamente comercializada.

  • Rsouza

    O que posso dizer é que a sociedade em si é preconceituosa, e não parte somente dos héteros, sou gay, e muitas das vezes vejo outro gay, tendo este assunto como Tabu.
    Uma coisa que também acho que mudaria um pouco essa cultura, seria o respeito ao próximo. Grande parte do meu ciclo social é composto por homens heterossexuais, e todos são bem resolvidos, tenho eles como grandes amigos e sei que perto de mim todos eles trocam de roupa, andam sem camisas e tomam banho dentro de um banheiro onde estou fazendo barba. No entanto sei que se por ventura um outro gay estiver dentro do banheiro, isso não aconteceria.
    Muitos possuem o medo de serem assediados…rsrsrsrsrs…
    Já peguei cenas onde um amigo meu estava tomando banho, e eu estava no banheiro, quando um dos meus amigos gay entrou no banheiro e começou a “cantar” esse meu amigo que estava na ducha deixando -o constrangido. Após este episódio, meu amigo ficou até sem jeito de conversar comigo.
    Resumindo: o texto proposto pelo Baldi, é muito interessante, pois leva a reflexão de vários pontos na sociedade tais como o machismo, o preconceito, entre outros. E no meu ponto de vista após a leitura do texto, digo que uma cultura (neste caso da nudez masculina) só começa a ser mudada após o respeito mutuo entre Homens X Homens ( Héteros e Gays) , Homens X Mulheres.

  • Marcia P. da Silva

    João, além de não decepcionar, ainda surpreende (positivamente).

  • Márcia M.

    Cara, vocês são d+
    Sou daquelas “chatas feministas” e acompanho os textos de vocês sempre, obrigada por trazerem essas questões para os “meninos”.

  • Marcelo Bonavides

    Ótimo texto. Muito lúcido.
    A exploração da nudez feminina parece ser, através dos tempos, algo “normal”.
    Já a nudez masculina vem carregada de rótulos e preconceitos.
    Ainda recai sobre o homem o estereótipo de “insensível”, “durão”.
    Infelizmente, ainda, fugir disso pode ser motivo de recriminações.
    Por outro lado, felizmente, isso vai mudando (mesmo que de forma tímida) e o homem vai percebendo que pode (e deve) demonstrar seus sentimentos, se libertar da pecha de “troglodita” e ser alguém pleno, sem rótulos.

  • Vanessa

    Puts! Eu já me perguntava a décadas porque quase nunca aparece nudez masculina em filmes,novelas,etc. Mas nunca tinha pensado que havia um certo desconforto na parte dos homens. Nudez é algo natural, só é uma bosta a constante apelação disso para o sexo.

  • Marcelo Bonavides de Castro

    Ótimo texto. Muito lúcido.
    A exploração da nudez feminina parece ser, através dos tempos, algo “normal”.
    Já a nudez masculina vem carregada de rótulos e preconceitos.
    Ainda recai sobre o homem o estereótipo de “insensível”, “durão”.
    Infelizmente, ainda, fugir disso pode ser motivo de recriminações.
    Por outro lado, felizmente, isso vai mudando (mesmo que de forma tímida) e o homem vai percebendo que pode (e deve) demonstrar seus sentimentos, se libertar da pecha de “troglodita” e ser alguém pleno, sem rótulos.

  • rodrigo

    sei pq não tem comentários ruins preconceituosos… pq os caras machistas quando viram a matéria ja fecharam logo ainda mais com as imagens hasuhaushuahsuhuashuasuashu

  • Marcus Garcia

    Eu não tenho muito o que comentar, apenas concordar e dizer que adorei o texto. Sim, acredito que a sociedade possa melhorar em certos aspectos quando essa “censura” for retirada. Não sei porque, em pelo ano de 2013, ainda não vejos beijos gays na TV aberta.

  • Hugo Leonnardo Cassimiro

    Porque vc não adota um cachorro ao contrário de comprar!?

    Ah e sobre o texto… bom mesmo. Tava conversando esses dias com estudantes pra quem sou professor sobre essa necessidade de controlar a sexualidade alheia como garantia da nossa. Eu só sinto segurança em gostar de mulheres se fizer o resto das pessoas dizerem que gostam também (e todos os v/v possíveis)?

  • Elismar

    Adorável texto escrito pelo Baldi e os comentários também.

  • http://alemdocosmo.wordpress.com/ Rafael Chino

    De fato fantástico tanto o texto e mais ainda os comentários. Uma visão mais ampla para o mundo. De fato eu me vejo extremamente preso a minha criação em diversas questões. E uma é de que com a liberdade maior que gays vem conseguindo, as pessoas mais tradicionais acreditam que o mundo está mudando. Acreditam que de fato a homossexualidade é um vírus que irá se espalhar por cada indivíduo até todos serem homossexuais. Hoje fico feliz quando consigo tratar qualquer pessoa com respeito e igualdade. Engraçado uma questão da amizade. Não sei o meio em que vocês vivem, mas convivo com diversos tipos de pessoa visto minha idade universitária. Mas pelo menos meus amigos me abraçam, alguns até beijam no rosto. E até os mais tradicionais(não gosto de usar o termo machista, desculpem, se puder entenderão) beijão os próprios amigos no rosto. Acredito que muitos porque não ligam o que os outros vão pensar e os outros porque ninguém ousaria duvidar deles por estar atitude. E isso até em questão da perda do medo com caras gays. Se você namora uma garota ela possivelmente terá um amigo gay assumido e você terá que conviver com ele. Com o tempo você vai perceber que a convivência faz você perder o medo de que um vírus homossexual se manifeste pelo contato de um abraço com essa pessoa como você faz com seus amigos. Vai perceber ainda que ele talvez não ligue pra roupas e outras questões que “menininhas” normais gostam. Vai perceber até que ele gosta de futebol pelo futebol e não pelas pernas, vai perceber que ele curte luta, video-game, cerveja e outras coisas que são associadas a masculidade-true-bolada. Vai perceber que no final, muitos deles são caras que gostam de outros caras. Muitos com interesses diferentes claro, mas não deixam de ter uma conversa normal como todo mundo.

  • Renan Araújo Gomes

    Acredito que corpos de homens e mulheres foram tratados de forma diferente, haja vista os valores sociais que fundamentam e se perpetuam na compreensão social dos gêneros masculino e feminino. Nas sociedades machistas (e isso se tornou mais evidente a partir do século XIX, quando a indumentária masculina assumiu um aspecto mais sóbrio), os corpos das mulheres constituíram-se como objetos de contemplação, ou seja, aquela cujo papel social devia ostentar a riqueza que o marido poderia ganhar, em suma, uma extensão do ‘falo’, enquanto objeto de valor que o homem ‘deve’ possuir e nunca perder! (Obrigado Butler pela crítica a Freud).
    O corpo do homem, pelo contrário, nunca precisou de ostentação, visto que sua beleza é hegemônica por séculos! Ora, os ternos, apesar de frios e austeros, acentuam discretamente os atributos masculinos, símbolos de força e virilidade: percebam que o ombro e o peitoral são destacados e a lapela e as gravatas são fálicas geometricamente falando (rsrsrsrs, patético, eu sei, mas são os signos que construimos). O que quero dizer com isso? Que o corpo do homem nunca precisou ser evidente, pois ele já o é por ‘natureza’ (uma natureza social machista, androcêntrica e heteronormativa). Isso tudo, atrelado ao discurso do pudor, tão defendido nas esferas profissionais religiosas, contribuiu para a construção de um corpo masculino velado, discreto, que, em sua simplicidade vestimentária (quando comparado às vestimentas femininas), nada apagam o poderio masculino, ao contrário, ironicamente, o reproduzem.

  • Diego Cardoso

    João Baldi Jr., para começar, parabéns pelo texto. Acho que vc conseguiu contextualizar boa parte do que se passa na minha mente a respeito das questões machistas da sociedade.

    Por conta de um trabalho que desenvolvo, frequentemente estou em um ambiente onde mais de 90% dos frequentadores, são gays. Acho interessante como pessoas de fora desse ambiente observam com olhares estranhos quem está naquele meio, já pré julgando sua sexualidade apenas por estar em companhia de gays. Já fui questionado “Como vc consegue ficar no meio deles? Vai acabar gostando tanto que vai virar viado!” Sério, não sabia que homossexualidade era doença e tampouco transmissível! Minha resposta é “Vejo tudo com naturalidade. Não enxergo homem, mulher e gay. Se o cara é gay, ok. Isso não faz dele um cara menos maneiro ou menos homem do que eu ou qualquer outro homem, apenas porque ele come/dá pra outro homem e eu como mulher. Trata-se apenas de desejo e satisfação sexual e acho isso muito natural!”. E é realmente assim que eu vejo as coisas.

    Eu nunca fui um cara que discriminasse alguém, por qualquer motivo que fosse. Acho que isso facilitou bastante para que minha mente se tornasse bem aberta para qualquer ambiente ou situação. Não fico constrangido por ver um casal de amigos gays se beijando, andando de mãos dadas ou se abraçando. Do mesmo modo, nunca tive problemas em abraçar amigos homens – gays ou héteros – pois nunca consegui ser um escravo da mentalidade machista coletiva. Os que são, eu respeito. Tenho amigos que não gostam de contato físico algum com outro homem; no máximo, um rápido aperto de mão e olhe lá.

    Mas, mesmo com uma mente tão aberta, ainda identifiquei situações descritas no seu texto que acontecem comigo ainda. Exemplo é a questão do mictório. Realmente quando eu entro em um banheiro, eu vou direto para aquele vago, mais distante de outro em uso por outro cara. Recentemente passei por um episódio onde me aborreci com um amigo que mandou uma foto dele nú pelo What’s App em um grupo onde todos os demais são gays (ligado ao mesmo ambiente citado acima) e a foto ficou salva na galeria do meu celular. Quando fui mexer na galeria, me deparei com aquilo e realmente me incomodou.

    Acho que muitos anos ainda passarão, sem que a mentalidade masculina evolua totalmente ao ponto de questões como essas se tornem menos incomodativas. Observo pelas novas gerações que a tendência de evolução está cada vez mais presente na mentalidade masculina. Vejamos o futuro…

    Não conhecia o blog. Agora, passo a acompanhar. Parabéns aos idealizadores!

  • Angelo Mendonça Rabaioli

    Uma vez fui fazer um protesto na minha antiga faculdade sobre esse mesmo tema, levando em consideração que há muitos protestos com mulheres nuas e tal. Queria levar a ideia de que homem também pode tirar a roupa e ser livre, lutar por um lugar com menos opressão. Por várias vezes vi mulheres na faculdade fazendo protestos ou amostras artísticas sem roupa, então decidi fazer o meu também, tirei quase a roupa inteira, fiquei apenas com o tênis e a cueca mas quase fui linchado, embora eu tenha tido algum apoio, na maioria das vezes de mulheres. Os homens em 90% das vezes não direcionavam os olhos pra baixo do meu pescoço, era notável. Alguns achavam que eu era louco e cheguei a ser ameaçado… Acho que isso só prova o quanto nós homens somos presos pelos nossos próprios padrões…

  • Jeancarlo Gonzaga Jayme

    eu acho que voce e um boyola,seu gay,FAZER CAMPANHA POR MAIS BUNDAS DE CARAS?????assume logo q vc e bicha.

  • Daniel Rodrigues

    Eu particularmente não tenho lá muito interesse em ver pelado quem não me interessa ver pelado. Concordo com a questão da naturalidade das relações homo, combate do machismo e da exploração sexual da mulher na sociedade e tal. Mas eu não acho que eu me adaptaria bem a uma sociedade naturista que é quase o que o autor propõe! Quando vou atender alguém no meu setor de trabalho – uma biblioteca – eu realmente prefiro que ela esteja vestida, por mais que eu veja a nudez com naturalidade. Mas de fato muita gente precisa ser chocada para que haja uma mudança de mentalidade, embora eu tenha achado que o autor exagera um pouco ao se falar do distanciamento entre homens. Eu não tenho interesse em ficar de pegação com héteros, seja esse contato sexual ou não.

    • Amanda

      Você não entendeu o texto, que não tem nada a ver com gente andando pelada na rua, mas sim com a forma que a nudez masculina é tratada NA MIDIA

      • Daniel Rodrigues

        Entendi sim. E qual parte do “Concordo com a questão da naturalidade das relações homo, combate do machismo e da exploração sexual da mulher na sociedade e tal” você não entendeu? E também não se trata de como a nudez é tratada na mídia, mas como os homens trabalham a questão da nudez e das relações entre si em seu cotidiano, inclusive na mídia.

        Além do fato de eu não ter interesse em ver gente nua, inclusive homens, além daqueles que me interessam achei o autor bem ingênuo ao achar que a simples nudez faria os homens serem “menos machistas, menos homofóbicos, menos intolerantes, menos autocentrados”. Isso aí, só com debate e esclarecimentos formais mesmo, e olhe lá. Exposição midiática é só um acréscimo e vem a reboque do desenvolvimento da sociedade. A mídia não revoluciona nada e nem tem essa pretensão. Duvido muito que ao se começar a pipocar bundas peludas e pirocas na mídia os homens irão ter uma relação diferenciada entre si, seja no dia a dia, no vestuário ou no mictório. Afinal, fora da mídia há homens pelados o suficiente. Se fosse faze diferença, já teria feito. A questão é mais profunda que isso.

  • anna carolyne Barbosa

    Interessante ler sobre esse tema, ainda mais se tornou interessante pelo fato de que estou integrada em uma pesquisa universitária que abordará (digo abordará pois ela ainda está sendo construída, na fase inicial de leituras…) sobre as questões de sexualidade. E dada a leitura que já realizei é muito intenso a questão histórica que essa força de censura sobre sexualidade se constrói, de todo o papel que a mulher foi tida (e ainda é em determinadas culturas) a margem e sombra do grande homem, da mulher que é mantida como objeto (o que é bastante explícito nos meios de comunicação, as propagandas principalmente que expõe a mulher como ícone sensual e sexual…), e tendo a representação social que o homem se faz como sujeito do poder sobre a mulher, sobre os controles sociais, políticos, econômicos, enfim… E lendo os comentários lembrei de uma passagem de um livro de César Aparecido Nunes em que traz sobre a relação de machismo e homossexualidade, transcrevo aqui: “…E afirmar que o machismo é uma forma sublimada de homossexualidade, pois o machista procura a si mesmo, tem como objeto erótico a figura de seu próprio sexo e de seus semelhantes”.

  • Leyla

    Já perceberam que todo conteúdo de nudez masculino e chamado de ” Conteúdo Gay” ? É porque ainda pensam que a mulher é assexuada. ¬¬

  • Clara

    Não compre um cachorro, ADOTE!

  • Christina

    Os homens argentinos dão um beijinho nos rostos uns dos outros, sem constrangimento, assim como as mulheres o fazem. É uma questão cultural.

  • Guilherme

    Rapaz, muito bacana sua visão.

  • Alan

    A intenção do texto foi ótima, e eu concordo com a intenção. Mas todos os argumentos que você usou foram muito fracos e ridículos. São textos como esse que provam que precisamos de mais aulas de redação nas faculdades de jornalismo, porque realmente fazem falta quando vocês decidem publicar textos por aí.

  • nome

    Não quero ver seu pinto fedido e enrugado no mictório, cara. Supere.

  • Don Vitto Corleone.

    Hoje em dia tudo é machismo, tudo é homofobia. Nós vivemos num contexto histórico onde o homem predominava no mercado, nas decisões de família, nos exércitos, na política, inclusive na caça ao alimento nos tempos mais primórdios. Dentro deste contexto a mulher era tida como o sexo frágil, algo a ser protegido pelo homem e com a função primordial de proteger a prole e cuidar do lar. Recentemente evoluímos nesse sentido, lutou-se pela liberdade da mulher, pelos seus direitos civis, trabalhistas e PELO RESPEITO a mulher como ser em igualdade ao homem. (É uma construção, é um processo evolutivo). O fato é que a sociologia aponta que para que ocorra a incorporação cultural de uma nove ideologia, ideia ou costume é necessário no mínimo 35 anos de aprendizado, debates e de experiências abertas em meio a sociedade; sempre haverá a corrente dos conservadores, e em certos pontos para o bem da democracia é até indispensável. A “nova” grande revolução social é a de aceitação e compreensão da homossexualidade, (de que devem ter os mesmos direitos civis dos heterossexuais, ao meu ver é pacífico); Mas não se pode obrigar que de uma hora para outra se mude certos costumes, (não devemos ofender ou destratar os gays), eles não devem ser tratados de forma diferente em nenhuma hipótese SÃO SERES HUMANOS E CIDADÃOS, (não são doentes, alguns nascem outros optaram), MAS você falar que normal, não é verdade É COMUM e deve ser aceito, mas a natureza é simples macho ou fêmea, acho esse assunto supervalorizado, e eu entendo os mais antigos como meu sogro que é sim homofóbico porque tem nojo de dois machos se pegando, MAS JAMAIS iria destratar qualquer pessoa, mas é direito dele ter repulsa… Eu como sempre fui em festas alternativas não me importo mais de ver, mas não gostaria de ligar a TV e ver SEXUALIDADE sendo vomitada na minha cara, (existem sites e canais para isso). o sexo é trato como um negócio, ou como um objeto… Prefiro sim ver a nudez feminina, é comum e acho que a masculina também em certo ponto, MAS NÃO muito obrigado não quero mais penes e bundas de caras sarados na TV, como forma de combate ao machismo ou a homofobia, (homofobia está fadada a acabar com a morte dos que hoje se dizem homofóbicos, as novas gerações já tratam o assunto GAY sem estranheza, mas repito GAY é exceção a regra da normalidade da natureza, mas quem disse que toda a regra deve ser seguida? quem somos nós para dizer o que é normal ou não, quem sou eu… O que devemos ver verdadeiramente nas pessoas é o coração.

  • Itamar Matos

    excelente reflexão, principalmente por vir de um homem heterossexual. Os inseguros de sua própria sexualidade dirão: é gay enrustido. Eu digo, é um hétero que realmente conhece sua sexualidade está seguro acerca dela. Concordo plenamente com ele, e acrescento a cultura judaico/cristã/ocidental nos fez assim, homens que não são capazes de olhar o próprio corpo frente a um espelho e se sentir confortável com a imagem reproduzida. Graças a Deus, estou livre disto!

  • Thiago Florindo

    Sim o Machismo fode a gente também, recentemente estou sofrendo de um problema que descobri chamado( falta de inteligencia emocional). Sim a inteligência emocional além de ser muito importante, para o homem é tudo: Vc sabia que a inteligência emocional é a força mor de atração sexual masculina sobre as mulheres? sim homens com inteligência emocional apurados são sexualmente muito atraentes aos olhos femininos e em casos mais extremos existem homens com o mesmo nível de poder de atração sexual comparado a de uma modelo.

    Infelizmente assim como as mulheres são castradas de exercer a sua sexualidade, o machismo castra os sentimentos dos homens, e assim somos impedidos de desenvolver inteligência emocional por sermos proibidos de demostrar isso. Já parou para pensar por que existe tanto macho na friendzone?

    Porque esses machos possuem um nível de inteligência emocional abaixo ou quase nulo comparado a média das mulheres. MULHERES QUEREM HOMENS COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ACIMA DO DELAS. E graças a essa deslealdade, as mulheres são estimuladas desde cedo a desenvolver inteligência emocional, e exemplos que não faltam: Princesas disney, são estimuladas a serem vaidosas, festa de 15 anos e etc. Por isso não é fácil conquistar uma mulher!

    E digo mais: a castração emocional masculina é quase toda a fonte de violência passional. Já parou para pensar por que existem tantos estupros, agressão contra mulheres, assassinatos por motivos passionais, e outros crimes bárbaros cometido por homens contra mulheres?

    Fora também que o analfabetismo emocional também contribui para a depressão, para a insegurança e para o suicídio. Por isso os homens são os mais afetados por esses problemas e possuímos uma qualidade de vida inferior ao das mulheres. Sim o machismo apenas transparece como algo benéfico a homens, porém ele fode com as mulheres e fode ainda mais com a gente!!!

    Eu para consertar esse problema comecei a fazer curso de teatro, pois ele ajuda a desenvolver os sentimentos e a te soltar. Fora também que a Inteligência emocional é a chave decisiva também no mundo profissional: pessoa com inteligência emocional desenvolvida, possuem mais chances de serem bem sucedidas e possuem mais facilidade para fazer DINHEIRO$$$$$$. Pesquise sobre isso e vc verá o quando o machismo rouba da gente sem a gente perceber!

    • Denny Marcel

      Bacana que você encontrou esse conceito, rapaz! Olha, já estou pesquisando sobre sexismo, relacionamentos e educação há bastante tempo e estou muito convencido de que a falta de inteligência (ou maturidade) emocional é o grande problema do mundo atual, não só no que concerne aos relacionamentos íntimos, mas a todas as formas de interagir com outras pessoas. Há algumas linhas no seu raciocínio que acredito que com o tempo você vai aprimorar (por exemplo, não acho que mulheres quem homens com maturidade emocional MAIOR que a delas, no fundo as pessoas querem pessoas que sejam tão maturas quanto; mas óbvio que, pra fazer uma exigência dessas de alguém, temos que estar no mesmo patamar antes), mas acredito que está no caminho certo. Desde que eu comecei a investir em mim mesmo nesse sentido, foi visível como alguns raciocínios foram se formando naturalmente, raciocínios esses que me levaram a ver algumas coisas de forma mais leve porém muito mais intensa. Percebi que a liberdade é algo que ocorre naturalmente ao indivíduo com maturidade emocional, e é impossível não apreciá-la, em si mesmo e nos outros. Meu desempenho tanto no campo emocional quanto na vida melhorou absurdamente. Hoje finalmente sei o que quero e como chegar lá. :)

    • Amanda

      To rindo muito com esse DINHEIRO$$$$$$$$$$$$$, mas a dica do teatro é boa, como quase ex-timida, te digo que as pessoas mais carismáticas e cativantes que conheço são as que fazem teatro (Fora as que são assim naturalmente)

  • Junior

    Discordo da vitimização lambante das mulheres no começo do texto, mas concordo que esse desconforto seja real e pasme: isso não afeta em nada minha vida, nem negativamente nem positivamente.

  • Sarah

    Pois é, e no Dia do Sexo o anúncio da Olla, ao lado deste texto tão bacana, traz a foto de uma peituda. Não podia ser a foto de um cara que vai usar a camisinha? Machismo pra todo lado sempre….

  • Arthur Duarte

    Eu gosto mais de bundas de garotas e meu histórico do Chrome poderia claramente ilustrar isso, se eu não tivesse passado a usar a aba anônima por questões de bom senso. – João Baldi Jr. hahaha muito boa !

  • Kleber

    Muito bom mesmo, sem palavras, absolutamente genial, parabéns!!

  • Antonio Carlos

    Não desmente o artigo de forma nenhuma, que é muito bom, mas Trainspotting também tem cenas mostrando pênis e não se encaixa nos gêneros.

  • Júnior Edvaldo

    Gostei muito da reflexão!!!
    P.S. João, não compre um cachorro. Adote um de alguma ONG de proteção. :-)

  • Laissa

    Como todos os textos que li aqui: Tapa na cara de velhos padrões!

    É impossível calar a nova consciência.

  • Thais

    Muito bom o texto, mas é interessante ler sobre isso sendo obrigada a ver os peitos da Anita saltando do sutiã ao lado (y)

  • Ricardo González Herrera

    A bunda femenina é atraente por natureza, como animais iniciamos a fazer o sexo por tras e a natureza doto os homens dessa fixação para garantir a reprodução. A midia e a publicidade sabe disso e explora este instinto mostrando imagenes femeninas para vender cervejas, chocolates, coches e ate a iniciação espiritual. A bunda masculina não tem uma comnotação tão forte em nosso instinto e portanto em nossa sociedeade e é dificil para a publicidade explora-a con fins lucrativos, isso faz que sua ausencia seja considerada como pervertida quando realmente não é , simplesmente não gera dinheiro. agora com o crecimento do publico gay as coisas nesse sentido estão mudando e em uns poucos anos a bunda masculina alcanzara um status quasi como a femenina.

  • Ricardo González Herrera

    A bunda femenina é atraente por natureza, como animais iniciamos a fazer
    o sexo por tras e a natureza dotou os homens dessa fixação para garantir
    a reprodução. A midia e a publicidade sabe disso e explora este
    instinto mostrando imagenes femeninas para vender cervejas, chocolates,
    carros e ate a iniciação espiritual. A bunda masculina não tem uma
    comnotação tão forte em nosso instinto e portanto em nossa sociedade e
    é dificil para a publicidade explora-a con fins lucrativos, isso faz
    que em sua ausencia seja considerada como pervertida quando realmente não é
    , simplesmente não gera dinheiro. agora com o crecimento do publico gay
    as coisas nesse sentido estão mudando e em uns poucos anos a bunda
    masculina alcanzara um status quasi como a femenina e só question de tempo olhemos 30 a 50 anos atras a censura moral e agora é toda uma revolução.

    • Luccas Silveira

      Hum, venho descordar, colega. A questão do instinto e do desejo, seguindo esta linha e de alguns pensadores dela, nos revela que a bunda masculina tem sim um apelo para as mulheres. Falando em procriação e instinto, o homem deseja as mulheres para manter a espécie e vice-versa, ok, mas eles também escolhem bem os parceiros para garantir a sobrevivência: homens desejam mulheres que sejam férteis e que terão crias férteis e que tenham capacidades de cuidar de filhos, quadril largo para evitar problemas no parto, etc. e para as femeas, a ideia é a do macho com boa musculatura pra se defender, pra defendê-la enquanto ela cuida da cria, ou mesmo que possa fugir numa situação de ameaça maior, já que as reações instintivas são confronto ou fuga. E é aí que entra a avaliação feminina da bunda e da perna masculina, prever se a cria vai herdar essa musculatura legal para aumentar a chance de sobrevida.

      Lógico, isso é apenas uma visão evolucionista da questão do desejo.

  • Aline Dávila Semencio

    Até mesmo em “Game of Thrones”, histórico e fantasioso… a nudez explícita é sempre feminina…

    • http://Facebook.com/dyanngellysbaptista Dyanngellys

      O irmão da Lilly Allen aparece em algumas cenas peladao e com nudez frontal!

  • Iris

    ADOTE UM CACHORRO, não compre, João.

  • Gregório Manoel

    Notou que as imagens de homens nus que aparecem no post são todos de homens sem pelo? Isso de certa forma não é uma feminização do masculino, feito justamente para amenizar essa exposição da nudez? Afinal, já que estamos acostumados à nudez feminina explorada nas mídias, se é para mostrar o nu masculino, que seja de uma forma mais feminizada, isto é, sem pelos.

    • http://Facebook.com/dyanngellysbaptista Dyanngellys

      Não concordo! Acho que essa questão de pelos ou sem pelos é uma variante estética em torno de melhor exibição dos músculos!

      • Gregório Manoel

        E por acaso a única razão para mostrar nudez masculina é “exposição de músculos”?

      • http://Facebook.com/dyanngellysbaptista Dyanngellys

        Coloque dois homens… um musculoso (lisinho) e um gordo (peludo).
        Qual o que vende mais na TV?

      • http://Facebook.com/dyanngellysbaptista Dyanngellys

        Na tv, em midias, em comerciais, pra se vender… acho q “sem pelos” vende mais do que “com pelos”.

  • lourival prudencio

    Parabéns,belíssimo texto.Precisamos de pessoas como você no Facebook.

  • Anna

    Por favor, pára tudo! Tanto o texto quanto os comenta´rios que o seguem são maravilhosos! E eu que já tinha desistido do homem brasileiro vejo aqui, uma luz no fim do túnel!!!! UAUUUU! AMEI!

  • Felipe

    Ao invés de comprar, adote um cachorro ;)

  • Carla

    concordo. Mas…adotar em vez d comprar não passa na sua cabeça? rs

  • Cleber Aurélio

    KkK… Achei esse texto engraçado… Uma sociedade com mais homens nus para que sejamos menos “machistas”, “homofóbicos”, “autocentrados” (isso seria uma variação para o termo “falocêntrico”???)… Você acredita que nossa sociedade “machista” explora o corpo da mulher como objeto, então a resposta seria explorar o corpo do homem também…

    Não me espanta que você use tantos chavões feministas, sabe… Deu pra ver que você realmente crê que todo homem que não se encaixe no padrão “moderno” é realmente o ogro que o feminismo proclama (inflexível, homofóbico, intolerante), quando, na realidade, o comportamento masculino é muito mais complexo e menos maniqueísta e unilateral… Entretanto, sei que você cumpre bem o papel ao qual veio este blog: difundir o ideal do “novo homem pós-moderno, livre do machismo” (seja lá o que a palavra “machismo” signifique).

    O que eu penso, entretanto, é que esse modelo do “novo homem” não é melhor que todos os padrões masculinos do passado, que existiram nessa sociedade que vocês dizem “machista”, simplesmente porque, assim como eles, esse “novo homem” é mais uma imposição social. Mais um modelo de comportamento que determina como um homem deve ser… Só que agora ele é reacionário, pois busca contrapor todos os anteriores por considerá-los “opressores” e “patriarcais” (e essa não é uma ideia minha, tem vários teóricos que dizem isso). Além do fato de que (isso é uma opinião minha), esse novo homem adapta-se muito bem às exigências da sociedade capitalista-burguesa. Perdão, isso também não é uma opinião só minha – já li isso em um artigo acadêmico…

  • despudorado

    eu gosto de ver homens nús ! de tocar também . heheh!

  • Bruce Eyster

    I agree and have been saying this for years .
    However , if you listen carefully women, usually say they feel exploited when they are shown or represented as “sexy” , whereas most men usually feel validated and flattered !?

  • Bruce Eyster

    Eu concordo e tenho dito isso há anos.

    No entanto, se você ouvir atentamente as mulheres, geralmente dizem que se sentem explorados quando são mostrados ou representados como “sexy”, enquanto que a maioria dos homens costumam se sentir validada e lisonjeado?

  • Rose

    Eis que este é o primeiro comentário fora do meu círculo de conforto. Sou mulher, hétero, feminista (ou me esforço ciente da minha formação machista) e estudo/trabalho com arte. Nas obras da história da arte o corpo é exposto ou coberto não só pelo divertimento, mas também pelo simbolismo vinculado a gerar, nutrir, pecar. O sexo feminino (vulva, vagina) estão mais escondidos, digamos, e a exposição do corpo costuma ser periférica (seios, nádegas). Quem estiver interessado em ver obras em que o sexo feminino é lindamente exposto procure a obra ” A origem do mundo” ou pesquise Rodin. O órgão sexual masculino é totalmente exposto. Pergunta clássica dos alunos sobre os nús masculinos clássicos (kkkkk), gregos, renascentistas: Por que o “pinto” das obras é tão pequeno? E só fazem essa pergunta por que dou espaço. Já tive alunos que sairam de sala em crises de riso, confusão, etc… Tratando do texto e tentando não colidir, também aprecio a imagem de um bumbum masculino, peitos, pernas, pênis para diversão (não exploração). E, sinceramente, os jogadores que dão tapinhas no bumbum não são nada comparados ao esfrega/esfrega dos marcadores em futebol ou basquete, um caí em cima do outro, rolam em pleno campo, seguram ombros, põe a mão no peito. Observe que neste contexto de esporte masculino o contato físico é permitido e suas expressões mais agressivas coibidas pelas “faltas”. Por isso: por que suspender o ‘brasileirão”. Apesar de ter outros pontos (nem sempre convergentes) fico por aqui

    • Amanda

      Engraçado quando alguém pede pra ver meu caderno de desenhos e fica com cara de tacho com os nús que tem (Os masculinos são mais chocantes que os femininos, aliás, principalmente os que eu detalho o penis)

  • Lo Jane

    Ótimos seus textos. Parabéns. Posso só deixar uma sugestão? Em vez de comprar um cachorro, adote ;)
    Sucesso!

  • BRASILEIRO .

    falta de ter o que discutir, com tantos temas BOMBÁSTICOS E URGENTES…. esse assunto está muito em pauta…. HAJA SEXUALIDADE REPRIMIDA…

  • Eliandra Chagas

    Realmente, a sociedade, infelizmente, ainda é machista e homofóbica. Essa situação desconfortável que ocorre no mictório é um reflexo da estranheza que a homossexualidade ainda causa. Eu, por exemplo, sou hétero, mas totalmente apoiadora dos direitos dos gays, entretanto, me sinto desconfortável também quando estou perto de alguma garota trocando de roupa ou quando vejo cenas de nudez – masculina ou feminina – na TV. Isso, atualmente, não me faz ter longos pensamentos sobre minha sexualidade mais – agora já tenho certeza de que gosto de homens -, mas mostra o resultado de uma criação nessa sociedade, não necessariamente culpa dos meus pais. E só pra falar especificamente sobre a nudez feminina, é notório que não se vê com tanto horror quanto a masculina. Aliás, os meninos, quando entram na puberdade, são estimulados a se masturbarem e a não verem como grotesca a relação entre duas mulheres – eles são ensinados a ficarem “excitados” só em pensar nisso.

  • Guest

    Tenho 48 anos e quando encontro os amigos gosto de abraçar e beijar como manifestação de carinho e respeito. Gostaria de compartilhar algumas percepções referentes ao ato em si: 1) Em locais públicos (frequentados por estranhos) alguns amigos (homos e heteros) ficam ligeiramente constrangidos com meu abraço/beijo. 2) Amigos (universitários com discurso anti-preconceito) dos meus filhos sendo surpreendidos com meu abraço/beijo. 3) Eu mesmo, evitando o abraço/beijo ao ser apresentado à um estranho para não ocorrer um possível constrangimento.

  • Jorge Pestana

    “Uma das principais características do homem contemporâneo é que ele se sente extremamente desconfortável diante do corpo do homem contemporâneo.”

    Achei o texto ótimo e a discussão muito rica, mas confesso um certo desconforto com as imagens que acompanham o texto. Não é o desconforto com a nudez do homem contemporâneo e sim com a nudez do homem ideal ou (p/ gerar polêmica) irreal. Barriga, pelos, músculos não delineados, senilidade, etc. Da mesma maneira que se impõe um padrão de beleza feminino aviltante para a maioria das mulheres, a nudez masculina na mídia (ainda que pouco aparente) também passa longe da realidade que se vê nos vestiários.

  • Eliza

    Não vejo a hora do preconceito coercivo se dissipar. Essa nova leva de pensamentos e atitudes mentais tornará o contato muito mais interessante. Espero que esse tipo de comportamento se espalhe.

    *E por favor, usem mini shorts e mostrem a barriga! :9

  • Juliana Arthuso

    Muito boa matéria. Arrasou.

  • http://Facebook.com/dyanngellysbaptista Dyanngellys

    Vi a galera falando sobre a feminilizacao do corpo masculina, devido a ausência de pelos…
    Acho que todo marombeiro ou quem puxa ferro ver essa questão de “sem pelos” como uma forma de exibir, de forma melhor e clara, os ganhos com o treino.
    E acho q visualmente, sem pelos é mais “vendável” na TV do que “pelos”
    Ótimo texto!

  • Gerlaine

    Não li todos comentários, só queria parabenizar o João Baldi Jr. excelente texto, vc é um homem raro.

  • Gabriela Cardoso Guarani Kaiow

    Ótimo texto!
    Mas não compre um cachorro, João! Adote!
    ;-)
    Abraço e boa luta!

  • Paula Agostinho Bella

    Prezado João,

    Achei seu texto ótimo. É muito difícil que um homem exponha abertamente essa questão, como você fez, mas é muito positivo que você o tenha feito. Parabéns pela visão e pelo texto.

    Mas além do elogio, estou te escrevendo também por um outro motivo. No final do texto, há uma pequena descrição sua. A última parte é “planeja comprar um cachorro em breve”. João, por favor, pense sobre isso. Por favor, não compre um cão. Adote.

    Existem milhares (milhares, MESMO) de cães para adoção. De todos os tipos. A grande maioria é SRD (sem raça definida, vulgo Vira-Lata), e de porte médio. Mas existem cães de porte grande, porte pequeno, e porte mini. Existem cães mestiços e de “raça”. Todos para adoção.

    Eu sou uma protetora de animais independente (o que significa que eu não sou de nenhuma ONG. Faço o mesmo trabalho, só que em outra proporção, sozinha, com meus próprios recursos). Moro em São Paulo, e ainda estou no início deste trabalho (totalmente voluntário, como um hobby, por puro amor – pois não se ganha dinheiro nenhum com isso, pelo contrário, se gasta muito dinheiro). Já resgatei 4 cães das ruas. Carentes de atenção e carinho, com fome, com sede, com muitas pulgas, sujos e cansados. Um deles havia sido atropelado, e além de ferido, estava anêmico. Se ficasse mais algumas semanas sem ajuda, morreria. Ele está para adoção agora; se quiser, veja meu álbum no facebook (Pesquise por Paula Agostinho Bella), é aberto. O nome dele é Dourado.

    Pelas suas palavras, vi que você é uma pessoa de mente aberta, e de bem. Se você pensou em comprar um cão, deve ser porque não tinha conhecimento, tanto da realidade dos cães resgatados e das dificuldades que eles e seus protetores enfrentam, quanto do comércio de animais. Há alguns canis que tratam bem seus animais, porém há outros que mantem animais procriando tão frequentemente e em tão más condições, que as fêmeas (chamadas “matrizes”) ficam doentes, fracas, tendo passado uma vida inteira em canis de procriação. Mas independentemente das condições do canil, acredito que não seja necessário comprar um cachorro hoje em dia, já que existe uma superpopulação de cães abandonados que necessitam de bons lares e bons tutores. E você com certeza será um bom tutor. Por favor, pesquise sobre a proteção animal. Pesquise sobre protetores em sua cidade (no Rio de Janeiro também há muitos). Vá até o CCZ de sua cidade, se houver. Por favor, considere adotar um cão. Um cachorro adotado costuma ser muito grato, a vida toda.

    Obrigada pela atenção.

    Paula Bella

  • camila

    João Baldi, texto magnífico. Também enxergo um mundo mais humano, com mais abraços do que porradas… Sempre me questionei: por que é mais másculo socar alguém do que apertar a mão? Do que dar um abraço?
    Digo, imagino que um dia cheguemos à evolução humana com homens se abraçando e conversando e resolvendo questões de forma mais civilizada do que partindo para a porrada.

  • Marília

    “…acho que o pessoal da pelada iria me olhar muito esquisito.”
    Tá vendo só? PeladA ao invés de peladO.
    Falando nisso, porque a partida de futebol sem compromisso chama-se “pelada”?

  • Fernando

    Eu observo mesmo isso. Enxergo isso até em situações mais triviais e cotidianas, pois as mulheres, mesmo sem estarem nuas, normalmente estarão menos vestidas que os homens. Seus shorts são menores, suas camisas têm mangas mais curtas e colarinho mais baixo, seus calçados costumam ser abertos. Nós, homens, quando estamos elegantes, é porque não estamos com nada de fora além das mãos e do rosto. Entrar de bermuda no trabalho ou no teatro municipal, nem pensar. Aí, me questiono: o que há de tão obceno nas pernas masculinas que as impede de serem mostradas?

  • Marcelo Pombo

    Muito boa a sua análise, Joao! Simples, centrado, contextualizado.

    Se a apreciação do masculino pelo masculino não fosse tão rejeitada e evitada em nossa sociedade, talvez fossem realmente menos homofóbicos e mais tolerantes!!!

  • Michele

    Boa postagem, João.

    Parabéns!

  • Dayse Villares

    Nesses 50 anos estou curtindo o lado simplista da vida… … já gostei mt de ler e debater usando frases e ideias de autores famosos. Parei! Sou mais superficial e estou gostando, talvez essas leituras tenham me propiciado essa leveza. É gratificante ler esse texto e os coments, mesmo não concordando com um ou com outros. O democrático nos garante isso. E tb triste em observar como a patrulha do sexualmente aceitável, tanto para homens, mulheres, gays ou transsexuais, afeta o intrínseco do ser humano. Seria tão mais simples aceitar o outro como ele é, sem cobranças. E quando o assunto sexo é levantado (sem trocadilhos… rs…) há uma insurgência avassaladora. Estamos muito ligados aos nossos rótulos e aos rótulos q recebemos. Nossas roupas dizem isso. E nos deixar a mostra é complicado demais para a minha mente simplista. Ahh.. e lendo todos os posts e o texto do João, fiquei com uma pergunta q não quer calar. Se homens se sentem tão desconfortáveis vendo outro homem nu, pq videos, sites, revistas e afins q mostram sexo explicito vendem mais do q nunca? Fecham o olho na hora do homem aparecer? Ou só pq está no ‘contexto’ é um mal necessário a ser suportado? Não quero ofender ninguem é só uma duvida, mesmo.

  • Clarissa

    Você defende um assunto se defendendo dele o tempo todo… Você é o próprio exemplo vivo de consequência, de tudo o que você abordou!

  • Bruno

    Muito boa pincelada num tópico pouco discutido, mas que precisa ser visto por mais gente.

  • Nanda | Vontade de Viajar

    Vi no blog da Laura em Paris que entrou em cartaz no Museu d’Orsay uma exposição sobre o homem nu na arte de 1800 aos dias de hoje: http://bit.ly/19eHTI9

  • Thais S Lopes

    Muito boa a reflexão!

  • Marcos Laffin

    Nudez Masculina. o texto propõe uma reflexão sobre a condição do masculino diante da modernidade. Ainda é preciso dizer e fazer muito sobre a nudez para acabar com sofrimentos. Recentemente foi publicado meu livro em prosa poética sobre a sexualidade masculina. “Muralhas de Lã”. É um tema que, mesmo na literatura, o que se espera é sobre o feminino e quando o masculino entra em cena ….há um desconforto. um abraço. Marcos Laffin
    marcoslaffin@gmail.com

  • F. M

    Questões interessantes abordadas nesse texto, entretanto, homens e mulheres estão presos nos estereótipos criados pela sociedade. Homens e mulheres sofrem com isso e homens e mulheres são igualmente atraídos pelos mesmos padrões. Não há como negar. Mas isso se torna menos interessante à medida que amadurecemos, e, amadurecemos quando nos livramos desses estereótipos…

  • ana_souza

    Parabéns pelo post! Venho pensando nessa questão há um tempo. É bom ver que não sou a unica que pensa assim! Li poucos comentários mas também fiquei feliz com os comentários que li, achei que leria comentários machistas, mas pelo contrário, vejo que muitas pessoas pensam como o autor!

    Se repararmos, não é só a tv e o cinema que restringe a nudez a corpos femininos… repare nos quadros das suites de motel e só verá pinturas de mulheres nuas. É incrível como nós mulheres aceitamos isso numa boa, mas certamente se fosse um corpo masculino muitissimos homem ficariam ofendidos, e sabem o que é pior? Algumas mulheres achariam desnecessário. Fomos acostumadas a apreciar o corpo feminino, a achar que duas mulheres se beijando é bonito e que um menage com outra garota pode ser legal. Já ouvi amigas heteros dizerem que acham o corpo feminino mais bonito que o masculino, que assistem videos sensuais de mulheres, que aceitariam um menage com outra mulher numa boa. Mas acham que dois homens se beijando é nojento, menage com dois homens é algo impensável, que se sente envergonhada diante de fotos ou de um video de homens nús, ou quando procuram essas coisas sentem que estão fazendo algo errado (posso até me incluir nesta ultima).

    Acho que nada disso é coincidencia, não apreciamos mais o corpo feminino do que o masculino por acaso, mas porque fomos educadas e acostumadas assim. O corpo feminino foi banalizado enquanto que o masculino tornou-se o fruto proibido. Isso vem me incomodando profundamente nos ultimos tempos….

  • Pingback: [18+] Nudez masculina, demissão e pedidos de casamento | O melhor de setembro | PapodeHomem

  • Alice

    Muito simples, os homens ficam excitados ao ver outro corpo masculino, e por isso tem pavor de cenas como essas.

  • Pingback: Comunicação que funciona | [18+] Nudez masculina: o mal-estar

  • Renan Filgueiras Lemos

    Parabéns pelo texto. Principalmente, pela análise com fundamento, o que já reduz bastante os comentários estereotipados. Eu tenho um ponto, reflexão de alguns anos, a acrescentar. Acredito que uma boa parte do “constrangimento” masculino com a nudez do homem, principalmente em eventos presenciais, se deve a uma insegurança, à possibilidade de ver no outro algo que o observador julga ser melhor do o que tem. E, inevitavelmente, isso acaba no tamanho do órgão sexual. Enfim, é uma teoria e precisaria de bastante reflexão. Mas, o famoso vídeo dos 2 centímetros de p.. retrata bem isso: quase nenhum homem está 100% seguro com o que tem.
    Abraços

  • Joao

    Rapaz, isso é frescura, se tu homem e tem outro homem nu aqui e ali em qualquer filme …que diferença faz ? o cara tá lá pra tu ficar desejando não, é apenas um outro homem nú, vamos deixar de frescuriha. Se tu fica todo nervosinho quando vê é porque tu tem problema véi

  • José Gilmar

    Lendo os comentários de feministas sempre noto um viés academico em suas falas. Ora é o patriarcado ora é o homem opressor ora é o machismo! Lí várias vezes, por interesse mesmo, o post do Alex “Feminismo para homens” e fui aprovado no teste em todas questões. Um dia desses lendo no blog da Lola vi uma afirmação curiosa de uma feminista, dizendo que uma feminista, obrigatoriamente é uma “mulher de esquerda”. Então, quer dizer, que uma mulher, digamos, conservadora, por exemplo, uma grande empresária que não seja “de esquerda” não pode ser feminista? Pelo visto, parece que tem muita demagogia também, dentro do feminismo hem? Fico com o que acho correto: respeitar e apoiar as mulheres e adeus ao machismo!

    • eduardokn

      Não que eu seja um feminista, agora eu não sei como alguém consegue escrever uma bobagem tão grande sobre o feminismo.

      • José Gilmar

        A é? então me ensine companheiro, por favor!

      • eduardokn

        José acho que você me entendeu direito, eu não disse que isso que você escreveu e bobagem, o que eu quis dizer e que isso que você leu, dizendo que a mulher pra ser feminista tem que ser de esquerda, isso que é uma completa bobagem na minha opinião, por que ser feminista e ser de esquerda são duas coisas que não estão ligadas uma a outra. Espero ter respondido sua pergunta.

        Uma abraço

  • Guest

    O fato de que não sabemos lidar com a nudez masculina, mas exploramos em profusão a nudez feminina, fala muito sobre nosso machismo.

    Fala sobre a forma como exploramos a mulher, sobre a nossa percepção de que o sexo delas pode ser usado para a diversão do homem – em programas que são considerados “normais” – e sobre como nós achamos que a transação não existe no sentido contrário. Fala também sobre como das vezes que consideramos a sua existência, pensamos que não se trata de um programa normal, mas de um programa “de mulher” ou “gay.

    Homem que não é machista é afrodisíaco!!!

  • Pingback: Os textos mais lidos no PapodeHomem em 2013 | PapodeHomem

  • Pingback: Corno manso | ID #22 | PapodeHomem

  • Pingback: O Poder das Histórias: a narrativa como mentira - Feed Sites

  • Pingback: Game of Thrones mostra como ainda somos puritanos | PapodeHomem

  • Pingback: “Beijo gay”, mamilo e cachaça: a televisão continua naqueles tempos de outrora | PapodeHomem

  • Leonardo Da Silva Sousa

    Excelente texto, são por textos como esse que me fazem voltar mais e mais aqui no site. Acho essa discussão muito interessante. Não sei quantos vezes me deu vontade de abraçar um amigo, mas me censuro sempre. Na minha acredito que não existe forma melhor para demonstrar afeto do que através de um abraço, mas mesmo assim nunca consigo abraçar um amigo de modo que não fique constrangedor. Isso é triste.

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5551 artigos
  • 662556 comentários
  • leitores online