Manual Apócrifo para Carregar Bateria de Carro

Adam Brandizzi

por
em às | Frentes, Mente e atitude


Pois bem, você esqueceu o farol do carro ligado por uma semana e a bateria descarregou, né? Muito esperto da sua parte – e da minha também, pois fiz a mesma coisa. Se você não tem uma tomada por perto, a melhor maneira de resolver isto é fazendo uma chupeta, i.e., carregando a bateria do seu carro com a bateria de outro.

Para isto, você vai precisar de dois cabos para carregamento, preferencialmente um preto e um vermelho. Não sei se o procedimento aqui é o ideal, mas foi o que fiz e funcionou.

bateria-morreu Sua carroça fundiu de novo…

Agora, ponha os carros lado a lado. Conecte o cabo vermelho no pólo positovo da bateria carregada, e, depois, conecte a outra extremidade do cabo no pólo positovo da bateria a ser carregada. O pólo positivo possui um sinalzinho de “+” perto dele, e o negativo tem um sinalzinho de “-”.

É importante começar com os pólos positivos por algum motivo obscuro que desconheço. Mas que é melhor considerar porque senão a bateria explode, expelindo ácido quente nos transeuntes, trazendo os horrores da guerra ao mundo ocidental, ou algo assim.

Depois, é só fazer o mesmo procedimento com o cabo preto e os pólos negativos. Conecte o cabo vermelho no pólo positivo da bateria carregada e a outra extremidade na bateria arriada.

Agora, uma pessoa deve entrar em cada carro. O carrro cuja bateria está carregada deve ser ligado, e periodicamente deve ser acelerado um pouquinho. Acho que tem de ligar a parte elétrica do carro cuja bateria descarregou – fiz isto e funcionou.

bateria-de-carro Mamão com açúcar

Quando o carro com a bateria arriada conseguir pegar, já se pode desligar o motor do carro cuja bateria estava carregada. Tire os cabos: primeiro o cabo preto, e depois o vermelho. Agora, é só deixar o carro recém-carregado ligado por uns dez ou vinte minutos. Aproveite para dar uma voltinha… ok, uma voltona… com o carro, para carregar de vez a bateria.

Bem, comigo funcionou quando tive de carregar a bateria do meu Corsa Sedã com a bateria de um Palio… Se tiver alguém que saiba melhor destas coisas, é melhor perguntar para este seu amigo; entretanto, se não, acho que este manual deve ajudar.

Adam Brandizzi


Outros artigos escritos por

Somos entusiastas do embate saudável

O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Somos um espaço plural, aberto a visões contraditórias. Conheça nossa visão e a essência do que fazemos. Você pode comentar abaixo ou ainda nos enviar um artigo para publicação.


EXPLODA SEU EMAIL

Enviamos um único email por dia, com nossos textos. Cuidado, ele é radioativo.


TEXTOS RELACIONADOS

Queremos uma discussão de alto nível, sem frescuras e bem humorada. Portanto, leia nossa Política de Comentários.


  • Samuel

    Ou, se você não tiver o cabo a disposição, retirar a bateria de outro carro, colocar no seu, ligar o carro, e com o carro ligado trocar as baterias!

    • Power220v

       Cara, ja mais se pode fazer isso.
      Quando vc faz isso o alternador entende que a carga da bateria esta a 0v podendo mandar mais energia e queimando o controlador de voltagem do alternador e os outros componentes eletricos do carro, fique ligado !
      Ja mais fassa isso, e quando for fazer chupeta deixe pelomenos uns 10 minutus o carro na chupeta antes de tirar o cabo da bateria auxiliar.

      Abrass

    • Filipenunogomes

      não fazer isso nos veiculos com centralina pode desligar-se o veiculo quando desligar o borne ou pode queimar a parte eláctronica! já agora ao fazer a “chupeta” o veiculo que fornece a carga deve estar ligado quando liga os cabos! ligar o positivo primeiro e ter cuidado para não tocar em nenhuma parte metálica da estrutura com a garra ou cabo desnudado! depois fazer o mesmo com o cabo negativo tendo sempre o mesmo cuidado e encostando de uma só vez para não dar problemas nos alternadores! logo que o segundo veiculo pegue desligar de imediato um dos cabos (ou de preferencia deixar um só veiculo a funcionar por uns 5 minutos ligado às 2 baterias e depois tentar o arranque e desligar o cabo negativo de uma só vez se o que tem a bateria baixa se aguentar a funcionar desligar segundo cabo e fazer uns 30 Km para carregar a bateria! só depois de desligados os cabos se para o carro da bateria boa!
      nota final: ao ligar os cabos pela primeira vez quando liga a ultima garra ter atenção à faisca que sempre é produzida se for muito forte desligue de imediato e visite o electricista para troca de bateria essa estará em curto!

    • Rafael Pinto

      desaconselhavel em carros de injeção eletronica

  • Samuel

    Ou, se você não tiver o cabo a disposição, retirar a bateria de outro carro, colocar no seu, ligar o carro, e com o carro ligado trocar as baterias!

  • Samuel

    Ou, se você não tiver o cabo a disposição, retirar a bateria de outro carro, colocar no seu, ligar o carro, e com o carro ligado trocar as baterias!

  • Samuel

    Ou, se você não tiver o cabo a disposição, retirar a bateria de outro carro, colocar no seu, ligar o carro, e com o carro ligado trocar as baterias!

  • Rodrigo Almeida

    Vale lembrar que em automóveis com injeção eletrônica o velho truque de empurrar o caro para fazer o dínamo funcionar e depois tentar dar a partida no tranco é um perigo!

    Você pode danificar sensores e sondas que a injeção utiliza para regular o mapa de injeção de ar e combustível nos cilindros provocando avarias irreversíveis.

  • Rodrigo Almeida

    Vale lembrar que em automóveis com injeção eletrônica o velho truque de empurrar o caro para fazer o dínamo funcionar e depois tentar dar a partida no tranco é um perigo!

    Você pode danificar sensores e sondas que a injeção utiliza para regular o mapa de injeção de ar e combustível nos cilindros provocando avarias irreversíveis.

  • Rodrigo Almeida

    Vale lembrar que em automóveis com injeção eletrônica o velho truque de empurrar o caro para fazer o dínamo funcionar e depois tentar dar a partida no tranco é um perigo!

    Você pode danificar sensores e sondas que a injeção utiliza para regular o mapa de injeção de ar e combustível nos cilindros provocando avarias irreversíveis.

  • Rodrigo Almeida

    Vale lembrar que em automóveis com injeção eletrônica o velho truque de empurrar o caro para fazer o dínamo funcionar e depois tentar dar a partida no tranco é um perigo!

    Você pode danificar sensores e sondas que a injeção utiliza para regular o mapa de injeção de ar e combustível nos cilindros provocando avarias irreversíveis.

  • Rafael Gonçalves

    Até onde eu sei, deveríamos ligar o polo NEGATIVO e depois o POSITIVO… Ou estou errado?

    • Renato Coradini

      Jamais. Primeiro POSITIVO (ao ligar) e depois negativo. Depois DESLIGAR PRIMEIRO o Negativo e depois o Positivo.

    • Henrique

      Positivo primeiro, pois os elétrons, diferente do que a maioria das pessoas pensam, circulam do polo negativo para o positivo, (elétron é carga elétrica negativa!, para positivas existe o pósitron…que é outra história…); ligando o POSITIVO primeiro, você só tem a circulação de elétrons na última ligação ( NEGATIVO), trazendo mais segurança à operação.

  • Rafael Gonçalves

    Até onde eu sei, deveríamos ligar o polo NEGATIVO e depois o POSITIVO… Ou estou errado?

  • Rafael Gonçalves

    Até onde eu sei, deveríamos ligar o polo NEGATIVO e depois o POSITIVO… Ou estou errado?

  • Rafael Gonçalves

    Até onde eu sei, deveríamos ligar o polo NEGATIVO e depois o POSITIVO… Ou estou errado?

  • http://indexe.org/biazus Marcio Biazus

    Rodrigo e Samuel Almeida, valeu pelos tôques pois isso eu não sabia.

    Isso me fez lembrar de uma piada contada aqui em Santa e Bela Catarina – se vc’s me permitirem-

    O gaucho chegou em Florianópolis com um simpático Corcel I ,cor laranja pelêgo da mesma cor sobre o páinel, quando foi atravessar a ponte o Corcelzinho pifou. Para sua sorte logo passou um mecânico e constatou que o cabo da bateria estava solta. asim que apertou tentou fazer o carro funcionar, mas nada, o mecânico olhou e disse: é só fazer uma CHUPETA que funciona. O Gaucho todo empolgado respondeu: só um achupeta…..ótimo, mas me diga uma coisa tchê se alem da chupeta eu lhe der a B…….. vc pode arrumar a lataria pra mim,

    p.s. eu não tenho nada contra os gauchos foi só uma piadinha, afinal minha mulher e minha mãe são gauchas e tenho muitos amigos gauchos

    • Roge234

      cuidado com o carro delas para nao inguiçar por ai vai que ……

  • http://indexe.org/biazus Marcio Biazus

    Rodrigo e Samuel Almeida, valeu pelos tôques pois isso eu não sabia.

    Isso me fez lembrar de uma piada contada aqui em Santa e Bela Catarina – se vc’s me permitirem-

    O gaucho chegou em Florianópolis com um simpático Corcel I ,cor laranja pelêgo da mesma cor sobre o páinel, quando foi atravessar a ponte o Corcelzinho pifou. Para sua sorte logo passou um mecânico e constatou que o cabo da bateria estava solta. asim que apertou tentou fazer o carro funcionar, mas nada, o mecânico olhou e disse: é só fazer uma CHUPETA que funciona. O Gaucho todo empolgado respondeu: só um achupeta…..ótimo, mas me diga uma coisa tchê se alem da chupeta eu lhe der a B…….. vc pode arrumar a lataria pra mim,

    p.s. eu não tenho nada contra os gauchos foi só uma piadinha, afinal minha mulher e minha mãe são gauchas e tenho muitos amigos gauchos

  • http://indexe.org/biazus Marcio Biazus

    Rodrigo e Samuel Almeida, valeu pelos tôques pois isso eu não sabia.

    Isso me fez lembrar de uma piada contada aqui em Santa e Bela Catarina – se vc’s me permitirem-

    O gaucho chegou em Florianópolis com um simpático Corcel I ,cor laranja pelêgo da mesma cor sobre o páinel, quando foi atravessar a ponte o Corcelzinho pifou. Para sua sorte logo passou um mecânico e constatou que o cabo da bateria estava solta. asim que apertou tentou fazer o carro funcionar, mas nada, o mecânico olhou e disse: é só fazer uma CHUPETA que funciona. O Gaucho todo empolgado respondeu: só um achupeta…..ótimo, mas me diga uma coisa tchê se alem da chupeta eu lhe der a B…….. vc pode arrumar a lataria pra mim,

    p.s. eu não tenho nada contra os gauchos foi só uma piadinha, afinal minha mulher e minha mãe são gauchas e tenho muitos amigos gauchos

  • http://indexe.org/biazus Marcio Biazus

    Rodrigo e Samuel Almeida, valeu pelos tôques pois isso eu não sabia.

    Isso me fez lembrar de uma piada contada aqui em Santa e Bela Catarina – se vc’s me permitirem-

    O gaucho chegou em Florianópolis com um simpático Corcel I ,cor laranja pelêgo da mesma cor sobre o páinel, quando foi atravessar a ponte o Corcelzinho pifou. Para sua sorte logo passou um mecânico e constatou que o cabo da bateria estava solta. asim que apertou tentou fazer o carro funcionar, mas nada, o mecânico olhou e disse: é só fazer uma CHUPETA que funciona. O Gaucho todo empolgado respondeu: só um achupeta…..ótimo, mas me diga uma coisa tchê se alem da chupeta eu lhe der a B…….. vc pode arrumar a lataria pra mim,

    p.s. eu não tenho nada contra os gauchos foi só uma piadinha, afinal minha mulher e minha mãe são gauchas e tenho muitos amigos gauchos

  • http://www.papodehomem.com.br/ Dr. Love

    hahahahahhahahaha

    essa piada do Biazus matou a pau

  • http://www.papodehomem.com.br/ Dr. Love

    hahahahahhahahaha

    essa piada do Biazus matou a pau

  • http://www.papodehomem.com.br/ Dr. Love

    hahahahahhahahaha

    essa piada do Biazus matou a pau

  • http://www.papodehomem.com.br Dr. Love

    hahahahahhahahaha

    essa piada do Biazus matou a pau

  • Cesarhans

    Cara, vc pode ligar o carro com a bateria do outro carro.
    Depois trocar enquanto o carro tá ligado.
    Não dá choque, e o carro não apaga!

    FUNCIONA se vc não tiver um cabo desses.

    • Dan Fg

      Você deve estar de brincadeira né!
      Você vai pegar a bateria do outro carro e colocar no que tá sem bateria, e vai numa eletrica e compra uma nova e coloca a que vc usou no carro que tirou dãrrrrrrrr…

  • Cesarhans

    Cara, vc pode ligar o carro com a bateria do outro carro.
    Depois trocar enquanto o carro tá ligado.
    Não dá choque, e o carro não apaga!

    FUNCIONA se vc não tiver um cabo desses.

  • Cesarhans

    Cara, vc pode ligar o carro com a bateria do outro carro.
    Depois trocar enquanto o carro tá ligado.
    Não dá choque, e o carro não apaga!

    FUNCIONA se vc não tiver um cabo desses.

  • Cesarhans

    Cara, vc pode ligar o carro com a bateria do outro carro.
    Depois trocar enquanto o carro tá ligado.
    Não dá choque, e o carro não apaga!

    FUNCIONA se vc não tiver um cabo desses.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, não conhecia essa de trocar as baterias e deixar o carro ligado. Bom saber.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, não conhecia essa de trocar as baterias e deixar o carro ligado. Bom saber.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, não conhecia essa de trocar as baterias e deixar o carro ligado. Bom saber.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, não conhecia essa de trocar as baterias e deixar o carro ligado. Bom saber.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, ninguém até agora perguntou o que significa Apócrifo. Acho que o pessoal está sem graça de falar que não sabe. ;D

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, ninguém até agora perguntou o que significa Apócrifo. Acho que o pessoal está sem graça de falar que não sabe. ;D

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, ninguém até agora perguntou o que significa Apócrifo. Acho que o pessoal está sem graça de falar que não sabe. ;D

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Hmmm, ninguém até agora perguntou o que significa Apócrifo. Acho que o pessoal está sem graça de falar que não sabe. ;D

  • Cesarhans

    Apócrifo (segundo Aurélio):
    [Do gr. apókryphos, pelo lat. tard. apocryphu.]
    – Adjetivo.
    1.Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou.
    2.Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja no Cânon das Escrituras autênticas e divinamente inspiradas.

    Você é católico?

  • Cesarhans

    Apócrifo (segundo Aurélio):
    [Do gr. apókryphos, pelo lat. tard. apocryphu.]
    – Adjetivo.
    1.Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou.
    2.Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja no Cânon das Escrituras autênticas e divinamente inspiradas.

    Você é católico?

  • Cesarhans

    Apócrifo (segundo Aurélio):
    [Do gr. apókryphos, pelo lat. tard. apocryphu.]
    – Adjetivo.
    1.Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou.
    2.Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja no Cânon das Escrituras autênticas e divinamente inspiradas.

    Você é católico?

  • Cesarhans

    Apócrifo (segundo Aurélio):
    [Do gr. apókryphos, pelo lat. tard. apocryphu.]
    – Adjetivo.
    1.Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou.
    2.Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja no Cânon das Escrituras autênticas e divinamente inspiradas.

    Você é católico?

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Sou sim, Cesar, mas te digo que antes desse texto do Adam, nunca tinha visto essa palavra fora de um contexto religioso. Então deduzi que a maioria ia ler e pensar “o que diabos é apócrifo??”.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Sou sim, Cesar, mas te digo que antes desse texto do Adam, nunca tinha visto essa palavra fora de um contexto religioso. Então deduzi que a maioria ia ler e pensar “o que diabos é apócrifo??”.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Sou sim, Cesar, mas te digo que antes desse texto do Adam, nunca tinha visto essa palavra fora de um contexto religioso. Então deduzi que a maioria ia ler e pensar “o que diabos é apócrifo??”.

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Sou sim, Cesar, mas te digo que antes desse texto do Adam, nunca tinha visto essa palavra fora de um contexto religioso. Então deduzi que a maioria ia ler e pensar “o que diabos é apócrifo??”.

  • Caio

    Eu tb so tinha lido isso em contexto religioso, sobre os evangelios apócrifos.

    Bom texto,

    abraços!

  • Caio

    Eu tb so tinha lido isso em contexto religioso, sobre os evangelios apócrifos.

    Bom texto,

    abraços!

  • Caio

    Eu tb so tinha lido isso em contexto religioso, sobre os evangelios apócrifos.

    Bom texto,

    abraços!

  • Caio

    Eu tb so tinha lido isso em contexto religioso, sobre os evangelios apócrifos.

    Bom texto,

    abraços!

  • sprocati

    Se for trocar a bateria do carro com o motor funcionando tome cuidado para não encostar o cabos na latataria, dá um pipoco louco.

    VLW

  • sprocati

    Se for trocar a bateria do carro com o motor funcionando tome cuidado para não encostar o cabos na latataria, dá um pipoco louco.

    VLW

  • sprocati

    Se for trocar a bateria do carro com o motor funcionando tome cuidado para não encostar o cabos na latataria, dá um pipoco louco.

    VLW

  • sprocati

    Se for trocar a bateria do carro com o motor funcionando tome cuidado para não encostar o cabos na latataria, dá um pipoco louco.

    VLW

  • Gustavo

    Caros,

    Após o carro com a bateria arriada ser ligado os dois devem funcionar juntos por um minuto antes da desconexão dos cabos.

    Abs

  • Gustavo

    Caros,

    Após o carro com a bateria arriada ser ligado os dois devem funcionar juntos por um minuto antes da desconexão dos cabos.

    Abs

  • Gustavo

    Caros,

    Após o carro com a bateria arriada ser ligado os dois devem funcionar juntos por um minuto antes da desconexão dos cabos.

    Abs

  • Gustavo

    Caros,

    Após o carro com a bateria arriada ser ligado os dois devem funcionar juntos por um minuto antes da desconexão dos cabos.

    Abs

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Ótimo e fundamental complemento, Gustavo. ;D

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Ótimo e fundamental complemento, Gustavo. ;D

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Ótimo e fundamental complemento, Gustavo. ;D

  • Guilherme Nascimento Valadares

    Ótimo e fundamental complemento, Gustavo. ;D

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    Esse metodo de fzer ‘chupeta’, ligando o carro com a bateria carregada e dps a descarregada. Tbm eh meio perigoso…pois fzendo isso vc pode da um sobre carga no alternador…q por sua vez manda uma carga superior a 13v para o modulo…queimando-o.

    O correto seria,apo conectar os cabos…ligar o carro que tenha a bateria descarregada…para que o msm possa pegar a carga da outra bateria.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    Esse metodo de fzer ‘chupeta’, ligando o carro com a bateria carregada e dps a descarregada. Tbm eh meio perigoso…pois fzendo isso vc pode da um sobre carga no alternador…q por sua vez manda uma carga superior a 13v para o modulo…queimando-o.

    O correto seria,apo conectar os cabos…ligar o carro que tenha a bateria descarregada…para que o msm possa pegar a carga da outra bateria.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    Esse metodo de fzer ‘chupeta’, ligando o carro com a bateria carregada e dps a descarregada. Tbm eh meio perigoso…pois fzendo isso vc pode da um sobre carga no alternador…q por sua vez manda uma carga superior a 13v para o modulo…queimando-o.

    O correto seria,apo conectar os cabos…ligar o carro que tenha a bateria descarregada…para que o msm possa pegar a carga da outra bateria.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    Esse metodo de fzer ‘chupeta’, ligando o carro com a bateria carregada e dps a descarregada. Tbm eh meio perigoso…pois fzendo isso vc pode da um sobre carga no alternador…q por sua vez manda uma carga superior a 13v para o modulo…queimando-o.

    O correto seria,apo conectar os cabos…ligar o carro que tenha a bateria descarregada…para que o msm possa pegar a carga da outra bateria.

  • daniel

    o que acontece se invertermos os cabos? ocorreu comigo e saiu fumaça e queimou alguma coisa.depois não pegou mais.

  • daniel

    o que acontece se invertermos os cabos? ocorreu comigo e saiu fumaça e queimou alguma coisa.depois não pegou mais.

  • daniel

    o que acontece se invertermos os cabos? ocorreu comigo e saiu fumaça e queimou alguma coisa.depois não pegou mais.

  • daniel

    o que acontece se invertermos os cabos? ocorreu comigo e saiu fumaça e queimou alguma coisa.depois não pegou mais.

  • Rodrigo Almeida

    Você inverteu os polos o que pode ter queimado a bateria e, se a corrente chegou na bobina… ela também se foi.

    Sinto muito.

  • Rodrigo Almeida

    Você inverteu os polos o que pode ter queimado a bateria e, se a corrente chegou na bobina… ela também se foi.

    Sinto muito.

  • Rodrigo Almeida

    Você inverteu os polos o que pode ter queimado a bateria e, se a corrente chegou na bobina… ela também se foi.

    Sinto muito.

  • Rodrigo Almeida

    Você inverteu os polos o que pode ter queimado a bateria e, se a corrente chegou na bobina… ela também se foi.

    Sinto muito.

  • http://suspensaodejuizo.wordpress.com/ Adam Victor Nazareth Brandizzi

    Pois é… mas chato mesmo é o carro insistir em funcionar mesmo depois de queimar a bateria…

    De qualquer forma, como deixei bem claro, não confiem muito no meu guia: ele é resultado de uma única experiência. Eu nem entendo muito de carro…

  • http://suspensaodejuizo.wordpress.com/ Adam Victor Nazareth Brandizzi

    Pois é… mas chato mesmo é o carro insistir em funcionar mesmo depois de queimar a bateria…

    De qualquer forma, como deixei bem claro, não confiem muito no meu guia: ele é resultado de uma única experiência. Eu nem entendo muito de carro…

  • http://suspensaodejuizo.wordpress.com/ Adam Victor Nazareth Brandizzi

    Pois é… mas chato mesmo é o carro insistir em funcionar mesmo depois de queimar a bateria…

    De qualquer forma, como deixei bem claro, não confiem muito no meu guia: ele é resultado de uma única experiência. Eu nem entendo muito de carro…

  • http://suspensaodejuizo.wordpress.com Adam Victor Nazareth Brandizzi

    Pois é… mas chato mesmo é o carro insistir em funcionar mesmo depois de queimar a bateria…

    De qualquer forma, como deixei bem claro, não confiem muito no meu guia: ele é resultado de uma única experiência. Eu nem entendo muito de carro…

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    o que pode ter queimado foi o altenador…como disse antes…

    vc deu uma carga inversa nele..

    a bateria ainda tem carga…por issu o carro ainda tenta ligar….

    =]

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    o que pode ter queimado foi o altenador…como disse antes…

    vc deu uma carga inversa nele..

    a bateria ainda tem carga…por issu o carro ainda tenta ligar….

    =]

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    o que pode ter queimado foi o altenador…como disse antes…

    vc deu uma carga inversa nele..

    a bateria ainda tem carga…por issu o carro ainda tenta ligar….

    =]

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko Oliva

    o que pode ter queimado foi o altenador…como disse antes…

    vc deu uma carga inversa nele..

    a bateria ainda tem carga…por issu o carro ainda tenta ligar….

    =]

  • http://www.bugflux.org/ André Prata

    Os pólos positivos deve ser ligados em ambos os veículos, certo.
    O polo negativo da bateria boa, no entanto, deve ser ligado a uma superfície metálica não pintada (condutora) do carro avariado.

    O pólo positivo deve ligar-se primeiro na bateria avariada para evitar que, quando a outra ponta anda sola, toque em algum metal e faça faíscas (como não tem carga, não provoca… na bateria boa era mais provável)

    O próprio chassis do carro está ligado ao pólo negativo da bateria. Entre outros motivos isto evita, mais uma vez, a criação de faíscas (que deverão acontecer ao ligar o pólo negativo), e mesmo perigo de explosão.

    As faíscas, além de perigosas por poder haver combustível por perto, também descarregam fortemente a bateria.

  • http://www.bugflux.org/ André Prata

    Os pólos positivos deve ser ligados em ambos os veículos, certo.
    O polo negativo da bateria boa, no entanto, deve ser ligado a uma superfície metálica não pintada (condutora) do carro avariado.

    O pólo positivo deve ligar-se primeiro na bateria avariada para evitar que, quando a outra ponta anda sola, toque em algum metal e faça faíscas (como não tem carga, não provoca… na bateria boa era mais provável)

    O próprio chassis do carro está ligado ao pólo negativo da bateria. Entre outros motivos isto evita, mais uma vez, a criação de faíscas (que deverão acontecer ao ligar o pólo negativo), e mesmo perigo de explosão.

    As faíscas, além de perigosas por poder haver combustível por perto, também descarregam fortemente a bateria.

  • http://www.bugflux.org/ André Prata

    Os pólos positivos deve ser ligados em ambos os veículos, certo.
    O polo negativo da bateria boa, no entanto, deve ser ligado a uma superfície metálica não pintada (condutora) do carro avariado.

    O pólo positivo deve ligar-se primeiro na bateria avariada para evitar que, quando a outra ponta anda sola, toque em algum metal e faça faíscas (como não tem carga, não provoca… na bateria boa era mais provável)

    O próprio chassis do carro está ligado ao pólo negativo da bateria. Entre outros motivos isto evita, mais uma vez, a criação de faíscas (que deverão acontecer ao ligar o pólo negativo), e mesmo perigo de explosão.

    As faíscas, além de perigosas por poder haver combustível por perto, também descarregam fortemente a bateria.

  • http://www.bugflux.org André Prata

    Os pólos positivos deve ser ligados em ambos os veículos, certo.
    O polo negativo da bateria boa, no entanto, deve ser ligado a uma superfície metálica não pintada (condutora) do carro avariado.

    O pólo positivo deve ligar-se primeiro na bateria avariada para evitar que, quando a outra ponta anda sola, toque em algum metal e faça faíscas (como não tem carga, não provoca… na bateria boa era mais provável)

    O próprio chassis do carro está ligado ao pólo negativo da bateria. Entre outros motivos isto evita, mais uma vez, a criação de faíscas (que deverão acontecer ao ligar o pólo negativo), e mesmo perigo de explosão.

    As faíscas, além de perigosas por poder haver combustível por perto, também descarregam fortemente a bateria.

  • Decklear

    Existe algum aparelho que possa ligar na tomada de casa para carregar a bateria ? como ela funciona com 13v se eu ligar o carregador do celular que são 12v será que funciona ?

  • Decklear

    Existe algum aparelho que possa ligar na tomada de casa para carregar a bateria ? como ela funciona com 13v se eu ligar o carregador do celular que são 12v será que funciona ?

  • Decklear

    Existe algum aparelho que possa ligar na tomada de casa para carregar a bateria ? como ela funciona com 13v se eu ligar o carregador do celular que são 12v será que funciona ?

  • Decklear

    Existe algum aparelho que possa ligar na tomada de casa para carregar a bateria ? como ela funciona com 13v se eu ligar o carregador do celular que são 12v será que funciona ?

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    existe sim…
    carregador de bateria…tanto pode carregar uma…qnt mais baterias…

    com carga lenta…de 24hs por exemplo pra baterias arriadas..

    como carga rapida….para baterias com menos cargas…11V a 10v
    abaixo disso…carga lenta…pq nem girar o motor de partida a bateria vai fzer…

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    existe sim…
    carregador de bateria…tanto pode carregar uma…qnt mais baterias…

    com carga lenta…de 24hs por exemplo pra baterias arriadas..

    como carga rapida….para baterias com menos cargas…11V a 10v
    abaixo disso…carga lenta…pq nem girar o motor de partida a bateria vai fzer…

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    existe sim…
    carregador de bateria…tanto pode carregar uma…qnt mais baterias…

    com carga lenta…de 24hs por exemplo pra baterias arriadas..

    como carga rapida….para baterias com menos cargas…11V a 10v
    abaixo disso…carga lenta…pq nem girar o motor de partida a bateria vai fzer…

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    existe sim…
    carregador de bateria…tanto pode carregar uma…qnt mais baterias…

    com carga lenta…de 24hs por exemplo pra baterias arriadas..

    como carga rapida….para baterias com menos cargas…11V a 10v
    abaixo disso…carga lenta…pq nem girar o motor de partida a bateria vai fzer…

  • Fernando Souza

    Troca de bateria – Focus 2004 – 2.0

    - Após trocar a bateria a marcha lenta ficou alterada, o que pode ter acontecido e como resolver o problema.

  • Fernando Souza

    Troca de bateria – Focus 2004 – 2.0

    - Após trocar a bateria a marcha lenta ficou alterada, o que pode ter acontecido e como resolver o problema.

  • Fernando Souza

    Troca de bateria – Focus 2004 – 2.0

    - Após trocar a bateria a marcha lenta ficou alterada, o que pode ter acontecido e como resolver o problema.

  • Fernando Souza

    Troca de bateria – Focus 2004 – 2.0

    - Após trocar a bateria a marcha lenta ficou alterada, o que pode ter acontecido e como resolver o problema.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    Como teve a troca da bateria do carro, o modulo da injeção eletronica deve ter zerado, pq é ele que regula automaticamente a marcha lenta. Facilmente regulavel, em oficinas apropiadas, sendo dificil regular em casa.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    Como teve a troca da bateria do carro, o modulo da injeção eletronica deve ter zerado, pq é ele que regula automaticamente a marcha lenta. Facilmente regulavel, em oficinas apropiadas, sendo dificil regular em casa.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    Como teve a troca da bateria do carro, o modulo da injeção eletronica deve ter zerado, pq é ele que regula automaticamente a marcha lenta. Facilmente regulavel, em oficinas apropiadas, sendo dificil regular em casa.

  • http://www.fotolog.com/socarnuchaum Mayko

    Como teve a troca da bateria do carro, o modulo da injeção eletronica deve ter zerado, pq é ele que regula automaticamente a marcha lenta. Facilmente regulavel, em oficinas apropiadas, sendo dificil regular em casa.

  • Leonardo Savassi

    O detalhe é o seguinte: A tal “voltona” só funciona para recarregar a bateria se você andar com marchas “fortes”. Por exemplo, de primeira e segunda na descida.

    Aí você dá uma “carga” de verdade na bateria

  • Leonardo Savassi

    O detalhe é o seguinte: A tal “voltona” só funciona para recarregar a bateria se você andar com marchas “fortes”. Por exemplo, de primeira e segunda na descida.

    Aí você dá uma “carga” de verdade na bateria

  • Leonardo Savassi

    O detalhe é o seguinte: A tal “voltona” só funciona para recarregar a bateria se você andar com marchas “fortes”. Por exemplo, de primeira e segunda na descida.

    Aí você dá uma “carga” de verdade na bateria

  • Leonardo Savassi

    O detalhe é o seguinte: A tal “voltona” só funciona para recarregar a bateria se você andar com marchas “fortes”. Por exemplo, de primeira e segunda na descida.

    Aí você dá uma “carga” de verdade na bateria

  • http://www.uol.com.br/ Cloves

    Pessoal,

    Tenho um fusca 73 e acho que liguei os polos da bateria errado. Tem algum problema isso que eu fiz em um fusca 1973?

    Abraços

  • http://www.uol.com.br/ Cloves

    Pessoal,

    Tenho um fusca 73 e acho que liguei os polos da bateria errado. Tem algum problema isso que eu fiz em um fusca 1973?

    Abraços

  • http://www.uol.com.br/ Cloves

    Pessoal,

    Tenho um fusca 73 e acho que liguei os polos da bateria errado. Tem algum problema isso que eu fiz em um fusca 1973?

    Abraços

  • http://www.uol.com.br Cloves

    Pessoal,

    Tenho um fusca 73 e acho que liguei os polos da bateria errado. Tem algum problema isso que eu fiz em um fusca 1973?

    Abraços

  • Iris

    Dá para fazer a chupeta com cabos caseiros?? e tem algum problema em fazer com batérias de amperagens diferentes??

  • Iris

    Dá para fazer a chupeta com cabos caseiros?? e tem algum problema em fazer com batérias de amperagens diferentes??

  • Iris

    Dá para fazer a chupeta com cabos caseiros?? e tem algum problema em fazer com batérias de amperagens diferentes??

  • Iris

    Dá para fazer a chupeta com cabos caseiros?? e tem algum problema em fazer com batérias de amperagens diferentes??

  • Renato Kanabara

    Respondendo ao Iris, dá sim para fazer um carregamento com fiações caseiras, embora tem q se levar em consideração a bitola do fio (grossura), pois como a corrente(Amper) é elevada, pode superaquecer o cabeamento. Isso pode ser resolvido usando 2 ou mais fios em cada polaridade. A amperagem de cada bateria não implica em nada no processo de carregamento das mesmas.

  • Renato Kanabara

    Respondendo ao Iris, dá sim para fazer um carregamento com fiações caseiras, embora tem q se levar em consideração a bitola do fio (grossura), pois como a corrente(Amper) é elevada, pode superaquecer o cabeamento. Isso pode ser resolvido usando 2 ou mais fios em cada polaridade. A amperagem de cada bateria não implica em nada no processo de carregamento das mesmas.

  • Renato Kanabara

    Respondendo ao Iris, dá sim para fazer um carregamento com fiações caseiras, embora tem q se levar em consideração a bitola do fio (grossura), pois como a corrente(Amper) é elevada, pode superaquecer o cabeamento. Isso pode ser resolvido usando 2 ou mais fios em cada polaridade. A amperagem de cada bateria não implica em nada no processo de carregamento das mesmas.

  • Renato Kanabara

    Respondendo ao Iris, dá sim para fazer um carregamento com fiações caseiras, embora tem q se levar em consideração a bitola do fio (grossura), pois como a corrente(Amper) é elevada, pode superaquecer o cabeamento. Isso pode ser resolvido usando 2 ou mais fios em cada polaridade. A amperagem de cada bateria não implica em nada no processo de carregamento das mesmas.

  • Renato Kanabara

    Famoso jeitinho Brasileiro.

    rsrs

  • Renato Kanabara

    Famoso jeitinho Brasileiro.

    rsrs

  • Renato Kanabara

    Famoso jeitinho Brasileiro.

    rsrs

  • Renato Kanabara

    Famoso jeitinho Brasileiro.

    rsrs

  • mariana

    será q da pra carregar uma bateria descarregada nela mesmo, ligando o polo negativo no positivo?

    • Wagner Felix

      Não! Se vc fizer isso corre o riso da bateria e explodir.

  • mariana

    será q da pra carregar uma bateria descarregada nela mesmo, ligando o polo negativo no positivo?

  • mariana

    será q da pra carregar uma bateria descarregada nela mesmo, ligando o polo negativo no positivo?

  • mariana

    será q da pra carregar uma bateria descarregada nela mesmo, ligando o polo negativo no positivo?

  • Renato Kanabara

    rsrs…isso escrito aqui em cima simplesmente seria dar um curto na bateria, ai sim vc estaria descarregando ela totalmente

  • Renato Kanabara

    rsrs…isso escrito aqui em cima simplesmente seria dar um curto na bateria, ai sim vc estaria descarregando ela totalmente

  • Renato Kanabara

    rsrs…isso escrito aqui em cima simplesmente seria dar um curto na bateria, ai sim vc estaria descarregando ela totalmente

  • Renato Kanabara

    rsrs…isso escrito aqui em cima simplesmente seria dar um curto na bateria, ai sim vc estaria descarregando ela totalmente

  • lalau

    Mariana, da sim, mas façao seguinte…
    pegue 2 cabos, o mais grosso q vc achar
    coloque uma braçadeira bem forte cada umnum polo
    depois coloque eles no chao umpouco perto de voce,
    pegue uma tampa de panela metalica e coloque emcima dos 2 cabos commta força.
    de preferencia deixe tudo bem pertinho para nada dar errado…
    dpois nos conte se deu certo ok?

  • lalau

    Mariana, da sim, mas façao seguinte…
    pegue 2 cabos, o mais grosso q vc achar
    coloque uma braçadeira bem forte cada umnum polo
    depois coloque eles no chao umpouco perto de voce,
    pegue uma tampa de panela metalica e coloque emcima dos 2 cabos commta força.
    de preferencia deixe tudo bem pertinho para nada dar errado…
    dpois nos conte se deu certo ok?

  • lalau

    Mariana, da sim, mas façao seguinte…
    pegue 2 cabos, o mais grosso q vc achar
    coloque uma braçadeira bem forte cada umnum polo
    depois coloque eles no chao umpouco perto de voce,
    pegue uma tampa de panela metalica e coloque emcima dos 2 cabos commta força.
    de preferencia deixe tudo bem pertinho para nada dar errado…
    dpois nos conte se deu certo ok?

  • lalau

    Mariana, da sim, mas façao seguinte…
    pegue 2 cabos, o mais grosso q vc achar
    coloque uma braçadeira bem forte cada umnum polo
    depois coloque eles no chao umpouco perto de voce,
    pegue uma tampa de panela metalica e coloque emcima dos 2 cabos commta força.
    de preferencia deixe tudo bem pertinho para nada dar errado…
    dpois nos conte se deu certo ok?

  • Paulo

    Vale lembrar turma que, para carros novos, com injeção eletronica e memoria, isso mesmo, memoria, fato de tirar a bateria sem carga, colocar uma bateria com carga, dar a partida e retirar a nova e colocar a velha, faz com que a pouca carga que tinha, mantessem configurados os dados com computador de bordo, caso isso ocorra, tem que mandar para oficina especializada para reconfigurar e ai, segura o bolso!!!!!!

  • Paulo

    Vale lembrar turma que, para carros novos, com injeção eletronica e memoria, isso mesmo, memoria, fato de tirar a bateria sem carga, colocar uma bateria com carga, dar a partida e retirar a nova e colocar a velha, faz com que a pouca carga que tinha, mantessem configurados os dados com computador de bordo, caso isso ocorra, tem que mandar para oficina especializada para reconfigurar e ai, segura o bolso!!!!!!

  • Paulo

    Vale lembrar turma que, para carros novos, com injeção eletronica e memoria, isso mesmo, memoria, fato de tirar a bateria sem carga, colocar uma bateria com carga, dar a partida e retirar a nova e colocar a velha, faz com que a pouca carga que tinha, mantessem configurados os dados com computador de bordo, caso isso ocorra, tem que mandar para oficina especializada para reconfigurar e ai, segura o bolso!!!!!!

  • Paulo

    Vale lembrar turma que, para carros novos, com injeção eletronica e memoria, isso mesmo, memoria, fato de tirar a bateria sem carga, colocar uma bateria com carga, dar a partida e retirar a nova e colocar a velha, faz com que a pouca carga que tinha, mantessem configurados os dados com computador de bordo, caso isso ocorra, tem que mandar para oficina especializada para reconfigurar e ai, segura o bolso!!!!!!

  • Sindrome

    Pessoal,
    Troquei a bateria do meu Honda Accord, dei a partida, tirei os cabos da bateria sem tocar em nada, coloquei a bateria descarregada. Funcionou perfeitamente, lembrando que a posição dos pólos é fundamental. Porém aconteceu uma pane no sistema de freio ABS. Só vou saber das conseqüências após o conserto na Honda. Ficar o alerta quanto mais eletrônico for o veículo, menos recomendada é essa prática. =:-D

  • Sindrome

    Pessoal,
    Troquei a bateria do meu Honda Accord, dei a partida, tirei os cabos da bateria sem tocar em nada, coloquei a bateria descarregada. Funcionou perfeitamente, lembrando que a posição dos pólos é fundamental. Porém aconteceu uma pane no sistema de freio ABS. Só vou saber das conseqüências após o conserto na Honda. Ficar o alerta quanto mais eletrônico for o veículo, menos recomendada é essa prática. =:-D

  • Sindrome

    Pessoal,
    Troquei a bateria do meu Honda Accord, dei a partida, tirei os cabos da bateria sem tocar em nada, coloquei a bateria descarregada. Funcionou perfeitamente, lembrando que a posição dos pólos é fundamental. Porém aconteceu uma pane no sistema de freio ABS. Só vou saber das conseqüências após o conserto na Honda. Ficar o alerta quanto mais eletrônico for o veículo, menos recomendada é essa prática. =:-D

  • Sindrome

    Pessoal,
    Troquei a bateria do meu Honda Accord, dei a partida, tirei os cabos da bateria sem tocar em nada, coloquei a bateria descarregada. Funcionou perfeitamente, lembrando que a posição dos pólos é fundamental. Porém aconteceu uma pane no sistema de freio ABS. Só vou saber das conseqüências após o conserto na Honda. Ficar o alerta quanto mais eletrônico for o veículo, menos recomendada é essa prática. =:-D

  • Guilherme Santos

    Quanto tempo devo rodar com o carro para recarregar totalmente a bateria>

    andei 30 minutos com o carro e deixei na garagem (sexta) e viajei no final se semana,..será que se eu tentar utiliza-lo na segunda-feira existe risco da bateria ter descarregado de novo>

  • Guilherme Santos

    Quanto tempo devo rodar com o carro para recarregar totalmente a bateria>

    andei 30 minutos com o carro e deixei na garagem (sexta) e viajei no final se semana,..será que se eu tentar utiliza-lo na segunda-feira existe risco da bateria ter descarregado de novo>

  • Guilherme Santos

    Quanto tempo devo rodar com o carro para recarregar totalmente a bateria>

    andei 30 minutos com o carro e deixei na garagem (sexta) e viajei no final se semana,..será que se eu tentar utiliza-lo na segunda-feira existe risco da bateria ter descarregado de novo>

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Guilherme, isso varia de carro para carro.
    Para os basicos novos, uma partida no motor equivale a 20 minutos de carga, por issu é bom evitar ficar com o carro desligado e som ligado, faro aceso e etc.
    E pro pessoal que curte som automotivo, todo sistema eletrico tem um limite, então quem quiser montar uma balada dentro do carro, tera que rever o esquema eletrico, isso se quiser um trabalho bem feito.
    Sempre lembrando que isso muda de carro para carro.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Guilherme, isso varia de carro para carro.
    Para os basicos novos, uma partida no motor equivale a 20 minutos de carga, por issu é bom evitar ficar com o carro desligado e som ligado, faro aceso e etc.
    E pro pessoal que curte som automotivo, todo sistema eletrico tem um limite, então quem quiser montar uma balada dentro do carro, tera que rever o esquema eletrico, isso se quiser um trabalho bem feito.
    Sempre lembrando que isso muda de carro para carro.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Guilherme, isso varia de carro para carro.
    Para os basicos novos, uma partida no motor equivale a 20 minutos de carga, por issu é bom evitar ficar com o carro desligado e som ligado, faro aceso e etc.
    E pro pessoal que curte som automotivo, todo sistema eletrico tem um limite, então quem quiser montar uma balada dentro do carro, tera que rever o esquema eletrico, isso se quiser um trabalho bem feito.
    Sempre lembrando que isso muda de carro para carro.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com Mayko

    Guilherme, isso varia de carro para carro.
    Para os basicos novos, uma partida no motor equivale a 20 minutos de carga, por issu é bom evitar ficar com o carro desligado e som ligado, faro aceso e etc.
    E pro pessoal que curte som automotivo, todo sistema eletrico tem um limite, então quem quiser montar uma balada dentro do carro, tera que rever o esquema eletrico, isso se quiser um trabalho bem feito.
    Sempre lembrando que isso muda de carro para carro.

  • tripa seca

    como posso carregar a bateria do meu carro em uma tomada caseira? se é que possso!
    estou com o carro comn a bateria ariada na garagem!

  • tripa seca

    como posso carregar a bateria do meu carro em uma tomada caseira? se é que possso!
    estou com o carro comn a bateria ariada na garagem!

  • tripa seca

    como posso carregar a bateria do meu carro em uma tomada caseira? se é que possso!
    estou com o carro comn a bateria ariada na garagem!

  • tripa seca

    como posso carregar a bateria do meu carro em uma tomada caseira? se é que possso!
    estou com o carro comn a bateria ariada na garagem!

  • keity

    A bateria do carro do meu pai se esgotou
    por que eu esqueci o ar e o som ligados,
    queria saber, se todo carro da para carregar a bateria
    porque ouvi falar que uns tem que troca-la, por uma nova!

  • keity

    A bateria do carro do meu pai se esgotou
    por que eu esqueci o ar e o som ligados,
    queria saber, se todo carro da para carregar a bateria
    porque ouvi falar que uns tem que troca-la, por uma nova!

  • keity

    A bateria do carro do meu pai se esgotou
    por que eu esqueci o ar e o som ligados,
    queria saber, se todo carro da para carregar a bateria
    porque ouvi falar que uns tem que troca-la, por uma nova!

  • keity

    A bateria do carro do meu pai se esgotou
    por que eu esqueci o ar e o som ligados,
    queria saber, se todo carro da para carregar a bateria
    porque ouvi falar que uns tem que troca-la, por uma nova!

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Todos os carregadores de bateria, pelo menos os que eu conheço são ligados a rede eletrica convecional, vulgo tomada de casa. =]
    Varia do mais simples, entre R$15 a R$20, e o mais potentes com fusivel, amperimetro, e modo de carga, ai ja pula pra casa de R$100.
    A maioria das baterias convecionais podem ser carregadas, logico que não conto com as dos importados, honda por exemplo, as baterias tem formato diferente, bmw e mercedez seguem a mesma linha, então cuidado ao levar um bateria para dar uma carga. E uma vez bateria arriada, cuidado, ela vicia e nunca mais será a mesma.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Todos os carregadores de bateria, pelo menos os que eu conheço são ligados a rede eletrica convecional, vulgo tomada de casa. =]
    Varia do mais simples, entre R$15 a R$20, e o mais potentes com fusivel, amperimetro, e modo de carga, ai ja pula pra casa de R$100.
    A maioria das baterias convecionais podem ser carregadas, logico que não conto com as dos importados, honda por exemplo, as baterias tem formato diferente, bmw e mercedez seguem a mesma linha, então cuidado ao levar um bateria para dar uma carga. E uma vez bateria arriada, cuidado, ela vicia e nunca mais será a mesma.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Todos os carregadores de bateria, pelo menos os que eu conheço são ligados a rede eletrica convecional, vulgo tomada de casa. =]
    Varia do mais simples, entre R$15 a R$20, e o mais potentes com fusivel, amperimetro, e modo de carga, ai ja pula pra casa de R$100.
    A maioria das baterias convecionais podem ser carregadas, logico que não conto com as dos importados, honda por exemplo, as baterias tem formato diferente, bmw e mercedez seguem a mesma linha, então cuidado ao levar um bateria para dar uma carga. E uma vez bateria arriada, cuidado, ela vicia e nunca mais será a mesma.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com Mayko

    Todos os carregadores de bateria, pelo menos os que eu conheço são ligados a rede eletrica convecional, vulgo tomada de casa. =]
    Varia do mais simples, entre R$15 a R$20, e o mais potentes com fusivel, amperimetro, e modo de carga, ai ja pula pra casa de R$100.
    A maioria das baterias convecionais podem ser carregadas, logico que não conto com as dos importados, honda por exemplo, as baterias tem formato diferente, bmw e mercedez seguem a mesma linha, então cuidado ao levar um bateria para dar uma carga. E uma vez bateria arriada, cuidado, ela vicia e nunca mais será a mesma.

  • Lourival Pereira

    Para uma bateria viciar e não carregar mais, só se estiver danificada. Uma bateria em bom estado mesmo completamente descarregada, se recarregar novamente ela terá toda sua amperagem de volta (isto se não estiver danificada). Outro equivoco é falar em placas coladas. Não existe isso, as placas de uma bateria, sendo uma negativa e outra positiva, estão isoladas internamente na caixa da bateria com isolantes especiais, que imlpedem que uma placa toque na outra. O que ocorre realmente quando a bateria não aceita mais carga e a corrosão das placas que soltam resíduos e vão se depositando no fundo da caixa da bateria, e com o tempo vão contaminando a solução de ácido sulfúrico contido no interior da bateria.
    Outro equivoco: Não existe essa história de memória na bateria. Só se tiver sido instalado um chip no interior da mesma. Mas como? dentro da solução de ácido? Ou então um controlador externo. Nunca ví, e pra mim isso é papo furado.
    Uma bateria, antigamente denominado de acumulador de energia funciona dentro dos princípios básicos como se fossem duas caixas de água uma ao l ado da outra. Por exemplo: Uma das caixas está vazia e a outra caixa está cheia de água. As duas caixas estão no mesmo nível em cima de uma mesa e ligadas por um cano bem próximo do fundo das duas caixas. Colocamos um registro no cano que liga as duas caixas. Abrimos o registro, o que vai acontecer com a água? Vai nivelar em ambas as caixas, a primeira caixa vai ceder metade de sua água para a segunda caixa e quando o nível das duas caixas estiverem iguais é o mesmo que considerar que a bateria está descarregada. Quando recarregarmos novamente, a água da segunda caixa voltará para a primeira e quando não restar mais água na segunda caixa e a primeira estiver cheia, consideremos que a bateria estará completamente carregada.
    Então não tem essa tal memória de carga de falam.
    Consideremos a capacidade das caixas de 50 litros (o mesmo que amperagem no caso da bateira, 50 amperes), o diametro do cano embaixo das duas caixas representa a grossura dos cabos, se abrirmos completamente o registro da água, esta fluirá em sua máxima intensidade, durante determinado tempo, tempo esse que dependerá da quantidade de instrumentos ou aparelhos (farois, som, iginição do motor, partida etc.).
    A quantidade de água que estará fluindo pelo cano agora representa a amperagem que está sendo fornecida pela bateria, a pressão da água no referido cano representa a voltagem e o uso da água representa a Wattagem ou trabalho realizado pela energia drenada pela bateria.
    A carga em amperes de uma bateria não é medida como se mede a anergia gasta numa residencia que seria Watt/horas.
    O consumo de uma bateria depende da quantidade de aparelhos que estão ligadas na mesma. Pode durar uma hora ou até 100 horas dependendo da quantida de amperagem fornecida pela mesma.
    Lei de ohm: Volts é pressão da energia no fio. Watts é o trabalho realizado pela energia. Amperes é a quantidade de eletrons fornecida pela fonte de energia.

  • Lourival Pereira

    Para uma bateria viciar e não carregar mais, só se estiver danificada. Uma bateria em bom estado mesmo completamente descarregada, se recarregar novamente ela terá toda sua amperagem de volta (isto se não estiver danificada). Outro equivoco é falar em placas coladas. Não existe isso, as placas de uma bateria, sendo uma negativa e outra positiva, estão isoladas internamente na caixa da bateria com isolantes especiais, que imlpedem que uma placa toque na outra. O que ocorre realmente quando a bateria não aceita mais carga e a corrosão das placas que soltam resíduos e vão se depositando no fundo da caixa da bateria, e com o tempo vão contaminando a solução de ácido sulfúrico contido no interior da bateria.
    Outro equivoco: Não existe essa história de memória na bateria. Só se tiver sido instalado um chip no interior da mesma. Mas como? dentro da solução de ácido? Ou então um controlador externo. Nunca ví, e pra mim isso é papo furado.
    Uma bateria, antigamente denominado de acumulador de energia funciona dentro dos princípios básicos como se fossem duas caixas de água uma ao l ado da outra. Por exemplo: Uma das caixas está vazia e a outra caixa está cheia de água. As duas caixas estão no mesmo nível em cima de uma mesa e ligadas por um cano bem próximo do fundo das duas caixas. Colocamos um registro no cano que liga as duas caixas. Abrimos o registro, o que vai acontecer com a água? Vai nivelar em ambas as caixas, a primeira caixa vai ceder metade de sua água para a segunda caixa e quando o nível das duas caixas estiverem iguais é o mesmo que considerar que a bateria está descarregada. Quando recarregarmos novamente, a água da segunda caixa voltará para a primeira e quando não restar mais água na segunda caixa e a primeira estiver cheia, consideremos que a bateria estará completamente carregada.
    Então não tem essa tal memória de carga de falam.
    Consideremos a capacidade das caixas de 50 litros (o mesmo que amperagem no caso da bateira, 50 amperes), o diametro do cano embaixo das duas caixas representa a grossura dos cabos, se abrirmos completamente o registro da água, esta fluirá em sua máxima intensidade, durante determinado tempo, tempo esse que dependerá da quantidade de instrumentos ou aparelhos (farois, som, iginição do motor, partida etc.).
    A quantidade de água que estará fluindo pelo cano agora representa a amperagem que está sendo fornecida pela bateria, a pressão da água no referido cano representa a voltagem e o uso da água representa a Wattagem ou trabalho realizado pela energia drenada pela bateria.
    A carga em amperes de uma bateria não é medida como se mede a anergia gasta numa residencia que seria Watt/horas.
    O consumo de uma bateria depende da quantidade de aparelhos que estão ligadas na mesma. Pode durar uma hora ou até 100 horas dependendo da quantida de amperagem fornecida pela mesma.
    Lei de ohm: Volts é pressão da energia no fio. Watts é o trabalho realizado pela energia. Amperes é a quantidade de eletrons fornecida pela fonte de energia.

  • Lourival Pereira

    Para uma bateria viciar e não carregar mais, só se estiver danificada. Uma bateria em bom estado mesmo completamente descarregada, se recarregar novamente ela terá toda sua amperagem de volta (isto se não estiver danificada). Outro equivoco é falar em placas coladas. Não existe isso, as placas de uma bateria, sendo uma negativa e outra positiva, estão isoladas internamente na caixa da bateria com isolantes especiais, que imlpedem que uma placa toque na outra. O que ocorre realmente quando a bateria não aceita mais carga e a corrosão das placas que soltam resíduos e vão se depositando no fundo da caixa da bateria, e com o tempo vão contaminando a solução de ácido sulfúrico contido no interior da bateria.
    Outro equivoco: Não existe essa história de memória na bateria. Só se tiver sido instalado um chip no interior da mesma. Mas como? dentro da solução de ácido? Ou então um controlador externo. Nunca ví, e pra mim isso é papo furado.
    Uma bateria, antigamente denominado de acumulador de energia funciona dentro dos princípios básicos como se fossem duas caixas de água uma ao l ado da outra. Por exemplo: Uma das caixas está vazia e a outra caixa está cheia de água. As duas caixas estão no mesmo nível em cima de uma mesa e ligadas por um cano bem próximo do fundo das duas caixas. Colocamos um registro no cano que liga as duas caixas. Abrimos o registro, o que vai acontecer com a água? Vai nivelar em ambas as caixas, a primeira caixa vai ceder metade de sua água para a segunda caixa e quando o nível das duas caixas estiverem iguais é o mesmo que considerar que a bateria está descarregada. Quando recarregarmos novamente, a água da segunda caixa voltará para a primeira e quando não restar mais água na segunda caixa e a primeira estiver cheia, consideremos que a bateria estará completamente carregada.
    Então não tem essa tal memória de carga de falam.
    Consideremos a capacidade das caixas de 50 litros (o mesmo que amperagem no caso da bateira, 50 amperes), o diametro do cano embaixo das duas caixas representa a grossura dos cabos, se abrirmos completamente o registro da água, esta fluirá em sua máxima intensidade, durante determinado tempo, tempo esse que dependerá da quantidade de instrumentos ou aparelhos (farois, som, iginição do motor, partida etc.).
    A quantidade de água que estará fluindo pelo cano agora representa a amperagem que está sendo fornecida pela bateria, a pressão da água no referido cano representa a voltagem e o uso da água representa a Wattagem ou trabalho realizado pela energia drenada pela bateria.
    A carga em amperes de uma bateria não é medida como se mede a anergia gasta numa residencia que seria Watt/horas.
    O consumo de uma bateria depende da quantidade de aparelhos que estão ligadas na mesma. Pode durar uma hora ou até 100 horas dependendo da quantida de amperagem fornecida pela mesma.
    Lei de ohm: Volts é pressão da energia no fio. Watts é o trabalho realizado pela energia. Amperes é a quantidade de eletrons fornecida pela fonte de energia.

  • Lourival Pereira

    Para uma bateria viciar e não carregar mais, só se estiver danificada. Uma bateria em bom estado mesmo completamente descarregada, se recarregar novamente ela terá toda sua amperagem de volta (isto se não estiver danificada). Outro equivoco é falar em placas coladas. Não existe isso, as placas de uma bateria, sendo uma negativa e outra positiva, estão isoladas internamente na caixa da bateria com isolantes especiais, que imlpedem que uma placa toque na outra. O que ocorre realmente quando a bateria não aceita mais carga e a corrosão das placas que soltam resíduos e vão se depositando no fundo da caixa da bateria, e com o tempo vão contaminando a solução de ácido sulfúrico contido no interior da bateria.
    Outro equivoco: Não existe essa história de memória na bateria. Só se tiver sido instalado um chip no interior da mesma. Mas como? dentro da solução de ácido? Ou então um controlador externo. Nunca ví, e pra mim isso é papo furado.
    Uma bateria, antigamente denominado de acumulador de energia funciona dentro dos princípios básicos como se fossem duas caixas de água uma ao l ado da outra. Por exemplo: Uma das caixas está vazia e a outra caixa está cheia de água. As duas caixas estão no mesmo nível em cima de uma mesa e ligadas por um cano bem próximo do fundo das duas caixas. Colocamos um registro no cano que liga as duas caixas. Abrimos o registro, o que vai acontecer com a água? Vai nivelar em ambas as caixas, a primeira caixa vai ceder metade de sua água para a segunda caixa e quando o nível das duas caixas estiverem iguais é o mesmo que considerar que a bateria está descarregada. Quando recarregarmos novamente, a água da segunda caixa voltará para a primeira e quando não restar mais água na segunda caixa e a primeira estiver cheia, consideremos que a bateria estará completamente carregada.
    Então não tem essa tal memória de carga de falam.
    Consideremos a capacidade das caixas de 50 litros (o mesmo que amperagem no caso da bateira, 50 amperes), o diametro do cano embaixo das duas caixas representa a grossura dos cabos, se abrirmos completamente o registro da água, esta fluirá em sua máxima intensidade, durante determinado tempo, tempo esse que dependerá da quantidade de instrumentos ou aparelhos (farois, som, iginição do motor, partida etc.).
    A quantidade de água que estará fluindo pelo cano agora representa a amperagem que está sendo fornecida pela bateria, a pressão da água no referido cano representa a voltagem e o uso da água representa a Wattagem ou trabalho realizado pela energia drenada pela bateria.
    A carga em amperes de uma bateria não é medida como se mede a anergia gasta numa residencia que seria Watt/horas.
    O consumo de uma bateria depende da quantidade de aparelhos que estão ligadas na mesma. Pode durar uma hora ou até 100 horas dependendo da quantida de amperagem fornecida pela mesma.
    Lei de ohm: Volts é pressão da energia no fio. Watts é o trabalho realizado pela energia. Amperes é a quantidade de eletrons fornecida pela fonte de energia.

  • Lourival Pereira

    Vou complementar meu post. Uma bateria mesmo se descarregar totalmente não fica inutilizada necessitando trocar por uma nova. Se já tiver uns 2,5 ou 3 anos de uso sim, já está na hora de trocar. Se for nova de mais ou menos 8 meses ou um ano, dificilmente necessitará troca, mesmo que esteja totalmente descarregada. A não ser que seja mercadoria antiga passada pelo vendedor ao comprador ou que ja esteja danificada, ou de marca muito inferior.
    Vou citar novamente: BATERIAS NÃO VICIAM, como muita gente imagina. É um acumulador de carga, você pode usar como quiser, até esgotar e carregar novamente ou ir carregando à medida que vai usando. Por exemplo: uma bateria de automóvel está sempre sendo carregada pelo alternador do carro, e sempre fornecendo energia para os dispositivos do automóvel, contudo não estraga e nem vicia e nem tem memória de recarga. (não sei de onde tiraram essa idéia.)
    Outra detalhe: Para carregar uma bateria de automóvel, o carregador tem que fornecer no mínimo 10 ou 15 amperes de corrente, com uma voltagem de mais ou menos 13 ou 15 volts, com 12 volts também carrega, mas leva mais tempo. Essa tal de carga rápida não está também muito explicada, porque para carregar uma bateria completamente, no mínimo leva umas 4 horas ou 6 horas, com uma corrente média de 10 ampéres. O que fazem e aumentar a voltagem e a amperagem, a bateria recebe uma super carga momentânea, mas os eletrons não se fixam totalmente nas placas, logo estará descarregada.

  • Lourival Pereira

    Vou complementar meu post. Uma bateria mesmo se descarregar totalmente não fica inutilizada necessitando trocar por uma nova. Se já tiver uns 2,5 ou 3 anos de uso sim, já está na hora de trocar. Se for nova de mais ou menos 8 meses ou um ano, dificilmente necessitará troca, mesmo que esteja totalmente descarregada. A não ser que seja mercadoria antiga passada pelo vendedor ao comprador ou que ja esteja danificada, ou de marca muito inferior.
    Vou citar novamente: BATERIAS NÃO VICIAM, como muita gente imagina. É um acumulador de carga, você pode usar como quiser, até esgotar e carregar novamente ou ir carregando à medida que vai usando. Por exemplo: uma bateria de automóvel está sempre sendo carregada pelo alternador do carro, e sempre fornecendo energia para os dispositivos do automóvel, contudo não estraga e nem vicia e nem tem memória de recarga. (não sei de onde tiraram essa idéia.)
    Outra detalhe: Para carregar uma bateria de automóvel, o carregador tem que fornecer no mínimo 10 ou 15 amperes de corrente, com uma voltagem de mais ou menos 13 ou 15 volts, com 12 volts também carrega, mas leva mais tempo. Essa tal de carga rápida não está também muito explicada, porque para carregar uma bateria completamente, no mínimo leva umas 4 horas ou 6 horas, com uma corrente média de 10 ampéres. O que fazem e aumentar a voltagem e a amperagem, a bateria recebe uma super carga momentânea, mas os eletrons não se fixam totalmente nas placas, logo estará descarregada.

  • Lourival Pereira

    Vou complementar meu post. Uma bateria mesmo se descarregar totalmente não fica inutilizada necessitando trocar por uma nova. Se já tiver uns 2,5 ou 3 anos de uso sim, já está na hora de trocar. Se for nova de mais ou menos 8 meses ou um ano, dificilmente necessitará troca, mesmo que esteja totalmente descarregada. A não ser que seja mercadoria antiga passada pelo vendedor ao comprador ou que ja esteja danificada, ou de marca muito inferior.
    Vou citar novamente: BATERIAS NÃO VICIAM, como muita gente imagina. É um acumulador de carga, você pode usar como quiser, até esgotar e carregar novamente ou ir carregando à medida que vai usando. Por exemplo: uma bateria de automóvel está sempre sendo carregada pelo alternador do carro, e sempre fornecendo energia para os dispositivos do automóvel, contudo não estraga e nem vicia e nem tem memória de recarga. (não sei de onde tiraram essa idéia.)
    Outra detalhe: Para carregar uma bateria de automóvel, o carregador tem que fornecer no mínimo 10 ou 15 amperes de corrente, com uma voltagem de mais ou menos 13 ou 15 volts, com 12 volts também carrega, mas leva mais tempo. Essa tal de carga rápida não está também muito explicada, porque para carregar uma bateria completamente, no mínimo leva umas 4 horas ou 6 horas, com uma corrente média de 10 ampéres. O que fazem e aumentar a voltagem e a amperagem, a bateria recebe uma super carga momentânea, mas os eletrons não se fixam totalmente nas placas, logo estará descarregada.

  • Lourival Pereira

    Vou complementar meu post. Uma bateria mesmo se descarregar totalmente não fica inutilizada necessitando trocar por uma nova. Se já tiver uns 2,5 ou 3 anos de uso sim, já está na hora de trocar. Se for nova de mais ou menos 8 meses ou um ano, dificilmente necessitará troca, mesmo que esteja totalmente descarregada. A não ser que seja mercadoria antiga passada pelo vendedor ao comprador ou que ja esteja danificada, ou de marca muito inferior.
    Vou citar novamente: BATERIAS NÃO VICIAM, como muita gente imagina. É um acumulador de carga, você pode usar como quiser, até esgotar e carregar novamente ou ir carregando à medida que vai usando. Por exemplo: uma bateria de automóvel está sempre sendo carregada pelo alternador do carro, e sempre fornecendo energia para os dispositivos do automóvel, contudo não estraga e nem vicia e nem tem memória de recarga. (não sei de onde tiraram essa idéia.)
    Outra detalhe: Para carregar uma bateria de automóvel, o carregador tem que fornecer no mínimo 10 ou 15 amperes de corrente, com uma voltagem de mais ou menos 13 ou 15 volts, com 12 volts também carrega, mas leva mais tempo. Essa tal de carga rápida não está também muito explicada, porque para carregar uma bateria completamente, no mínimo leva umas 4 horas ou 6 horas, com uma corrente média de 10 ampéres. O que fazem e aumentar a voltagem e a amperagem, a bateria recebe uma super carga momentânea, mas os eletrons não se fixam totalmente nas placas, logo estará descarregada.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko Oliva

    Belo complemento, mas vale lembrar que temos ‘dois’ tipos basicos de bateria, as seladas e as não seladas. As não seladas correm o risco de ter vazamentos de solução, com isso não bastaria apenas uma recarga, como também um complemento de solução.
    E creio que essa memoria de carga que se referem anteriormente, seriam mais para carros modernos de injeção eletronica, que são ligadas a um modulo, sendo retirado a bateria, ele poderia zerar esse modulo, perdendo algumas gravações de alguns acessorios(radios, gps, etc), como também correndo o risco de zerar o transcoder, sistema que decodifica os codigos(sic) gravados nas chaves, então seria sempre bom ler o manual do proprietario antes de realizar qualquer coisa no seu carro novo, para não pagar mais caro depois. E por isso prefiro meus bons e velhos Fuscas!
    =]

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko Oliva

    Belo complemento, mas vale lembrar que temos ‘dois’ tipos basicos de bateria, as seladas e as não seladas. As não seladas correm o risco de ter vazamentos de solução, com isso não bastaria apenas uma recarga, como também um complemento de solução.
    E creio que essa memoria de carga que se referem anteriormente, seriam mais para carros modernos de injeção eletronica, que são ligadas a um modulo, sendo retirado a bateria, ele poderia zerar esse modulo, perdendo algumas gravações de alguns acessorios(radios, gps, etc), como também correndo o risco de zerar o transcoder, sistema que decodifica os codigos(sic) gravados nas chaves, então seria sempre bom ler o manual do proprietario antes de realizar qualquer coisa no seu carro novo, para não pagar mais caro depois. E por isso prefiro meus bons e velhos Fuscas!
    =]

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko Oliva

    Belo complemento, mas vale lembrar que temos ‘dois’ tipos basicos de bateria, as seladas e as não seladas. As não seladas correm o risco de ter vazamentos de solução, com isso não bastaria apenas uma recarga, como também um complemento de solução.
    E creio que essa memoria de carga que se referem anteriormente, seriam mais para carros modernos de injeção eletronica, que são ligadas a um modulo, sendo retirado a bateria, ele poderia zerar esse modulo, perdendo algumas gravações de alguns acessorios(radios, gps, etc), como também correndo o risco de zerar o transcoder, sistema que decodifica os codigos(sic) gravados nas chaves, então seria sempre bom ler o manual do proprietario antes de realizar qualquer coisa no seu carro novo, para não pagar mais caro depois. E por isso prefiro meus bons e velhos Fuscas!
    =]

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com Mayko Oliva

    Belo complemento, mas vale lembrar que temos ‘dois’ tipos basicos de bateria, as seladas e as não seladas. As não seladas correm o risco de ter vazamentos de solução, com isso não bastaria apenas uma recarga, como também um complemento de solução.
    E creio que essa memoria de carga que se referem anteriormente, seriam mais para carros modernos de injeção eletronica, que são ligadas a um modulo, sendo retirado a bateria, ele poderia zerar esse modulo, perdendo algumas gravações de alguns acessorios(radios, gps, etc), como também correndo o risco de zerar o transcoder, sistema que decodifica os codigos(sic) gravados nas chaves, então seria sempre bom ler o manual do proprietario antes de realizar qualquer coisa no seu carro novo, para não pagar mais caro depois. E por isso prefiro meus bons e velhos Fuscas!
    =]

  • Lourival Pereira

    Olá Maiko, grato pelo apoio, eu também gosto de um fusca, o primeiro carro que possuí foi um fusca 1975, 1.300 cilindradas, com 45 cavalos somente. Mas funcionava bonito, com platinado e não continha nenhum sensor, o unico dispositivo que se assemelhava a um sensor era a chamada “cebolinha do controle da marcha lenta”, o carrinho queimava branco, com gasolina à base de chumbo, como era comum na época, tinha um rendimento de 13 a 14 km/l, rodando entre 100 e 110 kmh.
    Não dá para entender como os carros modernos fabricados atualmente com dezenas de sensores eletronicos, controlando todo o funcionamento do motor por um sistema computadorizado, não primam muito no quesito economia. A única vantagem que se obtêm deste sistema é a segurança de funcionamento, pois sejamos honestos, não se vêm mais tantos carros parados no acostamento como antigamente devido à deficiencias de funcionamento.
    Claro que a tecnologia é primordial na segurança dos veículos. Os carros modernos, apesar de serem menos robustos do que os carros de 10 anos atrás, são mais eficientes e confiáveis, e também mais baratos, porque nos anos 80 para trás adquirir um carro zero não era pra qualquer um, seu valor equivaleria em muitos casos ao valor de uma casa.
    Resolví escrever esses posts, para ajudar os amigos que escreveram pedindo ajuda para entenderem diversos detallhes a respeito de baterias.
    Fiz curso de eletrotécnica e entendo um pouco a respeito desse assunto.
    Procurei não usar termos técnicos para não complicar o entendimento, pois muitos dos que escreveram acima não têm ainda experiencia em eletrotécnica.
    Concordo com você quanto ao assunto das baterias e mesmo que os carros modernos adotem sistemas de contrôle de carga e distribuição de corrente da baterias em seus dispositivos, em nada influenciariam no funcionamento fisico da mesma, porque dentro de uma bateria contêm tão somente o líquido eletrollítico composto de uma solução de água mais ácido sulfúrico em dosagem e densidade adequadas ao funcionamento do acumulador, mais as placas positivas e placas negativas, colocadas alternadamente entre elas com um isolante especial. Seu funcionamento baseia-se na transferencia de elétrons do polo negativo para o polo positivo (a direção de corrente eletrica, é sempre do polo negativo que contêm excesso de elétrons para o polo positivo onde existem falta de elétrons) e nenhum outro dispositivo, a não ser os bornes de fixação dos cabos externos. Então não há como controlar a carga ou descarga através de dispositivos físicos da própria bateria ou de dispositivos de MEMORIA, porque resumindo, seu funcionamento é uma simples reação quimica com a consequente troca de eletrons entre as placas negativas e positivas. Agora colocar dispositivos eletronicos externos pra controle de distribuição de cargas para os diversos sensores e sistemas do motor sim, é possível e existem realmente esses dispositivos, mas da bateria para fora. Gratos.

  • Lourival Pereira

    Olá Maiko, grato pelo apoio, eu também gosto de um fusca, o primeiro carro que possuí foi um fusca 1975, 1.300 cilindradas, com 45 cavalos somente. Mas funcionava bonito, com platinado e não continha nenhum sensor, o unico dispositivo que se assemelhava a um sensor era a chamada “cebolinha do controle da marcha lenta”, o carrinho queimava branco, com gasolina à base de chumbo, como era comum na época, tinha um rendimento de 13 a 14 km/l, rodando entre 100 e 110 kmh.
    Não dá para entender como os carros modernos fabricados atualmente com dezenas de sensores eletronicos, controlando todo o funcionamento do motor por um sistema computadorizado, não primam muito no quesito economia. A única vantagem que se obtêm deste sistema é a segurança de funcionamento, pois sejamos honestos, não se vêm mais tantos carros parados no acostamento como antigamente devido à deficiencias de funcionamento.
    Claro que a tecnologia é primordial na segurança dos veículos. Os carros modernos, apesar de serem menos robustos do que os carros de 10 anos atrás, são mais eficientes e confiáveis, e também mais baratos, porque nos anos 80 para trás adquirir um carro zero não era pra qualquer um, seu valor equivaleria em muitos casos ao valor de uma casa.
    Resolví escrever esses posts, para ajudar os amigos que escreveram pedindo ajuda para entenderem diversos detallhes a respeito de baterias.
    Fiz curso de eletrotécnica e entendo um pouco a respeito desse assunto.
    Procurei não usar termos técnicos para não complicar o entendimento, pois muitos dos que escreveram acima não têm ainda experiencia em eletrotécnica.
    Concordo com você quanto ao assunto das baterias e mesmo que os carros modernos adotem sistemas de contrôle de carga e distribuição de corrente da baterias em seus dispositivos, em nada influenciariam no funcionamento fisico da mesma, porque dentro de uma bateria contêm tão somente o líquido eletrollítico composto de uma solução de água mais ácido sulfúrico em dosagem e densidade adequadas ao funcionamento do acumulador, mais as placas positivas e placas negativas, colocadas alternadamente entre elas com um isolante especial. Seu funcionamento baseia-se na transferencia de elétrons do polo negativo para o polo positivo (a direção de corrente eletrica, é sempre do polo negativo que contêm excesso de elétrons para o polo positivo onde existem falta de elétrons) e nenhum outro dispositivo, a não ser os bornes de fixação dos cabos externos. Então não há como controlar a carga ou descarga através de dispositivos físicos da própria bateria ou de dispositivos de MEMORIA, porque resumindo, seu funcionamento é uma simples reação quimica com a consequente troca de eletrons entre as placas negativas e positivas. Agora colocar dispositivos eletronicos externos pra controle de distribuição de cargas para os diversos sensores e sistemas do motor sim, é possível e existem realmente esses dispositivos, mas da bateria para fora. Gratos.

  • Lourival Pereira

    Olá Maiko, grato pelo apoio, eu também gosto de um fusca, o primeiro carro que possuí foi um fusca 1975, 1.300 cilindradas, com 45 cavalos somente. Mas funcionava bonito, com platinado e não continha nenhum sensor, o unico dispositivo que se assemelhava a um sensor era a chamada “cebolinha do controle da marcha lenta”, o carrinho queimava branco, com gasolina à base de chumbo, como era comum na época, tinha um rendimento de 13 a 14 km/l, rodando entre 100 e 110 kmh.
    Não dá para entender como os carros modernos fabricados atualmente com dezenas de sensores eletronicos, controlando todo o funcionamento do motor por um sistema computadorizado, não primam muito no quesito economia. A única vantagem que se obtêm deste sistema é a segurança de funcionamento, pois sejamos honestos, não se vêm mais tantos carros parados no acostamento como antigamente devido à deficiencias de funcionamento.
    Claro que a tecnologia é primordial na segurança dos veículos. Os carros modernos, apesar de serem menos robustos do que os carros de 10 anos atrás, são mais eficientes e confiáveis, e também mais baratos, porque nos anos 80 para trás adquirir um carro zero não era pra qualquer um, seu valor equivaleria em muitos casos ao valor de uma casa.
    Resolví escrever esses posts, para ajudar os amigos que escreveram pedindo ajuda para entenderem diversos detallhes a respeito de baterias.
    Fiz curso de eletrotécnica e entendo um pouco a respeito desse assunto.
    Procurei não usar termos técnicos para não complicar o entendimento, pois muitos dos que escreveram acima não têm ainda experiencia em eletrotécnica.
    Concordo com você quanto ao assunto das baterias e mesmo que os carros modernos adotem sistemas de contrôle de carga e distribuição de corrente da baterias em seus dispositivos, em nada influenciariam no funcionamento fisico da mesma, porque dentro de uma bateria contêm tão somente o líquido eletrollítico composto de uma solução de água mais ácido sulfúrico em dosagem e densidade adequadas ao funcionamento do acumulador, mais as placas positivas e placas negativas, colocadas alternadamente entre elas com um isolante especial. Seu funcionamento baseia-se na transferencia de elétrons do polo negativo para o polo positivo (a direção de corrente eletrica, é sempre do polo negativo que contêm excesso de elétrons para o polo positivo onde existem falta de elétrons) e nenhum outro dispositivo, a não ser os bornes de fixação dos cabos externos. Então não há como controlar a carga ou descarga através de dispositivos físicos da própria bateria ou de dispositivos de MEMORIA, porque resumindo, seu funcionamento é uma simples reação quimica com a consequente troca de eletrons entre as placas negativas e positivas. Agora colocar dispositivos eletronicos externos pra controle de distribuição de cargas para os diversos sensores e sistemas do motor sim, é possível e existem realmente esses dispositivos, mas da bateria para fora. Gratos.

  • Lourival Pereira

    Olá Maiko, grato pelo apoio, eu também gosto de um fusca, o primeiro carro que possuí foi um fusca 1975, 1.300 cilindradas, com 45 cavalos somente. Mas funcionava bonito, com platinado e não continha nenhum sensor, o unico dispositivo que se assemelhava a um sensor era a chamada “cebolinha do controle da marcha lenta”, o carrinho queimava branco, com gasolina à base de chumbo, como era comum na época, tinha um rendimento de 13 a 14 km/l, rodando entre 100 e 110 kmh.
    Não dá para entender como os carros modernos fabricados atualmente com dezenas de sensores eletronicos, controlando todo o funcionamento do motor por um sistema computadorizado, não primam muito no quesito economia. A única vantagem que se obtêm deste sistema é a segurança de funcionamento, pois sejamos honestos, não se vêm mais tantos carros parados no acostamento como antigamente devido à deficiencias de funcionamento.
    Claro que a tecnologia é primordial na segurança dos veículos. Os carros modernos, apesar de serem menos robustos do que os carros de 10 anos atrás, são mais eficientes e confiáveis, e também mais baratos, porque nos anos 80 para trás adquirir um carro zero não era pra qualquer um, seu valor equivaleria em muitos casos ao valor de uma casa.
    Resolví escrever esses posts, para ajudar os amigos que escreveram pedindo ajuda para entenderem diversos detallhes a respeito de baterias.
    Fiz curso de eletrotécnica e entendo um pouco a respeito desse assunto.
    Procurei não usar termos técnicos para não complicar o entendimento, pois muitos dos que escreveram acima não têm ainda experiencia em eletrotécnica.
    Concordo com você quanto ao assunto das baterias e mesmo que os carros modernos adotem sistemas de contrôle de carga e distribuição de corrente da baterias em seus dispositivos, em nada influenciariam no funcionamento fisico da mesma, porque dentro de uma bateria contêm tão somente o líquido eletrollítico composto de uma solução de água mais ácido sulfúrico em dosagem e densidade adequadas ao funcionamento do acumulador, mais as placas positivas e placas negativas, colocadas alternadamente entre elas com um isolante especial. Seu funcionamento baseia-se na transferencia de elétrons do polo negativo para o polo positivo (a direção de corrente eletrica, é sempre do polo negativo que contêm excesso de elétrons para o polo positivo onde existem falta de elétrons) e nenhum outro dispositivo, a não ser os bornes de fixação dos cabos externos. Então não há como controlar a carga ou descarga através de dispositivos físicos da própria bateria ou de dispositivos de MEMORIA, porque resumindo, seu funcionamento é uma simples reação quimica com a consequente troca de eletrons entre as placas negativas e positivas. Agora colocar dispositivos eletronicos externos pra controle de distribuição de cargas para os diversos sensores e sistemas do motor sim, é possível e existem realmente esses dispositivos, mas da bateria para fora. Gratos.

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Obrigado Lourival. Atualmente tenho dois, um 1966 e um 1962 ambom 1300.
    Realmente tenho que concordar que os carros de hoje em dia são bem mais seguros e confiaveis, no quesito tecnologia. Mas um ponto em que prefiro os antigos, pode procurar em qualquer lugar sempre vai achar um carro antigo, mesmo que seu pior estado, mas com seus minimos 20~30 anos. Agora eu pergunto, será que daqui a uns dez anos acharemos ainda alguns Celtas por ai com achamos fuscas, opalas, entre outros mais antigos?
    E voltando ao assunto das baterias, unico equipamento super tecnologico eu conheço para medir carga de bateria é o Multimetro, equipamento que deveria vir junto com os carros, fora issu, ainda tem algumas bateria que mostram um ‘medidor’, que não passa de uma bolinha que varia entre flutuar e afundar, conforme a densidade da solução contida na bateria.
    E acho que o Adam autor desde post não esperava que ele ainda vivesse por tanto tempo.
    =]

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Obrigado Lourival. Atualmente tenho dois, um 1966 e um 1962 ambom 1300.
    Realmente tenho que concordar que os carros de hoje em dia são bem mais seguros e confiaveis, no quesito tecnologia. Mas um ponto em que prefiro os antigos, pode procurar em qualquer lugar sempre vai achar um carro antigo, mesmo que seu pior estado, mas com seus minimos 20~30 anos. Agora eu pergunto, será que daqui a uns dez anos acharemos ainda alguns Celtas por ai com achamos fuscas, opalas, entre outros mais antigos?
    E voltando ao assunto das baterias, unico equipamento super tecnologico eu conheço para medir carga de bateria é o Multimetro, equipamento que deveria vir junto com os carros, fora issu, ainda tem algumas bateria que mostram um ‘medidor’, que não passa de uma bolinha que varia entre flutuar e afundar, conforme a densidade da solução contida na bateria.
    E acho que o Adam autor desde post não esperava que ele ainda vivesse por tanto tempo.
    =]

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com/ Mayko

    Obrigado Lourival. Atualmente tenho dois, um 1966 e um 1962 ambom 1300.
    Realmente tenho que concordar que os carros de hoje em dia são bem mais seguros e confiaveis, no quesito tecnologia. Mas um ponto em que prefiro os antigos, pode procurar em qualquer lugar sempre vai achar um carro antigo, mesmo que seu pior estado, mas com seus minimos 20~30 anos. Agora eu pergunto, será que daqui a uns dez anos acharemos ainda alguns Celtas por ai com achamos fuscas, opalas, entre outros mais antigos?
    E voltando ao assunto das baterias, unico equipamento super tecnologico eu conheço para medir carga de bateria é o Multimetro, equipamento que deveria vir junto com os carros, fora issu, ainda tem algumas bateria que mostram um ‘medidor’, que não passa de uma bolinha que varia entre flutuar e afundar, conforme a densidade da solução contida na bateria.
    E acho que o Adam autor desde post não esperava que ele ainda vivesse por tanto tempo.
    =]

  • http://www.uniaokustomlitoral.blogspot.com Mayko

    Obrigado Lourival. Atualmente tenho dois, um 1966 e um 1962 ambom 1300.
    Realmente tenho que concordar que os carros de hoje em dia são bem mais seguros e confiaveis, no quesito tecnologia. Mas um ponto em que prefiro os antigos, pode procurar em qualquer lugar sempre vai achar um carro antigo, mesmo que seu pior estado, mas com seus minimos 20~30 anos. Agora eu pergunto, será que daqui a uns dez anos acharemos ainda alguns Celtas por ai com achamos fuscas, opalas, entre outros mais antigos?
    E voltando ao assunto das baterias, unico equipamento super tecnologico eu conheço para medir carga de bateria é o Multimetro, equipamento que deveria vir junto com os carros, fora issu, ainda tem algumas bateria que mostram um ‘medidor’, que não passa de uma bolinha que varia entre flutuar e afundar, conforme a densidade da solução contida na bateria.
    E acho que o Adam autor desde post não esperava que ele ainda vivesse por tanto tempo.
    =]

  • Claudemir

    Quanta coisa, tampa de panela, caixa dágua, memória.

    Pouco se aproveita da maioria dos comentários, mas o mais próximo da realidade e o da caixa d’água.

    So para esclarecer um tópico antigo, a bateria tem sua vida útil dada pelo número de ciclos de carga e descarga e quanto maior for a profundidade de descarga, menor sera o número de ciclos que a bateria vai suportar e consequentemente menor sera sua vida útil.

    Assim, se o ar, o som e outros consumidores elétricos permanercerem ligados até qua a bateria entre em um estágio de descarga profunda, esse processo pode ser irreversível mesmo em uma bateria nova e neste caso seria necessária a substituição da mesma.

  • Claudemir

    Quanta coisa, tampa de panela, caixa dágua, memória.

    Pouco se aproveita da maioria dos comentários, mas o mais próximo da realidade e o da caixa d’água.

    So para esclarecer um tópico antigo, a bateria tem sua vida útil dada pelo número de ciclos de carga e descarga e quanto maior for a profundidade de descarga, menor sera o número de ciclos que a bateria vai suportar e consequentemente menor sera sua vida útil.

    Assim, se o ar, o som e outros consumidores elétricos permanercerem ligados até qua a bateria entre em um estágio de descarga profunda, esse processo pode ser irreversível mesmo em uma bateria nova e neste caso seria necessária a substituição da mesma.

  • Claudemir

    Quanta coisa, tampa de panela, caixa dágua, memória.

    Pouco se aproveita da maioria dos comentários, mas o mais próximo da realidade e o da caixa d’água.

    So para esclarecer um tópico antigo, a bateria tem sua vida útil dada pelo número de ciclos de carga e descarga e quanto maior for a profundidade de descarga, menor sera o número de ciclos que a bateria vai suportar e consequentemente menor sera sua vida útil.

    Assim, se o ar, o som e outros consumidores elétricos permanercerem ligados até qua a bateria entre em um estágio de descarga profunda, esse processo pode ser irreversível mesmo em uma bateria nova e neste caso seria necessária a substituição da mesma.

  • Claudemir

    Quanta coisa, tampa de panela, caixa dágua, memória.

    Pouco se aproveita da maioria dos comentários, mas o mais próximo da realidade e o da caixa d’água.

    So para esclarecer um tópico antigo, a bateria tem sua vida útil dada pelo número de ciclos de carga e descarga e quanto maior for a profundidade de descarga, menor sera o número de ciclos que a bateria vai suportar e consequentemente menor sera sua vida útil.

    Assim, se o ar, o som e outros consumidores elétricos permanercerem ligados até qua a bateria entre em um estágio de descarga profunda, esse processo pode ser irreversível mesmo em uma bateria nova e neste caso seria necessária a substituição da mesma.

  • Vinicius Gadelha Teixeira

    Instalei recentemente um som MP3 no meu carro e quando desligo ele parece que fica no modo stand-by. Agora constatei que estar consumindo corrente da bateria mesmo com o carro desligado. Qual seria a solucao ?

    • Cudanado

      Imediatamente remova o carro do som, pode ser perigoso para a bateria.

  • Vinicius Gadelha Teixeira

    Instalei recentemente um som MP3 no meu carro e quando desligo ele parece que fica no modo stand-by. Agora constatei que estar consumindo corrente da bateria mesmo com o carro desligado. Qual seria a solucao ?

  • Lourival Pereira

    Você está certo Claudemir, a ideia é isso aí mesmo. Só que a vida de uma bateria não está condicionada somente pelo seu uso variado ou rotineiro. A qualidade do produto, o tempo que o mesmo estava estocado, isso também influi na vida útil da bateria. Entretanto quanto á “tampa de panela” não me consta que em Eletrotécnica se faz uso desse vasilhame, não o citei em meus posts e nunca ví isso mencionado nos livros que estudei. Um abraço.

  • Lourival Pereira

    Você está certo Claudemir, a ideia é isso aí mesmo. Só que a vida de uma bateria não está condicionada somente pelo seu uso variado ou rotineiro. A qualidade do produto, o tempo que o mesmo estava estocado, isso também influi na vida útil da bateria. Entretanto quanto á “tampa de panela” não me consta que em Eletrotécnica se faz uso desse vasilhame, não o citei em meus posts e nunca ví isso mencionado nos livros que estudei. Um abraço.

  • Fulando de Tal

    Caro Amigo Marcio Biazus espero que tua mulher nunca fique sem bateria….. FDP

  • Fulando de Tal

    Caro Amigo Marcio Biazus espero que tua mulher nunca fique sem bateria….. FDP

  • alexandre sérgio alves salguei

    o meu dignissímo eletricista, altamente bem intencionado. me fez o favor de abrir uma bateria HELIAR (lacrada) tirando as 06 seis tampas,usando chave de fenda abrindo buracos pequenos nas mesmas em seguida, lavou com agua corrente ,varias vezes a bateria ,feito isso colocou 2lts, de solução salina p/baterias. logo ápos religou-a e pediu pra girar a chave , mas não deu partida. foi dada “chupeta” e o carro pegou,ficou ligado por 1hra. ao ser desligado não mais pegou. A MINHA PERGUNTA É:é certo só usar (2lts de solução)sem o uso de água destilada,,este é o motivo de não segurar carga? e é obrigatório dar “carga lenta” ? para repor toda carga perdida.?
    agradeço p/sua ajuda. amigo//amiga.

  • alexandre sérgio alves salgueiro

    o meu dignissímo eletricista, altamente bem intencionado. me fez o favor de abrir uma bateria HELIAR (lacrada) tirando as 06 seis tampas,usando chave de fenda abrindo buracos pequenos nas mesmas em seguida, lavou com agua corrente ,varias vezes a bateria ,feito isso colocou 2lts, de solução salina p/baterias. logo ápos religou-a e pediu pra girar a chave , mas não deu partida. foi dada “chupeta” e o carro pegou,ficou ligado por 1hra. ao ser desligado não mais pegou. A MINHA PERGUNTA É:é certo só usar (2lts de solução)sem o uso de água destilada,,este é o motivo de não segurar carga? e é obrigatório dar “carga lenta” ? para repor toda carga perdida.?
    agradeço p/sua ajuda. amigo//amiga.

  • lauro

    melhor comprar outra e jogar essa no lixo.

  • edu lima

    no lixo não, existe lugar certo para descarte deste tipo de material, falou?

  • Paulo

    Rafael Gonçalves errado, imagina se vc ligar primeiro o negativo, e na hora que vc for ligar o positivo encostar na carcaça?

  • Paulo

    Rafael Gonçalves errado, imagina se vc ligar primeiro o negativo, e na hora que vc for ligar o positivo encostar na carcaça?

  • Gui

    Dínamo? Acho que nunca tiveram um Fusca né? rs… Cada coisa! ahahahahah

  • Rodolfo

    Muito boas as dicas e comentários, especialmente os mais técnicos do Lourival e do Mayko. Mesmo as brincadeiras tèm valor, pois ajudam a descontrair. Quanto ao “apócrifo”, além dos significados trazidos pelo Cesarhans, pode siognificar, também, “texto sem dados técnicos certificados ou avaliados” ou seja, “dica experimental ou popular” sobre algum assunto. Pessoalmente já passei por esta situação mas hoje, com estes carros cada vez mais eletrônicos, prefiro chamar o seguro. Parabéns ao Adam Brandizzi pela idéia. Abraços. Rodolfo.

  • Rcarlos206

    Vc deve ligar primeiro os polos positivos e depois os negativos para evitar diminuir o quantidade de fagulhas provocadas pela energia!!!

  • Mateus De Lima Suzin

    cara na minha bmw nunca aconteceu isso pois tem 4 coreias do alternador que fiacam escondidas dais se arrebenta uma ainda tem 3 e ela ainda acende uma llus no painel

  • Daniel

    Na realidade a questão da ordem para ligar as baterias é para diminuir riscos de acidente.
    Por exemplo: se a pessoa ligar primeiro o pólo positivo da bateria, quando for ligar o pólo negativo, caso ocorra um descuido e esbarrar o cabo do terminal positivo da bateria na lateria do veículo, poderá ocorrer um curto circuito e até uma explosão da bateria.
    Por isso que a ordem que você mencionou é a mais segura:
    Para ligar a bateria, primeiro o positivo, depois o negativo;
    Para desligar a bateria: primeiro retirar o negativo, depois o positivo;

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5138 artigos
  • 647360 comentários
  • leitores online