Doping: a suja verdade do esporte profissional

Alberto Brandão

por
em às | Debates, Esportes


Para falar sobre esporte profissional, devemos sempre contextualizar tudo o que esse mercado milionário representa para quem vive dele.

Um competidor olímpico precisa de dinheiro para se sustentar por pelo menos quatro anos. O tempo entre dois eventos. Nessa conta, vamos colocar todos os gastos pessoais, treinadores e dietas de ponta. Adicione também viagens para eventos nacionais e internacionais, etapas classificatórias para esses eventos, hospedagem do atleta e da equipe apoiadora, que dependendo do esporte representam várias pessoas.

Atleta também paga conta. Atleta também leva os filhos ao cinema

O atleta é como um grande outdoor: quanto melhores os seus resultados e conquistas, mais marcas querem aparecer estampadas no seu uniforme e mais empresas usarão sua imagem como propaganda. Alguns atletas mantêm contratos com clubes, o que facilita em alguns pontos, mas por outro lado, são apenas funcionários que se os números não forem bons o emprego estará comprometido. Dentro de uma espiral viciosa onde, quanto melhor o competidor maior o fardo a ser carregado.

Custe o que custar

Em um mundo com tanta pressão, não é surpresa que todos farão de tudo para ser o melhor. Ganhar mais medalhas, aumentar sua exposição, garantir o sustento da família e recursos para manter o trabalho por mais quatro anos. Quando digo tudo, incluo um segredo: as substâncias banidas pela comissão atlética. Rebeca Gusmão que o diga.

Rebeca Gusmão é um exemplo clássico de punição pelo uso de doping e pela falta de informação do público. A nadadora foi punida com a inelegibilidade perpétua. Banida para sempre do esporte. Os brasileiros não sentiram a mínima compaixão pela representante nacional que, dias antes, gritavam o nome dela ao ver conquistar a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos.  Para todo mundo o veredito era único, ela tinha trapaceado.

Ben Johnson é um dos casos mais famosos de punição por doping que se tem notícia. Correndo os 100m rasos pelo Canadá nas olimpíadas de Seul, em 1988, Johnson teve a medalha de ouro suspensa pelo uso de Estanozolol, uma substância conhecida por aumentar os músculos com um mínimo acréscimo de gordura. Sua medalha de ouro foi transferida para o atleta americano que estava em segundo lugar, Carl Lewis.

O responsável pelo controle de drogas do Comitê Olímpico americano entregou à revista Sports Illustrated, em 2003, documentos com o nome de 100 atletas americanos que foram encobertos pelo órgão ao falhar no antidoping, entre eles, o agora medalhista de ouro olímpico, Carl Lewis.

Todos os atletas que caíram no teste vão dizer a mesma coisa: todo mundo usa.

Mas se todos usam, e o antidoping?

Os números são assustadores. A diferença entre os recordes num intervalo de 30 anos é gritante. Atletas, antes esguios, agora exibem grandes músculos. As marcas que antes eram recordes mundiais, hoje não representam números de atletas amadores.

O alemão (à frente) Armin Hary foi o primeiro a correr os 100m em 10 segundos, em 1960. Mas ram outros tempos

O teste normalmente é feito logo após a exibição.  Ao término da competição, o atleta segue imediatamente para uma sala onde fornece material para o exame.  Dessa forma, é fácil descobrir se o competidor participou do evento sob o efeito de drogas.

Entretanto, no mesmo passo que as agências avançam em técnicas para identificação do uso, novas drogas ainda não detectáveis são desenvolvidas, formas de controlar a administração para que a droga não seja detectada são aplicadas eficientemente.

Então, porque pessoas caem no antidoping?

Quando uma substância é administrada, o médico responsável sabe exatamente o tempo que a droga ficará presente no organismo.  A maior parte das substâncias são detectáveis por um ano, o que garante pelo menos três anos de treino dopado.  Normalmente o erro no cálculo da meia vida de uma droga são responsáveis por atletas pegos no exame.  Também existem testes fora de temporada feitos por amostragem ou em casos de denúncia.

Então todo mundo trapaceia?

Existem inúmeras formas de conseguir resultados parecidos, algumas legais, outras ilegais.

Para aumentar o desempenho em esportes que exigem um maior esforço cardiorrespiratório, como o ciclismo, a substância mais popular é a EPO (Eritropoietina), responsável pelo aumento de células vermelhas no sangue. Você pode adquirir esse mesmo resultado treinando muito mais, vivendo e treinando em regiões bastante elevadas, ou dormindo em uma câmara hiperbárica.

Câmaras Hiperbáricas produzem um grande resultado apenas por dormir nelas. Michael Phelps está usando uma no seu preparo para os jogos olímpicos de 2012,  Floyd Landis, o vencedor do Tour de France, admitiu dormir 8 horas por dia na câmara construída no quintal de sua casa e afirmou nunca ter usado nenhuma droga para vencer a competição.

Enquanto eu pesquisava para este artigo, descobri que ele foi flagrado no antidoping pelo uso de testosterona. Floyd foi preso por contratar um hacker para modificar os resultados dos exames nos computadores do laboratório. O título de vencedor da volta da França ficou com o espanhol Óscar Pereiro.

Mas o uso de drogas para melhorar o desempenho não é uma característica dos esportes em que o físico é um diferencial. Esportes como xadrez e o pôquer também possuem seus segredos. Em uma pesquisa feita com 198 jogadores de pôquer nos Estados Unidos, entre pessoas que jogam presencialmente e online: 73% fazem uso de alguma substância para aumentar a concentração, 11% para manter a calma, 11% para ficar acordado, e 2% para melhorar sua memória.

"Poderes especiais" sendo usados até no xadrez

Na maior competição mundial de jogos eletrônicos, a World Cyber Games, também existem casos de competidores que usam anfetamina horas antes da competição para melhorar seus reflexos.

A realidade é suja

Todos têm seu lado obscuro, aquilo que fizemos e não queremos que ninguém descubra. Toda profissão existe aquela verdade velada, que todos sabem, mas ninguém comenta. Acontece o mesmo com as nossas vidas.

Todo cenário se torna mais obscuro com a falta de estatísticas, uma vez que ninguém quer falar sobre o assunto. Em uma pesquisa de 1984, 61% dos atletas confirmaram que haviam utilizado esteroides anabolizantes nos últimos seis meses (infelizmente não consegui encontrar números atuais sobre o assunto).

Alistair Overeem disputará o cinturão do UFC em maio contra Junior Cigano. Afirma nunca ter usado anabolisantes e diz que seu desenvolvimento acelerado é fruto do consumo de carne de cavalo.

O que podemos enxergar com tudo isso é uma grande hipocrisia. Os órgãos que regulamentam os esportes dando seu jeito de esconder a verdade, atletas buscando formas de burlar o controle, e o público que não sabe como as coisas funcionam e acusam os flagrados como trapaceiros. Mas a suja realidade é que esporte de elite não existe sem o doping.

Não tenho dúvidas que existam atletas limpos, os que já usaram e não usam mais e atletas que usam frequentemente. Tudo depende muito do esporte, do percentual de vantagem entre força e técnica que a atividade exige. Usar doping faz um atleta desonesto? Não podemos afirmar sem saber quantos usam.

Em toda profissão existe um recurso para melhorar o rendimento, ou você acha que a máquina de café no escritório tem um papel diferente?

 

Alberto Brandão

Também escreve sobre Parkour no Decimadomuro, conta sua jornada falando sobre empreendeorismo no QG Secreto. Treina Taekwondo, Jiu-jitsu, Parkour e MMA. Escreve sobre treinamento físico em seu blog. Recentemente largou tudo para buscar um caminho mais feliz.


Outros artigos escritos por


SEPARAMOS MAIS TEXTOS PARA VOCÊ CONTINUAR LENDO




O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Conheça a visão e a essência por trás do que fazemos. Queremos uma discussão de alto nível. Antes de comentar, leia nossas boas práticas. Caso deseje enviar um texto e se tornar um autor, venha por aqui.


  • Marcu_s

    Ótimo post….. ;-)
    Digno de deixar um comentário!
    Tinha acabado de ler sobre o recem caso de dopping no UFC, e sem qualquer relacao, entrei nos meu ‘bookmarks’ para dar uma olhada em alguns Blogs que não lia a algume tempo e encontrei esse belo texto.

  • Bruno Andrade

    Overeem acabou de ser pego durante um teste surpresa após uma coletiva de imprensa do UFC 146 em Nevada. O substituto mais provável é o Frank Mir. via MMA Junkie.

    Será uma bela aula dos dois melhores boxeadores da categoria.

    • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

      É, eu já tinha mandado o texto quando isso rolou, mas fica como histórico pra quem acompanhar aqui nos comentários!

  • http://www.facebook.com/people/Wagner-Caldas-de-Araujo/100000757602324 Wagner Caldas de Araujo

    Bacana o texto. O exemplo da máquina de café foi perfeito. 

  • Diego Dubard

    Sério que o Overeem foi pego? que droga, estragou a luta do cigano.

  • Esaigh

    O Overeem acabou de ser pego no antidoping. Ele ganhou 20KG de massa magra em menos de 1 ano, a mesma quantidade que o fisiculturista Kai Greene ganhou entre 2009/2010. A diferença é que no fisiculturismo profissional o uso de anabolizantes é senso comum e até encorajado.

    • http://twitter.com/matheuscouto Matheus Couto

      Não foi um ano não, ele tá crescendo desde 2005, até virar o que é hoje. 1 ano seria muita cara de pau rsrsrs… e ainda botar a culpa na carne de cavalo

      • Eduardo

        Eu lembro de quando ele surgiu no pride junto com o irmão. Nem da pra acreditar que se trata da mesma pessoa.

  • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

    Putz, eu vi isso, mas já tinha entregue o texto! hahaha

  • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

    HAHAHAH VERDADE!

  • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

    Essa frase resume tudo:

    “Esporte é saude, competição não.”

  • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

    HAHAHAHHA MAG é rei! hahahaha 

  • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

    Não quis generalizar, conheço atletas de ponta, alguns raros, que afirmam nunca ter utilizado e eu acredito neles, são aqueles “dotados” de uma genética incrível. E outra coisa é que esteroides também não fazem mágica, vão ser uns 30% de todo um rigoroso conjunto de treinamento. 

    • Fernando

      Alberto, entendo perfeitamente seu ponto. Acredito que me precipitei dizendo que TODOS atletas de alto nível usam. Acredito que é um conjunto de fatores, a boa genética é uma bênção, treinamento e dedicação contribuem e os esteróides, bom, para entrar nesse mundo depende até aonde cada atleta deseja ir.
      Estou praticando bodybuilding a alguns anos e vejo que sem esteróides você consegue no máximo competir como amador.

  • http://www.facebook.com/people/Guilherme-Guerra/100002148765404 Guilherme Guerra

    Acho que não dá para generalizar mesmo… Não consigo visualizar doping em esportes como tênis, curling e outros desse tipo. Como o autor do texto disse, há um percentual de vantagem entre força e técnica, e alguns esportes são extremamente mais técnicos do que físicos.

    • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

      Guilherme, tênis é um esporte de cardio e reflexos rápidos, uso de metanfetaminas é bem comum. Em sua biografia Andre Agassi[http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,em-livro-andre-agassi-admite-uso-de-metanfetamina,457638,0.htm] admite ter usado e enganado a ATP. Curling é um esporte de atenção e sensibilidade, saber a força certa para lançar o disco é determinante. Existem casos de atletas de curling como o de Mitchell Marks que ficou 2 anos banidos por se recusar a fazer o exame, e casos de atletas paraolímpicos do Curling em cadeira de rodas que caíram no doping mas afirmaram que a substancia veio de medicamentos para controlar a pressão arterial. Verdade ou mentira? Não da pra saber. 

      Vale lembrar também que drogas recreativas também podem influenciar positivamente o desempenho do atleta. Cocaína e Maconha são amplamente encontrados em exames anti-doping. Também tem o caso de Joe Frans, também do Curling, flagrado pelo uso de cocaína. 

      Abraços!

  • http://www.facebook.com/meciconello Maria Eugênia Ciconello

    Uma dúvida: essa foto do Anderson Silva é uma mera coincidência ou é uma mensagem subliminar. O cara é um dos que mais perde peso no UFC, baixando seu peso para o de 2 categorias abaixo do seu peso normal.
    Acho que os dopings que são divulgados são aqueles que são muito agressivos, bem acima do que os flagrados em outros atletas da mesma competição. No caso da Rebeca Gusmão era algo visualmente identificável, ela nem parece ser uma mulher atualmente.

    • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

      Maria,

      A foto do Anderson é apenas para ilustrar a responsabilidade familiar do atleta. Levar o filho para o cinema e pagar contas. Para o publico maior a vida do atleta se resume aos minutos na frente da câmera. 

      Quanto a perda de peso, é bastante comum atletas caírem muito de peso, mas pelo biotipo ectomorfo do Aranha a facilidade para cair de peso deve ser maior. Lutadores normalmente caem muito, tem casos de gente que perdeu 18kg, a media normal é entre 6 e 8kg. Até 10% de massa da pra perder só com banheira de sal, sauna e desidratação geral mesmo, acho muito arriscado usar algo para bater peso tão perto do evento, seria fácil de identificar um coquetel de ECA ou Clembuterol tão perto do exame assim. 

      • http://www.facebook.com/meciconello Maria Eugênia Ciconello

        obrigada pela resposta, Alberto. Acompanho MMA quase todos os dias, mas ainda fico assustada quando leio que um atleta perde 20 quilos em poucos dias. Caras que treinam meses com o peso normal e depois emagrecem… bom, mas acho que isso já é um outro assunto.

  • http://www.facebook.com/people/Fernando-Gouveia/1770199954 Fernando Gouveia

    Muito bom o texto, Brandão.
    Hoje a copa da empresa não está funcionando, o coordenador trouxe a cafeteira da casa dele.
    Ele é o traficante da empresa.
    hahahahaha

    • http://about.me/albertobrandao Alberto Brandão

      hhaehaehae o coordenador está garantindo o desempenho dos funcionários haha mto bom

  • http://www.facebook.com/people/Matheus-Costa/100002117497909 Matheus Costa

    Excelente texto! Muito bom mesmo, mas discordo de uma parte, quando vc fala: 
     ”A maior parte das substâncias são detectáveis por um ano, o que garante pelo menos três anos de treino dopado. ” 
    Normalmente os atletas competem muito entre uma olimpíada e outra, tem pré-olimpico, mundial, copa do mundo, enfim…mas não muda a ideia central do texto, muito bom!

    Abraço

  • http://twitter.com/matheuscouto Matheus Couto

    O problema é que o Antidoping tá sempre um passo atrás do doping

  • Eduardo

    Eu já assisti esse documentário, bem interessante. Fala sobre a hipocrisia da população em relação ao uso de drogas.

  • Eduardo_pequeno

    No caso da Rebeca só ela foi punida ou os treinadores também?

  • Pingback: Anônimo

  • Lucas

    Vale lembrar que a cafeína é, para a planta que a produz, uma proteção contra insetos.
    Quando o inseto come a folha/fruta contendo cafeína ele fica agitado e não consegue mais dormir, morrendo de estresse e/ou por falta de sono, em última análise café é um tipo de “veneno” de pequeno impacto por causa da quantidade que consumimos.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000263625120 Otávio Caetano

    O anti-doping é muito mais um esquema político do que ético…

    Existe uma industria farmacêutica por trás do esporte profissional, remédios e drogas são desenvolvidos para os atletas, que são laboratórios na prática…

    Só acho meio errado ver isso como algo sujo, ruim, prejudicial… Muitos atletas profissionais são muito bem cuidados em relação a aplicação de esteróides anabolizantes e etc…

    E existem muitos mitos a respeito desse ‘burlamento’… Se eu tomar uma esteróide agora, eu não vou ficar forte, só vou ter uma disposição 2x maior de treinar do que eu teria normalmente. Então por mais que os atletas tomem drogas, eles treinam tão duro quanto qualquer pessoa aqui e vão até o limite, e é isso que tem que ser valorizado.

  • http://profile.yahoo.com/4DO72UCNNF3SXTNWFIXAOTCMQA Kazamuru

    hahahaha ótimo comentário!

  • futuromaromba

    Assisti o documentário bigger, faster, stronger… assisti também o documentário hormonio sintéticos da NatGeo. E decidi, vou partir para o uso de esteróides. Consegui ganhar 25 kg em 3 anos de academia, puro, só com dieta e suplementação. Mas como era extremamente magro, hoje sou apenas acima da média, vulgo “bombadinho” . Meu sonho é ser grande e travado, minha vida gira em torno da musculação, eu penso nisso 24h por dia. Não bebo, não fumo, como de 3 em 3 horas, sei de cor os ingredientes que tenho que comer por dia e quase não vou a baladas. Vejo jovens que fumam, bebem, treinam errado, comem errado e crescem até mais do que eu. Não dá pra competir, decidi que no meio desse ano começo um ciclo de estanozol com oxandrolona (e talvez um enantato) , farei a tpc certinha, e nesses 3 meses vou comer, dormir e cagar musculação.

    E não escondo, não sou hipócrita. A sociedade diz que “bomba” mata, mas a maioria da galera enche a cara todo fim de semana, fuma, usa drogas, enfim. Cada um sabe o preço que está disposto a pagar e eu depois de pesar na balança, resolvi tomar.

    E espero que continuem com esse papo de que “bomba mata, bomba deixa broxa, bomba isso, bomba aquilo”… Assim só quem tem coragem, quem realmente quer, vai ter coragem de tomar.

  • http://www.facebook.com/people/Abelardo-Monteiro/1252321605 Abelardo Monteiro

    Sinceramente, não creio que a grande maioria usam substâncias proibidas, é generalizar demais. Esses atletas de PONTA seguem dietas específicas, rotinas de treino com os melhores treinadores, fazem musculação, sem falar que com certeza possuem todos os suplementos de melhor qualidade para se manter na melhor forma física a alcançar os resultados esperados e sem falar no acompanhamento médico e nutricional. Lembrem-se estou falando de atletas de alto nível, não nenhum peladeiro.

    Claro que sempre existem os espertinhos ou os atletas que almejam chegar no nível profissional para ter tais regalias, alguns confundem os caminhos e um dia serão pegos no exame e irão passar por um vergonhoso caminho. Agente colhe o que planta.

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=100001942403764 Vinícius Nascimento

        se você olhar no documentário BIGGER, FASTER, STRONGER. Vai ver que nas vesperas do pré-olimpico de 1988, 2000 atletas americanos foram pegos e encobertos.

      Na volta da frança de ciclismo, se não me engano no de 2006… dos 200 melhores ciclistas, 90 foram pegos no Doping.

      No fisiculturismo, que é o esporte que exige mais dedicação e
      treinamento mais intenso… o uso de anabols é praticamente livre e sem o
      uso deles você não passa do nivel amador.

      Também tem o escandalo do baseball americano, onde um médico foi preso e
      para ganhar delação premiada, apontou os seus clientes…mais de 90,
      sendo que a maioria estava entre os melhores.

  • crispim

    Parabéns pela reportagem, pesquisa bem feita, texto isento de parcialidade e que expõe uma realidade que a sociedade universalmente se nega a acreditar.

  • Pingback: Lance Armstrong responde: os fins justificam os meios? | PapodeHomem

  • Pingback: Lance Armstrong responde: os fins justificam os meios? | Blog do Marcone

  • http://www.facebook.com/leandro.ota Leandro Ota

    Acho que deveria ter sempre 2 categorias nos esportes, em uma existiria os exames antidoping e no outro seria permitido o doping. Seria +- como a formula Indy e a Formula 1, em um todos usam o mesmo “motor” já na outra cada um é responsável pelo seu próprio motor. Acho interessante entender a capacidade do corpo humano sem e com doping.

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5533 artigos
  • 661568 comentários
  • leitores online