Incêndio: o que fazer em situações de risco

Felipe Giannella

por
em às | Guias, Mundo


Quando pensei em escrever o texto, a motivação foi em fornecer informações que podem ser muito úteis a pessoas comuns que, como eu, frequentam baladas, “barzinhos”, formaturas, festas, enfim, pessoas com vida social.

Podemos não saber, mas estamos sujeitos a sofrer consequências físicas causadas por desabamentos, incêndios, quedas, entre outros, das edificações nas quais estamos inseridos.

Este texto vai tratar das questões relacionadas ao incêndio, seus principais perigos, causas e as possibilidades de prevenção relacionadas tanto à manutenção da estrutura predial, quanto da percepção de risco e atitudes de cada pessoa.

Antes de continuar, quero prestar respeito às vítimas da madrugada do recente dia 27 de janeiro em Santa Maria/RS, no qual um incêndio matou 236 pessoas e feriu outras tantas. Esse texto foi incentivado por estes acontecimentos. Espero que o que aconteceu sirva como um alerta para as pessoas, e as incentive a buscar informações que podem afetar diretamente sua segurança e suas vidas.

Falando um pouco sobre incêndio

O que é um incêndio?

Trata-se uma ocorrência na qual há formação de fogo e este fica descontrolado. Para a criação do fogo, é necessária a presença do chamado “Quadrilátero (ou Tetraedro) do fogo”, formado pelo combustível (qualquer material que pegue fogo), comburente (elemento que, associado ao combustível, pode fazê-lo entrar em combustão – como o oxigênio), o calor (necessário para iniciar a combustão) e a reação em cadeia (onde a temperatura das chamas consegue inflamar os demais materiais existentes no local).

Retirando qualquer um dos três primeiros componentes, não há fogo e o incêndio é apagado. Os extintores seguem essa ideia, podendo atuar nas três pontas do triângulo, mas não na reação em cadeia.

Outro ponto importante a frisar é o tipo do extintor que deve ser utilizado para cada classe de incêndio. Cada tipo de extintor age de uma forma, o que o torna mais ou menos eficaz para cada tipo de combustível. Parece complicado, mas é bem simples:

60px-Fire_type_A Classe A: materiais sólidos como madeira, papel, tecidos e seus derivados;
60px-Fire_type_B Classe B: líquidos inflamáveis como gasolina, álcool, tinta, óleo diesel, etc;
60px-Class_C_fire_icon Classe C: redes elétricas e fiações, como em motores elétricos, geradores, equipamentos elétricos e eletrônicos, etc.
60px-Class_D_fire_icon Classe D - metais inflamáveis.
60px-Class_K_fire_icon Classe K: Óleos e fogos de graxa. (Nunca use água sobre um incêndio de gordura – que fará com que as chamas explodam e espalhem-se)

(Modelo: The Art of Manliness)

Os extintores mais comuns são os que contêm água, Pó Químico Seco (PQS) ou Gás Carbônico.

Repare bem nos tipos de extintores e procure-os no seu trabalho, no prédio onde você mora. Veja a diferença física e de instruções de cada um deles

Quando usar um extintor e quando deixar o local

Se estiver num local em que surge um princípio de incêndio, você pode combatê-lo antes que ele tome proporções incontroláveis. Para isso, siga as instruções abaixo:

1. Tente identificar primeiro a origem do fogo para escolher o extintor mais indicado. Não se deve usar um extintor com carga de água para apagar um incêndio Classe B, porque ele pode propagar mais o fogo, nem de Classe C, devido aos riscos de curtos circuitos e choques elétricos. Além disso, se utilizar o PQS em equipamentos elétricos, o produto que serviria para apagar o fogo“gruda” nos componentes, arruinando seus circuitos elétricos (como placas-mãe de computadores). Na dúvida, utilize o extintor de PQS, cujos riscos ao usuário são menores;

2. Corte o lacre de plástico, torcendo-o;

3. Retire o pino de segurança;

4. Faça um teste rápido, pressionando o gatilho ou abrindo a válvula;

5. Posicione-se a uma distância segura do foco. Se estiver ventando, coloque-se de uma forma que o fogo não venha na sua direção;

6. Dirija o jato para a base das chamas e faça movimentos de um lado para o outro, como se você estivesse “varrendo” o fogo;

7. Se o fogo estiver se propagando verticalmente, mire na base das chamas e faça um movimento ascendente e lento (de baixo para cima).

Outros pontos importantes:

  • Se houver vários extintores, utilize-os de forma conjunta para obter um resultado mais rápido.
  • Não tente combater um incêndio que está se expandindo muito além do seu ponto de origem.
  • Chame sempre os bombeiros – basta discar UM (1), NOVE (9), TRÊS (3). Mantenha os números de emergência perto dos telefones fixos e na memória dos celulares.
  • Caso não lembre como usar, siga as instruções que estão no verso do extintor.

Puxe o pino que há no punho; Aponte o bocal na base do fogo; Aperte a alavanca devagar; “Varra” de um lado para o outro. (Fonte: The Art of Manliness)

A questão principal aqui é que os extintores, por exemplo, servem para combater apenas o princípio do incêndio, quando ainda há pouco fogo.

Após certo momento, não é possível controlar o fogo apenas com o uso de extintores, e deve-se utilizar os hidrantes, ligados a uma mangueira, alimentados pela água da rede pública (o uso de hidrantes deve ser feito apenas por pessoas minimamente treinadas, como brigadistas; se você não foi treinado, saia do local imediatamente).

Quando o incêndio toma proporções ainda maiores, é absolutamente necessário ligar para o Corpo de Bombeiros, solicitando ajuda.

Por isso a importância de haver uma brigada de incêndio de prontidão em locais de grande acúmulo de pessoas. Quanto mais pessoas, maior o número de brigadistas treinados necessários, podendo-se inclusive ser necessária a contratação de profissionais (bombeiros) para permanecer em prontidão.

A ação imediata e precisa enquanto incêndio está no seu início é fundamental para diminuir as perdas e danos.

O que podemos fazer, na prática

Existem algumas medidas simples que podem fazer uma grande diferença nos efeitos de um incêndio. Algumas são estruturais e, portanto, de responsabilidade do projetista da edificação, do dono (pela administração do local e instalação das medidas de segurança), do corpo de bombeiros (pela avaliação da segurança do local), e possivelmente de técnicos da área de segurança do trabalho.

O que aconteceu no caso da boate Kiss, em Santa Maria (Fonte: Folha de S. Paulo)

Entre estas responsabilidades, estão:

  • Instalação (e testes periódicos) de alarme de incêndio;
  • Plano de evacuação/emergência/ de incêndio e pânico;
  • Sinalização de acordo com a legislação;
  • Rota de fuga estabelecida e visível às pessoas no local;
  • Instalação de detector de fumaça e sprinklers (chuveiros/pulverizadores automáticos de água, acionados pela fumaça);
  • Instalação de extintores de acordo com o material combustível no local e risco de incêndio;
  • Saída(s) de emergência (identificadas por placas fotoluminescentes, que brilham no escuro), de modo a garantir a evacuação imediata de todos no local, em caso de incêndio;
  • Portas corta-fogo (no caso de edificações com mais de um andar, estas portas protegem as escadas utilizadas durante a fuga) e ventilação (para manter as escadas livres de fumaça);
  • Instalação de iluminação de emergência;
  • Compartimentação Interna Vertical e Horizontal (os pisos e paredes são construídos de modo a não permitir a passagem de fogo para salas que não estão pegando fogo);
  • Manutenção adequada de todos estes equipamentos e estruturas, de modo a mantê-los funcionais.

Como se pode perceber, existem muitas medidas preventivas contra a ocorrência de um incêndio. Se uma edificação estiver em dia com suas responsabilidades legais, é bem menos provável que haja um incêndio no local, pois o fogo pode ser controlado antes de aumentar de proporção e causar maiores danos.

Ainda assim, há possibilidade de isto acontecer, no caso destas medidas preventivas não forem suficientes ou não terem uma manutenção adequada.

Você, como frequentador daquela balada que adora, tem o direito de se preocupar se a mesma segue estas medidas de segurança à risca. Exija do dono ou dos responsáveis pelo local que medidas de segurança sejam adotadas, caso perceba alguma irregularidade.

Denuncie para o Corpo de Bombeiros. Paralelamente, é importante que você esteja atento e seja observador.

A sua percepção do risco e suas atitudes são essenciais para a sua segurança – e possivelmente, a dos seus amigos – no caso da ocorrência de um incêndio.

Assim que entrar em qualquer edificação (prédio, casa ou estrutura física construída), preste atenção em identificar:

1. Os locais de acesso para fora do local;

2. saída(s) principal(is) e saída(s) de emergência(s). Elas deverão possuir uma identificação acima da porta;

3. Os extintores e seus tipos;

4. Detectores de fumaça;

5. sprinklers;

6. Luzes de emergência;

7. Sinalização com setas (verdes, que indicam o caminho mais curto até a saída mais próxima) e rota de fuga.

Obs: as setas verdes fotoluminescentes indicam o caminho mais curto para a saída mais próxima ao local em que você está (Rota de Fuga).

O que fazer durante um incêndio com fogo não controlável

Suponha que você está num local e este começa a pegar fogo. O que fazer? Primeiro de tudo o mais importante: não entre em pânico.


Link YouTube | Também não banque o herói, muito menos o rockstar. Dá uma olhada nas infos abaixo

É bem mais fácil pensar do que fazer na hora. Respeite o fogo, mas não perca o controle. Além disso:

1. Haja rapidamente. Procure identificar a saída mais próxima a você e dirija-se a ela. Tenha certeza de que é uma saída, verificando a sinalização acima da porta;

2. Acione o alarme de incêndio;

3. Haverá fumaça tóxica no ar, que pode fazê-lo desmaiar rapidamente. Procure proteger o nariz com uma camisa, pano, ou máscara – se tiver – amarrados firmemente ao rosto. Você ganhará instantes que poderão ser valiosos para a fuga.

4. Caso esteja no banheiro e escute o alarme de incêndio ou uma gritaria de pânico, pare imediatamente o que estiver fazendo e deixe o local. Mesmo que tenha que se afastar para ninguém vê-lo (ou sentir o cheiro), o mais importante é sair com vida;

5. Se for mulher e estiver de salto, tire-o e jogue num canto para não atrapalhar a passagem dos outros em fuga;
Se for mulher e estiver com bolsa, deixe-a no local e vá embora sem ela. Em incêndios, há vários casos de mulheres que perdem um braço, pois acabam prendendo a alça da bolsa no corrimão da escada e, devido ao grande número de pessoas descendo, o couro da bolsa não arrebenta e o braço é arrancado. Melhor perder a bolsa;

6. Se não conseguir sair rapidamente, procure se molhar o máximo que puder. A camada de água que se formar oferece uma pequena proteção contra o fogo, mas que pode ajudá-lo a aguentar o calor;

7. Tome cuidado para não cair ou causar a queda dos outros, pois pessoas que caem em passagens com grande fluxo de pessoas correm o risco de serem pisoteadas;

8. Mantenha-se o mais próximo do chão. Os gases tóxicos tendem a ocupar a parte superior do ambiente;

9. Não siga as outras pessoas. Siga a sinalização e sua observação do local. Muitas pessoas correm para a primeira porta que veem, outras as seguem achando que estão indo para a saída e impedem as primeiras que se enganaram de voltar pelo mesmo caminho. Este tempo perdido pode fazer diferença entre a vida e a morte;

10. Se for abrir portas usando maçanetas, utilize um pano ou camisa molhados para não queimar a mão. Certifique-se que não há fogo do outro lado, sentindo a irradiação de calor. Se abrir a porta e o outro lado estiver com fogo, ele pode ir em sua direção;

11. No caso de festas, bares e baladas, procure consumir bebidas alcoólicas até um nível em que você esteja em condições de se mover e deixar o local rapidamente.

Segurança é coisa séria.

As nossas vidas e de nossos conhecidos e amigos podem estar mais na nossa mão do que pensamos. Pequenas mudanças de atitude podem fazer grandes diferenças nos resultados de um incêndio. Temos que ter calma e estar preparados. Para no caso de qualquer sinistro ocorrer, conseguirmos escapar com vida e com saúde.

Caso saibam de alguma informação importante a acrescentar ao texto ou relatos sobre o tema, fiquem à vontade para postar nos comentários deste texto. Ficarei bem feliz em acompanhá-los.

Casas noturnas em São Paulo não possuem alvará de funcionamento

O Estadão começou uma campanha bem legal para identificar casas noturnas que oferecem risco aos frequentadores, dando mais poder às pessoas para reclamar seus direitos e exigir uma postura correta dos responsáveis pelas baladas.

As casas noturnas que não possuem alvará de funcionamento foram identificadas e seguem no link acima. Importante mencionar que somente o alvará não atesta a segurança do local. A segurança só é atestada pela presença de um AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) válido, ou seja, dentro da validade.

O AVCB pode ter outros nomes em outros estados (fora de São Paulo).

Outras informações úteis

Legislação para segurança contra incêndio do estado de São Paulo.

Este texto foi escrito com a colaboração do Engenheiro de Segurança do Trabalho Joseilton Medeiros Oliveira. Meus agradecimentos!

Felipe Giannella

Engenheiro, dançarino e fascinado pela vida, pelo funcionamento das máquinas e pelo comportamento humano. Pretende conhecer de tudo, o máximo que puder. Apaixonado por artes, línguas, viagens, artes marciais, esportes... tanta coisa que ficou difícil colocar aqui.


Outros artigos escritos por

Somos entusiastas do embate saudável

O texto acima não representa a opinião do PapodeHomem. Somos um espaço plural, aberto a visões contraditórias. Conheça nossa visão e a essência do que fazemos. Você pode comentar abaixo ou ainda nos enviar um artigo para publicação.


EXPLODA SEU EMAIL

Enviamos um único email por dia, com nossos textos. Cuidado, ele é radioativo.


TEXTOS RELACIONADOS

Queremos uma discussão de alto nível, sem frescuras e bem humorada. Portanto, leia nossa Política de Comentários.


  • Henrique

    Muito bom o texto, Felipe. Informações uteis para quem está sempre em locais onde há concentração de pessoas!

    Sobre Santa Maria, muito triste e revoltante o que ocorreu. Uma sucessão de erros cometidos pelas autoridades e donos do estabelecimento resultou numa tragédia, total descaso com as pessoas. O que fica é a tristeza das familias, pois nada que seja feito daqui pra frente vai trazer os jovens de volta, como disse um colunista da folha chamado Xico Sá “Imagina para as mães que irão arrumar os quartos dos seus meninos e meninas depois que abaixar a poeira, a fumaça, o barulho da comoção pública”.
    Triste demais…

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Pois é, Henrique, muito triste mesmo. Como sempre, quem perde é quem morreu, e a família de quem morreu. Mas dessa vez, me pareceu que a sociedade toda perdeu. Todos têm algum familiar ou amigo que frequenta baladas, bares, casas noturnas. Me parece que a “sensação” de segurança, aquela mesma que faz a gente acreditar que está seguro em qualquer coisa na vida, se foi. Espero que essa gurizada aprenda com o que aconteceu em Santa Maria. Que fiquem mais atentos, e procurem se informar mais. Informação é a grande salvadora nessas situações. Valeu pelo comentário.

  • http://www.facebook.com/MatheusQLopes Matheus Quatrin Lopes

    Cara, Queria que todo mundo aqui em Santa Maria tivesse consciência de como agir nestas situações. As mortes, em decorrência a irresponsabilidade dos donos da boate, eram incontornáveis, mas a consciência de medidas de segurança diminuiria, e muito, este número absurdo.
    Caiu uma bomba em Santa Maria. Quem não morreu foi, ao menos, derrubado por ela.
    E tá muito dificil de levantar..

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Oi Matheus! É cara, conhecimento pode mesmo fazer uma baita diferença… No caso de Santa Maria, eu tenho certeza que teria feito. Eu fiquei muito triste com o que aconteceu lá, queria poder amenizar a dor dessas famílias, poder mudar o passado. Com certeza foi um choque pra cidade toda. Espero que eles aprendam a lidar com essa dor, de alguma forma, e consigam seguir em frente.

  • Vítor Moreira Barreto

    Giannella, obrigado pelo texto, cara. Referência muito útil e oportuna. É importante nos lembrarmos de notar esses pontos nos lugares onde vamos (e cobrar providências).

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Po cara, espero que pelo menos algumas pessoas leiam e GUARDEM essas informações. Passa uma semana, um mês, um ano, e esquecemos de tudo. E na hora que precisamos… Temos que lembrar.

  • http://www.facebook.com/julia.lauria.7 Júlia Lauria

    Me pergunto quantas vezes na escola ou universidade eu tive aulas sobre primeiro socorros ou o que fazer em situações de emergência. Vejo tanta gente colocando um monte de baboseira que não serve pra nada na grade curricular dos alunos que sinceramente me irrita. Conteúdos como dessa matéria tinham que ser pauta de aula do primeiro ano da escola ao último da graduação.
    Parabéns pelo texto!

    • foguetevermelho

      É verdade. Acho que uma simulação de como agir nesses casos caia bem em uma aula de Ed. Física. Infelizmente muitos professores acham que Ed. Física é só dar uma bola pros muleques e deu.

      • Janio

        Peraí, educação física é para ser educação física: esportes e atividades físicas. Por que essa disciplina tem que ser sacrificada? Parece castigo de tia da escola pra turma que não quer se comportar. Ou melhor, denota como esse tipo de treinamento contra catástrofe não é levado a sério.

        Nos EUA é comum terem os “drills” contra tornados, snipers (franco-atiradores), incêndios, ataque terrorista e tudo mais que assola aquele povo paranoico (ou bem preparado?) pós 11/09. Qualquer grande empresa deve treinar seus funcionários periodicamente nas rotas de fuga. Isso não é coisa que deve ser vista só nos tempos de faculdade. Por isso minha crítica: é algo totalmente distinto de educação física.

      • foguetevermelho

        “educação física é para ser educação física: esportes e atividades físicas” se eu tivesse que apostar eu diria que você é um prof. de Ed. Física que faz o que eu disse acima. É por causa dessa visão que muitas pessoas (eu inclusive) passam a adolescência odiando Ed. física e por tabela acabam se afastando de algo tão salutar que são os esportes.

        Mas concordo com você que as instituições deveriam fazer treinamentos períodicos (no Brasil acho que 1x por ano parece bom) para essas situações de emergência.

      • Apolo

        Ei, bro! Estou me formando em Educacao Fisica. Nao acho que a aula de Educação Fisica dev ser usada pra esse fim. Se formos ensinar Primeiros Socorros ou o que fazer em situações emergenciais, que seja em outros momentos; e não na disciplina da Educação Física
        Abcs

    • Angelo

      Numa escola que eu estudei tinha várias simulações de incêndio durante o ano,e nunca era avisado que se tratava de uma simulação e sim que podia ser um incêndio de verdade,todo mundo seguia as instruções certinho kkk

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Concordo plenamente, Julia. Informações simples como essas poderiam salvar vidas. Essa garotada está cada vez mais cedo frequentando locais fechados, pequenos, pouco ventilados. Locais de risco, caso se propague um incêndio. Deveria ser fundamental fazer parte do ensino escolar e do ensino superior, apenas um dia ou algumas horas por ano fariam toda a diferença em uma incêndio. Pronto. Eu ficaria bem mais tranquilo.

    • http://www.facebook.com/people/Cristiana-Menezes/100002137082377 Cristiana Menezes

      Tinha que ter uma disciplina obrigatória só para falar de saúde e segurança. Ensinar essas crianças noções de primeiros socorros, a evitar acidentes e intoxicações, alimentação saudável, higiene. São muitas coisas importantes que nem são citadas no ambiente escolar.

  • Fernanda R.Silveira

    Parabéns pelo texto. Detalhado e preciso. ;)

  • Jean

    Bom texto. Fico pensando, se o alvará estava vencido quer dizer que algum dia ele foi concedido. Então a boate foi liberada para entrar em funcionamento mesmo não estando de acordo com as normas de segurança?

    • http://www.facebook.com/MatheusQLopes Matheus Quatrin Lopes

      Jean, aqui em Santa Maria a coisa é muito complexa. Já fiz um relato na internet de uma audiência na justiça militar em que eu participei, acompanhando uma testemunha, posto que sou advogado.
      Um bombeiro de alta patente requisitou a instalação de cortinas em seu gabinete em troca da liberação de um grande clube da cidade para a realização do Carnaval..
      Se isto funcionava para clubes, provavelmente funcionava para boates. E todas as boates da cidade são parecidas.
      A outra boate de propriedade do Mauro, que está preso, é a maior da cidade, e fica localizada, PASMEM, em um estacionamento subterrâneo de um supermercado.

    • Rafael

      Tem sócio dessa boate envolvido com estelionato e outras coisa mais,imagina se não seriam capazes de molhar mão de fiscais,prefeitura etc…

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Difídil dizer, Jean. Tudo depende do que constava no AVCB. Normalmente, antes de entregar o prédio, a construtora deve obter o AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros, o nome varia conforme o estado e cidade), que somente é emitido no caso de atendimento à exigências de segurança na edificação. O AVCB é emitido, então, para a edificação NÃO OCUPADA. Com o AVCB, a prefeitura pode emitir o Alvará de funcionamento, dando o aval pro condomínio/administradora começar suas atividades. Após certo período (que varia conforme a cidade), o AVCB perde a validade, e deve ser renovado. Se não for feita solicitação ao corpo de bombeiros, e houver um sinistro (incêndio), recai sobre o administrador da edificação a responsabilidade civil e criminal.

      A questão é que o AVCB não deveria ter sido dado, se haviam irregularidades na segurança. E isso acontece no Brasil todo, como pudemos ver depois que o Corpo de Bombeiros começou a ser mais rigoroso devido à pressão pública. Mandaram fechar um monte de casas noturnas. Isso é ridículo. Espero que mantenham todo esse rigor quando não houver pressão de todo lado, daqui a 1, 2 anos.

  • http://www.facebook.com/alexlguedes Alexandre Maciel

    Simples e direto, porém eu espero nunca precisar destas dicas (salvo a parte de identificar os locais de saída)

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Aprendemos para nunca usar! ;)

  • http://www.facebook.com/MatheusQLopes Matheus Quatrin Lopes

    https://mega.co.nz/#!SkJEXCDY!OcDAHy_AMhe9KxHWYYnHrSruJcU0facu2RNNI3g-7mw

    Link para uma sentença de um processo AQUI DE SANTA MARIA!

    Vejam como funcionam a coisa por aqui.

  • Luciano Andolini

    Gianella,

    Mandou muito bem, cara.

    Obrigado por estas dicas. Espero de coração que este texto seja bastante lido e usado como referência por muita gente.

    Abração

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Também espero, Andolini. Valeu!

  • Diego Augusto

    Parabéns pelo texto;
    Só uma contribuição: Se for utilizar um extintor de CO2, não segure no difusor (cone) ou sua mão congela no mesmo e não é nada agradável.

  • foguetevermelho

    Muito bom. Parabéns pelo texto. Uma dúvida: e se uma pessoa ou a roupa dela estiver pegando fogo, sabe se podemos usar o extintor diretamente nela ou só iria piorar a situação?

    Sei que devemos abafar a pessoa mas é mais fácil achar um extintor do que um cobertor.

    • http://twitter.com/jaisoncarvalho Jaison

      - Agua causará choque térmico;
      - CO2 pode matá-la asfixiada;
      - Pó químico é venenoso;

  • Aquiles Marchel

    agora o governo de sampa diz que as boates mais frequentadas do estado estão na mesma situação da boate kISS, ganancia, ambição, displicencia e agora todo mundo quer posar de bonzinho….enfim na escola deveríamos aprender primeiros socorros sim, os bombeiros de Santa Maria me pareciam meio perdidos nas imagens, os estudantes que estavam quebrando a parede…vai ver é impressão

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      É disso que eu tenho medo, Aquiles. Depois que a comoção passar, vamos continuar com as casas noturnas sem segurança, inaptas a receber o público gigante que as frequenta? O que tem de casa em São Paulo que recebe mais de 1000 pessoas, fácil. Exija das autoridades, mas também aprenda a se virar. Eu só confio minha segurança a mim mesmo.

  • Nélio Oliveira

    EXCELENTE texto, desses que, se eu tivesse facebook, compartilharia.

    Se as pessoas fizessem como nós, escoteiros, aprendemos quase que logo no primeiro dia, e ao adentrar qualquer recinto identificassem as saídas de emergência, só isso seria mais da metade do caminho.

    Quanto a isto:

    Em incêndios, há vários casos de mulheres que perdem um braço, pois acabam prendendo a alça da bolsa no corrimão da escada e, devido ao grande número de pessoas descendo, o couro da bolsa não arrebenta e o braço é arrancado.

    Só tenho uma coisa a dizer: C-A-R-A-L-H-O!

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Valeu Nélio! É bem por aí mesmo. Saber onde ficam as possíveis saídas de qualquer recinto que você esteja é fundamental. O problema é que pouca gente sequer pensa nisso. Seria ótimo se pensassem.

      Quanto aos escoteiros, eles são jovens muito mais preparados que a maioria das pessoas. Lembro que se não fosse um amigo escoteiro em um trekking que fiz há uns dois anos, eu provavelmente não estaria vivo agora. Respeito muito.

    • http://www.facebook.com/people/Cristiana-Menezes/100002137082377 Cristiana Menezes

      Nunca mais vou pra balada de bolsa depois dessa.

      • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

        Pode ir Cristiana, mas se precisar sair depressa, deixa a bolsa lá. Se estiver num prédio, pode até jogar a bolsa pela janela, bem rápido, e deixar o local. Depois vc tenta recuperar. Por isso não gosto de celulares caros, por exemplo. Se vc precisar deixar ele pra trás, pode hesitar por ele ser caro, e ter problemas depois…

      • http://www.facebook.com/people/Cristiana-Menezes/100002137082377 Cristiana Menezes

        uma solução boa também seriam aquelas bolsas sem alça, tipo uma carteira.

    • Ricardo

      NOOOOOSA… vc foi escoteiro? NOOOSA…. vc além de ser o novo Voltaire do PDH, foi tb escoteiro? NOOOOOOOSAAAAA….. a expressão “CA-RA-LHO”, foi muito, muito HYPE cara.. vc é meu herói… aposto que não tá pegando ninguém… porque teus comentários “meia-bosta” revelam um cara bem infeliz…. heheheh

      :) babaca!

  • Anônimo

    Acho que os jovens deveriam evitar frequentar ambientes desse tipo, boates são ambiente pouco saudáveis e emburrecedor, pois só promove o consumo, sexo gratuito, banalidade das relações sociais, abuso de alcool, entre outros malefícios direto e indiretamente. É dificil pensar em reeducar os jovens ou mesmo conscientiza-los, uma vez que foram doutrinados pela televisão a gostar de coisas dessa natureza e as escolas também erram, pois deveriam fazer esse papel, mas só ensinam inutilidades como E=m.c². Porém, o que seria adequado antes que qualquer atividade de lazer ser cultuada é ter atenção e o senso observativo de ver e avaliar a segurança do ambiente que o cerca e procurar se informar a respeito de tudo que envolve a sua e a segurança dos demais em ambiente abertos ou principalmente fechados. Consultar normas e se informar é essencial, bem como consultar ou averiguar fatos junto a profissionais e as autoridades do ramo podem evitar tragédias e salvar sua vida e muitas outras. Portanto, observe, avalie, denuncie ou simplesmente evite ir ou frequentar esses tipos de ambientes ou atividades.

  • http://twitter.com/edegar EDEGAR NEUMANN

    O correto é sprinkler.

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Essa passou. Vou pedir para corrigirem aqui!

  • http://www.facebook.com/stifel.sergio Stifel Sergio

    Eu como técnico em segurança do trabalho, sei que existe risco em qual quer lugar, e existe 5 tipos de risco o risco fisico, quimico, biologico, ergonomico e de acidente, e existe X motivos para que um risco desse aconteça. Infelizmente houve essa tragedia, e o BRASIL só acorda para a questão de segurança quando acontece de uma proporção dessa, a boate Kiss trabalhava em condições inseguras. A responsabilidade civil e criminal dos donos da boate Kiss por lei a culpa é do empregador por impericia, negligencia ou imprudencia, por deixar de cumprir as normas de segurança e saude, punivel com multa-constitui contravenção penal , art 343 decreto 3.048/99.

  • Filipe Cifali
  • http://www.facebook.com/wallace.mello.775 Wallace Mello

    Uma coisa que me deixa inconformado é, temos que esperar 200 pessoas morrer para DEPOIS começarmos a analisar os problemas e fatores que podem levar a uma tragédia como esta?

    • http://www.facebook.com/people/Felipe-Giannella/100001329622375 Felipe Giannella

      Pois é Wallace. Também fico BASTANTE inconformado. As pessoas só levam a sério quando o problema chega nelas. Enquanto não acontece nada, elas vão levando. E segurança adequada depende de gestão, de manutenção do sistema. Se esquecer de recarregar os extintores, de testar o alarme, etc, eles falham na hora que você precisa, e aí já era. Isso é um problema cultural no nosso país, e, infelizmente, bem arraigado. Difícil de se livrar.

      • http://www.facebook.com/wallace.mello.775 Wallace Mello

        Pois é a falta de inrresponsabilidade é uma coisa típica de nosso país.

  • Guilherme Calciolari

    Só duas observações:

    a) acho a campanha do Estadão uma besteira. Pedir pra usuários indicarem as casas que são aparentemente seguras? Ora, e o guia que eles fazem, não teria essa função? É muito fácil dar 4 ou 5 estrelas pra qualquer buraco e depois passar o ônus pra população.

    b) o alvará estar vencido não influencia em nada. Se acontecesse isso enquanto ele estivesse válido a tragédia seria a mesma, nada mudou de agosto pra cá.

    • Adriana

      realmente, ter um alvará, vencido ou não, não influencia em nada. e nem indica que a casa é segura. existe uma máfia por trás do processo de emissão desses documentos que enriquece muita gente, e “não entrar no esquema” pode ser uma baita dor de cabeça pra quem quer fazer um estabelecimento funcionar… não adianta nada exigir mais fiscalização enquanto a corrupção desse tipo de serviço continuar existindo.

  • http://www.facebook.com/people/Fernando-Gouveia/1770199954 Fernando Gouveia

    Boa, Giannella.
    Na maioria são cuidados simples e bem lógicos, manter a calma é fundamental.

  • Leonardo Brito

    Estou cursando Segurança do Trabalho, e durante as aulas dessa semana (a da tragédia) os professores nos alertaram e muito quanto a isso, se alguém quiser saber mais é só procurar por: NR 23 Proteção Contra Incêndios. A boate kiss tinha muitas irregularidades, mas isso cabe a justiça.

    Só pra complementar, é sempre bom ao entrar em um local, seja um ônibus, um prédio, uma loja, shopping, etc, procurar as saídas de emergência, verificar se existem extintores e verificar o tipo deles. E em caso de incêndio ligar imediatamente para os bombeiros e não bancar o superman pois a vida não é um filme! O restante está escrito no texto: proteger o rosto com um pano, se possível, molhado; NÃO TIRAR A ROUPA, pois ela pode te proteger, etc.

  • Bruno Cartaxo

    Acho todas essas instruções louváveis, de verdade. Quanto mais gente souber conduzir esse tipo de protocolo, tão melhor. Parabéns ao autor! =)

    Boate com alvará vencido, falta de fiscalização dos órgãos competentes e negligência da banda ao usar fogos errados são todos pontos a serem pensados e tratados. Mas na minha visão são atos totalmente inconscientes e muitas vezes “institucionalizados”, mesmo que erradamente. Ninguém que cometeu esses atos tinha real intenção de provocar um incêndio. Apartamentos novos, sem habite-se, com pessoas morando e fogos sendo conduzidos por crianças e adultos de maneira irresponsável é usual.

    Queria apenas chamar atenção para um ponto que considero muito mais grave, por que esse sim, foi um ato consciente contra as pessoas que morreram naquele local e poderia de fato ter salvado vidas.

    Não estou tentando minimizar todos esses atos irresponsáveis, por outro lado queria chamar atenção para um ponto que particularmente me deu nó no estômago quando acompanhei toda essa tragédia: ESTABELECIMENTOS QUE FECHAM AS PORTAS QUANDO HÁ TUMULTOS, PARA EVITAR QUE PESSOAS SAIAM SEM PAGAR.

    A segurança do estabelecimento fechou as portas durante alguns minutos após o início do incêndio para que as pessoas não saíssem sem pagar. Esperavam que o incêndio fosse controlado, ou que o tumulto fosse uma briga. Isso sim é crime, quem sabe até, hediondo.

    É impressionante como essa é uma situação recorrente (obviamente nenhuma nas proporções de santa maria). Cansei de ouvir falar (e já vivenciei) de situações em que boates trancam as portas quando há brigas dentro do estabelecimento. A briga só faz aumentar, muitas vezes virando um quebra-quebra generalizado. As pessoas tentam escapar e a segurança bloqueia as saídas para evitar que as pessoas saiam sem pagar.

    Esse tipo de atitude sim, deveria ser combatida de maneira exemplar e trazido à consciência das pessoas. Incêncios ocorrem até mesmo nos lugares mais seguros, fiscalizados e protegidos do mundo. Talvez pudessem ser evitados, mas são fatalidades. Seguranças deliberadamente bloqueando a fuga de um incêncio ou briga é atitude consciente, diretamente contra as pessoas. Se as portas não estivessem bloqueadas não teriámos pilhas de corpos na saída, desesperados tentando escapar daquele inferno. Muita gente teria se salvado.

    Essa lição sim, deveria ser aprendida, combatida e reforçada, frente estabelecimentos que promovem eventos fechados.

    “Ele confirmou que assim que o pânico começou, os seguranças da boate fecharam as portas para que as pessoas não saíssem sem pagar.

    — Eles acharam que era uma briga, e queriam trancar ali por causa da comanda.”

    http://oglobo.globo.com/pais/um-dos-tres-sinalizadores-acesos-em-boate-iniciou-incendio-confirma-policia-7408973

  • André

    só uma correção: “Aja” (verbo agir) e não “Haja” (verbo haver).

  • Marcelo

    Apenas um Adendo.
    Os extintores de Classe C são utilizados em incendio nas redes elétricas e fiações, ENERGIZADOS. Caso não estejam se torna um incendio de classe A.
    No mais, um artigo excepcional.

    Abraços

  • Animal

    As pessoas não têm muita consciência sobre sinistro. Várias vezes já me deparei com situações e atitudes inseguras. Um exemplo foi ter visto um carro estacionado em frente a uma saída de emergência do estacionamento de um shopping. Se toca um alarme? Mesmo que não seja uma situação real, pra onde as pessoas vão correr?
    São certos tipos de atos que passam desapercebidos no dia-a-dia, muito provavelmente por acreditarmos que dificilemente acontecerá conosco uma tragédia desse porte.
    Gostaria de salientar um aspecto quanto ao “tetaedro” ou “triângulo” do fogo. Há muitas dúvidas, por isso, tenha em mente o seguinte: para ter fogo, precisamos ter:
    1. Material Combustível (material inflamável) – e não é só gasolina que é inflamável, nossas roupas, corpo e CABELO também são.
    2. Comburente – O2
    3. Fonte de Calor
    O que o extintor de incêncio faz, de acordo com a sua classe, é eliminar um ou mais de um destes componentes do “triângulo do fogo”.
    O 4º ítem é a “reação em cadeia”, quando já se caracteriza um INCÊNDIO, formando o “quadrilátero” ou “tetaedro do fogo” e o extintor é ineficaz. Não tente combater um incêncio. Siga as dicas de segurança aqui expostas. Primeirize a sua segurança, saia vivo, não se torne mais uma vítima.

  • Pingback: Você tem um local seguro? | Produzindo Eventos

Papo de homem recomenda

Assine o Papo de homem

Curta o PdH no Facebook
  • 5152 artigos
  • 647783 comentários
  • leitores online